Busca

Categoria: Energia Nuclear


23:15 · 26.04.2011 / atualizado às 23:15 · 26.04.2011 por

Chernobyl é uma cidade fantasma no norte da Ucrânia, perto da fronteira com a Bielorússia, onde, em meados da década de 1970 foi construída, pela União Soviética uma central nuclear.

Em 26 de Abril de 1986, há exatos 25 anos, um reator explodiu e liberou uma imensa nuvem radioativa, contaminando pessoas, animais e o meio ambiente de uma vasta extensão. Ao menos 30 pessoas morreram imediatamente após a explosão, e muitas outras sofreram os efeitos da radiação na saúde.

Há menos de um mês, um terremoto de 8,9 graus na escala Richter e um tsunami, que abalaram o Japão,  provocaram danos na usina nuclear de Fukushima, localizada na região nordeste da ilha. Vazamentos radioativos foram registrados e um iminente desastre nuclear mobilizou a comunidade internacional.

No momento do terremoto, 11 usinas localizadas na região entraram em processo de desligamento. Como parte do procedimento, os reatores precisam ser resfriados, uma vez que a fissão nuclear permanece ocorrendo mesmo após a interrupção na geração da energia. Cerca de uma hora depois do tremor, a usina de Fukushima foi atingida pelo tsunami.

O sistema de resfriamento foi avariado e os técnicos japoneses passaram a adotar medidas alternativas, como a injeção de água do mar nos reatores. Mesmo assim, três explosões se sucederam, a última delas na manhã do dia 14.

O Japão – que tenta controlar a exposição à radiação liberada pelo acidente – anunciou a ampliação da zona de exclusão em torno da usina.

O triste aniversário do acidente nuclear de Chernobyl e o acidente registrado em Fukushima não podem ser comparados, mas lançam mais uma luz sobre o risco de se investir nesse tipo de geração de energia.

No Brasil, ainda se insiste na construção de Angra 3, mesmo sem que o País esteja no rol das nações que dependem da energia térmica, a mais suja do Planeta, e que detenha um dos maiores potenciais do mundo para a geração de energias alternativas. Que a experiência humana sirva à reflexão.