Busca

Categoria: Fotografia


10:30 · 20.11.2017 / atualizado às 11:08 · 20.11.2017 por

As belezas enfatizadas atualmente pela novela “O Outro Lado do Paraíso” podem ser vistas de forma sistematizada, por mais de 300 fotografias inéditas,  no recém-lançado livro sobre o Parque Estadual do Jalapão, no Estado do Tocantins, feitas pelo fotógrafo mineiro Lester Scalon, especializado em natureza. O artista plástico e pesquisador da flora e fauna brasileira Tomas Sigrist é responsável pelos textos que contam a história do local, além das 600 ilustrações da fauna e também do CD, no formato MP3, com uma seleção de cantos de 100 aves da região.

Essa obra possibilita a fotógrafos, amantes da natureza, estudantes, educadores, profissionais do setor, pesquisadores e o público em geral o acesso a uma série de informações inéditas, além de extensa galeria de fotos, que retratam não apenas o encanto do Jalapão, com suas paisagens estonteantes, mas também registros culturais e humanos da região, como a comunidade quilombola ali presente.

O trabalho realizado no Jalapão faz parte da série de registros das Unidades de Conservação do Brasil que Scalon tem realizado ao logo dos últimos dez anos. “Em geral, as pessoas não conhecem esses locais, onde existem belezas naturais tão ricas no Brasil. O Jalapão, assim como a Serra da Canastra, o Pantanal e a Chapada dos Veadeiros, oferece um fascínio muito grande devido às suas peculiaridades. Nosso principal objetivo é despertar a curiosidade das pessoas em conhecer estes locais, e, ainda, mostrar um pouco da sua cultura”, afirma.

O fotógrafo explica, ainda, que a obra do Jalapão é diferenciada das suas últimas publicações, uma vez que há registros, não só do ambiente e do ecossistema, mas também da comunidade que ali vive. “Mostramos a cultura quilombola e seus artesanatos com capim dourado. Estou muito orgulhoso desta obra, porque, sem dúvida, permite ao leitor apreciar os panoramas por meio das imagens destacadas e interagir com a comunidade presente neste patrimônio natural brasileiro”, destaca Scalon.

O Parque Estadual e o ecossistema

O Parque Estadual do Jalapão, localizado no Tocantins (TO), desempenha um importante papel no cenário brasileiro, no que diz respeito à preservação da biodiversidade. A região está circundada por quatro estados brasileiros e está localizada entre os municípios de Mateiros (TO) e São Félix (BA).

De acordo com Sigrist, o Parque Estadual do Jalapão, inserido numa área de cerca de 160 mil hectares, é dotado de uma incrível variedade de ecossistemas tropicais e desempenha um papel
fundamental na preservação da biodiversidade, contribuindo para o status do Brasil como um dos países biologicamente mais ricos do mundo.

Porém, esta riqueza tem enfrentado problemas graves, como a perda da biodiversidade e a degradação ecológica induzida por desmatamentos, conversão de florestas em plantações, a introdução de espécies exóticas, como certas gramíneas utilizadas na pecuária, que competem com as espécies nativas, bem como a poluição da água a partir de assentamentos humanos nas proximidades do parque.

“Acredito que esta obra pode despertar a curiosidade das autoridades e de pesquisadores em buscar mais informações de como fazer um melhor controle da preservação destas áreas e
encontrar subsídios e planejamentos mais objetivos e certeiros de como realizar a gestão de um parque. O Jalapão é um grande
laboratório, uma vez que a comunidade ali inserida consegue sobreviver da própria cultura. Espero que esta obra contribua com a
sociedade, dando um embasamento técnico sobre a região”, declara Sigrist.

O especialista conta que uma das curiosidades encontradas no Jalapão é o raro pato-mergulhão, uma ave que só sobrevive em ecossistemas ambientalmente equilibrados, em especial aqueles em que há cursos de águas limpas e agitadas. “É uma ave que está em extinção. Há apenas poucos indivíduos na região do Jalapão.
Foi uma grata surpresa a descoberta dessa espécie; realizada por biólogos há alguns anos”, destaca Sigrist.

 

A técnica

Imagens de dunas, cachoeiras, rochas típicas em meio à vegetação do cerrado, a fauna e a flora, todas registradas com o máximo de cuidado por Lester Scalon, que dividiu suas fotos por temas, como: dunas, fervedouros de águas borbulhantes, artesanato local como o capim dourado, comunidade, paisagens, fauna e flora.

“Para as fotos das aves e da fauna em geral, que normalmente estão em movimento, usei intervalos sequenciais de seis, oito, dez, doze
fotos por segundo, para conseguir registrar o voo dos pássaros, por exemplo. Mas, de uma forma geral, o feeling é fundamental para a
realização do trabalho”, afirma.

Scalon conta que desta vez usou uma técnica diferenciada para captar algumas imagens, principalmente aéreas. “Pela primeira vez em meu trabalho, utilizei o suporte de um drone e captei imagens incríveis, uma vez que o Jalapão tem uma vasta área, rica em belezas naturais”, destaca.

Depois das fotos produzidas, houve o tratamento de imagens e a montagem. “Outro diferencial é a quantidade de imagens em página dupla, ampliadas, que conferem uma maior perspectiva do ambiente retratado, possibilitando que o leitor viaje por meio das fotos”, conclui calon.

Na obra constam cerca de 600 ilustrações feitas por Sigrist, que retratam diversas espécies de aves, répteis, anfíbios e mamíferos para que o leitor possa conhecer um pouco mais sobre a fauna local.

Conta com o apoio da Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet nº 8.313/91) e patrocínio da empresa CBMM, Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração.

Lester Scalon

Nascido em 1959, o fotógrafo mineiro Lester Scalon sempre foi um apaixonado pela natureza, vivendo e convivendo com ela uma vida inteira. É artista plástico, ilustrador, desenhista e pescador esportivo profissional. No entanto, ligado em outras atividades da vida cotidiana, que lhe tomavam o tempo, viu-se obrigado, por mais de 30 anos, a abdicar da arte fotográfica.

Em 1992, começou a dar os primeiros cliques. Mas foi quando conheceu o grande amigo e fotógrafo Ruy Varella que veio o grande
incentivo. Com Varella vieram as informações e os ensinamentos técnicos, que lhe proporcionaram uma evolução muito rápida em seu
trabalho fotográfico.

Seus trabalhos focados em imagens de natureza foram capa de mais de 20 milhões de listas telefônicas do Guiatel em Minas Gerais. Em 2007 ganhou o prêmio “Abril de Jornalismo” com imagens de pesca esportiva para o Guia 4 Rodas Pesca.

Jalapão é sua sétima obra sobre Unidades de Conservação, juntamente com Serra da Canastra; Insetos – Magia, Formas e Cores; Iconografia das Aves do Brasil: Mata Atlântica; Grande
Sertão Veredas; Nossas Aves, um Voo no Imaginário Popular; e Taiamã – A Vida às Margens do Pantanal.

Tomas Sigrist

Em 1986, iniciou sua carreira como pintor naturalista, e chegou a um estilo próprio de expressão para representar elementos da fauna e
flora brasileira, trabalho para o qual desenvolve pesquisas em campo, em museus e em bibliotecas no mundo todo.

Ele escreve artigos científicos sobre aves e ilustra livros para outros autores. No começo dos anos 90, auxiliou Edwin O´Neal Willis em
seu livro “Aves do Estado de São Paulo”. O projeto durou sete anos. Em 2004 lançou “Aves do Brasil – Uma visão Artística”, a que se
seguiram “Aves do Brasil Oriental”, “Iconografia das Aves do Brasil”, Insetos: Magia Formas e cores”, “Aves da Amazônia” e o “Guia de Campo – Avifauna Brasileira”.

Mais informações:

Livro: Jalapão
Editora: Avis Brasilis
Fotos: Lester Scalon
Texto, CD e ilustrações: Tomas Sigrist
288 páginas
Capa dura
Português/Inglês
Formato 27×35 panorâmico
Preço sugerido: R$ 98,00
www.Avis Brasilis.com.br