Busca

Tag: Dnocs


04:32 · 16.06.2017 / atualizado às 04:32 · 16.06.2017 por

O blog conversou com um engenheiro cearense que se dedica ao estudo dos recursos hídricos.

Pedindo o anonimato, ele teceu alguns comentários a respeito do assunto.

Disse que a gestão dos recursos hídricos no Ceará, feita pela Cogerh, está hoje resumida à cobrança da conta da água ela fornece à Cagece.

Para cobrar essa conta, a Cogerh tem 750 funcionários, que não promovem irrigação, não perfuram poços, não têm atividade de piscicultura e não projetam nem constroem açudes.

O mesmo engenheiro entende que a água que a Cogerh fornece à Cagece deveria chegar a ela a custo zero, uma vez que vem dos açudes do Dnocs, que é um organismo da União.

Depois destes comentários, o engenheiro deixou no ar uma pergunta: para onde vai o dinheiro da conta da água que a Cogerh fornece à Cagece e esta manda às residências, às indústrias, aos hospitais, enfim, a todos os  consumidores?

10:02 · 14.06.2017 / atualizado às 10:02 · 14.06.2017 por

Segundo o engenheiro Cássio Borges, presidente da Academia Cearense de Engenharia, deveria ser o Dnocs o organismo que ficará encarregado de fazer a cobrança da conta da água do Projeto São Francisco de Integração de Bacias.

Mas as informações que chegam de Brasília indicam que isso será feito pela Codevasf.

Como o blog já informou, o custo dessa água será repartido com todos os quatro estados receptores do Projeto São Francisco – Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará.

Esse custo anual está calculado em R$ 500 milhões, devendo caber ao Governo do Ceará algo como R$ 120 milhões.

Boa parte do custo se referirá ao consumo de energia elétrica que movimentará as gigantescas motobombas das estações elevatórias dos canais Norte e Leste do Projeto São Francisco.

Todo esse custo será incluído na conta de todos os consumidores cearenses, potiguares, paraibanos e pernambucanos.

A água do São Francisco já está chegando a várias cidades da Paraíba e de Pernambuco, mas a cobrança da conta ainda não começou.

Aqui no Ceará, a água do Projeto São Francisco só chegará no próximo ano.

04:18 · 09.06.2017 / atualizado às 04:18 · 09.06.2017 por

Este blog retoma um tema recorrete – o Projeto São Francisco de Integração de Bacias, erradamente chamado de Transposição.

O diretor geral do Dnocs, Angelo Guerra, fez uma palestra para os engenheiros da Academia Cearense de Engenharia, cujo presidente é o engenheiro Cássio Borges.

Pois bem: ele assustou o auditório, que o ouvia em silêncio, com uma surpreendente informação, que é a seguinte: o custo de manutenção do Projeto São Francisco, calculado por especialistas da Fundação Getúlio Vargas, será de R$ 500 milhões por ano, grande parte dos quais só com energia elétrica.

Desse total, cerca de R$ 120 milhões caberão ao Governo do Ceará. É muito dinheiro, convenhamos.

Diante de tão alto custo, levanta-se a suspeita de que ele será repassado para o consumidor final,que são as populações que receberão a água do São Francisco.

Isto quer dizer que, quando essa água chegar, trará com ela uma conta salgada.

Então, haverá choro e ranger de dentes.

05:31 · 14.04.2017 / atualizado às 05:31 · 14.04.2017 por

Este blog informou nesta semana que, irregular e misteriosamente, foram instaladas 32 tomadas d’água na área do Distrito Irrigado Jaguaribe-Apodi, o Dirja, localizado no Leste do Ceará e administrado pelo Dnocs.

Quinta-feira, 13, uma fonte do próprio Dnocs disse que essas tomadas d’água irregulares foram instaladas por pessoas que invadiram a área da segunda etapa daquele distrito irrigado.

A mesma fonte adiantou, também, que a Justiça Federal no Ceará já concedeu a reintegração de posse do Dirja ao Dnocs.

Só que, pelo menos até esta sexta-feira, 14, a ordem judicial não havia sido cumprida.

Para o cumprimento dessa decisão, será necessário o apoio da Polícia Militar, o que, por sua vez, depende de autorização do governador do Estado.

Eis o impasse.

04:21 · 01.02.2017 / atualizado às 04:23 · 01.02.2017 por

Uma informação que revela a situação de muita preocupação nos sertões do Ceará por causa da falta de chuvas e do esvaziamento dos seus açudes:

No Perímetro Irrigado do Araras Norte, foram perdidas todas as grandes e pequenas plantações de banana, coco, goiaba e mamão.

Esse perímetro é um dos 14 implantados e administrados pelo Dnocs aqui no Ceará.

Agrônomos que visitaram o Araras Norte voltaram decepcionados com o que viram: tudo seco e tudo abandonado.

Uma pena, pois ali foi investida uma montanha de dinheiro público.

Ou o Dnocs muda seu atual e antigo e obsoleto modelo de irrigação, ou será melhor que encerre suas atividades.

04:09 · 23.08.2016 / atualizado às 04:09 · 23.08.2016 por

Para o governador Camilo Santana, foi uma manobra política que tirou do Governo do Ceará e transferiu para o Dnocs a execução dos projetos emergenciais de combate aos efeitos da seca.

