Busca

Tag: Discurso


14:22 · 02.02.2017 / atualizado às 14:22 · 02.02.2017 por

Um tapete vermelho direcionava o caminho que as autoridades do Estado deveriam tomar para sair do complexo de gabinetes da Assembleia Legislativa do Ceará em direção ao Plenário 13 de Maio. Ao redor dele, um grupo de estudantes do Colégio da Polícia Militar prestaram continência quando chegaram à Casa os chefes do poder Executivo e do Legislativo.

Lado a lado, Camilo Santana (PT) e Zezinho Albuquerque (PDT) seguiam pelo caminho estabelecido acompanhados de diversos integrantes do governo, além de deputados e deputadas. A vice-governadora, Izolda Cela, também estava na comitiva, assim como o Chefe de Gabinete do governo, Élcio Batista, o Secretário da Casa Civil, Nelson Martins e o Secretário da Fazenda, Mauro Filho.

Às 11h, a sessão foi aberta pelo Presidente da Assembleia fazendo o convite para a composição da Mesa de autoridades da sessão solene. Além de Zezinho, Camilo e Izolda, foram convidados o vice-presidente da AL, Tin Gomes (PHS) e a 4ª Secretária da Mesa Diretora, a deputada Augusta Brito (PCdoB).

Discurso

A fim de realizar um balanço sobre o ano de 2016, o governador se dirigiu à tribuna da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará em tom de agradecimento pela parceria com o Executivo. “Venho mais uma vez com muita alegria a esta Casa não só cumprir um preceito constitucional e apresentar o exercício do ano de 2016, mas também agradecer aos parlamentares pelo apoio”, afirmou.

Camilo disse que o governo do Estado investiu em 2016 cerca de R$ 3,7 bilhões nas áreas prioritárias, como a de recursos hídricos, saúde e educação. “Tal volume coloca o Estado entre os estados que mais investiram em 2016”, pontuou.

O governador comemorou os dados relativos à educação do Ceará, que aparecem com destaque no País, e a manutenção dos salários dos servidores, quadro diferente de outros estados como o Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul que parcelaram os vencimentos dos profissionais públicos desses estados.

“O governo tem trabalhado diuturnamente para garantir água para todos os cearenses e em todo o estado diante dos cinco anos consecutivos de seca”, relatou Camilo ao informar que investiu “massivamente em ações emergenciais de enfrentamento à seca”, como a implantação de adutoras, poços profundos e cisternas.

O governador também citou a queda no número de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) na casa de 15,2% no Ceará e 28,7% em Fortaleza. “Tal desempenho pode ser considerado de alta relevância para nossa sociedade”, definiu.

Utilizando um discurso de união e pacificação, Camilo afirmou que irá começar 2017 com “energia renovada” para superar os dois anos de crise que acometeram o País e o Estado. “Quero reafirmar o desejo sincero para o diálogo com a sociedade cearense. Somente juntos construiremos um Ceará mais pacífico, mais justo e mais acolhedor”, finalizou.

14:19 · 02.02.2017 / atualizado às 14:19 · 02.02.2017 por

Galerias lotadas, plenário à todo vapor. Enquanto o governador do Estado do Ceará, Camilo Santana (PT), não chegava para fazer o discurso anual de abertura dos trabalhos no poder Legislativo, deputados, secretários, repórteres e assessores se dividiam entre os poucos espaços que restavam no local. As cadeiras, quase totalmente vazias, tomavam o centro e os entornos na sala oval do Plenário 13 de Maio.

Apesar de o relógio já ter passado do horário que havia sido marcada a sessão (10h), poucos parlamentares haviam dado a presença até a chegada do governador. Até às 10h20 só 13 dos 46 tinham nome cativo na lista de presença do dia. Alguns deputados se encontravam em Plenário, mas não fizeram o seu registro no painel, outros tinham a marcação “P” no local, mas não estavam no palco das discussões legislativas cearenses.

Até as galerias, tão utilizadas por servidores em reivindicação, estavam lotadas de policiais militares e oficiais para acompanhar o que seria o primeiro discurso do último biênio da gestão Camilo.

