Busca

Categoria: Poluição Automotiva


11:54 · 22.09.2014 / atualizado às 11:59 · 22.09.2014 por

Print

Hoje é o dia escolhido no ano para deixar o carro em casa e ir para o trabalho / escola / lazer de outra forma. A cada ano mais e mais pessoas, entidades da sociedade civil e governantes veem no Dia Mundial Sem Carro (DMSC) – 22 de setembro – uma oportunidade para sensibilizar e mobilizar a comunidade em torno das questões relacionadas à mobilidade urbana, como saúde, qualidade de vida, poluição, orçamento, acidentes.

O Dia Mundial Sem Carro começou na França, em 22 de setembro de 1997. Em 2000, a União Europeia instituiu a Jornada Internacional “Na Cidade, sem meu Carro”, reunindo 760 cidades. No ano seguinte foram 1.683 cidades participantes. Encorajados pelo êxito da iniciativa do Dia Europeu sem Carro, a comissão organizadora lançou, em 2002, a Semana Europeia da Mobilidade.

No Brasil, a ação começou em 2001, envolvendo 11 cidades: Porto Alegre, Caxias do Sul e Pelotas (RS); Piracicaba (SP); Vitória (ES); Belém (PA); Cuiabá (MT), Goiânia (GO);Belo Horizonte (MG); Joinville (SC); São Luís (MA). Em São Paulo, a iniciativa é realizada desde 2005.

Em 2010, também inspirado pelas ações europeias, o movimento brasileiro idealizou uma semana de ações de mobilização e conscientização sobre os impactos da falta de mobilidade. A agenda proposta para a Semana da Mobilidade é que comece no dia 16 de setembro e tenha um grande encerramento no dia 22 de setembro, o Dia Mundial Sem Carro.

09:27 · 25.11.2013 / atualizado às 09:27 · 25.11.2013 por

O Programa Ambiental do Transporte (Despoluir), chegou ao número de 1 milhão de aferições de caminhões e de ônibus em todo o Brasil. O programa é desenvolvido pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) e pelo Serviço Social do Transporte e Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Sest Senat).

“Na prática, isso representa menos emissão de poluentes nas cidades e nas rodovias, menos consumo de combustível e maior consciência ambiental entre os transportadores – motoristas de empresas, caminhoneiros autônomos e outros trabalhadores do setor”, conforme destaca o presidente da CNT, senador Clésio Andrade.

O Projeto Redução da Emissão de Poluentes é uma das principais ações do Despoluir, que foi lançado em 2007. São 10 mil empresas e mais de 12 mil caminhoneiros autônomos atendidos. Regularmente, os participantes têm seus caminhões e ônibus aferidos para medir o nível de material particulado (fumaça preta) emitido.

Os veículos que estão de acordo com os índices determinados por lei recebem o selo Despoluir. Os motoristas dos caminhões e ônibus reprovados são orientados por técnicos sobre a necessidade de se fazer a manutenção correta para que haja menos emissão e menor gasto de combustível, dentre outros benefícios.

De acordo com o senador Clésio Andrade, nesses mais de seis anos do Despoluir, “o programa tem contribuído para estimular todo o setor de transporte a trabalhar pelo desenvolvimento sustentável”. No início do programa, o índice de aprovação nas aferições era menor (82,89%) e evoluiu para expressivos 88,69% aprovados em 2013, o que demonstra a incorporação da temática ambiental no transporte.

“Depois de participar do projeto de redução de emissões, muitos transportadores começam a desenvolver outras ações ambientais nas suas empresas, como práticas de reúso de água e gestão de resíduos”, diz o senador Clésio Andrade. As próximas ações do Despoluir serão voltadas para a melhoria da eficiência energética.

Fonte: CNT

12:50 · 01.01.2013 / atualizado às 13:34 · 01.01.2013 por

Hoje, 1º de janeiro de 2013, a Petrobras lança o Diesel S-10, com ultra baixo teor de enxofre, para todo o Brasil. O combustível, disponível em torno de 5.900 postos de serviço, sendo mais de 2.400 postos da Petrobras, substitui integralmente o Diesel S-50. Os benefícios ambientais do diesel com baixo teor de enxofre são mais efetivos nos veículos produzidos a partir de 2012. Esses veículos utilizam motores com tecnologia para redução de emissões veiculares atendendo a fase P7 do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve).

Além do teor de enxofre ainda menor, o novo Diesel S-10 tem número de cetano (medida de qualidade de ignição) 48 contra 46 do Diesel S-50 com benefícios de melhor partida a frio, redução de fumaça branca, redução na formação de depósitos e aumento da vida útil do óleo lubrificante que podem ser facilmente percebidos pelos motoristas. Esses benefícios também podem ser observados inclusive nos motores de tecnologia anteriores a 2012.

Modernização

A Petrobras investe continuamente na melhoria da qualidade dos combustíveis. Entre 2005 e 2011, foram investidos R$ 38,5 bilhões para modernizar seu parque de refino e adequar a logística para atendimento ao mercado interno, dos quais R$ 19,6 bilhões para a produção e movimentação do diesel de baixo teor de enxofre. Entre 2012 e 2016, ainda serão investidos R$ 27,2 bilhões na modernização das refinarias e adequação da logística para o atendimento do mercado interno, dos quais R$ 20,7 bilhões no programa de qualidade do diesel.

O Diesel S-10 está disponível em 15 polos de venda e terá a oferta ampliada para 17 polos durante o primeiro trimestre de 2013, propiciando o abastecimento de 78 bases de distribuição espalhadas pelo país. A lista completa de postos Petrobras que comercializam o Diesel S-10, que inclui também os pontos de venda do Flua Petrobras (marca própria do Arla 32), está disponível no site www.br.com.br.

