Busca

Categoria: Ciência


04:45 · 13.12.2017 / atualizado às 04:46 · 13.12.2017 por

O presidente da Funceme, engenheiro Eduardo Sávio, reuniu-se terça-feira, 12, com um grupo de empresários cearenses da indústria e da agropecuária.

A eles, Eduardo Sávio disse que ainda é cedo para prognosticar, cientificamente, se teremos, em 2018, um ano de chuva na média, abaixo da média ou acima da média histórica.

De acordo com o presidente da Funceme, neste momento as águas do Oceano Atlântico, no hemisfério Norte, estão aquecidas,enquanto as do Pacífico apresentam-se frias.

Para que o Nordeste e, principalmente, o Ceará tenham uma estação de chuvas acima da média, será preciso que esfriem as águas do Atlântico Norte e que se aqueçam as do Atlântico Sul.

Eu vi um mapa que Eduardo Sávio mostrou aos empresários: está predominando hoje a cor alaranjada no Atlântico Norte e em parte do Atlântico Sul.

É preciso que essa coloração mude para o azul.

Na Funceme, todos torcem para que essa mudança de cor aconteça até o começo de janeiro.

04:49 · 24.11.2017 / atualizado às 04:50 · 24.11.2017 por

Nesta sexta-feira, às 18 horas, a Assembleia Legislativa do Ceará promoverá sessão solene para homenagear grandes profissionais da área das ciências agrárias.

O evento, que se realizará por proposta do deputado Carlos Matos, presidente da Comissão de Agricultura do Legislativo estadual cearense, tem, entre outros homenageados, o agrônomo João Pratagil, um dos maiores pesquisadores da Embrapa Agroindústria do Caju, com sede em Fortaleza.

Ele foi presidente do Nutec e da Epace.

João Pratagil integrou a equipe da Embrapa que criou e desenvolveu o cajueiro anão precoce, cuja tecnologia foi apropriada também por países da Ásia, como o Vietnã, que é hoje o maior produtor e exportador mundial de castanha de caju.

A homenagem a Pratagil é justa, merecida e oportuna.

04:24 · 19.10.2017 / atualizado às 04:26 · 19.10.2017 por

Já está na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) – para validação  e registro – o pedido de validação das longas pesquisas científicas que foram feitas, aqui no Ceará para o uso da pele de tilápia no tratamento de pessoas vítimas de queimaduras (foto).

Essas pesquisas, coordenadas pelo Instituto de Apoio ao Queimado – uma ONG dirigida pelo Dr. Edmar Maciel Lima Júnior – tiveram 100% de sucesso, pois, além de encurtar o tratamento e de minimizar a dor do queimado, reduziu em 50% os seus custos.

Este é o lado bom desta informação. Mas há o lado, digamos assim, ruim:

É que a velocidade de análise dos técnicos da Anvisa é a da tartaruga.

Um pedido de registro na Anvisa às vezes demora até cinco anos.

12:10 · 04.07.2017 / atualizado às 12:12 · 04.07.2017 por

Atenção para esta informação que chega ao blog enviada pela Funceme:

O fortalezense tem percebido, no começo deste mês de julho de 2017, madrugadas e início das manhãs com temperaturas mais amenas (para alguns, dá até para chamar de frio). Na manhã desta terça-feira, 4, por exemplo, entre 6h e 7h, a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) registrou 21,9ºC em Fortaleza. A explicação é simples: estamos no Inverno no Hemisfério Sul.

Em vários estados brasileiros, a população se prepara para a estação do ano cuja principal característica é a queda nas temperaturas. Em algumas cidades do País é possível nevar. Porém, no Ceará, devido à proximidade com a Linha do Equador, os efeitos são pouco perceptíveis, pois a variação nos termômetros é discreta.

Madrugadas mais frias

Ainda assim, o calor tão característico do Ceará tende a aliviar entre junho e agosto. Se durante o dia as temperaturas máximas ficam em torno dos 30°C, nas noites e nas madrugadas do Inverno as mínimas deixam o tempo mais agradável. Em Fortaleza, o termômetro pode ficar próximo dos 22°C nessa época do ano enquanto as mínimas em dezembro, por exemplo, são de 24°C. No Interior, a queda também é discreta, mas os termômetros podem marcar menos de 20°C. Em Barbalha, as mínimas no Inverno chegam aos 19°C e em Guaramiranga, 16°C.

Outro fator que pode ser destacado é a sensação térmica. Nesta época do ano os ventos começam a intensificar-se até chegar ao mês de setembro, quando as médias de velocidade são maiores e as rajadas são mais fortes. As temperaturas um pouco mais baixas e o vento ficando mais forte resultam numa sensação térmica de mais frio, explicam os meteorologistas da Funceme.

Posicionamento em relação ao Sol

A estação mais fria do ano é iniciada no Hemisfério Sul quando acontece o alinhamento do Sol com o Trópico de Câncer, no Hemisfério Norte, ou seja, é a época do ano em que o sol está mais longe do Ceará, o que explica as temperaturas mais baixas. Isso acontece na América do Sul, Oceania e Sul da África. Ao mesmo tempo, o Sol mais próximo da metade norte da Terra, caracterizando o Verão na Europa, Ásia, Norte da África e Américas do Norte e Central.

Período de chuvas no Ceará não ocorre no Inverno

Boa parte dos cearenses chama equivocadamente de Inverno a quadra chuvosa oficial do Estado (quadrimestre fevereiro-março-abril-maio). Estes meses de maiores médias de precipitação no Ceará fazem parte do Verão e do Outono no Hemisfério Sul.

Esse equívoco é compreensível, justamente pela quase imperceptível variação entre as estações do ano no Estado. Dessa forma, quando temos dias bastante chuvosos entre fevereiro e maio, ou seja, ainda no Verão ou no Outono, as temperaturas tendem a baixar e a população faz uma associação entre o frio do tempo chuvoso com as características do Inverno.

15:49 · 20.02.2017 / atualizado às 15:49 · 20.02.2017 por

A próxima reunião do Conselho Estadual de Recursos Hídricos do Ceará (CONERH), agendada para amanhã, terça-feira, 21/02, às 8h30, terá a participação do presidente da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), Eduardo Sávio, que na ocasião fará a divulgação do prognóstico de chuvas para o trimestre março-abril-maio no Estado.

A reunião acontecerá no auditório da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), na Rua Adualdo Batista, 1550 – Parque Iracema – Fortaleza

O presidente da Funceme apresentará as probabilidades da estação das chuvas 2017 -abaixo da média, em torno da média e acima da média) – referentes ao acumulado de precipitações no trimestre em questão.

A divulgação contará com a presença de todos os representantes dos órgãos membros do CONERH além de demais autoridades. O novo prognóstico também vai explicar a evolução das condições dos oceanos e da atmosfera em relação ao que foi analisado na previsão climática anterior, divulgada no dia 18 de janeiro.

04:12 · 18.01.2017 / atualizado às 04:15 · 18.01.2017 por

eduardoNesta quarta-feira, 18 de janeiro, às 9 horas, a Funceme anunciará, oficialmente, seu prognóstico a respeito da estação de chuvas deste ano para o Ceará.

O anúncio será feito no Palácio da Abolição.

Eduardo Sávio Martins (foto), presidente da Funcene, concluiu ontem, terça-feira, à noite, com sua equipe, o estudo de todas as informações disponíveis a respeito da temperatura dos oceanos Atlântico e Pacífico.

Neste momento, como este blog já informou, as condições são neutras, ou seja, a estação de chuvas de 2017 tanto pode na média histórica, como acima da média ou, o que ninguém quer, abaixo da média histórica.

O que há no horizonte da ciência do clima são sinais do El Niño para o segundo semestre, o que é uma má notícia.

A propósito: a Secretaria de Recursos Hídricos, pela voz do seu titular, Francisco Teixeira, já informou que, até o próximo mês de abril, as águas do açude Castanhão serão suficientes para abastecer a Região Metropolitana de Fortaleza, incluindo o Distrito Industrial de Maracanaú.

04:12 · 17.01.2017 / atualizado às 04:12 · 17.01.2017 por

Este blog tem conversado nos últimos dias com técnicos da Funceme, que divulgará amanhã, quarta-feira, 18, no Palácio da Abolição, sua previsão oficial sobre a estação das chuvas deste ano para o Ceará.

Dessas conversas, pode-se concluir o seguinte:

É muito forte a tendência de que o Nordeste e o Ceará terão, neste 2017, mais um ano de chuvas abaixo da média histórica.

Os índices que medem a temperatura da água dos oceanos Atlântico e Pacífico estão neutros, ou seja, não há sinal, no curto prazo, de La Ninã.

Quanto ao El Niño, porém, há sinais indicando que ele pode ter atividade no segundo semestre deste ano.

É uma informação ruim para o Ceará, que, depois de cinco anos consecutivos de baixa pluviometria, precisa de chuvas intensas, acima da média, para a recarga dos seus açudes.

Há uma grande expectativa sobre o que indicará amanhã o relatório da Funceme.

A previsão da Funceme abrangerá o período de fevereiro a maio.

04:24 · 09.01.2017 / atualizado às 04:24 · 09.01.2017 por

O presidente da Funceme, Eduardo Sávio Martins, disse ao blog que, neste momento, a temperatura dos oceanos Atlântico e Pacífico é de absoluta neutralidade.

Ou seja, não há nem El Niño nem La Niña.

Assim, as chances de o Ceará ter, neste ano de 2017, uma estação de chuvas na média histórica é muito boa.

Mas Eduardo Sávio pede para que todos, principalmente os empresários da agropecuária, aguardem o próximo dia 18, quando a Funceme anunciará, oficialmente, sua previsão para a estação das chuvas deste ano.

O presidente da Funceme esclarece que a Zona de Convergência Intertropical, a ZCIT- que provoca as chuvas do chamado “inverno” cearense – costuma atuar a partir de fevereiro, razão pela qual, entre fevereiro e maio, ocorrem em média 70% das chuvas anuais aqui no Nordeste Ocidental.

Mas o escoamento das águas das chuvas para os grandes açudes depende muito da intensidade da ZCIT.

Resumo: temos mesmo de rezar a Deus pedindo uma boa estação de chuvas, porque, se elas não vierem, aí será o caos.

04:03 · 06.01.2017 / atualizado às 04:04 · 06.01.2017 por

chuvasAtenção! No próximo dia 18, a Funceme anunciará, oficial e definitivamente, sua previsão sobre a estação de chuvas deste ano de 2017.

Empresários da indústria e da agropecuária já foram comunicados pela Funceme sobre esse anúncio.

O presidente da Funceme, Eduardo Sávio, disse ao blog que, na próxima segunda-feira, dia 9, disporá de todas as informações a respeito da temperatura dos oceanos Pacífico e Atlântico.

No dia 10, essas informações começarão a ser processadas pelos computadores da Funceme.

Depois desse processamento, será elaborado o tão aguardado relatório final que será anunciado no dia 18, quando enfim se saberá se haverá chuvas abaixo, acima ou na média histórica.

Para a Funceme, tudo o que agora foi dito a respeito do assunto não passou de especulação, e nada mais do que isso.

A temperatura do Atlântico será um dos fatores que orientarão a previsão da Funceme.

10:28 · 28.12.2016 / atualizado às 10:28 · 28.12.2016 por

O governador Camilo Santana disse ao blog que, se 2017 for um ano de chuvas acima da média histórica, ou mesmo dentro da média histórica, “metade dos problemas do Ceará estarão resolvidos”.

Camilo Santana tem os pés no chão, confia nos relatórios científicos que lhe produz semanalmente a Funceme e não faz qualquer aposta sobre se haverá inverno ou não no Ceará no Ano Novo que está chegando.

Com base no que disse o governador, o blog procurou o presidente da Funceme, Eduardo Sávio, que repetiu o mesmo discurso da semana passada:

“Só lá por meados de janeiro é que a Funceme se pronunciará sobre a previsão do clima para o primeiro trimestre de 2017”, ele falou.

Por enquanto, a Funceme, que está ligada aos maiores centros mundiais de monitoramento do clima, acompanha a evolução do La Niña, cujos sinais são muito discretos, não permitindo, hoje, qualquer prognóstico.

Esta é a última notícia sobre se teremos ou não inverno no próximo ano.