Busca

Tag: Roberto Cláudio


09:32 · 20.04.2017 / atualizado às 09:32 · 20.04.2017 por

Por Renato Sousa

O vereador Guilherme Sampaio (PT) usou o tempo de liderança da oposição na Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor) para pedir medidas mais efetivas no combate à doenças transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti, como a dengue, a chikungunya e o zika vírus. De acordo com o parlamentar, as doenças já atingiram o estágio de epidemias na Capital. “Nos últimos três meses, em Fortaleza, que não teve dengue, teve zika. Quem não teve zika, teve chikungunya. E quem não teve nenhum dos três, teve essa virose que provoca vômito e diarreia”, declara.

De acordo com o vereador, o problema está atingindo não apenas os moradores dos bairros mais pobres, mas também a área nobre de Fortaleza. O parlamentar afirma que, durante a Semana Santa, acompanhou a sobrinha, com chikungunya, em dois hospitais particulares diferentes. E, de acordo com o petista, a situação em ambos era de “uma operação de guerra”.

O petista afirma que é preciso encarar o fato que a cidade está passando por uma epidemia. “Não gosto de ser catastrofista, mas isso é a realidade”, diz. Ele pede que a Secretaria Municipal de Saúde apresente um plano de contingência para enfrentar o problema em Fortaleza.

Preocupação

Entre os problemas nesse enfrentamento, o vereador afirma que um é a falta de estrutura para a atuação dos agentes de endemias em Fortaleza. De acordo com Sampaio, faltam até protetores solares e repelentes para os profissionais. Ele lembra que especialistas apontam que mais de 80% dos focos do mosquito encontram-se dentro das casas. Portanto, os agentes de endemias seriam fundamentais.

O vice-líder do prefeito Roberto Cláudio (PDT), Dr. Porto (PRTB), usou a tribuna da Casa para responder às questões levantadas por Sampaio. De acordo com ele, o tema era de profunda importância e ele próprio não se cansava de tratar dele. “O problema é em toda a Fortaleza e em todo o Ceará”, diz. Segundo o vereador, é provável que a doença comece a ganhar força também na área nobre da Capital cearense.

Para Porto, a Prefeitura tem uma grande preocupação com o tema. Ele diz que o prefeito Roberto Cláudio (PDT) determinou que aconteçam reuniões todas as terças-feiras para debater o assunto e ele próprio estaria presente em todas. Entretanto, o parlamentar destaca a importância da sociedade fazer a sua parte, evitando a proliferação do mosquito. “Bastam dez minutos por semana, e isso já será de grande ajuda”, afirma.

09:05 · 22.03.2017 / atualizado às 09:05 · 22.03.2017 por

Por Renato Sousa

A Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor) aprovou, ontem, a mensagem do prefeito Roberto Cláudio (PDT) que altera as regras para a Zona Especial de Interesse Social (Zeis) III na região onde deve ser instalado o Parque Tecnológico e Criativo de Fortaleza, criado por decreto em junho de 2016. Pela nova redação da Lei Complementar, a área da Zeis III situada nos bairros Praia do Futuro I e II, Cais do Porto, Vicente Pinzón e Papicu deixa de ser objeto, exclusivamente, de Operação Urbana Consorciada (OUC) para passar a ser “preferencialmente”. A previsão é de que o Parque Tecnológico ocupe essas áreas.

Benefícios

Segundo a justificativa da mensagem, o texto anterior vinha “impossibilitando o regular exercício do direito de propriedade e, por outro lado, inviabilizando outros investimentos”. De acordo com a justificativa da matéria, não cabe ao Poder Municipal determinar como deve ser exercido o direito de propriedade. “A regra, assim como está (estava), invade a esfera de liberdade do cidadão”, aponta.

Para o líder do prefeito na CMFor, Ésio Feitosa (PPL), a nova redação não enfraquece a Zeis. Pelo contrário. “A Zeis não deve ser vista não só como uma área para a habitação popular, mas também para geração de empregos”, afirma. Segundo o vereador, a modificação foi motivada pela ausência, no texto anterior, de previsão de instalação do Parque Tecnológico na região da Praia do Futuro.

De acordo com o líder do Executivo, o parque “certamente trará muitos benefícios para a cidade”. Ele afirma que não há prejuízo no campo da habitação popular naquele espaço, afirmando que o prefeito também tem dedicado esforços nessa seara.
Durante os debates, a matéria foi criticado pelo vereador Guilherme Sampaio (PT). Para ele, “o mais grave é que mais da metade da área de Zeis III será substituída pelo Parque Tecnológico”.

09:53 · 18.03.2017 / atualizado às 09:53 · 18.03.2017 por

Por Edison Silva

O prefeito Roberto Cláudio tem um projeto de obras para este ano, parecido com o de 2016, quando disputou o segundo mandato Foto: Fabiane de Paula

O prefeito Roberto Cláudio (PDT) está com um esquema político-administrativo muito bem estruturado que, se mantido ao longo de todo este ano, e oferecendo os resultados planejados, o credenciará, em 2018, como um dos principais eleitores na sucessão estadual, diferente do pleito de 2014, quando, por uma série de fatores, dentre eles o de estar praticamente iniciando o Governo, após o primeiro ano de organização da sua própria arquitetura de gestão, das dificuldades financeiras para tocar as obras em andamento e a falta de uma consistente base de apoio legislativo.

Naquele ano, ainda sob a sombra do difícil resultado eleitoral da disputa municipal, bem acirrada no seu segundo turno, ele teve de assumir a candidatura ao Governo do Estado de um neófito para o eleitorado fortalezense, Camilo Santana, portanto, dependente total do trabalho político de seus aliados no maior colégio eleitoral do Estado, onde, o grupo liderado por Cid Gomes, desde o após Ciro Gomes prefeito desta cidade, eleitoralmente é bem menos expressivo em se comparando com a situação nos demais municípios cearenses. Camilo foi derrotado na Capital.

Equilibradas

As dificuldades da economia nacional, inevitavelmente, poderão tolher, de certa forma, algumas das ações planejadas pelo prefeito, mas, se não forem agravadas, as expectativas dizem que não serão, o essencial do projetado será executado, posto estar o erário municipal suficientemente capacitado para suportar os encargos a ele atribuídos nesse projeto de estabelecimento de metas para todos os setores da administração, como a de sequência das obras e da prestação dos serviços essenciais, notadamente os da Saúde, da Educação e de Mobilidade Urbana.

A partir do segundo ano do seu primeiro mandato, Roberto Cláudio colocou Fortaleza no topo das capitais brasileiras em razão dos ajustes feitos que deixaram devidamente equilibradas a sua arrecadação e as despesas. Foi e é ajudado pelo Estado, com os governadores Cid Gomes (PDT) e Camilo Santana (PT), apesar de toda crise na administração pública brasileira. A Prefeitura está apostando na autorização federal para a contratação de empréstimos externos, já pactuados com organismos internacionais, e a própria União, garantindo obras já previstas para o próximo ano.

O Governo Central pode até continuar dificultando, mas o prefeito, nos longos caminhos já percorridos para vencer a burocracia, e as reservas de peemedebistas em Brasília, tem contado com o apoio do senador Tasso Jereissati (PSDB), não como aliado político, ele sempre tem reafirmado sua posição de oposicionista, mas por ter espírito público suficiente para separar os interesses do Estado e os do seu partido e aliados. A propósito, Tasso também tem dado ajuda significativa ao governador Camilo Santana, nos pleitos do Ceará em Brasília.

Performance

Fortaleza se ressente de um líder capaz de ser um eleitor qualificado nas sucessões estaduais. Juraci Magalhães (PMDB), por uma década, após substituir Ciro na Prefeitura, e até a eleição de Luizianne Lins (PT) para sucedê-lo, mostrou ter o apoio do fortalezense, elegendo um sucessor e voltando ao cargo logo a seguir, mas pouco influenciou na disputa estadual, embora quando candidato a governador em 1994, perdendo para Tasso Jereissati, tenha conseguido uma boa performance na Capital, ao contrário do que aconteceu em 2006, quando disputou uma vaga de deputado federal, somando apenas 26.893 votos, ficando como um suplente do PL ao ter obtido somente 31.226 sufrágios em todo o Estado.

Luizianne Lins, na sua meteórica carreira até chegar à Prefeitura da Capital, tendo passado rapidamente pela Câmara Municipal e Assembleia Legislativa, era apontada como uma liderança emergente. Não conseguiu fazer o seu sucessor, teve uma votação na eleição de deputada federal nada significante para uma liderança local e na última eleição municipal ficou num sofrível terceiro lugar, frustrando todas as suas próprias perspectivas e da companheirada. São poucas as chances de reconquistar as vitórias das primeiras eleições disputadas.

O eleitorado de Fortaleza, como de resto os das muitas capitais brasileiras, difere dos das demais cidades. Ele tem um nível melhor de discernimento e certo grau de independência para a escolha dos seus representantes. Roberto Cláudio sabe disso. Para não cair nos mesmos erros dos seus antecessores, tem sim de fazer diferente tanto no campo político, como, e principalmente, no administrativo, para realmente ser um eleitor qualificado, capaz até de ficar dois anos sem mandato e ser bem lembrado no pleito seguinte.

Ele quer realmente ficar no cargo até o fim do ano 2020 ao dizer que o seu candidato a governador é Camilo Santana, embora o sucesso de seu Governo, neste ano, possa colocá-lo no páreo na sucessão de Camilo.

Encontro

As principais lideranças do PDT cearense vão estar em Brasília, hoje, para a convenção nacional do partido, quando, também, o nome de Ciro Gomes será enfatizado como o candidato do partido à sucessão presidencial. O ex-governador Cid Gomes e o prefeito Roberto Cláudio, no evento, poderão ser eleitos para a direção nacional da agremiação.

Ciro, como dissemos no último fim de semana, tem sido o centro de todas as atividades públicas da agremiação no País. Nos últimos dias ele ocupou vários espaços da propaganda partidária do partido, defendendo suas posições em relação às mudanças que hoje são discutidas no Congresso Nacional.

 

 

11:12 · 17.03.2017 / atualizado às 11:12 · 17.03.2017 por

Por Renato Sousa

Secretário João Pupo anuncia para os vereadores o aumento do número de táxis Foto: Lucas de Menezes

O secretário de Conservação e Serviços Públicos de Fortaleza, João Pupo, disse ontem para os vereadores da Capital que vão ser criadas, aproximadamente, mais 2 mil vagas de táxis, alterando a proporção de hoje de um táxi para cada 500 habitantes para um veículo para cada 350 fortalezenses, que é a média nordestina. A proposta do prefeito Roberto Cláudio deve chegar à Câmara Municipal em maio.

A mudança na Lei Orgânica de Fortaleza já havia sido anunciada pelo prefeito em janeiro deste ano. Segundo o secretário, foi criado um grupo de trabalho envolvendo o poder público, taxistas e os chamados “táxis amigos” – que operam sem licença – para debater o assunto. Ele confirmou que a Pasta estuda também a implantação de táxis elétricos na cidade.

Para o auxiliar do prefeito Roberto Cláudio (PDT), trata-se de um grau de “sofisticação” no setor de transporte. A proporção de novos veículos elétricos deve ficar em torno de 3% e 5% do total a ser contratado pela municipalidade. A licitação para as novas vagas deve ocorrer ainda este ano.

A área do transporte individual público não deve ser a única que deve ter novidades. O secretário afirmou também durante a palestra que até o fim do próximo ano toda a frota de ônibus deve passar a contar com internet wi-fi. De acordo com ele, isso ocorrerá devido a nova tecnologia dos validadores – responsáveis pela leitura dos bilhetes únicos e carteiras de estudante – que serão adquiridos pelas empresas de transporte.

Ônibus

O equipamento já contaria com o sistema para rotear internet. “De forma muito célere, até o fim ano que vem, acredito que 100% da frota contará com wi-fi”, afirmou. Atualmente, cerca de 200 ônibus dos cerca de 1.930 contam com internet. De acordo com Pupo, a experiência da internet nos ônibus é única no Brasil. “São Paulo tentou implementar, teve uma série de problemas técnicos e desistiu”, citou.

O secretário também anunciou que devem ser instalados, ao longo da segunda gestão de Roberto Cláudio (PDT), “trinários” – binários que envolvem três vias – em pelo menos dois pontos da Cidade: Av. Duque de Caxias – envolvendo as ruas Dom Pedro I e Clarindo de Queiroz –, no Centro, e Av. Desembargador Moreira – envolvendo Oswaldo Cruz e Barbosa de Freitas –, na Aldeota. De acordo com Pupo, as duas avenidas deverão dar prioridade ao transporte público. O trinário que se encontra com estudos mais avançados é o da Duque de Caxias.

08:54 · 02.02.2017 / atualizado às 08:54 · 02.02.2017 por

Por Renato Sousa

Na abertura do ano legislativo, Roberto Cláudio entregou ao presidente da Casa, Salmito Filho, a prestação de contas do último ano da gestão Foto: Kid Júnior

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), apontou que a limpeza urbana deve ser uma das prioridades de sua administração neste ano. No tradicional discurso de abertura do ano legislativo da Câmara Municipal de Fortaleza, ontem, o pedetista afirmou que deve contratar uma consultoria para sugerir questões para tratar do tema. “Nós, enquanto líderes desta cidade, enquanto pessoas que devem estar à frente de seu tempo, temos que liderar esse esforço”, disse.

De acordo com Roberto Cláudio, em 2015, Fortaleza era a cidade que coletava a maior quantidade de lixo per capita no País. Ele aponta que a cidade tem desembolsado mais de R$200 milhões para sustentar a coleta do material. “Esse dinheiro não cai do céu. Ele sai do Tesouro”.

Por isso, o prefeito informou que, além da contratação de um estudo, medidas devem já ser tomadas em regiões onde o problema é mais grave. Ele citou, por exemplo, que, na Avenida Leste-Oeste, deve ser implantado projeto piloto em uma extensão de cerca de 1,4km com ciclomonitoramento, ecopontos e lixeiras subterrâneas. Entretanto, o projeto será caro. “Não dá para implantar em toda a cidade”, explicou. Para o pedetista, é preciso uma mudança de consciência para a solução do problema. “Não venceremos esse problema sem uma grande campanha de cidadania”, declarou.

Roberto Cláudio disse também que tem a intenção de aumentar, proporcionalmente, os gastos com Saúde e Educação. Para este ano, ele anunciou que devem ser abertas dez novas creches em tempo integral e cinco novas escolas em tempo integral. Na área da Saúde, voltou a falar sobre a criação de farmácias dentro dos terminais de ônibus. As primeiras devem ser entregues a partir de agosto e, até dezembro deste ano, cada um dos terminais deve ter uma.

Segurança

Acompanhado na visita à Câmara pelo vice-prefeito Moroni Torgan (DEM), o prefeito garantiu que Moroni deve liderar o esforço municipal na área de Segurança “que mobilize os mais diferentes setores da sociedade”. Em entrevista coletiva, porém, ele voltou a afirmar que não está convencido de que armar a Guarda Municipal seja estratégia válida para a gestão. Guardas compareceram à Câmara com faixas demandando o armamento.

O prefeito também afirmou que gostaria de manter o gabinete aberto aos vereadores, aos movimentos sociais e às demais lideranças da sociedade civil. “Eu aprendi uma coisa nesses quatro anos: trabalhar junto com vocês economiza tempo”, declarou. Roberto Cláudio prometeu separar duas tardes por semana para receber vereadores. Na presença de servidores, ele reafirmou, ainda, a capacidade de Fortaleza manter em dia o pagamento dos servidores municipais, destacando que está aberto a discutir demandas do funcionalismo.

09:50 · 31.01.2017 / atualizado às 09:53 · 31.01.2017 por

Por Renato Sousa

O plenário da Câmara Municipal de Fortaleza inicia amanhã (1º) os trabalhos de 2017. A abertura do ano legislativo contará com a presença do prefeito Roberto Cláudio (PDT), que falará sobre as prioridades da gestão municipal para este ano, e prestar contas do que fez em 2016.

Tradicionalmente, a fala do prefeito costuma servir como uma prestação de contas do trabalho do ano anterior, além de apontar quais as prioridades para o ano que inicia. Neste primeiro dia, os pronunciamentos devem ser apenas do prefeito e do presidente da Casa, vereador Salmito Filho (PDT). As sessões plenárias, nas quais todos os vereadores têm espaço de fala e onde ocorrem as deliberações, serão retomadas na quinta-feira (2).

O prefeito já teve uma série de encontros com os parlamentares da nova legislatura ao longo do mês de janeiro. Conforme já havia informado ao Diário do Nordeste, o pedetista destacou, junto aos vereadores, a necessidade de contenção de gastos neste início de mandato. A expectativa é de que ele retome o tema em seu discurso na Câmara.

Até o momento, os vereadores já apresentaram mais de 200 matérias para votação. A maioria é de requerimentos. Quem mais apresentou matérias foi Eliana Gomes (PCdoB), com mais de 50 proposituras.

09:22 · 27.01.2017 / atualizado às 09:22 · 27.01.2017 por

Por Renato Sousa

Pedetista se reúne com as bancadas da Casa até a semana que vem, apresentando metas deste início de gestão Foto: José Leomar
Pedetista se reúne com as bancadas da Casa até a semana que vem, apresentando metas deste início de gestão Foto: José Leomar

O prefeito Roberto Cláudio (PDT) deve concluir na próxima semana a série de reuniões que vem mantendo com os vereadores da nova legislatura da Câmara Municipal de Fortaleza. As últimas bancadas a serem recebidas devem ser a do Solidariedade e a do PDT – esta, a maior da Casa. De acordo com o prefeito, a ordem foi proposital. Ele queria evitar críticas de que estaria “privilegiando a bancada do meu partido”.

Ontem, em visita ao Sistema Verdes Mares, o chefe do Executivo Municipal explicou que os encontros têm servido para colocar os vereadores a par da situação do município e das estratégias do Palácio do Bispo para este início de novo mandato. A abertura do ano legislativo na Câmara Municipal será no próximo dia 1º de fevereiro.

“Disse a eles que nós precisamos de um plano de sustentabilidade econômica”, afirmou Roberto Cláudio, referindo-se às iniciativas que tem adotado neste início de mandato para conter gastos. “Se a gente não zelar bem do recurso público e não mantiver o mesmo rigor fiscal que mantivemos nos últimos quatro anos, certamente faltarão recursos”, declarou.

O prefeito afirmou, ainda, que as conversas com os adversários de sua gestão também têm sido proveitosas. “Tem sido uma conversa muito madura”, diz o pedetista. Ele ressalta que tem tentado focar o debate “em Fortaleza e naquilo que nos une, e não no que nos divide”. A oposição ao prefeito na Câmara tem, segundo os vereadores que compõem o bloco, sete parlamentares do total de 43 na Casa, mas não aglutina a bancada do PT.

De acordo com a vereadora Larissa Gaspar (PPL), cuja bancada foi recebida pelo prefeito ainda nos primeiros dias do ano, a reunião serviu para que o prefeito e o partido “conversassem sobre a cidade”. Ela disse que a bancada apresentou projetos que gostaria que o prefeito desse atenção. Larissa destacou a pauta da habitação e da regularização fundiária, além do combate à violência contra a mulher.

Para a vereadora, o encontro foi demonstração de que o prefeito pretende manter o Legislativo como aliado na construção de sua agenda de governo.

Metas

O prefeito também teria falado de suas metas para a administração, como solucionar o problema das filas de espera para exames e consultas na rede municipal de saúde e a distribuição de medicamentos. Roberto Cláudio também teria tratado de seus planos para a área de segurança, com o videomonitoramento de 50 áreas da cidade e de parcerias entre a Guarda Municipal e a Polícia Militar.

O vereador Guilherme Sampaio (PT) – que, juntamente com seu colega de bancada, Acrísio Sena, encontrou-se com o prefeito na última terça-feira (24) – disse que o pedetista também reafirmou a sua antipatia em relação à ideia de armar a Guarda Municipal, avaliação compartilhada com os petistas. “Ele disse que gostaria de manter esse canal aberto para pautas em que pudesse haver convergência entre nós e a Prefeitura”, afirma, lembrando, porém, que o PT segue na oposição.

