Busca

Tag: Igreja Católica


04:36 · 16.06.2017 / atualizado às 04:36 · 16.06.2017 por

Quem foi ontem, quinta-feira, 15/6, à missa nas igrejas católicas, aqui em Fortaleza e em todas as cidades do Brasil, fez uma oração especial, elaborada e difundida pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.

A CNBB promoveu, aproveitando a celebração em louvor ao Corpo de Cristo, uma Jornada de Oração pelo Brasil.

O bloganotou alguns trechos da oração, que começa assim:

“Pai Misericordioso, nós vos pedimos pelo Brasil. Nós estamos indignados diante de tanta corrupção e violência, que espalham morte e insegurança. Pedimos perdão e conversão”.

Em seguida, a coração diz: “Que a política esteja, de fato, a serviço da pessoa e da sociedade, e não dos interesses pessoais, partidários e de grupos”.

E termina com um apelo: “Que nós, brasileiros e brasileiras, sejamos artesãos da paz”.

A crise política, econômica, moral e ética por que passa o Brasil só terá saída, como se vê, se Deus se apiedar do nosso País.

05:15 · 24.05.2016 / atualizado às 05:16 · 24.05.2016 por

Paróquia S. VicenteOs efeitos da greve crise econômica por que passa o Brasil são sentidos em diferentes setores das atividades.

Aqui está uma informação que comprova esses efeitos danosos da crise:

O restaurante Al Mare, que funcionava há vários anos na Avenida Beira Mar, fechou.

Motivo: a abrupta queda de clientes.

Tem mais: na mesma Avenida Beira Mar fechou uma lanchonete da famosa bandeira multinacional Subway.

O motivo é o mesmo: a redução do número de frequentadores.

O blog acrescenta outra informação reveladora da extensão dessa crise no bolso do cidadão brasileiro:

Nas igrejas católicas, caiu em até 50% a receita oriunda da coleta feita nas missas dominiais. É com essa coleta que as paróquias da Igreja Católica, em Fortaleza, pagam as despesas de manutenção dos seus templos.

Na Paróquia de São Vicente de Paula (foto), o pároco, Padre Raimundo Neto, reduziu em 50% o valor do dízimo que os fiéis dão mensalmente à paróquia.

Como se vê, a crise que castiga a economia brasileira é, também, ecumênica, porque nas igrejas   evangélicas isso igualmente está acontecendo.

08:45 · 23.02.2016 / atualizado às 09:38 · 23.02.2016 por

D. HelderOs bispos da Igreja Católica no Nordeste vão reunir-se nos próximos dias 18, 19 e 20 do próximo mês de maio, em Natal, capital do Rio Grande do Norte.

O encontro terá dois objetivos: debater sobre os aspectos econômicos, políticos e, principalmente, sociais da região e rememorar a histórica e semelhante reunião realizada em 1956 – em pleno governo do presidente Juscelino Kubitschek, em Campina Grande (PB), da qual emergiram opiniões que levaram JK a criar a Sudene em 1959.

Naquele ano, sob a liderança do arcebispo de Olinda e Recife, D. Hélder Câmara (foto), os bispos nordestinos assumiram, pela primeira vez, uma atitude política em favor da região e de sua população mais pobre.

Desta vez, os bispos dos nove estados nordestinos buscarão respostas para algumas questões, duas das quais são estas: o Nordeste mudou nesses 60 anos? Essa mudança fez bem só à economia ou beneficiou também o social?

A Sudene dará apoio técnico à reunião, que tem o respaldo da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

O evento de maio colocará a Igreja Católica no Nordeste brasileira em linha com o que vem pregando o Papa Francisco, para quem ela deve estar mais perto das populações mais pobres e desassistidas.

11:06 · 23.06.2013 / atualizado às 11:06 · 23.06.2013 por

O texto abaixo é da professora Célia Bernardo, colaboradora domincal deste blog:

Que fala providencial a do Papa Francisco, ao defender o sacramento do batismo para os filhos de mães solteiras. Leiam com atenção: “Somos muitas vezes controladores da fé, em vez de facilitadores”, disse o papa ao referir-se a algum padre que se recusa a batizar uma criança filha de mãe solteira. “Essa mulher teve a coragem de continuar a gravidez. E o que encontra? Uma porta fechada”, completou.

“Isso não é zelo, isso é distância de Deus. Quando fazemos este caminho com esta atitude não estamos ajudando o povo de Deus”, acrescentou o Santo Padre. “Deus criou sete sacramentos. Com esse tipo de atitude, estamos criando o oitavo, o sacramento da ‘alfândega pastoral’”, disse. A “alfândega pastoral” a que ele se refere é um tipo de fiscalização para se negar o sacramento batismal.

Antes de ser papa, quando era o arcebispo de Buenos Aires, Jorge Bergoglio incentivava padres e bispos a batizarem as crianças nascidas fora do casamento. O papa citou durante a missa outro exemplo: um casal de noivos queria marcar a data do casamento e foi alertado pelo sacerdote de que precisaria pagar enfeites e cantos. Francisco disse que, no caso, o casal encontrou “as portas da Igreja fechadas quase como sinal de impedimento para a união”, numa feição puramente mercadológica. E eu lhes acrescento: o Papa Francisco precisa urgentemente tomar atitudes radicais com os padres que entram na política partidária sem se afastar das funções sacerdotais. Um sacerdote que aspira à carreira política precisa imediatamente abdicar de seu ministério, porque ele não pode nem deve usar as costas dos cristãos como degraus para chegar ao cimo da pirâmide político-partidária.

Tiro o chapéu para Sua Santidade, o Papa Francisco, porque, mesmo como fervorosa cristã católica, sempre fui contra aquilo que a Igreja cria, para espantar os fiéis, sem lhes dar uma justificativa convincente. Um padre que assume a vanguarda espiritual de uma paróquia, para uma ação profético-missionária, em favor do seus paroquianos, e desvirtua suas ações, dividindo os fiéis por meio de partidos políticos, precisa ser afastado da Igreja, porque deixa de ser trigo para se tornar joio. Sinto, a cada dia, o nascer de uma nova primavera na Igreja Católica, o que me leva à compreensão de que a eleição do Papa Francisco foi fruto daação do Espírito Santo.

O Senhor Deus nos abençoe e nos guarde, volva seu olhar de Pai sobre todos nós, cumule-nos de um espírito pacificador, nesta nova semana que se inicia.

10:59 · 24.03.2013 / atualizado às 10:59 · 24.03.2013 por

Vai ganhando velocidade e altura o pontificado do Papa Francisco, para o qual olham fieis católicos e de outras confissões e, ainda, agnósticos e ateus.

Vai mudar a Igreja sob a liderança de Francisco?

Resposta: vai, sim.

Mudará a gestão de sua burocracia interna.

Mas não mudará sua doutrina, ou seja, haverá casamento de pessoas do mesmo sexo nos cartórios civis da Lei dos homens, mas não nas sacristias de templos católicos.

É o que afirmam e reafirmam padres e bispos conservadores e progressistas.