Economia: a hora da extrema-unção