Busca

Tag: Seca


04:15 · 23.06.2017 / atualizado às 04:15 · 23.06.2017 por

Os pequenos açudes do Ceará estão assoreados, isto é, cheios de areia e outros materiais. É preciso, pois, desassorea-los.

Quem faz esta advertência é o ex-presidente da Ematerce, agrônomo José Maria Pimenta.

Ele explica que o material depositado é formado por algas, microalgas, lodo e plâncton, e tudo isto causa o aparecimento daquela água de cor verde escura, imprópria para o consumo humano.

José Maria Pimenta está aconselhando o Governo do Estado e as prefeituras municipais a aproveitar esse material, primeiro como adubo, pois é rico em matéria prima.

Em segundo lugar, como matéria-prima para as fábricas de cerâmica.

E em terceiro lugar como material próprio para elevar a altura da parede dos próprios açudes, aumentando sua capacidade de armazenamento.

Para isso, é só usar as caçambas, as retroescavadeiras e motoniveladoras que o governo da ex-presidente Dilma doou às prefeituras do Ceará.

José Maria Pimenta declara-se inconformado com o jeito como a seca tem sido combatida no Ceará.

12:21 · 08.12.2016 / atualizado às 12:23 · 08.12.2016 por

morreuÉ grave a situação da agropecuária cearense, que está sob a iminência de mais um ano de seca.

O presidente da Federação da Agricultura do Ceará, Flávio Sabóya, disse ao blog que, se 2017 for mesmo mais um ano de chuvas abaixo da média, estará ameaçado de morte todo o rebanho bovino cearense, que tem 2,5 milhões de cabeças, a metade das quais são fêmeas.

Mas não é só isso: essa ameaça estende-se, também, aos rebanhos caprino e ovino, os quais, juntando ao rebanho bovino, representam 53% do Valor Bruto da Produção.

De acordo com Flávio Sabóya, só o valor das vacas leiteiras equivale a R$ 3 bilhões de reais.

Na última reunião do Agropacto, realizada terça-feira, 6, na Assembleia Legislativa, a situação da agropecuária cearense foi o tema de um longo debate, no fim do qual saiu mais uma lista de providências que os governos federal e estadual devem adotar.

Essa lista é em tudo semelhante às listas que se divulgaram nas secas anteriores.

04:27 · 28.11.2016 / atualizado às 04:27 · 28.11.2016 por

Durante três dias desta semana, de quarta, 30/11, a sexta-feira, 02/12, no auditório do Banco do Nordeste no bairro do Passaré, em Fortaleza, será realizado um mega-seminário sobre a seca que, desde 2010, castiga a região Nordeste e, principalmente, o Ceará, cuja capital e sua Região Metropolitana estão ameaçados de ficar sem água dentro de quatro meses, ou seja, em março do próximo ano.

Esse seminário, organizado pela Funceme e patrocinado pelo Ministério de Ciência e Tecnologia, pelo Governo do Ceará e pela Agência Nacional de Águas, reunirá a comunidade científica que tem a ver com o monitoramento do clima e com a meteorologia, além de técnicos e dirigentes de organismos públicos ligados aos recursos hídricos.

Virão também representantes de todos os Estados do Nordeste e ainda de Minas Gerais e do Espírito Santo.

De acordo com Eduardo Sávio, presidente da Funceme, o seminário sobre a seca de 2010 a 2016 servirá, igualmente, para uma reflexão a respeito do ano de 2017, cujo mapa meteorológico ainda não foi definido.

 

05:08 · 15.11.2016 / atualizado às 05:10 · 15.11.2016 por

carro-pipaEste blogueiro passou três dias numa parte do sertão central cearense, onde as consequências econômicas e sociais da seca são visíveis nas sedes e nos distritos municipais.

Vi dezenas de caminhões-pipa distribuindo o que na pipa está anunciado, em letras garrafais, como água potável, que vem de açudes quase secos localizados a quilômetros de distância.

O que mantém em paz e em ordem as populações sertanejas é o Bolsa Família, cujo valor é responsável pela manutenção da atividade comercial nas sedes municipais e nos seus distritos.

Em secas passadas, como na de 1958,por exemplo, já teriam acontecido saques ao comércio das cidades.

Eu também vi poços do tipo amazonas, cavados no leito seco de riachos, dos quais sai a água que irriga a plantação de capim que alimenta o gado leiteiro.

Acredite, em plena seca, produz-se ainda muito leite, principalmente nas fazendas da agricultura empresarial. É o milagre.

Os açudes, todos eles, estão secos, com exceção de alguns poucos dos quais sai aquela água distribuída pelos caminhões-pipa.

Em Canindé, Madalena e Boa Viagem, onde a temperatura às duas horas da tarde chega aos 40 graus, ainda existe a fé e a esperança de que 2017 será um ano de chuvas regulares.

Se isso acontecer, a cor cinza da paisagem sertaneja logo se transformará no verde, e os rios voltarão a correr e os açudes serão recarregados.

Mas, devo repetir, isso será produto de muita fé e muita esperança em Deus, porque os sinais da ciência são pessimistas.

05:08 · 05.10.2016 / atualizado às 05:10 · 05.10.2016 por

confucioConfúcio, o sábio pensador chinês disse o seguinte:

“Se você tem metas para 10 anos, plante uma árvore. Se você tem metas para 100 anos, eduque uma criança. Mas se você tem metas para mil anos, preserve o meio ambiente”.

Por que esta citação de Confúcio?

Porque, neste momento, as notícias que chegam da ciência meteorológica indicam que o Ceará e o Nordeste têm tudo para enfrentar pelo sexto ano consecutivo mais um período de poucas chuvas.

O fenômeno La Niña, que provoca boas chuvas no Nordeste e poucas chuvas no Sul e Sudeste do País, emite fracos sinais, o que já preocupa a Funceme e, principalmente, os agricultores nordestinos.

O volume de água dos açudes Orós e Castanhão está no mínimo histórico.

E o da barragem de Sobradinho aproxima-se do volume morto.

Mas a falta de chuvas não é só aqui, mas em grande parte do mundo, culpa da açãodo homem contra a natureza, contra o meio ambiente, desrespeitando o conselho de Confúcio.

Vale repetir: a terceira guerra mundial, se acontecer, será pela conquista de água e não de terras.

11:16 · 08.07.2016 / atualizado às 11:18 · 08.07.2016 por

adutoraO Governo interino do presidente Michel Temer está prestes a editar uma Medida Provisória, já autorizada pelo Tribunal de Contas da União, abrindo um crédito de R$ 600 milhões para a execução de projetos de combate à seca que, neste momento, atinge vários estados do País, principalmente os do Nordeste.

Pois bem: desses R$ 600 milhões a serem liberados, R$ 42 milhões serão destinados ao Governo do Estado do Ceará, que os aplicará na execução de projetos de instalação de adutoras de engate rápido.

Trata-se de uma boa e urgente providência, mas há uma pedra no meio do caminho: onde está a água que será transportada por essas adutoras? Os açudes cearenses estão secos ou quase secos.

Mas é importante a instalação de adutoras de engate rápido, ou seja, de adutoras tubulares, porque, quando as chuvas voltarem e os açudes forem recarregados, as cidades já disporão dessa infraestrutura hídrica, que já estará em operação.

Resumo: depois da tempestade, vem sempre a bonança.

14:18 · 06.05.2016 / atualizado às 14:20 · 06.05.2016 por

Agricultura irrigadaDesde 2012, o Ceará, como os demais estados da região Nordeste, vive um ciclo de baixa pluviometria, ou seja, de chuvas abaixo da média história.

Consequência: os açudes, inclusive os grandes, estão secos ou em vias de secar.

Pois bem: ao longo desse ciclo de seca, o Estado do Ceará, que em 2012 tinha 92 mil hectares utilizados pela agricultura irrigada, perdeu 12 mil hectares, segundo disse ao blog o engenheiro agrônomo Zuza de Oliveira, ex-presidente da Agência de Desenvolvimeto do Ceará (Adece).

De acordo ainda com Zuza de Oliveira, 15 mil postos de trabalho, que podem ser traduzidospor 15 mil pessoas, perderam seu emprego na atividade agropecuária como consequência desse ciclo de seca.

Mas, como todas as indicações cientificas estão a indicar que 2017 será um ano de chuvas normais, Zuza de Oliveira acredita que os açudes serão recarregados e que a agricultura irrigada retomará seu ciclo virtuoso de produção, reempregando aquelas 15 mil pessoas que perderam seu emprego.

No seu otimismo, Zuza considera que, com os açudes cheios de novo, a pecuária e a agricultura tecnificada darão um novo salto no Ceará.

É aguardar para ver se será assim mesmo

10:18 · 19.01.2016 / atualizado às 10:18 · 19.01.2016 por
Estado caminha para o quinto ano consecutivo de seca FOTO: Amaury Alencar
Estado caminha para o quinto ano consecutivo de seca FOTO: Amaury Alencar

As chuvas no Ceará entre fevereiro e abril deste ano devem ficar abaixo da média histórica. A Funceme vai anunciar, na manhã de quarta-feira (20), que a probabilidade maior é que o Estado tenha precipitações inferiores à média no período.

O prognóstico decorre do El Niño, que aquece as águas do Oceano Pacífico. Apesar de ter perdido força, conforme adiantado pelo Diário do Nordeste no início deste mês, o fenômeno segue em intensa atividade.

A causa das chuvas dos últimos dias, inclusive a desta terça-feira, que já banha mais de 80% dos municípios cearenses, é o Vórtice Ciclônico de Altos Níveis, que costuma atuar nesta época do ano, provocando chuvas na parte oeste do Nordeste e no Ceará.

Veja os comentários do colunista Egídio Serpa na TV DN

04:07 · 23.12.2015 / atualizado às 04:10 · 23.12.2015 por

El NiñoA Funceme emitiu segunda-feira, 21, um boletim, ao qual este blog teve acesso, cujo conteúdo, em resumo, é o seguinte:

Neste momento, o fenômeno El Niño, que aquece as águas do Pacífico e provoca seca no Nordeste e enchentes no Sul e Sudeste do Brasil, alcança o seu ponto culminante.

Isto quer dizer que, até março do próximo ano, não haverá chuva aqui no Nordeste.

É uma notícia horrível, mas o mesmo boletim da Funceme trouxe uma notícia, digamos assim, menos ruim, que é a que se segue:

Há um discretíssimo sinal do La Niña, que é o fenômeno que causa o aquecimento das águas do Atlântico, provocando chuvas na região nordestina.

O presidente da Funceme, Eduardo Sávio, disse ao blog que, se o La Niña realmente acontecer, as chuvas poderão voltar lá pelo mês de junho de 2016.

Mas só para o Nordeste Oriental, o que quer dizer que Ceará, Piauí e os sertões de Pernambuco e da Paraíba estarão de fora, sofrendo mais um ano de seca – o quinto consecutivo.

Ou seja, para os cearenses, se correr, o El Niño pega; se ficar, o La Ninã come.

11:34 · 07.11.2015 / atualizado às 11:40 · 07.11.2015 por

cinturãoNo que tange ao enfrentamrnto dos efeitos sociais e econômicos da seca que há quase cinco anos castiga a região nordestina, estão a fazer a coisa certa o Governo da União e o Governo do Ceará.

Oprimeiro excuta as obras do Projeto São Francisco de Integração de Bacias, que, pelo último croonograna, deverão ser concluídas no segundo semestre do próximo ano.

Por sua vez, o governo cearense faz a sua parte, implatando o Citurão das Águas, obra que complementará o Projeto São Francisco.

O Ceará é, hoje, o estado de melhor captação, gestão e distribuição dos seus recursos hídricos.

Mas há um problema, e este problema tem nome: a natureza.

A natureza tem sido avara com o Nordeste brasileiro- o Ceará no meio. São quatro anos seguidos de chuvas abaixo da média histórica, o que fez secar os pequenos, médios e randes reservatórios da região – a barragem de Sobradinho chegará ao volume morto até o fim deste mês.

O açude Castanhão, no Ceará, tem água suficiente para abastecer Fortaleza só até setembro do próximo ano.

Mesmo que o Projeto São Francisco de Integração de Bacias fique pronto no tempo previsto, será necessário que as chuvas retornem para devolver ao leito do rio o volume de água suficiente para recarregar Sobradinho.

Sobradinho seco significará Projeto São Francisco sem condição de transferir água para os canais Norte (em direção ao Ceará e ao Rio Grande do Norte) e Leste (em direção a Pernambuco e à Paraíba).

Contra a natureza só a fé em Deus.