Busca

Categoria: Cooperação


12:18 · 11.02.2015 / atualizado às 12:36 · 11.02.2015 por

10906808_775334259182848_1712144117_o

Por Maristela Crispim

O mundo enfrenta desafios comuns relacionados às mudanças climáticas. Espera-se da negociação marcada para 30 de novembro a 11 de dezembro, em Paris, a COP 21, a celebração de compromissos compartilhados visando a redução das emissões por meio da estruturação de políticas de desenvolvimento consistentes dos países.

Foi com este espírito que, em visita à cidade de Fortaleza, Laurent Duriez, diretor da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) concedeu entrevista exclusiva ao Diário do Nordeste, destacando o interesse em investir no Nordeste.

Estabelecimento público de cooperação, a AFD luta há 70 anos contra a pobreza e para promover o desenvolvimento em 70 países, por meio de doações, empréstimos, fundos de garantia, financia projetos, programas e estudos e apoia os seus parceiros no fortalecimento de suas capacidades.

A Agência atua no desenvolvimento da França, executa e implementa operação bilateral para o desenvolvimento mundial. Tem 70 anos e trabalha em 70 países, historicamente na África e, mais recentemente, na América Latina e no Brasil, onde está há sete anos, para atuar nos desafios do desenvolvimento sustentável, em especial, a questão climática, por meio de projetos concretos com a cooperação entre atores franceses e brasileiros.

Banco de desenvolvimento

Duriez enfatiza que a AFD é agência, mas também é banco de desenvolvimento. “Em 2014 contratamos 8 bilhões de euros em projetos. No Brasil contratamos 1,7 bilhão de euros. Nossa prioridade é tudo que está relacionado ao desenvolvimento verde. Trabalhamos com os governos e o setor público”. Essa atuação se dá, entre outras, em áreas como mobilidade urbana (Curitiba e Rio de Janeiro); desenvolvimento inclusivo (Minas Gerais); eficiência energética (Rio Grande do Sul); e saneamento (Santa Catarina).

“Estamos aqui hoje porque queremos trabalhar mais com o Nordeste. Nesta cooperação entre a França e o Brasil, a região é muito relevante. Sabemos que existem oportunidades de desenvolvimento e que é preciso sair do triângulo Rio, São Paulo, Brasília para conhecer as prioridades dos governos, mas também dos atores econômicos na questão do desenvolvimento”, enfatiza.

Caravana do Clima

Falando sobre a Cúpula do Clima, Duriez destaca que o importante para a AFD, como banco de desenvolvimento, é mostrar que existem soluções concretas, que podem ser desenvolvidas, implementadas por diversos atores econômicos, governos, empresas, pessoas.

“A questão do clima só será resolvida se todos atuarem no mesmo sentido. Precisamos mostrar, por meio dos projetos que apoiamos, dos parceiros, nos 70 países que eu mencionei onde atuamos, que ações estão sendo desenvolvidas e resultados já existem”, ressalta.

Para levar isso ao público, ele adiantou a iniciativa de produzir, junto com a Embaixada da França, a Caravana do Clima, com a exposição itinerante “60 Soluções para o Clima”, do fotógrafo Yann-Arthus Bertrand, da ONG Good Planet e oportunidades de diálogo com diversos públicos, por meio das Alianças Francesas de todo Brasil.

Nordeste

Sobre o início da atuação no Ceará, Duriez diz que já está em fase de conversas com instituições: “Já tivemos contato com o Banco do Nordeste, que se mostrou interessado em trabalhar na área de resíduos sólidos. Também conversamos com o governo do Estado, sobre os desafios da seca e o gerenciamento dos recursos hídricos existentes, prioridade da AFD em termos de redução das perdas, que pode ser conseguida melhorando as redes de abastecimento, mas também melhorando o gerenciamento, o desempenho das distribuidoras. Enfim, estamos abertos a parcerias no Nordeste”.