Busca

14:22 · 19.09.2018 / atualizado às 14:26 · 19.09.2018 por

Novidade no comércio varejista que, dando os primeiros passos na Espanha, mais precisamente na comunidade autônoma de Castilla y Leon, vai chegar, em pouco tempo, ao e-commerce mundial, ou seja, à venda pela internet.

A secretária da Fazenda de Castilla y Leon, María del Pilar del Olmo, propôs na terça-feira, 18, que as lojas passem a cobrar dos seus clientes pela prova de roupas e calçados.

Ela admite que muitos consumidores estão usando as lojas físicas para provar os produtos e para, depois, compra-los nas lojas virtuais, isto é, pela internet, que vendem mais barato.

Os conselheiros das comunidades autônomas da Espanha reuniram-se ontem, 18, em Madrid, e decidiram criar o Observatório do Comércio 4.0 para dar respostas ao comércio digital.

A ideia das autoridades é evitar que os pequenos negócios do varejo espanhol sejam prejudicados pelos consumidores, que usam os provadores de suas lojas, gratuitamente, para a prova de roupas e calçados que são, na verdade, comprados depois via internet, onde atuam grandes empresas multinacionais do comércio digital, que vendem em grande quantidade e a preço mais baixo do que as lojas físicas dos pequenos comerciantes.

 

10:37 · 19.09.2018 / atualizado às 10:47 · 19.09.2018 por

Aquiles Franceschette, dono da Ourofértil, que mistura e distribui fertilizantes para o solo, disse ao blog nesta quarta-feira, 19, que sua empresa – com atuação em 20 estados do País – realmente tem algumas divergências com a Sefaz do Ceará, mas adiantou que são questões normais das relações entre o fisco e o contribuintes, as quais seguem sendo tratadas naturalmente no âmbito administrativo.

“Vamos continuar com nossa fábrica no Pecém”, disse Franceschette, que deixou tranquilos os vários empresários cearenses da agricultura que usam os fertilizantes da Ourofértil. Um deles foi a fonte da informação de que a fábrica da empresa no Complexo Industrial e Portuário do Pecém seria transferida para o RN ou PE, o que não é verdade.

 

07:11 · 19.09.2018 / atualizado às 07:39 · 19.09.2018 por

O secretário de Desenvolvimento Econômico do Ceará, César Ribeiro, que se encontra em viagem de volta da China, onde passou os últimos 8 dias e com quem este blog trocou mensagens na noite de terça-feira, 18, informou que o Governo do Ceará entregou à direção da multinacional dinamarquesa Vestas – maior fabricante mundial de equipamentos de geração de energia eólica – uma proposta para que a empresa, que tem fábrica de aerogeradores e pás em Aquiraz (foto), na Região Metropolitana de Fortaleza – permaneça no Ceará.

Os governos de Pernambuco e Bahia tentam, há alguns meses, atrair essa unidade industrial da Vestas.

> Ourofértil decide fechar sua fábrica no Pecém

Segundo o secretário César Ribeiro, a proposta do governo cearense à Vestas atende ao interesse dos escandinavos, razão pela qual ele está “muito otimista” quanto ao um final feliz dos entendimentos. A alta direção da empresa, em Copenhague, decidirá a questão.

A ideia do Governo do Ceará e da Vestas é assegurar não só a manutenção da fábrica dinamarquesa em Aquiraz, mas a sua ampliação para que ela possa fabricar seu novo aerogerador, com potência de 4,2 MW. Esse gerador é que será usado na maioria dos parques eólicos que – oriundos do último leilão de energia – serão instalados no País, principalmente na região Nordeste, pelos próximos quatro anos.

Na ampliação da fábrica de Aquiraz – que, na verdade, representará a instalação de uma nova indústria – serão investidos R$ 100 milhões.

“Fizemos tudo o que estava ao nosso alcance”, disse César Ribeiro em sua mensagem ao blog.

Uma fonte do setor de energia elétrica, que acompanha os entendimentos, disse nesta quarta-feira, 19, que um comunicado oficial deverá ser emitido pela Vestas a respeito da decisão a ser tomada pela sua alta direção.

07:05 · 19.09.2018 / atualizado às 12:12 · 19.09.2018 por

Resultado de imagem para São como crianças que se sentam nas praçasNaquele tempo, disse Jesus: “Com quem hei de comparar os homens desta geração? Com quem eles se parecem? São como crianças que se sentam nas praças, e se dirigem aos colegas, dizendo: ‘Tocamos flauta para vós e não dançastes; fizemos lamentações e não chorastes!’ Pois veio João Batista, que não comia pão nem bebia vinho, e vós dissestes: ‘Ele está com um demônio!’ Veio o Filho do Homem, que come e bebe, e vós dizeis: ‘Ele é um comilão e beberrão, amigo dos publicanos e dos pecadores!’ Mas a sabedoria foi justificada por todos os seus filhos”.

Reflexão – “O sábio não perde tempo com lamentações”

 

Neste Evangelho Jesus nos alerta para que não sejamos como “crianças mimadas” que não sabem o que querem e não se conformam com o que possuem.  A comparação com “crianças que se sentam nas praças” é uma referência às nossas infantilidades quando duvidamos das ações de Deus na nossa vida, quando cobramos Dele coisas que na maioria das vezes dependem primeiramente de nós.  Não queremos perceber os Seus sinais, somos insatisfeitos (as) e, desejamos que todas as coisas, aconteçam de acordo com a nossa vontade sem mesmo saber qual é, na verdade, o motivo pelo qual nós as pedimos e as esperamos. Não temos convicção de quem somos nem do que queremos e qual é o ideal da nossa vida. Reclamamos de tudo e não aproveitamos o momento atual para apreender, mesmo que seja com o sofrimento ou com a bonança, na alegria ou na tristeza.  Somos nós essas crianças que não sabem o que querem nem tampouco do que precisam e se justificam pondo a culpa nos outros. Nunca assumimos as nossas carências, deficiências, leviandades, mudanças de humor e de opinião e há sempre alguém que é o nosso algoz, o réu, o acusado.   Cada fato e acontecimento da nossa existência, quando enxergado com os olhos de Deus contém o seu aprendizado. Às vezes perdemos as graças que o Senhor nos dispensa porque não sabemos “entender os sinais dos tempos”.  O negativo na maioria das vezes prevalece aos nossos olhos, não sabemos enxergar as luzes acesas e olhamos somente para as luzes que estão apagadas. Ainda não nos dispusemos a abrir o coração e perceber o reino de Deus que está dentro de nós. Sábio, portanto, é aquele (a) que acolhe a palavra de Deus sem protesto e sem discussão. O sábio não perde tempo com lamentações, nem lamúrias. Somos “filhos da sabedoria” quando nos deixamos envolver pelo mistério da piedade, o mistério da Fé em Jesus Cristo, sem questionar ou murmurar. Jesus quer que sejamos “filhos da sabedoria”, que possamos sentir o cheiro de Deus em todos os acontecimentos da nossa vida. Mas ainda há tempo para que formemos uma geração diferente da geração do tempo de Jesus aqui na terra! – Essa história tem alguma coisa a ver com você? – Você é eternamente uma pessoa insatisfeita ou   já enxerga o dedo de Deus na sua vida? – Você faz parte também dessa geração de crianças que não sabem o que querem? – Quem será o (a) culpado (a) por você nunca melhorar nem crescer?  – Você se ajusta com facilidade aos fatos da sua vida ou tem dificuldade de mudança?

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

10:22 · 18.09.2018 / atualizado às 10:25 · 18.09.2018 por

O campeão mundial de kitesurf, Joseph Carneiro, construiu uma pousada na Ilha de Guajiru, no mais belo pedaço do município de Itarema, no litoral Norte do Ceará.

A pousada do campeão está permanentemente lotada de kitesurfistas brasileiros e estrangeiros, que descobriram as virtudes do lugar, considerado o melhor do mundo para a prática desse esporte.

A diária é de R$ 400.

Agora, o detalhe: toda a mobília da pousada de Joseph Carneiro – das cadeiras às mesas e às camas – foi importada de Bali, na Indonésia, na Ásia.

A poucas dezenas de quilômetros da Ilha de Guajiru, fica a cidade de Marco, onde está localizado o mais importante polo moveleiro do Ceará e um dos mais famosos do Brasil. Os móveis fabricados em Marco estão hoje nas melhores residências e hotéis do Brasil e são exportados até para os Estados Unidos.

A pergunta é: por que trazer da longínqua Indonésia móveis que aqui são feitos com a mais alta qualidade?

Só a juventude do dono da pousada e dos seus hóspedes explicam.

09:57 · 18.09.2018 / atualizado às 10:01 · 18.09.2018 por

Naquele tempo, Jesus dirigiu-se a uma cidade chamada Naim. Com ele iam seus discípulos e uma grande multidão. Quando chegou à porta da cidade, eis que levavam um defunto, filho único; e sua mãe era viúva. Grande multidão da cidade a acompanhava. Ao vê-la, o Senhor sentiu compaixão para com ela e lhe disse: “Não chores!” Aproximou-se, tocou o caixão, e os que o carregavam pararam. Então, Jesus disse: “Jovem, eu te ordeno, levanta-te!” O que estava morto sentou-se e começou a falar. E Jesus o entregou à sua mãe. Todos ficaram com muito medo e glorificavam a Deus, dizendo: “Um grande profeta apareceu entre nós e Deus veio visitar o seu povo”. E a notícia do fato espalhou-se pela Judeia inteira e por toda a redondeza.

Reflexão – “o pecado é o caixão que nos prende”

A cena descrita no Evangelho de hoje retrata fielmente o que acontece no mundo atualmente. Jesus continua hoje, olhando para as mães que choram pelos seus filhos “mortos” pelo mundo e assim como sentiu compaixão da viúva da cidade de Naim, persiste fazendo milagres no meio do seu povo. Quantas mães também que choram e acompanham o filho “morto” pela falta de esperança, pela droga, pela desarmonia, pelas frustrações, pela violência!  O “caixão” significa para nós tudo o que prende, escraviza e oprime. De uma maneira geral o pecado é o caixão que nos prende e nos faz parecer mortos e sem esperança.  No cenário descrito por Lucas, Jesus tocou no caixão e ordenou ao jovem que se levantasse e este sentou-se e falou. Ao tocar no caixão do morto Jesus tocou naquilo que o aprisionava e o impedia de ser livre para caminhar. Assim também Ele faz com cada um de nós que ainda estamos presos nos nossos pecados, isto é, a tudo o que nos impede de caminhar livremente em busca do projeto de felicidade que Deus já traçou para nós.  Por isso, mesmo diante da morte precisamos manter viva a chama da nossa fé em Jesus Cristo que está sempre perto e, continuamente, terá compaixão de nós. Peçamos ao Senhor que Ele opere milagres ao nosso redor; que Ele enxugue as lágrimas de todas as mães que choram pelos seus filhos e, ao mesmo tempo, que Ele levante todos os jovens e as jovens que se sentem desanimados (as) pelo peso que o mundo põe às suas costas. Assim, nós também poderemos testemunhar os milagres que acontecem ao nosso redor e anunciar como aquele povo: “Deus veio visitar seu povo”!  A fé em Jesus nos faz refletir o que estamos vivendo hoje: – Você tem chorado por alguém a quem considera sem jeito, como morto? – Você acredita que Jesus tem poder para tocar esta pessoa e libertá-la? Você tem orado por ela?  – Você tem sido testemunha de milagres? – Você tem anunciado aos quatro ventos o que tem visto Jesus fazer, hoje?   

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

06:35 · 18.09.2018 / atualizado às 06:37 · 18.09.2018 por

O artigo a seguir é de autoria do médico Luiz Carlos Borges da Silveira (foto). Ele foi ministro da Saúde e deputado federal.  Como ministro foi o criador do “Zé Gotinha”.

É um país soberano e democrático com cerca de 207,7 milhões de habitantes, no geral de índole pacífica e solidária. É o quinto em área territorial, isto é, um país continental com mais de 8,5 milhões de km², e litoral com 7,3 km de extensão, acrescido do mar territorial que passa de 22 km. O Brasil é classificado como a oitava economia do mundo e o agronegócio representa mais de 50% da balança de exportação, a caminho do 10º lugar no ranking internacional de fornecimento de alimentos para o mundo. Somos um dos maiores produtores de grãos e nossa indústria é moderna, desenvolvida e exportadora.

