Egídio Serpa

Busca


Professores ou sofredores temporários?

Publicado em 15/02/2008 - 14:45 por | 57 Comentários

Categorias: Educação

  • Enviar para o Kindle

Leiam o seguinte comentário que acaba de ser postado pelo leitor deste blog Epaminondas Magalhães Saraiva, residente em Baturité: “Sou pai de aluno da escola pública e venho relatar o seguinte: Começou a ” via crucis” dos professores temporários do Estado. Enquanto os efetivos tiveram seus salários atualizados, os acima mencionados, apesar de terem trabalhado o mês de janeiro, ainda esperam ansiosos para receber seu pagamento. Cabe lembrar que eles receberam o primeiro salário de 2007 com quatro meses de atraso. Os mesmos são denominados pelos alunos de ‘sofredores temporários’. Pergunto: como é possível dar um salto na qualidade da educação se os profissionais são tratados desta forma pelo sistema? Como os mesmos farão para elevar a auto estima dos nossos filhos se os próprios não possuem condições de sentirem a própria.? Como eles fazem para sustentar os próprios filhos? Eles necessitam de uma voz que os defenda. E acho que vocês da imprensa são as pessoas mais indicadas, pois acredito na seriedade dos que fazem o Diário do Nordeste.”

Comentários

Josué Pereira de Sousa

em 15 de fevereiro de 2008

Caro editor, o que o Epaminondas Magalhães Saraiva comenta é a realidade, já passei por isso, quando ensinava no Liceu de Marancanaú como professor temporário no ano de 1999 à 2002. A burocracia do estado ainda é muito grande, para publicar o contrato no diário oficial demora em médio de dois a três meses e profissional têm que ir todos os dias para dar suas aulas, pagando transporte, gastando roupa e calçado e ainda tendo que e alimentar a ele e sua família, sem falar que quando vai receber o salário imposto devora em torno de 20% do bruto no caso do acumulado.Ora nobre editor será que tudo isso não repercute no ensino e no aprendizado dos alunos?É preciso portanto encontrar mecanismo que diminua o sofrimento desses professores, sentar na mesa SEDUC, SINDICATOS, MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO, e a partir daí sair uma solução.

josuesousasousa@bol.com.br

Josué Pereira de Sousa

em 15 de fevereiro de 2008

Caro editor, o que o Epaminondas Magalhães Saraiva comenta é a realidade, já passei por isso, quando ensinava no Liceu de Marancanaú como professor temporário no ano de 1999 à 2002. A burocracia do estado ainda é muito grande, para publicar o contrato no diário oficial demora em médio de dois a três meses e profissional têm que ir todos os dias para dar suas aulas, pagando transporte, gastando roupa e calçado e ainda tendo que e alimentar a ele e sua família, sem falar que quando vai receber o salário imposto devora em torno de 20% do bruto no caso do acumulado.Ora nobre editor será que tudo isso não repercute no ensino e no aprendizado dos alunos?É preciso portanto encontrar mecanismo que diminua o sofrimento desses professores, sentar na mesa SEDUC, SINDICATOS, MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO, e a partir daí sair uma solução.

josuesousasousa@bol.com.br

cícero viana da silva

em 16 de fevereiro de 2008

É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.

cícero viana da silva

em 16 de fevereiro de 2008

É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.
É uma vergonha.

Luiz Alcides

em 16 de fevereiro de 2008

Realmente é uma vergonha e não é só nas escolas públicas, mas também nas universidades estaduais. Na UVA até o dia 31/05/08 mais de 30 profesores subistitutos terão seus contratos encerrados, vale ressaltar queestestambém não tiveram direito aos 20% de aumento que os efetivos tiveram e teram que fazer concurso novamente (se tiver) para continuarem. Quando o governo do Ceará vai acabar com essa prática IMORAL.

Luiz Alcides

em 16 de fevereiro de 2008

Realmente é uma vergonha e não é só nas escolas públicas, mas também nas universidades estaduais. Na UVA até o dia 31/05/08 mais de 30 profesores subistitutos terão seus contratos encerrados, vale ressaltar queestestambém não tiveram direito aos 20% de aumento que os efetivos tiveram e teram que fazer concurso novamente (se tiver) para continuarem. Quando o governo do Ceará vai acabar com essa prática IMORAL.

Victor Cintra

em 16 de fevereiro de 2008

O Governo do Estado do Ceará continua a procrastinar (delongar, demorar, adiar…) a reimplantação dos salários reais dos professores da UECE. De uma vez contraria dois princípios democrático-jurídicos: irredutibilidade de alimentos (salários) e desobediência a uma decisão da Suprema Corte de Justiça do país (STF). Conseguiu, desse modo, entristecer e desanimar os vivos que sustentam a base intelectual da Universidade e desamparar as famílias dos 118 mortos pelo caminho da insensatez (oposto à razão) e desídia (inércia mental) governamentais. Governantes que se anunciam como inquilinos do mal!

Victor Cintra

em 16 de fevereiro de 2008

O Governo do Estado do Ceará continua a procrastinar (delongar, demorar, adiar…) a reimplantação dos salários reais dos professores da UECE. De uma vez contraria dois princípios democrático-jurídicos: irredutibilidade de alimentos (salários) e desobediência a uma decisão da Suprema Corte de Justiça do país (STF). Conseguiu, desse modo, entristecer e desanimar os vivos que sustentam a base intelectual da Universidade e desamparar as famílias dos 118 mortos pelo caminho da insensatez (oposto à razão) e desídia (inércia mental) governamentais. Governantes que se anunciam como inquilinos do mal!

Josué Pereira de Sousa

em 9 de março de 2008

Em 1999, fui chamado pelo Crede 01(Maracanaú) para ser lotado na disciplina de Filosofia como Professor temporário, apesar de ser concursado, fiquei trabalhando como professor de Filosofia, Sociologia, na Escola Estadual Liceu de Maracanaú, até ser nomeado em 2002. No mesmo ano fui lecionar na Escola Raimundo Tomaz e Ana Bezerra de Sá, Aquiraz e Eusébio respectivamente, sendo que no Eusébio dois anexos um no Jabotí e o outro em Pedras. Observem como é difícil um professor ser lotado em escolas próximo a sua residência, praticamente tive que trabalhar em três Municípios diferentes para conseguir ser lotado, meu desgaste foi tão grande que não estava aguentando mais e numa oração a Deus clareou uma luz, abrindo as portas para um cargo de Coordenador de Gestão na escola Caic Maria Felício Lopes no bairro Serviluz, onde através de uma seleção e entrevista passei seis meses. Novamente abriu-se mais uma oportunidade, dessa vez na Escola Virgílio Távora, também como Coordenador de Gestão, onde passei mais seis meses, até a época em que houve seleção e eleição para Diretor de Escola, conseguindo ser aprovado na seleção e ser eleito com oitenta por cento dos votos pela comunidade escolar. onde estou até hoje, graças à Deus.

Josué Pereira de Sousa

em 9 de março de 2008

Em 1999, fui chamado pelo Crede 01(Maracanaú) para ser lotado na disciplina de Filosofia como Professor temporário, apesar de ser concursado, fiquei trabalhando como professor de Filosofia, Sociologia, na Escola Estadual Liceu de Maracanaú, até ser nomeado em 2002. No mesmo ano fui lecionar na Escola Raimundo Tomaz e Ana Bezerra de Sá, Aquiraz e Eusébio respectivamente, sendo que no Eusébio dois anexos um no Jabotí e o outro em Pedras. Observem como é difícil um professor ser lotado em escolas próximo a sua residência, praticamente tive que trabalhar em três Municípios diferentes para conseguir ser lotado, meu desgaste foi tão grande que não estava aguentando mais e numa oração a Deus clareou uma luz, abrindo as portas para um cargo de Coordenador de Gestão na escola Caic Maria Felício Lopes no bairro Serviluz, onde através de uma seleção e entrevista passei seis meses. Novamente abriu-se mais uma oportunidade, dessa vez na Escola Virgílio Távora, também como Coordenador de Gestão, onde passei mais seis meses, até a época em que houve seleção e eleição para Diretor de Escola, conseguindo ser aprovado na seleção e ser eleito com oitenta por cento dos votos pela comunidade escolar. onde estou até hoje, graças à Deus.

Flaviana A. Nobrega

em 17 de março de 2008

È um verdadeiro absudo o que os professores temporários vem passando no estado do Ceará, às vezes fico pensando no nosso futuro, o que será dos futuros professores idosos, sem garantia nenhuma. A educação precisa de uma verdadeira revolução.

Flaviana A. Nobrega

em 17 de março de 2008

È um verdadeiro absudo o que os professores temporários vem passando no estado do Ceará, às vezes fico pensando no nosso futuro, o que será dos futuros professores idosos, sem garantia nenhuma. A educação precisa de uma verdadeira revolução.

Lingua Ferina

em 23 de março de 2008

Tão doidos? Devem se dar por felizes serem terceirizados, terem um trabalho e ainda querem receber dinheiro por isto? São uns impatriotas perdulários. A Silvana já disse que tem mais um bilhão no caixa. Tio Patinhas tá adorando o banho matinal no cofre.

Lingua Ferina

em 23 de março de 2008

Tão doidos? Devem se dar por felizes serem terceirizados, terem um trabalho e ainda querem receber dinheiro por isto? São uns impatriotas perdulários. A Silvana já disse que tem mais um bilhão no caixa. Tio Patinhas tá adorando o banho matinal no cofre.

Francisco Tulherias

em 25 de abril de 2008

Sou professor de Física temporário e sinceramente não acredito em nenhum desses paliativos que aplicam à educação deste país.
Somos um classe desmoralizada, despreparada e e muitíssimo mal remunerada.

O reflexo de todas estas mazelas já fazem-se sentir na sociedade que em seu bojo abriga gerações e gerações de indivíduos que sequer são capazes de realizar as 4 operações aritméticas, quanto mais interpretar um texto.

Educação é tema estratégico o qual afeta a soberania nacional, deixá-la portanto de joelhos é de interesse dos grandes barões desse feudo chamado brasil, interessados em manter uma plebe ignorante e capaz apenas de realizar o trabalho escravo no chão de suas fábricas e senzalas.

Contudo parece que uma porção das massas já está entrevendo que somente através da Educação seus segmentos poderão, um dia, libertar-se desta situação. Já concebe que seus filhos oriundos da escola pública são mui despreparados para a vida e para o mercado de trabalho. O resultado é que as comunidades já começam a questionar e creio que em um determinado momento histórico ocorrerá uma começão geral da sociedade e só assim o sistema político terá que mudar essa educação.

O efetivo de temporários é muito superior ao dos efetivos, penso que deveria haver uma greve de temporários, porém acho muito difícil, porque não há nenhuma articulação quanto a isso.

Ocorre também uma grande desunião e não tenho conhecimento por parte de funcionários efetivos inclusive professores de sensibilizarem-se pela causa dos temporários (já estão garantidos mesmo).

Esquecem-se que fazemos parte da mesma engrenagem e ainda que esta possua dentes diferentes, se um deles está deficiente acabará por quebrar e em consequência a engrenagem entra em colapso

Francisco Tulherias

em 25 de abril de 2008

Sou professor de Física temporário e sinceramente não acredito em nenhum desses paliativos que aplicam à educação deste país.
Somos um classe desmoralizada, despreparada e e muitíssimo mal remunerada.

O reflexo de todas estas mazelas já fazem-se sentir na sociedade que em seu bojo abriga gerações e gerações de indivíduos que sequer são capazes de realizar as 4 operações aritméticas, quanto mais interpretar um texto.

Educação é tema estratégico o qual afeta a soberania nacional, deixá-la portanto de joelhos é de interesse dos grandes barões desse feudo chamado brasil, interessados em manter uma plebe ignorante e capaz apenas de realizar o trabalho escravo no chão de suas fábricas e senzalas.

Contudo parece que uma porção das massas já está entrevendo que somente através da Educação seus segmentos poderão, um dia, libertar-se desta situação. Já concebe que seus filhos oriundos da escola pública são mui despreparados para a vida e para o mercado de trabalho. O resultado é que as comunidades já começam a questionar e creio que em um determinado momento histórico ocorrerá uma começão geral da sociedade e só assim o sistema político terá que mudar essa educação.

O efetivo de temporários é muito superior ao dos efetivos, penso que deveria haver uma greve de temporários, porém acho muito difícil, porque não há nenhuma articulação quanto a isso.

Ocorre também uma grande desunião e não tenho conhecimento por parte de funcionários efetivos inclusive professores de sensibilizarem-se pela causa dos temporários (já estão garantidos mesmo).

Esquecem-se que fazemos parte da mesma engrenagem e ainda que esta possua dentes diferentes, se um deles está deficiente acabará por quebrar e em consequência a engrenagem entra em colapso

Alissandra Viana

em 22 de maio de 2008

Sou professora temporária desde o ano 2000. E não tenho muita pespectiva em relação a educação, enquanto durá esta situação de descaso. Nós somos “os tapa-buracos” do Estado. O último concurso realizado (para temporário) foi em 2006 e o praso vence em dezembro. E aí? Qual será nosso destino? Terá concurso? E se tiver será para temporário novamente? Já está mais do que na hora do governo dá valor aos seus professores. Concurso já!

Alissandra Viana

em 22 de maio de 2008

Sou professora temporária desde o ano 2000. E não tenho muita pespectiva em relação a educação, enquanto durá esta situação de descaso. Nós somos “os tapa-buracos” do Estado. O último concurso realizado (para temporário) foi em 2006 e o praso vence em dezembro. E aí? Qual será nosso destino? Terá concurso? E se tiver será para temporário novamente? Já está mais do que na hora do governo dá valor aos seus professores. Concurso já!

Cidália Maria F. Oliveira

em 25 de maio de 2008

Realmente somos mais do que sofredores temporários, alguns colegas e eu graduados em Pedagogia fomos lotados aqui em Mauriti na Escola Lar Pestalozzi desde janeiro, e não recebemos nenhum salário ainda, enquanto gastamos com passagens e outras despesas necessárias para que continuemos trabalhando. Isto só confirma ainda mais o quanto nossa classe é desvalorizada e as políticas educacionais deste país não passam de uma palhaçada.Quando teremos educação de qualidade para todos se o alvo da educação é simplesmente escravizar o professor?Até quando seremos submetidos a esta farsa que corrói nosso país?Que Deus tenha de piedade de nós!

Cidália Maria F. Oliveira

em 25 de maio de 2008

Realmente somos mais do que sofredores temporários, alguns colegas e eu graduados em Pedagogia fomos lotados aqui em Mauriti na Escola Lar Pestalozzi desde janeiro, e não recebemos nenhum salário ainda, enquanto gastamos com passagens e outras despesas necessárias para que continuemos trabalhando. Isto só confirma ainda mais o quanto nossa classe é desvalorizada e as políticas educacionais deste país não passam de uma palhaçada.Quando teremos educação de qualidade para todos se o alvo da educação é simplesmente escravizar o professor?Até quando seremos submetidos a esta farsa que corrói nosso país?Que Deus tenha de piedade de nós!

Cidália Maria F. Oliveira

em 25 de maio de 2008

Queremos menos burocracia e mais valor dentro do Magistério, pois nossa profissão é indispensável para se formar novos profissionais!

Cidália Maria F. Oliveira

em 25 de maio de 2008

Queremos menos burocracia e mais valor dentro do Magistério, pois nossa profissão é indispensável para se formar novos profissionais!

junior

em 26 de julho de 2008

Sou professor TEMPORÁRIO há mais de 4 anos.Todo ano é o mesmo sofrimento, a mesma aflição: passo meses sem receber,porém gasto com transporte e alimentação.No final recebo o vencimento com aquele desconto do imposto de renda que equivale quase a 1 mês de salário.Para complicar ainda mais se a gente deixar de comparecer à escola vem a pressão dos diretores ameaçando colocar outro no seu lugar.UMA COISA É BEM INTERESSANTE,TANTO NA URCA COMO NO CEFET OS PROFESSORES TEMPORÁRIOS ASSINAM O CONTRATO E SÓ SAEM QUANDO TERMINA POR COMPLETO. NO ESTADO (SEDUC) É O CONTRÁRIO,A QUALQUER MOMENTO CHEGA UM EFETIVO E TOMA SEU LUGAR,OU SEJA,MESMO SE VOCÊ ASSINAR UM CONTRATO DE 10 MESES CORRE O RISCO DE PERDÊ-LO A QUALQUER MOMENTO.Estou esperando uma oportunidade para sair dessa humilhação,PORÉM SEMPRE ME PERGUNTO: POR QUE TANTO DESRESPEITO COM OS PROFESSORES? QUAL O INCENTIVO QUE NÓS TEMOS COM ESSA SITUAÇÃO? E A EDUCAÇÃO X QUALIDADE ONDE ESTÁ?E OS ALUNOS? SÃO VÍTIMAS TAMBÉM DESSA SITUAÇÃO. SÓ DEUS MESMO PARA NOS PROTEGER…

junior

em 26 de julho de 2008

Sou professor TEMPORÁRIO há mais de 4 anos.Todo ano é o mesmo sofrimento, a mesma aflição: passo meses sem receber,porém gasto com transporte e alimentação.No final recebo o vencimento com aquele desconto do imposto de renda que equivale quase a 1 mês de salário.Para complicar ainda mais se a gente deixar de comparecer à escola vem a pressão dos diretores ameaçando colocar outro no seu lugar.UMA COISA É BEM INTERESSANTE,TANTO NA URCA COMO NO CEFET OS PROFESSORES TEMPORÁRIOS ASSINAM O CONTRATO E SÓ SAEM QUANDO TERMINA POR COMPLETO. NO ESTADO (SEDUC) É O CONTRÁRIO,A QUALQUER MOMENTO CHEGA UM EFETIVO E TOMA SEU LUGAR,OU SEJA,MESMO SE VOCÊ ASSINAR UM CONTRATO DE 10 MESES CORRE O RISCO DE PERDÊ-LO A QUALQUER MOMENTO.Estou esperando uma oportunidade para sair dessa humilhação,PORÉM SEMPRE ME PERGUNTO: POR QUE TANTO DESRESPEITO COM OS PROFESSORES? QUAL O INCENTIVO QUE NÓS TEMOS COM ESSA SITUAÇÃO? E A EDUCAÇÃO X QUALIDADE ONDE ESTÁ?E OS ALUNOS? SÃO VÍTIMAS TAMBÉM DESSA SITUAÇÃO. SÓ DEUS MESMO PARA NOS PROTEGER…

Ana Jaqueline

em 4 de novembro de 2008

Também sofro disso! Que tal fazermos uma revolução!!! Nós temporários somos tão bons quanto os efetivos e até melhores que muitos. Não dá pra entender tanto desrespeito conosco.

Ana Jaqueline

em 4 de novembro de 2008

Também sofro disso! Que tal fazermos uma revolução!!! Nós temporários somos tão bons quanto os efetivos e até melhores que muitos. Não dá pra entender tanto desrespeito conosco.

Telmo Barroso

em 1 de fevereiro de 2009

Sou professor de matemática, aprovado na seleção de 2006. Gostaria de sugerir a V. Exª. Cid Gomes e aos senhores que valorizam o nosso trabalho, que conciderassem a coerente e justa possibilidade de efetivarem todos os professores temporários graduados e ativos, que tanto tem servido à educação de noosos jovens em todo o Estado do Ceará.
Grato pela sua consideração!

Telmo Barroso

em 1 de fevereiro de 2009

Sou professor de matemática, aprovado na seleção de 2006. Gostaria de sugerir a V. Exª. Cid Gomes e aos senhores que valorizam o nosso trabalho, que conciderassem a coerente e justa possibilidade de efetivarem todos os professores temporários graduados e ativos, que tanto tem servido à educação de noosos jovens em todo o Estado do Ceará.
Grato pela sua consideração!

Telmo Barroso

em 1 de fevereiro de 2009

Sou professor de matemática, aprovado na seleção de 2006. Gostaria de sugerir a V. Exª. Cid Gomes e aos senhores que valorizam o nosso trabalho, que considerassem a coerente e justa possibilidade de efetivarem todos os professores temporários graduados e ativos, que tanto tem servido à educação de noosos jovens em todo o Estado do Ceará.
Grato pela sua consideração!

Telmo Barroso

em 1 de fevereiro de 2009

Sou professor de matemática, aprovado na seleção de 2006. Gostaria de sugerir a V. Exª. Cid Gomes e aos senhores que valorizam o nosso trabalho, que considerassem a coerente e justa possibilidade de efetivarem todos os professores temporários graduados e ativos, que tanto tem servido à educação de noosos jovens em todo o Estado do Ceará.
Grato pela sua consideração!

veleda maria gondim pereira

em 1 de março de 2009

Boa noite,gente sou professora temporaria a 15 anos do estado e ai ,minha situação, como um colega falou,o que sera dos professores idosos sem garantia nenhuma,e um verdadeiro descaso.Agora mesmo não sei se vou estar empregada pois sou pedagoga e o estado acabou e esta acabando com o ensino fundamental 1 pra onde irei, so DEUS pra me ajudar.Agradeço.

veleda maria gondim pereira

em 1 de março de 2009

Boa noite,gente sou professora temporaria a 15 anos do estado e ai ,minha situação, como um colega falou,o que sera dos professores idosos sem garantia nenhuma,e um verdadeiro descaso.Agora mesmo não sei se vou estar empregada pois sou pedagoga e o estado acabou e esta acabando com o ensino fundamental 1 pra onde irei, so DEUS pra me ajudar.Agradeço.

Francisco

em 11 de março de 2009

É interessante a via torturante que nós, professores temporários, temos que percorrer, anualmente nas credes e demais unidades educacionais para sermos lotados. Já perdi a conta de quantas cópias de documentos já entreguei para ser lotado (isso todos os anos e já faz mais de 6 anos). Claro que é uma festa, nos encontrarmos anualmente com os demais colegas (Olá, vc por aqui, há quanto tempo!…).
Mas vejamos a triste realidade. Realmente somos os TAPA BURACOS, e o ministério público deveria se posicionar sobre esta situação, haja vista que contrato temporário deveria ser em casos emergenciais e não virar uma ROTINA no sitema de educação do nosso Estado. Entra governo, sai governo e a celeuma é a mesma.
Fala-se em um concurso público para 4 mil vagas. Ora, segundo pesquisas, existem mais de 9 mil temporários na rede pública estadual de ensino, ou seja, não existe a vontade política de exterminar com esta situação, apenas a de fazer um paleativo, um concurso para dar uma pequena satisfação à comunidade. Fico triste em saber que a profissão que abracei não é valorizada condignamente neste país. E não me venham falar em valorização apenas com tapinhas nas costas, e elogios de parabéns pelo trabalho. Isso deve se refletir também no fator econômico. Senão, iremos todos continuar vendo os lindos índices que o SAEB e o PROVA BRASIL demonstram sobre a nossa educação. Gostaria apenas informar ao nosso Exmo. Sr. Governador do nosso Estado que ele também é um TEMPORÁRIO…

Francisco

em 11 de março de 2009

É interessante a via torturante que nós, professores temporários, temos que percorrer, anualmente nas credes e demais unidades educacionais para sermos lotados. Já perdi a conta de quantas cópias de documentos já entreguei para ser lotado (isso todos os anos e já faz mais de 6 anos). Claro que é uma festa, nos encontrarmos anualmente com os demais colegas (Olá, vc por aqui, há quanto tempo!…).
Mas vejamos a triste realidade. Realmente somos os TAPA BURACOS, e o ministério público deveria se posicionar sobre esta situação, haja vista que contrato temporário deveria ser em casos emergenciais e não virar uma ROTINA no sitema de educação do nosso Estado. Entra governo, sai governo e a celeuma é a mesma.
Fala-se em um concurso público para 4 mil vagas. Ora, segundo pesquisas, existem mais de 9 mil temporários na rede pública estadual de ensino, ou seja, não existe a vontade política de exterminar com esta situação, apenas a de fazer um paleativo, um concurso para dar uma pequena satisfação à comunidade. Fico triste em saber que a profissão que abracei não é valorizada condignamente neste país. E não me venham falar em valorização apenas com tapinhas nas costas, e elogios de parabéns pelo trabalho. Isso deve se refletir também no fator econômico. Senão, iremos todos continuar vendo os lindos índices que o SAEB e o PROVA BRASIL demonstram sobre a nossa educação. Gostaria apenas informar ao nosso Exmo. Sr. Governador do nosso Estado que ele também é um TEMPORÁRIO…

Fabrício

em 22 de março de 2009

Acabei de ser aprovado para professor por mais um concurso REDA feito pelo Governo da Bahia e acabo de saber que os professores do Estado passam meses pra receber o primeiro salário, junto com outros atrasados. Como fica asituação de um pai de família, como pagar transporte, moradia, alimentação, custos pessoais durante esse tempo? Já ganhamos uma merda e ainda tem esse atraso…ia me esquecendo que o leão ainda come boa parte pelo montante, rsrsrsrsr, é uma piada…Que valorização do magistério é essa? È por isso que o país está desse jeito. Prefiro pular fora disso enqunto é tempo

Fabrício

em 22 de março de 2009

Acabei de ser aprovado para professor por mais um concurso REDA feito pelo Governo da Bahia e acabo de saber que os professores do Estado passam meses pra receber o primeiro salário, junto com outros atrasados. Como fica asituação de um pai de família, como pagar transporte, moradia, alimentação, custos pessoais durante esse tempo? Já ganhamos uma merda e ainda tem esse atraso…ia me esquecendo que o leão ainda come boa parte pelo montante, rsrsrsrsr, é uma piada…Que valorização do magistério é essa? È por isso que o país está desse jeito. Prefiro pular fora disso enqunto é tempo

Patricia Leitte

em 16 de abril de 2009

É mesmo temos que focar em soluções e não em problemas,pois eles estão aí é para serem resolvidos…

Patricia Leitte

em 16 de abril de 2009

É mesmo temos que focar em soluções e não em problemas,pois eles estão aí é para serem resolvidos…

bebe

em 27 de junho de 2009

bom eu quero saber se é verdade que vai haver aula nas ferias,pois é uma injustíça com o aluno e prof.

bebe

em 27 de junho de 2009

bom eu quero saber se é verdade que vai haver aula nas ferias,pois é uma injustíça com o aluno e prof.

sem crede sera melhor

em 6 de dezembro de 2009

Sou funicionária da CREDE Maracanaú, e nao sou nem um pouco satisfeita com a politica do lugar,trabalho la apenas pelo dinheiro,Concordo com todas as reclamaçoes vistas nesse blog,mas se vcs chegarem na crede e baixarem a cabeça isso nunca vai mudar,a Adriana pode ate fazer um minimo, se sentir pressionada pelos professores,mas o Jose Claudio é o maior problema da crede 01, braço direito da Adriana , ele é um dos atraso da crede 1,a logistica que ele aplica é ultrapassada,jegue,corrupta,cabestral e covarde,ele manda os outros fazer o serviço sujo dele,sera que ninguem percebe que tem corrupçao nas credes?.Há professor que nunca recebeu o passcard,mas mesmo assim ta sendo descontado e tem salário atrasado a 4 ,5 meses.Mas se todos os profesores prejudicados ligassem em massa para o telefone 155 (ouvidoria) e falasse sua historia em anonimo,ou passasse email para (SOU) http://sou.secon.ce.gov.br/publico/Inicial.aspx talvez a politica das credes mudasse, as credes precisam das escolas e nao o contrario,uma outra coisa que é errado na crede sao as exigencias imposta sendo que eles nao estao em posiçao de fazer tanta exigencia,efim a politica das CREDES ainda é aquela de cabresto, temos que lembrar que eles dependem dos professores e escolas sem escola nao tem CREDE.Vamos ensinar a esse povo com o refrao da musica do Cazuza

Vamos pedir piedade
Senhor, piedade
Pra essa gente careta e covarde(Adriana,Claudio,mumias do SEDUC)
Vamos pedir piedade
Senhor, piedade
Lhes dê grandeza e um pouco de coragem

A crede so tem covarde e inclusive eu tbm sou covarde por nao poder me identificar, mas se todo mundo se rebelar contra as credes eu mostro meu nome com muito prazer.

sem crede sera melhor

em 6 de dezembro de 2009

Sou funicionária da CREDE Maracanaú, e nao sou nem um pouco satisfeita com a politica do lugar,trabalho la apenas pelo dinheiro,Concordo com todas as reclamaçoes vistas nesse blog,mas se vcs chegarem na crede e baixarem a cabeça isso nunca vai mudar,a Adriana pode ate fazer um minimo, se sentir pressionada pelos professores,mas o Jose Claudio é o maior problema da crede 01, braço direito da Adriana , ele é um dos atraso da crede 1,a logistica que ele aplica é ultrapassada,jegue,corrupta,cabestral e covarde,ele manda os outros fazer o serviço sujo dele,sera que ninguem percebe que tem corrupçao nas credes?.Há professor que nunca recebeu o passcard,mas mesmo assim ta sendo descontado e tem salário atrasado a 4 ,5 meses.Mas se todos os profesores prejudicados ligassem em massa para o telefone 155 (ouvidoria) e falasse sua historia em anonimo,ou passasse email para (SOU) http://sou.secon.ce.gov.br/publico/Inicial.aspx talvez a politica das credes mudasse, as credes precisam das escolas e nao o contrario,uma outra coisa que é errado na crede sao as exigencias imposta sendo que eles nao estao em posiçao de fazer tanta exigencia,efim a politica das CREDES ainda é aquela de cabresto, temos que lembrar que eles dependem dos professores e escolas sem escola nao tem CREDE.Vamos ensinar a esse povo com o refrao da musica do Cazuza

Vamos pedir piedade
Senhor, piedade
Pra essa gente careta e covarde(Adriana,Claudio,mumias do SEDUC)
Vamos pedir piedade
Senhor, piedade
Lhes dê grandeza e um pouco de coragem

A crede so tem covarde e inclusive eu tbm sou covarde por nao poder me identificar, mas se todo mundo se rebelar contra as credes eu mostro meu nome com muito prazer.

joao

em 5 de janeiro de 2010

A crede 01 – Maracanaú tem um sistema de politica antigo,O Cabresto.A forma de seleção para o Art. 4 é fraudulenta,fica apenas quem os funcionarios da crede quer.Sei de pessoas que estao trabalhando la dentro da propria crede 01 que tem quase a familia toda dentro da SEDUC,NADA MENOS NADA MAIS do QUE: PAI,TIA E MAE É O CASO DO SENHOR DIEGO MAGALHAES REIS,que era professor de laboratorio ou melhor galã de laboratorio,pois ele ja deu em cima de todas as rabudas da escola que trabalhava e ate onde sei isso é antiético e crime pois as alunas sao menores de idade e atualmente ele trabalha no suporte tec. da crede 01 maracanau,sabe-se la como ele conseguiu passar na prova da seduc para assumir o cargo de tec de informática,claro que papaizim facilitou.O senhor claudio é outro Don Juan cabeça chata do ceara nada menos nada mais ja teve envolvimento com duas funcionarias ligada diretamente ao seu trabalho,Francisca e Girlene,atualmente a girlene trabalha ao lado dele quase em cima da mesa dele e isso resulta me beneficios pessoais para a girleme e queima de dinheiro publico,pois a girlene é tercerizada mas a Hilux vai busca-la em sua casa pela manha em quanto que boa parte dos concursados vao trabalhar de buzao.tem mais,os professores temporarios tem que deslocar para a puta que paril para fazer um exame de seleçao e ainda passar por uma baita humilhçao,por que o corno do claudio e a vadia da adriana cintia nao desloca as bancadas para as escolas dos municipios que os professores irao ser lotados….Meu povo vamos pegar a porra do tel 155 e denunciar esses porcos, embora nao der em nada pelo menos vamos dar dor de cabeça a esses marajas.

Marcio

em 10 de janeiro de 2010

Patricia Leite, a soluçao é fazer um baixo assinado contra a crede ou ir no ministerio publico ou televisao para denunciar as coisas erradas que existem nas credes,mas para isso acontecer precisamos ter coragem.

Nileide Andrade

em 28 de janeiro de 2010

Concordo em quase td que li, nos depoimentos dos colegas de profissão.Sou formada em Química UFRN leciono há 20 anos, antes de qualquer coisa é inadimissivel erros de ortografia, como os que encontramos aqui nos comentários, outra coisa não podemos nos acomodar e só reclamar, buscar novos caminhos.Estou no Amapá , onde sou funcionária pública desde 1997, hoje trabalho no Timor-Leste,na missão de Cooperação da CAPES.Vamos a luta!

Luiza Pires

em 8 de março de 2010

Concordo e assino em baixo de todos os depoimentos publicados até aqui. Além de tudo que li, acima, acrescento também, as humilhações e discriminação que sofre o professor temporário em relação aos fixos e gestores da escola; sem falar na discriminação por idade por parte dos alunos, gestores e colegas professores da rede oficial.

Joao Paulo

em 30 de março de 2010

O pior de toda essa nossa realidade é saber que o pagamento referente ao mês de fevereiro que já foi lançado no diario oficial de 22/02/2010 só vai sair em maio.
E a Seduc nos informou por telefone que estamos com sorte!!!
“Devo chorrar ou rir nesse momento”?
Ass: João Paulo,Professor(sofredor) Temporário do Estado do Ceará.

joão Ricardo

em 19 de abril de 2010

Sou esposo de uma professora contratada do Estado do Ce. Na cidade de Dep.Irapuan Pinheiro.Gostaria de saber em que forma é feito os contratos dos professores e se esses contratos estão insentos das leis brasileiras.Porque minha esposa que nunca precisou dos serviços médico e de hontem para hoje descobriu uma enfermidade que precisa ser tratada e segundo a direção da escola,lhe disse que depois que ela retorna terá que pagar esses dias.Lhe pergunto Estado do Ceará por lei, eles não cumpre alei?E ela levou o atestado hoje.Em que tempos estamos vivendos?isso é legal?E tem mais todos os feriados os professores desta escola são obrigados a pagar, os feriados em outros dias.

Joao Paulo

em 24 de junho de 2010

A diretora dessa escola está inventando leis situaçoes como essa são resultado de uma pessima gestão!!!

rapha

em 28 de junho de 2010

Estava circulando a informação que os temporários haviam sido beneficiados com a equiparação salarial dos professores temporários aos efetivos em início de carreira, e que isso aconteceria no salário do mês de Junho de 2010, só que tirei meu extrato, e nada!

Carlos

em 23 de julho de 2010

Não há como mudar alguma coisa sem lutarmos ou reclamarmos.A crede 1 – Maracanau ou qualquer outra crede nunca irá fazer nada porque o leme na crede 1 é “Que se foda os professores e diretores e que nao sao babá de ninguem”.Não podemos ter medo da Adriana ou do Claudio, pois bem sabemos que a CREDE nao funciona por conta da má administraçao exercida por essa dupla,temos que falar diretamente com esses dois trapaceiros…o Claudio se faz de santinho mas aqulo é pior do que o cão e temos tambem que reclamar e reivindicar nossos direitos.No CREDE 1 o que mais vejo um bando de chupa ovo,olhe para o Ricardo e será comprovado o que digo,o cara chega nos laboratorios de informatica mandando como se ele estivesse em posiçao de ser o tal,quando na verdade nao passsa de um simples funcionario chupa ovo , quem ele pensa que é com aqueles olhos de quem so anda lombrado e so fala besteira, alem do mais nao sabe nem se expressar,mais parece um analfabeto ou analfaburro.

Paulo

em 19 de agosto de 2010

Fiquei sabendo por um funcionario da CREDE, que a politicagem corre solta dentro desse orgão público.Dentro da CREDE 01 – Maracanau os funcionarios terceirizados é que mandam por la,a funcionaria Girlene,ligada ao gabinete, e o Subalterno Ricardo,Tec. em informatica,estao coagindo os funcionarios efetivos e concursados para votar no Cid Gomes,isso quer dizer que eles nao estao na crede por mérito,mas sim por politicagem.Isso explica o porque do serviço publico não funcionar,até pude conhecer o ricardo ele é incompetente e bruto,na escola E.E.F.M – ENOE BRANDÃO SANFORD,ele fez uma funcionara chorar,já em algumas escolas que ele vai dá assistencia nos laboratorios de informatica,o mesmo nao mostra habilidades profissionais.Entao pergunto como o estado contrata um funcionario que nao tem habilidades para atuar na area que ele é designado,isso é politicagem e muito Q.I,quem indique mesmo.

Socorro Montoril

em 29 de outubro de 2010

Desconheço o Professor Josué que diz lotado na Pestalozzi de Mauriti. Sou Presidente desta Associação e não existe nenhum Professor com esse nome

Maria Elisangela e SOUSA

em 4 de novembro de 2010

E além de tudo isso é a discriminação em relação aos tecnologos que vem oferecendo um olhar diferenciado no que diz respeito a projetos científicos e sendo escravizados, poi ainda recebem muito menos.

anonimo

em 13 de novembro de 2010

hoje dia 12 de novembro de 2010
esta acontecendo uma discriminação,o CID quer aprovar uma lei que para ser professor de escola profissional tem que ser concursado,isso é o fim,pois os professores temporarios tem sim a mesma capacidade que os professores concursados.A escola onde eu estudo,posso dizer,é a maior prejudicada.E os laços que fizemos?e as descobertas que realizamos?e os progetos que tivemos?O CID não percebe isso.O maior problema, é que temos que aguentar calados,pois estamos presos por uma corrente que a sociedade não consegue enchergar

rafaela da silva rodrigues

em 1 de março de 2011

queri fala quer foi o menhor colegio quer eu estudei foi o caic maria felicio lopes quer eu pasei mehoris momento da mia vida tenho boas recordaçao amo de paixao toda as professora quer eu passei colegio otimor

Fulano de Tal dos Anzóis

em 11 de maio de 2011

Anos se passaram desde a publicação dessa nota. Pois bem, eu era temporário naquela época assim como infelizmente ainda sou e afirmo que a situação continua a mesma. Recebemos nosso primeiro ordenado após 03 meses do início do ano letivo. Garanto-lhes que só estou nessa profissão porque não encontro outra solução para sustentar minha família. TENHO VERGONHA EM DIZER QUE SOU PROFESSOR TEMPORÁRIO DO ESTADO!


Autores

Páginas

Editora Verdes Mares Ltda.

Praça da Imprensa, S/N. Bairro: Dionísio Torres

Fone: (85) 3266.9999