Busca

Autor: Egídio Serpa


08:31 · 16.07.2018 / atualizado às 08:34 · 16.07.2018 por

No próximo mês de agosto, a representação cearense do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai-Ceará), organismo vinculado ao Sistema Fiec, inaugurará seu Centro de Certificação de Profissionais Montadores de Sistemas Fotovoltaicos, usados na geração de energia solar.

O engenheiro Paulo André Holanda, superintendente do Senai no Ceará, informa que esse centro – considerado tecnicamente habilitado para a tarefa depois de uma série de avaliações feitas pela equipe de técnicos da Confederação Nacional da Indústria (CNI) – operará na sua unidade da Barra do Ceará, em Fortaleza.

O Centro de Certificação de Profissionais Montadores de Sistemas Fotovoltaicos chega ao Ceará no exato momento em que se amplia o número de mini, micro, pequenos e grandes projetos de geração de energia solar, cujos equipamentos, aliás, baixara de preços no últimos dois anos exatamente porque aumentou a demanda e, principalmente, porque se ampliaram as tecnologias usadas na fabricação, na instalação e na operação das placas fotovoltaicas.

05:57 · 16.07.2018 / atualizado às 05:58 · 16.07.2018 por

Autoridades sul-africanas concluíram os requisitos e aprovaram o modelo de Certificado Fitossanitário para a importação de mangas do Brasil. De acordo com a Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio (SRI), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), é mais uma opção de mercado para os produtores brasileiros no exterior.

As negociações técnicas, por meio do Departamento de Sanidade Vegetal (DSV), da Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA/Mapa), para a abertura do mercado sul-africano transcorriam desde 2015. A SRI trabalha para alcançar a meta de elevar a participação brasileira no agronegócio mundial a 10% até 2022. Atualmente, o mercado mundial do agro situa-se em cerca de US$ 1,2 trilhão.

Em 2017, o Brasil exportou US$ 630 milhões de produtos do agronegócio para a África do Sul, o que colocou o país africano como o 27º maior importador de produtos do agro brasileiro. Os principais itens exportados pelo Brasil para ao país foram carne de frango (US$ 257 milhões) e açúcar (US$ 155 milhões).

As exportações brasileiras de manga chegaram a US$ 205 milhões, em 2017, sendo que 77% do produto foram destinados a países da União Europeia.

03:57 · 16.07.2018 / atualizado às 10:11 · 16.07.2018 por

Naquele tempo, enquanto Jesus estava falando às multidões, sua mãe e seus irmãos ficaram do lado de fora, procurando falar com ele. Alguém disse a Jesus: “Olha! Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar contigo”. Jesus perguntou àquele que tinha falado: “Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?” E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: “Eis minha mãe e meus irmãos. Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.

Reflexão – “somos chamados (as) a fazer parte da família de Jesus”

Neste Evangelho Jesus nos conscientiza de que, a exemplo de Sua Mãe, todos nós somos chamados (as) a fazer parte da Sua família desde que, como ela, façamos a vontade do Pai. Sabemos que Nossa Senhora, desde a encarnação de Jesus até a Sua morte e ressurreição fez a vontade de Deus e soube confiar no Seu plano.  É chamada de corredentora, pois contribuiu para que todo o projeto salvífico se realizasse.  Fazer a vontade de Deus é, portanto, a condição que Jesus nos apresenta para que sejamos considerados membros da Sua família.“eis minha mãe e meus irmãos. Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”. Jesus continua apontando para nós, como fez quando distinguiu os Seus discípulos. A vontade do Pai é que todos nós, pela Fé em Jesus Cristo, alcancemos a salvação e a vida eterna sem fim.  Seremos participantes da graça de filhos, de irmãos e irmãs, se, vivendo o nosso Batismo   estivermos abertos a fazer tudo conforme Deus nos manda realizar.  Portanto, hoje Jesus nos distingue como pessoas especiais, discípulos e discípulas dignos de ser chamados filhos de Deus Pai, tendo Maria como Mãe, irmãos Seus e motivados pelo poder do Espírito Santo, a fazer a vontade do Pai. – Você também se considera da família de Jesus Cristo? – O que você entende por fazer a vontade de Deus? – Você é discípulo (a) de Jesus? – O que falta para que você faça a vontade do Pai aqui na terra do jeito que ela acontece no céu? – Jesus aponta para você também quando pronuncia essas palavras?

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

15:31 · 13.07.2018 / atualizado às 15:34 · 13.07.2018 por

De acordo com dados do Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho, entre 2012 e 2017, a Previdência Social gastou cerca de R$ 26,2 bilhões com benefícios acidentários (auxílio-doença, aposentadoria por invalidez, pensão por morte e auxílio-acidente), sem considerar o estoque de anos anteriores no mesmo intervalo. Significa dizer que a cada 7 minutos R$1 é desembolsado para esse fim. Além disso, foram 40.186.713 dias perdidos no mesmo período.

Segundo a advogada Andressa Ferreira, especialista em Direito Trabalhista da Alcoforado Advogados Associados, para minimizar esses números, a empresa tem o dever de fornecer equipamentos e condições capazes de criar um ambiente seguro ao trabalhador. “O funcionário ao sofrer acidente de trabalho tem direito a assistência médica para primeiros socorros, avaliação e, se for o caso, auxilio acidente e estabilidade após o período de afastamento em razão do ocorrido. Ele também pode ajuizar uma ação requerendo a reparação de dano estético, moral ou material em razão da gravidade das lesões sofridas pelo acidente”, explica.

Para não haver dúvidas, a especialista afirma que para existir a configuração do acidente de trabalho é necessária a existência de nexo de causalidade e prejudicialidade, ou seja, deve haver ligação entre o acidente (fato ocorrido) e o ambiente de trabalho de fato. “A partir desse momento, o empregado deve comparecer ao INSS e passar por perícia médica, comprovando a necessidade do benefício”, esclarece Andressa Ferreira.

O trajeto realizado pelo empregador até a empresa, ou vice-versa, também é reconhecido como tempo à disposição do patrão o que atribui a responsabilidade em caso de acidente. Os prejuízos em razão do acidente podem incorrer em lesão, perda da capacidade laborativa ou até mesmo o falecimento.

No caso de ter ocorrido o acidente e a empresa se negar a reconhecer, o empregado pode provar de diferentes formas a ausência de algum equipamento indispensável, condições como intervalos de descanso não concedidos, além de uma possível omissão da empresa. “A documentação probatória pode estar em e-mails, filmagens ou qualquer outro meio capaz de demonstrar o risco existente”, orienta Andressa Ferreira.

Muitas pessoas têm dúvidas sobre as diferenças do auxílio-doença e do auxílio-acidente. A especialista afirma que auxilio-doença é concedido aos trabalhadores que perderam a sua capacidade laboral seja total, parcial ou temporária para exercer suas funções e precisam ficar mais de 15 dias afastados da empresa (podendo ser 15 dias intercalados dentro do prazo de 60 dias). “No 16º dia, o funcionário passa a gozar do auxílio doença, o tempo de recebimento é definido pela perícia médica do INSS. O empregador então deve procurar o INSS para receber a orientação e marcar a perícia”, explica.

Já o auxílio acidente abrange aos colaboradores que após o acidente ficaram com alguma sequela, dificulte ou que de alguma maneira o impeça de exercer suas atividades habituais, sendo uma indenização e nesse período a empresa é obrigada a fazer o depósito do FGTS.

A advogada conclui dizendo que, profissões que envolvem o manuseio de substâncias toxicas, segurança, transporte, energia elétrica, minérios entre outras, possuem maior números de acidentes contabilizados. “Entretanto, devido à amplitude do seu conceito, o acidente de trabalho não pode restringir-se apenas aos elencados na legislação, devendo cada caso ser analisado individualmente, a fim de reconhecer tais elementos ora mencionados”.

Orientações sobre a concessão do benefício pelo INSS:

  • O trabalhador pode remarcar a perícia uma única vez, até três dias antes da data agendada, pela Central 135 ou comparecendo diretamente à Agência da Previdência Social.
  • Se o trabalhador estiver internado ou com alguma restrição para o comparecimento, o prazo passa de três para sete dias antes ou até a data marcada e o comparecimento do seu representante legal ao INSS.
  • O trabalhador ficará impossibilitado de requerer o benefício durante 30 dias caso não compareça no dia previsto, não remarque e cancele a perícia.
  • A prorrogação do benefício pode ocorrer caso o tempo concedido seja insuficiente para a recuperação do trabalhador, nos últimos 15 dias do auxílio doença o trabalhador pode solicitar pela Central 135, internet ou comparecendo em uma agência do INSS.
  • Em casos de indeferimento do benefício, prorrogação ou cassação o trabalhador pode ajuizar recurso em até 30 dias a partir da decisão do INSS.
10:21 · 13.07.2018 / atualizado às 10:23 · 13.07.2018 por

 

 Resultado de imagem para Eis que eu vos envio como ovelhas no meio de lobos.Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: Eis que eu vos envio como ovelhas no meio de lobos. Sede, portanto, prudentes como as serpentes e simples como as pombas. Cuidado com os homens, porque eles vos entregarão aos tribunais e vos açoitarão nas suas sinagogas. Vós sereis levados diante de governadores e reis, por minha causa, para dar testemunho diante deles e das nações. Quando vos entregarem, não fiqueis preocupados como falar ou o que dizer. Então naquele momento vos será indicado o que deveis dizer. Com efeito, não sereis vós que havereis de falar, mas sim o Espírito do vosso Pai é que falará através de vós.
O irmão entregará à morte o próprio irmão; o pai entregará o filho; os filhos se levantarão contra seus pais, e os matarão. Vós sereis odiados por todos, por causa do meu nome. Mas quem perseverar até o fim, esse será salvo. Quando vos perseguirem numa cidade, fugi para outra. Em verdade vos digo, vós não acabareis de percorrer as cidades de Israel, antes que venha o Filho do Homem.

 

Reflexão – O Espírito Santo é quem nos ajuda a enfrentar os lobos no meio do caminho”

 

Somos exortados a viver o nosso dia a dia como ovelhas que escutam o Pastor e põem em prática os seus ensinamentos por onde andarem. Assim como enviou os Seus discípulos, Jesus nos envia em missão e nos dá instruções: “não fiqueis preocupados como falar ou o que dizer” e “naquele momento vos será indicado o que deveis dizer”! O Espírito Santo é quem faz a Sua obra em nós: prudência, simplicidade, firmeza, convicção e principalmente perseverança! Ser “prudentes como as serpentes e simples como as pombas“, significa que não devemos ser alienados (as), passivos (as), confiantes demais nem tampouco arrogantes, cheios de soberba e de sabedoria humana. Na caminhada da nossa vida humana e espiritual iremos encontrar aquelas pessoas que, tentarão de alguma forma, nos fazer desistir de lutar e irão querer nos intimidar. Nós temos a tendência de desanimar diante das situações adversas principalmente, quando se trata das “coisas de Deus”. Tudo nos desestimula e ficamos, às vezes, parados (as) sem saber o que fazer ou o que dizer. Porém, o Senhor nos adverte e nos prepara: “mas quem perseverar até o fim esse será salvo” e, também:  “mas o Espírito do vosso Pai é que falará através de vós”. O Senhor já nos deu a maior arma para que possamos enfrentar “os lobos” no meio do caminho que perseguimos. Buscamos a santidade e o Espírito Santo é quem nos educa e nos ensina, nos prepara e nos conduz para que possamos perseverar até o fim. Vinde, pois, Espírito Santo de Deus! Jesus nos oferece salvação e nos chama à conversão, mas para isso, temos que enfrentar os lobos, isto é, os desafios da nossa vida, todos os dias, sem descansar. A salvação de Jesus é para hoje!    – Como você tem enfrentado os “lobos” na caminhada da sua vida? – Você  é uma pessoa perseverante?  – Você se acovarda diante das dificuldades e pensa em desistir de lutar? – Você tem sido prudente e simples nas suas ações, como Jesus manda? – Você confia no poder do Espírito para superar a sua fragilidade diante dos tribunais humanos? – Você tem convicção do que fala? 

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

17:52 · 12.07.2018 / atualizado às 17:59 · 12.07.2018 por

Reunido nesta quinta-feira, 12, o Conselho Estadual do Meio Ambiente (Coema) aprovou, por unanimidade, resolução que dispõe sobre a simplificação e atualização dos procedimentos, critérios e parâmetros aplicados aos processos de licenciamento e autorização ambiental no âmbito da Superintendênia Estadual do Meio Ambiente (Semace) para os empreendimentos de geração de energia elétrica por fonte eólica na geografia do Estado do Ceará.

A sessão do Coema foi presidida pelo secretário do Meio Ambiente, Artur Bruno, e contou com a presença de empresários cearenses do setor de energias renováveis, entre os quais Benildo Aguiar, presidente do Sindicato da Indústria de Energia (Sindienergia), filiado à Fiec.

Este blog pode informar que, na próxima reunião do Coema, deverá ser apreciada e também aprovada resolução semelhante para projetos de geração de energia solar fotovoltaica.

 

11:50 · 12.07.2018 / atualizado às 11:51 · 12.07.2018 por

A agência de classificação de risco Standard and Poor’s elevou a nota do Magazine Luiza para brAAA.

A empresa tem várias lojas em Fortaleza e também em cidades do interior do Ceará.

A classificação da empresa vem em ascensão desde 2016 – e a S&P acompanha o Magazine Luiza desde 2014.

“Atingir o patamar máximo pela S&P é motivo de muito orgulho para nós do Magalu e sempre foi um dos nossos principais objetivos”, afirma Roberto Bellissimo, diretor executivo financeiro do Magazine Luiza. “Acreditamos que isso é fruto da consistência e da qualidade dos nossos resultados e da evolução da nossa geração de caixa.”

11:44 · 12.07.2018 / atualizado às 11:46 · 12.07.2018 por

Ao longo do último um ano e meio, o desemprego apresentou um crescimento de 13 pontos percentuais entre os principais motivos que levaram à restrição dos consumidores brasileiros. A constatação é da Pesquisa Perfil do Consumidor, elaborada pela Boa Vista SCPC, no decorrer do 1º semestre de 2018, com cerca de 1.700 pessoas, em todo o país. 

No 1º semestre de 2017, 32% alegaram que a falta de renda ocasionada pelo desemprego prejudicou o pagamento das contas e, consecutivamente, os levaram à inadimplência. Já no 1º semestre deste ano, foram 45%. O desemprego historicamente se mantém na liderança dos motivos que levam à inadimplência, de acordo com levantamentos da Boa Vista SCPC.  

O descontrole financeiro ficou em segundo lugar dentre os motivos responsáveis pela restrição. Dos 20% de respondentes no 1º semestre de 2017, no mesmo período deste ano foram 18% os que informaram ter ficado com o ‘nome sujo’ por gastar mais do que ganha. O empréstimo do nome a terceiros veio logo em seguida, como o terceiro principal motivo da inadimplência. Eram 11% no 1º semestre de 2017 e na última pesquisa 18% informaram ter ficado com o nome negativado ao obter crédito para ajudar uma outra pessoa.

Parentes e familiares são os mais procurados pelos consumidores no momento do aperto financeiro, e representam 46% das menções. Em segundo lugar estão os bancos (29%), depois as Financeiras (25%) e amigos/colegas (23%). Mesmo assim, somente 10% conseguem a ajuda esperada por parte dos familiares, e apenas 3% dos bancos.

De acordo com a pesquisa da Boa Vista SCPC, o comprometimento com o pagamento de contas diversas e os gastos com itens de vestuário e calçados foram os que mais pesaram no orçamento dos consumidores. O primeiro passou de 23% para os atuais 26%, e o segundo fator dos 15% para os 19%, respectivamente, na comparação entre o 1º semestre de 2018 e o 2º semestre de 2017. 

Já entre as contas diversas citadas acima que deixaram de ser pagas: 33% referem-se à educação (colégio, cursos etc); 19% a compra de aparelho celular/smartphone; 15% com saúde (plano médico etc); 12% com taxas e tarifas (IPTU, IPVA, condomínio etc), 11% com outras contas (consertos de carro, despesas extras etc) e 10% com lazer.

Segundo o estudo, 86% das contas vencidas que causaram a restrição estão em atraso há mais de 90 dias. 11% de 30 a 60 dias e apenas 3% estão com o vencimento atrasado a menos de 30 dias. 50% dos consumidores possuem até duas contas vencidas (no 2º semestre de 2017 eram 40%). 31% têm três ou quatro contas e 19% têm mais de quatro contas com pagamentos vencidos. 

Dos meios de pagamento utilizados nas compras dos bens ou serviços que geraram a restrição, 31% dos consumidores usaram o boleto bancário. Destes, 34% referentes a contas de telefone (celular/fixo); 25% às despesas com educação; 21% às contas de concessionárias (água, luz, gás); 10% a taxas e tarifas diversas (IPTU, IPVA, condomínio etc) e 1% a despesas médicas. O cartão de crédito foi citado como o segundo meio de pagamento (25%), seguido do cartão de loja (15%), carnê de financiamento/crediário (12%), empréstimo pessoal (8%), cheque especial (6%) e cheque pré-datado (3%).

66% dos consumidores inadimplentes possuem dívidas de até R$ 3.000 (contra 56% do semestre passado). 32% deles possuem dívidas de até R$ 1.000 (contra 24% anteriores). 34% deles possuem dívidas com valores acima de R$ 1.000 até R$ 3.000 (contra 32%). Já o percentual de consumidores com dívidas acima de R$ 5.000 caiu de 29% para 18%. Quanto maior o volume de dívidas, maior é o valor devido (46% possuem cinco contas ou mais que geraram a restrição e, nestes casos, os valores devidos superam R$ 4.000).

O percentual de consumidores inadimplentes que pretende priorizar o pagamento das compras com o cartão de crédito no 1º semestre de 2018 subiu de 21% para 36%. Já 22% priorizarão o pagamento dos boletos (no segundo semestre eram 27%). Destes, 41% referem-se às despesas com educação, 29% com contas de telefone, 14% concessionárias, 11% taxas e tarifas e 5% com planos médicos. No semestre passado, 27% disseram que iriam priorizar o pagamento de contas feitas com boleto.

Sobre o nível de endividamento, dos consumidores que estão inadimplentes, 70% afirmaram estar muito endividados neste último semestre, contra 73% dos respondentes na comparação com o mesmo período do ano passado. E destes, 81% disseram ser difícil manter as contas em dia, contra 88% no mesmo período de 2017. E mais, 56% informaram que estão com mais de 50% da renda comprometida com o pagamento de dívidas (vencidas ou não). No mesmo período de 2017, eram 66%.

11:40 · 12.07.2018 / atualizado às 11:40 · 12.07.2018 por

Leiam, a seguir, o artigo do professor José Pio Martins, economista e reitor da Universidade Positivo: 

No ano de 1900, a expectativa de vida de um brasileiro ao nascer era de apenas 33 anos. Em 1940, era de 43 anos. Apesar de o país ser pobre e atrasado, a expectativa de vida no Brasil em 2016 atingiu 75,8 anos. As pessoas estão vivendo mais, muito mais. É uma mudança radical, que tem impactos no mercado de trabalho, na previdência, na saúde, nas finanças pessoais e, de resto, em todos os aspectos econômicos e sociais. Praticamente nenhum setor deixará de ser impactado pelas mudanças demográficas e pela expectativa de vida. Viver mais pode ser uma dádiva, desde que você entenda o que está acontecendo e saiba lidar com as consequências.

Em relação às empresas abertas no território brasileiro, 60% delas morrem antes de completar cinco anos. Em setembro de 2016, a revista Exame publicou matéria sobre as empresas instaladas no Brasil que tinham mais de 100 anos idade: eram apenas 34. No atual mundo instável e de revolução tecnológica constante, as empresas estão vivendo menos. Hoje, até mesmo gigantes, como a General Motors, estão morrendo mais cedo. Há seis ou sete décadas, as empresas duravam mais, os trabalhadores ingressavam em um trabalho e só saíam ao se aposentar. Esse tempo acabou.