Fonte: Petrobras

07:50 · 20.01.2012 / atualizado às 07:50 · 20.01.2012 por

Por Rosalvo Júnior / Agência CNT de Notícias

Ceará e Pernambuco são os Estados com o maior número de revendas adaptadas ou obrigadas a fornecer o combustível

O Nordeste é a região com maior número de postos adaptados à oferta do diesel S50 – com menor teor de enxofre e menos poluente –, cuja venda se tornou obrigatória em todo o País a partir deste ano.

Ceará e Pernambuco são os Estados com o maior número de revendas varejistas adaptadas ou obrigadas a oferecer o combustível, segundo recente determinação da Agência Nacional de Petróleo (ANP).

Os Estados figuram em primeiro lugar porque, desde 1º de maio de 2009, o S50 é comercializado como único tipo de óleo diesel rodoviário nas regiões metropolitanas de Fortaleza, Recife e Belém (na região Norte).

Agora, para garantir o abastecimento do combustível em todo o território nacional, a ANP selecionou 3.100 postos que se juntarão aos outros 1.100 estabelecimentos que já vendem o produto nessas três capitais.

No total, de acordo com a lista divulgada pela ANP, mais de 4.200 postos estão obrigados a cumprir a norma. Eles foram escolhidos supondo uma autonomia mínima de 100 km para os veículos pesados.

Estão incluídas na determinação as revendas em que o número de bicos para abastecer motores a diesel seja superior ao de bicos para veículos com motores do ciclo Otto – gasolina e etanol.

Em relação ao restante da lista, a posição do Sudeste chama a atenção. Apesar de ter a maior malha rodoviária do país – 26.778 km ou 33% das rodovias federais e estaduais pavimentadas, segundo a Pesquisa CNT de Rodovias 2011 –, a região figura em segundo lugar, atrás do Nordeste, entre as que possuem maior número de postos obrigados a oferecer o S50, aproximadamente 840.

Fiscalização

A ANP está fiscalizando o cumprimento da norma. Na última sexta-feira (13 de janeiro), a Agência visitou oito estabelecimentos na Grande São Paulo e constatou que em dois deles não havia o S50 nos tanques de abastecimento. Os postos foram autuados e, ao final do processo administrativo, podem pagar multa que varia de R$ 5 mil a R$ 2 milhões, segundo a Lei 9.847/1999.

“Infelizmente, chegamos à condição de ser autuados. Isso tudo é desnecessário porque cria um antagonismo entre o agente econômico e a agência reguladora”, avalia o diretor de postos de rodovia da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes (Fecombustíveis), Ricardo Hashimoto. Ele garantiu à Agência CNT de Notícias que existem postos com o produto à disposição em que, até o momento, nenhum veículo parou para abastecer.

Hashimoto acrescenta que a fiscalização deveria ser um pouco mais tolerante, uma vez que as mudanças nos estabelecimentos não são imediatas e devem ser feitas com critério. “Para fazer uma modificação, diversas instâncias devem se manifestar. Licenças ambientais podem atrasar, temos limitações. Os postos irão se adaptar à medida em que os consumidores começarem a procurar pelo produto”, explica.

Para a análise da qualidade do combustível oferecido aos caminhões, a ANP vai colher, durante as fiscalizações, amostras do diesel S50 nos postos avaliados. Denúncias sobre irregularidades podem ser encaminhadas para o Centro de Relações com o Consumidor da ANP pelo telefone 0800 970 0267 ou por meio de formulário eletrônico disponível na página da ANP.

13:29 · 09.03.2011 / atualizado às 13:29 · 09.03.2011 por

Todos os Estados brasileiros e o Distrito Federal deverão iniciar a implantação da inspeção veicular ambiental a partir de 25 de abril de 2012, prazo determinado em Resolução do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama).

A medida busca o controle da poluição provocada por ruídos e pela emissão de gases e partículas poluentes. A regra vai abranger todos os veículos automotores, motociclos e veículos similares, independentemente do tipo de combustível que utilizem.

Os resultados esperados são a melhoria da qualidade do ar, com a consequente melhoria da saúde pública e aumento da expectativa de vida dos habitantes das grandes cidades. A redução das emissões veiculares reflete diretamente no aquecimento global.

De acordo com estudos divulgados pela Universidade de São Paulo (USP), a poluição em excesso é responsável por mais de 200 tipos de doenças. Entre elas, incapacidade mental, estresse, derrame, sinusite, câncer na tireoide, angina, diabetes, doenças isquêmicas e infertilidade.

Atualmente, esse tipo de inspeção é realizada regularmente por 51 países no mundo. Na América Latina já fazem este tipo de fiscalização o Uruguai, Argentina, Chile, Peru, Costa Rica e Peru.

Rigor

Sem ter passado pela inspeção veicular periódica e ter sido inspecionado e aprovado quanto aos níveis de emissão, os veículos da frota-alvo, definidos em cada município, não poderão obter o licenciamento anual.

O processo de implantação e execução da inspeção veicular estará a cargo dos órgãos estaduais de meio ambiente que, em articulação com os municípios, deverão apresentar aos conselhos estaduais de meio ambiente seu Plano de Controle de Poluição Veicular (PCPV). O prazo para que os estados apresentem seu PCPV termina no dia 30 de junho de 2011.

O PCPV funcionará como uma espécie de guia para a gestão do controle da poluição veicular e deverá ter por base, quando houver, o inventário de emissões de fontes móveis e o monitoramento da qualidade do ar.

Fonte: Ministério do Meio Ambiente