A expectativa é que o petista apresente uma proposta para o reajuste dos servidores públicos do Estado, que amargam há dois anos um salário sem correção. Ontem, Camilo disse ao Diário do Nordeste que iria se reunir com a equipe econômica do governo e, caso chegassem a um denominador comum, a proposta seria entregue ao presidente da AL, Zezinho Albuquerque (PDT), nesta quinta (2).

09:04 · 01.07.2016 / atualizado às 09:04 · 01.07.2016 por

Em um dia atípico na Assembleia Legislativa a deputada Fernanda Pessoa (PR) defendeu em discurso, ontem, os direitos dos idosos, que, segundo ela, continuam sendo desrespeitados. Fernanda discursou após mais de meia hora de confusão que se iniciou porque o deputado Joaquim Noronha (PRP), que presidia a sessão, depois de fala rápida, menos de seis minutos de Antônio Granja (PDT), fez a chamada dos parlamentares que usariam o terceiro, quinto e sexto tempos, no caso Elmano Freitas (PT), Leonardo Pinheiro (PP) e Júlio César (PDT), que estavam ausentes, esquecendo de chamar a parlamentar, para quem estava disponível o quarto tempo. Com o descuido, Noronha chegou a reabrir o painel de presença, como é feito ao iniciar a ordem do dia. Após reclamações, ele voltou atrás e garantiu a palavra aos inscritos.
Durante os quinze minutos a que tinha direito, Fernanda ressaltou saber que viver com saúde, tranquilidade e segurança seria o desejo e o direito de todos na maturidade. Ela afirmou que as pessoas com idade igual ou superior a 60 anos têm seus direitos assegurados pelo Estatuto do Idoso, que prevê, dentre as garantias, o direito à Saúde, à Previdência e à Assistência Social e ao lazer. “Para ser uma ideia, a última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios realizada ainda em 2014, revelou que o número de pessoas com mais de 60 anos de idade no Brasil é superior a 28 milhões de pessoas, e isso representa cerca de 13,7% da nossa população. A expectativa é que esse percentual aumente e que, em 2060, chegue a 34%”, relatou.
Fernanda apontou que no nosso Ceará, o envelhecimento populacional vem evoluindo, sendo atualmente 10% da população composta de idosos, e com essa evolução, as cidades precisam se adequar e criar novas ações visando qualificar a assistência e oferecer mais qualidade de vida para a população idosa. “Por isso, fica aqui nosso apelo para que as novas obras, as reformas de equipamentos públicos e privados tenham o olhar para a pessoa idosa e crie acessos com acessibilidade. E para além de obras o fundamental é o respeito com as pessoas idosas. Sabemos que os idosos sofrem a cada dia com a falta de compreensão e com agressões”.
A deputada também se pronunciou em defesa dos idosos e idosas que precisam do transporte público para se locomover. “Muito me admira que durante este mês a defensoria pública, em parceria com o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus), e o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Intermunicipal e Interestadual do Ceará (Sinterônibus), lançaram a Campanha Idosos Primeiro, a fim de esclarecer e realizar atendimentos aos idosos. Uma campanha de apoio ao idoso é importante, principalmente para esclarecer seus direitos”, comentou.
Mas o que, segundo a parlamentar, a deixou surpresa teria sido a orientação para que os idosos tirem a carteira do idoso, para poderem usar o transporte público em fortaleza. “Esse é, ao meu ver, e acredito ser o de muitos deputados aqui nesta Casa, um benefício já garantido pelo estatuto do idoso que assegura a gratuidade ao utilizar ônibus para qualquer pessoa acima de 65 anos. Basta apresentar um documento com foto”, criticou. “Os idosos já sofrem por serem vulneráveis, por terem o ir e vir mais comprometido, não deveriam ter mais este trabalho: o de tirar um cartão que não tem necessidade. Então eu pergunto qual o benefício disso? Qual a necessidade deste cartão? isso vai servir pra quem?”, questionou. “Ano passado, inclusive, o Ministério Público pediu a revogação deste mesmo cartão que já vinha sendo solicitado”, concluiu.

14:39 · 02.02.2016 / atualizado às 14:39 · 02.02.2016 por

O governador Camilo Santana está almoçando, agora, com um grupo de deputados estaduais, no Palácio da Abolição, após a solenidade de abertura do ano legislativo na Assembleia Legislativa cearense, onde, cumprindo disposição legal, ele fez a prestação de contas de seu Governo no ano passado.

Camilo, na mensagem lida aos deputados, enumerou todos os pontos da administração com ênfase para as questões ligadas à Segurança, Saúde e Educação. Ele fez referências às dificuldades econômicas, mas destacou a performance do Estado em saldar todos os seus compromissos com os servidores e com os fornecedores.

Para o governador, em todos os setores da administração estadual houve avanço, esperando que neste ano de 2016 com a perspectiva de melhora na economia e da chegada das águas do Rio São Francisco ao Estado, as coisas fiquem bem melhor para o Ceará. Além das Águas do São Francisco, Camilo citou também, como um um evento histórico para o Estado a inauguração da Companhia Siderúrgica do Pecém.

 

09:19 · 02.12.2014 / atualizado às 09:19 · 02.12.2014 por

Camilo Santana (PT), governador eleito do Ceará, não precisa renunciar ao mandato de deputado estadual para assumir a chefia do Executivo cearense, dia 1º de janeiro próximo. No entanto, há uma certa expectativa quanto a um pronunciamento seu, no Legislativo, até o último dia desta sessão legislativa, em 19 de dezembro vindouro, não apenas como um gesto de atenção ao Poder que ele ainda integra, como pela oportunidade de, agora sim, com o conhecimento mais aprofundado da realidade da máquina pública, dizer como iniciará o Governo e do apoio que espera ter daquela Casa.

Camilo tem participado de praticamente todas as reuniões do grupo de transição com o atual secretariado e outros auxiliares das diversas instâncias do Governo Cid Gomes. Não tem ainda todo o diagnóstico, mas já conseguiu reunir números e detalhes dos projetos nos quatro principais pontos da gestão estadual: erário, educação, segurança e saúde. Paralelo, acompanha a discussão do Plano de Governo, cuja etapa principal, antes de sua publicação, acontece de hoje até o dia 4, quinta-feira, um seminário onde serão discutidas as prioridades dos projetos em que se transformaram as promessas de campanha.

O governador, como acontece a todo início de Governo, precisará muito do Legislativo, posto ter necessidade de aprovar suas primeiras proposições. Evidente que a nova composição da Assembleia será bem diferente da atual, em razão da renovação imposta pelo pleito deste ano, mas a influência dos reeleitos e a necessidade de mostrar, na prática, sua consideração aos deputados, reclama, sim, um pronunciamento de despedida, embora tenha sido muito efêmera sua passagem pela Casa, em razão do fato de ter sido chamado para o secretariado do atual gestor, ao longo de praticamente todo o mandato.

Coincidentemente, o último dia de sessão ordinária desta legislatura vai acontecer no dia 19, a mesma data definida pelo Tribunal Regional Eleitoral para diplomar os eleitos de outubro passado, última etapa da Justiça Eleitoral antes da posse dos eleitos. Embora os mandatos dos deputados só se encerrem no último dia do mês de janeiro, Camilo Santana já no dia 1º de janeiro terá que comparecer ao plenário da Assembleia para ser empossado, após prestar o juramento legal.

09:21 · 07.11.2014 / atualizado às 09:21 · 07.11.2014 por
Camilo Santana fez ontem possivelmente o último discurso na Assembleia antes de assumir como governador FOTO: José Leomar
Camilo Santana fez ontem possivelmente o último discurso na Assembleia antes de assumir como governador FOTO: José Leomar

Por Miguel Martins

Camilo Santana (PT), governador eleito do Ceará, foi ontem à Assembleia, fazer o que talvez seja o seu penúltimo pronunciamento naquela Casa, como deputado estadual, posto que renunciará ao mandato no encerramento da corrente legislatura, em dezembro, para assumir a chefia do Executivo cearense no dia 1º de janeiro. Camilo disse que já está cuidando da transição e aproveitará o restante deste mês e o de dezembro para estudar “os números do Estado, para fazer uma avaliação dos projetos, dos programas de Governo e do custeio”.

Camilo falou do seu encontro com a presidente Dilma Rousseff, no início desta semana e das reivindicações que fez para a continuidade de obras importantes de infraestrutura em execução no Ceará e do projeto da Refinaria Premium II, com a qual a presidente reiterou o seu compromisso, embora não tenha definido data para a execução do projeto pela Petrobras.

Em pouco mais de meia hora de pronunciamento, Camilo renovou os seus compromissos de campanha e ressaltou que pretende fazer um Governo de parcerias e de independência dos poderes, principalmente tendo o diálogo como centro.

Transparência

O governador eleito anunciou que realizará dois seminários: em novembro e dezembro para agilizar o início de sua administração, que pretende seja deveras transparente, tanto que logo a partir de janeiro disponibilizará no site do Governo um ícone em que qualquer cidadão acompanhará e fiscalizará o andamento de todas as promessas feitas durante a campanha.

“Cid Gomes é o maior governador da história deste Estado, mas sabemos que ainda tem muita coisa para ser feita, muita coisa a ser corrigida. Eu tive muito apoio dele, e já estou estudando muito as obras do Estado as ações políticas”, disse ele ao destacar que na próxima semana já vai iniciar o processo de transição já acertado com o governador, na última semana.

“Eu quero me anteceder e não tenho parado. Farei um relatório para que a população tenha em mãos para cobrar do governador e da vice-governadora. Quero muito a parceria desta Casa no meu Governo”, defendeu. O governador eleito iniciou o pronunciamento agradecendo os mais de 2 milhões de votos que recebeu dos eleitores cearenses, assim como de prefeitos, deputados e vereadores que o ajudaram na campanha eleitoral em seus dois turnos.

Ele defendeu empreendimentos da atual gestão, como a Siderúrgica e Refinaria, e ressaltou que os equipamentos foram temas debatidos com a presidente Dilma Rousseff, no inicio desta semana, onde ela teria reafirmado o compromisso de garantir trazer a Refinaria Premium II para o Ceará. No entanto não falou sobre datas para isso acontecer.

Promessa

O projeto é um dos que o atual governador, Cid Gomes, buscou concretizar em sua gestão, mas as obras do equipamento ainda não iniciaram. Em seu pronunciamento, Santana destacou os votos que Dilma teve no Estado, com mais de 70% da votação, destacando que isso garantirá uma maior integração entre Governo do Estado e Federal.

“Nós vamos ter a Refinaria, vamos ter a Siderúrgica e a Transnordestina vai desconcentrar o desenvolvimento”, disse o petista ao defender também a ampliação das escolas profissionalizantes em tempo integral para minorar o envolvimento de jovens com drogas.
Para a área da Educação, Camilo Santana destacou ainda um fortalecimento do Programa de Alfabetização na Idade Certa (PAIC) no Ceará. “Queremos levar, progressivamente, uma escola profissionalizante para todos os municípios do Ceará. Esse é um compromisso que assumimos”, defendeu.

Camilo falou dos problemas da saúde e disse que vai “brigar” para que haja mais recursos para a área da Saúde com repasses do Governo Federal. “Eu coloquei para a presidente que 92% da população cearense utiliza o atendimento público de saúde, o que representa mais de sete milhões de pessoas. Essa é uma área que eu pretendo ter um olhar muito especial” disse.

Outro setor que prometeu mais atenção é o da Segurança, enfatizando que vai convocar e convidar segmentos da área de Justiça, assim como a criar um conselho, que deverá ser presidido por ele, visando debater a Segurança Pública. “Essa é uma área que eu tenho o compromisso de garantir melhores resultados. O mapa da violência mostrou que vinte estados aumentaram da violência, o que foi agravado com os problemas das drogas”, salientou.

O governador eleito afirmou que o enfrentamento às questões da segurança deve ser feito de forma “firme”, e trabalhado com duas frentes: uma com o aumento da Polícia ostensiva, como o RAIO, e outra com ações de médio e longo prazo “para atacar as causas da violência, não somente os efeitos”.

Camilo Santana volta a se encontrar hoje com a presidente Dilma, com outros petistas e de lá vai para o Cariri, onde fica até o meio da próxima semana.

10:59 · 07.05.2014 / atualizado às 10:59 · 07.05.2014 por
Lula Morais afirma que houve, nos últimos anos, a descentralização da Educação no Ceará FOTO: José Leomar
Lula Morais afirma que houve, nos últimos anos, a descentralização da Educação no Ceará FOTO: José Leomar

Por Miguel Martins

O deputado Lula Morais (PCdoB), em seu pronunciamento, ontem, na Assembleia Legislativa do Ceará, destacou as falas da presidente Dilma Rousseff, durante transmissão em rede nacional, no dia do Trabalho. Ele discorreu sobre os níveis de emprego no Brasil, que são mais elevados do que a maioria dos países europeus. O parlamentar também fez uma comparação das gestões passadas quando o País era dependente dos empréstimos do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Conforme informou o parlamentar, em alguns países da Europa, durante as comemorações do dia do Trabalho, houve manifestações contra o desemprego, assim como críticas ao Fundo Monetário Internacional, o que também acontecia no Brasil nas gestões do PSDB.

“Os governos que se ancoram no FMI trazem uma receita perversa para seu País, como aconteceu no Governo do Fernando Henrique Cardoso, quando o povo brasileiro teve muita dificuldade enorme de sobrevivência”, destacou.

Segundo ele, atualmente, o Brasil detém uma das menores taxas de desempregos do mundo, menor até do que a da Alemanha, em torno de 5,1%, enquanto que no País europeu os números apontam um desemprego de mais de 6%. “Na Itália, em Portugal e na Espanha os números do desemprego são alarmantes. Mas aqui temos uma elevação do poder de compra da população. Isso é importante falar porque alguns candidatos têm opinião contrária a da presidente Dilma Rousseff”.

Ele leu parte de um discurso do senador Aécio Neves, que em recente pronunciamento, teria dito que o salário mínimo do Brasil está alto para a população. O comunista ressaltou também que no passado o País sofria, principalmente, na área econômica.

O parlamentar lembrou ainda que quando das manifestações em junho do ano passado, foi reivindicado mais recursos públicos e intervenção do Estado nas áreas sociais. “A presidenta Dilma se caracterizou muito bem quando disse que o lado do Brasil é daqueles que necessitam de mais apoio às pessoas”, disse.

Ele disse também que houve, nos últimos anos, a descentralização da Educação no Ceará com a construção de campus e novas universidades no Interior do Estado. “A Educação no Estado do Ceará chegará a 140 escolas profissionalizantes, o que foi uma parceria forte do Governo Estadual com o Governo Federal”, defendeu.

A elevação do percentual de desconto do Imposto de Renda também foi destacada por Morais como política direcionada para o bem-estar da população. “Eu quero destacar essa opinião da presidente Dilma que casa muito bem com o que quer o povo brasileiro. O Governo tem lado, é o lado dos que necessitam mais”, afirmou Lula Morais em seu pronunciamento.

Já Ely Aguiar (PSDC) criticou a “corrupção” no Brasil, que segundo ele, culminou no desânimo por parte dos brasileiros, que demonstram não se sentir felizes com as políticas de Governo. “O serviço público não funciona nesse País e o pessoal me vem com conversa fiada que quer brincar com a inteligência das pessoas”, atacou. Segundo ele, apenas 18% dos brasileiros consideram o Brasil um País bem para se viver.

“Na realidade, escutamos ideias fantasiosas. No País inteiro, os hospitais têm o atendimento pior possível. O serviço público não funciona. Durma com um barulho desses”, ironizou. Já o deputado Professor Pinheiro (PT) ressaltou que muito políticos vivem da desgraça alheia e “vendem ilusões” nos programas de televisão. “Temos de ter clareza disso. A desgraça, para alguns é o instrumento para ganhar dinheiro”, apontou.

19:36 · 04.05.2014 / atualizado às 19:36 · 04.05.2014 por
João Jaime (DEM) foi um dos primeiros parlamentares a apoiar a pré-candidatura de Eunício ao Governo FOTO: Alex Costa
João Jaime (DEM) foi um dos primeiros parlamentares a apoiar a pré-candidatura de Eunício ao Governo FOTO: Alex Costa

Com a saída do PMDB da administração de Cid Gomes, e o lançamento da pré-candidatura do senador Eunício Oliveira (PMDB) ao Governo, os discursos dos peemedebistas também podem ser mais incisivos contra a atual gestão. O partido, agora que entregou os cargos que tinha na administração estadual, fica livre para fazer pronunciamentos mais diretos, de cobranças à atual administração.
A sigla possui, atualmente, quatro nomes no Legislativo do Ceará: Carlomano Marques, Neto Nunes, Danniel Oliveira e Inês Arruda. Esta última está na vaga deixado pelo deputado licenciado do PT, Nelson Martins. O partido agora pode contar com os discursos do representante do PRB, Ronaldo Martins, que já confirmou acertou que irá marchar com os peemedebistas.
João Jaime (DEM) e Roberto Mesquita (PV), por algumas vezes, já se posicionaram favoráveis à candidatura de Eunício Oliveira ao Governo, e esta decisão do grêmio deve ajudar nos pronunciamentos críticos que os dois já vêm fazendo na tribuna da Assembleia. “Eu acho que chegou o momento de decisões dos políticos do Ceará. Eu assumi minha postura muito antes dos deputados do PMDB em apoiar o Eunício, e espero que com essa sinalização de saída do pessoal do Governo, o bloquinho da Casa cresça e os deputados do PMDB assumam a posição do partido”, defendeu.
O democrata tem se posicionado como líder do bloquinho da oposição na Assembleia, formado por ele, Heitor Férrer (PDT), Eliane Novais (PSB), Roberto Mesquita (PV) e Fernanda Pessoa (PR). Segundo ele, a expectativa é que o PMDB aumente o coro de oposição na Casa, assim como farão os outros partidos que têm em comum a oposição à atual administração cidista.
“Eu acho que isso vai acontecer. A atitude do PMDB de desembarcar do Governo fortalece a nossa posição contra os Ferreira Gomes”, disse o parlamentar que acusou o partido do governador, o PROS, de querer submeter o Estado a uma “oligarquia familiar, onde só a turma de Sobral tem o direito de governador o Estado”, disse Jaime.

12:08 · 12.02.2014 / atualizado às 12:08 · 12.02.2014 por

Osmar Baquit (PSD) foi outro deputado que discursou sobre os seminários que estão sendo realizados com as universidades estaduais e o governador Cid Gomes (PROS) como acordado durante o movimento de greve de alunos, professores e servidores estaduais. José Sarto (PSB), líder do governo, em aparte, informou que o governador estará segunda-feira (17) na UECE, além de ter ido a Sobral na última semana e visitado a URCA no começo desta. Segundo Baquit, a atitude de Cid Gomes reforça o apoio a educação e fortalece a Assembleia em futuras negociações.

Em um segundo momento, o deputado lamentou a morte do cinegrafista da Band, Santiago Andrade, e criticou a manifestação dos black blocs afirmando que os cidadãos já estão “em casa” e quem ainda permanece no movimento são os bandidos.

10:33 · 12.02.2014 / atualizado às 10:33 · 12.02.2014 por

Dedé Teixeira (PT) subiu à tribuna do plenário da Assembleia Legislativa após as críticas do deputado Fernando Hugo (SDD) ao programa do governo federal “Mais Médicos”. O petista declarou que os médicos cubanos são criados de forma humanitária, diferente dos médicos brasileiros que “atendem de cabeça baixa, sem olhar na cara do paciente, e querem atender 60 pacientes por dia”.

Teixeira mandou os críticos questionarem os prefeitos das cidades do interior a importância do programa e a qualidade do atendimento dos participantes. O deputado ainda questionou os números apresentados pela imprensa de profissionais que saíram do programa após a chegada ao Brasil e afirmou que os críticos querem utilizar esses casos para diminuir a importância da ação.