Busca

Categoria: Melhoria da Qualidade do Ar


09:27 · 25.11.2013 / atualizado às 09:27 · 25.11.2013 por

O Programa Ambiental do Transporte (Despoluir), chegou ao número de 1 milhão de aferições de caminhões e de ônibus em todo o Brasil. O programa é desenvolvido pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) e pelo Serviço Social do Transporte e Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Sest Senat).

“Na prática, isso representa menos emissão de poluentes nas cidades e nas rodovias, menos consumo de combustível e maior consciência ambiental entre os transportadores – motoristas de empresas, caminhoneiros autônomos e outros trabalhadores do setor”, conforme destaca o presidente da CNT, senador Clésio Andrade.

O Projeto Redução da Emissão de Poluentes é uma das principais ações do Despoluir, que foi lançado em 2007. São 10 mil empresas e mais de 12 mil caminhoneiros autônomos atendidos. Regularmente, os participantes têm seus caminhões e ônibus aferidos para medir o nível de material particulado (fumaça preta) emitido.

Os veículos que estão de acordo com os índices determinados por lei recebem o selo Despoluir. Os motoristas dos caminhões e ônibus reprovados são orientados por técnicos sobre a necessidade de se fazer a manutenção correta para que haja menos emissão e menor gasto de combustível, dentre outros benefícios.

De acordo com o senador Clésio Andrade, nesses mais de seis anos do Despoluir, “o programa tem contribuído para estimular todo o setor de transporte a trabalhar pelo desenvolvimento sustentável”. No início do programa, o índice de aprovação nas aferições era menor (82,89%) e evoluiu para expressivos 88,69% aprovados em 2013, o que demonstra a incorporação da temática ambiental no transporte.

“Depois de participar do projeto de redução de emissões, muitos transportadores começam a desenvolver outras ações ambientais nas suas empresas, como práticas de reúso de água e gestão de resíduos”, diz o senador Clésio Andrade. As próximas ações do Despoluir serão voltadas para a melhoria da eficiência energética.

Fonte: CNT