Busca

Categoria: Política


05:04 · 20.10.2017 / atualizado às 05:06 · 20.10.2017 por

Uma informação que o blog apurou nos corredores da Federação das Indústrias, segunda-feira, 16, e durante a festa do Pinheiro Supermercados, na última quarta-feira, 18, no RioMar Fortaleza:

As eleições do próximo ano poderão apresentar surpresas aqui no Ceará.

Nos meios empresariais, correm as seguintes informações:

1) O governador Camilo Santana poderá trocar sua reeleição pela candidatura ao Senado Federal em uma chapa que terá Cid Gomes como candidato a governador;

2) O senador Tasso Jereissati poderá candidatar-se a governador;

3) Tanto Tasso Jereissati quanto os irmãos Ferreira Gomes tentam atrair para o seu respectivo lado o senador Eunício Oliveira e, principalmente, o tempo de tevê que o PMDB tem.

Depois de ouvir tudo isso, a impressão que ficou é a de que a política é mesmo dinâmica, mas aqui no Ceará ela é mais do que isso: é surpreendente e sem limites.

04:46 · 20.10.2017 / atualizado às 04:47 · 20.10.2017 por

O Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs) está completando nesta sexta-feira,20, 108 anos de atividades.

Ele foi criado, em 1909,  com o nome de Inspetoria de Obras Contra as Secas (IOCS); em 1919, seu nome foi mudado para Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas (IFOCS); em 1946, passou a denominar-se Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs).

Foi o Dnocs que construiu as grandes e médias barragens do Nordeste,como Orós (foto). Foi ele também que implantou a rede de estações de pisciculturas da região nordestina.

Também foi o Docs que construiu a base do que é hoje a rede rodoviária e aeroportuária do Nordeste.

O Dnocs foi, durante os anos 60 e 70, a grande universidade do semiárido nordestino, pois dos seus quadros faziam parte os mais renomados engenheiros do País.

Hoje, o Dnocs, que sempre teve sua sede em Fortaleza, está ameaçado de ser extinto ou fundido com a Codevasf.

O Dnocs merece o aplauso dos nordestinos.

04:55 · 13.10.2017 / atualizado às 04:58 · 13.10.2017 por

Atenção, engenheiros e demais funcionários do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs).

O senador Fernando Bezerra Coelho, do PMDB de Pernambuco, apresentou emenda ao projeto de lei 68/2015, sugerindo a fusão do Dnocs com a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf).

O projeto de lei em questão trata do desenvolvimento regional do Nordeste, e nele o senador Fernando Coelho incluiu sua emenda que, na prática, representa mais uma tentativa de extinção do Dnocs, o mais antigo organismo nacional de desenvolvimento da região nordestina.

É o PMDB o partido que hoje comanda o Dnocs.

Sendo assim, bem que o PMDB do Ceará, onde está a sede do Dnocs, poderia levantar-se contra a proposta de sua fusão com a Codevasf.

Mas até agora nenhuma iniciativa nesse sentido tomou o PMDB cearense.

14:41 · 03.10.2017 / atualizado às 14:45 · 03.10.2017 por

Opinião de 10 de cada 10 empresários com os quais este blog conversou nos últimos dias sobre a eleição de 2018 no Ceará: o governador Camilo Santana só não se reelegerá se cometer muitos erros. Um desses erros poderá ser a composição da coligação de partidos que o apoiarão.  Mais do que isso: que nomes comporão a coligação. A Lava Jato terá grave influência nessa composição? Uma chapa só com fichas limpas terá muito mais chances de êxito. Camilo Santana sabe disso. É o eleitorado, também.

08:56 · 01.10.2017 / atualizado às 09:41 · 01.10.2017 por

A economia e a política juntaram-se no Ceará. Ambas com os olhos fixos na eleição geral de 2018.

O presidente da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), Beto Studart, move-se no sentido de viabilizar seu projeto de candidatar-se a um cargo majoritário no pleito do próximo ano – ou vice-governador ou senador, preferencialmente numa chapa liderada pelo governador Camilo Santana.

Para tornar isso possível, ele terá de renunciar à presidência da Fiec, com cujo “núcleo duro” – grupo de influentes presidentes de sindicatos filiados à entidade – tem mantido reuniões frequentes. A esses interlocutores,  deixou vazar a informação de que, antes de renunciar a presidência da Fiec, tentará mudar seu atual estatuto, que foi, muito recentemente, reformado para, entre outras coisas, impedir a reeleição do presidente.

Essa mudança estatutária permitirá a antecipação da eleição do presidente, ou seja, seria descartada a posse do substituto natural do renunciante, o primeiro vice-presidente Alexandre Pereira, que, coincidentemente, é o presidente do PPS no Ceará. Beto Studart já tem os votos necessários à mudança do estatuto – indica o presidente de um dos sindicatos filiados à Fiec.

Isto é o que se passa no endereço da Fiec, na Avenida Barão de Studart, mesma artéria na qual tem domicílio a sede do Governo do Estado do Ceará. No Abolição há também intensos conchavos que têm como foco a eleição do próximo ano.

O governador Camilo Santana, do PT, apoiado pelos irmãos Ferreira Gomes, do PDT, trata de garantir uma tranquila reeleição, para o que tenta costurar uma aliança com o PMDB do senador Eunício Oliveira, que buscará sua reeleição em 2018, e com o PSDB, onde está Studart, ao qual caberia o lugar de vice-governador na grande chapa.

Uma fonte ligada aos Ferreira Gomes revelou a este blog que o lugar de vice na chapa de Camilo “já está acertado para o deputado Zezinho Albuquerque”. A mesma fonte adiantou que Ciro e Cid Gomes já disseram ao governador que a indicação de Zezinho “é imexível”. E adiantou, ainda: Ciro Gomes é contra a presença de Eunício Oliveira na chapa, “mas poderá ser a favor de Beto Studart para o Senado”.

Nas rodas políticas e empresariais, há uma certeza: Camilo Santana e Beto Studart estão mais unidos do que nunca – na política e na economia.

Resumo: os próximos dias serão quentes nos dois endereços da Avenida da Abolição.

06:57 · 14.09.2017 / atualizado às 06:57 · 14.09.2017 por

Nesta quinta-feira, 14, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, cujo mandato terminará no próximo domingo, 17, apresentará hoje a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer.

Janot acusará Temer de obstrução de justiça e organização criminosa.

O chefe da PGR apoia sua denúncia em investigação da Polícia Federal, que levantou e desenhou todo o organograma do que ela considera ser uma Organização Criminosa (Orcrim) chefiada pelo próprio presidente da República e da qual fazem parte seus ministros Elizeu Padilha e Moreira Franco, o ex-ministro Geddel Vieira Lima, preso na Papuda, em Brasília, seu ex-assessor Rocha Loures e o ex-deputado Eduardo Cunha, preso em Curitiba.

A denúncia de Janot será encaminhada à presidência do Supremo Tribunal Federal, que a enviará à apreciação da Câmara dos Deputados, que decidirá se aceita ou não a segunda denúncia – a primeira foi rejeitada.

 

 

07:00 · 12.09.2017 / atualizado às 07:00 · 12.09.2017 por

Agora, o que este blog vem dizendo como uma hipótese torna-se uma perigosa ameaça.

O ministro do Planejamento, Dyogo de Oliveira, disse ontem em São Paulo o seguinte: “Estamos prestes a não pode pagar a Previdência”.

Por que? Simplesmente porque, anualmente, a despesa com esse pagamento sobe R$ 50 bilhões.

O ministro resumiu assim a situação: ou o Congresso Nacional aprova a reforma da Previdência, ou não haverá dinheiro para investimentos.

Dyogo de Oliveira fez essa grave advertência ao falar no 14º Fórum de Economia da FGV – Fundação Getúlio Vargas.

Os aposentados, que imaginavam um futuro tranquilo, estão agora mais do que preocupados. Estão começando a desesperar-se.

Os deputados e senadores precisam agir rápido, se quiserem obter a reeleição.

05:07 · 05.09.2017 / atualizado às 05:07 · 05.09.2017 por

Recordemos:

No mês de maço de 1987,  Tasso Jereissati, ao tomar posse do Governo do Ceará, deparou-se com o caos.

E para dar um só exemplo desse caos, o blog lembra que, naquela época, a folha de pagamento dos funcionários do Governo cearense consumia 120% de toda a sua receita tributária.

Ou seja, todo o esforço arrecadatório do governo não era suficiente sequer para pagar os seus servidores.

Tasso Jereissati fez um radical ajuste fiscal: demitiu funcionários ociosos, fechou repartições, renegociou contratos e pôs a casa em ordem.

Hoje, e desde 1987, as contas do Governo do Ceará mantêm-se em ordem.

O Brasil enfrenta o caos: a folha dos servidores públicos federais consome os 100% da receita tributária, e não há dinheiro para investimento.

Solução: um ajuste fiscal radical.

Acontece que as corporações que tomaram conta do Estado brasileiro são contra essa reforma.

E a maioria dos senadores e deputados, também.

Quer dizer, a solução para a crise brasileira depende dos políticos que estão aí. Resumo: comeles (há as exceções que confirmam a regra) é difícil consertar o Brasil.

05:33 · 01.09.2017 / atualizado às 05:33 · 01.09.2017 por

A crise política, econômica, ética e moral por que passa o País é tão grave, que a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), lança a partir desta ssexta-feira, 1/9, uma Campanha de Oração Pelo Brasil.

A campanha se estenderá até o próximo dia 7, quando se celebrará mais um aniversário da independência.

A CNBB está pedindo que os católicos de todo o País não apenas façam orações ao longo dos próximos sete dias, mas ainda sugere que, no dia 7 de setembro, eles se submetam a um jejum semelhante ao que é respeitado na Semana Santa.

Como este blog tem dito e repetido, a solução das crises política e econômica depende da ação dos deputados federais e senadores, que, primeiro, precisam reencontrar-se com os melhores padrões da moral e da ética, o que parece difícil.

De qualquer maneira, vamos orar e jejuar pelo bem do Brasil.

04:16 · 30.08.2017 / atualizado às 04:16 · 30.08.2017 por

Desde terça-feira, 29/8, a presidência da Câmara dos Deputados, uma das duas casas legislativas do Congresso Nacional, está sendo ocupada por André Fufuca.

Vale repetir: André Fufuca.

Ele é deputado do PP do Maranhão e integrava a chamada força tarefa do deputado Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados, cassado por corrupção, preso em Curitiba pela Operação Lava Jato e condenado pelo juiz Sérgio Moro a mais de 9 anos de prisão.

O deputado Fufuca também é vinculado ao senador José Sarney, que é réu na Lava Jato.

Ele está no comando da Câmara porque, sendo seu primeiro vice-presidente, substitui Rodrigo Maia, que assumiu interinamente a Presidência da República tendo em vista a viagem de Michel Temer à China.