Busca

Tag: Agência Nacional de Águas


08:07 · 20.05.2018 / atualizado às 08:08 · 20.05.2018 por

O superintendente de Operações e de Eventos Críticos da Agência Nacional de Águas (ANA), engenheiro Joaquim Gondim Filho, disse ao blog que os açudes públicos existentes no Nordeste têm capacidade para acumular 38 bilhões de metros cúbicos de água.

E revelou que os açudes do Estado do Ceará, sozinhos, têm capacidade para armazenar 18 bilhões de metros cúbicos.

G0ndim elogiou o Governo do Estado, que implementou uma política correta de gestão dos recursos hídricos que é hoje modelo para todo o País, mas voltou a advertir que, diante da crescente dificuldade de água no mundo todo, o Ceará e seu Governo devem acelerar o projeto de instalação de usinas de dessalinização da água do mar.

04:16 · 17.05.2018 / atualizado às 04:18 · 17.05.2018 por

Na terça-feira, 15, o engenheiro Joaquim Gondim Filho (foto), superintendente de Operações e de Eventos Críticos da Agência Nacional de Águas (ANA), fez uma advertência para industriais e agropecuaristas que o ouviram falar na reunião da diretoria plena da Fiec.

Ele disse que o Governo da União, por meio do seu Orçamento Geral, garantirá os recursos necessários à conclusão do Projeto São Francisco de Integração de Bacias e ao início de sua operação.

A partir daí,  porém, as despesas para a manutenção do projeto serão da inteira responsabilidades dos estados beneficiados – o Ceará, o Rio Grande do Norte, a Paraíba e Pernambuco.

Essas despesas ainda não foram estabelecidas, mas o próprio Joaquim Gondim afirmou que elas serão muito altas, principalmente com energia elétrica.

Ele também disse que a água do São Francisco custará caro, muito caro.

Conclusão: se os estados e a União não têm dinheiro para bancar a manutenção do Projeto São Francisco, desconfia-se de que essa conta, mais uma vez, será paga pelo consumidor final, ou seja, por todos nós.

Já se disse que a manutenção dos Canais Leste e Norte do Projeto São Francisco custará, anualmente, entre R$ 500 milhões e R$ 800 milhões.

04:21 · 10.05.2018 / atualizado às 04:23 · 10.05.2018 por

O cenário dos recursos hídricos no Ceará, e no Brasil como um todo, está causando muita preocupação, principalmente no setor produtivo.

Por causa disto, a Federação das Indústrias do Ceará (Fiec) promoverá, durante a reunião de sua diretoria plena, na próxima terça-feira, 15, um debate com o engenheiro Joaquim Gondim Filho, superintendente de Operações e de Eventos Críticos da Agência Nacional de Águas (ANA), e com o também engenheiro Francisco Teixeira, secretário de Recursos Hídricos do Ceará.

Ambos desenharão o panorama hídrico estadual e nacional, visto de hoje e prospectado para o futuro próximo.

A Funceme, que cientificamente acompanha as variações do clima, não foi, estranhamente, convidada para esse debate.

A verdade é que a natureza tem negado as chuvas para a plena recarga dos açudes cearenses, causando preocupação à indústria e à agropecuária.

04:51 · 28.06.2017 / atualizado às 04:51 · 28.06.2017 por

O presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), engenheiro Jerson Kelman, está dizendo que a gestão do Projeto São Francisco de Integração de Bacias não deve ser entregue à Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf).

Jerson Kelman considera que é a Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) o único organismo federal capaz de assumir a gestão do Projeto São Francisco, uma vez que tem hoje a administração de todo o regime de águas da região nordestina, incluindo o próprio rio São Francisco.

O blog pode informar que essa opinião é rechaçada pelos engenheiros do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), a mais antiga repartição pública federal do Nordeste. Para eles, é o Dnocs que deveria tomar a gestão do Projeto S. Francisco por causa de sua expertise.

Eis uma boa polêmica.

04:15 · 19.06.2017 / atualizado às 04:15 · 19.06.2017 por

Decisão da Agência Nacional de Águas (ANA): a partir de amanhã, 20, e todas as terças-feiras, será proibida a captação de água no rio São Francisco para as atividades econômica, principalmente para a agricultura irrigada.

A proibição vale para todo o trecho do rio, desde suas nascentes, em Minas Gerais, até sua foz, entre Alagoas e Sergipe.

A ANA acendeu o sinal vermelho de perigo diante da constatação de que a barragem de Sobradinho está hoje represando apenas 12% de sua capacidade total, que é de 32 bilhões de m³ de água.

A decisão da ANA atingirá diretamente os fruticultores de Petrolina (PE) e Juazeiro (BA), que produzem e exportam manga, uva, melão, melancia, mamão, goiaba, dando emprego a milhares de pessoas.

A proibição valerá até novembro, quando se espera a volta da estação das chuvas nas regiões onde estão os principais afluentes do rio São Francisco.

A notícia é péssima não só para os baianos, sergipanos, alagoanos e pernambucanos, mas também para paraibanos,potiguares e cearenses, beneficiados pelo Projeto S. Francisco de Integração de Bacias, o qual,para alcançar seus objetivos, terá de, primeiro, contar a boa saúde do Velho Chico, hoje seriamente abalada por causa do seu crescente assoreamento e pela destruição de suas matas ciliares e, ainda, pela carência de saneamento básico nas cidades ribeirinhas. que jogam o esgoto in natura na sua calha.

 

 

04:42 · 21.01.2016 / atualizado às 04:43 · 21.01.2016 por

São FranciscoPromete o Governo da União Federal que, até o fim deste ano, ficará pronto e entrará em operação o Projeto São Francisco de Integração de Bacias.

Pois muito bem: até agora, porém, não foi resolvida a questão do aumento da outorga de água do projeto, que prevê a captação de apenas 26,4 metros cúbicos por segundo das águas do rio São Francisco e sua transferência para mais de 300 municípios do semiárido nordestino.

O blog conversou com os deputados federais Raimundo Gomes de Matos (PSDB), presidente da Comissão de Acompanhamento do Projeto São Francisco, e Odorico Monteiro (PT), também interessado na mesma questão.

Os dois disseram que estão fazendo um esforço junto à bancada dos estados beneficiados pelo projeto – Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará – no sentido de reforçar a proposta de que a Agência Nacional de Águas aumente a outorga, pois só 26,4 metros cúbicos de água por segundo são e serão insuficientes para atender à demanda das pessoas, dos animais e das atividades econômicas do semiárido.

Mas essa batalha será difícil de ser vencida, uma vez que Alagoas, Sergipe e Bahia são contra a ideia.

13:17 · 09.10.2015 / atualizado às 13:19 · 09.10.2015 por

ANAA indústria cearense, preocupada com a seca de 2016, já previamente anunciada pela Funceme,  mexe-se.

Afinal, aqui no Ceará há fábricas que usam a agua como matéria-prima, como, por exemplo,  as de cerveja e de refrigerantes.

Na próxima terça-feira, dia 13, às 18 horas, a Federação das Indústrias (Fiec), presidida pelo empresário Beto Studart, promoverá reunião de sua diretoria plena com o presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), engenheiro Vicente Andrade Guillo.

Para essa reunião, estão sendo convidadas também as autoridades da área de recursos hídricos do Ceará.

A Fiec quer saber que soluções alternativas existem para que o setor produtivo industrial não sofra solução de continuidade quando a hora da verdade chegar.

E a hora da verdade é aquela em que a Cogerh anunciar o início de um racionamento de água aqui em Fortaleza, o que está previsto para o próximo ano.

06:48 · 03.03.2012 / atualizado às 06:48 · 03.03.2012 por

Celebraram parceria a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Agência Nacional de Águas.

A ANA vai estudar mecanismos que garantam o acesso das indústrias aos recursos financeiros oriundos da cobrança pelo uso da água.

A indústria diz que quer usar a água com mais eficiência.