Gestão Ambiental

Categoria: Mobilização Popular


08:00 · 24.03.2018 / atualizado às 21:06 · 23.03.2018 por


Hoje é o dia da maior campanha de proteção ambiental do globo terrestre: a Hora do Planeta, momento de apagar as luzes, durante uma hora (das 20h30 às 21h30), numa atitude reflexiva sobre o impacto humano na Terra. O movimento nasceu em 2007, na Austrália e há dez edições (desde 2009) é celebrado no Brasil. A Hora do Planeta já é parte da agenda de muitos municípios brasileiros, que veem uma oportunidade para promover a preocupação com o meio ambiente, como explica o diretor-executivo do WWF-Brasil, Mauricio Voivodic.

“As cidades ou empresas começam na Hora do Planeta desligando as luzes e, nos anos seguintes, já querem fazer um pouco mais, como uma caminhada ou uma feira voltada para a sustentabilidade. É um evento que traz um apelo ambiental forte, ainda mais com os efeitos das mudanças do clima cada vez mais evidentes no nosso dia-a-dia. Não são somente 60 minutos de luzes apagadas, mas um momento de reflexão sobre o que podemos fazer e quais hábitos podemos mudar no resto do ano em prol do Planeta”, diz Voivodic.

Relação com Biodiversidade

A partir de 2018, a estratégia da Hora do Planeta está voltada para a relação dos nossos hábitos com as mudanças do clima e seu impacto na biodiversidade. O WWF divulgou um relatório mostrando que, se nada for feito em relação às emissões de gases de efeito estufa, até o fim do século, mais de 50% das espécies de plantas e animais do mundo estarão sob risco de extinção local.

Voivodic destaca, ainda, que nossas atitudes diárias têm um grande potencial para a redução de impactos ao meio ambiente. “Cerca de 30% de todo o alimento produzido no mundo é desperdiçado. Isto significa área plantada, água, nutrientes, energia para transporte e armazenamento e muitos outros recursos que vão para o lixo e ainda geram emissões de gases de efeito estufa. A alimentação é só um exemplo. Cada atitude conta, cada escolha conta. É este o lembrete da Hora do Planeta”.

Guia para se conectar ao Planeta

Para ajudar mais cidades, empresas e indivíduos a começarem na Hora do Planeta ou mesmo fazerem esta transição para ações mais sustentáveis, o WWF-Brasil disponibilizou no site oficial da iniciativa um Guia do Participante da Hora do Planeta, com ideias do que fazer na uma hora, entre 20h30 e 21h30 do dia 24 de março, e em todas as horas seguintes. “O objetivo é incentivar que as pessoas comecem a mudança, mesmo que aos poucos, e vejam que é possível ter hábitos mais sustentáveis”, comenta o coordenador do programa Mudanças Climáticas e Energia, André Nahur.

Hoje também estreia de uma nova ação do WWF-Brasil. Baseado no slogan da Hora do Planeta, #ConectadoNoPlaneta, a campanha Inspire-se e Conecte-se trará toda semana, até o fim de 2020, histórias de pessoas comuns, que em algum momento decidiram mudar algo em suas vidas e hoje vivem de forma mais conectada com a natureza.

“Esta campanha visa demonstrar, por meio de exemplos reais, que é possível viver de forma harmônica com a natureza, que é a missão do WWF, e que este caminho é menos complicado do que parece. Só precisa do primeiro passo”, completa Nahur.

Sobre o WWF

O WWF-Brasil é uma organização não governamental brasileira dedicada à conservação da natureza, com os objetivos de harmonizar a atividade humana com a conservação da biodiversidade e promover o uso racional dos recursos naturais em benefício dos cidadãos de hoje e das futuras gerações.

Criado em 1996, o WWF-Brasil desenvolve projetos em todo o País e integra a Rede WWF, a maior rede mundial independente de conservação da natureza, com atuação em mais de 100 países e o apoio de cerca de 5 milhões de pessoas, incluindo associados e voluntários.

Em Fortaleza

Fortaleza é uma das cidades participantes da Hora do Planeta 2018. A iniciativa envolverá alguns dos principais equipamentos da Capital: Palácio do Bispo (Paço Municipal), Praça do Ferreira, Praça Portugal, Estátua de Iracema Guardiã, Igreja de Fátima, Estoril e Centro Cultural Belchior.

