Busca

Tag: energia eólica


04:11 · 22.05.2018 / atualizado às 04:13 · 22.05.2018 por

A Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) está hoje consumindo menos água para gerar energia em sua cascata de barragens, como a de Xingó (foto ao lado)

Esta informação foi transmitida pelo superintendente de Operações e de Eventos Críticos da Agência Nacional de Águas (ANA), engenheiro Joaquim Gondim Filho.

Ele explicou que a geração de energia eólica e solar tem crescido em alta velocidade na região Nordeste, o que levou a Chesf a economizar água de suas hidrelétricas.

Na opinião de Joaquim Gondim, a tendência é de que a geração de energia hidráulica se reduza ainda mais, porque estão crescendo, aceleradamente, os parques de geração de energias alternativas,principalmente a solar e a eólica.

O Nordeste, principalmente o seu sertão, é a morada do sol, enquanto que os grandes bancos de vento estão no seu litoral e nalgumas áreas interioranas, como na Chapada do Apodi e na Serra da Ibiapaba, no Ceará.

Resumindo: parte da água que a Chesf usava para produzir energia no São Francisco está indo, agora, para a agricultura irrigada e para o abastecimento das cidades.

09:37 · 29.03.2018 / atualizado às 09:40 · 29.03.2018 por

O deputado federal Heráclito Forte (foto), do MDB do Piauí, é um daqueles parlamentares que fazem mal à economia do País.

Ele apresentou um projeto de lei, já em tramitação na Câmara dos Deputados, estabelecendo a cobrança de um royalty sobre o uso do vento na geração de energia eólica.

O vento é uma dádiva da natureza. Ele é gratuito.

É ele que move as gigantescas pás dos aerogeradores de energia elétrica.

O deputado Heráclito Forte sabe que sua proposta – vista com desconfiança pelos investidores do setor elétrico – vai onerar os custos da geração eólica, os quais, naturalmente, serão repassados para todos nós, os consumidores.

É por esta e outras ações que a maioria dos políticos está desacreditada.

04:57 · 26.03.2018 / atualizado às 04:59 · 26.03.2018 por

No próximo dia 4 de abril, a Agência Nacional de Eneria Elétrica (Aneel) realizará mais um leilão de energia.

Será o chamado leilão A-4, ou seja, para entrega em quatro anos.

Para esse leilão, foram cadastrados 1.672 projetos de geração de energia, com potência instalada de 48,7 GW.

A fonte de geração eólica mais uma vez liderou o cadastramento, com 931 projetos.

A Bahia, novamente, liderou o ranking com 8,2 GW de energia eólica e 5,2 GW de energia solar.

O Rio Grande do Norte ficou em segundo lugar, com 6,1 GW de energia eólica e 3,3 GW de energia solar.

O Estado do Ceará ficou em terceiro, com uma potência instalada de 3,1 GW de eólica e 1,6 GW de solar.

O mercado de energia eólica estima que o leilão do próximo dia 4 terá um preço de R$ 100 por megawatt/hora para a energia eólica.

04:03 · 14.03.2018 / atualizado às 04:04 · 14.03.2018 por

O engenheiro Adão Linhares (foto), presidente da Câmara Setorial de Energia da Adece, é o novo secretário-adjunto de Energia da Secretaria de Infraestrutura do Governo do Ceará.

Ele substitui o também engenheiro Renato Rolim que na semana passada pediu exoneração do cargo.

Um cargo que quase nada produziu até agora.

Renato Rolim alegou razões pessoais para sair do Governo.

A nomeação de Adão Linhares foi recebida com alegria pelos empresários que atuam no setor de energias renováveis.

Mas um deles advertiu: se o Governo do Estado não der a Adão Linhares as condições para que ela exerça seu trabalho, de nada adiantará sua presença na Seinfra.

Os empresários reclamam que o governo cearense, desde a gestão do governador Cid Gomes, não dá prioridade ao setor de energia.

Em consequência disso, o Ceará perdeu para o Piauí, para Rio Grande do Norte e  para a Bahia a liderança na geração de energia eólica e o protagonismo na energia solar.

04:30 · 09.03.2018 / atualizado às 04:32 · 09.03.2018 por

O engenheiro Renato Rolim (foto), secretário-adjunto de Energia da Secretaria de Infraestrutura do Governo do Ceará, pediu demissão do cargo.

E já saiu dele.

Rolim alegou motivos pessoais, mas o blog apurou que não foi bem assim.

Na verdade, Renato Rolim estava incomodado com o fato de que o Governo cearense não dava a devida atenção ao setor.

E isto é verdade.

Desde a gestão do ex-governador Cid Gomes a geração de energias renováveis – a eólica e a solar – não teve, e não tem no atual governo de Camilo Santana, qualquer prioridade.

