Gestão Ambiental

Categoria: Índice de Sustentabilidade


07:41 · 30.11.2011 / atualizado às 09:16 · 30.11.2011 por

por Ludmila do Prado, da Agência Envolverde

Inclusão da questão de mudanças climáticas na avaliação, abertura de pontuação até nível de critérios, publicação dos questionários e ingresso de empresas do setor de transportes são as novidades dessa sétima carteira do Índice de Sustentabilidade.

O ISE é composto por ações de empresas listadas que possuem as melhores práticas em sustentabilidade. Para ter acesso à carteira as corporações respondem a questionários de avaliação que incluem quesitos baseados no triple bottom line (ambiental, social e econômico), governança corporativa e natureza do produto.

Inserir a avaliação das mudanças climáticas tem objetivo de fortalecer esse critério como um valor estratégico para empresa, um valor a ser incorporado pela gestão em seu cerne.

“Hoje, o departamento de sustentabilidade se reporta à alta administração, mostrando que há mudanças culturais acontecendo nas organizações”, contou Sonia Favaretto, diretora de sustentabilidade da BM&F Bovespa. E acrescentou: “O ISE é um índice financeiro como outro qualquer, também feito para ganhar dinheiro”.

Prova disso é o interesse de novos setores no ISE. Esse ano CCR e Ecorodovias ingressaram representando o setor de transportes pela primeira vez. Com isso, a carteira atual possui aproximadamente 44% do valor total das empresas de mercado.

No que tange à abertura de pontuação com relação ao nível dos critérios avaliados, a ideia foi orientar as empresas no sentido de melhorar sua compreensão quanto à lógica de avaliação do índice e também prepará-las para aumentar sua performance. Dessa forma, o Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas, parceiro técnico do ISE, mostra como entende os pesos dos itens avaliados.

Roberta Simonetti, coordenadora do Programa de Sustentabilidade Empresarial e Finanças Sustentáveis do Centro de Estudos em Sustentabilidade da FGV, explicou: “Um exemplo claro: se há possibilidade de obter 30 pontos, dos 100 possíveis, na avaliação da natureza do produto e a empresa obtém 27 pontos desse total, ficará claro para ela qual o gap para o próximo ano”.

Das 38 empresas listadas para 2012, oito permitiram que as respostas de seus questionários fossem disponibilizadas através do site: www.isebovespa.com.br. Por tratar-se de um processo de mudança cultural e convencimento o número de adesão foi considerado bom. A expectativa é que a cada ano mais empresas estejam dispostas a divulgarem essas informações provocadas pela crescente demanda dos stakeholders por transparência.

Pesquisar

Gestão Ambiental

Blog da seção Gestão Ambiental, da editoria Negócios, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

10h09mCafé com qualidade e consciência

12h09mO porquê de um Dia Mundial de Limpeza da Praias

04h09mSustentável 2018: empresários e executivos debatem desafios de sustentabilidade 

01h09mUnifor inscreve para MBA em Gestão Ambiental na Cadeia Produtiva

10h08mUma radiografia da seca nos estados do Nordeste

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs