Busca

Categoria: Energia


04:45 · 12.06.2017 / atualizado às 04:45 · 12.06.2017 por

Segundo informa a Associação Brasileira das Empresas de Energia Eólica, Abeólica, o Brasil tem hoje – em parques de geração de energia eólica – uma potência instalada e 10,7 GW.

Pois bem: a Abeólica não disse, mas o blog pode revelar que, desses 10,7 GW de energia eólica, 4,9 GW são produzidos por parques desenvolvidos pela empresa Casa dos Ventos, do cearense Mário Araripe.

A Casa dos Ventos é a maior desenvolvedora de projetos de energia eólica do País, tendo hoje, em seu estoque, projetos que gerarão mais 12 GW.

Pode informar também que a Casa dos Ventos está esperando apenas o melhor momento para comercializar todo esse estoque de novos projetos.

A propósito: o Estado do Ceará produz hoje, com seus vários parques eólicos, o equivalente a quase 2 GW.

04:08 · 07.06.2017 / atualizado às 04:08 · 07.06.2017 por

A empresa que distribui a energia elétrica em todo o Estado do Ceará é a italiana Enel, uma das maiores do setor na Europa e com atuação em outros estados brasileiros e em outros países da América Latina.

Pois bem: a Enel está inaugurando nesta semana, no município de Bom Jesus da Lapa, na Bahia, a maior usina de geração de energia solar do Brasil.

Essa usina, na qual foram investidos R$ 150 milhões, tem potência de 158 MW, o suficiente para abastecer uma cidade de 150 mil habitantes.

O blog pode informar que a Enel já tem em funcionamento, aqui no Ceará, uma usina-piloto de geração de energia solar, com potência de 3 MW. Ela se localiza na Chapada do Apodi.

Uma fonte ligada ao setor da energia solar informa que a Enel pretende ampliar seu investimento na produção de energia solar não só na Chapada do Apodi, mas em outras áreas do sertão cearense, onde o sol é domiciliado.

Como se vê, diante das poucas chuvas e diante do baixo volume das barragens das usinas hidrelétricas, a saída para a geração de energia no Brasil parecem ser o sol e o vento, que produzem energias renováveis como um presente da natureza.

04:16 · 02.06.2017 / atualizado às 10:27 · 02.06.2017 por

Uma notícia ruim causada pela crise da economia que há mais de dois anos castiga o Brasil:

As indústrias estrangeiras fabricantes de equipamentos eólicos que se instalaram no Brasil nos últimos anos estão anunciando que poderão deixar o País, se o Governo Federal retomar sua política para o setor da energia eólica.

Essa política previa a realização de dois leilões anuais de energia, algo que significaria 2 GW (gigawatts) por ano.

Acontece que o Governo decidiu suspender os leilões previstos para este e para o próximo ano.

Como, em 2018, a indústria de equipamentos eólicos concluirá o fornecimento dos equipamentos para os parques eólicos contratados, e como não há contratos novos, elas estarão ociosas a partir do fim de 2018.

Isso será, em primeiro lugar, prejuízo e, em segundo lugar, o motivo para abandonar o País por falta do que fazer.

No Ceará, operam no Pecém duas fábricas de pás eólicas – uma da empresa alemã Wobben, outra da Aeris Energy, que é a maior fabricante de pás eólicas do Estado, com mais de 2 mil funcionários.

Até agora, os alemães da Wobben não se manifestaram a respeito da hipótese de sair daqui.

08:48 · 17.05.2017 / atualizado às 08:50 · 17.05.2017 por

Informa a Casa dos Ventos, empresa comandada pelo cearense Mário Araripe e uma das maiores do setor de geração de energia eólica no Brasil:

Casa dos Ventos e a Actis, dois dos principais players do mercado de energia renovável no Brasil, fecham operação envolvendo os complexos eólicos Ventos de São Clemente (216 MW), situado em Pernambuco, e Ventos de Tianguá (130 MW), situado no Ceará.

Os dois complexos eólicos desenvolvidos e implantados pela Casa dos Ventos passarão a ser detidos integralmente pela Echoenergia, empresa criada pela Actis, investidora líder em mercados emergentes nas áreas de energia, educação, consumo e serviços financeiros.

Segundo o Diretor da Casa dos Ventos, Lucas Araripe, a operação reforça a solidez da companhia para novos investimentos: “Esta transação possibilita à Casa dos Ventos continuar investindo de maneira relevante e competitiva no setor. Nos posicionamos de forma privilegiada para a retomada dos leilões e uma nova realidade que acreditamos para o Brasil”, revela Lucas Araripe. A Casa dos Ventos também está focada na conclusão das obras do seu mais recente empreendimento, Ventos do Araripe III (358 MW), que estará operacional em sua totalidade até junho e se tornará um dos maiores complexos eólicos da América Latina.

De acordo com Sérgio Brandão, Diretor de Energia da Actis para o Brasil, “a aquisição demonstra o comprometimento da Actis para com o Brasil, o maior mercado de energia da América Latina”. Edgard Corrochano, CEO da Echoenergia, complementa que “esta operação é o primeiro passo na construção de uma nova plataforma de geração eólica da Actis no Brasil, a qual será seguida por outros investimentos nos próximos anos”. 

A Casa dos Ventos é uma das pioneiras e maiores investidoras no desenvolvimento de projetos eólicos no Brasil. Em 2017, a companhia completa dez anos no mercado e, atualmente, é responsável pelo maior número de projetos que venderam energia nos leilões e no ambiente de contratação livre. Além de ter desenvolvido aproximadamente 30% de todos os empreendimentos em implantação ou operação no país, a empresa é detentora do maior portfólio de projetos eólicos do Brasil. A sede da companhia é na cidade de São Paulo e seus projetos eólicos estão localizados no Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Paraíba, Bahia e Piauí. 

A Actis é uma investidora líder em mercados emergentes, que oferece retornos competitivos consistentes, de forma responsável. Com um portfólio crescente de investimentos na Ásia, África e América Latina, a Actis levantou mais de US$ 11 bilhões desde a sua criação.

A empresa investe com base em conhecimentos adquiridos a partir de relações de confiança e conhecimento local, experiência profunda e um patrimônio inigualável, definido dentro de uma cultura de propriedade ativa.

Ao aplicar disciplinas de mercados desenvolvidos em mercados emergentes, uma equipe estabelecida de aproximadamente 100 profissionais de investimento, em dez países, identifica oportunidades de investimento como resposta a duas tendências: consumo interno crescente e a necessidade de um investimento sustentado em infraestrutura por meio de private equity, energia e ativos imobiliários.

A Actis é signatária dos Princípios das Nações Unidas para o Investimento Responsável (UNPRI), uma iniciativa do investidor desenvolvida pela UNEP FI e pelo Pacto Global das Nações Unidas.  A Actis procura obter retornos superiores consistentes através de diversos ativos de longo prazo, trazendo benefícios financeiros e sociais para os investidores, consumidores e comunidades. O fundo chama essa vocação de o poder positivo do capital.

05:24 · 17.04.2017 / atualizado às 05:27 · 17.04.2017 por

Fiscais da Agência Reguladora dos Serviços Públicos Delegados do Ceará (Arce), fazem nesta segunda-feira, 17, inspeção nas instalações do Parque Eólico de Embuaca, no município de Trairi, no litoral Norte do Ceará.

Os fiscais da Arce observam se aquele parque eólico aderiu aos procedimentos de operação, manutenção, conservação e segurança, como manda a legislação vigente.

O Ceará é hoje um dos maiores geradores de energia eólica do País.

Mas ele, que foi o pioneiro nessa área em todo o País e que já ocupou o primeiro lugar no ranking dos estados geradores, está hoje oscilando entre o terceiro e o quarto lugares, uma vez que os estados da Bahia e do Rio Grande do Norte atraíram mais investimentos do que o Ceará.

Isso ocorreu, principalmente, no governo Cid Gomes, que não deu muita atenção à geração eólica, algo que o governador Camilo Santana vem fazendo agora.

