Busca

Tag: Usina Siderúrgica do Pecém


04:17 · 09.03.2018 / atualizado às 04:19 · 09.03.2018 por

Como já dissemos aqui, a Companhia Siderúrgica do Pecém será impactada, diretamente, pela recente decisão do presidente Donald Trump de estabelecer uma sobretaxa de 25% sobre as importações norte-americanas de aço.

Ontem, quinta-feira, 8, Trump assinou a resolução estabelecendo a cobrança da sobretaxa de 25% para o aço e de 10% para o alumínio.

Hoje, a CSP exporta para os Estados Unidos um quarto de sua produção anual, que é de 3 milhões de toneladas de placas de aço.

A União Europeia admitiu que, para evitar que a Europa seja invadida por aço barato que iria para os Estados Unidos, pretende, também, impor uma sobretaxa sobre o produto importado pelos seus países membros.

Se isso acontecer mesmo, países produtores como o Brasil, a China e a Coreia do Sul terão grandes prejuízos.

O blog fica a imaginar as consequências disso na atividade produtora da siderúrgica do Pecém.

11:50 · 28.12.2017 / atualizado às 11:52 · 28.12.2017 por

Uma informação curta, mas importante, sobre as exportações cearenses:

O setor de metalurgia lidera a pauta das exportações do Ceará.

Entenda-se metalurgia como sendo, no caso cearense, a usina siderúrgica da CSP.

Pois bem: de janeiro a novembro deste ano, as exportações das placas de aço da usina da CSP, no Pecém, representaram US$ 955 milhões, ou seja, 51% do total exportado pelo Ceará.

Em 2018, esse resultado em dólar será maior.

04:53 · 20.12.2017 / atualizado às 04:55 · 20.12.2017 por

O presidente da Companhia Siderúrgica do Pecém, a CSP, engenheiro Eduardo Parente, está sorrindo de orelha a orelha.

É que as exportações do Ceará, de janeiro e novembro deste ano, alcançaram uma arca histórica: US$ 1,87 bilhão em mercadorias as mais diversas.

Houve um incremento de 54,9% em relação ao mesmo período do ano passado.

Mas o que está causando o sorriso de Eduardo Parente é o fato de que é a usina siderúrgica do Pecém que vem puxando as exportações cearenses com as vendas de suas placas de aço para mais de 20 países,incluindo EUA e México.

Neste ano, a usina da CSP está produzindo e exportando 3 milhões de toneladas de placas de aço.

04:49 · 01.12.2017 / atualizado às 04:50 · 01.12.2017 por

No próximo dia 6, o CEO da Companhia Siderúrgica do Pecém, engenheiro Eduardo Parente, terá um encontro com os jornalistas cearenses.

Essa reunião será na Federação das Indústrias do Ceará (Fiec) e durará das 8 às 10 horas.

Eduardo Parente fará para os jornalistas uma exposição sobre a performance da usina siderúrgica do Pecém, que fechará este ano de 2017 com a exportação de 2,9 milhões de toneladas de placas de aço, ou seja, praticamente a capacidade total da usina, que é de 3 milhões de toneladas por ano.

A CSP exporta suas placas para mais de 20 países, sendo que o México e os Estados Unidos compram 40% dessa produção.

A CSP dá emprego direto hoje a quase 3 mil pessoas.

04:10 · 26.06.2017 / atualizado às 04:10 · 26.06.2017 por

Reparem: 43% de toda a produção da usina da Companhia Siderúrgica do Pecém estão sendo exportados… para onde? Para os Estados Unidos da América do Norte.

As placas de aço “made in Ceara” da CSP estão sendo usadas pelas grandes siderúrgicas dos Estados Unidos para a fabricação de aços planos, com os quais se fazem automóveis, geladeiras fogões e muito mais.

Esta informação tem importância porque revela a alta qualidade do produto cearense, uma vez que o Governo norte-americanos não autoriza a importação do que não tem qualidade.

Nos primeiros seis meses deste ano de 2017, até a semana passada, a usina siderúrgica do Pecém exportou 1,3 milhão de toneladas de placas de aço, que foram vendidas também para mais de 20 países, incluindo os da Europa e da Ásia.

Estima-se que, até o fim do ano, a CSP exportará quase 3 milhões de toneladas de placas de aço.

04:35 · 12.06.2017 / atualizado às 04:35 · 12.06.2017 por

Antes do início da operação da usina siderúrgica da CSP, o Ceará exportava, anualmente, não mais do que US$ 2,7 milhões em ferro fundido, ferro e aço.

Pois bem: hoje, graças à operação da usina siderúrgica do Pecém, o Ceará já exporta US$ 445 milhões em aço.

As placas de aço fabricadas pela CSP saem daqui pelo Porto do Pecém e se destinam a vários países da América do Norte, da Europa e da Ásia.

O blog pode informar que esses US$ 445 milhões deverão crescer para mais de US$ 500 milhões no final deste ano.

18:57 · 06.06.2017 / atualizado às 18:57 · 06.06.2017 por

Informa a Assessoria de Imprensa da Companhia Siderúrgica do Pecém:

A Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) recebeu na última quinta-feira, 01 de junho, a Licença de Operação (LO) nº 102/107. A licença foi emitida pela Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), embasada no parecer técnico nº 1759/2017 e assinada pelo superintendente Ricardo Araújo de Lima.  A licença atesta que, nos últimos oito anos, a empresa cumpriu todos os compromissos assumidos desde a fase de construção e testes até o comissionamento.

Buscando ser referência em desenvolvimento sustentável no setor, a mais nova usina siderúrgica do país e a primeira integrada no Nordeste utiliza as melhores tecnologias ambientais. Foram investidos, aproximadamente, R$ 1 bilhão em equipamentos ambientais, gerenciamento de resíduos e no controle e monitoramento das emissões atmosféricas e do lançamento de efluentes. Como resultado concreto deste investimento, a empresa tem um nível de emissões atmosféricas 50% menor que o estabelecido na legislação ambiental brasileira e uma taxa de aproximadamente 98% de reuso de água. Outro resultado relevante é o nível de reaproveitamento de resíduos sólidos na usina, da ordem de 99%, contribuindo para minimizar o impacto na região onde está inserida. Além disso, são aportados R$ 3 milhões por ano em monitoramento ambiental.

Para o presidente da CSP, Eduardo Parente, essa importante conquista reforça ainda mais as práticas e compromissos da siderúrgica com o meio ambiente. “Todos os empregados da CSP seguem trabalhando constantemente para manter a credibilidade durante todo o ciclo de vida das atividades da CSP, buscando o desenvolvimento sustentável da região onde atuamos”, reforçou Eduardo.

 

08:34 · 13.04.2017 / atualizado às 17:20 · 13.04.2017 por

O cearense Mateus Paulino, de 28 anos, analista de tecnologia da Companhia Siderúrgica do Pecém, ganhou – e recebeu – ontem, quarta-feira, 12, em Pequim, na China, o prêmio de vice-campeão de uma das mais importantes competições do setor siderúrgico mundial, envolvendo tecnologia e inovação.

Para chegar à final, ele travou uma disputa com 1.469 participantes de 16 países.

Na primeira fase da disputa, de caráter regional, o desafio imposto a Mateus Paulino foi simular a produção de um tipo de aço de ultrabaixo carbono com o menor custo. Ele conseguiu.

Na etapa final, na China, coube aos finalistas avaliar a produção de um aço de carbono leve/baixo usado em aplicações como ferramentas e peças de máquinas, ao menor custo, usando o simulador básico de fabricação de forno de oxigênio.

Na foto, o analistas cearense Mateus Paulino recebe em Pequim o prêmio pelo seu vice-campeonato mundial.

04:34 · 07.04.2017 / atualizado às 04:36 · 07.04.2017 por

O engenheiro Paulo André Holanda, superintendente do Senai no Ceará, organismo do Sistema Fiec, informa que, entre 2015 e 2016, promoveu, para a Companhia Siderúrgica do Pecém, 17 cursos em diferentes áreas da indústria para uma turma de 800 pessoas, todas elas hoje empregadas na usina da CSP no Pecém.

Segundo Paulo André Holanda, o Senai no Ceará está, neste momento, treinando mais 350 aprendizes em cursos que interessam diretamente à Companhia Siderúrgica do Pecém.

Agora, um detalhe: para esse curso destinado a aprendizes, inscreveram-se mais de 11 mil pessoas, a grande maioria jovens.

Todo esse pessoal que agora está sendo qualificado será a força de reserva da usina da CSP, que neste ano produzirá e exportará 2 milhões e 900 mil toneladas de placas de aço.

13:38 · 05.04.2017 / atualizado às 13:49 · 05.04.2017 por

O presidente da Federação das Indústrias do Ceará, Beto Studart, levou terça-feira, 4, uma comitiva de empresários da indústria para acompanhar a cerimonia de celebração do início das atividades da usina da Companhia Siderúrgica do Pecém. Studart e comitiva não esconderam a satisfação com o empreendimento. O presidente da Fiec afirmou acreditar que em 10 anos seja triplicada a oferta de empregos diretos e indiretos pela CSP, transformando o perfil de renda da região e contribuindo decisivamente para que o Ceará consolide um novo tempo de desenvolvimento, mostrando que o sonho iniciado há 35 anos se materializou em modernidade e progresso para o Estado.

Na foto, Beto Studart está ao lado do empresário Fernando Rodrigues, da Makro Engenharia, uma empresa cearense incluída entre as maiores do País na área da locação de máquinas e equipamentos..