Busca

Tag: ZPE do Ceará


16:59 · 10.09.2018 / atualizado às 17:27 · 10.09.2018 por

Uma informação que chega ao blog enviada pela Assessoria de Imprensa da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado do Ceará:

O Ceará está participando, nesta e na próxima semana (12 a 18 de setembro) de missão do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) no Japão e Coreia do Sul.

O foco do Governo cearense, de acordo com o titular da Secretaria do Desenvolvimento Econômico, (SDE), Cesar Ribeiro, que está na missão, é a atração de investimentos para a Zona de Processamento de Exportação (ZPE-CE), no Pecém, que será apresentada como caso bem sucedido do regime brasileiro de Zonas de Processamento de Exportações nos seminários “Invest in Brazil”, realizado em parceria com Apex-Brasil e Ministério das Relações Exteriores (MRE), em Tóquio e Seul.

A missão é liderada pelo pelo ministro da pasta, com participação das secretarias executivas do MDIC.

No Japão, as agendas serão em Tóquio e Nagoia e estão previstas visitas às fábricas da Nissan, Toyota, além de encontros com a direção da Japan External Trade Organization( JETRO). Para o seminário “Invest in Brazil”, segundo o MDIC, confirmaram presença 189 representantes de empresas japonesas.

Já na Coreia do Sul, em Seul, a agenda contempla visitas às fábricas da Hyundai Motors, Samsung e  à região de Pangyo, esta última conhecida como o“Vale do Silício Coreano”, além do seminário “Invest in Brazil” e encontro com o governo coreano.

Na semana passada, uma equipe da SDE e da Assessoria de Assuntos Internacionais do Estado, participou, junto com a Prefeitura de Fortaleza, de uma missão à China, na qual tiveram reuniões com fundos de investimentos, empresas de energia solar e tecnologia em saúde.

Já foram anunciados mais de US$ 7 bilhões em investimentos com capital de origem japonesa no Brasil desde janeiro de 2013, segundo a base de dados da Renai (Rede Nacional de Informações sobre o Investimentos), do MDIC, e mais de US$ 4 bilhões em investimentos com capital de origem sul coreana.

De acordo com o Banco Central, o estoque de investimentos da Coreia do Sul no Brasil em 2016 (última atualização) foi de aproximadamente US$ 5 bilhões. O país ficou na 23ª posição no ranking de principais investidores no Brasil

Nos seminários, será apresentado o regime brasileiro de Zonas de Processamento de Exportações e o caso bem-sucedido do Pecém. A equipe da secretaria-executiva do Conselho Nacional das ZPEs terá agenda de trabalho à parte focada na atração de investimento para as zonas brasileiras.

04:12 · 17.04.2018 / atualizado às 04:12 · 17.04.2018 por

A empresa paulista Dapaz, que beneficia granitos e mármores, apresentou na última sexta-feira, dia 13, uma manifestação de interesse à ZPE do Ceará.

A Dapaz quer investir na ZPE do Pecém, implantando nela uma unidade industrial de beneficiamento de granitos e mármores extraídos do Ceará.

Ela é a vigésima empresa interessada em implantar-se na ZPE do Ceará.

A Dapaz anuncia que pretende iniciar a operação dessa unidade no próximo ano de 2019.

04:32 · 04.04.2018 / atualizado às 04:33 · 04.04.2018 por

Na próxima sexta-feira, dia 6, um grupo de empresários da Câmara de Comércio Brasil-Japão virá ao Ceará, acompanhado do embaixador do seu País no Brasil e do senador Eunício Oliveira, presidente do Senado.

Os japoneses participarão, em Fortaleza, de um seminário que tratará das relações comerciais entre os dois países.

No sábado, 7, os empresários do Japão visitarão o Complexo Industrial e Portuário do Pecém, detendo-se, principalmente, na Zona de Processamento para Exportação, a ZPE do Ceará, em cuja área empresas japonesas voltadas para o comércio exterior poderão instalar-se.

O Governo do Japão tem interesse em instalar uma plataforma de produção e exportação em um ponto do mundo que fique equidistante dos Estados Unidos e da Europa, e esse ponto, segundo o governador Camilo Santana, é o Complexo do Pecém.

Então, é aguardar para ver o que acontecerá.

04:46 · 22.03.2018 / atualizado às 04:47 · 22.03.2018 por

Vem aí, no próximo mês de abril, a Fortaleza Brasil Stone Fair (foto), a maior feira brasileira de rochas ornamentais, ou seja, de mármores e granitos.

A feira será realizada no Centro de Eventos do Ceará, em Fortaleza.

O presidente do Sindicato da Indústria de Granitos e Mármores do Ceará, Carlos Rubens, disse ao blog que, em 2013, quando houve a primeira edição dessa feira, participaram dela apenas 21 expositores.

Naquela época, as exportações cearenses de rochas ornamentais eram de apenas US$ 23 milhões.

Neste ano, estarão presentes à feira mais de 40 empresas expositoras, algumas das quais virão da Itália.

Caros Rubens lembrou que, em 2013, o Ceará tinha só 12 empresas que extraíam e beneficiavam granitos e mármores; hoje, o Ceará tem quatro dezenas dessas empresas, todas incluídas entre as melhores maiores do País.

Grande parte dessas empresas está vindo de outros estados para instalar-se na ZPE do Ceará, mas não podem começar a construção de suas fábricas porque o Governo do Estado ainda não não resolveu o problema de legalização do terreno que será doado à ZPE e onde elas serão instaladas.

Quer dizer, o problema é burocrático.

04:57 · 13.03.2018 / atualizado às 04:58 · 13.03.2018 por

O secretário de Desenvolvimento Econômico do Governo do Ceará, economista César Ribeiro, disse ao blog que está sendo acelerado, na Procuradoria Geral do Estado, o processo de regularização do terreno que será agregado à ZPE do Ceará e no qual serão instaladas as 20 empresas de beneficiamento de mármores e granitos com os qualisfoi celebrado há dois anos um Protocolo de Intenções.

As empresas, 15 das quais são do Espírito Santo, estão com tudo pronto para iniciar as obras de construção de suas unidades industriais na ZPE do Pecém, faltando apenas que o Governo do Estado faça a sua parte no Protocolo, que é a de regularizar cartorialmente a transferência do terreno para a pessoa jurídica da ZPE Ceará.

07:44 · 11.03.2018 / atualizado às 07:45 · 11.03.2018 por

Indústrias do Espírito Santo, que beneficiam granitos, querem investir na ZPE do Ceará, em Pecém.

Alguns já projetaram suas plantas industriais, mas, infelizmente, não podem investir porque, até agora, o Governo do Ceará ainda não formalizou, legalmente, a transferência para a ZPE do terreno que será ocupado pelas indústrias capixabas.

Uma empresa cearense, a Montiel, do Grupo Imarf, também está com tudo pronto para implantar uma indústria de beneficiamento de granitos e mármores na ZPE do Pecém, mas não poderá fazê-lo enquanto não se resolver o problema do registro cartorial do terreno.

A propósito: no próximo mês de abril, o Sindicato da Indústria de Mármores e Granitos do Ceará receberá no Centro de Eventos a Brzil Stone Fair, maior feira brasileira de rochas ornamentais.

07:31 · 11.03.2018 / atualizado às 07:31 · 11.03.2018 por

Somente no último mês de fevereiro deste 2018, o Ceará exportou, em mármores e granitos, o equivalente a US$ 2,7 milhões.

Isto significa quase 15 vezes mais do que o Estado exportou em 2013, ou seja, quatro anos atrás.

Mas há outra boa notícia:

No ano de 2021, o Ceará estará exportando, em mármores e granitos, US$ 200 milhões, graças a um acordo celebrado pelo Governo do Estado com o Sindicato da Indústria de Mármores e Granitos (Simagran) e com 20 empresas do setor, sendo cinco cearenses e 15 capixabas.

O que falta para que esse acordo comece a ser executado é a transferência para a ZPE do Pecém do terreno em essas empresas implantarão suas unidades de beneficiamento, que agregarão valor às rochas ornamentais do Ceará.

04:33 · 19.10.2017 / atualizado às 04:33 · 19.10.2017 por

Tramita no Congresso Nacional um projeto-de-lei que muda a legislação das Zonas de Processamento para Exportação (ZPEs).

O secretário de Desenvolvimento Econômico do Ceará, César Ribeiro, considera muito difícil a aprovação dessa proposta, que eleva de 20% para 40% a parte da produção das empresas das ZPEs destinada à comercialização no mercado interno brasileiro.

Hoje, a lei diz que  80% do que é produzido, por exemplo, na ZPE do Ceará  têm de ser exportados, e só 20% podem ser vendidos no mercado interno.

César Ribeiro explica que dificilmente essa proposta será aprovada, pois há um lobby da indústria das regiões Sul e Sudeste que já se levantou contra ela. Resumindo: a atual a Lei das ZPEs atual deverá ser mantida.

A propósito: a única ZPE que existe e que opera normalmente no Brasil, com indústrias dentro dela, é a ZPE do Ceará. É na sua geografia que está a usina da Companhia Siderúrgica do Peém.

04:58 · 23.08.2017 / atualizado às 04:58 · 23.08.2017 por

O Governo do Ceará foi convidado pela Agência Brasileira de Promoções de Exportações e Investimentos (APEX) para participar com um estande da Feira Internacional Chinesa de Investimentos e Negócios, cuja sigla em inglês é CIFIT.

A direção da Apex quer que o governo cearense exponha no seu estande a Cearaportos e seu Complexo Industrial e Portuário do Pecém e, ainda, a sua Zona de Processamento para Exportações (ZPE), dentro da qual está instalada e em plena operação a usina siderúrgica da CSP.

A Feira Chinesa será realizada de 8 a 11 do próximo mês de setembro na cidade de Xiamen, na província de Fujian.

Em Xiaren, coincidentemente, será realizada na mesma época a reunião de cúpula dos Brics, que congrega Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Depois da feira de Xiamen, a Cearaportos fará ainda – também a convite da Apex – apresentações do Porto do Pecém e de se Complexo Industrial nas cidades de Hong Kong e Cingapura.

04:13 · 05.04.2017 / atualizado às 04:21 · 05.04.2017 por

Única ZPE em plena operação no Brasil, a ZPE do Ceará, dentro da qual está localizada a usina siderúrgica do Pecém, é protegida por 20 quilômetros de cerca metálica, sustentada por mourões de concreto.

Toda essa cerca é rodeada de postes de concreto, com 30 metros de altura cada um, separados 200 metros um do outro.

Em cima de cada poste, está instalada uma câmera de tevê que transmite em tempo real imagens para um centro de controle que faz a segurança 24 horas da área da ZPE.

Além das câmeras há sensores que emitem um alarme se alguém se aproxima da cerca metálica.

A obra da cerca, que foi finalizada em 2013, foi gerenciada pela empresa cearense V&A Arquitetura e Engenharia, do empresário Paulo Ayrton Araújo.

Toda a área da ZPE do Ceará é alfandegada, o que quer dizer que nada entra nem sai de lá sem o efetivo controle dos agentes da Receita Federal.