Duas perguntas se impõem: (a) por que esses fenômenos estão ocorrendo? (b) quais as consequências para nossa vida pessoal? Quanto à primeira pergunta, há algo interessante: os dois fenômenos que estão fazendo as pessoas viverem mais são os mesmos que fazem as empresas viverem menos. Esses fatores são: o progresso da ciência e a revolução tecnológica. A explosão de conhecimentos científicos que se seguiu à descoberta do antibiótico por Alexander Fleming em 1928 e a revolução tecnológica no mundo da farmacologia, das ciências médicas e das condições sanitárias mudaram por completo a expectativa de vida dos humanos. Muito breve teremos uma legião de pessoas com mais de 100 anos.

Pois a evolução das ciências e a monumental explosão das tecnologias estão jogando uma multidão de empresas no leito de morte. Os exemplos são muitos. As grandes fábricas de automóveis – General Motors, Volkswagen, Ford e outras – nasceram com a revolução na eletricidade no fim do século 19 e a invenção do motor a combustão interna, e viveram tranquilas por décadas. A maioria não previu que, nos anos 1980, os japoneses viriam a ferir de morte a indústria automobilística norte-americana dentro do próprio Estados Unidos. O deslumbre com o sucesso impediu que os executivos do setor de automóveis percebessem a onda tecnológica que vinha em sua direção.

No mundo atual, algo parecido está ocorrendo. A explosão de descobertas e invenções vem criando uma revolução tecnológica permanente, sem data para acabar, que vai sangrar milhões de empresas em todo o mundo. Uma consequência é certa: milhões de trabalhadores perderão seus empregos mais de uma vez durante sua vida. Como a vida está mais longa, é recomendável questionar sobre como se preparar para enfrentar essa realidade e construir uma aposentadoria tranquila.

Em verdade, primeiro devemos pensar sobre como resolver o problema de sustentar a nós e nossa família durante o tempo de trabalho, que não será mais de apenas 35 anos; para quem tiver saúde, o período de trabalho será de 50, 60 anos. Os sistemas de previdência social tal como existem hoje vão desaparecer, é uma questão de tempo. Mais cedo ou mais tarde, as duas previdências, a do INSS (trabalhadores privados) e a dos servidores públicos, vão ser reformadas. Ou fazemos isso ou o país vai afundar na pobreza. Não é uma questão ideológica. É imposição da realidade dos fatos.

Não há nada mais antigo e mais atrasado do que esse embate tosco entre esquerda e direita (se é que existe isso no Brasil), uns dizendo que a previdência está falida e tem de ser reformada e outros dizendo que não. É o caso de perguntar quantos dessa gente observam o mundo, estudam, analisam e adquirem conhecimentos necessários para um debate inteligente. Certamente, bem poucos.

Quanto aos empreendedores, eles também devem pensar sobre como prolongar a vida de suas empresas. As mudanças pelas quais o mundo está passando exigem que as pessoas se adaptem e as empresas também. Teimar contra os fatos não é bom caminho.

 

11:32 · 12.07.2018 / atualizado às 11:33 · 12.07.2018 por

O Ministério da Integração Nacional distribuiu comunicado em que anuncia a abertura total do túnel em rocha que, em território cearense, permitirá a passagem das águas do Canal Norte do Projeto São Francisco de Integração de Bacias. Esse canal trará as águas do rio São Francisco para o Ceará.

No comunicado, o Ministério renova a promessa de que as obras do Canal Norte estarão prontas neste ano. Mas só que não mais em agosto, porém em setembro, véspera das eleições de outubro.

Para este blog, contudo, isso só acontecerá no próximo ano de 2019. Ou seja, águas do rio São Francisco no açude Castanhão só teremos no próximo ano.

Tudo de que precisarão, na campanha eleitoral, os candidatos dos partidos de apoio ao Governo Michel Temer serão imagens das águas do rio São Francisco, chegado em qualquer ponto da geografia cearense. O Ministério da Integração Nacional faz, pois, um gigantesco esforço no sentido de que essas imagens possam ser registradas em setembro. Isso será possível. Mas água do Velho Chico chegando ao Castanhão neste ano ano é algo que, segundo os especialistas, dificilmente acontecerá.