Como parte da programação, haverá luau, às 20h, na orla da Praia de Iracema (Praia do Lido), com participação do cantor Marcos Lessa. “A Hora do Planeta convida a sociedade a participar e desenvolver ações que minimizem os impactos das mudanças climáticas”, afirma Águeda Muniz, titular da Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma).

A Hora do Planeta 2018 faz parte da programação da Festa Anual das Árvores, cujo tema deste ano é “Fortaleza, cidade compartilhada e gentil”. O evento é realizado até o dia 27 de março, com diversas ações que trabalham a importância da sustentabilidade, da preservação do verde e do cuidado com a Cidade.

“Amar o Mar”

Hoje e amanhã (24 e 25), a Praia de Iracema recebe, pela primeira vez, um grande evento com atividades ligadas ao mar. O projeto “Amar o Mar”, idealizado pelo Instituto Iracema, Prefeitura de Fortaleza e iniciativa privada, oferecerá durante dois dias uma diversificada programação.

Programação em Fortaleza

Sábado (24)

Pavilhão Atlântico
14h – Palestra Superação – Surf adaptado com os surfistas Daniel Bezerra e Emerson Martins
14h30 – Oficina de manobras de surf com Daniel Bezerra e Ivo Gotardo

Praia do Lido (Crush)
15h – Limpeza da praia (concentração no Pavilhão Atlântico em direção à Praia do Lido)
17h – Troca de materiais recicláveis por mudas
18h – Apresentação projeto Orla
19h – Apresentação da banda Apanhadores de Sonhos
20h – Movimento mundial Hora do Planeta, ao som de Berg Menezes e apresentação dos Malabares de fogo
21h – Marcos Lessa canta Belchior

Domingo (25)

Praia do Lido Bravo (lado direito do Espigão da João Cordeiro)
8h30 – Vivência Bodysurf
8h30 – Esculturas de areia com o artista Careca

Centro Cultural Belchior (auditório)
14h às 15h30 – Palestras sobre Consciência ambiental – Labomar
Educação ambiental: impactos nos oceanos & Swell: Esperado por alguns, temido por outros, com Ana Paula Morais Krelling, oceanógrafa; e Elissandra Viana, cientista ambiental
Exposições:
Acervo do Labomar
Acervo do Mar do Ceará
Tenda com exposição de Pranchas de SUP

Praia do Lido (Crush)
16h – Remada de Iracema e DJs Rádio Ultrópico

15:34 · 06.06.2013 / atualizado às 15:37 · 06.06.2013 por

936057_551621314889215_542984884_n 6865_552061008178579_977197608_n 431907_552059521512061_2142246859_n 576705_552061061511907_1503590675_n

942988_552059564845390_1622273362_n
Todas as fotos são do acervo da equipe

Por Maristela Crispim

“A humanidade, em toda a sua existência, sempre foi dependente dos recursos naturais, mas o modo de vida capitalista busca a expansão de seus bens, muitas vezes acelerando o processo de degradação ambiental, resultando em problemas irreversíveis. As cidades se expandem em direção às áreas de preservação e conservação, como lagoas e margens de rios, de forma desordenada. A especulação imobiliária fez com que a regiões naturais, principalmente de praia, fossem radicalmente modificadas”.

Essa foi a introdução do trabalho de um grupo de sete alunos, do Colégio Militar do Corpo de Bombeiros (CMCB), entre 16 e 18 anos, apresentado na Jornada Cientifica do Colégio, no dia 28 de maio passado, com destaque para os temas “Especulação Imobiliária em Áreas de Preservação Permanente (APPs)” e “Importância do Parque do Cocó”.

“Com esse projeto queremos alcançar o máximo de pessoas possível a respeito do assunto para que todos tenham cada vez mais conhecimento do que acontece nessas áreas e do quão importante é para o nosso dia-a-dia, pois muitas pessoas têm a consciência de que preservar, cuidar é o certo a fazer, mas não têm o conhecimento do que realmente acontece e quais são as consequências das ações humanas sobre essas áreas, cuidando, assim, do nosso presente e do nosso futuro”, escreveu Thays Kerolen.

A poucos dias do Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado ontem, recebi por meio da Fan Page do Blog Gestão Ambiental, no Facebook, a mensagem dessa jovem estudante preocupada em propagar a mensagem sobre a importância de conhecer e valorizar o nosso meio natural. Esse tipo de atitude, espontânea e voluntária, deve ser valorizada, estimulada e divulgada. Se cada um mostrar que se preocupa, se desfiliar do movimento “Que Se Dane”, como propôs, no fim de maio, a Fundação SOS Mata Atlântica, é claro que faremos diferença, no sentido de buscar um futuro digno para os nossos descendentes. É isso aí, Thays e colegas! É esse o caminho a ser trilhado! Eu acredito nisso!

08:27 · 22.04.2013 / atualizado às 09:21 · 22.04.2013 por
O Dia da Terra foi criado para estimular uma consciência a respeito da preservação do equilíbrio do nosso Planeta Imagem: SXC.HU
O Dia da Terra foi criado para estimular uma consciência a respeito da preservação do equilíbrio do nosso Planeta Imagem: SXC.HU

Hoje – Dia da Terra – o blog Gestão Ambiental inaugura seu novo visual e também a sua fan page no Facebook. Este será mais um espaço, ao lado da página de Gestão Ambiental e da coluna Mercado Verde,  do Diário do Nordeste, para informar sobre o mercado da sustentabilidade, tando do ponto de vista do setor produtivo quanto do ponto de vista do consumidor.

O Dia da Terra foi criado pelo senador americano Gaylord Nelson, no dia 22 de Abril de 1970, para estimular a formação de uma consciência comum aos problemas da contaminação, conservação da biodiversidade e outras preocupações para proteger o nosso Planeta Azul.

Da primeira manifestação, participaram duas mil universidades, dez mil escolas primárias e secundárias e centenas de comunidades. A pressão social teve seus sucessos e o governos dos Estados Unidos criaram a Environmental Protection Agency ( EPA) – Agencia de Proteção Ambiental – e uma série de leis destinadas à proteção do meio ambiente.

Depois, em 1972, se celebrou a primeira conferência internacional sobre o meio ambiente: a Conferência de Estocolmo, cujo objetivo foi sensibilizar aos líderes mundiais sobre a magnitude dos problemas ambientais e que se instituíssem as políticas necessárias para erradicá-los.

O Dia da Terra é uma festa que pertence ao povo e não está regulada por somente uma entidade ou organismo, tampouco está relacionado com reivindicações políticas, nacionais, religiosas ou ideológicas. Refere-se à tomada de consciência dos recursos na naturais da Terra e seu manejo, à Educação Ambiental e à participação como cidadãos ambientalmente conscientes e responsáveis.

No Dia da Terra, todos são convidados a participar em atividades que promovam a saúde do nosso Planeta, em nível global, regional ou local. Iniciado como um movimento universitário, o Dia da Terra se converteu em importante acontecimento educativo e informativo, utilizado para avaliar os problemas do meio ambiente do Planeta, como a contaminação do ar, água e solos; a destruição de ecossistemas, extinção de espécies da flora e da fauna; e o esgotamento de recursos não-renováveis.

Neste dia também se insiste insiste em soluções que permitam eliminar os efeitos negativos das atividades humanas, incluindo a reciclagem de materiais manufaturados; a preservação de recursos naturais, como o petróleo e a energia; a proibição de utilizar produtos químicos danosos; e o fim da destruição de habitats fundamentais, como as florestas tropicais e a proteção de espécies ameaçadas.

11:21 · 01.04.2013 / atualizado às 11:22 · 01.04.2013 por
YouTube Preview Image

O vídeo acima resume o que é o 350.org, movimento global de cidadãos que age no sentido de reduzir as emissões de carbono, por meio da promoção da redução da dependência dos combustíveis fósseis e do uso nocivo da terra, impulsionando uma economia baseada na energia limpa e, no processo, transformar a Terra num lugar habitável, alegre e justo.

A partir de amanhã, 2 de abril, qualquer habitante de Fortaleza (ou do Ceará) pode ingressar oficialmente no movimento. O primeiro encontro está marcado para as 18 horas, no Auditório Central da Universidade Estadual do Ceará (Uece), no Campus do Itaperi, na Avenida Paranjana, 1700.

Para entender melhor o motivo do nome, 350 é o limite máximo de segurança para a concentração de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera (medido em partes por milhão) acima do qual o Planeta entra em um estado de crise climática.

Segundo o manifesto – publicado no site http://world.350.org/brasil/ – o 350.org está focado na transformação das comunidades locais, com a construção de um movimento inclusivo e capacitado, comprometidos com a ação real, pensando e agindo para dimensionar o problema. Criatividade é a pedra fundamental destas ações, conectadas com a alma, tanto quanto com o cérebro, usando a tecnologia para apoiar a organização no mundo real.

Ainda segundo o manifesto, não precisa ser especialistas para integrar o movimento, mas saber o suficiente sobre a crise climática para falar a verdade, sem deixar de considerar que, embora a ciência seja importante, as histórias fazem o movimento poderoso e humano, destacando que não usam meios violentos para alcançar a mudança almejada.

06:32 · 23.03.2013 / atualizado às 06:34 · 23.03.2013 por

Pelo quinto ano consecutivo, o WWF-Brasil promove hoje a Hora do Planeta, um ato simbólico, promovido no mundo todo pela Rede WWF, no qual governos, empresas e a população demonstram a sua preocupação com o aquecimento global, apagando as suas luzes durante sessenta minutos. Hoje, sábado, dia 23, das 20h30 às 21h30, 92 cidades, sendo 22 capitais, estarão mobilizadas com diversas atividades pela Hora do Planeta.

Na cidade-âncora Brasília serão apagadas as luzes da Esplanada dos Ministérios, do Congresso Nacional, da Catedral e de outros monumentos históricos. O público contará com a participação da banda regional Patubatê e do grupo DJs Criolina, no Museu Nacional da República, local do evento.

São Paulo também apagará as luzes de símbolos como a Ponte Estaiada, o Obelisco, o Mercado Municipal, o estádio do Pacaembu, o Monumento das Bandeiras, o Theatro Municipal, o Arco do Anhangabaú e a Biblioteca Mário de Andrade. Além disso, o grupo Vá de Bike reunirá ciclistas numa pedalada no centro da capital paulista. O circuito passará por três desses locais e monumentos paulistanos que ficarão às escuras durante a Hora do Planeta.

No Rio de Janeiro ficarão às escuras o Cristo Redentor, os Arcos da Lapa, a Orla de Copacabana e de Ipanema, o Arpoador, o Parque Garota de Ipanema, a Igreja da Penha e a Catedral Metropolitana.

Celebridades como o músico Tom Zé, a atriz Paolla Oliveira, o chef Alex Atala, entre muitos outros famosos vestiram a camisa em apoio à ação. A cantora Gaby Amarantos topou o desafio “Eu vou se você for” do WWF e prometeu ficar um dia inteiro longe da internet se 1000 pessoas curtissem a foto dela no Instagram. O cineasta Flávio Tambellini também embarcou no desafio e se propôs a usar bicicleta por um mês e plantar uma árvore por semana no Rio de Janeiro se 1000 pessoas fizessem o mesmo.

Essas iniciativas, que já reuniram mais de quatro milhões de interações no YouTube, consistem na produção de um vídeo em que qualquer pessoa assume um compromisso e desafia outra com o objetivo de mudar o Planeta.

Cerca de 50 empresas, como Banco do Brasil, Lojas Renner, McDonald’s, Meliá Hotels também apoiaram a ação. O HSBC-Brasil realizará uma mobilização pela água do Planeta em nove capitais brasileiras – São Paulo, Curitiba, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Florianópolis, Recife, Goiânia, Campo Grande e Brasília. Colaboradores do banco realizarão atividades como plantio de mudas, recuperação de nascentes e medição da qualidade das águas dos rios. Além disso, dez prédios administrativos do HSBC ficarão às escuras.

Participe você também e torne esses 60 minutos um momento de reflexão sobre o que você pode fazer para ajudar a manter o equilíbrio da nossa grande casa: o planeta Terra!

Fonte: WWF-Brasil

Pesquisar

Gestão Ambiental

Blog da seção Gestão Ambiental, da editoria Negócios, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

10h09mCafé com qualidade e consciência

12h09mO porquê de um Dia Mundial de Limpeza da Praias

04h09mSustentável 2018: empresários e executivos debatem desafios de sustentabilidade 

01h09mUnifor inscreve para MBA em Gestão Ambiental na Cadeia Produtiva

10h08mUma radiografia da seca nos estados do Nordeste

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs