Busca

Tag: Porto do Pecém


04:29 · 16.01.2018 / atualizado às 04:31 · 16.01.2018 por

Será aqui em Fortaleza, por todo esta segunda quinzena de janeiro, mais uma reunião dos representantes do Governo do Ceará com os do porto holandês de Roterdã (foto).

As duas partes estão próximas da assinatura de um contrato que permitirá ao Porto de Roterdã associar-se à CIPP S/A, antiga Cearaportos.

Roterdã participará, minoritariamente, do capital da CIPP S/A e terá dois lugares na diretoria da empresa.

Os holandeses assumirão, com sua expertise, o comando da logística e das estratégias comerciais do Complexo Industrial e Portuário do Pecém.

04:34 · 11.01.2018 / atualizado às 04:35 · 11.01.2018 por

Houve terça-feira, 9, em Fortaleza uma reunião que juntou representantes da Câmara Setorial da Fruticultura do Ceará, da Secretaria da Agricultura, da Diretoria de Agronegócio da Adece e dos exportadores de frutas com a diretora comercial da CIPP S/A, empresa que substituiu a Cearaportos.

A reunião teve como objetivo encontrar soluções para superar as dificuldades de exportação de frutas pelo porto do Pecém, que perdeu a liderança desse mercado para o Porto de Natal.

É preciso deixar claro que a direção do porto do Pecém não tem culpa pelo problema.

Na verdade, a questão reside no pequeníssimo quadro de fiscais federais agropecuários. São apenas quatro.

Ficou decidido na reunião que as partes envolvidas procurarão os senadores e deputados federais cearenses para que, junto ao Ministério da Agricultura, obtenham a ampliação do quadro de fiscais do Ministério da Agricultura no Ceará.

Se isso não acontecer, a situação de dificuldade permanecerá.

04:16 · 08.01.2018 / atualizado às 11:26 · 08.01.2018 por

O Porto do Pecém perdeu para o de Natal (RN) a posição de líder da exportação de frutas. No ano passado de 2017, Pecém embarcou em frutas o equivalente a apenas US$ 132,8 milhões. O de Natal exportou US$ 232,6 milhões – 90% melões. E o de Salvador, que era o terceiro, ficou em segundo lugar, exportando em 2017 o equivalente a US$ 213 milhões em frutas.

Há vários motivos que explicam essa radical mudança. Fontes ouvidas pelo blog afirmam que, no Rio Grande do Norte, onde há centenas de pequenos e médios fruticultores, a área plantada de melão aumentou – aqui no Ceará, por falta de água, essa área foi reduzida em 13%, o que levou à queda das exportações em 24,7%.

Outra explicação: o porto de Natal, que tinha um navio semanal para a exportação de suas frutas, conta agora com dois navios da gigante CNA-CGM. O blog apurou que, enquanto no Pecém outra gigante dos mares – a dinamarquesa Maersk – enfrentou problemas causados por “hackers” que invadiram seu sistema mundial de controle, tumultuando toda a sua programação – a CNA-CGM agiu com rapidez para dobrar o número de seus navios em Natal.

Mas os fruticultores cearenses garantem que, se as chuvas voltarem e os grandes açudes do Estado forem recarregados, a produção e a exportação de melões e outras frutas do Ceará retomarão seus números tradicionais.

Uma fonte do Porto do Pecém disse ao blog que, apesar de haver perdido posição no embarque de frutas para o exterior, ele registrou um aumento de 30% em sua carga em contêineres.

Outra explicação para a liderança do Porto de Natal na exportação de frutas: “Eles têm lá uma fiscalização mais expedita do Ministério da Agricultura. No Pecém, o número de fiscais agropecuários federais é reduzidíssimo. O Porto de Natal é pequeno e hoje praticamente se dedica à exportação de melão, o que facilita os processos”, diz um empresário da área de logística, acrescentando: “O Porto do Pecém conta com equipamentos obrigatórios que o de Natal não tem, como scanner, balanças e câmaras frigoríficas, o que aumenta seus custos de operação”. Esses custos são até 40% mais baixos em Natal.

Resumo: a fruticultura cearense depende da natureza para retomar sua performance.

07:45 · 26.12.2017 / atualizado às 07:47 · 26.12.2017 por

O blog conversou com o secretário de Desenvolvimento Econômico do Governo do Ceará, economista Cesar Ribeiro

Ele se declarou muito otimista em relação à economia do Ceará ao longo do próximo ano de 2018.

De acordo com o secretário César Ribeiro, com a chegada da Fraport, que a partir da próxima semana assumirá, sozinha, a gestão do Aeroporto Pinto Martins; com a instalação do Hub da Air France-KLM e Gol, que a partir de abril iniciará voos para Paris e Amsterdã a partir de Fortaleza; e com a próxima chegada do Porto de Roterdã à gestão do Complexo Industrial e Portuário do Pecém, o Ceará dará um salto de qualidade.

César Ribeiro disse: “Tudo isso será um novo tempo para o Ceará e os cearenses”.

Vamos torcer para que seja isso mesmo.

07:35 · 23.12.2017 / atualizado às 07:37 · 23.12.2017 por

Na terça-feira, 19, o Porto do Pecém bateu um recorde histórico, ao embarcar, num único dia, 23 mil toneladas de placas de aço produzidas pela usina siderúrgica da CSP.

Antes disso, o máximo de movimentação de placas de aço no Pecém foi de 13 mil toneladas num só dia.

A quebra desse recorde foi celebrada até pelo governador Camilo Santana.

Danilo Serpa, presidente da CIPP S/A, empresa que substituiu a Cearaportos, informa que esse recorde foi possível porque as empresas operadoras do Porto do Pecém dispõem hoje dos mais modernos equipamentos para a carga e a descarga de navios com as mais diferentes mercadorias.

E o planejamento da CIPP S/A para esse embarque recorde foi cumprido à risca.

O navio Equinox Star, que recebeu as 23 mil toneladas de placas de aço da CSP, zarpou para os Estados Unidos, destino final da carga.

04:11 · 11.12.2017 / atualizado às 04:13 · 11.12.2017 por

Uma informação importante para os empresários da agropecuária cearense, principalmente para os exportadores de frutas:

O Ministério da Agricultura decidiu não contratar mais nenhum novo fiscal agropecuário. No Ceará, o Ministério tem só 10 fiscais que cumprem sua tarefa nos portos do Pecém e Mucuripe e no Aeroporto Pinto Martins.

Em vez de contratar novos fiscais, o Ministério começou a implantar um novo modelo de fiscalização, que leva em consideração o histórico da empresa exportadora.

Se ela teve poucos problemas com a fiscalização no passado recente e remoto, os fiscais levarão isso em conta.

Se teve muitos problemas, a fiscalização será mais severa.

O novo processo, segundo o ministro Blairo Maggi, acelerará a fiscalização nos portos e aeroportos brasileiros, incluindo os do Ceará, por onde são embarcadas as frutas daqui e dos demais estados nordestinos.

04:33 · 13.11.2017 / atualizado às 04:35 · 13.11.2017 por

O Porto de Salvador, administrado pelo Governo da Bahia, está empreendendo um grande esforço no sentido de atrair para ele cargas que hoje são exportadas pelo Porto do Pecém, no Ceará.

Para isso, os baianos estão a anunciar que o Porto de Salvador tem plantão de fiscalização fitossanitária nas 24 horas do dia, de domingo a domingo.

O Porto do Pecém, infelizmente, só conta com cinco fiscais do Ministério da Agricultura – em 2018 vão aposentar-se mais dois, o que reduzirá para apenas três o numero de fiscais.

Para pressionar o Ministério da Agricultura a ampliar o número de seus fiscais nos portos de Pecém e Mucuripe e no Aeroporto Pinto Martins, deputados, senadores, exportadores e diretores da CIPP S/A (antiga Cearaportos) estão a caminho de Brasília.

04:43 · 09.11.2017 / atualizado às 07:30 · 09.11.2017 por

Uma informação – desconhecida por 99% dos cearenses – está chegando agora diretamente do Porto do Pecém:

A Cearaportos, que administra aquele terminal portuário e que mudou de nome, e agora se chama CIPP S/A, pagou, nos últimos dois anos, ao Governo do Estado do Ceará R$ 50 milhões em dividendos.

Só paga dividendos uma empresa que dá lucro, e este é o caso da CIPP S/A, que fechará este ano de 2017 com um faturamento de R$ 140 milhões.

O presidente da CIPP S/A, Danilo Serpa, surpreendeu um grupo de empresários que o visitou segunda-feira,6, no Pecém, ao afirmar que sua empresa é autossuficiente, bancando com seus próprios recursos todas as suas despesas de custeio.

Tem mais: a CIPP S/A recolhe mensalmente os impostos devidos à Receita Federal e ao Tesouro Estadual.

Ela também sustenta toda a folha do seu pessoal, que é pago em dia, como faz uma empresa organizada.

Com a provável e próxima chegada do sócio Porto de Roterdã – que aportará,literalmente, capital e expertise à CIPP S/A – a performance da empresa cearense será, muito certamente, ampliada.

04:31 · 09.11.2017 / atualizado às 04:33 · 09.11.2017 por

A diretoria comercial da Cearaportos, cujo nome agora é CIPP S/A e cuja diretora da área é Rebeca Oliveira, manteve entendimento com as empresas de navegação e com elas acertou um calendário para a escala de navios no Porto do Pecém.

Essa escala,cumprida desde há três meses, é a seguinte:

Nas sextas-feiras, atraca no Pecém um navio da francesa MSC;

Nos dias de sábado, atraca um navio da dinamarquesa Maersk;

E nos dias de domingo, um navio da alemã Hamburg-Sud.

São as três maiores empresas de navegação do mundo.

O calendário de escala resolveu, de uma vez por todas, os problemas contra os quais se queixavam os exportadores cearenses.

04:32 · 08.11.2017 / atualizado às 04:32 · 08.11.2017 por

O Ceará está fabricando e exportando gigantescas pás para aerogeradores de energia eólica.

Quem as fabrica e as exporta é a unidade industrial cearense da Wobben Windpower, uma empresa de capital alemã, instalada e em operação no Complexo Industrial e Portuário do Pecém.

Surge a pergunta: está exportando para onde?

O blog responde: para a Alemanha e para a Noruega, países que investem pesadamente na geração de energias renováveis.

Na semana passada, pelo Porto do Pecém, foram embarcadas para a Alemanha, no navio E-Ship, 48 dessas gigantescas pás, cada uma das quais pesando 11 toneladas e comprimento de 45 metros.

Pelo Porto do Pecém, a Woibben também embarca suas pás para clientes brasileiros do Rio Grande do Sul, onde cresce o número de parques de geração de energia eólica.