Busca

Categoria: Manejo Florestal Sustentável da Caatinga


16:49 · 07.05.2015 / atualizado às 16:49 · 07.05.2015 por

convite jpeg

Está aberto até 13 de maio o processo seletivo de candidatos ao Curso de Formação em Manejo Florestal Sustentável Integrado na Caatinga, que será ministrado de 25 de maio a 3 de junho, com carga horária de 80 horas, incluindo aulas teóricas e práticas, a serem realizadas na sede e na Estação Experimental do Instituto Nacional do Semiárido (Insa), em Campina Grande (PB).

O objetivo é oferecer formação complementar para profissionais de instituições públicas e da Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) que atuam em ações de planejamento, gestão e extensão na Caatinga. A formação deve orientar esses profissionais quanto ao planejamento, elaboração, implementação e acompanhamento de planos de manejo florestal na Caatinga, bem como quanto a critérios para a elaboração e avaliação dos planos de manejo submetidos à aprovação de órgãos ambientais; capacitar técnicos de órgãos estaduais que prestam assistência técnica aos produtores rurais e aqueles que atuam, por intermédio de Organizações Não Governamentais (ONGs), junto a produtores rurais em atividades de manejo florestal.

O Curso é uma iniciativa do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), do Departamento de Combate Desertificação do Ministério do Meio Ambiente (DCD/MMA) e do Centro de Produção Industrial Sustentável da Fundação Parque Tecnológico da Paraíba (Cepis/PaqTcPB), em parceria com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), Insa, Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) e Fundação Araripe.

Inscrições

O Curso será destinado a engenheiros florestais e profissionais de áreas afins que trabalham no serviço público federal, estadual ou organizações da sociedade civil da região Nordeste que atuem em ações de planejamento, gestão e extensão na Caatinga.

Para se inscrever no processo seletivo o candidato deverá enviar currículo e carta de interesse, por meio da qual justifique as razões para participar do curso.

As inscrições deverão ser efetuadas pelo e-mail: cursoflorestal@cepis.org.br

A lista dos candidatos selecionados será divulgada no dia 15 de maio, pelo site: www.cepis.org.br ou www.insa.gov.br

Para acessar o edital, clique aqui

Mais informações: (83) 2101-9043

Fonte: Insa

15:03 · 04.03.2015 / atualizado às 15:17 · 04.03.2015 por
O manejo florestal sustentável é uma forma de exploração da floresta que garante sua recuperação, regeneração e recomposição Foto: Cid Barbosa / Agência Diário
O manejo florestal sustentável é uma forma de exploração da floresta que garante sua recuperação, regeneração e recomposição Foto: Cid Barbosa / Agência Diário

O Instituto Nacional do Semiárido (Insa), em articulação com o Serviço Florestal Brasileiro (SFB) e a Associação Plantas do Nordeste (APNE), encerra hoje, em Campina Grande (PB), o 1º Seminário sobre a inserção do Manejo Florestal Sustentável da Caatinga, que discute com agricultores familiares experiências de manejo florestal da Caatinga e a viabilidade e oportunidades econômicas que o manejo florestal oferece.

O evento também conta com o apoio do Projeto de Consolidação do Programa Nacional de Florestas da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio) e da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag) dos diversos Estados do Semiárido brasileiro.

O agricultor Sebastião Damasceno, da Cooperativa de Bancos Comunitários de Sementes Crioulas do Estado do Alagoas, que integra a Articulação Semiárido Brasileiro (ASA), participa do evento e já desenvolve algumas experiências em sua propriedade com sementes nativas.

Oportunidade

“A discussão do tema é excelente, pois estou necessitando, eu e alguns produtores que já vieram a mim, ter uma fiscalização, um cadastro, uma preparação, para que nossa propriedade fique em uma área licenciada e possamos conquistar alguns direitos que desejamos. Queremos realizar este sonho e a oportunidade é essa, de ter uma propriedade sustentável, diversificada, acompanhada com visita de técnicos, dentro da área da agroecologia”, destacou.

Renda

Newton Barcellos, coordenador da Unidade Regional do Nordeste, do SFB, realiza trabalho de assistência técnica para manejo florestal sustentável com agricultores assentados da Caatinga há cerca de 10 anos. Ele ressaltou a importância de também envolver os agricultores familiares para obter renda, participando, de forma digna e legalizada, deste mercado que movimenta 25 milhões de metros de lenha por ano.

“Os agricultores assentados estão participando deste mercado, porém de forma legalizada, gerando renda para conviver com os períodos de seca. Com base nessa experiência, estamos, a partir de agora, com o objetivo de envolver os agricultores familiares não assentados, que vivem em comunidades isoladas, que necessitam de informação, orientação, para que também usem os recursos da Caatinga para obter renda com a madeira”, destacou.

Uso racional

O titutar da Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMARH) do Estado do Piauí, Carlos Moura Fé, afirmou que é possível utilizar os recursos florestais da Caatinga de forma racional, com geração de renda e conservação da biodiversidade.

“A Caatinga tem grandes possibilidades de ser utilizada de forma sustentável e de forma que possa garantir renda para o homem do campo a partir de determinadas atividades. Uma delas é o manejo florestal, não só dos produtos madeireiros, mas também dos produtos não madeireiros. A partir do momento em que os órgãos ambientais tiverem essa consciência e contribuírem para que toda a demanda florestal madeireira possa ser obtida por meio de manejo florestal, certamente no mínimo que vamos conseguir manter é pelo menos 50% da Caatinga com cobertura nativa”, declarou.

Ele ainda destacou a necessidade de que os órgãos ambientais permitam a inserção do pequeno e médio agricultor no processo de realização de manejo da Caatinga, já que as normas atualmente vigentes apresentam muitas restrições para que o pequeno e médio agricultor utilize o recurso com base na utilização das técnicas de manejo.

Fortalecimento

Aldrin Perez, coordenador de pesquisa do Insa, ressaltou a necessidade de se fortalecer a prática do manejo com os agricultores familiares como estratégia de convivência com o Semiárido. “Se houver maior visibilidade e valorização dos conhecimentos que as famílias desenvolvem com manejo florestal sustentável, essas formas de uso da Caatinga não registradas e não legalizadas podem vir a se tornar políticas públicas, para que essas práticas sejam reconhecidas e aperfeiçoadas”, ressaltou.

Vantagens

Segundo o pesquisador Frans Pareyn, coordenador da APNE, o manejo florestal sustentável é uma forma de exploração da floresta que garante sua recuperação, regeneração e recomposição, visando à obtenção de benefícios econômicos e sociais, como geração de renda para os produtores, com a devida conservação da riqueza das espécies. É uma forma de utilizar os recursos florestais da Caatinga com planejamento e respeito aos limites e a capacidade de carga do bioma, retirando dele apenas o que pode oferecer.

Espera-se do evento serão a definição de algumas diretrizes no contexto da inserção do manejo florestal da Caatinga que servirão para subsidiar projetos e políticas públicas na área.

Fonte: Insa