Por isso, o Brasil é a principal nação latino-americana e não sem razão um estadista norte-americano disse que para onde pender o Brasil penderá a América Latina. Ainda que possa ter sido uma afirmação com viés político, não deixa de expressar verdade inconteste. Esses são dados públicos, todos sabem. Mas este país tem características especiais que somente os brasileiros conhecem. A natureza foi dadivosa, dotando de clima diferenciado em todos os quadrantes e solo rico e produtivo que permite plantar de tudo e de tudo colher em todas as regiões, daí a pujança agrícola e pecuária.

A natureza abençoou o Brasil de forma especial. Temos chuva, sol, todas as estações do ano, praias, serras e montes e as mais notáveis regiões turísticas que encantam o mundo. E aqui não temos furacões, tornados e muito menos tsunamis. Tem povo amigo e solidário sempre receptivo a quem queira adotar o Brasil somo segunda pátria, imigrantes de variadas partes do mundo que para aqui vieram – e continuam vindo – a contribuir para o enriquecimento desta nação com trabalho, conhecimento e cultura em geral.

Porém, com tudo isso e muito mais o Brasil vem sendo há décadas dito ‘país do futuro’. Por que esse futuro é sempre adiado e nunca chega? Acredito que é porque entre os 207,7 milhões de brasileiros há uma pequena, porém influente, parcela que não enxerga muito bem e age muito mal. Raciocinando sobre o Brasil contemporâneo, isto é, de algumas décadas para cá, constata-se que tivemos um presidente cassado por corrupção, uma presidente afastada por desvio de conduta administrativa, um vice-presidente que assumiu e está sob investigação por corrupção, mal que quanto mais é combatido mais avança, e um ex-presidente preso por corrupção e lavagem de dinheiro .

Isso tudo em meio a crises constantes a ameaçar a governabilidade, governos que não conseguem implantar reformas necessárias, desleixo com a memória do país evidenciado com o recente incêndio no Museu Nacional, instituição bicentenária depositária de parte significativa de nossa história. Tudo acrescido agora por um período eleitoral nada tranquilo e repleto de ações na justiça porque os ataques pessoais cedem lugar ao debate de ideias e propostas.

Públicos, como os dados econômicos, são também as informações sobre desvios éticos dos políticos que têm a responsabilidade de dirigir o país em seus devidos poderes, legislativo e executivo, principalmente, problema que se estende a estados e municípios. O Brasil vive sob intensa contradição: um ex-presidente da República condenado e preso por corrupção que segue com liderança na preferência eleitoral, embora legalmente impedido de participar de pesquisas e de concorrer ao pleito presidencial. Sistemática e obstinadamente tem ocupado a justiça com repetitivos recursos jurídicos sem consistência. Por fim, a campanha eleitoral é maculada por atentado contra um candidato nos braços do povo, expondo o baixo nível da disputa.

Todos esses acontecimentos, essas situações, pela gravidade que encerram geram intensa e negativa repercussão na imprensa e na opinião pública internacionais, o que acaba contribuindo para afastar os necessários investimentos estrangeiros que oxigenam a economia, alavancam a produção e por consequência a geração de empregos tão importante para o combate ao desemprego e diferenças sociais. Lamentavelmente, o que se tem visto e a realidade indica é que assim poderá continuar, com governo sem força e prestígio popular, refém de um Congresso negocista que atua em benefícios próprios e ainda o risco presente de a locupletação prosseguir na mesma escala.

Mais grave, uma campanha presidencial que não permite ao cidadão vislumbrar opção capaz de mudar a situação e colocar o Brasil no caminho para se firmar como país do presente, não obstante com todas as condições para isso. É intrigante constatar que propostas para mudar o que está errado e buscar colocar o país no seu devido lugar não fazem parte da agenda propositiva dos candidatos que se apresentam com disposição de governar o Brasil por pelo menos quatro anos. Aparentemente, a campanha atual é um retrato piorado das anteriores. Os reflexos estão nas pesquisas, mostrando respostas que revelam eleitores descrente, dispostos à abstenção e ao voto branco ou nulo. A reação é compreensível, mas a omissão em praticamente nada ajudará.

O importante é que se não mais acreditamos nos políticos, creiamos no povo brasileiro, na potencialidade do Brasil, na riqueza deste país. Apostemos nas próximas gerações, pois esta que hoje predomina haverá de passar. Mudanças conseguiremos com brasileiros sérios, com gerações comprometidas com o Brasil e sobretudo com ideias novas. Em um país democrático isso passa pelo voto…

O Brasil é controverso em si mesmo, o que levou um analista paranaense a escrever livro cujo título é conclusivo: “O Brasil não é para amadores”. Sem dúvida, como pode uma nação com enorme potencial, com tanta riqueza no solo, no subsolo e na faixa marinha viver política e administrativamente quase no primitivismo? Qualquer pessoa com mínimo senso encontrará a resposta. Afinal, este é o Brasil, pais de dois pólos em que, infelizmente, o negativo tem sido mais forte.

12:05 · 17.09.2018 / atualizado às 12:05 · 17.09.2018 por

Resultado de imagem para Havia lá um oficial romanoNaquele tempo: Quando acabou de falar ao povo que o escutava,  Jesus entrou em Cafarnaum. Havia lá um oficial romano que tinha um empregado a quem estimava muito, e que estava doente, à beira da morte. O oficial ouviu falar de Jesus e enviou alguns anciãos dos judeus, para pedirem que Jesus viesse salvar seu empregado. Chegando onde Jesus estava, pediram-lhe com insistência: ‘O oficial merece que lhe faças este favor, porque ele estima o nosso povo. Ele até nos construiu uma sinagoga.’ Então Jesus pôs-se a caminho com eles. Porém, quando já estava perto da casa, o oficial mandou alguns amigos dizerem a Jesus: ‘Senhor, não te incomodes, pois não sou digno de que entres em minha casa. Nem mesmo me achei digno de ir pessoalmente ao teu encontro. Mas ordena com a tua palavra, e o meu empregado ficará curado. Eu também estou debaixo de autoridade, mas tenho soldados que obedecem às minhas ordens. Se ordeno a um : ‘Vai!’, ele vai; e a outro: ‘Vem!’, ele vem; e ao meu empregado ‘Faze isto!’, e ele o faz’.’ Ouvindo isso, Jesus ficou admirado.
Virou-se para a multidão que o seguia, e disse: ‘Eu vos declaro que nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé.’ Os mensageiros voltaram para a casa do oficial e encontraram o empregado em perfeita saúde.

 

Reflexão – apenas uma palavra de Jesus e a nossa alma será salva”

 

Aquele oficial romano não fazia parte do povo de Israel, mas acreditou no poder de Jesus e conseguiu a cura do seu empregado, porque tinha fé. Apesar de ser uma autoridade romana, o oficial, não quis um tratamento especial nem se arvorou da sua posição para impor a Jesus a sua presença física, mas, pediu apenas, uma “palavra para que o seu empregado fosse salvo”.   Esta manifestação do oficial teve um significado de humildade e de fé na Palavra de Jesus. Humildade, porque reconheceu a sua indignidade e a sua limitação; e fé, pois, sabia que a Palavra de Jesus continha poder de salvação e de vida.  O exemplo do oficial romano é para nós uma mensagem de fé na Palavra de Deus. Só uma Palavra de Jesus nos basta para que sejamos salvos, mas a nossa fé, às vezes, parece que não funciona se não enxergarmos as evidências, as confirmações, as provas. Não nos contentamos somente com o que Jesus nos fala quando nos promete vida, salvação e santidade. Queremos oração especial, sinais que nos revelam alguma coisa e não entendemos que “apenas uma palavra de Jesus e a nossa alma será salva”. Reconhecer a nossa limitação é uma prática de humildade e dispensar os privilégios e as regalias é uma prova de fé.  –  Se fosse o oficial romano você teria insistido para que Jesus fosse até a sua casa? – O que você achou da atitude dele? – Qual é a opinião que você tem de si mesmo (a)? – Quando você comunga tem noção de que Jesus está visitando a sua casa? – Você tem ideia da sua indignidade diante Deus?

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

10:51 · 14.09.2018 / atualizado às 10:56 · 14.09.2018 por

As maiores inovações relacionadas ao uso do concreto no país serão apresentadas entre os dias 17 e 21 de setembro, em Foz do Iguaçu (Paraná), onde se realizará o 60º Congresso Brasileiro do Concreto.

Dentre os representantes da indústria cearense no congresso, estará a Companhia de Cimento Apodi, cujo gerente de produtos e assessoria técnica, Mario Guilge, fará palestra para apresentar a tecnologia – desenvolvida pelos técnicos da empresa – de aproveitamento da escória siderúrgica para o aumento do módulo de elasticidade do concreto em torres eólicas.

Os resultados preliminares do estudo apontam aumento das resistências à compressão e do módulo de elasticidade dos concretos produzidos.

Em 2017, o Brasil registrou capacidade acumulada de geração eólica de 12,763 MW segundo ranking do Global Wind Energy Council (GWEC). O Nordeste lidera o segmento, sendo o Ceará o terceiro maior produtor do País. O Ceará uma capacidade instalada de geração eólica de 2,1 GW.

O Congresso Brasileiro do Conreto, promovido pelo Instituto Brasileiro do Concreto (IBRACON), é o maior fórum técnico nacional de debates sobre a tecnologia do concreto e seus sistemas construtivos. O objetivo do evento é divulgar, anualmente, as novidades relacionadas às pesquisas científicas, tecnologias e inovações.

10:07 · 14.09.2018 / atualizado às 10:07 · 14.09.2018 por

Resultado de imagem para é necessário que o Filho do Homem seja levantado, para que todos os que nele crerem tenham a vida eternaNaquele tempo, disse Jesus a Nicodemos: “Ninguém subiu ao céu, a não ser aquele que desceu do céu, o Filho do Homem. Do mesmo modo como Moisés levantou a serpente no deserto,  assim é necessário que o Filho do Homem seja levantado, para que todos os que nele crerem tenham a vida eterna. Pois Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna. De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele”.

 

 

 

 

Reflexão – “Jesus tem que estar acima de tudo na nossa vida”.

 

A serpente de bronze que Moisés levantou no deserto para que todo aquele que a olhasse  fosse salvo, prefigurou Jesus,  elevado na CRUZ,  o qual entregou a Sua vida por nós. Todo aquele que olha para Jesus e Dele espera, recebe a salvação. Jesus veio para salvar o mundo e não para condená-lo e ninguém pode ficar de fora.  Esta é a vontade do Pai: que todos sejam salvos. Aquele que precisa ser salvo corre risco de vida se não estiver constantemente alerta para as ciladas do inimigo. Por isso, Jesus nos diz: “é necessário que o Filho do homem seja levantado para que os que nele crerem tenham a vida eterna.”  Uma única vez Jesus foi levantado na CRUZ para a salvação do mundo, porém, é necessário que a cada dia no mundo inteiro continuemos erguendo o Seu Nome, anunciando o Seu Evangelho. Jesus tem que estar acima de tudo na nossa vida. Ele deve ter o primeiro lugar nos nossos pensamentos, nos nossos anseios, nas nossas ações. Elevamos o Nome de Cristo bem alto quando também servimos à Sua igreja por amor e participamos da Eucaristia, pois, a cada Celebração Eucarística se renova o memorial da Sua Paixão. Jesus é aquele que Deus deu ao mundo por amor e para que todos sejam salvos do pecado e da morte eterna, e os que creem Nele têm a vida eterna. Para que todos creiam em Jesus e tenham a vida eterna, precisamos fazer a nossa parte e, sem descanso, anunciar ao mundo que Ele é a fonte de vida eterna.   Não podemos nos contentar no relativismo dos tempos modernos dizendo que tudo é válido, e que todos os caminhos nos levam a Deus: há um só Caminho, Jesus Cristo e nós não podemos perder tempo em propagar a todos esta verdade. –  Você acha que o mundo está perdido, que não há mais chance? – Qual será a sua parte na salvação que Deus quer trazer para todos os homens? – Você acha que uma andorinha só não faz verão? – Você acha justo que Deus queira salvar todo homem: os bons e os maus? – Você quer que toda a sua família seja salva? Quem teria que ficar de fora?

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO