Busca

Tag: Fruticultura


04:15 · 19.06.2017 / atualizado às 04:15 · 19.06.2017 por

Decisão da Agência Nacional de Águas (ANA): a partir de amanhã, 20, e todas as terças-feiras, será proibida a captação de água no rio São Francisco para as atividades econômica, principalmente para a agricultura irrigada.

A proibição vale para todo o trecho do rio, desde suas nascentes, em Minas Gerais, até sua foz, entre Alagoas e Sergipe.

A ANA acendeu o sinal vermelho de perigo diante da constatação de que a barragem de Sobradinho está hoje represando apenas 12% de sua capacidade total, que é de 32 bilhões de m³ de água.

A decisão da ANA atingirá diretamente os fruticultores de Petrolina (PE) e Juazeiro (BA), que produzem e exportam manga, uva, melão, melancia, mamão, goiaba, dando emprego a milhares de pessoas.

A proibição valerá até novembro, quando se espera a volta da estação das chuvas nas regiões onde estão os principais afluentes do rio São Francisco.

A notícia é péssima não só para os baianos, sergipanos, alagoanos e pernambucanos, mas também para paraibanos,potiguares e cearenses, beneficiados pelo Projeto S. Francisco de Integração de Bacias, o qual,para alcançar seus objetivos, terá de, primeiro, contar a boa saúde do Velho Chico, hoje seriamente abalada por causa do seu crescente assoreamento e pela destruição de suas matas ciliares e, ainda, pela carência de saneamento básico nas cidades ribeirinhas. que jogam o esgoto in natura na sua calha.

 

 

10:05 · 14.06.2017 / atualizado às 10:05 · 14.06.2017 por

Uma pesquisa feita pelo Instituto Qualibest, empresa com atuação nacional, apurou a percepção dos brasileiros em relação ao consumo de frutas.

De acordo com a pesquisa, na região Nordeste, 68% das pessoas entrevistadas disseram que consomem frutas até mais de quatro vezes por semana.

Tem mais: os consumidores explicaram que não é o sabor o que mais os leva a comprar frutas. 85% dos entrevistados afirmaram que o que mais importa é que as frutas tenham uma aparência esteticamente perfeita, pois na opinião delas isso revela a sua boa qualidade.

Ainda segundo a pesquisa da Qualibest, as frutas mais consumidas pelo nordestino são a banana, a maçã, a pera, o mamão, o abacaxi e o melão.

E, para terminar: o local preferido pelos consumidores do Nordeste para a compra de frutas é o supermercado.

04:30 · 31.05.2017 / atualizado às 04:30 · 31.05.2017 por

Por falta de água para a agricultura irrigada, empresários da fruticultura do Ceará estão trocando de atividade.

Neste momento, na duas margens do rio Jaguaribe, entre as cidades de Itaiçaba e Jaguaribe, há centenas de projetos de carcinicultura, isto é, de criação de camarão em tanques-viveiro.

O blog conversou com um grande produtor de banana, que está prestes a abandonara bananicultura pela criação de camarão – a carcinicultura.

Ele descobriu que a criação de camarão tem uma lucratividade muito maior do que a da fruticultura, e adiantou que empresários que hoje produzem frutas também estão a caminho da carcinicultura.

Essas centenas de tanques-viveiro que se instalam naquele trecho do Vale do Jaguaribe – de pequenos e médios antigos produtores rurais – usam água salobra de poços profundos que eles mesmos perfuraram.

E a água salobra é a preferida do camarão.

Detalhe: quem fornece a pós-larva, isto é, os filhotes de camarão para os novos carcinicultores cearenses é a fazenda Potiporã, do cearense Cristiano Maia, que é o presidente da Associação Cearense dos Produtores de Camarão.

Essa fazenda, que se localiza no vizinho Estado do Rio Grande do Norte,  tem o maior e mais moderno laboratório do País, e seus técnicos, parte dos quais estrangeiros, estão dando apoio aos novos criadores de camarão.

04:19 · 30.05.2017 / atualizado às 04:19 · 30.05.2017 por

A fruticultura cearense, que em 2008 exportou o equivalente a US$ 131 milhões, está vivendo momentos difíceis neste ano de 2017.

Por causa da baixa pluviometria registrada no Ceará nos últimos cinco anos e meio, as empresas cearenses produtoras de frutas registrarão, neste ano, uma performance ridícula que talvez não alcance os US$ 70 milhões de dólares em exportação.

O Ceará produz e exporta melão, melancia, mamão e banana de alta qualidade.

Tudo ia bem, até que, de 1915 para cá, a crise de oferta de água foi agravada, impactando a produção.

Neste 2017, a Cogerh cortou praticamente toda a água que ia para a irrigação no Vale do Jaguaribe, onde se localizam as empresas fruticultoras.

A perspectiva é de que a atual crise hídrica se torne ainda mais grave no segundo semestre, quando os açudes Orós e Castanhão deverão secar.

04:29 · 08.03.2017 / atualizado às 04:31 · 08.03.2017 por

Este blog participou na segunda-feira passada, 06/02, de um almoço com empresários da indústria e da agropecuária do Ceará.

Eles debateram sobre temas políticos, um dos quais a respeito do governador Camilo Santana.

Um dos empresários presentes disse que uma das características de Camilo Santana é sua indisposição para o confronto.

Camilo é, essencialmente, um homem conciliador, que tudo faz para agradar a todos, o que na política é difícil, muito difícil.

Pois bem: neste momento, na Assembleia Legislativa, tramita um projeto-de-lei que, se aprovado, inviabilizará toda o setor da agropecuária cearense, principalmente a fruticultura, tantas são as proibições e exigências que a proposta impõe às atividades.

O governador Camilo Santana, se quiser, pode vetar a aprovação dessa proposta, bastado para isso usar a força de sua maioria no Legislativo.

Mas isso poderá causar desgasta nos partidos de esquerda, entre os quais o PT, do qual Camilo Santana é uma das estrelas no Ceará.

Resumindo: o Ceará poderá perder grandes investimentos na agropecuária, se esse projeto de lei for aprovado.

Sua votação será em abril.

02:13 · 07.02.2017 / atualizado às 02:13 · 07.02.2017 por

Uma comitiva de empresários da fruticultura do Ceará embarcou na madrugada desta terça-feira, 7, para Berlim, na Alemanha.

Entre eles, estão Carlos Prado e Tom Prado, sócios e diretores da Itaureira Agropecuária, uma das grandes produtoras brasileiras de melão; Paulo Selbach, produtor de rosas e pimentões na Chapada da Ibiapaba; e Luiz Roberto Barcelos, sócio e diretor da Agrícola Famosa, maior produtora e exportadora de melão do Brasil.

Todos eles participarão da 35ª edição da Fruit Logística, a maior feira de frutas do mundo.

A Itaueira e a Agrícola Famosa participam dessa feira há 10 anos, sempre com estande próprio.

Desta vez, seus estandes estarão na chamada Ilha Brasil, um espaço de 300 metros quadrados.

A Fruit Logistica tem 2.800 expositores de mais de 130 países, que expõem e vendem frutas, verduras, legumes e flores.

Também estarão na feira as maiores empresas mundiais de navegação, inclusive as que operam aqui nos portos de Fortaleza e Pecém.

A feira começará amanhã, quarta-feira, 8, e terminará sexta-feira.

04:29 · 18.01.2017 / atualizado às 04:30 · 18.01.2017 por

mamãoO empresário Luiz Roberto Barcelos, presidente da Associação Brasileira de Produtores Exportadores de Frutas, Abrafruta, disse ao blog que as empresas da fruticultura cearense que se transferiram para o Rio Grande do Norte muito dificilmente retornarão ao Ceará, pelo menos no curto e no médio prazos.

De acordo com Barcelos, a Itaueira Agropecuária, que trocou sua fazenda de produção de melão em Aracati, às margens do Canal do Trabalhador, por uma área próxima ao rio Açu, no Rio Grande do Norte, já fez investimentos pesados lá, e não poderá retornar ao Ceará, enquanto a questão da oferta de água não for solucionada na geografia cearense.

A mesma coisa acontece com a Agrícola Famosa, da qual Luiz Roberto Barcelos é sócio e diretor institucional. Ela tem fazenda de produção de melão e mamão em Icapuí, mas investiu fortemente, também, no Rio Grande do Norte, tirando proveito da oferta de água.

O que ainda mantem a Itaueira e a Famosa vinculadas ao Ceará é o porto do Pecém, pelo qual continuam a exportar o que produzem.

04:12 · 11.01.2017 / atualizado às 04:12 · 11.01.2017 por

O valor das exportações cearenses de frutas reduziu-se em 16% durante o ano passado de 2016, segundo informa o setor de mercado exterior da Agência de Desenvolvimento do Ceará (Adece).

O blog procurou saber por que isso aconteceu, e a resposta da Adece foi esta: faltou água.

No ano passado, como nos recordamos, a Companhia de Gestão de Recursos Hídricos(Cogerh), por causa da seca, foi obrigada a reduzir ao mínimo a oferta de água à agricultura irrigada.

Isso provocou a queda da produção e da exportação. E mais: forçou a transferência de empresas fruticultores cearenses para outros estados,como Rio Grande do Norte e o Piauí.

Em 2015, mesmo enfrentando a seca, as exportações de frutas do Ceará, principalmente melão, alcançaram US$ 118 milhões.

No ano passado de 2016, essas exportações foram de apenas US$ 96 milhões.

Se neste ano a seca continuar, as exportações de frutas seguirão desabando.

04:08 · 02.01.2017 / atualizado às 04:09 · 02.01.2017 por

frutasO blog conversou sábado, 31/12, horas antes do réveillon de 2017, com o empresário Luiz Roberto Barcelos, sócio e diretor de produção da Agrícola Famosa, maior produtora e exportadora brasileira de melões e melancias, com fazenda de produção no município de Icapuí, aqui no Ceará.

Luiz Roberto estava com sua família na Patagônia, onde rompeu o ano novo.

Pois bem: ele disse que a migração das empresas da fruticultura do Ceará para o Rio Grande do Norte será duradoura.

Convém lembrar que essa migração aconteceu porque no Ceará a Cogerh cortou o fornecimento de água para a agricultura irrigada. Esse corte foi causado pela rápida redução do volume do açude Castanhão, que abastece Fortaleza e sua Região Metropolitana de Fortaleza.

De acordo com Luiz Roberto Barcelos, foram feitos vultosos investimentos que não podem ser agora abandonados sob pena de grande prejuízo.

Ele também disse que o Rio Grande do Norte, além de uma boa infraestrutura hídrica, também ofereceu aos fruticultores cearenses um leque de incentivos que não poderão ser abandonados pelos próximos 10 anos.

Dez anos é, aliás, o tempo mínimo de permanência das empresas cearenses no vizinho Rio Grande do Norte, segundo estima Barcelos.

12:04 · 08.12.2016 / atualizado às 12:06 · 08.12.2016 por

melãoEstá chegando ao Nordeste uma missão de técnicos do Ministério da Agricultura do Chile.

Essa missão técnica chilena visitará as fazendas de produção de frutas do vizinho estado, para conhecer rodo o processo de produção de melões e melancias, frutas que o Governo do Chile vai importar do Rio Grande do Norte.

Agora, o detalhe desta informação: as empresas que produzem melão e melancia no Rio Grande do Norte são as mesmas que produziam melão e melancia aqui no Ceará, e que deixaram de fazê-lo porque a Cogerh cortou, no ano passado, a água que elas tinham para irrigar suas plantações.

Resumo: o Rio Grande do Norte ganhou os milhares de emprego que essas empresas davam aqui e passará a ganhar os dólares das exportações.