Busca

Arborização Urbana em Fortaleza

07:00 · 17.09.2011 / atualizado às 11:25 · 15.09.2011 por

Como explica a professora Fernanda Rocha, a falta de planejamento urbano leva às podas constantes e danosas às nossas árvores Foto: Marília Camelo

Entrevista – Fernanda Rocha*

Por Iracema Sales

Está marcado para as 19h30 do próximo dia 21, no Instituto Gaia, o primeiro encontro do Movimento Pró-Árvore, que pretende ser um fórum de discussões em prol das áreas verdes de Fortaleza, uma iniciativa do engenheiro agrônomo e botânico Antonio Sérgio Castro. Nesta mini-entrevista com a arquiteta Fernanda Rocha, tratamos do assunto:

Como se encontra a cidade de Fortaleza em termos de espaços verdes e de arborização?

Inicialmente é necessário definir melhor certos conceitos: Espaço verde é todo o espaço ocupado por vegetação, com valor social. Pensando de uma perspectiva ampliada, social, prefiro utilizar o conceito de espaço livre, que abrange também os espaços verdes e engloba o convívio social. Quanto à minha visão do estado destes em Fortaleza, minha vivência é de que temos uma cidade onde os valores destes espaços, bem como da sua arborização, são relegados, quando muito, às últimas instâncias, e eventualmente lembrados pelo poder público, que não possui qualquer visão de longo prazo, e menos ainda uma visão integradora.

Qual a importância da arborização nas grandes cidades? Existe um percentual determinado de áreas verdes nas cidades? Qual o ideal e como está Fortaleza?

Constantemente tenho alertado para a falta de veracidade de alguns destes índices, e para o caso de sua existência, do imperativo de sua relação com outros dados contextualizados. Nada adianta dizer que esta ou aquela cidade possui tantos metros quadrados de verde por habitante se não pensarmos em conjunto sua distribuição no meio urbano, sua acessibilidade, seja física, visual ou simbólica. O que isto significa em termos qualitativos para esta cidade?

O que deveria ser feito para melhorar a arborização da Cidade? Ainda podemos reverter esse quadro de ser uma cidade sem verde?

Em primeiro lugar, é preciso pensá-la como parte de um sistema, como prevê o Plano Diretor Participativo do Município de Fortaleza (PDP For), e considerar sua importância como infraestrutura básica da cidade. Enquanto isto, todas as ações devem coibir sua dilapidação, e pensar alternativas possível de seu reforço.

O que dizer das podas? Elas são feitas de forma correta?

Podas são sempre agressivas, e sua necessidade constante indica a falta de planejamento na implantação e compatibilização com outras infraestruturas. Em casos imperativos, existem procedimentos a serem adotados, de modo a minimizar os possíveis danos.

* Arquiteta e Urbanista, professora da Universidade de Fortaleza (Unifor), coordenadora da Pós-Graduação em Paisagismo

Comentários 4

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Maristela Crispim

19/07/2011 as 19:0919

Compartilho a sensação, Ana Clara!

Ana Clara

19/05/2011 as 17:0919

Sinto aflição sempre que vejo as podas sendo realizadas pela Cidade. Cortam de qualquer jeito, apenas para livrar os fios. É uma truculência, como se ali não houvesse vida.

Maristela Crispim

18/08/2011 as 20:0919

É isso, professor… Parece que infelizmente, as árvores continuam sendo vistas como barreiras por algumas pessoas…

José Carlos Lázaro

17/06/2011 as 18:0919

Comentamos no nosso blog (http://cesustentavel.blogspot.com/2011/08/300-arvores-cortadas-cada-mes-em.html )sobre uma reportagem do mês passado onde aparecia:
Na Praia de Iracema, o motivo da retirada das duas árvores, na Rua Cariri, foi o fato de elas estarem no meio do caminho de uma obra da Prefeitura, explica o diretor de Operações da Empresa, Franzé Cidrão. “Estão fazendo um calçadão e a planta foi retirada após a autorização dos técnicos”, explica o gestor.
No meio do caminho de um calçadão???? Porque não um calçadão com árvores????!!!!