Um desses projetos é o de instalação de adutoras de engate rápido, que deverá beneficiar pelo menos sete municípios cearenses.

Nesse projeto serão investidos R$ 45 milhões.

A pergunta que surge é a seguinte: por que, neste momento de campanha eleitoral, o Ministério da Integração Nacional transferiu do Governo do Ceará, comandado pelo PT, para o Dnocs, custodiado pelo PMDB, uma verba de R$ 45 milhões.

O governador Camilo Santana e seu secretário de Recursos Hídricos, Francisco Teixeira, admitem que essa mudança causará o atraso das obras, prejudicando as populações que precisam urgentemente de água.

Do ponto de vista do blog, essa mudança poderá, porém, dar ao Dnocs a chance de mostrar que ele ainda é aquele organismo especializado no combate à seca e também capaz de administrar bem os recursos liberados para as obras. Mas o Dnocs terá de ser rápido.

Deixemos o tempo correr para ver como tudo terminará.

04:43 · 17.08.2016 / atualizado às 04:44 · 17.08.2016 por

adutorasEste blog conversou com uma autoridade do Governo do Ceará, que transmitiu a informação de que, por decisão do Ministério da Integração Nacional, as obras de execução do projeto de adutoras de engate rápido passarão para a órbita do Dnocs.

Esse projeto vinha sendo até agora executado pela Secretaria Estadual de Recursos Hídricos do Governo cearense.

Surge a pergunta: por que essa mudança?

A mesma fonte da informação acha que isso “é produto de uma manobra política”.

Por isto mesmo, o Governo do Ceará teme, primeiro, que os serviços sofram atraso por causa da mudança; em segundo lugar, que o interesse da política e dos políticos envolvidos no projeto venha a interferir na boa aplicação das verbas, o que exigirá uma permanente fiscalização por parte dos organismos estaduais de recursos hídricos.

Tirando o ciúme do Governo do Estado, que perde o comando do projeto de adutoras de engate rápido, o Dnocs tem a chance de aplicar bem os recursos e fazer tudo em prazo curto e sem qualquer irregularidade.

Afinal, a população precisa de água.

05:12 · 27.07.2016 / atualizado às 05:13 · 27.07.2016 por

garibaldiInfomação que chega ao blog por meio de um deputado federal da bancada cearense:

Será o senador Garibaldi Alves (foto), do PMDB do Rio Grande do Norte, quem indicará o nome do futuro diretor-geral do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas, o Dnocs.

O mesmo deputado, que integra a base política de apoio ao presidente interino Michel Temer no Parlamento, adianta que as demais posições da diretoria do Dnocs serão preenchidas por pessoas a serem indicadas pelo senador cearense Eunício Oliveira, que é o presidente e líder do PMDB do Ceará.

E, para finalizar, o deputado lembrou que o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, anunciou, quando esteve no Cariri, há 15 dias, que as verbas que o seu ministério liberará para o Governo do Ceará, como as do Cinturão das Águas, serão liberadas via Dnocs.

Hoje, essas verbas saem diretamente do Ministério da Integração Nacional para o Tesouro do Ceará.

Não se sabe, ainda, por que haverá essa intermediação do Dnocs.

10:30 · 06.07.2016 / atualizado às 10:32 · 06.07.2016 por

helderO ministro da Integração Nacional, Hélder Barbalho, tem a intenção, já comunicada a alguns políticos cearenses, de fazer transitar pelo Dnocs as verbas que sua pasta vier a liberar para o Governo do Ceará.

Qual será a pretensão do ministro Barbalho ao modificar um sistema que vem funcionando com a precisão de um relógio suíço?

Será que ele deseja burocratizar o que já excessivamente burocratizado?

Ou será que, por trás dessa iniciativa, se esconde um objetivo político, de prejudicar o governo cearense?

O blog lembra que o ministro Hélder Barbalho, filho do senador Jáder Barbalho, é deputado federal, e, como seu pai, é filiado ao PMDB, partido que, aqui no Ceará, faz oposição ao governador Camilo Santana.

Vários projetos do governo do Ceará são apoiados pelo Ministério da Integração Nacional.

Entre esses projetos, está o Cinturão das Águas, cujas verbas têm sido, até agora, liberadas pelo ministério diretamente para o Tesouro do Estado, sem qualquer intermediação do Dnocs.

A ideia de mudar esse sistema levanta dúvidas sobre as reais intenções do ministro Helder Barbalho.

04:10 · 13.05.2016 / atualizado às 04:13 · 13.05.2016 por

Mendonça FilhoOs pernambucanos estão celebrando uma vitória.

Eles conseguiram emplacar três dos 22 ministros do governo do presidente interino Michel Temer.

São eles: Mendonça Filho (foto), novo Ministério da Educação e Cultura;

Raul Jungman, novo ministro da Defesa;

E Bruno Araújo, novo ministro das Cidades.

O principal nome do PMDB cearense, senador Eunício Oliveira, não   quis ser ministro da Integração Nacional para não difiultar seu plano de tornar-se, no início de 2017, presidente do Senado Federal, posição muito mais importante do que a de ministro da Educação, de Cidades ou da Defesa.

Mas é bom acompanhar o jogo da política, pois ele reserva para o Ceará algumas novidades na direção dos diferentes organismos da administração pública federal, como o Dnocs, o Dnit, os Correios e o BNB.