Busca

Categoria: Fé em Deus


04:04 · 20.04.2018 / atualizado às 11:32 · 20.04.2018 por

Resultado de imagem para Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele.Naquele tempo, os judeus discutiam entre si, dizendo: “Como é que ele pode dar a sua carne a comer?” Então Jesus disse: “Em verdade, em verdade vos digo, se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia. Porque a minha carne é verdadeira comida e o meu sangue, verdadeira bebida. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. Como o Pai, que vive, me enviou, e eu vivo por causa do Pai, assim o que me come viverá por causa de mim. Este é o pão que desceu do céu. Não é como aquele que os vossos pais comeram. Eles morreram. Aquele que come este pão viverá para sempre”.

Assim falou Jesus, ensinando na sinagoga em Cafarnaum.

 

 

Reflexão – “o alimento que vem do céu para nos conduzir ao céu”

 

As palavras de Jesus não nos deixam dúvidas. A Sua carne e o Seu sangue são o alimento que vem do céu para nos conduzir ao céu. É o sustento da nossa alma!  “Mais importante que o pão de cada dia, para o sustento do corpo, é a Eucaristia, este “alimento” que se torna sustento para a alma e permanece para a vida eterna.”  Por mais, que, materialmente, nos alimentemos bem, se não comungarmos da Palavra e da Eucaristia, seremos sempre pessoas fracas e confusas, desestruturadas para o combate da vida. Nós somos aquilo que comemos, e na medida em que nos alimentamos do Corpo e do Sangue de Cristo, nós vamos ficando semelhantes a Ele, porque Ele vem habitar em nós purificando o nosso organismo espiritual. Pela Eucaristia nós passamos a pertencer a Nosso Senhor e Ele passa a viver em nós.  Para termos esta santa intimidade, porém, precisamos nos alimentar literalmente do Corpo e do Sangue de Jesus. “A minha carne é verdadeiramente uma comida. O meu sangue verdadeiramente uma bebida”. Ele jamais diz: “a minha carne e o meu sangue são simbolicamente uma comida e bebida”.  Passamos a pertencer a Nosso Senhor e Ele torna-se o dono da nossa vida e nos ressuscitará no momento preciso.    – Você se admira de Jesus ter dito estas palavras? – Você tem a Bíblia como o próprio Jesus, O Verbo Encarnado? – Quando você adora a Jesus Sacramentado,  tem consciência de que ali está o Corpo e o Sangue de Jesus? – Qual é o efeito que este pensamento provoca em você? – Experimente adorá-lo assim! Perceba a diferença.

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

04:01 · 19.04.2018 / atualizado às 11:56 · 19.04.2018 por

Naquele tempo, disse Jesus à multidão: “Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o atrai. E eu o ressuscitarei no último dia. Está escrito nos Profetas: ‘Todos serão discípulos de Deus’. Ora, todo aquele que escutou o Pai e por ele foi instruído, vem a mim. Não que alguém já tenha visto o Pai. Só aquele que vem de junto de Deus viu o Pai. Em verdade, em verdade vos digo, quem crê possui a vida eterna. Eu sou o pão da vida. Os vossos pais comeram o maná no deserto e, no entanto, morreram. Eis aqui o pão que desce do céu: quem dele comer, nunca morrerá. Eu sou o pão vivo descido do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão que eu darei é a minha carne dada para a vida do mundo”.

Reflexão – “evangelizar é repassar a nossa experiência com Jesus!

 

A missão de evangelizar tem como fundamento o anúncio da nossa experiência com Jesus Cristo e o testemunho da ação da Palavra de Deus, na nossa vida, em todos os momentos.  Evangelizamos, quando, falando de nós mesmos (as), de como nos sentimos, de como estamos transformados (as) e, porque estamos alegres, nós despertamos nas outras pessoas o desejo de também conhecer Jesus. Às vezes deixamos de servir ao Senhor porque duvidamos da nossa capacidade e nos sentimos inferiores e sem capacidade para falar das coisas de Deus. Dessa forma, perdemos o nosso tempo precioso e ficamos em débito com o mandato de Jesus. Nesta leitura, vimos Filipe que, obedecendo às palavras do anjo,  desceu de Jerusalém a Gaza.  Colocando na nossa realidade, o sair de Jerusalém significa sair do templo, do Sagrado, para ir ao mundo. É sair da luz para irradiá-la nas trevas: “o caminho é deserto”. Quando nos afastamos do conforto das “coisas de Deus” na casa de Deus, em missão, nós enfrentamos as dificuldades do deserto.  Filipe enfrentou o deserto para obedecer às ordens do Senhor.  Deserto é lugar de penúria, de dificuldade, de sequidão, por isso, é também penoso para nós enfrenta-lo. No nosso caminho também encontramos aqueles que estão na ignorância e precisam encontrar a verdade.  Às vezes somos enviados para um ambiente hostil, e precisamos evangelizar aqueles que estão na completa ignorância das coisas de Deus e precisam encontrar a verdade. Encontrar os “ministros e administradores do tesouro do mundo” é também a nossa missão. Eles não estão no templo, eles estão no mundo, no deserto por onde andamos. “Aqui temos água. O que impede de que eu seja batizado”, falou o eunuco, mostrando para nós que o que faz o Espírito agir é a abertura do nosso coração e o nosso querer. Em qualquer situação e em todas as circunstâncias nós somos chamados (as) também, a como Filipe a renovar o Batismo do Espírito Santo para aqueles (as) que têm fome e sede de Deus.   – Você também, como Filipe, tem encontrado essas pessoas que não entendem nada de Deus? O que você tem feito?  Você tem esclarecido alguma coisa? –  Quando você está fora da Igreja, da Comunidade, do Grupo de Oração, como é o seu comportamento? – Você já adquiriu o costume de impor as mãos sobre alguém e pedir para ele o Espírito Santo?

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

03:52 · 18.04.2018 / atualizado às 08:32 · 18.04.2018 por

Naquele tempo, disse Jesus à multidão: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim nunca mais terá sede. Eu, porém, vos disse que vós me vistes, mas não acreditais. Todos os que o Pai me confia virão a mim, e quando vierem, não os afastarei. Pois eu desci do céu não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. E esta é a vontade daquele que me enviou: que eu não perca nenhum daqueles que ele me deu, mas os ressuscite no último dia. Pois esta é a vontade do meu Pai: que toda pessoa que vê o Filho e nele crê tenha a vida eterna. E eu o ressuscitarei no último dia”.

Reflexão – “Jesus nos alimenta através da Fé!”

 

A nossa salvação é o maior desejo do coração de Deus e foi o próprio Jesus quem nos revelou isto, ao dizer: “É esta a vontade daquele que me enviou: ‘Que eu não perca nenhum daqueles que Ele me deu, mas os ressuscite no último dia’”!   Jesus Cristo veio fazer a vontade do Pai e é muito bom saber que a nossa vida está entregue nas Suas mãos e que o nosso futuro é promissor, pois, está assegurado nas Suas Palavras.  Todo aquele que conhece Jesus e crê Nele tem a alma e o espírito alimentados. Jesus é o sustento que o Pai preparou para saciar a nossa fome de felicidade.  Quando temos o espírito alimentado por Jesus, consequentemente nós também notamos os sinais se refletirem em todo o nosso ser. Ele nos alimenta através da Fé! Quando reconhecemos Jesus e cremos que Ele foi enviado pelo Pai nós estamos nos apossando de tudo quanto o Pai preparou para nós. Crer em Jesus Cristo é, portanto, deixar-se entregar à Sua ação salvífica e nunca duvidar do Seu domínio sobre a nossa vida e a nossa morte. Jesus não veio apenas nos propor a vida eterna depois da morte, mas também nos assegura uma vida terrena fortalecida pela Sua presença, no pão que alimenta o nosso espírito, o pão do Céu. A Palavra de Deus é via de amor e fortifica a nossa caminhada aqui na terra. A Eucaristia é a presença do Deus vivo correndo nas nossas veias regenerando e purificando o nosso corpo e a nossa alma. Quem come a carne e bebe o sangue de Jesus tem a vida eterna. Esta é, portanto, a vontade do nosso Pai que está nos céus! – Você tem percebido a ação da Palavra de Deus na sua vida? – Em que a Palavra tem lhe modificado? – Qual a sua percepção sobre a Eucaristia? – Você crê nas palavras de Jesus?  Então, o seu futuro está garantido.

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

 

03:50 · 17.04.2018 / atualizado às 10:43 · 17.04.2018 por

Resultado de imagem para Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim nunca mais terá sede”.Naquele tempo, a multidão perguntou a Jesus: ”Que sinal realizas, para que possamos ver e crer em ti? Que obras fazes? Nossos pais comeram o maná no deserto, como está na Escritura: ‘Pão do céu deu-lhes a comer’”. Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade vos digo, não foi Moisés quem vos deu o pão que veio do céu. É meu Pai que vos dá o verdadeiro pão do céu. Pois o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo”. Então pediram: “Senhor, dá-nos sempre desse pão”. Jesus lhes disse: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim nunca mais terá sede”.

Reflexão – “O verdadeiro pão do céu é Jesus”

 

“Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim nunca mais terá sede”! Precisamos nos colocar numa perspectiva espiritual para entendermos as palavras de Jesus.  Ele fala ao nosso coração e não à nossa mente ou ao nosso entendimento humano.  O verdadeiro pão que alimenta a nossa alma e mata a nossa fome vem do céu e nos é dado pelo próprio Pai.  Jesus é o pão que desceu do céu, o pão que foi providenciado pelo Pai para nos dar a vida eterna.  O pão da vida é Jesus a quem nós experimentamos na Palavra e na Eucaristia e que hoje nos alimenta e sustenta a nossa caminhada espiritual. Naquele tempo, a multidão pedia a Jesus um sinal como o que ocorrera no deserto no tempo de Moisés, quando caiu do céu o “maná”, como alimento. O povo atribuía a Moisés o milagre que acontecera, no entanto, como disse Jesus, o verdadeiro pão nos é dado pelo próprio Pai.  Muitas vezes, nós também como aquela multidão pedimos a Jesus um sinal que nos faça ter o entendimento do céu e desejamos ter comunhão com o Pai. Contudo, a Palavra e a Eucaristia são o grande sinal do céu para nós. Na verdade, nós somos muito felizes, pois temos acesso ao verdadeiro Pão que vem do céu para saciar a nossa fome e a nossa sede de Deus. Comungando o Corpo e o Sangue de Jesus e meditando com a Sua Palavra nós estamos entrando em comunhão plena com o próprio Deus e nos fortalecendo com a seiva do Seu Amor. –  Você entende agora qual é o alimento que nos dá a vida eterna?   – O que você tem feito para provar deste Pão? –  Você tem se abastecido da Palavra do Senhor todos os dias? – Com que frequência você tem alimentado a sua alma? – Você sente a necessidade de se alimentar com o Corpo e o Sangue de Jesus?

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

03:50 · 16.04.2018 / atualizado às 09:30 · 16.04.2018 por

Resultado de imagem para Esforçai-vos não pelo alimento que se perde, mas pelo alimento que permanece até a vida eternaDepois que Jesus saciara os cinco mil homens, seus discípulos o viram andando sobre o mar. No dia seguinte, a multidão que tinha ficado do outro lado do mar constatou que havia só uma barca e que Jesus não tinha subido para ela com os discípulos, mas que eles tinham partido sozinhos. Entretanto, tinham chegado outras barcas de Tiberíades, perto do lugar onde tinham comido o pão depois de o Senhor ter dado graças. Quando a multidão viu que Jesus não estava ali, nem os seus discípulos, subiram às barcas e foram à procura de Jesus, em Cafarnaum.

Quando o encontraram no outro lado do mar, perguntaram-lhe: “Rabi, quando chegaste aqui?” Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade, eu vos digo: estais me procurando não porque vistes sinais, mas porque comestes pão e ficastes satisfeitos. Esforçai-vos não pelo alimento que se perde, mas pelo alimento que permanece até a vida eterna, e que o Filho do homem vos dará. Pois este é quem o Pai marcou com seu selo”. Então perguntaram: “Que devemos fazer para realizar as obras de Deus?” Jesus respondeu: “A obra de Deus é que acrediteis naquele que ele enviou”.

Reflexão – “o alimento que perdura”

 

Jesus recriminava a multidão que o procurava, porque não percebia nos milagres que Ele realizava o sinal de Deus que o enviara a terra para a remissão dos pecados.  A maioria se apegava somente ao que Jesus podia lhe proporcionar física e materialmente e corria de um lado e outro buscando saciar a sua fome. No entanto, Jesus tentava lhes mostrar que tudo o que lhes acontecia era apenas uma consequência do que era operado no interior dos seus corações.  A multidão hoje, também persegue os sinais de prosperidade, de poder, de ganhar alguma coisa. Quantas vezes nós vemos as pessoas se aproximarem da Igreja nos momentos de provação quando enfrentam alguma enfermidade ou quando precisam de um emprego, quando estão com a situação financeira precária e passam por dificuldades, porém, depois que encontram conforto e segurança elas se afastam e voltam à mesma vidinha de antes. Não perseveram na busca da salvação para suas almas, não buscam as coisas do alto. Desde aquele tempo Jesus já nos advertia: “Esforçai-vos não pelo alimento que se perde, mas pelo alimento que permanece até a vida eterna e que o Filho do homem vos dará!”  O alimento que perdura até a vida eterna só será encontrado se permanecermos fiéis a Jesus. Jesus é o alimento que permanece até a vida eterna e só Ele pode saciar a nossa fome de verdade e de justiça.  A multidão que continua procurando Jesus, está no mundo, envolvida com as coisas materiais e passageiras, com felicidades efêmeras, com momentos de euforia e não percebe que para encontrar Jesus, nós precisamos apenas nos dirigir a Ele que habita no mais profundo do nosso coração, lá onde está o nosso espírito.  Basta para nós a graça de pararmos em nós mesmos, penetrando no nosso eu mais profundo para encontrar o autor das obras que nos fazem felizes.     Qual é o alimento que você tem buscado no mundo? – Em sua opinião, este alimento serve para o corpo ou para a alma? – O homem é corpo e alma, onde poderemos encontrar um alimento que traga a unidade entre as duas partes do nosso ser? – O que você entende sobre o selo que o Pai marcou em nós? – Aonde e quando você recebeu esta marca?

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

 

07:59 · 15.04.2018 / atualizado às 10:05 · 15.04.2018 por

Naquele tempo, os dois discípulos contaram o que tinha acontecido no caminho, e como tinham reconhecido Jesus ao partir o pão. Ainda estavam falando, quando o próprio Jesus apareceu no meio deles e lhes disse: “A paz esteja convosco!” Eles ficaram assustados e cheios de medo, pensando que estavam vendo um fantasma. Mas Jesus disse: “Por que estais preocupados, e por que tendes dúvidas no coração? Vede minhas mãos e meus pés: sou eu mesmo! Tocai em mim e vede! Um fantasma não tem carne, nem ossos, como estais vendo que eu tenho”. E, dizendo isso, Jesus mostrou-lhes as mãos e os pés. Mas eles ainda não podiam acreditar, porque estavam muito alegres e surpresos. Então Jesus disse: “Tendes aqui alguma coisa para comer?” Deram-lhe um pedaço de peixe assado. Ele o tomou e comeu diante deles. Depois disse-lhes: “São estas as coisas que vos falei quando ainda estava convosco: era preciso que se cumprisse tudo o que está escrito sobre mim na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos”. Então Jesus abriu a inteligência dos discípulos para entenderem as Escrituras, e lhes disse: “Assim está escrito: ‘O Cristo sofrerá e ressuscitará dos mortos ao terceiro dia, e no seu nome serão anunciados a conversão e o perdão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém’. Vós sereis testemunhas de tudo isso”.

Reflexão – “a Marca da ressurreição de Jesus é o Espírito Santo gravado em nós”

 

Aparecendo mais uma vez aos Seus discípulos Jesus lhes recorda o que dizem as Escrituras sobre Ele, para que eles pudessem apreender a veracidade de tudo que estava escrito. Eles, porém, na sua fraqueza, alimentavam a dúvida no seu coração e ficavam assustados diante da proximidade de Jesus. Por isso, Jesus lhes disse: “Por que estais preocupados, e por que tendes dúvidas no coração?” Meditando nas aparições de Cristo ressuscitado diante dos apóstolos, nós podemos nos situar nas diversas situações da nossa vida quando Jesus também se aproxima de nós e nos interpela, nos questiona, com o intuito de esclarecer as nossas dúvidas. Jesus se aproxima de cada um de nós em momentos específicos da nossa vida pessoal, mas, também se dirige a nós quando estamos reunidos em comunidade ou em família. Ele sempre vem nos trazer paz e alimento. Ele conhece as nossas limitações, os nossos medos, as nossas angústias e as nossas preocupações. Por meio da Sua Palavra Ele quer imprimir em nós o vínculo da fé e nos recorda os grandes feitos que já estão escritos no Livro da nossa Vida, antecipando até o que ainda irá acontecer. Porém, Ele não quer que nos amofinemos nem tampouco que fiquemos aflitos com as Suas investidas. De fato, por que ainda nos afligimos? Por que ainda somos desconfiados (as) diante das propostas que Deus nos faz? A nossa humanidade pecadora e volúvel nos leva a negar a fé nas intervenções de Deus nas horas em que somos provados. Entretanto, o Senhor vem e abre a nossa inteligência para que percebamos, em nós, a Marca da Sua ressurreição que é o Espírito Santo gravado dentro do nosso coração. Ele tem poder para extirpar tudo quanto em nós é racional e humano a fim de que possamos abrir os olhos e entender as coisas que Jesus nos fala por meio da Sua Palavra. É nesses momentos, que conseguimos tocar a paz que Jesus veio nos dar. Jesus vem também como alimento para saciar a nossa fome espiritual e nos dar a certeza de que não caminhamos sozinhos. A Palavra e a Eucaristia são os sinais mais concretos de que Jesus não é um fantasma, mas está bem vivo e ressuscitado e nós somos as testemunhas do grande milagre de amor. Quando comungamos o Corpo e o Sangue de Jesus podemos também escutá-Lo dizer: “Vede minhas mãos e meus pés: sou Eu mesmo! Tocai em mim e vede!”    – Você tem experimentado da paz de Jesus?Por que será que Jesus depois de ressuscitado falou tantas vezes em comer, partiu o pão, sentou-se para fazer refeições? Procure pensar um pouco e perceba o que o Espírito Santo lhe revela! – O momento da refeição na sua casa é um momento importante? – Como você tem se assentado para comer com os seus? – O que significa para você refeição, alimento, partilha? 

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

10:11 · 14.04.2018 / atualizado às 10:03 · 15.04.2018 por

Ao cair da tarde, os discípulos desceram ao mar. Entraram na barca e foram em direção a Cafarnaum, do outro lado do mar. Já estava escuro, e Jesus ainda não tinha vindo ao encontro deles. Soprava um vento forte e o mar estava agitado. Os discípulos tinham remado mais ou menos cinco quilômetros, quando enxergaram Jesus, andando sobre as águas e aproximando-se da barca. E ficaram com medo. Mas Jesus disse: “Sou eu. Não tenhais medo”. Quiseram, então, recolher Jesus na barca, mas imediatamente a barca chegou à margem
para onde estavam indo.

 

 

 

 

Reflexão – “vento forte e mar agitado”

 

A imagem do vento forte e do mar agitado nos leva a refletir sobre os momentos na nossa vida em que achamos que iremos sucumbir em vista das tribulações. Tudo se torna escuro à nossa volta e não temos capacidade para distinguir o que pode estar tão perto de nós. Na escuridão não enxergamos uma saída para os nossos problemas. Já remamos muito, já tentamos tudo, no entanto, não sentimos paz e entramos em desespero. A margem, isto é, a solução, já está bem próxima de nós, no entanto, nos angustiamos por causa do vento. Mas, é justamente nesses momentos, que precisamos parar para perceber os sinais de Deus. Jesus não nos esqueceu!  Ele chega à nossa vida “andando sobre as águas”, vencendo as nossas dificuldades empunhando na mão a vitória que conquistou para nós. Mesmo assim, às vezes, não acreditamos na Sua intervenção e O confundimos com as pessoas comuns, por isso, temos medo. Se pararmos para pensar, na maioria das vezes em que isto nos acontece também estamos indo para o “mar”, sozinhos, isto é, assumindo compromissos, em hora imprópria, por nossa conta. Muitas vezes nós entramos na “barca”, e enfrentamos os trabalhos e tomamos as decisões sem esperar por Jesus. Não estamos orando, não refletimos a Sua Palavra e queremos resolver tudo sozinhos (as)!  Assim sendo, remamos por conta própria e a tempestade é consequência das nossas deliberações equivocadas e as coisas não dão certo porque estamos confiando em nós mesmos (as). Escolhemos estar sozinhos (as), talvez porque não nos importemos muito em saber a opinião de Deus, se é hora para ir ou para ficar. Na maioria das vezes nos antecipamos e traçamos os nossos planos, os nossos projetos sem esperar pelas sugestões do Espírito Santo que conhece melhor o caminho pelo qual vamos cruzar. Então o inesperado acontece: durante o percurso que escolhemos o mar encontra-se agitado e a tempestade nos surpreende. O vento nos tira do sério e ficamos aflitos (as) e angustiados (as). Não nos apercebemos, porém, que Jesus está por perto e espera que olhemos para Ele, que confiemos na Sua autoridade sobre as tempestades da nossa vida.  Mesmo que passemos por borrascas não precisamos mais nos angustiar, já estamos perto da praia, o pior vai passar e Jesus já vem ao nosso encontro, recebe a nossa barca e a coloca em lugar seguro. –  Alguma vez você já viveu essa situação?  – Você reconhece a voz de Jesus no meio do mundo? – Você também tem enfrentado as dificuldades, sozinho (a)? – Você leva sempre Jesus na sua barca ou algumas vezes O tem esquecido na praia? –Você confunde Jesus com as pessoas do mundo?

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

03:56 · 13.04.2018 / atualizado às 10:16 · 13.04.2018 por

Naquele tempo, Jesus foi para o outro lado do mar da Galileia, também chamado de Tiberíades. Uma grande multidão o seguia, porque via os sinais que ele operava a favor dos doentes. Jesus subiu ao monte e sentou-se aí, com os seus discípulos. Estava próxima a Páscoa, a festa dos judeus. Levantando os olhos, e vendo que uma grande multidão estava vindo ao seu encontro, Jesus disse a Filipe: “Onde vamos comprar pão para que eles possam comer?” Disse isso para pô-lo à prova, pois ele mesmo sabia muito bem o que ia fazer. Filipe respondeu: “Nem duzentas moedas de prata bastariam para dar um pedaço de pão a cada um”.

Um dos discípulos, André, o irmão de Simão Pedro, disse: “Está aqui um menino com cinco pães de cevada e dois peixes. Mas o que é isso para tanta gente?” Jesus disse: “Fazei sentar as pessoas”. Havia muita relva naquele lugar, e lá se sentaram, aproximadamente, cinco mil homens. Jesus tomou os pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, tanto quanto queriam. E fez o mesmo com os peixes. Quando todos ficaram satisfeitos, Jesus disse aos discípulos: “Recolhei os pedaços que sobraram, para que nada se perca!” Recolheram os pedaços e encheram doze cestos com as sobras dos cinco pães, deixadas pelos que haviam comido. Vendo o sinal que Jesus tinha realizado, aqueles homens exclamavam: “Este é verdadeiramente o Profeta, aquele que deve vir ao mundo”. Mas, quando notou que estavam querendo levá-lo para proclamá-lo rei, Jesus retirou-se de novo, sozinho, para o monte.

Reflexão – “a bênção e a providência do Pai” “

 

Neste Evangelho Jesus nos ensina a pedir a bênção e a providência do Pai para que  os poucos recursos que possuímos e desejamos sejam multiplicados, na certeza de que já fomos atendidos. Dessa forma, o milagre da multiplicação dos pães e dos peixes nos revela o poder que Deus possui sobre as dificuldades da nossa vida e como Ele age quando colocamos sob o Seu olhar as nossas necessidades e as carências das pessoas com as quais convivemos. Tomando os pães e depois os peixes, Jesus deu graças a Deus e os distribuiu àqueles que estavam sentados à espera da Sua providencia. Tudo quanto nós colocarmos sob o olhar amoroso do Pai, confiando na Sua Misericórdia, com o coração agradecido, também irá prosperar em nossas mãos, se, o nosso objetivo for de partilhar a nossa colheita. Por isso, Jesus também nos ensina a ter para com os mais necessitados um olhar zeloso que enxerga as suas deficiências. Jesus punha os Seus discípulos à prova a fim de medir a generosidade daqueles que caminhavam com Ele.  Ele sabia que a multidão faminta não poderia apreender os mistérios do Pai e, ao mesmo tempo, exercitava os Seus discípulos a não se omitirem diante dos desafios e a se colocarem a mercê da providência do Pai. “Onde vamos comprar pão para que eles possam comer?”   Jesus não se importou com os argumentos desanimados dos Seus discípulos e se valeu de um menino que trazia cinco pães e dois peixes.  Isto para nos ensinar que todos nós, mesmo os mais pequeninos, temos algo nas mãos que poderá ser colocado sob as bênçãos de Deus Pai e frutificar. Como ordenou aos apóstolos, Jesus hoje também nos ordena: “Fazei sentar as pessoas!”  Quando nos assentamos e nos aquietamos, em família, em comunidade e colocamos o pouco que temos nas mãos de Deus, quando juntamos os nossos poucos dons e os oferecemos ao Senhor o milagre acontece. Cada um de nós tem seu papel no diálogo, na compreensão, na serenidade, na partilha do amor. Quando nós nos colocamos nas mãos do Pai e nos dispomos a partilhar o que temos, com amor, Ele multiplica suas graças de provisão e nunca nos faltará nada. –  Você tem colocado o pouco que possui sob a benção do Pai? –  Você agradece antecipadamente a Deus pelo que ainda irá receber? – Você tem vivido isto na sua família? – Você já percebeu na sua casa o que cada um tem para oferecer? – Vocês costumam sentar-se para fazer uma avaliação das suas possibilidades colocadas nas mãos de Deus? 

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

03:53 · 12.04.2018 / atualizado às 10:27 · 12.04.2018 por

“Aquele que vem do alto está acima de todos. O que é da terra, pertence à terra e fala das coisas da terra. Aquele que vem do céu está acima de todos. Dá testemunho daquilo que viu e ouviu, mas ninguém aceita o seu testemunho. Quem aceita o seu testemunho atesta que Deus é verdadeiro. De fato, aquele que Deus enviou fala as palavras de Deus, porque Deus lhe dá o espírito sem medida. O Pai ama o Filho e entregou tudo em sua mão. Aquele que acredita no Filho possui a vida eterna. Aquele, porém, que rejeita o Filho não verá a vida, pois a ira de Deus permanece sobre ele”.

Reflexão – “a vida eterna desde já”

 

Mais uma vez, no Evangelho, Jesus nos convida a vivenciar as coisas do alto, desde já, e nos dá testemunho de Deus e do Seu grande Amor por nós, que se concretizou com a Sua Morte e Ressurreição.  Assim sendo, Ele mesmo afirma que está acima de todos e pode falar para nós das coisas do céu, pois foi o único que veio do céu.  Subindo para o céu Jesus abriu para nós as portas da vida eterna.  Portanto, todo aquele que aceita o testemunho de Jesus acolhe a verdade de Deus e tem em si o Seu Espírito, porém,   quem rejeita o testemunho de Jesus não consegue penetrar nos mistérios de Deus. Só Jesus pode nos falar conforme as palavras de Deus e somente Ele pode nos dar testemunho do que viu e ouviu do Pai. Sob a luz do Espírito Santo de Deus e, quando paramos de raciocinar, tudo se torna mais simples e podemos acreditar no que Jesus nos diz: “Aquele que acredita no Filho possui a vida eterna e aquele, porém, que rejeita o Filho não verá a vida!” Aí então, nós começaremos a “enxergar” as coisas do céu. A vida eterna começa aqui para aquele (a) que cultiva no seu coração a percepção das coisas santas, dos mistérios de Deus. Quanto mais nos aprofundarmos no conhecimento de Deus, mais nos apropriaremos das realidades do céu e poderemos começar a viver a vida eterna desde já. –  Como você encara a realidade do céu? – Você consegue perceber quando o céu se abre na sua vida? – Como você tem vivido mais: no corpo ou no espírito? – O que predomina em você: o céu ou a terra? – Pense um pouco sobre isto e peça ao Espírito Santo que revele a você os Seus mistérios.

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

04:27 · 11.04.2018 / atualizado às 09:00 · 11.04.2018 por

Resultado de imagem para a luz veio ao mundo, mas os homens preferiram as trevas à luz,Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna. De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele. Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, porque não acreditou no nome do Filho unigênito. Ora, o julgamento é este: a luz veio ao mundo, mas os homens preferiram as trevas à luz, porque suas ações eram más. Quem pratica o mal odeia a luz e não se aproxima da luz, para que suas ações não sejam denunciadas. Mas quem age conforme a verdade aproxima-se da luz, para que se manifeste que suas ações são realizadas em Deus.


Reflexão – “Jesus foi enviado para salvar o mundo e não para condená-lo!”

 

A luz esclarece, a luz tira da ignorância, a luz dá o Norte, dá a direção e a fé em Jesus Cristo é o meio mais eficaz para que nos aproximemos da luz de Deus. Por isso, São João neste Evangelho dá testemunho de Jesus Cristo esclarecendo que diferentemente do que o mundo nos determina, Jesus Cristo veio com a Sua Luz para nos fazer enxergar que, justo para Deus Pai é que todos nós encontremos o caminho da salvação e da conversão. Diante dos erros humanos o mundo prega a condenação e a exclusão das pessoas e, muitas vezes, até a morte. No entanto, o nosso Pai quer que todos nós alcancemos a vida eterna, que nos foi conquistada pelo Seu Filho Jesus Cristo. Jesus é a Luz do mundo e quem nele crer não ficará nas trevas.  Jesus não veio ao mundo para condenar as nossas más ações, mas justamente para nos ajudar a não mais cometê-las, pois Ele foi enviado para salvar o mundo e não para condená-lo.   Quem rejeita a Luz vive nas trevas e é condenado pelas suas próprias obras.  Portanto, quem não crê em Jesus pratica o mal porque não se aproxima da Sua Luz, vive nas trevas porque não adere ao Seu projeto de Salvação. Quem não crê em Jesus e dele não se aproxima, rejeita a luz e tem medo de que a verdade seja revelada porque as suas ações são más. Contudo, se confiamos em Jesus, as nossas boas ações serão evidenciadas porque serão realizadas pelo poder do Seu Espírito Santo.  A Palavra de Deus nos assegura tudo isso. Ainda há tempo para que o mundo seja salvo. Ajudemos, portanto, a iluminá-lo com a luz de Deus que recebemos no nosso Batismo. – O que você entende por “irradiar a luz de Deus”? – Como é que nós podemos iluminar o mundo com a Luz de Cristo? – Qual a virtude que mais revela ao mundo a luz de Jesus em você? – Você crê em Jesus como Luz para a sua vida? – Você tem tido a coragem de ficar debaixo da Luz, embora que a sua verdade seja descoberta? – Qual seria o primeiro passo para você fazer isto?

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO