Busca

Tag: Funceme


04:49 · 27.06.2018 / atualizado às 10:18 · 27.06.2018 por

Por causa das longas estiagens, as águas de superfície ficarão cada vez mais difíceis para a atividade econômica no Nordeste, incluindo o Ceará. (Águas de superfície são as dos rios e dos açudes). Quem fez esta advertência foi o engenheiro Francisco Viana, um estudioso dos recursos hídricos, ex-presidente da Funceme e ex-dirertor da Agência Nacional de Águas (ANA), hoje prestando serviço de consultoria à Companhia de Gestão de Recursos Hídricos do Ceará (Cogerh).

Viana reuniu-se segunda-feira, 25, com um grupo de empresários da indústria e da agropecuária, para os quais falou sobre o tema. Em resumo, ele afirmou que é preciso, diante das dificuldades que a natureza impõe à região nordestina, “otimizar a oferta e o uso da água”. Francisco Viana foi direto ao ponto: diante de um cenário de crise hídrica – como o atual – investir na agricultura irrigada é muto arriscado, “é uma loucura”.

Na sua opinião, o Projeto São Francisco de Integração de Bacias vai prestar uma boa ajuda ao Ceará, mas lembrou que, dos 26 m³ por segundo  outorgados pela ANA, só chegarão ao Canal Norte – que trará as águas para o Ceará – 6m³ por segundo, pois metade desse volume perder-se-á ao longo do caminho pela evaporação e infiltração. Lembrou ainda que só consumo da Região Metropolitana de Fortaleza é de mais de 10 m³ por segundo.

08:07 · 15.04.2018 / atualizado às 08:11 · 15.04.2018 por

Nas últimas 24 horas, o açude Castanhão recebeu um aporte de mais 16,5 milhões de m³, o que elevou para 409,18 milhões de m³ o volume que ele acumula neste domingo, 15/04.

A informação é do presidente da Funeme, Eduardo Sávio.

Hoje, o Castanhão acumula 6,11% de sua capacidade, que é de 6,5 bilhões m³.

Ao mesmo tempo, a barragem de acumulação de Itaiçaba (foto), da qual é bombeada a água que faz operar o Canal do Trabalhador (foto), está vertendo desde as primeiras da madrugada deste domingo. Mas a mellor notícia é esta: estão operando as quatro moto-bombas que elevam a água do rio Jaguaribe até o Canal do Trabalhador. Cada bomba tem capacidade de 1,2 m³. Assim, o Canal do Trabalhador já está transferindo para Fortaleza 4,8 m³/s.

Toda essa água é da enchente do rio Jaguaribe.

 

 

 

10:17 · 14.04.2018 / atualizado às 10:19 · 14.04.2018 por

Informa a Funceme: o nível do açude Castanhão (foto)  – o maior do Ceará, com capacidade para acumular até 6,5 bilhões de m³ – subiu 57 centímetros nas últimas 24 horas.

Isso quer dizer um aporte de 22,5 milhões de m³ de água.

O Castanhão represa hoje 5,8% de sua capacidade, ou 393,08 milhões de m³.

Outra boa notícia: o nível do açude Banabuiú, com capacidade para 1,5 bilhão de m³ e que estava praticamente zerado, subiu 3,49 metros, mas o volume é ainda insignificante.

04:09 · 13.04.2018 / atualizado às 04:09 · 13.04.2018 por

Uma fonte da Funceme admitiu, em conversa com este blog, que a estação das chuvas deste ano poderá prolongar-se até o fim do próximo mês de maio.

Se isso realmente acontecer- e se as chuvas que caem no interior do Ceará continuarem com a mesma intensidade – será muito possível que os grandes açudes, como Orós e o Castanhão tenham uma boa recarga.

Boa recarga será, por exemplo, dar ao Castanhão um volume de 1 bilhão de m³ de água e ao Orós outros 1 bilhão de m³.

Aí já haveria água suficiente para abastecer Fortaleza por mais dois anos e para garantir as atividades da agricultura irrigada.

Mas toda essa esperança depende mesmo da natureza, uma criação divina.

04:26 · 20.03.2018 / atualizado às 04:27 · 20.03.2018 por

Empresários cearenses cujas empresas dependem da água para produzir alimentos na cidade e no campo, estão muito preocupados com as pouquíssimas chances de recarga dos grandes açudes do Estado, como o Castanhão, o Orós, o Banabuiú (foto) e o Araras.

Para o consumo humano e para a dessedentação animal não faltará água porque o Governo do Ceará tem tomado as providências corretas.

Mas para os setores industrial e agropecuário, o Governo não tem como assegurar a oferta de água, porque as chuvas que recarregarão os açudes dependem unicamente do bom humor da natureza, e esta tem sido avara nos últimos seis anos.

O grande problema é que a indústria e a agropecuária geram a maioria dos empregos no Estado.

Resultado: temos que apostar todas as fichas na previsão da Funceme, segundo a qual há 40% de possibilidade de a estação das chuvas deste ano ficar acima da média, e só 30% de ficar abaixo da média histórica.

Nesta terça-feira, 20/3, é a passagem do equinócio (o dia e a noite têm o mesmo número de horas) e a Funceme prevê chuvas pelo interior do Ceará.

04:20 · 12.03.2018 / atualizado às 04:20 · 12.03.2018 por

Dois diretores da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) estiverem em Fortaleza na semana passada.

Aqui, reuniram-se com o presidente da Funceme, Eduardo Sávio Martins, com o qual conversaram sobre a possibilidade de investir em projetos conjuntos na área da pesquisa científica.

Este blog  conversou com Eduardo Sávio, que se mostrou otimista diante da possibilidade de um final feliz desses entendimentos, que prosseguirão.

04:17 · 07.03.2018 / atualizado às 04:17 · 07.03.2018 por

Empresários cearenses da agropecuária estão muito preocupados com a situação do sertão central do Estado, onde choveu muito pouco e onde até os pequenos açudes não foram recarregados.

No mapa da pluviometria da Funceme, só o Litoral, a Serra da Ibiapaba, a Serra de Baturité e a região do Cariri registram, até agora, chuvas acima da média.

No sertão central, essa pluviometria está hoje abaixo da média histórica.

O empresário Cristiano Câmara, que é industrial, pecuarista e criador de camarão, disse ao blog que, nas suas fazendas do Vale do Jaguaribe, os açudes não tomaram água, pois as chuvas que caíram lá foram insuficientes para recarrega-los.

Estamos no dia 7 de março, e este é o mês das boas chuvas, que, porém, não têm caído sobre o sertão central e vale jaguaribano.

04:08 · 21.02.2018 / atualizado às 04:09 · 21.02.2018 por

O presidente da Funceme, Eduardo Sávio, transmitiu ao blog uma boa notícia:

Segundo ele, várias regiões do Ceará já registram uma estação de chuvas acima da média histórica.

Eduardo Sávio deu como exemplo a região do Vale do rio Salgado, cujas águas são despejadas diretamente no açude Castanhão.

Nessa região, as chuvas estão 11% acima da média histórica.

Na região Baixo Jaguaribe, porém, as chuvas estão 8% abaixo a média.

No entanto, na região do Alto Jaguaribe, elas estão 37% acima da média histórica.

O presidente da Funceme também disse que são boas as previsões de chuva para os próximos três meses.

04:35 · 16.02.2018 / atualizado às 04:36 · 16.02.2018 por

Está sendo confirmada a previsão que a Funceme fez na segunda quinzena de fevereiro, segundo a qual teremos no Ceará, neste ano de 2018, uma temporada de chuvas com 40% de chance de ser acima da média histórica.

Eis uma boa notícia.

Mas é preciso dizer também que as boas chuvas que vêm desabando sobre o interior do Ceará ainda não foram suficientes para a recarga dos grandes açudes, como o Orós, o Castanhão (foto), o Banabuiú e o Araras.

Para que esses reservatórios sejam recarregados e venham a verter será necessário um dilúvio como o de 2004, quando todos os açudes sangraram.

Diante disso, persiste o problema da oferta de água para a agricultura irrigada, que há dois anos sofre uma crise aguda que levou à transferência de empresas da fruticultura do Ceará para outros estados.

Muitos rios estão com enchente, mas ao longo do seu caminho até os grandes açudes, há centenas de pequenos reservatórios que barram a passagem da água, retardando a sua chegada ao destino final.

Esses pequenos açudes já estão cheios ou enchendo; os grandes, contudo, ainda demorarão dias ou semanas até que sejam recarregados parcial ou totalmente.

04:12 · 22.01.2018 / atualizado às 04:13 · 22.01.2018 por

Logo mais, às 9 horas desta segunda-feira, 22, os cearenses saberemos que tipo de temporada de chuvas teremos neste ano de 2018.

O presidente da Funceme, Eduardo Sávio Martins, anunciará, oficialmente, o que a ciência do clima prevê para o Ceará: se teremos chuva abaixo da média, na média ou acima da média.

A expectativa é de que teremos chuvas dentro da média histórica, mas há quem aposte na possibilidade de a Zona de Convergência Intertropical, que provoca as chuvas do inverno nordestino, desça abaixo do Equador, uma vez que há bons sinais de aquecimento das águas do Atlântico Sul.

Se isso acontecer, será possível registrar chuvas acima da média,

O que o blog pode informar, antes do anúncio da Funceme, é que as empresas cearenses de fruticultura aguardam essa informação.

Em caso de prognóstico positivo, as que,por falta de água, saíram do Ceara há dois anos, poderão voltar.

Mas, em caso de previsão negativa, até  as que ficaram aqui poderão ir embora para outro estado.