Busca

Tag: Eleição municipal


10:07 · 26.08.2016 / atualizado às 10:07 · 26.08.2016 por

Por Suzane Saldanha

Com os prazos para análises dos pedidos de registro de candidatura em andamento na Justiça Eleitoral, os nomes de alguns candidatos homologados em convenção partidária podem sair das urnas em breve. Na Capital, até o momento, 14 pedidos de registro de candidatura a vereador foram indeferidos em primeira instância, ou seja, são passíveis de recurso ao Tribunal Regional Eleitoral no Ceará (TRE-CE). Já no caso das impugnações, cinco foram pedidas pelo Ministério Público Eleitoral.

Um dos postulantes com candidatura passível a impugnação, Charles Samuel Marques Dantas, filiado ao PMDB, filho da vereadora Magaly Marques (PMDB), renunciou no último dia 24. No lugar dele, o PMDB homologou a candidatura da própria Magaly Marques.

De acordo com a Justiça Eleitoral, a candidatura da Samuel Marques foi contestada pelo Ministério Público em razão do então pretenso postulante a vereador ter um processo contra ele em andamento na Justiça.
Notificado, ele, o partido ou a coligação poderiam ter contestado o pedido no prazo de sete dias com apresentação de documentos ou indicação de provas, mas Samuel optou por pedir a renúncia da candidatura. O pedido de registro de Magaly ainda será avaliado pela Justiça Eleitoral.

Além de Samuel Marques, os ex-vereadores Antônio Farias de Souza, o Aonde É, e Leonelzinho Alencar também tiveram as candidaturas impugnadas. O prazo para recurso ainda não acabou.

No tocante aos indeferimentos das candidaturas a vereador por parte dos juízes eleitorais, os 14 pretensos postulantes podem apresentar recursos ao TRE-CE até três dias após a publicação de decisão no mural eletrônico da Justiça. As candidaturas femininas apresentam maior número de indeferimento.

09:55 · 25.08.2016 / atualizado às 09:55 · 25.08.2016 por

Por Suzane Saldanha

Acrísio Sena (PT), autor do requerimento para a ida dos candidatos ao plenário da Câmara, pediu que haja participação dos vereadores no debate Foto: Bruno Gomes
Acrísio Sena (PT), autor do requerimento para a ida dos candidatos ao plenário da Câmara, pediu que haja participação dos vereadores no debate Foto: Bruno Gomes

A Câmara Municipal de Fortaleza recebe, na sessão plenária de hoje, o candidato à Prefeitura da Capital Francisco Gonzaga (PSTU), que será o primeiro postulante à disputa majoritária a apresentar suas propostas e seu plano de governo aos vereadores. Os outros sete candidatos a prefeito devem comparecer ao plenário da Casa Legislativa até o dia 28 de setembro. A ordem foi definida em sorteio.

Autor do requerimento para a ação, o vereador Acrísio Sena (PT) lembrou, ontem, que a Câmara irá recepcionar um postulante a cada quinta-feira, no horário do Grande Expediente destinado aos pronunciamentos dos parlamentares. Na sessão de hoje, além do Grande Expediente, não haverá a Ordem do Dia, destinada à votação de projetos de lei e requerimentos.

“Ficarão as matérias para terça. Teremos apenas o Pequeno Expediente e entramos para a exposição do programa de governo do Gonzaga”, explicou o petista. O vereador salientou, ainda, que o plano de governo só poderá ser apresentado pelo candidato a prefeito. “Não vale vice, assessor. Se ele não vier, automaticamente a sessão será encerrada e passaremos para a próxima”.

As datas nas quais os oito candidatos foram convidados a comparecer ao plenário foram sorteadas pelo presidente da Câmara Municipal, Salmito Filho (PDT), no último dia 12.

Após Gonzaga, é a vez do candidato Ronaldo Martins (PRB), no dia 1º de setembro. No dia 8, é esperada a presença do prefeito Roberto Cláudio (PDT). Já o deputado estadual Heitor Férrer (PSB) foi sorteado para o dia 15.

Para o dia 20 de setembro, é aguardada a deputada federal e ex-prefeita Luizianne Lins (PT). O deputado estadual Tin Gomes (PHS) deve apresentar seu plano de governo no dia 22 de setembro. No dia 27, é a vez do deputado estadual Capitão Wagner (PR) apresentar suas propostas. O último sorteado, para o dia 28 de setembro, é o vereador João Alfredo (PSOL).

Partidos pequenos

Tendo ainda em evidência a disputa para a Prefeitura de Fortaleza, em solidariedade à ausência de João Alfredo nos debates televisivos em razão da legislação eleitoral, o vereador José do Carmo, que também é presidente estadual do PSL, lamentou, ontem, que há “desconsideração” com os partidos pequenos.

“Ele vem reivindicando e trabalhando por uma causa de cidadania e democrática. Nós, que fazemos parte dos pequenos partes, muitas vezes, somos desconsiderados”, apontou. “Qual democracia nós vivemos? Democracia que beneficia os grandes e esquece os pequenos. Os que, muitas vezes, nas eleições municipais, têm mais votos que DEM, PSDB. Os partidos pequenos deviam ser levados a sério não só em época de eleição”, afirmou.

Robert Burns (PTC) também disse que tal processo seria antidemocrático, pois quer “cercear um partido de falar”. João Alfredo, por sua vez, agradeceu o apoio e apontou ter o direito negado de participar dos debates por uma legislação antidemocrática, pelas emissoras e pelos candidatos que não comunicam apoio à sua participação.

09:52 · 25.08.2016 / atualizado às 09:52 · 25.08.2016 por
Margem de erro aponta Arnon Bezerra (PTB), Raimundo Macêdo (PMDB) e Normando (PSDB) em empate técnico
Margem de erro aponta Arnon Bezerra (PTB), Raimundo Macêdo (PMDB) e Normando (PSDB) em empate técnico

O deputado federal Arnon Bezerra (PTB) aparece à frente na pesquisa de intenção de voto feita em Juazeiro do Norte, contratada pela TV Verdes Mares, sobre a disputa pela Prefeitura daquele Município. O atual prefeito, Raimundo Macêdo, o Raimundão (PMDB), está em segundo lugar e Normando (PSDB) aparece em terceiro. A diferença entre estes três candidatos está dentro da margem de erro, que é de 4 pontos percentuais, segundo o relatório feito pelo Ibope.

Além dos três primeiros citados, disputam a eleição em Juazeiro Gilmar Bender (PDT), com 11%, Demontier Cinquentinha (PSOL), com 5%, Francisco Fabiano (PSB), 4%, Helaine Mendonça (PMB), 3%, e Flávia Soares (PRB), com 2%. A pesquisa foi realizada entre os dias 20 e 23 deste mês com 504 eleitores.

A margem de erro estimada é de 4 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra. O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer, segundo o relatório, que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE-CE) sob o protocolo nº CE-01076/2016.

Ainda segundo o relatório da pesquisa, as intenções de voto em Arnon Bezerra são mais expressivas entre os entrevistados mais jovens. Raimundão é mais citado entre aqueles que estudaram até a 4ª série (Ensino Fundamental I). Normando tem mais destaque entre os eleitores com idade de 25 a 34 anos. Quanto aos demais candidatos, observa-se que as intenções de voto se distribuem homogeneamente entre os segmentos analisados.

Outros números

Na pesquisa espontânea, quando o entrevistador pergunta em quem o eleitor vota sem, no entanto, mostrar para ele os nomes dos candidatos, o resultado foi o seguinte: Raimundão 11%, Gilmar Bender 7%, Arnon Bezerra 7%, Normando 5%, Demontier Cinquentinha 2%, Flávia Soares 1%, Francisco Fabiano 1% e Helaine Mendonça 1%. Neste quesito, 15% dos eleitores entrevistados figuram na faixa do branco ou nulo, e 50% disseram não saber ou preferiram não opinar.

Quanto à rejeição, quando os entrevistadores perguntam em quem o eleitor não votaria de jeito nenhum, o atual prefeito Raimundão foi apontado por 56% dos eleitores, Normando por 18%, Arnon Bezerra por 16%, Gilmar Bender por 15%, Francisco Fabiano por 13%, Flávia Soares por 12%, Helaine Mendonça, 12%, e Demontier Cinquentinha por 10%.

Sobre a expectativa de qual candidato chegará à vitória nas eleições de outubro próximo, 29% dos eleitores de Juazeiro do Norte apontaram o nome do atual prefeito, Raimundão, 16% citaram José Arnon Bezerra, 14% Gilmar Bender, 11% Normando, 2% Demontier Cinquentinha, 2% Francisco Fabiano, 2% Helaine Mendonça e Flávia Soares não chegou a pontuar.

A pesquisa, segundo o Ibope, foi realizada com eleitores que votaram nas últimas eleições. O modelo de amostragem utilizado é o de aglomerados em dois estágios. As entrevistas são pessoais com utilização de questionário elaborado de acordo com os objetivos da pesquisa, realizadas por uma equipe de entrevistadores do Ibope, devidamente treinada para abordagem deste tipo de público. Há filtragem nos questionários após a realização das entrevistas, diz o relatório elaborado pelo Ibope.

10:53 · 24.08.2016 / atualizado às 10:53 · 24.08.2016 por

A juíza Vilma Freire Belmino Teixeira, da 117ª Zona Eleitoral, em Fortaleza, indeferiu o pedido de liminar feito pelo vereador João Alfredo (PSOL), candidato a prefeito de Fortaleza, para obrigar as emissoras de rádio e televisão a convidá-lo a participar dos debates com os demais candidatos à Prefeitura da Capital que venham a promover no curso da campanha eleitoral deste ano.

O vereador João Alfredo, legalmente, só poderá participar de debates se for por uma concessão das empresas de comunicação e dos candidatos em razão de o seu partido não ter o número mínimo de deputados federais – nove – exigidos pela Lei Eleitoral que o autorize a estar presente em todos os debates.

João Alfredo havia feito uma movimentação no sentido de ter o apoio dos outros candidatos, com exceção de Francisco Gonzaga (PSTU), que, assim como ele, também só pode participar de debate se houver liberalidade das empresas e dos candidatos. A maioria dos postulantes atendeu ao apelo de João Alfredo, mas a Justiça não pode obrigar as emissoras a convidá-lo, pois a lei não lhe garante esse direito. Ontem, na Câmara Municipal, o vereador voltou a reclamar da legislação eleitoral vigente.

08:53 · 24.08.2016 / atualizado às 08:53 · 24.08.2016 por
acrisio-sena
O vereador do PT defendeu, em pronunciamento na Câmara Municipal, que o tema deve ser tratado de forma humanizada e integrada Foto: Bruno Gomes

Por Suzane Saldanha

Em pronunciamento na Câmara Municipal de Fortaleza, ontem, o vereador Acrísio Sena (PT) avaliou que o debate em torno da Segurança Pública feito pelos prefeituráveis da Capital é uma peça de marketing. Para ele, o setor precisa ser trabalhado de forma humanizada e integrada, apostando na Educação, na Saúde e na Economia, e não na questão de armar ou não o pessoal da Guarda Municipal.

Segundo detalhou, é necessário investimento em segurança educacional, com o aumento de creches e escolas; segurança hídrica, em razão da falta de esgotamento sanitário em diversos bairros da cidade; e em segurança econômica, apostando na geração de emprego e renda nos mais diversos bairros da cidade.

Apontando não ser a Segurança Pública competência do Município e sim do Estado, o vereador ainda defendeu que haja, no pleito deste ano, um debate transparente e de forma respeitosa da parte dos candidatos diante do tema. “A nossa Constituição brasileira, na organização dos poderes, dos onze princípios e diretrizes, nós não encontramos nada sobre segurança publica ligada ao Município, exceto no inciso sete que diz que compete ao Município articulação e cooperação com entes federados”, destacou.

Segundo Acrísio Sena, dentre as 43 competências do prefeito, segundo a Lei Orgânica de Fortaleza, apenas uma é de solicitar, quando necessário, o auxílio das autoridades policiais do Estado, a quem de fato tem atribuição para cuidar de Segurança.

“Não podemos trabalhar a questão da Segurança vendendo como marketing essa proposta”, disse, chamando atenção que o tema vem ganhando espaço nos debates dos candidatos à Prefeitura de Fortaleza, o que para ele é uma discussão enviesada, pois está fora das competências da gestão municipal. “Temos que avançar e cobrar dos governantes que tragam propostas consistentes, e dentro da sua competência”, defendeu.

Debate sério

Acrísio afirmou, ainda, não ser “um vice que vai resolver problema da Segurança, ou ter candidato oriundo das forças de segurança, que nós vamos trazer mais Segurança. Em alguns casos, pode trazer até mais insegurança”, referindo-se a Moroni Torgan (DEM), candidato a vice de Roberto Cláudio (PDT), e Capitão Wagner, candidato do PR.

Segundo ele, é preciso trabalhar uma “perspectiva correta” na temática, como tem feito o governador Camilo Santana (PT). “A lei diz que o Município entra apenas como força auxiliar na questão da segurança. Sabemos que a violência não se combate com a criminalização da juventude, portanto temos que trazer de maneira séria e transparente o debate”, disse.

09:29 · 23.08.2016 / atualizado às 09:29 · 23.08.2016 por

Por Miguel Martins

Capitão Wagner (PR) já declarou ter recebido R$ 815 mil para a campanha. Eleitor pode acompanhar prestação de contas pela página do TSE Foto: Helene Santos
Capitão Wagner (PR) já declarou ter recebido R$ 815 mil para a campanha. Eleitor pode acompanhar prestação de contas pela página do TSE Foto: Helene Santos

Passada uma semana do início da campanha deste ano, nas ruas de Fortaleza a população tem visto poucas propagandas, principalmente impressas, dos postulantes ao pleito municipal. Além de estarem mais comedidos por conta da nova legislação eleitoral, a maioria dos candidatos a prefeito da capital cearense não esconde que tem faltado o volume de recursos necessário à aquisição de materiais.

As gráficas não querem trabalhar para receber depois, e os depósitos nas contas dos candidatos, segundo os entrevistados pelo Diário do Nordeste, ainda estão muito escassos. Em alguns casos, não houve repasse por parte dos partidos, e aqueles que ainda não conseguiram recursos para a disputa têm feito poucas incursões nas ruas, e sem material para distribuir ao eleitor. Outros pedem ajuda a correligionários e amigos para aumentarem a presença na cidade.

Heitor Férrer, do PSB, que está coligado com a Rede Sustentabilidade, informou que está em “escassez total” de recursos. “Não recebi nada ainda, talvez venha do Fundo Partidário”, disse, destacando que, na tarde de ontem, o presidente estadual do PSB, Danilo Forte, iria até a sede nacional da sigla para saber da disponibilidade de tais recursos.

O pessebista fez uma comparação de sua candidatura com a do prefeito Roberto Cláudio (PDT), que, segundo ele, conseguiu mais recursos pelo fato de ser titular, o que facilita as doações de pessoa física, bem como ajuda financeira de 18 partidos.

Nas ruas, poucas são as pessoas fazendo “bandeiraço” ou distribuindo material de campanha dos oito postulantes a prefeito. Nas caminhadas que os candidatos têm feito pela cidade, também é escassa a quantidade de produtos ligados aos concorrentes. A campanha de Roberto Cláudio é a que mais tem se destacado, com presença em quase todos os pontos da Capital.

Ronaldo Martins (PRB), conforme informou, tem se limitado à distribuição de santinhos, ainda de forma comedida. Ele já declarou à Justiça Eleitoral ter recebido R$ 225 mil da direção nacional do partido.

Gráficas

Postulantes também têm tido dificuldades com as gráficas que não estão atendendo a demanda que solicitam. João Alfredo, do PSOL, informou que ainda não tem papel para distribuir aos eleitores, e isso tem sido comum entre os candidatos. Somente Roberto Cláudio se antecipou e, nas ruas da cidade, podem ser vistos “bandeiraços”, carros de som e folhetos do prefeito.

“A crise e as novas normas atingiram algumas candidaturas. O que se esperava era que as campanhas tivessem menos volume, pelo menos no primeiro momento, até por causa da dificuldade de arrecadar recursos”, disse Ronaldo Martins.

Candidato a vice-prefeito pelo PT, Elmano de Freitas afirmou que há dúvidas sobre a nova legislação e, por isso, muitos apoiadores se sentem inseguros. Ele acredita que, com o passar dos dias, a situação vai melhorar. “Além disso, há o peso causado pelo processo de criminalização da política que estamos vivenciando”, apontou. O petista ressaltou, ainda, que a campanha de Luizianne Lins é feita pela militância, e não “composta de pessoas contratadas, pagas”.

Apesar de ter prestado contas com a Justiça Eleitoral, declarando já ter recebido R$ 815 mil para a campanha, Capitão Wagner (PR) ressaltou que tem pouco material e poucos recursos para contratar militantes. Segundo ele, a campanha precisa cumprir uma série de requisitos, e por isso não adianta “colocar pessoal na rua” sem previsão de recursos na conta. “Primeiro, temos que prestar contas. Estamos tendo muita cautela para não cometermos nenhum deslize. Vamos ter carro de som quando tivermos recursos”, disse.

Amanhã, o candidato do PR inaugura seu comitê e, a partir de quinta-feira (25), deve intensificar presença nas ruas de Fortaleza. Dos R$ 815 mil arrecadados, explica ele, boa parte foi para pagamento da produtora que produzirá os programas eleitorais, bem como para gráfica. PMDB e PSDB, que compõem a coligação, devem disponibilizar recursos nos próximos dias.

Fiscalização

Para João Alfredo, diante da nova norma para utilização de recursos nas campanhas, é importante que a Justiça Eleitoral analise as candidaturas que estão indo às ruas da Capital. “Há uma ostentação da campanha do prefeito, como se não tivéssemos mudado a legislação eleitoral. Isso precisa ser apurado”.

Já Tin Gomes (PHS) projeta que a única candidatura que poderá se comparar a de Roberto Cláudio é a de Capitão Wagner. Segundo ele, o prefeito tem a máquina e partidos fortes a seu lado, o que lhe permite apresentar candidatura com mais recursos. “A minha é franciscana, tenho que correr atrás de tudo. Ainda estamos no começo e acredito que, daqui para a frente, vamos fazer uma campanha mais forte”, disse ele, que deve inaugurar comitê na sexta-feira.

O postulante do PHS informou ainda que, para conseguir recursos para a campanha, tem visitado amigos e realizará um jantar para promover a candidatura e conseguir recursos. “Estamos fazendo campanha de um lado e tentando angariar recursos com amigos de outro. Essa é a nossa dificuldade”, frisou.

10:01 · 20.08.2016 / atualizado às 10:01 · 20.08.2016 por
Junto à primeira-dama do Município, Carol Bezerra, e ao candidato a vice-prefeito Moroni Torgan, Roberto Cláudio pediu atuação da militância Foto: Helene Santos
Junto à primeira-dama do Município, Carol Bezerra, e ao candidato a vice-prefeito Moroni Torgan, Roberto Cláudio pediu atuação da militância Foto: Helene Santos

Cercado de apoiadores, o atual prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, candidato à reeleição pelo PDT, inaugurou na noite desta sexta-feira (19) seu comitê de campanha, instalado no bairro Cocó. À militância dos 18 partidos que compõem sua coligação, ele prestou contas de obras do mandato e também pediu que haja atuação popular nas ruas, em defesa do projeto de governo que propõe, até o dia 2 de outubro. Ele foi o primeiro dentre os oito postulantes ao Executivo Municipal a ter um comitê inaugurado desde o dia 16 de agosto, quando começou a campanha eleitoral.

“Esse espaço vai querer juntar aqui as lideranças comunitárias de cada canto da cidade, os movimentos sociais e sindicais, empresários, profissionais liberais, vai querer juntar aqui a gente de bem de Fortaleza. Professores, gente da saúde, para a gente poder pensar o presente, debater as nossas conquistas, mas, sobretudo, olhar para o futuro”, disse, em discurso aos apoiadores.

No palanque, ao lado dele e do candidato a vice-prefeito, Moroni Torgan (DEM), estavam outras lideranças pedetistas, como os irmãos Ciro e Cid Gomes, a vice-governadora Izolda Cela, e o presidente do PDT no Ceará, o deputado federal André Figueiredo, além dos presidentes da Assembleia Legislativa, deputado Zezinho Albuquerque, e da Câmara Municipal de Fortaleza, vereador Salmito Filho.

A primeira-dama do Estado, Onélia Leite, foi ao evento representando o governador Camilo Santana (PT). Outros deputados e vereadores de siglas aliadas estiveram presentes. Em entrevista, ao avaliar os primeiros dias de atividades em busca de votos, Roberto Cláudio frisou que, dada a campanha mais curta, desde o último dia 16 tem tentado, junto com Moroni, “cobrir o maior número possível de bairros todo dia”.

O plano de governo, por sua vez, será, segundo ele, construído no comitê. O candidato pontuou, porém, que “ideias centrais” já estão sendo debatidas internamente, voltadas, em especial, para áreas como Educação, Mobilidade Urbana, Espaços Públicos, Saúde e Segurança Pública Municipal.

“Detalhamento virá com a própria televisão, com a rádio, e principalmente no decorrer da campanha”, declarou. Roberto Cláudio definiu como “generoso” o tempo de propaganda que terá em rádio e TV, que supera, segundo ele, 30% do total.

Defesa comunitária

Segurança foi tema presente, também, no discurso de Moroni Torgan aos apoiadores. Ele adiantou que, junto com Roberto Cláudio, irá propor a criação de “células de defesa comunitária”, cujo trabalho será “tornar a Guarda Municipal olhos e ouvidos da Polícia”. “O que eu quero é ver a Guarda Municipal agindo para identificar onde está ocorrendo o delito, e ter um efetivo da Polícia vinculado a essa Guarda que dê o socorro imediato a onde vai acontecer esse delito”.

Num primeiro momento, o objetivo, de acordo com o candidato a vice-prefeito, é implantar até 50 células, monitoradas por câmeras de vídeo, “nos lugares mais complicados de Fortaleza”. Para executar a ideia, Moroni afirmou que está em estudo a possibilidade de armamento ou não da Guarda Municipal.

Já Ciro Gomes disse, em seu discurso, que Roberto Cláudio “é o melhor prefeito que essa cidade já teve” e também fez críticas a Capitão Wagner, candidato do PR, afirmando que “o ajuntamento da velha política do Ceará está por detrás dessa candidatura ligada à milícia, ao narcotráfico, ao crime organizado da nossa cidade”.

Roberto Cláudio, por outro lado, preferiu dizer que fará uma “campanha limpa” e, diante de acusações dos adversários, apontará feitos de sua gestão. “As respostas serão polidas, educadas, em respeito à nossa gente mais sofrida, que não aguenta mais essa coisa de política baixa, de ataques”, declarou.

08:26 · 18.08.2016 / atualizado às 08:26 · 18.08.2016 por

Por Adriano Queiroz

O segundo dia de campanha à Prefeitura de Fortaleza teve uma participação bem menos intensa dos candidatos em relação ao dia anterior nas ruas da Capital. Como sete dos oito prefeituráveis exercem mandato eletivo, eles tiveram que se revezar entre atos de campanha e reuniões com apoiadores e agendas oficiais em seus cargos.

O prefeito e candidato à reeleição Roberto Cláudio (PDT), por exemplo, fez caminhada no bairro Tancredo Neves de manhã e minicarreata em bairros que compõem a Grande Messejana à noite, enquanto à tarde cumpriu agenda no Paço Municipal.

Já a ex-prefeita de Fortaleza e deputada federal Luizianne Lins (PT) estava ontem em Brasília, onde permanece até hoje exercendo atividades parlamentares. Coube ao candidato a vice, Elmano de Freitas, segundo a assessoria da campanha, participar de “bandeiraços”, em pontos diferentes da capital cearense.

O também deputado federal Ronaldo Martins (PRB), por sua vez, está em Fortaleza, onde participou de evento de lançamento de candidatura de vereador, gravou programas de rádio e TV e se reuniu com organizadores de campanha. Ele também iria a um “bandeiraço”, conforme sua assessoria.

Os deputados estaduais Wagner Sousa (PR) e Heitor Férrer (PSB), também por suas agendas, estiveram nas ruas. O republicano tinha “adesivaço” no Meireles e caminhada em feira na Praia de Iracema.

Já Heitor Férrer faria caminhada em pontos turísticos do Centro à tarde e participaria de solenidade no início da noite na Assembleia. Ambos cumpriram, no período da manhã, agenda na Assembleia Legislativa.

08:25 · 18.08.2016 / atualizado às 08:25 · 18.08.2016 por

Por Miguel Martins

Para o deputado estadual José Sarto (PDT), os vereadores foram determinantes na eleição de 2012 e devem ter papel fundamental neste pleito Foto: Helosa Araújo
Para o deputado estadual José Sarto (PDT), os vereadores foram determinantes na eleição de 2012 e devem ter papel fundamental neste pleito Foto: Helosa Araújo

Os candidatos a vereador, nas eleições deste ano, serão coadjuvantes das candidaturas majoritárias e terão impacto direto no desempenho dos postulantes à Prefeitura de Fortaleza. O atual prefeito da cidade, Roberto Cláudio, que tenta reeleição, parte na frente, pois, além de ter mais de 600 aspirantes a vereador pedindo votos para sua candidatura, tem a favor a maioria dos atuais legisladores da Câmara Municipal, que também concorrem a uma das 43 vagas na Casa.

Dos mais de 1100 postulantes no pleito deste ano, pelo menos 610 são favoráveis à candidatura de Roberto Cláudio. A segunda maior coligação apoia o deputado estadual Capitão Wagner (PR), e conta com 175 candidatos ao Legislativo da Capital. Logo em seguida vêm os apoiadores de Tin Gomes (PHS), com 128 candidaturas, seguidos pelo PSOL, com 51 candidatos.

O PT, da ex-prefeita Luizianne Lins, só lançou 48 candidatos; o PRB, de Ronaldo Martins, 44 postulantes; e Heitor Férrer (PSB) conseguiu o apoio de 41. Francisco Gonzaga, do PSTU, é o que terá a menor quantidade de apoiadores que tentarão vaga na Câmara: somente seis.

No entanto, nem todos os aliados em determinada coligação farão campanha para seu candidato majoritário, caso, por exemplo, da candidata a vereadora pelo PMDB, Luiza Lins, que tem pedido votos para a filha, Luizianne, candidata do PT à Prefeitura. Luiza está em partido coligado com o PR, que tem como postulante ao Executivo Municipal Capitão Wagner. O candidato a vice-prefeito na chapa é, inclusive, Gaudêncio Lucena, vice-presidente do PMDB no Ceará.

Ao Diário do Nordeste, o candidato republicano disse apenas que “Luiza é mãe” e que não cobrará fidelidade dela no primeiro turno da campanha eleitoral. Segundo ele, por enquanto, não há preocupação com os “infieis” que possam surgir durante as eleições municipais.

O mesmo pode acontecer nas demais candidaturas. O prefeito tem a vantagem de ter a maioria dos candidatos à Câmara e daqueles que tentarão reeleição. Em 2012, apesar de ter um número grande de partidos apoiando seu pleito, Roberto Cláudio não tinha o apoio da maior parte dos vereadores da Casa, pois estes apoiavam Elmano de Freitas, à época postulante do PT.

Segundo turno

A vantagem no primeiro turno, porém, pode não se repetir no segundo. Isso porque, das centenas de candidatos a uma vaga na Câmara, somente 43 serão eleitos, e pode ocorrer de alguns se sentirem desprezados pelo candidato majoritário e migrarem para outra candidatura, fato que já ocorreu em outras disputas.

O deputado estadual José Sarto (PDT) lembrou que, em 2012, os vereadores votavam no outro candidato e não em Roberto Cláudio. Para ele, este foi um dos fatores que levaram Elmano ao segundo turno das eleições. “Tenho certeza que a periferia, onde se fez muito nesses últimos anos, e esses vereadores, terão papel fundamental no pleito”.

Agenor Neto (PMDB), por outro lado, opinou que a influência da quantidade de candidatos proporcionais tem diminuído entre os eleitores. “As propostas e prioridades apresentadas terão mais influência do que o número de candidatos”, sustentou.

Já Sérgio Aguiar (PDT) acredita que aquele que tiver o maior “exército” e melhor equipamento para a campanha conseguirá a vitória na eleição de outubro.

08:22 · 18.08.2016 / atualizado às 08:22 · 18.08.2016 por

Por Suzane Saldanha

A juíza Jane Ruth Maia de Queiroga, da 82ª Zona Eleitoral, convocou reunião ontem com partidos e emissoras. Definição do tempo de rádio e TV foi adiada por conta de inoperância do sistema de distribuição do Horário Eleitoral Foto: Natinho Rodrigues
A juíza Jane Ruth Maia de Queiroga, da 82ª Zona Eleitoral, convocou reunião ontem com partidos e emissoras. Definição do tempo de rádio e TV foi adiada por conta de inoperância do sistema de distribuição do Horário Eleitoral Foto: Natinho Rodrigues

Prevista para ser anunciada ontem, a definição oficial do tempo de televisão e rádio dos candidatos à Prefeitura de Fortaleza só deve ser apresentada pela Justiça Eleitoral na próxima sexta-feira (19) em razão da inoperância do sistema de distribuição do Horário Eleitoral. Em reunião com partidos políticos e emissoras, no Fórum Eleitoral Péricles Ribeiro, na Praia de Iracema, a Comissão da Propaganda Eleitoral e do Poder de Polícia anunciou as emissoras geradoras das propagandas e sorteou a ordem da veiculação dos partidos e coligações majoritárias, a partir do dia 26 de agosto.

O atraso na distribuição do tempo dos candidatos majoritários ocorreu em razão de uma atualização feita pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no sistema de candidaturas, o Divulgacand, diretamente ligado ao sistema de distribuição do Horário Eleitoral (HE).

Segundo a coordenadora da Propaganda Eleitoral e do Poder de Polícia em Fortaleza, a juíza Jane Ruth Maia de Queiroga, da 82ª Zona Eleitoral, a estimativa é de que o procedimento ocorra na sexta-feira. O prazo pode se estender para a próxima segunda-feira (22), caso o sistema não esteja estabilizado. “Se der certo, faremos a distribuição do tempo e o das sobras, se ocorrerem”, informou a juíza.

Transmissões

A propaganda eleitoral em bloco, ou seja, a apresentação dos candidatos a prefeito da Capital por 20 minutos diários, acontece de segunda a sábado em quatro horários. No rádio, é de 7h às 7h10 e de 12h às 12h10. Na televisão, a veiculação está prevista para os horários de 13h às 13h10 e de 20h30 às 20h40.

Pelo sorteio da Justiça Eleitoral, Heitor Férrer, do PSB, será o primeiro candidato a prefeito a se apresentar na propaganda eleitoral no dia 26 de agosto. Em seguida, é a vez de João Alfredo (PSOL). O terceiro será Ronaldo Martins, do PRB, seguido de Luizianne Lins (PT). O quinto na ordem de transmissão é Roberto Cláudio (PDT); o sexto, Francisco Gonzaga (PSTU); e o sétimo, Capitão Wagner (PR). O último programa a ser transmitido é o do candidato Tin Gomes (PHS).

A juíza eleitoral esclareceu que ao longo da campanha, do dia 26 de agosto ao dia 29 de setembro, o último postulante majoritário da lista será o primeiro no dia seguinte, e assim por diante. Neste ano, em função das novas regras eleitorais, a propaganda em bloco não é voltada aos candidatos a vereador.

No caso das inserções de 30 segundos no rádio e na TV, ao todo, são 70 minutos diários. Destes, 42 minutos são destinados aos candidatos a prefeito e 28 minutos aos postulantes a vereador. Na ordem sorteada ontem, primeiro serão transmitidos os candidatos proporcionais e, em seguida, os majoritários. Um total de 90% do tempo das inserções vai obedecer o número de deputados federais das coligações e 10% serão distribuídos igualitariamente entre as siglas.

O programa eleitoral gratuito passou de 45 para 35 dias. A propaganda em bloco será de segunda a sexta. Já as inserções são de segunda a domingo.

Geradoras

Além disso, a juíza anunciou ter definido com a Associação Cearense das Emissoras de Rádio e Televisão (Acert) que a TV Verdes Mares, a TV Jangadeiro, a TV Cidade e a Rádio FM Assembleia vão ser as geradoras dos programas de rede. Nos primeiros dez dias, será a TV Jangadeiro, nos dez seguintes, a TV Cidade e, nos dez últimos dias, a TV Verdes Mares. Durante a campanha, a rádio geradora será a FM Assembleia.

Jane Ruth destacou, ainda, que os candidatos devem buscar otimizar o tempo nas emissoras e evitar propagandas vedadas, como as difamatórias.

Ressaltando o papel de mediadora entre as emissoras e a Justiça Eleitoral, a presidente da Acert, Carmem Lúcia Dummar, apontou preocupação com o cumprimento das regras eleitorais por parte das emissoras, salientando os altos valores previstos para as multas. “Vão de 20 a 120 mil, é uma multa pesadíssima. É preciso estar muito atento”, afirmou. Nas eleições de 2014, não foram registradas multas para a Acert.