09:12 · 19.01.2017 / atualizado às 09:12 · 19.01.2017 por

Por Miguel Martins

O presidente estadual do PT, Francisco de Assis Diniz, afirma que a relação da sigla com o PDT será discutida “com calma” nos fóruns adequados Foto: Nah Jereissati
O presidente estadual do PT, Francisco de Assis Diniz, afirma que a relação da sigla com o PDT será discutida “com calma” nos fóruns adequados Foto: Nah Jereissati

Para buscar caminhos à crise de representatividade pela qual tem passado ao longo dos últimos dois anos, o PT realiza, a partir de março, uma série de encontros para a renovação de seus diretórios, com vistas a uma maior aproximação com movimentos sociais. No entanto, em meio às eleições internas, está a possibilidade de aliança com siglas que fazem parte do mesmo espectro político que a legenda petista, como o PDT.

Em Fortaleza, por exemplo, há um impasse sobre como o partido deve se comportar em relação à gestão do pedetista Roberto Cláudio. Enquanto parte do grupo defende manutenção da postura de oposição à gestão, outros querem que haja uma maior proximidade com o segundo mandato do prefeito.

Na última reunião do diretório nacional, o PT decidiu antecipar as eleições para a renovação das direções. Em âmbito municipal, haverá um Processo de Eleição Direta (PED), e em nível estadual e também federal o partido realizará congressos.

“Vamos ter uma etapa municipal, estadual e nacional. A busca da renovação da direção visa construir um amplo processo de mobilização a constituir-se a partir da renovação, relação que possa estar vinculada ao reflexo dos institucionais com movimentos sociais, militância e o processo que o PT sofreu no último período”, disse o presidente do PT no Ceará, Francisco de Assis Diniz.

O Congresso Municipal acontecerá, simultaneamente, em todas as cidades do Brasil onde o PT tem diretórios, no dia 12 de março. As chapas concorrentes ao comando da sigla na Capital, contudo, devem ser registradas até o dia 30 deste mês.

Se ainda houver interesse do governador Camilo Santana (PT) de manter alguma influência no partido, o secretário da Casa Civil, Nelson Martins, deve ter o seu primeiro teste na articulação política do Governo, mediando conflitos em torno dos grupos que miram o comando do PT em Fortaleza.

O deputado Elmano de Freitas é o atual presidente do diretório municipal, e tem adotado postura opositora à gestão do prefeito Roberto Cláudio (PDT), aliado do governador. No entanto, em nível estadual e federal, PT e PDT são aliados. O desejo do prefeito é contar também com o apoio dos petistas na Capital, o que já é sinalizado pelo vereador Acrísio Sena.

Apoio

Enquanto o outro vereador da sigla, Guilherme Sampaio, insiste com a tese de oposição, Acrísio trabalha com o objetivo de se alinhar cada vez mais com Roberto Cláudio – ele, inclusive, participou da campanha do prefeito no segundo turno das eleições de 2016, assim como Camilo.

Francisco de Assis Diniz diz que o posicionamento do partido sobre a questão só deve ser definido após a escolha do novo diretório municipal, em março. “Vamos discutir, sim, essa relação do PT com o PDT, mas com calma, dentro dos fóruns adequados”, afirmou. “Não podemos colocar essa discussão agora no centro do debate. A ideia primordial no momento é a renovação”.

Os congressos estaduais do PT ocorrerão entre 24 e 26 de março. É quando serão escolhidos os delegados que participarão do Congresso Nacional, este entre os dias 7 e 9 de abril.

09:30 · 17.01.2017 / atualizado às 09:30 · 17.01.2017 por

Por Renato Sousa

Ontem, Roberto Cláudio voltou a mencionar a projeção de que até 40% do quadro de terceirizados da Prefeitura seja incluído nos cortes Foto: Nah Jereissati
Ontem, Roberto Cláudio voltou a mencionar a projeção de que até 40% do quadro de terceirizados da Prefeitura seja incluído nos cortes Foto: Nah Jereissati

Anunciado desde antes da posse de Roberto Cláudio (PDT) para outros quatro anos à frente da Prefeitura de Fortaleza, o pacote de medidas de enxugamento da máquina pública com o objetivo de cortar gastos ainda não foi completamente fechado. Ontem, o prefeito informou que, de acordo com estimativas do Paço Municipal, o corte de terceirizados pode chegar a 40% do total dos profissionais que compõem a gestão municipal. Ele ressaltou, contudo, que, até o momento, não há previsão de nenhuma ação que demande envio de projeto para a Câmara Municipal de Fortaleza. “É tudo por decreto e medida administrativa”, citou.

Ao mencionar o corte de terceirizados, o prefeito ponderou, ainda, que ainda não há um número exato, acrescentando que o corte não será horizontal, com determinadas áreas podendo ter reduções menores que outras, apesar de não detalhar quais.

“A gente não vai fazer um corte irresponsável, que paralise serviços públicos”, afirmou o prefeito. A declaração foi dada ontem (16), durante vistoria à construção de escola de tempo integral no bairro Siqueira.

De acordo com o prefeito, o ajuste é necessário para que se mantenha a saúde fiscal do município. “Todas as transferências de recursos – tanto federais quanto do ICMS (que é um imposto estadual) – estão em queda”, citou. Ele destaca que, ao contrário de outras capitais, Fortaleza tem conseguido honrar seus compromissos, incluindo um aumento de cerca de 8% para os servidores municipais, concedido em dezembro. “Essa é uma realidade única no Brasil”.

Preocupação

Entretanto, caso o ajuste fiscal não seja feito, esse cenário pode mudar. “Se a gente não fizer isso, não tem mágica: a gente vai ficar com a mesma situação da maioria dos outros municípios”.
Desde que foi reeleito, em outubro de 2016, Roberto Cláudio tem anunciado uma série de cortes na máquina, que envolveu desde o fim do aluguel de carros oficiais para os secretários até a fusão de secretarias.

O prefeito afirmou que os gastos da Prefeitura de Fortaleza com telefone, internet e passagens aéreas também serão alvos dos cortes. A expectativa é de economizar até R$300 milhões em custeio da máquina. “São pequenas economias que, somadas, vão fazer com que a gente possa pagar os servidores em dia, ampliar serviços públicos e manter investimentos”, frisou.

Ele também falou sobre o reajuste das passagens de ônibus, em vigor desde sábado (14). De acordo com o pedetista, o aumento foi necessário em virtude dos reajustes dos insumos do transporte coletivo. “Nos últimos 14 meses, foram três aumentos do óleo diesel”, justificou. O prefeito ponderou, ainda, que a nova tarifa, que chegou a R$ 3,20, não tem nenhuma relação com o ajuste fiscal.

O aumento, anunciado pela Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) após reunião com o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros (Sindiônibus), representa reajuste de mais de 16%, o maior desde 2003, tendo superado o aumento de 2015, de R$0,35. Em termos nominais, o reajuste de R$0,45 é o maior desde a implantação do Plano Real.

Oposição

Parlamentares da oposição já anunciaram que pretendem tomar medidas para tentar barrar o aumento da passagem. A ação deverá ser decidida hoje, em reunião dos vereadores adversários da administração.

O pedetista também comentou a decretação de estado de emergência em Fortaleza e na Região Metropolitana, assinada pelo governador Camilo Santana (PT) na última sexta-feira (13), antes de sua viagem ao Irã. De acordo com Roberto Cláudio, a estratégia foi adotada como forma de poder-se agilizar obras para evitar um colapso hídrico.

16:03 · 06.01.2017 / atualizado às 16:04 · 06.01.2017 por

Após anunciar o novato Esio Feitosa (PPL)  como líder do Governo na Câmara Municipal de Fortaleza, o  prefeito Roberto Cláudio (PDT) escolheu outros três vereadores de primeiro mandato para serem vice-líderes da gestão municipal na Casa Legislativa. São eles: Renan Colares (PDT), Michel Lins  (PPS) e Dr. Porto (PRTB).

Os quatro participaram de reunião com o prefeito e com o presidente da Câmara, vereador Salmito Filho (PDT), na última quarta-feira (4). A Câmara Municipal, porém, só retoma seus trabalhos em fevereiro, após o recesso parlamentar.

Durante encontro com 42 dos 43 vereadores eleitos na terça-feira (3) – apenas Marta Gonçalves (PEN) não compareceu -, Roberto Cláudio já havia informado que faria uma série de encontros individuais com os parlamentares no decorrer da semana, os quais incluiriam a Mesa Diretora, a liderança do Governo e todas as bancadas da Casa.