07:20 · 06.04.2017 / atualizado às 12:57 · 06.04.2017 por
A empresa cearense Fênix Solar está instalando, em Fortaleza, mais um projeto pioneiro de energia solar.
Trata-se do primeiro laboratório de funcionamento de micro-rede inteligente de energia a operar em uma residência.
O bancário Sérgio Gaspar, proprietário do imóvel – localizado no bairro Jardim das Oliveiras – investiu R$ 57 mil na aquisição de 26 painéis fotovoltaicos de 6,89kWp.
A energia gerada no local será de 13 mil kWh/ano, e o local funcionará com 100% de energia limpa.
O retorno do investimento está previsto para seis anos.
Durante o dia, a energia gerada pelos painéis será jogada na rede e ainda recarregará as baterias solares. Estas, inclusive, operam na  falta de energia distribuída pela Enel (Ex-Coelce).
05:22 · 02.03.2017 / atualizado às 05:24 · 02.03.2017 por

Seguindo a tendência mundial das empresas e das residências, que é a de gerar e consumir sua própria energia, a fábrica da cearense Eletra, localizada no vizinho município de Eusébio, na Região Metropolitana de Eusébio, acaba de inaugurar seu novo estacionamento de veículos.

Com uma grande novidade: todo o seu telhado foi transformado numa usina de geração de energia solar.

Para isso, a Eletra contratou a Ener Brasil, uma empresa especializada, que instalou 644 painéis fotovoltaicos, os quais geram agora parte da energia que a Eletra consome, reduzindo o valor de sua conta mensal de luz.

A Eletra aproveita-se da legislação federal e estadual, que criou incentivos para as empresas que geram e consumem a própria energia.

É o futuro chegando. E a tecnologia, também.

04:08 · 21.02.2017 / atualizado às 04:09 · 21.02.2017 por

O Governo do Ceará está perdendo uma boa oportunidade de usar o Programa de Eficiência Energética para o financiamento de projetos de instalação de mini-usina de geração de energia solar.

Esse programa está ancorado na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), e dele já lançou mão, por exemplo, o governo de Santa Catarina, que obteve financiamento de R$ 10 milhões para viabilizar a instalação de painéis fotovoltaicos no telhado de mais de 3 mil residências naquele Estado.

Essas residências passarão a gerar a própria energia que consomem, utilizando-se dos raios solares.

Aqui no Ceará, a subsecretaria de Energia da Secretaria de Infraestrutura bem que poderia mover-se no sentido de buscar esse financiamento, que com certeza interessará a milhares de famílias cearenses, principalmente as do sertão, onde o sol tem domicílio.

04:11 · 15.02.2017 / atualizado às 04:14 · 15.02.2017 por

A empresa cearense Fênix Solar, que, como sugere o nome, é especializada em energia solar, acaba de instalar um conjunto de 222 painéis solares, que já estão a gerar energia elétrica para toda a rede de lojas Via Direta em Fortaleza.

A Via Direta é também uma empresa genuinamente cearense.

Para executar esse projeto, a Via Direta aproveitou-se de uma linha de financiamento especial, criada pelo Banco do Nordeste para projetos de geração de energias renováveis.

No caso da Via Direta, foram investidos R$ 500 mil reais na implantação do seu projeto de energia solar.

De acordo com a Fênix Solar, que executou o projeto, a Via Direta passará a economizar R$ 7 mil por mês só na conta de energia.

04:11 · 31.01.2017 / atualizado às 04:11 · 31.01.2017 por

Uma boa notícia para os cearenses que são proprietários de grandes extensões de terra no Estado.

A Chesf está negociando com o banco alemão KFW a concessão de um financiamento de 225 milhões de euros, algo como R$ 770 milhões, para a implantação de um grande projeto de geração de energia solar fotovoltaica.

Os entendimentos estão avançados e, na semana passada, o próprio embaixador alemão esteve na presidência da Chesf,em Recife, para tratar do assunto.

Por que esta notícia interessa ao Ceará?

Porque ainda não está decidido em que Estado será construída essa usina solar, cuja potência será de 200 MW.

Naturalmente, terá preferência quem chegar junto à direção de Engenharia da Chesf com uma área de terreno suficiente para a instalação do projeto.

O Ceará poderá levar uma boa vantagem, pois tem matéria-prima abundante durante o ano todo: afinal o sol está domiciliado em toda a geografia cearense.

Além do mais, há terras em abundância em qualquer região do Estado.