Busca

Categoria: Festa Anual da Árvore


08:26 · 21.09.2011 / atualizado às 08:30 · 21.09.2011 por
Há uma série de fatores a considerar antes do plantio de uma árvore para que só traga benefício às cidades e aos seus habitantes Foto: Cid Barbosa

A Festa Anual da Árvore é comemorada em março no Nordeste, e não em setembro, como ocorre no Centro-Oeste, Sudeste e Sul. O principal motivo é que, aqui, tão perto do Equador, as quatro estações não são tão definidas e o período mais propício para o plantio é o chuvoso, considerando que a melhor forma de comemoração é plantar árvores.

Como lembra a professora e pesquisadora do Departamento de Ciência Florestal da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Isabelle Meunier, um Decreto de Castello Branco de 1965, instituiu a Festa das Árvores, na última semana de março, no Norte e Nordeste. Nas demais regiões, a comemoração é em 21 de setembro. A justificativa é muito válida: no nosso país existem diferentes regiões fisiográficas e climáticas a serem consideradas.

Para ela, a programação da televisão, produzida quase inteiramente no Sudeste, os livros didáticos, assim como a maioria das revistas e outras fontes de consulta para a população em geral provocam a confusão. “Como em muitas outras coisas, repetimos o modelo Rio-São Paulo sem pensar”, destaca.

A professora enfatiza que setembro é um mês de pouca chuva, típico do verão nordestino. “Não faz sentido falar em início de primavera no NO/NE. Não temos primavera amena, com campos cobertos de flores. Temos duas estações: chuvosa e seca. A Festa da Árvore deve ser feita quando começam as chuvas, promessa de vida no NE”.

De qualquer forma, a pesquisadora reconhece que essas comemorações têm papel educacional efetivo, pois ajudam a pensar, a discutir que tipo de cidade queremos. “Mas não basta homenagear as árvores com poesias e canções e plantar uma muda: tem-se realmente que pensar e tomar posições concretas para garantir a presença das árvores no nosso ambiente”, ressalta.

Conforme Isabelle, nas cidades, as árvores trazem benefícios ambientais, socioculturais e econômicos. Reduzem extremos da temperatura, filtram a poluição atmosférica, embelezam, protegem a fauna urbana, reduzem o ruído, proporcionam lazer e convívio social em áreas verdes públicas, valorizam imóveis.

O que plantar

Mesmo reconhecendo a beleza e utilidade de muitas plantas introduzidas no Brasil, as espécies mais indicadas, lembra a professora, são as nativas, que há milhares de anos desenvolvem adaptações. Mas é preciso uma avaliação técnica séria para que a boa intenção não se torne um problema.

Alguns cuidados são básicos

  • Pensar na árvore que a muda se tornará
  • Garantir espaço para o crescimento da copa e das raízes
  • Evitar árvores com frutos pesados e suculentos nas calçadas e praças
  • Pesquisar se a espécie possui substância tóxica

 

Só lembrando

Hoje, às 19h30, no Instituto Gaia, localizado na Rua José Vilar, 964, será lançado o Movimento Pró-Árvore. Se você gosta de árvores, tem ideias para preservar e aumentar as áreas verdes de Fortaleza, compareça.

Fique por dentro

Decreto Nº 55.795, de 24 de fevereiro de 1965

Institui em todo o território nacional a Festa Anual das Árvores.

Art. 1º – Fica instituída em todo o território nacional a Festa Anual das Árvores, em substituição ao chamado ´Dia da Árvore´ atualmente comemorado no dia 21 de setembro.

Art. 2º – A Festa Anual das Árvores tem por objetivo difundir ensinamentos sobre a conservação das florestas e estimular a prática de tais ensinamentos, bem como divulgar a importância das árvores no progresso da Pátria e no bem-estar dos cidadãos.

Art. 3º – A Festa Anual das Árvores, em razão das diferentes características fisiográfico-climáticas do Brasil, será comemorada durante a última semana do mês de março nos Estados do Acre, Amazonas, Pará, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia e Territórios Federais do Amapá, Roraima, Fernando de Noronha e Rondônia; e na semana com início no dia 21 de setembro, nos Estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro, Guanabara, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Distrito Federal.

Art. 4º – As comemorações ficarão a cargo dos Ministérios da Agricultura e da Educação e Cultura.

Art. 5º – Os casos omissos serão resolvidos pelo Conselho Florestal Federal.

Art. 6º – Este Decreto entrará cm vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.