Busca

Tag: Mauro Benevides Filho


01:56 · 20.03.2017 / atualizado às 01:56 · 20.03.2017 por

Este blog acompanha, na cidade holandesa de Rotterdam, a Missão do Governo do Ceará que, integrada pelo governador Camilo Santana e por vários de seus secretários, além de empresários da indústria, cumprirá uma série de eventos que culminarão, quarta-feira, 22, com a a assinatura do Memorando de Entendimento, por meio do qual a Cearaportos e a Autoridade do Porto de Rotterdam se tornarão parceiras.

Dessa parceria deverá resultar, muito provavelmente, na participação dos holandeses no capital da Cearaportos, que administra o Porto do Pecém.

A programação começa nesta segunda-feira com uma visita dos cearenses ao Porto de Rotterdam, o maior da Europa, com movimentação de carga superior a 450 milhões de toneladas de mercadoria por ano (Pecém movimentará neste ano 16 milhões de toneladas).

Ontem, domingo, 19, os secretários da Fazena, Mauro Benevides Filho; da Infraestrutura, Lúcio Gomes; e do Planejamento e Gestão, Maia Júnior, visitaram Haia, a capital administrativa da Holanda. Foram e voltaram de trem. A este blog, eles disseram que sonham em que um dia o Brasil disponha de um sistema ferroviário pelo menos parecido com o europeu.

A construção da Ferrovia Transnordestina – cujas obras estão paralisadas – mostra que esse sonho será difícil de ser realizado.

04:35 · 20.12.2016 / atualizado às 04:35 · 20.12.2016 por

O secretário da Fazenda do Ceará, economista Mauro Benevides Filho, está muito otimista em relação à aprovação, pela Assembleia Legislativa, do novo pacote de ajuste fiscal do Governo do Estado.

O Poder Legislativo tem até o dia 28 deste mês, quando entrará em recesso, para aprovar as propostas de contenção de gastos encaminhadas pelo Poder Executivo na semana passada.

Entre as medidas severas sugeridas pelo governador Camilo Santana está o aumento de 11% para 14% do valor descontado de cada servidor para a previdência social estadual.

O blog perguntou ao secretário Mauro Filho se há espaço para que que, em vez de 14%, esse desconto seja de 13%.

A resposta dele foi não, argumentando que essa alíquota permitirá o reequilíbrio da conta previdenciária pelos próximos 10 anos.

Outro ponto importante do ajuste fiscal é o aumento de 17% para 18% da alíquota do ICMS, e desse aumento também o secretário Mauro Filho não abre mão.

 

09:49 · 20.06.2016 / atualizado às 09:51 · 20.06.2016 por

Maurinho FilhoEste blog perguntou ao secretário da Fazenda do Ceará, economista Mauro Benevides Filho (foto), como estão hoje as finanças do Estado.

E ele respondeu, dizendo que “elas ainda estão sob controle”.

O que isso significa?, o blog indagou.

O secretário Mauro Filho deu a seguinte resposta:

As receitas transferidas, aquelas do Fundo de Participação dos Estados (FPE), seguem em queda permanente, mas as receitas próprias, ou seja, as que, destacadamente, se originam da cobrança do ICMS e do IPVA, ainda resistem no positivo, e como resultado disso as contas estaduais estão equilibradas.

Mauro Filho voltou a dizer que a dívida do Estado é de apenas 0,49% de sua Receita Corrente Líquida, podendo crescer até o limite de 200%.

Neste momento, o barco do governo do Ceará navega com certa tranquilidade no mar revolto da crise que há dois anos se abate sobre a economia nacional.

O secretário Mauro Filho confirmou que o pagamento dos vencimentos dos funcionários públicos ativos e também dos aposentados e pensionistas se manterá em dia.

09:18 · 24.04.2016 / atualizado às 09:20 · 24.04.2016 por

teixeiraDois secretários do governador do Ceará, Camilo Santana, estão toureando contra autênticos, ferozes e pesados miúras.

O da Fazenda, Mauro Benevides Filho, tem pela frente a crescente queda da receita tributária à qual se juntou a redução das quotas transferidas dezenalmente pelo Fundo de Participação dos Estados – o FPE (neste mês, a queda já alcançou R$ 30 milhões).

Se isso fosse pouco, apresentam-se agora as reinvidicações dos servidores públicos.

Os professores, que entram em greve segunda-feira, 25, querem aumento salarial.

Mauro Filho tem um desafio: evitar que o Estado ultrapasse o limite dos gastos de custeio da máquina administratriva para que não aconteça aqui o que já aconteceu no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul, onde o pagamento dos servidores, incluindo o 13º salário, está atrasado.

Por sua vez, o secretário de Recursos Hídricos, engenheiro Francisco José Teixiera (foto), toureia contra um miúra perigoso – o da crise da oferta de água.

No segundo semestre deste ano, com a rápida redução do volume dos açudes Orós e Castanhão (o Banabuiú está seco), Teixeira e os organismos a ele subordinados, como a Sohidra e a Cogerh, terão de fazer milagre para evitar o colapso no abastecimento de Fortaleza, de sua Região Metropolitana e do Complexo Industrial e Portuário do Pecém.

E para agravar o cenário, a Fuceme, também subordinada à Secretaria de Recursos Hídricos, mantém o seu prognóstico do fim do ano passado: as chuvas deste ano serão abaixo da média.

09:30 · 22.04.2016 / atualizado às 09:40 · 22.04.2016 por

O Governo do Ceará está bem na foto da crise.

Há uma semana, o Senado Federal aprovou a celebração de um empréstimo de 57 milhões de euros do banco alemão MLW ao Governo do Estado do Ceará.

Até aí, nenhuma novidade.

A novidade vem agora: esse empréstimo será concedido sem a necessidade de qualquer aval da União.

É o primeiro contrato desse tipo que o MLW celebra com um governo estadual brasileiro.

O secretário da Fazenda, Mauro Benevides Filho, disse ao blog que a análise feita pelo banco alemão sobre as contas do Governo cearense foram severas e minuciosas, e a decisão de conceder o empréstimo “é um atestado de boa gestão”.

Os 57 milhões de euros – quase R$ 230 milhões – serão destinados à compra de equipamentos para as universidades estaduais cearenses e também a projetos de gestão fiscal do Estado.

 

12:14 · 21.04.2016 / atualizado às 12:17 · 21.04.2016 por

Mauro FilhoDe janeiro a março deste ano, ou seja, no primeiro trimestre, a receita própria do Estado do Ceará experimentou uma elevação de 6,5%.

Em compensação, a receita transferida pela União teve uma redução de 4,9%.

Quem transmitiu esta informação foi o próprio secretário da Fazenda, Mauro Benevides Filho (foto), que acrescentou um dado novo: neste mês de abril, o Fundo de Participação dos Estados, o FPE, teve queda nominal de 19,7%, o que já significa uma perda de receita de R$ 30 milhões.

Mauro Filho acrescentou que a receita bruta cresceu 3,2%, porém, a folha de pagamento dos servidores ativos e aposentados e pensionistas aumentou em 6%.

Este blog perguntou-lhe: o que fazer?

Mauro Filho explicou, francamente: os técnicos da Sefaz estão de olho na receita e na despesa.

Qualquer problema que possa agravar as contas do Estado, o Governo apertará o torniquete da contenção do gasto.

Nem o governador Camilo Santana nem o seu secretário da Fazenda quer que aconteça aqui o que está acontecendo com o Rio de Janeiro e com o Rio Grande do Sul, onde toda a arrecadação não é suficiente para pagar a folha de pessoal.

O Rio de Janeiro e o Rio Grande do Sul estão falidos porque gastaram mais do que arrecadaram.

12:21 · 23.09.2015 / atualizado às 17:38 · 23.09.2015 por

divida1O governador Camilo Santana e seu secretário da Fazenda, economista Mauro Benevides Filho, estavam terça-feira, 22/09, em São Paulo.

Enquanto o governador fazia uma palestra para empresários, Mauro Benevides Filho reunia-se com diretores de um grande banco nacional.

O blog apurou que nessa reunião o tema tratado teve a ver com a rolagem da dívida do Estado, que, segundo tem dito e repetido o próprio secretário da Fazenda, está absolutamente dentro da normalidade e sendo paga em dia.

Mas, como seguro morreu de velho, o governador Camilo e o secretário Mauro Filho desejam solucionar agora todas as questões relacionadas a essa dívida, cujo resgate o governo do Ceará vem fazendo nas datas marcadas pelos contratos.

Por causa da crise, foram reduzidas as receitas da União, dos estados e dos municípios, o que exige a reengenharia financeira de cada um dos entes federados.

No Rio Grande do Sul, por exemplo, a situação é de pré-falência do Estado gaúcho.

No Ceará, felizmente, o quadro é de normalidade.

Por enquanto.

 

09:58 · 03.09.2015 / atualizado às 10:22 · 03.09.2015 por

Em entrevista a este blogueiro, o secretário da Fazenda do Ceará, economista Mauro Benevides Filho, transmitiu várias informações importantes relacionadas ao cenário da economia e das finanças estaduais e nacionais.

Mauro Filho abordou as dificuldades por que passam neste momento 16 estados da Federação, entre os quais o rico e poderoso Rio Grande do Sul, cujo governo está pagando em prestações os vencimentos do seu quadro de servidores porque suas receitas são insuficientes para encarar as despesas.

O secretário garantiu que os funcionários públicos estaduais cearenses estão e estarão neste e pelos próximos anos com seus pagamentos em dia, inclusive a primeira parcela do 13º salário.

Confira entrevista com o secretário

Ele também detalhou o quadro das finanças do Estado do Ceará, que, segundo suas palavras, obteve um aumento de 7% em suas receitas tributárias, embora as despesas tenham crescido 9%.

Falou dos investimentos que o governador Camilo Santana está fazendo e vai fazer em infraestrutura e nas áreas da educação e da saúde.

E declarou que o endividamento do Governo do Ceará é baixo.

 

10:05 · 08.07.2015 / atualizado às 10:54 · 09.07.2015 por

sefazO secretário da Fazenda do Ceará, Mauro Benevides Filho, reuniu-se hoje, quarta-feira, 7, pela manhã, com presidentes e diretores dos 39 sindicatos filiados à Federação das Indústrias do Ceará. O encontro foi na sede da Fiec.

O presidente da Fiec, empresário Beto Studart, promoveu a reunião com o objetivo de dissipar todas as dúvidas em torno das relações do fisco com a indústria cearense. E deu resultado.

Um dos presentes contou que o secretário Mauro Filho resolveu, na hora, algumas questões que havia muito tempo  causavam ruídos no contato entre os dois lados. No final, o Beto Studart chegou a comentar ao convidado: “Foi bom você não ter sido eleito senador, pois assim ganhamos a chance de solucionar problemas importantes que afetavam a indústria cearense”.

O presidete da Fiec lembrou a última ação do secretário Mauro Filho, que foi a de isentar do ICMS, graças à determinação do governador Camilo Santana, a mini-geração de energia solar ou eólica.

 

12:46 · 02.07.2015 / atualizado às 13:05 · 02.07.2015 por

Mauro Benevides FilhoA arrecadação tributária do governo do Ceará registrou, no recente mês de junho, um aumento nominal de mais ou menos 7% em relação ao anterior mês de maio segundo informou há poucos instantes o secretário da Fazenda do Estado, Mauro Benevides Filho.

De acordo com o secretário, a receita tributária de julho  deve ter experimentado uma elevação real, ou seja, descontada a inflação, de algo como 1%, ou menos, em comparação com a receita do mês anterior.

Mauro Filho lembrou que, por causa da crise na economia brasileira, a arrecadação caiu em todos os estados brasileiros, razão pela qual alguns, como o Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina enfrentam problemas de atraso no pagamento do funcionalismo, o que não é o caso do Ceará, que “mantém e manterá esse pagamento em dia”.

Deus te ouça.