Busca

Tag: PSB


09:41 · 25.02.2017 / atualizado às 09:43 · 25.02.2017 por
Lúcio Alcântara disse que trocou algumas ideias com o governador, mas não falaram sobre política partidária. FOTO:  CARLOS GIBAJA – do Palácio da Abolição

O governador Camilo Santana recebeu, na manhã de ontem, sexta-feira, na residência oficial, o ex-governador Lúcio Alcântara, presidente do Partido da República (PR). Adversários políticos os dois estiveram em lados opostos nas duas últimas eleições, em 2014, quando Camilo foi eleito governador do Estado (e Roberto Pessoa, do PR, foi candidato a vice-governador na chapa encabeçada por Eunício Oliveira, do PMDB), e no ano passado, quando o chefe do Poder Executivo apoiou o prefeito reeleito Roberto Cláudio (PDT), que esteve disputando no segundo turno contra Capitão Wagner, do PR.

A presença de Alcântara na residência do chefe do Poder Executivo estadual, segundo ele informou ao Diário do Nordeste, tinha como  intuito único fazer convite ao governador para participar de solenidade de posse como presidente do Instituto do Ceará, a ser realizada na tarde do dia 4 de março, no fim da tarde. O dirigente afirmou que queria entregar o convite pessoalmente a Camilo Santana.

Ainda durante o encontro os dois trocaram algumas informações, principalmente, sobre a questão hídrica no Estado. “Naturalmente, que surge uma conversa aqui e ali”, disse Alcântara, ressaltando, porém, que não foi tratado nada sobre política partidária. Nos últimos meses Camilo Santana tem se aproximado de figuras políticas de outras vertentes. Ele chamou para seu secretariado filiado do PSDB e está cada vez mais próximo do  PSB,  quando surgiu, inclusive, rumores de sua saída do PT e ingresso na sigla pessebista.

O governador postou  em sua página no Facebook uma foto com o ex-governador em que agradece o convite feito para a solenidade. “Recebi dele o convite para a solenidade de posse da nova diretoria do Instituto do Ceará, entidade na qual é presidente. Agradeço ao ex-governador pela visita e pelo convite para o evento”. Em princípio, Camilo Santana deve ir ao evento, segundo assegurou Lúcio.

 

10:30 · 24.01.2017 / atualizado às 10:30 · 24.01.2017 por

Por Beatriz Jucá

Rodrigo Maia (DEM-RJ) deu entrevista coletiva antes do jantar, ao lado do aliado cearense Danilo Forte (PSB), que organizou o encontro Foto: Kléber A. Gonçalves
Rodrigo Maia (DEM-RJ) deu entrevista coletiva antes do jantar, ao lado do aliado cearense Danilo Forte (PSB), que organizou o encontro Foto: Kléber A. Gonçalves

Com a presença de menos da metade da bancada cearense, o atual presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ), participou de um jantar em Fortaleza, ontem, em busca de apoio à sua candidatura à Presidência da Casa. Apesar dos recentes questionamentos judiciais sobre sua impossibilidade de disputar a eleição, Maia diz que não há empecilho na legislação e segue visitando estados na tentativa de criar um amplo bloco de aliados.

Na noite de ontem, o PSB confirmou apoio ao democrata. Maia também sinalizou avanços nas negociações com PT, PCdoB e PMDB. Ele anunciou, ainda, um ato com apoiadores nos próximos dias.

Pelo menos dez deputados cearenses foram ao jantar, embora 14 tenham confirmado presença anteriormente. A eles, Rodrigo Maia explicou como tem construído a candidatura e como pensa em conduzir os trabalhos na Câmara, caso seja eleito. Ele disse que garantirá tempo suficiente para que matérias polêmicas – como as reformas trabalhista e previdenciária – sejam debatidas com profundidade. “Esse é o principal pleito dos partidos. Vamos criar duas comissões especiais para discutir isso com muito cuidado”, afirmou.

Na ocasião, o parlamentar afirmou que, além das medidas para superar a crise econômica, a pauta de revisão do pacto federativo também deve ser prioritária. “Não é só a agenda econômica que será pautada. Queremos maior proximidade com governadores e prefeitos para colaborar com projetos voltados aos estados e municípios”, declarou.

Insegurança jurídica

A candidatura de Rodrigo Maia à reeleição vem sendo questionada judicialmente, tendo em vista que a lei estabelece que o presidente eleito na sessão preparatória do primeiro ano não pode concorrer a um novo mandato. Na última sexta, uma liminar determinou a não candidatura de Maia, decisão que foi revertida ontem. Ele disse que a insegurança jurídica sobre a disputa não o preocupa, pois a legislação não trata do caso de um presidente no exercício de mandato suplementar. Para ele, a decisão sobre essa questão deverá ser tomada internamente, na Câmara.

Questionado se o fato de ser citado na Operação Lava-Jato o preocupa em relação à eleição da Câmara, Maia disse não ver problema em ser citado e que se defenderá em breve. “Provarei que a ilação é falsa”, disse.

Acompanharam a coletiva os deputados Moses Rodrigues (PMDB), Raimundo Gomes de Matos (PSDB), Vaidon (PSDC) e Danilo Forte (PSB). A imprensa não pôde acompanhar o jantar. Conforme a assessoria de Danilo Forte, que organizou o jantar, compareceram, ainda, Macêdo (PP), Ronaldo Martins (PRB), Odorico Monteiro (PROS), Vitor Valim (PMDB), Cabo Sabino (PR) e Gorete Pereira (PR).

09:23 · 19.01.2017 / atualizado às 09:23 · 19.01.2017 por

Por Miguel Martins

Pela legislação atual, Camilo Santana (PT) tem até abril de 2018 para decidir se muda de partido para disputar reeleição ao Governo do Estado Foto: José Leomar
Pela legislação atual, Camilo Santana (PT) tem até abril de 2018 para decidir se muda de partido para disputar reeleição ao Governo do Estado Foto: José Leomar

Os rumores de que o governador Camilo Santana poderá deixar o Partido dos Trabalhadores (PT) e ingressar no Partido Socialista Brasileiro (PSB) se intensificaram nos últimos dias após conversa entre ele e Paulo Câmara (PSB), chefe do Poder Executivo de Pernambuco. Enquanto o presidente da sigla pessebista no Ceará, o deputado federal Danilo Forte, vê com bons olhos tal possibilidade, o deputado estadual Heitor Férrer (PSB), que dirige o diretório de Fortaleza, não gostou da ideia.

Férrer já deixou o PDT após ingresso dos irmãos Cid e Ciro Gomes e do prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, todos aliados do governador. Já os petistas entrevistados pelo Diário do Nordeste não creem como possível a ida de Camilo para o PSB. As conversas com o chefe do Executivo cearense acontecem desde o ano passado, e ele é bem visto no PSB, até porque seu pai, Eudoro Santana, já presidiu a sigla em momento difícil para o grêmio no Ceará.

Interesse

O último encontro de Camilo com Paulo Câmara, conforme noticiou ontem a “Coluna Comunicado”, deste jornal, ocorreu em Fortaleza antes da viagem oficial do petista ao Oriente Médio, quando o governador de Pernambuco esteve no Ceará para uma reunião de família, em Quixeramobim. Questionado sobre as especulações, o presidente estadual do PSB, Danilo Forte, afirmou que tem acompanhado as conversas “de longe” e elogiou o trabalho do petista à frente do Governo do Estado.

“É um cara aberto ao diálogo com os mais diversos segmentos da sociedade, e qualquer agremiação se orgulharia muito de tê-lo como membro”, disse. No entanto, durante o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), os dois partidos passaram por afastamento. A sigla pessebista compõe a base aliada do Governo Michel Temer (PMDB).

“O PSB ainda não tem uma pré-definição para 2018, mas pretendemos atravessar o momento em condições melhores para a economia”, pontuou Danilo. Nos bastidores da política local, o que se comenta é que há um interesse no grupo dos irmãos Ciro e Cid Gomes, ambos do PDT, de ampliar o leque de possibilidades de apoios com vistas a 2018, quando haverá eleição para o Governo do Estado e para a Presidência da República.

O PSB, portanto, seria opção para o ingresso de Camilo, mantendo relações próximas com PT e PDT em nível local, mas com o empecilho de que o PSB tem projeto presidencial diferente do pedetista. Presidente da sigla pessebista em Fortaleza, Heitor Férrer não vê com bons olhos a possibilidade de mudança, pois, para ele, não há como dissociar Camilo de Cid e Ciro Gomes.

No entanto, Danilo Forte destacou que Férrer tem adotado linha de independência na Assembleia Legislativa, tanto que, ao propor a extinção do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), atendeu a desejo do Governo. “O Heitor não é um deputado preso, assim como o PSB não quer ser. Dá para ter os dois no mesmo partido, pois são duas pessoas inteligentes, sérias com a coisa pública”, declarou.

Férrer afirmou, porém, que Camilo é “o miolo da linha política dos Ferreira Gomes”, não tendo qualquer desvinculação entre eles. “Apesar de estarem em siglas diferentes, o Camilo só é governador por conta do apoio dos Ferreira Gomes, tanto que Camilo tem no seu secretariado o Mauro Filho, Arialdo Pinho, Antônio Balhmann, todos já secretários do Cid, e o Lúcio Ferreira Gomes, fortalecido na Infraestrutura, e Nelson Martins, que foi líder do Cid, e hoje está na Casa Civil”, apontou.

Os petistas também não acreditam na ida de Camilo ao PSB e veem com estranhamento a possibilidade de que o governador deixe os quadros do PT. De acordo com o presidente estadual da sigla, Francisco de Assis Diniz, Camilo já teria ratificado seu posicionamento de não sair do partido. O dirigente ressaltou, inclusive, que o chefe do Poder Executivo Estadual, como membro do diretório estadual, participará efetivamente do processo de eleição interna da sigla, marcado para março. “Não há o que dizer, isso é apenas especulação. O governador já disse que isso não vai acontecer”, minimizou.

Bancada

A deputada estadual Rachel Marques também disse desconhecer a informação, destacando ainda que não há qualquer tratativa neste sentido dentro do PT. Na tarde de ontem, ela e os outros três deputados do PT com representação na Assembleia – Elmano de Freitas, Manuel Santana e Moisés Braz – se reuniram com o secretário da Casa Civil, o também petista Nelson Martins, para discutir, dentre outras pautas, o posicionamento dos representantes da legenda na Casa nos próximos meses.

Segundo Marques, há discussões preliminares no PT sobre a mudança dos diretórios municipais e estadual e, neste debate interno, o nome de Camilo poderia, inclusive, ser escolhido por consenso para a presidência estadual do partido. Já Manuel Santana afirmou que, caso seja confirmada a ida do governador para o PSB, em nada mudaria a relação dele com os petistas da Assembleia Legislativa.

“Não queremos romper com o governador em hipótese alguma, por isso não muda em nada nossa relação”, disse. Pela legislação, Camilo tem até abril de 2018 para decidir se muda de partido com vistas a disputar um segundo mandato no Governo.

 

15:06 · 18.01.2017 / atualizado às 15:07 · 18.01.2017 por

 

O governador Camilo Santana tem até abril de 2018 para decidir se sai ou fica no PT para ser candidato à reeleição
O governador Camilo Santana tem até abril de 2018 para decidir se sai ou fica no PT para ser candidato à reeleição

Uma nota no jornal O Estado de S.Paulo de hoje motivou uma onda de especulação sobre a possível saída do governador Camilo Santana do PT, para ingressar no PSB. O governador encerra a viagem que faz para ao exterior amanhã. Sua última conversa com o governador de Pernambuco, a quem se atribui a interlocução para a troca de partido, foi ainda no ano passado, quando os governadores estavam discutindo com o Governo Federal a divisão dos recursos da chamada repatriação do dinheiro de brasileiros em outros países. Os governadores do Nordeste defendiam uma situação diferenciada.

Camilo, pela legislação atual, tem até o início de abril do próximo ano para decidir se fica ou sai do PT, para disputar um segundo mandato. Ele, por exercer mandato Executivo não se sujeita à Lei da Fidelidade partidária.

Para ser candidato à reeleição com o apoio do grupo que o ajudou a se eleger governador, terá que se filiar a um partido de não oposição à pretensão política de Ciro Gomes, hoje potencialmente candidato a Presidente da República pelo PDT. O PSB tem projeto presidencial diferente do traçado pelo PDT, portanto, um forte empecilho para a filiação de Camilo.

A tendência natural de Camilo Santana é deixar o PT por conta do seu alinhamento à candidatura de Ciro Gomes. Não necessariamente ele terá que ir para o PDT, mas com certeza será para uma sigla onde ele possa influenciar que ela se componha com o PDT na disputa presidencial, condição que não teria no PSB.

Mas como política nada é impossível, tudo será diferente se o governador resolver romper com o grupo político liderado por Cid e Ciro Gomes. O rompimento acontecendo, Camilo estará livre para se filiar a    qualquer partido que o receba.

11:20 · 12.10.2016 / atualizado às 11:20 · 12.10.2016 por

Por Miguel Martins

Heitor Férrer não acompanha a decisão do seu partido no apoio ao candidato Roberto Cláudio, como ontem à tarde ficou acertado Foto: José Leomar
Heitor Férrer não acompanha a decisão do seu partido no apoio ao candidato Roberto Cláudio, como ontem à tarde ficou acertado Foto: José Leomar

Com a ideia de neutralidade neste segundo turno, o candidato derrotado no pleito deste ano, Heitor Férrer (PSB), voltou a criticar a utilização dos institutos de pesquisas durante a campanha eleitoral. Presidente do PSB de Fortaleza, o parlamentar retornou aos trabalhos da Assembleia Legislativa, ontem, mais de uma semana depois do resultado das urnas, e afirmou que muitos candidatos perderam a vontade de continuar na disputa devido ao uso das amostragens.

O pessebista ficou na quarta posição nas eleições deste ano, em Fortaleza, atrás de Roberto Cláudio (PDT), Capitão Wagner (PR) e Luizianne Lins (PT), resultado bem aquém do obtido no pleito de 2012, quando conseguiu mais de 262 mil votos. O número de sufrágios de Heitor, na votação do último dia 2 de outubro, foi reduzido para pouco mais de 90 mil.

“O grande problema que encontro na pesquisa eleitoral é o fato de ela conduzir o pleito com resultados previamente estabelecidos. Você faz os números e leva o eleitor a utilizar o chamado voto útil, inviabilizando o voto dele”, lamentou.

Segundo disse, geralmente, nestes casos o eleitor deixa de lado o candidato em quem pretendia votar e, com temor de que outros sejam eleitos, prefere apostar seu voto em outro candidato. “O mal da pesquisa, que é ciência, é que ela vai induzindo o eleitor a realizar o voto útil”.

Reeleição

No entanto, as pesquisas deste ano acertaram a pontuação de Heitor Férrer. No caso da pesquisa Ibope, no último levantamento divulgado, o pessebista aparecia com 7% dos votos válidos, e foi justamente essa a porcentagem apresentada nas urnas.

“Neste ano eles acertaram meu número, não tenho como questionar isso. Mas hoje mesmo encontrei vários eleitores que disseram que não votaram em mim para a Luizianne não ir para o segundo turno, e outros que queriam Roberto Cláudio já no primeiro turno”.

Para Férrer, a pesquisa também tira o ânimo do candidato. Ele citou, por exemplo, que muitos dos postulantes que apareciam com baixa pontuação não tinham ânimo para a disputa. “Qual ânimo tinha o Tin de sair nas ruas? E o Gonzaga? Qual a emoção que o próprio Ronaldo ou o João Alfredo tinham? Ela desanima o candidato, porque diz que ele tinha baixa pontuação de votos”, lamentou.

O parlamentar destacou que quer que a pesquisa seja feita por quem tem interesse no pleito, mas para análise pessoal, como partidos políticos que precisam da amostragem para direcionar o comportamento de seu candidato. “É importante neste sentido, mas não dar resultado antes das urnas abertas”, reclamou.

Na tarde de ontem, Heitor Férrer se reuniu com o partido para decidir como se comportará neste segundo turno, se apoiando Roberto Cláudio, Capitão Wagner ou se mantendo na neutralidade. A tendência do parlamentar sempre foi manter a neutralidade no segundo turno da disputa, enquanto que os entendimentos levaram o presidente da executiva estadual, Danilo Forte, ao apoio a Roberto Cláudio.

Heitor Férrer disse ainda ser contra o mecanismo da reeleição, pois o prefeito, em sua avaliação, se utiliza da máquina pública para se reeleger. No entanto, ele ressaltou que “o povo deu resposta para muitos desses prefeitos, aqui mesmo no Ceará”.

12:49 · 01.10.2016 / atualizado às 12:57 · 01.10.2016 por
Heitor Férrer iniciou campanha do último dia em uma pastelaria. FOTO: KID JR
Heitor Férrer iniciou campanha do último dia em uma pastelaria. FOTO: KID JR

Como é de praxe no último dia de campanha eleitoral em Fortaleza, alguns candidatos aproveitaram a véspera da eleição, que acontece neste domingo (2), para fazerem o corpo a corpo junto a moradores que se encontram no Centro da cidade. Na manhã deste sábado (1), postulantes ao cargo de prefeito e vereador escolheram a praça do Ferreira como ponto de partida para tentar convencer o eleitor na reta final da disputa.

Além dos candidatos a prefeito de Fortaleza, João Alfredo (PSOL) e Heitor Férrer (PSB), também estiveram no Centro da cidade militantes da campanha da candidata Luizianne Lins, como o deputado federal José Nobre Guimarães (PT), e postulantes a vereador, como Evaldo Lima (PCdoB), Guilherme Sampaio (PT) e Ailton Lopes (PSOL). Dirigentes do PCdoB e o deputado federal Chico Lopes (PCdoB) também estiveram na praça.

Luizianne Lins chegou a marcar participação no evento de campanha ocorrido na manhã deste sábado, mas preferiu ficar em casa. Elmano de Freitas (PT), que é candidato a vice na chapa da petista, foi quem realizou a passeata. De acordo com o deputado Guimarães a reforma política realizada no País foi encomendada e dirigida pelo ex-deputado federal, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), contra a esquerda. Conforme informou, a campanha mais curta interessou apenas às grandes máquinas com prejuízo grande para a democracia.

“O eleitorado está muito passivo, inclusive, aqui em Fortaleza. E isso pode indicar qualquer caminho. Está aberto em Fortaleza, e desde ontem à noite e até amanhã, as 17 horas, pretendemos ganhar os votos dos indecisos. Temos quase 25% do eleitorado indeciso e quem chegar melhor vai para o segundo turno”, avaliou o parlamentar.

Como tem acompanhado outras candidaturas no Interior do Estado, Guimarães afirmou que o PT deve sair fortalecido da campanha, com 46 candidaturas majoritárias e possibilidade de eleição na maioria delas. “Teremos grande vitória no Cariri, e estamos virando em Itapipoca, Crateus… Os grandes partidos com presença no Estado, como PT, PDT e PSD sairão fortalecidos. Aqui em Fortaleza, mesmo com a passividade do eleitorado, estamos confiantes que chegaremos ao segundo turno”.

Já Heitor Férer, que iniciou a campanha no último dia da eleição no primeiro turno lanchando na pastelaria Leão do Sul, destacou que o momento é de agradecer ao eleitorado e buscar concentrações. Conforme informou o pessebista, as mídias sociais, os debates e a televisão têm grande influência na decisão do voto, no entanto, o corpo a corpo é simbólico pois o candidato acaba recebendo um pouco de energia das pessoas.

“Meu sentimento é que estamos muito além do que as pesquisas dizem. Tivemos o viés de ser uma pesquisa mais curta, onde as redes sociais tiveram um impacto grande. Apesar de termos tido uma diminuição da ajuda financeira, vimos campanhas muito caras, como a do prefeito Roberto Cláudio. Mas isso tudo é um desafio”, afirmou.

Candidato do PSOL, João Alfredo finalizou a campanha na Praça do Ferreira. FOTO: KID JR
Candidato do PSOL, João Alfredo finalizou a campanha na Praça do Ferreira. FOTO: KID JR

Candidato do PSOL à Prefeitura de Fortaleza, João Alfredo iniciou sua caminhada na praça Coração de Jesus, no Centro, terminando o ato na praça do Ferreira. Ele também criticou a nova legislação vigente, que conforme disse, invisibilizou a candidatura de partidos menores. “Sofremos boicote das emissoras, porque a legislação não nos proibia de sermos chamados”, reclamou.

Ele também criticou candidaturas, como as do candidato Capitão Wagner (PR) e Roberto Cláudio (PDT), que conforme informou “são poderosíssimas, utilizando o poder das máquinas e da especulação imobiliária”. Outros postulantes também têm ações de campanha neste sábado, como Luizianne Lins, que deve participar de carreta no fim da tarde; Roberto Cláudio, que também realizará carreata; e Capitão Wagner. Ronaldo Martins (PRB) participa de “adesivaços” e “bandeiraços” em vários pontos da cidade.

09:25 · 19.07.2016 / atualizado às 09:25 · 19.07.2016 por
A composição da chapa, com Heitor Férrer como candidato a prefeito e Dimas Oliveira a vice, foi oficializada ontem na Assembleia Legislativa Foto: Lucas Moura
A composição da chapa, com Heitor Férrer como candidato a prefeito e Dimas Oliveira a vice, foi oficializada ontem na Assembleia Legislativa Foto: Lucas Moura

A aliança entre o PSB e a REDE Sustentabilidade representa a aproximação de duas entidades partidárias que têm identidade e, acima de tudo, a continuidade do que foi plantado por Eduardo Campos e Marina Silva em 2014. A afirmação é do presidente estadual do PSB, o deputado federal Danilo Forte, que ontem participou do anúncio do nome do advogado Dimas Oliveira como pré-candidato ao cargo de vice-prefeito de Fortaleza, na chapa que tem à frente o deputado estadual Heitor Férrer.

A união foi oficializada, ontem, na presença de correligionários dos dois partidos no Comitê de Imprensa da Assembleia Legislativa. “Heitor tem legado como candidato diferenciado por sua história política. É natural que aqueles que pensem parecido se irmanem dentro de um projeto”, afirmou Danilo, mostrando confiança de que a eleição será decidida a seu favor, no segundo turno.

Ao lado de Heitor Férrer, Dimas Oliveira defendeu que cabe ao vice-prefeito manter a discrição e entender que acima dele existe um prefeito que foi eleito para o cargo. “O vice acompanha tudo de perto e se ele conseguir, em sua secundariedade, ser efetivo na gestão, já estará fazendo muita coisa”, apontou o presidente estadual da REDE.

O pré-candidato a prefeito disse, ainda, que o programa de governo da chapa será apresentado de maneira “sensata”. “Faremos que seja exequível, sem ficção e venda de ilusão. Para que amanhã tenhamos orgulho de dizer que somos exemplo de administração e que nos orgulhamos da cidade onde moramos”, afirmou Heitor Férrer.

Questionado sobre outras possíveis alianças, ele fugiu da resposta, mas não se calou. “A percepção que temos é que se tentou fazer um isolamento da nossa candidatura. Subestimaram a condição eleitoral que nós temos, no sentido de esvaziar nossa campanha, como se nós, mesmos sozinhos, não fôssemos adiante no desejo de sermos pré-candidatos à Prefeitura”, disse.

Esforço

Heitor relatou que, na busca de reforço para sua pré-candidatura, chegou a procurar o senador Tasso Jereissati (PSDB), assim como Danilo Forte procurou outras agremiações. “Mas todos já estavam compromissados, o que é compreensível, e não conseguimos trazê-los para nosso lado”, lamentou. “Até que Dimas nos procurou. Portanto, a REDE veio em um bom momento, porque tínhamos já a intenção concreta de concorrer, mesmo sozinhos”.

Sobre o reduzido tempo de propaganda no Rádio e na TV, o pré-candidato disse não ocupar muito a mente e seu tempo pensando nisso. “Todos buscam sopinhas de letras para angariar tempo. Nós não temos essa sopinha. Somos apenas dois partidos. O tempo é limitado, mas vamos nos desdobrar para estabelecer uma comunicação muito franca com a cidade de Fortaleza. Temos na composição com a REDE a figura da Marina Silva, que é um rio de água limpa nesse mar de lama chamado Brasil”.

Embora o foco desta eleição seja conquistar a Prefeitura da Capital, Danilo Forte afirmou, ainda, que tem andado “incansavelmente” por cidades do Interior. “Queremos agregar novas lideranças, gente que ainda identifica na política uma forma de organização saudável da sociedade, que não perdeu a esperança de que podemos consertar o País através da política”, afirmou. “Hoje o partido está em 152 dos 184 municípios cearenses, e queremos eleger, nas eleições de outubro próximo, pelo menos 30 prefeitos”, estimou.

Por sua vez, a REDE, de acordo com seu presidente no Ceará, Dimas Oliveira, conta com mais de 40 diretórios municipais e cerca de dez candidatos a prefeituras. “Não estamos muito preocupados com quantidade, mas com a qualidade”, defendeu.

08:57 · 22.06.2016 / atualizado às 08:57 · 22.06.2016 por

Por Miguel Martins

Ronaldo Martins já se apresentava como pré-candidato antes do diálogo entre PSB e PRB em âmbito nacional. Agora, ele buscará apoios Foto: Fabiane de Paula
Ronaldo Martins já se apresentava como pré-candidato antes do diálogo entre PSB e PRB em âmbito nacional. Agora, ele buscará apoios Foto: Fabiane de Paula

Com o anúncio da pré-candidatura do senador Romário (PSB) à Prefeitura do Rio de Janeiro, ficou nula a possibilidade de apoio do PRB à pré-candidatura do deputado Heitor Férrer à Prefeitura de Fortaleza. O deputado federal Ronaldo Martins (PRB) disse que o partido volta a ter um nome para a disputa na capital cearense e iniciará diálogo com outras siglas em busca de apoios. O nome é o dele.

Os entendimentos para uma coligação do PRB com o PSB, do pré-candidato Heitor Férrer, foram iniciados em Brasília, provocados pelo senador Marcelo Crivela (PRB), pré-candidato a prefeito do Rio de Janeiro. Seria uma troca de apoios: o PSB votaria em Crivela no Rio e o PRB votaria em Heitor em Fortaleza.

No entanto, a decisão do senador Romário (PSB) de ser candidato a prefeito, como foi destacado pelo Diário do Nordeste na edição do último sábado (18), inviabilizou o entendimento que estava sendo discutido. Além disso, também pesou o fato de o deputado Ronaldo Martins, a principal liderança do PRB no Ceará, não ter gostado de como a coisa estava sendo tratada entre as direções nacionais dos dois partidos sem que ele fosse chamado a opinar.

Intenção

Ronaldo já se apresentava como pré-candidato a prefeito de Fortaleza antes da movimentação entre os dois partidos em Brasília. Ele enfatizou a pretensão de ser candidato à direção nacional, após iniciados os entendimentos entre o senador Crivela e o deputado federal Danilo Forte, presidente estadual do PSB.

Além da pré-candidatura em Fortaleza, o PRB também retoma as discussões em prol de uma candidatura própria em Aracaju, capital de Sergipe, e fica livre para fazer coligações em Natal, no Rio Grande do Norte, e Belo Horizonte, em Minas Gerais.

“Agora irei trabalhar apoios e retomar conversas com os presidentes de partidos”, declarou Ronaldo Martins. Segundo ele, o candidato a vice em uma provável candidatura sua vai depender dos entendimentos, mas, independentemente de aliança, a decisão do partido de ter um nome para disputar a Prefeitura de Fortaleza já está tomada.

Já para a disputa proporcional, o PRB está lançando uma chapa própria com 72 pré-candidatos a uma das 43 vagas na Câmara Municipal de Fortaleza. “Nosso partido está pronto para enfrentar essa batalha”, disse o parlamentar.

Representante do PRB na Assembleia Legislativa do Ceará, o deputado David Durand informou que o partido volta ao ponto que estava definido antes da discussão em torno do nome de Heitor Férrer. “Isso só vem consolidar a nossa pré-candidatura. O Ronaldo trará uma proposta nova para a Capital, e tenho certeza de que o nome dele estará agregando à quantidade de pessoas que querem mudanças”.

O parlamentar ressaltou que, por enquanto, está indefinida se a pré-candidatura do partido será independente ou buscará apoios, mas afirmou que as conversas serão feitas ao longo dos próximos meses. “Já tivemos várias conversas, mas nada foi definido. Vamos ver o que vai dar. Nosso objetivo é colocar o nome do deputado Ronaldo Martins e termos a certeza de que vamos alcançar e eleger nosso deputado federal o próximo prefeito de Fortaleza”, sustentou.

Reação

Ao receber a informação de candidatura própria do PRB em Fortaleza, o deputado Heitor Férrer afirmou estar “triste” com a situação, visto que havia uma possibilidade de o PSB apoiar o PRB no Rio de Janeiro. “Estava mais ou menos delineado que o Romário não seria candidato, mas não somos donos da vontade dos outros. O Romário tem direito de pleitear a candidatura, e o partido agora fica nesse impasse. Cabe à direção nacional definir”, lamentou o parlamentar.

Ele, que é pré-candidato à Prefeitura de Fortaleza, disse que vai continuar em busca de parcerias com outras agremiações, mas ponderou que, se não obter sucesso, vai para a disputa sozinho. “Tenho recall muito grande, a sociedade não é trouxa e vai avaliar muito bem. O senhor da verdade é o eleitor, e ele vai definir o melhor candidato com ou sem aliados”, afirmou.

09:37 · 18.06.2016 / atualizado às 09:37 · 18.06.2016 por

Por Miguel Martins

A possibilidade de o Partido Republicano Brasileiro (PRB) apoiar a candidatura de Heitor Férrer (PSB) é praticamente nula. De acordo com o deputado David Durand (PRB) a tendência é a sigla ir para a disputa majoritária indicando o nome do deputado federal Ronaldo Martins (PRB), como já havia sido sinalizado inicialmente. Com isso, Férrer deve ir para a disputa isolado, sem qualquer apoio.
Primeiramente, Heitor tentou diálogo com o PSDB, que se coligou com o deputado Wagner Sousa, pré-candidato pelo Partido da República (PR). Em seguida, ele tentou conversação com o Solidariedade (SD), mas esse tende também a apoiar Wagner. De acordo com David Durand, já havia sinalização para o PRB ir para a disputa majoritária, e que “Heitor entrou no meio da história”.
Há ainda possibilidade, segundo ele, do Partido Progressista (PP) apoiar Martins, indicando um nome da sigla para candidato a vice-prefeito. Durand disse que a conversa com Heitor estava pendente, mas nada foi definido. Havia pendências a serem resolvidas com candidaturas das duas legendas, principalmente, no que tange à disputa no Rio de Janeiro. “O que está definido até agora e´a candidatura do Ronaldo”, disse Durand. Ao <CF61>Diário do Nordeste</CF>, Heitor Férrer disse que “está tudo bem”.

11:39 · 06.03.2016 / atualizado às 11:39 · 06.03.2016 por
Encontro contará com as presenças do presidente nacional do partido, Paulo Siqueira, e do governador de Pernambuco, Paulo Câmara FOTO: JL ROSA
Encontro contará com as presenças do presidente nacional do partido, Paulo Siqueira, e do governador de Pernambuco, Paulo Câmara FOTO: JL ROSA

Depois das presenças dos presidentes das executivas nacionais do PDT, Carlos Lupi; do PSD, Gilberto Kassab; e do PMB, Suêd Haidar na semana passada, na próxima quinta-feira será a vez do presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, comparecer a Fortaleza para tratar de assuntos partidários. Ele, juntamente com a cúpula da sigla socialista, desembarcará na Capital cearense para realizar o encontro estadual da sigla que procura se fortalecer no Estado, principalmente, com vistas as eleições de outubro próximo.

Além de Siqueira, estão confirmadas as presenças do presidente da Fundação João Mangabeira , Renato Casagrande, do governador de Pernambuco, Paulo Câmara, da socióloga Aspásia Camargo e do filho do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, o chefe de gabinete de Pernambuco, João Campos.

Na semana passada, o PSB, enfim, se afirmou como oposição ao Governo Dilma Rousseff, diante as denúncias que teriam sido feitas pelo senador Delcídio do Amaral em provável delação premiada. Ele teria confirmado o envolvimento da presidente Dilma Rousseff e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na tentativa de inviabilizar investigações que estavam sendo feitas no esquema de corrupção na Petrobras.

Heitor diz que PSB faz oposição ao PT lá e cá

O evento do PSB, que será realizado no Clube da Caixa, em Messejana, começará a partir das 13 horas e será comandado pelos presidentes estadual e municipal da sigla, Danilo Forte e Heitor Férrer. Ao Diário do Nordeste, Férrer destacou que o PSB percebeu que os rumos governamentais e do Partido dos Trabalhadores tem novo viés político, por isso a sigla socialista se colocou como oposição, devido ao desenrolar das investigações da Operação Lava Jato.

“É um momento muito duro para o PT. Agora, o PSB faz oposição lá e faz oposição aqui”, disse Férrer, destacando ainda que o PSB não procurará o PT em um primeiro momento de composições. No entanto, ele afirmou que não saberia dizer se a sigla não aceitaria um apoio petista na Capital em um provável segundo turno, pois essa decisão caberia às instâncias partidárias. “Eu, particularmente, acredito que o PSB não apoiará a candidatura do PT e vice-versa”.

11:36 · 24.10.2015 / atualizado às 11:36 · 24.10.2015 por
Paulo Câmara participou ontem da inauguração da nova sede do PSB no Ceará ao lado do prefeito de Recife, Geraldo Júlio, do ex-deputado federal Beto Albuquerque e dos comandantes da legenda  no Estado, Danilo Forte e Heitor Férrer FOTO: JL ROSA
Paulo Câmara participou ontem da inauguração da nova sede do PSB no Ceará ao lado do prefeito de Recife, Geraldo Júlio, do ex-deputado federal Beto Albuquerque e dos comandantes da legenda no Estado, Danilo Forte e Heitor Férrer FOTO: JL ROSA

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara, compartilhou, ontem, em encontro com o governador Camilo Santana, o impacto da crise econômica no combate à crise hídrica e ressaltou a necessidade de se garantir esforços conjuntos dos estados nordestinos na busca de fontes alternativas para lutar contra mais um ano de seca. O gestor estadual foi ao Palácio da Abolição e participou ainda da inauguração da nova sede do PSB no Ceará ao lado do prefeito de Recife, Geraldo Júlio, e do ex-deputado federal Beto Albuquerque.

Paulo Câmara afirmou que a exagerada dependência dos estados nordestinos em relação aos recursos do Governo Federal deixou todos muito vulneráveis às dificuldades econômicas e, por isso, aumenta a pressão para que se busquem alternativas a esses obstáculos. “Nós temos pautas em comum, que é a liberação das operações de crédito por parte do Governo Federal para que as obras de recursos hídricos para o abastecimento de água sejam mais rápidas. Que nós tenhamos ações conjuntas para enfrentar a seca de 2016. Então, foi uma conversa em favor do Nordeste, do nossos estados e do Brasil”, detalhou o governador.

O gestor pernambucano defendeu que o Ceará e outros estados nordestinos recorram a empréstimos para aperfeiçoar a infraestrutura de combate à crise hídrica. “Os estados nordestinos têm um nível de endividamento muito baixo e isso faz com que nós possamos captar operações de crédito. Mas vamos fazer isso (em Pernambuco) com muita responsabilidade, como nós sempre fizemos” assegurou o governador Paulo Câmara.

Arrecadação

Otimizar a capacidade de arrecadação com os impostos cobrados à população deve ser um desafio buscado por todos, segundo o governador pernambucano. O gestor disse ter relatado a Camilo Santana a ausência de esperança quanto à maior celeridade das obras tocadas pelo Governo Federal na luta contra a seca, como a Transposição das Águas do Rio São Francisco. “Nós somos muito dependentes de obras federais que estão ocorrendo ainda como a transposição e as adutoras. Elas estão andando em passos muito lentos. No Ceará também, segundo relato do Camilo. Estou procurando com recursos próprios buscar alternativas, que não aguardem essas obras ficarem prontas. Estou fazendo barragens, construção de poços”, pontuou.

Indagado se o tom crítico ao governo Dilma Rousseff o preocupava pela possibilidade de atrapalhar ainda mais as dificuldades econômicas, o governador Paulo Câmara disse esperar do Palácio do Planalto capacidade de compreensão. “São posições críticas em favor do Brasil, em favor dos estados. Eu tenho muita razoabilidade no que eu falo do Governo Federal porque eu não estou olhando para trás. Estou olhando para a frente”.

Paulo Câmara assegurou que tem buscado fazer cortes na máquina administrativa estadual desde o início do ano, porém, revelou que ainda não foram suficientes para deixar o Estado imune à crise. “O Brasil passa por uma crise muito grande, as receitas estão cada vez menores. A gente tem muitos desafios principalmente para 2016, porque será um ano tão difícil como está sendo 2015”, destacou.

O gestor disse que ele e Camilo Santana convergiram na análise sobre o que tem provocado a crise econômica. “Nós temos muito mais convergências, praticamente nenhuma divergência. Nós só vamos superar essa crise quando tivermos condições de superar a crise política para o Brasil voltar a crescer e a funcionar. É hora de muita união nacional, de muito diálogo e de muita disposição”, explicou o governador Paulo Câmara.

Eleições

Já durante a solenidade de inauguração da sede do PSB, o governador de Pernambuco, o prefeito de Recife e o ex-deputado federal exaltaram as chegadas de Danilo Forte e Heitor Férrer ao partido como estratégia de fortalecimento da agremiação nas eleições de 2016. O prefeito de Recife, Geraldo Júlio, disse que o PSB mostrou em Pernambuco que conquistas podem ser alcançadas e afirmou que o partido também pode fazer o mesmo no Ceará.

“Fazer o PSB se consolidar no Ceará, eleger prefeitos, eleger vereadores, se consolidar no Interior é muito importante para esse País”. O ex-deputado federal e candidato à vice-presidência na eleição de 2014, Beto Albuquerque, foi mais incisivo ao apontar Heitor Férrer com a retomada da esperança de Fortaleza em ter uma vida mais digna. “Se engatarmos a marcha em direção aos que mais precisam, vamos vencer essa eleição e vamos mostrar a Fortaleza que é possível fazer um governo para todos, de forma democrática e participativa”, completou.

09:15 · 22.10.2015 / atualizado às 09:15 · 22.10.2015 por

A direção estadual do PSB definiu nesta quarta-feira (21) a nova formação da direção do partido na Capital. A presidência da legenda terá na sua frente o deputado estadual Heitor Férrer, recém filiado ao PSB. A advogada e ambientalista Geovana Cartaxo ocupará a vice-presidência.

A nova comissão será apresentada nesta sexta-feira (23) durante a inauguração da  sede do partido, na Rua Deputado João Pontes, 756, no bairro de Fátima (em frente a Praça Argentina Castelo Branco). O evento contará com as presenças do governador do estado de Pernambuco, Paulo Câmara; do presidente nacional do partido, Carlos Siqueira; e do presidente da executiva estadual, Danilo Forte.

Saiba mais:

PSB Fortaleza

Presidente – Heitor Férrer;

Vice-presidente – Geovana Cartaxo;

Secretário Geral – Récio Ellery;

1º Secretário – Barros Filho;

2º Secretário – Ademar Arruda Filho

Secretário de Mobilização – Professor Jairo Costa

Tesoureira – Cecília Benevides

09:35 · 18.10.2015 / atualizado às 09:35 · 18.10.2015 por

Oficialmente, dizem integrantes do PSB cearense, não há registro da dívida da campanha eleitoral de 2014, mas constantemente os novos dirigentes da agremiação estão sendo cobrados, não diretamente pelos supostos credores, mas por ex-dirigentes da sigla, para pagarem restos da campanha passada. Danilo Forte, o presidente atual, chegou a dizer que os valores que lhes foram apresentados, extraoficialmente, variavam a cada conversa sobre a conta.

Essa suposta dívida do diretório estadual por conta da campanha de 2014, que teve à sua frente a ex-deputada estadual Eliane Novais como candidato ao Governo do Estado, foi o motivo do afastamento dela e do seu irmão do partido. Eles queriam ficar com a tesouraria da agremiação, cargo que o deputado Danilo Forte disse que seria para uma pessoa da sua confiança absoluta.

 

07:30 · 08.10.2015 / atualizado às 07:30 · 08.10.2015 por
No dia da filiação do parlamentar à sigla, no entanto, Sérgio Novais não mostrou nenhuma insatisfação com a agremiação
Roberto Pessoa ainda participou do ato de filiação de Heitor Férrer e Danilo Forte ao PSB. Ex-prefeito permaneceu no comando da legenda durante cerca de apenas dois meses

O ex-deputado federal Roberto Pessoa aguarda o retorno de viagem a Portugal do presidente do PR, Lúcio Alcântara, para acertar a volta à agremiação, segundo a deputada estadual Fernanda Pessoa. O ex-prefeito de Maracanaú ocupava o cargo de presidente de honra da legenda até ir para o PSB na condição de mandatário da sigla no Ceará. Após dois meses, porém, ele foi destituído da função para ceder lugar ao deputado federal Danilo Forte.

Roberto Pessoa ainda chegou a participar do ato de filiação de Heitor Férrer e Danilo Forte ao PSB, mas depois não escondeu a insatisfação com a legenda.

06:40 · 03.10.2015 / atualizado às 06:40 · 03.10.2015 por
Heitor Férrer alegou que o PSB é um partido “destroçado” e afirmou que reerguer a legenda no Estado é um desafio para os próximos meses FOTO:  José Leomar
Heitor Férrer alegou que o PSB é um partido “destroçado” e afirmou que reerguer a legenda no Estado é um desafio para os próximos meses FOTO: José Leomar

Por Miguel Martins

O PSB cearense confirmou a criação de conselho de cidadania para dialogar com a sociedade no intuito de elaborar propostas a serem apresentadas durante o período eleitoral. A informação, que já havia sido adiantada pelo Diário do Nordeste, foi dada pelo presidente do grêmio, o deputado federal Danilo Forte, ontem, durante assinatura de filiação do deputado estadual Heitor Férrer (ex-PDT), pré-candidato a prefeito de Fortaleza.

A agremiação, ainda sem local para realizar seus trabalhos, deve inaugurar nova sede no dia 23 no Bairro de Fátima, na capital cearense, e lançar a comissão provisória da sigla em Fortaleza. No evento, estão confirmadas as presenças do governador de Pernambuco, Paulo Câmara, e do ex-prefeito de Curitiba e deputado federal Luciano Ducci.

De acordo com Danilo Forte, após essas manifestações, um grupo de trabalho deve ser inicializado para realizar debates e palestras com vistas a reunir sugestões já pensando nas eleições do próximo ano.

Heitor Férrer, como o próprio presidente nacional do partido Carlos Siqueira já sinalizou, será o candidato do PSB à Prefeitura de Fortaleza. No encontro de ontem, somente os deputados Wagner Sousa (PR) e Silvana Oliveira (PMDB) prestigiaram o ato de filiação de Férrer. O ex-correligionário Evandro Leitão, líder do Governo na Assembleia, compareceu apenas para desejar sorte ao colega. O atual presidente do PROS, Leandro Vasquez, também foi ao evento.

“Estou saindo de um partido entristecido. Se fosse anormal, diria que não representa nenhum motivo de tristeza. Eu sou agora abraçado por um partido que me recebe de maneira muito alegre. Esse Danilo Forte tem um destaque muito grande e isso dá força à minha participação, porque ele consegue dar força”, disse Heitor Férrer.

Destroçado

O deputado ressaltou que entra em um partido que foi “destroçado”, pois tinha vereadores na Capital, deputados federais e estaduais e agora não tem mais. “Nós seremos aliados para reerguer esse partido, temos essa obrigação”, salientou.
Segundo o deputado estadual Heitor Férrer, outro desafio é reconstruir a cidade de Fortaleza, que ele diz também estar “destroçada”. “Muitas vezes, o Governo anterior dizia que o PIB do Ceará era maior que o do Brasil e que o Ceará era modelo econômico. Eu dizia que de nada adiantava o crescimento se não tínhamos a paz”, declarou.

O evento serviu para que Forte e Férrer fizessem críticas aos equipamentos públicos do Governo Estadual, que eles alegam estar com funcionamento abaixo da capacidade ideal.

Projeto

Danilo Forte, por sua vez, destacou que a sigla está procurando pessoas que pensem na construção de um projeto novo que, segundo ele, deve ser construído em parcerias com quadros como Heitor Férrer. O pré-candidato a prefeito de Fortaleza pelo PSB diz que, em encontro com o deputado Wagner Sousa, pretenso candidato a prefeito da Capital, ficou decidido que os dois estarão juntos no segundo turno das eleições do próximo ano.

“O Heitor tem toda uma bagagem e biografia que tem compromisso com a cidade. Foi médico, vereador e tem conhecimento de todos os dramas de Fortaleza. Ele é diferenciado e é disso que precisamos, diferente de grupos oligárquicos que buscam apenas o fortalecimento de suas famílias e empresas”, apontou Forte.

O Conselho de Cidadania sugerido pelo presidente do PSB visa interagir com diversos segmentos sociais, convidando pessoas com expertise em cada área para que a sigla possa apresentar experiências e possa ter um diagnóstico da situação das cidades. Com isso, o partido justifica que quer criar políticas novas para que cidades como Fortaleza.
“Nós poderemos contribuir para que o Ceará cresça em sua dignidade, porque o Estado tem líder na Câmara Federal e no Senado e as notícias que recebemos para nosso Estado são todas de mal a pior”, criticou Forte.

12:20 · 02.10.2015 / atualizado às 12:20 · 02.10.2015 por
Deputado Heitor Férrer em pronunciamento na Assembleia. FOTO: Bruno Gomes
Deputado Heitor Férrer em pronunciamento na Assembleia. FOTO: Bruno Gomes

Membro do Partido Democrático Trabalhista (PDT) há 28 anos, o deputado Heitor Férrer oficializou a saída da legenda na manhã desta sexta-feira (2) em coletiva de imprensa na Assembleia.

Ele se filiou ao Partido Socialista Brasileiro (PSB) em ato prestigiado pelo presidente da sigla, Danilo Forte, o presidente da fundação João Mangabeira, Pedro Albuquerque, e o pré-candidato a prefeitura de Fortaleza, deputado Wagner Sousa (PR).

Durante discurso, Danilo Forte reafirmou o apoio do partido a candidatura de Heitor a prefeitura de Fortaleza. Até Wagner, que deverá disputar votos com Heitor, elogiou o deputado e confessou ter sido eleitor dele em eleições passadas. Ele afirmou que espera um bom desempenho da oposição nas próximas eleições.

Nova sede

Danilo Forte anunciou que no dia 23 de outubro será inaugurada nova sede do partido em uma casa localizada no Bairro de Fátima. No ato, também será informada a composição da comissão provisória em Fortaleza. Segundo o presidente, a cerimônia contará com a presença do governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB)

 

15:33 · 24.09.2015 / atualizado às 15:33 · 24.09.2015 por
Ex-presidente do PSB, Sérgio Novais.
Ex-presidente do PSB, Sérgio Novais.

Por Pedro Borges

Em coletiva de imprensa concedida nesta manhã (24), os irmãos Novais, visivelmente abalados, deram explicações sobre a saída repentina do PSB e falaram sobre o futuro do grupo político. Eles garantiram que devem se filiar a um novo partido dentro de quatro ou cinco dias.

Sérgio Novais anunciou que Eliane Novais irá concorrer para vereadora e até falou da possibilidade de se colocar como candidato ou numa chapa.

“‘Claro que temos de ter um caminho até a semana que vem, a Eliane disputará as eleições e eu vou colocar meu nome a disposição para qualquer composição futura”, disse. Eles informaram que receberam vários convites de partidos, mas não revelaram quais.

Durante a coletiva, ele relatou que a decisão foi tomada após encontro que teve a sós com o presidente nacional da sigla, Carlos Siqueira. Há 30 anos no partido, para Novais o que mais pesou na decisão foi o “alijamento” de seu grupo na reestruturação da legenda, comandada por Siqueira.

“Na estrutura partidária nós temos três cargos importantes: a presidência, a secretaria geral e a secretaria de finanças, o resto é composição politica, a vice-presidência é simbólica, e fomos excluídos dessas três”, disse.

“Ou você está nessas três ou você faz papel figurativo. Com a entrada do Danilo (Forte) fomos colocados em segundo plano”, acrescentou. Sérgio negou que a saída tivesse qualquer relação direta com Danilo Forte, mas sim com a atitude em relação a seu grupo, incluindo a retirada de Roberto Pessoa da presidência.

Ele revelou que trouxe Pessoa para a legenda para evitar que o partido pudesse ser retomado pelos Ferreira Gomes. De acordo com ele, Ciro Gomes chegou a contatar o vice-governador de São Paulo, Márcio França (PSB), sobre a possibilidade, e Roberto Cláudio teria feito o mesmo com o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB).

Explicando os motivos para a saída, Sérgio Novais também criticou a postura do presidente nacional, Carlos Siqueira, o qual disse não ter “capacidade para dirigir o partido”. “Ele não tem autoridade política para se impor diante de situações complexas como essa, e aí ele perdeu-se completamente. Eu falei a ele: seus antepassados tinham um equilíbrio”, relatou.

A ex-deputada Eliane Novais também registrou seu descontentamento. “Saio muito tranquila do PSB, embora emocionada, porque dei o melhor de mim para esse partido, mas tem horas que a gente tem de ser para além disso, a gente tem que ter coragem e dizer: não, eu tenho honra, eu tenho moral e não vou ficar submissa a esse tipo de comportamento”.

 Filiação

Após o ocorrido, o deputado Heitor Férrer (PDT) confirmou que manterá a ida para o partido assim que se concretize a filiação de Cid Gomes ao PDT. Ele disse que foi pego de surpresa e ficou “entristecido” com a notícia.

“É uma questão de foro íntimo do Sérgio, fiz muitas ponderações para que ele não saísse,  mas obviamente que na avaliação dele essas ponderações não tiveram o peso necessário para que ele não saísse”, lamentou.

Heitor relatou que Sérgio e Eliane foram ao seu gabinete ontem às 15h para dar a notícia em primeira mão. No entanto, ao ser questionado por jornalistas na coletiva, Sérgio Novais disse que ainda não havia comunicado a Heitor Férrer e Roberto Pessoa.

 

20:39 · 23.09.2015 / atualizado às 20:50 · 23.09.2015 por
novais
Filiação de Roberto Pessoa ao PSB reuniu os irmãos Eliane e Sérgio Novais

O ex-deputado federal e membro da executiva nacional do Partido Socialista Brasileiro (PSB), Sergio Novais, oficializará nesta quinta–feira (24), às 11h, em coletiva à imprensa, na Assembleia Legislativa, sua desfiliação da agremiação. A ex-deputada estadual Eliane Novais também acompanhará o irmão.

Os detalhes sobre os motivos da desfiliação serão divulgados durante a entrevista coletiva, mas em manifesto assinado por Sérgio Novais, ele alega condução antidemocrática do presidente nacional da agremiação, Carlos Siqueira.

Sérgio Novais foi quem levou Roberto Pessoa para assumir a presidência do PSB do Ceará, aproximadamente há três meses. Insatisfeito pelo fato de Pessoa preferir a candidatura a prefeito de Fortaleza de Capital Wagner, ele levou o deputado federal Danilo Forte e o deputado estadual Heitor Férrer para falar com o presidente nacional do partido, Carlos Siqueira, para que Danilo assumisse o lugar de Roberto Pessoa e defendesse a candidatura de Heitor à Prefeitura de Fortaleza pelo PSB. As duas fotos que ilustram post confirmam as suas intervenções.

 

No dia da filiação do parlamentar à sigla, no entanto, Sérgio Novais não mostrou nenhuma insatisfação com a agremiação
No dia da filiação de Danilo Forte à sigla, Sérgio Novais não mostrou nenhuma insatisfação com a agremiação e nem com o presidente nacional da sigla, chegando a posar para as fotos de mãos dadas com Carlos Siqueira FOTO: JOSÉ LEOMAR

Danilo Forte diz que Sérgio Novais queria ser o tesoureiro do PSB

O deputado federal Danilo Forte, recém-filiado ao PSB e já presidente estadual da legenda, diz que foi “totalmente surpreendido” pela saída dos irmãos Sérgio e Eliane Novais. O parlamentar acredita que Sérgio Novais ficou contrariado por não ter sido nomeado tesoureiro do partido.

Danilo Forte afirma ainda que teria uma reunião amanhã à tarde com os dois para tratar da presidência do diretório de Fortaleza, acrescentando que o convite já teria sido feito a Eliane Novais para assumir o comando da legenda na Capital. Ele também diz que foi o próprio Sérgio Novais que o acompanhou na reunião com o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, para conduzi-lo à sigla.

Sérgio, antes da confirmação de que não seria tesoureiro do partido teria falado em duas oportunidade com o deputado Danilo Forte sobre as dívidas da campanha de Eliane Novais ao Governo do Estado do Ceará, no ano passado, que deveriam ser pagas pelo diretório estadual.

 

Confira a íntegra do manifesto assinado por Sérgio Novais:

Manifesto aos cearenses

Desde a trágica morte de Eduardo Campos, é sabido que o PSB vem passando por um difícil processo de reestruturação nacional. A perda inesperada da sua mais expressiva liderança naturalmente obrigou o partido a reconstruir a condução do seu caminho na história política do País.

No entanto, a condução desse processo de reestruturação tem sido extremamente desgastante, turbulenta e unilateral, a ponto de, nos últimos meses, sem explicações, termos perdido paulatinamente a capacidade de intervir na retomada da trajetória do PSB de defesa de um projeto socialista capaz de promover os ideais de justiça e igualdade na sociedade brasileira.

O grupo político histórico a que pertencemos tem quase 30 anos de filiação ao PSB, período em que sempre procuramos contribuir para o fortalecimento dos ideais socialistas de luta do partido no Estado, seja como militantes, parlamentares e dirigentes, participando de todas as instâncias de decisão do PSB em nível nacional, estadual e municipal.

Durante esse período, enfrentamos adversidades e conflitos internos muito intensos. Divergimos de filiações que tiveram como critério o mero capital eleitoral e que levaram o PSB no Ceará a caminhos que, no nosso entendimento, mancharam os valores democráticos do partido. Mas não deixamos de acreditar e defender o PSB em nenhum momento. Nas eleições de 2014, atendendo à solicitação da direção nacional da legenda, sacrificamos a candidatura da então deputada estadual Eliane Novais à Câmara dos Deputados, para lançarmos seu nome ao Governo do Estado numa luta desproporcional contra poderosas forças políticas do Estado. Assim como a ex-deputada Eliane Novais, vários outros companheiros(as) e lideranças políticas do partido também se sacrificaram em torno do projeto nacional do PSB.

No entanto, ao contrário dos momentos de divergências internas anteriores, percebemos claramente que a atual presidência do PSB não tem tido capacidade de respeitar a correlação de forças dentro do partido, a ponto de, recentemente, ter nos excluído, de forma surpreendente, do processo de reorganização do PSB no Ceará com a filiação unilateral do deputado federal Danilo Forte.

Temos, portanto, sido asfixiados dentro do PSB pela incapacidade política do presidente nacional, Carlos Siqueira, de manter o equilíbrio interno do partido e por sua forma antidemocrática de conduzir a legenda. Acreditamos que isso tem contribuído fundamentalmente para a saída de expressivas lideranças históricas nacionais do partido, como o deputado federal Glauber Braga (PSB/RJ) e a deputada federal Luiza Erundina (PSB/SP), que também poderá deixar a legenda.

Vivemos uma crise política ética grave no País, que tem exigido das legendas um papel cada vez mais democrático, participativo e firme na defesa de seus posicionamentos e valores históricos. Diante do exposto, vimos a público informar a desfiliação coletiva do grupo histórico do PSB Ceará. Agradecemos a todos os militantes, lideranças políticas e profissionais de imprensa que ao longo desses 30 anos de filiação sempre acompanharam nossas lutas e batalhas em defesa de um projeto político capaz de promover a igualdade, justiça social e desenvolvimento sustentável do Ceará e do Brasil.

08:51 · 17.09.2015 / atualizado às 08:51 · 17.09.2015 por

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, oficializou, na tarde de ontem, a nova comissão provisória do partido no Ceará, agora sob o comando do deputado federal Danilo Forte, recém-filiado à legenda depois de deixar o PMDB. O cargo de vice-presidente foi oferecido a Roberto Pessoa, que antes estava como dirigente estadual e perdeu espaço com a entrada de Forte. Pessoa ainda não deu uma resposta a Siqueira se vai aceitar a oferta.

Pela nomeação de Carlos Siqueira, o secretário geral do PSB Ceará passa a ser Francisco Barros Alves e o primeiro secretário será Germano Richa Fonteles. O secretário de finanças da sigla será Cláudio Germano Diogo de Siqueira Cruz. Já a primeira secretaria de finanças fica com José Livino Pinheiro Lopes.

Carlos Siqueira informa que convidou Roberto Pessoa a integrar a direção do partido, embora não mais como presidente, e admite que não sabe nem se Pessoa continuará filiado à legenda. “Não sei (se ele permanecerá no PSB). Convidamos para ficar e integrar a direção”, destaca.

O dirigente nacional do PSB explicou ao Diário do Nordeste que a pressa em formar a nova comissão provisória do partido no Ceará se deve à necessidade de estruturar a legenda para o pleito de 2016.

Carlos Siqueira esclarece que a legenda não esperou a filiação oficial do deputado Heitor Férrer à agremiação, justificando que o parlamentar não fez qualquer reivindicação relacionada a participar da direção do partido. “A única exigência dele foi ser indicado a candidato a Prefeitura de Fortaleza”, disse, acrescentando que a presidência do PSB da Capital deve ficar com a ex-deputada Eliane Novais.

12:53 · 14.09.2015 / atualizado às 12:53 · 14.09.2015 por
Deputado federal Danilo Forte se reúne com  lideranças para discutir diretoria do PSB.
Deputado federal Danilo Forte se reúne com lideranças para discutir diretoria do PSB.

Por Pedro Borges

Os novos líderes do PSB no Ceará, o deputado federal Danilo Forte, filiado na última sexta-feira (11), e Heitor Férrer, ainda não filiado, vão se reunir na tarde desta segunda-feira (14) para discutir possíveis mudanças na direção do partido. De acordo com Danilo, o presidente estadual da legenda, Sérgio Novais, também participará do encontro, e o presidente do partido em Fortaleza, Roberto Pessoa, ainda será convidado para a reunião.

Segundo Danilo Forte, haverá a proposição de “readaptação” da direção do PSB. “Nós vamos fazer uma avaliação desse novo quadro que surge no PSB no Ceará e vamos apresentar uma proposição de readaptação do quadro diretivo do partido no Estado com relação a esse novo momento e a partir de então nós vamos definir as mudanças necessárias para incorporar inclusive as novas lideranças que estão chegando ao partido”, disse.

“Vamos tratar do assunto com maturidade, sem mágoas, sem queixas, sem ressentimento, mas com foco no partido, para estruturá-lo para o pleito municipal de 2016”, acrescenta. Quando houve a sinalização sobre a ida de Forte para o PSB, o presidente nacional da legenda, Carlos Siqueira, chegou a dizer a imprensa que a diretoria estadual ficaria com o então peemedebista, fato não confirmado no ato de filiação.

Danilo informa que no encontro também será discutida a necessidade de unificação na legenda. “O partido não pode ter uma pluralidade de foco em candidatura”, aponta. A afirmação se dá no contexto em que o atual presidente estadual da sigla, Roberto Pessoa, alegou estar comprometido em apoiar o deputado Wagner Sousa (PR) na disputa pela prefeitura de Fortaleza em 2016.

Sem citar Pessoa, Forte avaliou a situação como “constrangedora”. “Todos aqueles que se dispuserem a abraçar publicamente esse projeto, nós vamos tentar incorporar ao processo, aqueles que não, nem tem condições, e é até constrangedor uma pessoa estar apoiando uma candidatura de um partido, pensando e lutando por uma candidatura de outro partido”, destaca. Questionado pela reportagem se há possibilidade de não apoiar Heitor, Roberto Pessoa preferiu não declarar, no momento, quem irá apoiar para prefeitura de Fortaleza.

Vereadores

Sobre o diálogo com vereadores que pretendem migrar para o PSB, Danilo informa que três já o abordaram para conversar sobre o assunto. A expectativa é que com a sansão da chamada “janela partidária” um grupo de vereadores se desloque para a legenda.

“Eu tenho certeza que sancionada essa matéria alguns vereadores poderão vir para o partido já que há uma simpatia muito grande, não só pelo programa partidário mas pelo projeto de se construir uma candidatura viável com o nome do Heitor Férrer a frente da prefeitura de Fortaleza”.