Resultado, o Ceará perdeu para o Rio Grande do Norte e para a Bahia a liderança do setor.

E na geração de energia solar, perdeu protagonismo para o Piauí, onde o empresário cearense Mário Araripe – vejam só que ironia – implantou o maior parque eólico do País.

No Piauí, no Rio Grande do Norte e na Bahia, os investidores falam diretamente com o governador ou com o secretário de Energia.

Uma pasta exclusiva para a energia o Ceará não tem.

03:59 · 22.02.2018 / atualizado às 04:00 · 22.02.2018 por

O BNB tem no caixa uma montanha de dinheiro do tamanho de R$ 14,5 bilhões para financiar, neste ano, projetos da área de infraestrutura.

Esta é uma boa notícia para os empresários que desejam investir em projetos de geração de energia solar e eólica, duas matérias-primas que existem em abundância aqui no Nordeste, principalmente no Ceará, que é o domicílio do sol.

Todos esses recursos são provenientes do FNE – o Fundo Constitucional do Nordeste.

Para as demais áreas da economia nordestina, o BNB dispõe de mais R$ 15,4 bilhões.

04:09 · 16.01.2018 / atualizado às 04:11 · 16.01.2018 por

O deputado federal Heráclito Forte (foto), do PSB do Piauí, apresentou um projeto-de-lei considerado absurdo pelos empresários do setor de energia elétrica.

Essa proposta do parlamentar piauiense pretende cobrar royalty do sol e do vento, que são as matérias primas da geração de energia solar e eólica.

O Brasil poderá tornar-se o primeiro País do mundo a taxar o sol e o vento, dádivas da natureza para o bem-estar do homem.

Se esse projeto for aprovado, provavelmente serão suspensos muitos empreendimentos de geração de energia eólica e solar que estão previstos para implantação aqui no Nordeste – no Ceará inclusive.

Parece que os brasileiros têm os políticos que merecem.

04:18 · 10.01.2018 / atualizado às 04:20 · 10.01.2018 por

A representação cearense do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), organismo que integra o Sistema Fiec, abriu inscrições para três importantes cursos que promoverá a partir do fim deste mês em Fortaleza.

Um curso será de montador de sistemas fotovoltaicos para a geração de energia solar.

Outro curso será o de operador desse sistema.

O terceiro curso será o de desenvolvedor do sistema fotovoltaico.

São novas profissões que estão surgindo com o avanço da tecnologia.

A geração de energia solar é a atividade econômica que vem crescendo em alta velocidade no mundo todo.

As energias solar e a eólica são renováveis. E mais: são limpas do ponto de vista ambiental e, do ponto de vista financeiro, estão se tornando mais baratas do que as geradas pelas hidrelétricas.

Isto quer dizer que a energia de fonte fóssil (leia-se o petróleo e o carvão mineral) deixarão de ser usadas em pouco tempo, e o planeta agradecerá quando isso acontecer.

04:33 · 04.01.2018 / atualizado às 04:35 · 04.01.2018 por

Uma informação que chega da área de energia:

Segundo a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, o Estado do Ceará é o único da região Nordeste que exporta energia.

Ou seja, o Ceará produz muito mais energia do que a que consome.

De acordo com a CEE, o  Ceará está gerando hoje 1.208 MW de energia térmica e 951 MW de energia eólica.

Isso dá um total de 2.159 MW, bem mais do que os 1.548 MW que todo o Estado do Ceará consome.

O Ceará tem hoje três usinas termelétricas, duas das quais são movidas a carvão mineral e uma a gás natura.

Agora, um detalhe: a usina siderúrgica do Pecém gera a sua própria energia.

E mais um detalhe: os estados da Bahia e Pernambuco consomem muito mais energia do que geram.

08:16 · 22.12.2017 / atualizado às 08:18 · 22.12.2017 por

Nesta semana, houve dois leilões de energia elétrica.

O primeiro, para entrega da energia em quatro anos; o segundo para entrega em seis anos.

Pois bem, os grandes vencedores do leilão A-4 foram a italiana Enel, que distribui energia em todo o Estado do Ceará e que ficou 44,5% dos 1.386 megawatts leiloados; a espanhola Iberdrola, que arrematou 30%; a portuguesa EDP, que ficou com 13%;

E a Casa dos Ventos, do empresário cearense Mário Araripe, que arrematou nenhum megawatt, mas foi a desenvolvedora de 100% dos projetos de geração de energia eólica arrematados pela Enel e de 30% do que arrematou a EDP.

O consultor em energia Jean Paul Prates diz que as empresas vencedoras são controladas por capital estrangeiro e já estão consolidadas no mercado, tendo por isto mesmo acesso fácil ao financiamento de bancos e fundos de investimento estrangeiros.

Ou seja, elas não dependem do BNDES para obter financiamento.