Busca

Tag: Evangelho de hoje


04:31 · 14.12.2017 / atualizado às 12:13 · 14.12.2017 por

Resultado de imagem para de todos os homens que já nasceram, nenhum é maior do que João BatistaNaquele tempo, disse Jesus à multidão: “Em verdade eu vos digo, de todos os homens que já nasceram, nenhum é maior do que João Batista. No entanto, o menor no Reino dos Céus é maior do que ele. Desde os dias de João Batista até agora, o Reino dos Céus sofre violência, e são os violentos que o conquistam. Com efeito, todos os Profetas e a Lei profetizaram até João. E se quereis aceitar, ele é o Elias que há de vir. Quem tem ouvidos, ouça”.

 

 

 

 

“precisamos ser os novos João Batistas”

 

Referindo-se a João Batista como o maior entre todos os homens que já nasceram Jesus, no entanto, observa que, maior ainda do que ele é todo aquele (a) que possui o reino dos céus.  O reino dos céus sofre a violência da mentalidade do mundo que lhe é contraditória, mas é conquistado justamente por aqueles (as) que são violentos (as), isto é, se opõem ao modo de pensar e julgar pregado por ele. O mundo em que vivemos nos ensina a pensar e agir completamente diferente do que prega o Evangelho de Jesus. Diante disso, podemos, então, fazer uma avaliação se já conquistamos de verdade o reino dos céus, examinando se os nossos pensamentos e ações estão ou não em conformidade com os valores evangélicos. Por conseguinte, se seguimos a cartilha do mundo e pomos em prática o que ele nos orienta estamos sendo covardes e ainda não conquistamos o reino dos céus. Precisamos ser os novos João Batista, ter como ele um espírito desbravador. Ele foi o último profeta do Novo Testamento e veio com o mesmo espírito precursor de Elias abrir para o povo um caminho de conversão e preparar este povo para ser batizado e aceitar a Salvação de Jesus. Portanto, somos também os profetas deste novo tempo e, como eles, fomos convocados a corajosamente bradar ao mundo que a Salvação vem do Senhor.  – Você se considera um grande homem, uma grande mulher? – Você é uma pessoa firme e corajosa no enfrentamento dos “favores” que o mundo lhe tem oferecido? – Você tem dado exemplo, na sua casa e no mundo, de que o reino dos céus já está acontecendo na sua vida?

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

04:06 · 13.12.2017 / atualizado às 13:17 · 13.12.2017 por

Naquele tempo, tomou Jesus a palavra e disse: “Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e vós encontrareis descanso. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”.

 

 

 

 

Reflexão – “Vamos, o Senhor nos chama! 

Neste Evangelho o Senhor convoca a todos (as) nós que nos sentimos cansados (as) e fatigados (as) com o peso das dificuldades da nossa vida e oferece o Seu jugo, isto é a Sua lei que é o amor, a mansidão e a humildade de coração.  Ele quer nos ensinar a viver confiando na Sua proteção para que encontremos descanso para a nossa alma. Quando colocamos os nossos fardos pesados sob o domínio de Jesus eles se tornam leves e suaves. Os fardos que carregamos são, muitas vezes, consequências do pecado que nos encurva e tenta nos escravizar. A nossa humanidade decaída é uma carga pesada e, por mais que nos esforcemos, na maioria das vezes, leva de vencida e nos derruba. O nosso temperamento, o nosso modo de pensar, as nossas irreverências, a nossa rebeldia, impaciência, egoísmo, desamor são as causas maiores do nosso cansaço. Temos cansaço da vida porque cansamos de nós mesmos (as) e, não nos aguentamos mais. “Vinde a mim”, é o convite de Jesus! Não podemos deixar de aceitá-lo, pois é conforto e segurança para nós, durante a nossa caminhada na estrada da vida.   O nosso Salvador está vivo e nos restaura. Não podemos desistir da vida! Vamos o Senhor nos chama!  – Você tem percebido os sentimentos da sua alma, ultimamente? – Você consegue identificar o que tem lhe angustiado e o que tem lhe feito feliz? – Como está a sua disposição, você sente-se cansado (a)? – Você também, às vezes cansa de si mesmo (a)?

 

Helena Colares serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

06:32 · 12.12.2017 / atualizado às 08:38 · 12.12.2017 por

Resultado de imagem para Maria partiu para a região montanhosa,Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judeia. Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou em seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. Com um grande grito, exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu”. Então Maria disse: “A minha alma engrandece o Senhor, e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador”.

 

 

 

Reflexão – “a alegria do encontro!”

 

Deus entregou a Maria a sublime tarefa de ser mãe de Jesus, o Filho do Altíssimo, porque ela acreditou nas palavras do Anjo. No entanto, mesmo diante das promessas de que traria ao mundo o Salvador da humanidade, Maria não ficou somente na glória de ser mãe de Deus! Ela se fez serva, intercessora, auxiliadora e começou a sua missão de mãe da humanidade, quando foi visitar Santa Isabel oferecendo seus préstimos e seus cuidados. Ao encontrar-se com Izabel Maria fez fluir o júbilo do Espírito Santo que habitava no seu seio e exaltou a Deus. Por sua vez ao se deparar com Maria, a mãe de João Batista, Isabel, ficou plena do Espírito Santo e abriu os lábios para saudar a Mãe de Jesus.  A alegria do encontro é, portanto, a grande mensagem que podemos tirar deste Evangelho! Maria, a Bem-aventurada, feliz, cheia de graças, expressou alegria e gratidão! Assim como visitou Isabel, transmitindo a ela e a João Batista, o poder do Espírito, Maria hoje, também nos visita e traz para nós o Seu Menino Jesus, cheio do Espírito Santo que nos ensina a cantar, a louvar, a bendizer a Deus com os nossos lábios. O Espírito Santo é quem nos leva a louvar a Deus e a manifestar gratidão pelos Seus grandes feitos na nossa vida. Seremos também, como Maria, bem-aventurados (as), se acreditarmos nas promessas do Senhor.    Reze com Maria, hoje: “Minha alma glorifica ao Senhor, meu espírito exulta de alegria em Deus meu Salvador, porque olhou para a sua pobre serva. Por isto, desde agora, me proclamarão bem-aventurada todas as gerações, porque realizou em mim maravilhas aquele que é poderoso e cujo nome é Santo! ” Você também se considera bem-aventurado (a)? Você se sente comprometido (a) com Deus? – Você tem usado o Espírito Santo que mora em si para ir à busca daqueles que precisam ser amados e ajudados?
– Imagine-se como Maria visitando hoje alguém que você sabe que está precisando de amor!

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

04:05 · 11.12.2017 / atualizado às 08:39 · 11.12.2017 por

Um dia Jesus estava ensinando. À sua volta estavam sentados fariseus e doutores da Lei, vindos de todas as aldeias da Galileia, da Judeia e de Jerusalém. E a virtude do Senhor o levava a curar. Uns homens traziam um paralítico num leito e procuravam fazê-lo entrar para apresentá-lo. Mas, não achando por onde introduzi-lo, devido à multidão, subiram ao telhado e por entre as telhas o desceram com o leito no meio da assembleia diante de Jesus. Vendo-lhes a fé, ele disse: “Homem, teus pecados estão perdoados”.

Os escribas e fariseus começaram a murmurar, dizendo: “Quem é este que assim blasfema? Quem pode perdoar os pecados senão Deus?” Conhecendo-lhes os pensamentos, Jesus respondeu, dizendo: “Por que murmurais em vossos corações? O que é mais fácil dizer: ‘teus pecados estão perdoados’, ou dizer: ‘levanta-te e anda’? Pois, para que saibais que o Filho do homem tem na terra poder de perdoar os pecados — disse ao paralítico — eu te digo: levanta-te, pega o leito e vai para casa”. Imediatamente, diante deles, ele se levantou, tomou o leito e foi para casa, louvando a Deus. Todos ficaram fora de si, glorificavam a Deus e cheios de temor diziam: “Hoje vimos coisas maravilhosas!”

Reflexão – “somos paralíticos porque somos pecadores!”

Este Evangelho nos leva a compreender que de alguma forma todos nós somos paralíticos, porque todos somos pecadores. O pecado nos paralisa, por isso, todos que estamos paralisados pelo pecado precisamos conhecer a Jesus a fim de que sejamos libertados. Aquele paralítico foi levado pelos amigos para que Jesus pudesse tocá-lo e perdoá-lo. Nós também, precisamos nos aproximar de Jesus, para que Ele nos toque, nos fale e nos perdoe. Quando somos perdoados assumimos uma nova vida e uma nova postura e nos sentimos livres para alçar o livre voo dos filhos de Deus.  A ordem de Jesus ao paralítico chama também a nossa atenção: “Levanta-te, pega o leito e vai para casa! ” Jesus nos perdoa e nos manda voltar para casa, para o seio da nossa família. Nestes tempos difíceis o Senhor está querendo resgatar as famílias e é na nossa casa onde primeiro precisamos espalhar o amor e o perdão que recebemos de Deus.   Somos, a todo o momento, curados por Jesus, para amar. Ele nos tira da paralisia que nos impede de expressar carinho e atenção para com aquelas pessoas que nos são mais preciosas e nos convida a pôr em prática um projeto novo de reconciliação e entendimento junto à nossa família. Pegar o leito significa assumir a vida, os encargos, o jeito de ser e enfrentar a família e o mundo com “outros olhos”. – Você tem tido o cuidado de tornar convincente o projeto de Deus dentro da sua casa? – Você é daqueles (as) que se sentem melhor com os de fora? – Você ainda está paralítico (a)? – Você sente-se preso (a) dentro da sua casa?   – O tempo do Natal é tempo de reconciliação: você precisa se reconciliar com alguém?

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

04:27 · 08.12.2017 / atualizado às 10:22 · 08.12.2017 por

Naquele tempo, no sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, a uma virgem, prometida em casamento a um homem chamado José. Ele era descendente de Davi e o nome da Virgem era Maria. O anjo entrou onde ela estava e disse: “Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!” Maria ficou perturbada com estas palavras e começou a pensar qual seria o significado da saudação. O anjo, então, disse-lhe: “Não tenhas medo, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus. Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi. Ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó, e o seu reino não terá fim”. Maria perguntou ao anjo: “Como acontecerá isso, se eu não conheço homem algum?” O anjo respondeu: “O Espírito virá sobre ti, e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra. Por isso, o menino que vai nascer será chamado Santo, Filho de Deus. Também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na velhice. Este já é o sexto mês daquela que era considerada estéril, porque para Deus nada é impossível”. Maria, então, disse: “Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!” E o anjo retirou-se.

Reflexão – “ O sim de Maria ao Projeto Salvífico do Pai”

Os desígnios de Deus acontecem na nossa vida conforme a Sua vontade, no entanto, é preciso que nós também estejamos dispostos a atendê-Lo, na hora em que Ele nos procurar. Maria foi aquela que soube acolher a vontade de Deus e se dispôs a cumprir a sua missão em conformidade com o que o Anjo lhe anunciou. Por isso, quanto mais meditamos sobre esta passagem do Evangelho mais nos conscientizamos da grande participação de Maria no Projeto Salvífico do Pai. Dentro da história da salvação nós vemos que a primeira EVA disse não a Deus e lhe desobedeceu. Eva representa a humanidade pecadora, desobediente, condenada à morte eterna. Representa a nossa rebeldia que sofre as consequências naturais da tristeza, da raiva, da angústia, da infelicidade. É o retrato da humanidade sempre fustigada pela serpente que representa o mal. Escolhida pelo Pai, Maria é aquela de cuja descendência saiu o Salvador dos homens. Porque conhecia as Escrituras e confiava na promessa do Pai, Maria submeteu-se a ação do Espírito Santo e deu o seu sim para que a humanidade fosse redimida. O sim de Maria trouxe-nos Jesus e ainda hoje ecoa no coração de cada homem e cada mulher que, mesmo sem entender acolhem a vontade de Deus e contribuem na realização do Seu Projeto. “Ave cheia de graça, o Senhor está contigo!” As mesmas palavras que o anjo dirigiu à Mãe de Jesus nos são dirigidas também, hoje, porque somos escolhidos (as) para cooperar na edificação do reino de Deus aqui na terra: “Não tenhas medo, … porque encontraste graça diante de Deus!”  Assim como precisou de Maria, Deus precisa de cada um de nós para introduzir o Seu reino nas famílias do mundo e, assim, sob a ação do Espírito Santo, conceber Jesus no nosso coração. Por isso, precisamos estar sempre disponíveis a fazer a vontade do Pai que deseja realizar em nós coisas admiráveis a fim de que sejamos também homens e mulheres cheios (as) da graça de Deus. Você também se sente chamado (a) a colaborar no projeto de Deus para o mundo? – Você já entendeu o plano de Salvação de Deus para si? – Você tem medo de assumir compromissos no reino de Deus?   – Como é que você poderá deixar de ser Eva e se tornar Ave?

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

04:36 · 07.12.2017 / atualizado às 09:54 · 07.12.2017 por

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos Céus, mas o que põe em prática a vontade de meu Pai que está nos céus. Portanto, quem ouve estas minhas palavras e as põe em prática, é como um homem prudente, que construiu sua casa sobre a rocha. Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos deram contra a casa, mas a casa não caiu, porque estava construída sobre a rocha. Por outro lado, quem ouve estas minhas palavras e não as põe em prática, é como um homem sem juízo, que construiu sua casa sobre a areia. Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos sopraram e deram contra a casa, e a casa caiu, e sua ruína foi completa!”

 

 

 

Reflexão – “Na hora da tempestade”

Neste Evangelho Jesus, mais uma vez, nos dar a conhecer que a condição para que possamos entrar no reino dos céus é pôr em prática a vontade do Pai. Assim sendo, construir a casa sobre a Rocha é fundamentar a vida na vontade de Deus, que se constitui para nós, na felicidade aqui na terra. A casa é a nossa vida, a Rocha é a Vontade de Deus acontecendo de acordo com a Sua Palavra. Por outro lado, a areia é a ilusão dos ensinamentos do mundo que nos levam a esquecer de que Deus é o Autor da nossa existência e de que somente Ele sabe o que é bom para nós. Construímos a casa sobre a rocha quando caminhamos à luz da Palavra de Deus. Do contrário, quando não permanecemos firmes na vivência da Palavra de Jesus e não concretizamos com as nossas ações o que proferimos com os nossos lábios construímos a nossa história sobre falsos fundamentos. Na hora da tempestade, portanto, a nossa vida ruirá e, por isso, experimentaremos o fracasso. Não precisamos imaginar muito, mas até uma simples enfermidade ou um baque financeiro podem nos tirar do sério quando não temos a nossa vida firmada em Deus e nas Suas promessas.  Deus é a Rocha, Deus é o Amor e quem se ajusta à Sua vontade, terá uma vida firme, confiante e as tempestades, os terremotos, os ventos não o abalarão. As dificuldades da nossa vida são momentos preciosos para percebermos se estamos firmes sobre a R0CHA. Não nos bastará apenas dizer Senhor, Senhor, mas sim, confiar plenamente no Seu Amor e na Sua real proteção. – Em que alicerce você está construindo a sua vida? Quem lhe tem ensinado a viver? – Sua vida já tem sido provada pelas chuvas e ventos fortes?  – Você sente firmeza nos seus pés nas horas das dificuldades?- Você acha que a sua vida está firmada sobre a Rocha  ou você é um “homem sem juízo”?

