Busca

Categoria: Política


03:55 · 27.06.2017 / atualizado às 03:55 · 27.06.2017 por

Esta terça-feira, 27, é um dia importante para o Governo do Ceará.

Em Paris, onde chegou ontem à noite procedente de Frankfurt, na Alemanha, o governador Camilo Santana tem dois compromissos importantes.

Um deles é uma reunião com a diretoria do Instituto Pasteur, uma das maiores e mais conceituadas instituições de saúde do mundo.

O Instituto Pasteur pode vir a ser o grande parceiro da Fiocruz e do governo cearense, que estão construindo uma fábrica de vacinas no Polo Industrial de Saúde do Eusébio, aqui na Região Metropolitana de Fortaleza.

Essa parceria tem muita chance de dar certo.

Outra reunião do governador Camilo Santana é com diretores da empresa aérea Air France KLM, sócia da brasileira Gol Linhas Aéreas Inteligentes, que poderia  interessar-se pela instalação de um centro de distribuição de voos (hub) no aeroporto Pinto Martins.

Ontem, segunda-feira, Camilo Santana e o secretário de Desenvolvimento Econômico, que o acompanha, conheceu todas as instalações do Aeroportode Frankfurt, operado pela Fraport, a mesma empresa que venceu o leilão de concessão  do Aeroporto de Fortaleza, cuja gestão assumirá no fim do próximo mês de julho.

04:22 · 23.06.2017 / atualizado às 04:22 · 23.06.2017 por

Para fazer um raio-x do cenário político e econômico do Ceará, economistas e executivos de grandes empresas cearenses reuniram-se em um almoço, em Fortaleza.

No meio deles, estava um diretor do Banco do Nordeste, que surpreendeu os presentes com a revelação de que o BNB enfrenta problemas para conceder financiamento ao setor privado.

A causa é a falta de projetos de qualidade, explicou ele.

No decorrer da conversa, os economistas e executivos convergiram para uma constatação: a estabilidade fiscal do Governo do Ceará, que hoje se registra, é fruto de um grande trabalho desenvolvido ao longo dos últimos 30 anos e iniciado na primeira das três gestões do governador Tasso Jereissati.

Mas eles também constataram que os investimentos do Governo cearense precisam de ser mais e melhor avaliados para que se evitem os problemas que hoje existem, como o da construção do Acquário da Praia de Iracema e a compra das tuneladoras da Linha Leste do Metrofor, que há mais de dois anos se deterioram.

E, para concluir, eles mandaram um recado ao Palácio da Abolição: a governança e a boa gestão precisam avançar mais do que já avançou.

04:10 · 23.06.2017 / atualizado às 04:10 · 23.06.2017 por

Estão avançando as obras de construção da nova sede da Agência Reguladora dos Serviços Públicos Delegados do Ceará (Arce).

Esse prédio chama a atenção pela sua arquitetura, muito semelhante à dos prédios destinados ao serviço público nos 27 estados do Brasil e no seu Distrito Federal.

A nova sede da Arce, que estará concluída em setembro no Cambeba, é um prédio grande, mas com a promessa de que será sustentável, pois utilizará o máximo que puder a luz solar, além do reúso da água. Ele dará também “correta destinação aos resíduos sólidos”.

Ora, resíduo sólido é o novo nome do lixo, e a destinação correta do lixo é função básica não só das repartições públicas, mas de qualquer cidadão.

O que se quer da Arce é que ela cumpra a sua missão de vigiar as empresas para as quais foram delegados os serviços públicos, como a geração e a distribuição de energia elétrica e o transporte de passageiros.

Hoje, a Arce ocupa dois andares de um edifício nas dunas da Praia do Futuro, em Fortaleza.

03:54 · 19.06.2017 / atualizado às 03:54 · 19.06.2017 por

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso voltou à cena política, e voltou em alto estilo.

FHC está sugerindo ao presidente Michel Temer – envolvido nas delações premiadas na Lava Jato – que faça um gesto de grandeza e antecipe a realização das eleições gerais, previstas pela Constituição para o próximo ano de 2018.

Para os que sabem ler as mensagens de Fernando Henrique Cardoso, o que ele quer mesmo é retornar ao Palácio do Planalto, onde viveu durante 8 anos.

FHC é um animal político, que tem um olho neste Brasil de cegos.

Ele está a enxergar um vazio de lideranças políticas.

Lula, que sempre foi e é o seu grande adversário, está, juntamente com o PT, envolvido também nas delações da Lava Jato.

FHC mirou no espelho, amou o que viu e se projetou, descobrindo-se que, mesmo aos 85 anos de idade, tem a chance de governar outra vez o Brasil, sendo aquele salvador da Pátria que a sociedade está procurando.

Se essa estratégia vai dar certo, ninguém sabe, pois será necessário combinar com os russos das urnas.

09:27 · 17.06.2017 / atualizado às 09:27 · 17.06.2017 por

Joesley Batista, um dos dois donos da JBS (o outro é seu irmão Wesley), está de volta.

Ele concedeu uma entrevista à revista Época, em que afirma que o presidente Michel Temer é o chefe da maior e mais perigosa organização criminosa em ação no País.

Joesley agrava a situação de Temer, causado mais um “fato novo” que pode levar Temer à renúncia, algo que ele já reiterou que não fará, ou ao impeachment.

Dessa organização criminosa fazem parte os assessores mais diretos de Temer, como Gedel Vieira Lima, Moreira Franco, Eduardo Cunha e Henrique Alves, estes dois últimos presos pela Operação Lava Jato.

Mas Batista envolve também o PT na sua nova delação – desta vez sem prêmio, o que ajuda a barafundar o cenário político, agravando a crise da economia, que segue paralisada.

Aguardam-se “fatos novos” na próxima semana.

 

 

 

09:58 · 14.06.2017 / atualizado às 09:58 · 14.06.2017 por

As delações premiadas da Operação Lava Jato chagaram ao Ceará.

De acordo com executivos da Odebrecht, que são os delatores, aconteceu o seguinte:

Em 2005, ou seja, há 12 anos, houve cartelização no processo de licitação promovida pelo governo cearense para a construção das obras do Eixão das Águas, o canal que liga o Castanhão ao sistema de açudes que abastecem Fortaleza.

Essa cartelização teria beneficiado a Odecreht.

Para que tudo saísse conforme o combinado entre as empreiteiras, foi necessário pagar propinas a altos funcionários do governo do Estado, como diz o Ministério Público Federal.

Neste momento, o MPF no Ceará toma as medidas necessárias para apurar toda a verdade.

Por sua vez, o Governo estadual quer que tudo se esclareça logo para que fique provado que a licitação foi correta e que não houve cartelização. E os acusados, por sua vez, estão a repetir a mesma narrativa: a de que os delatores estão mentindo.

Bem, o povo cearense está, como todo o povo brasileiro, decepcionado com tanta corrupção, mas torce para que, pelo menos aqui no Ceará, a Lava Jato seja apenas uma miragem.

04:34 · 13.06.2017 / atualizado às 04:34 · 13.06.2017 por

As grandes obras públicas do Peru, um país latino-americano que faz fronteira com o Brasil, eram executadas, tradicionalmente, pela construtora brasileira Odebrecht.

Pois bem: na segunda-fera, 12, em Madri, capital da Espanha, o presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, reuniu a imprensa para anunciar que sua viagem àquele país europeu tem como objetivo chamar as empresas construtoras da Espanha para assumirem – por meio de licitação – todas as obras que a Odebrecht vinha executando.

Kuczynski foi claro: os brasileiros da Odebrecht perderam a confiança do governo e do povo do Peru, pois corromperam, por meio do pagamento de propinas, as autoridades peruanas.

Vejam só que estrago fez a Odebrecht não só no Brasil, mas nos demais países onde atuava.

04:57 · 06.06.2017 / atualizado às 04:57 · 06.06.2017 por

Começa nesta terça-feira, 6, às 19 horas, o julgamento da chapa Dilma-Temer, que pode ser cassada pelo TSE.

Se isso vier a acontecer, o presidente Temer será afastado do cargo e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, assumirá a presidência da República por 30 dias, ao fim dos quais o Congresso Nacional, com 81 senadores e 513 deputados, elegerá um novo presidente para cumprir o restante do mandato, para tirar o Brasil da crise e para prepara-lo para a eleição de 2018.

A pergunta que se faz é esta: quem será esse presidente tampão?

Será o deputado Rodrigo Maia, que está citado nas delações da Lava Jato?

Nesta hora de aguda crise, o Brasil descobre-se sem um líder de ficha limpa e com a competência, a honestidade e o caráter acima de quaisquer suspeitas exigidos para a função.

Esse líder deve existir, mas está escondido, com medo de encarar tanta responsabilidade.

Constata-se, pois, que estamos diante de uma verdade assustadora: a de que não há líderes.

Sendo assim, só nos resta esperar pela eleição de 2018, quando surgirá a oportunidade de cassar, pelo voto, toda a maioria da classe política que está aí e substitui-la por outra, jovem, sem resquícios com a mais tênue corrupção.

Temos de mudar o País, mas para isso temos, primeiro, de eleger novos políticos.

Vamos atrás deles.

04:55 · 01.06.2017 / atualizado às 04:55 · 01.06.2017 por

Uma notícia da área política que repercute na érea da economia:

Antônio Palocci, ex-ministro dos governos Lula e Dilma, está finalizando um acordo de delação premiada com a força-tarefa da Lava Jato.

Mas ele já fez uma pré-delação.

Palocci envolveu, nessa pré-delação, o empresário Abílio Diniz e o grupo francês Casinô, dono da rede de supermercados Pão de Açúcar, e o banco BTG Pactual, do banqueiro André Esteves, que já esteve envolvido nos primeiros momentos da Lava Jato.

Entre políticos e empresários, ouve-se o seguinte: a delação do fim do mundo não foi a da Odebrecht, nem a da JBS.

Será a de Antônio Palocci.

04:08 · 30.05.2017 / atualizado às 04:08 · 30.05.2017 por

A Lava Jato, maior operação de combate à corrupção que o mundo já viu, subiu ao telhado.

Isto quer dizer que ela corre sério risco de ser ou paralisada por falta de recursos orçamentários, que já foram reduzidos, ou inviabilizada por causa de filigranas jurídicas.

A nomeação do novo ministro da Justiça, Torquato Jardim, que já foi ministro do TSE, levanta a suspeita de que será trocado o alto comando da Polícia Federal, que faz as investigações da Lava Jato.

O novo ministro disse, em entrevista um dia antes de ser convidado para o cargo, que estudará a possibilidade de mudar o diretor-geral da PF.

Tudo isso porque a Lava Jato chegou ao Palácio do Planalto, ou seja, chegou ao presidente Temer, flagrado e gravado numa conversa nada republicana com o empresário Joesley Batista, dono da JBS.

O mais íntimo assessor de Temer, deputado federal Rodrigo Rocha Loures, também do PMDB, foi filmado carregando uma mala cheia de dinheiro. Loures é na verdade suplente do deputado Osmar Seraglio,  que trocará de ministério com Torquato Jardim, que ocupa o Ministério da Transparência.

Serraglio no ministério de Temer significa foro privilegiado para Rocha Loures, que, suspenso da função parlamentar por decisão do  STF, pode fazer uma delação premiada e contar o que sabe.

Contar, por exemplo, a quem ele entregou o dinheiro que recebeu da JBS.

Só a investigação da Policia Federal poderá esclarecer.

Então, parece que a tarefa agora é impedir que prossiga mais essa investigação da Lava Jato.

Infelizmente, assim é, e continua sendo, o Brasil.