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

04:09 · 06.12.2017 / atualizado às 10:13 · 06.12.2017 por

Naquele tempo, Jesus foi para as margens do mar da Galileia, subiu a montanha, e sentou-se. Numerosas multidões aproximaram-se dele, levando consigo coxos, aleijados, cegos, mudos, e muitos outros doentes. Então os colocaram aos pés de Jesus. E ele os curou. O povo ficou admirado, quando viu os mudos falando, os aleijados sendo curados, os coxos andando e os cegos enxergando. E glorificaram o Deus de Israel. Jesus chamou seus discípulos e disse: “Tenho compaixão da multidão, porque já faz três dias que está comigo, e nada tem para comer. Não quero mandá-los embora com fome, para que não desmaiem pelo caminho”. Os discípulos disseram: “Onde vamos buscar, neste deserto, tantos pães para saciar tão grande multidão?” Jesus perguntou: “Quantos pães tendes?” Eles responderam: “Sete, e alguns peixinhos”. E Jesus mandou que a multidão se sentasse pelo chão. Depois pegou os sete pães e os peixes, deu graças, partiu-os, e os dava aos discípulos, e os discípulos, às multidões. Todos comeram, e ficaram satisfeitos; e encheram sete cestos com os pedaços que sobraram.

Reflexão – “Quantos pães tendes?

Jesus estava atento a todas às necessidades das multidões que O acompanhavam em busca de curas físicas e de conforto para os seus males. Ele curava os coxos, os aleijados, os cegos e mudos, assim como também muitos outros doentes, no entanto, também se compadecia deles pelas suas carências materiais. Ele sabia que o povo com fome, desanimaria, apesar de ter sido curado dos males físicos e espirituais. Por isso disse aos discípulos: “Tenho compaixão da multidão, porque já faz três dias que está comigo e nada tem para comer. Não quero mandá-los embora com fome, para que não desmaiem pelo caminho”.  Da mesma forma também, Jesus, diante das nossas dificuldades e carências tem compaixão de nós e providencia, hoje, o alimento espiritual e material de que precisamos. Quando buscamos a Jesus e procuramos ficar sempre perto Dele, podemos ter a certeza de que as coisas materiais das quais necessitamos, assim como também o sustento da nossa alma nos será providenciado por Ele. Ele sabe precisamente qual a nossa fome e o que pode saciá-la. No entanto, assim como fez com os apóstolos Jesus quer saber de nós o que poderemos oferecer também para alimentar àqueles que estão com fome perto de nós e pergunta:  “Quantos pães tendes?”  Hoje, Ele também precisa de discípulos para alimentar as multidões famintas e sabe como nós podemos contribuir, pois conhece a nossa capacidade embora seja ela limitada. Não podemos esconder de Jesus os “sete pães e alguns peixinhos” que temos conosco. Às vezes queremos receber tudo de Deus sem esforço nenhum, mas para que os milagres aconteçam na nossa vida, é necessária a nossa participação e adesão. O pouco que nós temos, quando é colocado nas mãos do Senhor, multiplicar-se-á a ponto de que possamos nos sentar e partilhar com as pessoas as quais encontramos no nosso caminho e, ainda sobrar. – Por que será que Jesus mandou que a multidão se sentasse? – Como você tem agido na hora da necessidade? – Você costuma sentar-se para dialogar, conversar, entender-se com as pessoas? – Você tem colocado à disposição de Deus os seus sete pães e alguns peixinhos?

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

09:48 · 05.12.2017 / atualizado às 10:52 · 05.12.2017 por

Naquele momento, Jesus exultou no Espírito Santo e disse: “Eu te louvo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste essas coisas aos sábios e inteligentes, e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado. Tudo me foi entregue pelo meu Pai. Ninguém conhece quem é o Filho, a não ser o Pai; e ninguém conhece quem é o Pai, a não ser o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar”. Jesus voltou-se para os discípulos e disse-lhes em particular: “Felizes os olhos que veem o que vós vedes! Pois eu vos digo que muitos profetas e reis quiseram ver o que estais vendo, e não puderam ver; quiseram ouvir o que estais ouvindo, e não puderam ouvir”.

 

 

Reflexão – “quem poderá entender os mistérios do céu? ”

 

Quando os Seus discípulos vieram contar as maravilhas que aconteceram, porque saíram anunciando o reino de Deus, Jesus louvou o Pai e exultou no Espírito, percebendo que o Espírito Santo agia poderosamente no meio deles. A ação do Espírito Santo em nós faz com que tenhamos uma compreensão das coisas do alto numa perspectiva espiritual que é completamente diversa daquela que entendemos com a nossa humanidade. Assim como exultou no Espírito Santo diante dos Seus discípulos, Jesus também o faz hoje, porque o Pai nos segreda as coisas que estão no Seu coração. Jesus nos revela que só os pequeninos, isto é, os que abrem o coração e não colocam a razão em primeiro lugar, poderão distinguir os prodígios e milagres que acontecem quando o reino de Deus se lhes manifesta pela ação do Espírito Santo. Quando nos dispomos a apregoar o reino dos céus aqui na terra, é sinal de que ele já está acontecendo na nossa vida e, na medida em que nós nos abrimos a esta realidade, mais e mais experimentamos a alegria e a felicidade interiores. Só os humildes e pequeninos podem “entender” os mistérios do céu. Jesus é a própria revelação de Deus e todos os que O aceitam e nele creem, são os pequeninos que veem, ouvem e sentem a felicidade e a paz do Senhor. Por essa razão, Jesus nos alerta: “Felizes os olhos que veem o que vós vedes! ”  O Pai se dá a conhecer por meio da revelação do Filho e quanto mais conhecermos a Jesus, mais   teremos comunhão com Deus Pai e poderemos viver a felicidade tão almejada. Somos felizes porque os nossos olhos veem mais além das aparências e podemos, na reflexão da Palavra de Deus, descobrir os Seus segredos, os Seus planos para nós e para a humanidade, por nosso intermédio. Não percamos tempo, pois, o Senhor tem muito a nos mostrar e a nos falar. – Você é pequenino (a) ou sábio (a) e inteligente? – Você é uma pessoa atenta aos mistérios de Deus?  – Você enxerga as maravilhas de Deus na sua vida?Quando você medita sobre a Palavra de Deus se limita ao que está escrito, ou percebe nas entrelinhas uma mensagem para a sua vida?

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO 

04:09 · 04.12.2017 / atualizado às 09:12 · 04.12.2017 por

Naquele tempo, quando Jesus entrou em Carfanaum, um oficial romano aproximou-se dele, suplicando: “Senhor, o meu empregado está de cama, lá em casa, sofrendo terrivelmente com uma paralisia”. Jesus respondeu: “Vou curá-lo”. O oficial disse: “Senhor, eu não sou digno de que entres em minha casa. Dize uma só palavra e o meu empregado ficará curado. Pois eu também sou subordinado e tenho soldados sob minhas ordens. E digo a um: ‘Vai!’, e ele vai; e a outro: ‘Vem!’, e ele vem; e digo a meu escravo: ‘Faze isto!’, e ele o faz”. Quando ouviu isso, Jesus ficou admirado, e disse aos que o seguiam: “Em verdade, vos digo: nunca encontrei em Israel alguém que tivesse tanta fé. Eu vos digo: muitos virão do Oriente e do Ocidente, e se sentarão à mesa no Reino dos Céus, junto com Abraão, Isaac e Jacó”.

 

 

Reflexão – “do oriente ou do ocidente, todos temos direito”

 

Assim como atendeu ao oficial romano Jesus quer atender ao nosso pedido. Ele tem autoridade para realizar qualquer coisa de que estejamos precisando. Vindos do oriente ou do ocidente, nós também seremos perdoados (as) e acolhidos (as) por Aquele que veio com a missão de Redentor da humanidade. A fé em Jesus Cristo e a certeza de que Ele nos salva é que nos garante a vida eterna. Jesus nos acolhe e nos salva, independentemente de quem somos, do que fazemos ou de onde viemos.   O reconhecimento da nossa incapacidade, da nossa limitação e a confiança no poder de Jesus nos tira da paralisia que o sofrimento nos impõe, pela doença, pela morte, ou por qualquer outro motivo.  A fé do oficial romano e a sua consciência de ser indigno e pecador chamaram a atenção de Jesus. Mesmo não sendo judeu e não sendo reconhecido àquela época como parte do povo de Deus, o oficial humilhou-se diante de Jesus e expôs, em presença de todos a sua confiança na Sua autoridade de Filho de Deus. “Senhor eu não sou digno (a), mas dize uma palavra…e tudo acontecerá conforme a Tua vontade!”  Isto também, é o que nós, todos os dias da nossa vida, deveríamos fazer diante do Senhor: reconhecer a nossa indignidade como também a autoridade da Sua Palavra que nos promete perdão, vida e libertação. Jesus se admirou da fé do soldado romano porque ele reconheceu que a Sua autoridade era maior que a dele mesmo. Muitos, porém, se acham importantes demais e não têm necessidade de procurar Jesus, mas, nós que buscamos a Sua Palavra temos a certeza de que estamos no caminho certo. Jesus quer nos salvar, libertar e curar as nossas paralisias. Comece logo a pedir e Ele o (a) atenderá.  – Você se acha digno (a) de receber o perdão e a salvação de Jesus? – Você confia que mesmo sendo indigno (a) Ele está esperando que suplique a sua cura e libertação?  – De qual paralisia você precisa se libertar, hoje?– Peça a Jesus,  pois Ele quer curá-lo (a)! 

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO

 

 

04:32 · 01.12.2017 / atualizado às 08:53 · 01.12.2017 por

Resultado de imagem para Olhai a figueira e todas as árvores.Naquele tempo, Jesus contou-lhes uma parábola: “Olhai a figueira e todas as árvores. Quando vedes que elas estão dando brotos, logo sabeis que o verão está perto. Vós também, quando virdes acontecer essas coisas, ficai sabendo que o Reino de Deus está perto. Em verdade, eu vos digo: tudo isso vai acontecer antes que passe esta geração. O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar.

 

 

 

Reflexão – “os sinais do reino de Deus

 

Jesus no dá o exemplo da figueira para que não nos deixemos ficar alienados (as), mas alertas e atentos aos sinais do reino de Deus. O reino dos céus é construído sutilmente dentro de nós, no nosso dia a dia, na nossa caminhada com Jesus, apesar de quase não percebermos. Por isso, Jesus nos ensina a compreender os sinais do reino de Deus assim como compreendemos o aspecto das coisas que vivenciamos. Há certos sinais que são visíveis para nós aqui na terra: ventania, nuvens carregadas de chuvas, calor forte, o tempo propício para colher os frutos etc., etc. Assim, também, há os sinais de que o reino dos céus está próximo. Estes sinais se manifestam dentro de nós e cada um pode perceber: coração grato, alegre, em paz, amor aos irmãos, desejo de santidade, misericórdia, perdão. Quando você os perceber em si mesmo, saiba que o reino de Deus está próximo, isto é, Jesus está em você, agindo, atuando e o Espírito Santo se manifesta no seu coração. Um novo céu e uma nova terra começam a acontecer em nós, hoje, quando praticamos a Palavra do Senhor. Pela Sua Palavra Jesus vem nos dar nova direção para que possamos desde já, viver o Seu reino aqui na terra. O céu e a terra visíveis, um dia passarão. O mundo será renovado e o reino de Deus será definitivamente estabelecido quando Jesus voltar, porém, desde já, agora, nós podemos “ver” os seus sinais dentro do nosso coração.  – Você sabe diagnosticar o que se passa dentro do seu coração? – Quais os sentimentos que mais fazem vida em você?  – Onde está o reino de Deus? – Quais são os sinais de que o reino de Deus está perto de você? – Como o reino de Deus pode acontecer dentro do coração do homem?

 

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO