Busca

Categoria: Prêmio Jovem Cientista


18:00 · 08.11.2011 / atualizado às 13:11 · 08.11.2011 por

Com recorde de inscrições e o tema “Cidades Sustentáveis”, iniciativa ofereceu R$ 600 mil em prêmios, incluindo as bolsas concedidas pelo CNPq

Estudantes do Rio de Janeiro, São Paulo, Paraíba, Minas Gerais, Tocantins e Distrito Federal estão entre os contemplados da XXV edição do Prêmio Jovem Cientista, que comemora em 2011 seus 30 anos de existência. O anúncio dos vencedores foi feito hoje em Brasília, na sede do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Com o tema “Cidades Sustentáveis”, as linhas de pesquisa este ano abordaram questões ligadas à sustentabilidade nas metrópoles, como planejamento urbano e qualidade de vida, gestão de águas e resíduos, políticas de mobilidade, agricultura urbana e impactos de mudanças climáticas.

A XXV edição bateu um novo recorde de inscrições – 2.321 trabalhos, um crescimento de 7% em relação ao ano passado, quando já havia superado os números dos anos anteriores – e ofereceu R$ 600 mil em prêmios, incluindo as bolsas de pesquisas concedidas pelo CNPq.

Além disso, contou com uma novidade: o kit pedagógico do prêmio, voltado para professores do ensino médio e criado para estimular o diálogo sobre o tema desta edição em sala de aula, foi apresentado e discutido em 11 oficinas ministradas por educadores formados especialmente para essa função, em dez estados brasileiros.

Os vencedores receberão o prêmio das mãos da presidente Dilma Rousseff, em cerimônia que será realizada no dia 6 de dezembro, no Palácio do Planalto, em Brasília.

CONHEÇA OS VENCEDORES DA XXV EDIÇÃO DO PJC

Categoria Graduado

1º lugar

Uende Aparecida Figueiredo Gomes – Minas Gerais

Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG

Orientador: Leo Heller

Título da pesquisa: “Intervenções de saneamento básico em áreas de vilas e favelas: Um estudo comparativo de duas experiências na Região Metropolitana de Belo Horizonte”

2º lugar

Karin Regina de Casas Castro Marins – São Paulo

Universidade de São Paulo – USP

Orientador: Marcelo de Andrade Romero

Título da pesquisa: “Ferramenta computacional para planejamento de cidades limpas e energeticamente eficientes”

3º lugar

Alejandra Maria Gomez Jimenez – Distrito Federal

Universidade de Brasília – UnB

Orientador: Marcio Muniz de Farias

Título da pesquisa: “Estudo experimental de um agregado reciclado de resíduo de construção e demolição (RCD) para utilização em pavimentação”

Categoria Estudante do Ensino Superior

1º lugar

Kaiodê Leonardo Biague – Minas Gerais

Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix

Orientador: Rogério Mori de Sena

Título da pesquisa: “Mini usinas solares fotovoltaicas em sistemas de transporte rápido por ônibus – BRT (BUS RAPID TRANSIT)”

2º lugar

Cibele Rosa Oliveira – São Paulo

Universidade de São Paulo (USP)

Orientador: Adilson Roberto Gonçalves

Título da pesquisa: “Diminuição do impacto ambiental dos resíduos sólidos municipais: Caracterização e quantificação de filmes plásticos rejeitados na reciclagem comercial e sua utilização em biocompósitos”

3º lugar

Sâmara Íris de Lima Santos – Paraíba

Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

Orientador: Xisto Serafim de Santana de Souza Júnior

Título da pesquisa: “Mapeamento da violência urbana em Campina Grande: Tendências e desafios em busca da cidade sustentável”

Categoria Estudante do Ensino Médio

1º lugar

Ana Gabriela Person Ramos – São Paulo

Escola Técnica Estadual Conselheiro Antônio Prado – ETECAP Campinas

Orientador: Érica Gayego Bello Figueredo Bortolotti

Título da pesquisa: “Embalagens ecológicas para mudas”

2º lugar

Beatriz Ferroli Cavalcante – Tocantins

Centro Educacional de Palmas

Orientador: Roberto Souza Oliveira

Título da pesquisa: “Cortina verde sustentável nas escolas públicas de Palmas”

3º lugar

Marina Jardim Faria de Araújo – Rio de Janeiro

Colégio Anglo-Americano de Volta Redonda

Orientador: Robson Paulino da Silva

Título da pesquisa: “Desenvolvimento de uma composteira em ambiente aeróbio/anaeróbio”

Categoria Mérito Institucional

Ensino Médio

Instituição: Colégio Stella Maris – Rio Grande do Sul

Diretor: Zóile Cecília Herrmann

Ensino Superior

Instituição: Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) – Minas Gerais

Reitor: Clélio Campolina Diniz

Categoria Menção Honrosa

Dr. Lázaro Valentin Zuquette

Instituição: Universidade de São Paulo (USP) – São Paulo

Premiação

Na categoria Graduado, os vencedores são agraciados com R$ 30 mil (1º lugar); R$ 20 mil (2º lugar) e R$ 15 mil (3º lugar). Para Estudantes do Ensino Superior, os valores são de R$ 15 mil para o 1º lugar, R$ 12 mil para o 2º lugar e R$ 10 mil para o 3º lugar. Estudantes do Ensino Médio classificados em 1º, 2º e 3º lugares recebem um laptop de última geração cada.

No Mérito Institucional, serão pagos R$ 35 mil para cada uma das duas instituições – uma de ensino médio e outra de ensino superior – que tiveram o maior número de trabalhos com mérito científico inscritos. O pesquisador que for indicado para a Menção Honrosa ganhará R$ 20 mil.

Além da premiação relacionada, todos os contemplados recebem bolsas de estudo do CNPq, caso atendam aos critérios normativos do órgão, descritos no site www.cnpq.br/bolsas. Os pesquisadores classificados em primeiro lugar em cada uma das categorias (Graduado, Estudante do Ensino Superior e Estudante do Ensino Médio) também participarão de Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em 2012.

Histórico Prêmio Jovem Cientista

Criado em 1981, o Prêmio Jovem Cientista tem o objetivo de incentivar a pesquisa no país e é considerado, pela comunidade acadêmica, um dos mais importantes reconhecimentos aos cientistas brasileiros.

A entrega da premiação é feita pelo presidente da República e reúne na cerimônia autoridades governamentais da área da Ciência e Tecnologia, além de respeitados nomes da ciência brasileira.

A XXV edição do Prêmio, que trata do tema “Cidades Sustentáveis”, é fruto de uma parceria entre o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a Fundação Roberto Marinho, a Gerdau e a GE.

Os temas escolhidos são sempre de interesse da população e buscam soluções para problemas nacionais.

Alguns dos assuntos abordados em anos anteriores foram: “Qualidade dos alimentos e saúde do homem”, “Reciclagem de rejeitos industriais”, “Saúde da população e controle de endemias”, “Oceanos: fonte de alimentos”, “Saúde da População – controle da infecção hospitalar” e “Educação”.

Números do PJC de 1981 a 2010

17.000 trabalhos inscritos

167 pesquisas premiadas

Mais de 150 bolsas de estudos concedidas

Cerca de 3.300 instituições de ensino e pesquisa mobilizadas na divulgação

Cerca 26.000 escolas de ensino médio mobilizadas na divulgação

Mais informações:

Site: www.jovemcientista.cnpq.br

Twitter: @jovemcientista

13:27 · 13.06.2011 / atualizado às 22:01 · 15.06.2011 por

A 25ª edição do Prêmio Jovem Cientista, que este ano tem como tema as cidades sustentáveis, foi lançada na semana passada, na Universidade de Brasília (UnB). Podem se inscrever estudantes dos ensinos médio e superior e graduados das mais diversas áreas do conhecimento.

O diretor do Serviço de Prêmios do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Guilherme Sales, disse que uma das grandes preocupações do conselho é assegurar a permanência dos pesquisadores no País, já que a maioria acaba indo para o exterior em busca de mais recursos e oportunidades para desenvolver seus trabalhos.

O reitor da UnB, José Geraldo de Souza, por sua vez, afirmou, que este ano, o prêmio abrirá muito mais oportunidades aos pesquisadores, considerando a amplitude do tema, que envolve urbanização, meio ambiente, gestão das águas urbanas, agricultura e sustentabilidade, entre outros.

Durante o lançamento, a doutora em Arquitetura Marta Adriana Bustos Romero ressaltou a relevância do tema, que envolve questões urgentes para a sociedade brasileira. “A importância do prêmio se dá a partir do momento que buscamos melhores condições de vida, que foram perdidas ou prejudicadas pelo processo do crescimento desordenado das cidades”.

Cidades Sustentáveis

O censo demográfico de 2010 mostrou que mais de 84% da população brasileira vivem nas cidades. Os espaços urbanos são os locais onde a maioria da população mundial realiza suas interações sociais, ambientais e econômicas. A qualidade das cidades é, portanto, um fator essencial na qualidade de vida dos brasileiros.

Pequenas, médias ou grandes, as cidades apresentam desafios que chamam a atenção: moradias em áreas de risco, altos índices de impermeabilização do solo, água escassa ou contaminada, lixo e resíduos tóxicos, lazer e educação de qualidade insuficientes, edificações mal projetadas ou conservadas, e poucas opções de mobilidade não motorizada são alguns dos problemas mais frequentes.

A sustentabilidade não tem uma receita única, mas se compõe de um mosaico de ideias e iniciativas apropriadas a cada contexto. O CNPq, a Fundação Roberto Marinho, a Gerdau e a GE acreditam que as soluções para a sustentabilidade das cidades brasileiras podem ser construídas por pessoas com diferentes tipos de experiência e de visão.

Definições

Cidade sustentável, ou eco-cidade, é uma comunidade instalada em um espaço projetado para minimizar ou eliminar impactos ambientais. Nela vivem pessoas preocupadas com a utilização racional de energia, água, alimentos e materiais; com a redução da produção de resíduos e poluição; com a manutenção dos recursos naturais, da biodiversidade e com a saúde de todos os seres vivos, co-habitantes do mesmo espaço.

Esta definição é uma espécie de síntese do pensamento de diversos autores – urbanistas, pesquisadores, arquitetos e pensadores – que conseguiram idealizar ambientes urbanos mais orgânicos e funcionais. E propuseram meios de chegar a tais ideais a partir da transformação de cidades existentes.

Só é possível construir espaços urbanos sustentáveis entendendo-se o papel público de cada cidadão, no melhor sentido da palavra. A cidade sustentável pertence a todos, inclusive àqueles que ainda nem nasceram. O seu planejamento é discutido publicamente, assim como seus problemas são debatidos publicamente. É um espaço urbano transparente, compartilhado, fruto de uma gestão comum. Não é uma colagem de pedaços estranhos um ao outro: é o próprio povo, um conjunto de pessoas com interesses sociais, culturais e ambientais comuns.

Não há cidade sustentável sem cidadãos sustentáveis. O cidadão sustentável sabe que sua saúde está relacionada à saúde do ambiente em que vive; à qualidade dos alimentos que consome e da água que bebe; à sua rotina de vida. Entende que não vive isolado, vive em comunidade, é um ser público. Ele conhece seus direitos, inclusive o direito a um meio ambiente saudável e sustentável. Mas conhece também seus deveres, a parte que lhe cabe na construção desse ambiente saudável e sustentável.

Linhas de pesquisa

Se você é estudante do Ensino Médio e se interessa pelo tema, conheça as linhas de pesquisa do Prêmio Jovem Cientista (PJC) e desenvolva, com a ajuda de seu professor, um trabalho para concorrer nesta edição.

Ambientes sustentáveis: casa, escola, trabalho, espaços públicos

◦ Edificações inteligentes: uso racional dos recursos naturais e materiais

◦ O trabalho e os empregos necessários para a cidade sustentável

Planejamento urbano e qualidade de vida

◦ Planejamento participativo: aprender a decidir em grupo

◦ Energias limpas e uso racional de energia

◦ A expansão urbana em áreas vulneráveis (encostas e beiras de rios)

◦ Enchentes: o conhecimento das causas deve orientar soluções

◦ O tempo livre: esportes, artes, cultura, relacionamento entre crianças, adultos e idosos

Gestão das águas no meio urbano

◦ Uso racional da água

◦ Preservação de rios e matas ciliares

◦ Controle do despejo de resíduos sólidos em mananciais de água doce

◦ Aumento de permeabilidade e infiltração das águas pluviais no espaço urbano

Políticas de mobilidade nas cidades

◦ Mobilidade de pessoas com necessidades especiais e idosas

◦ Uso e qualidade do transporte público coletivo

◦ Meios não motorizados de transporte

Agricultura urbana

◦ Produção de alimentos para consumo próprio ou comunitário

◦ Teto verde e produtivo

◦ Arborização com frutíferas: o pomar em locais públicos e privados

Gestão de resíduos: orgânicos, inorgânicos e perigosos

◦ Reduzir; reutilizar; reciclar

Impactos das mudanças climáticas nas cidades

◦ Plano de mudanças climáticas para as cidades

◦ Efeito de ilhas de calor

◦ Adaptação a eventos extremos: tempestades, ventanias, deslizamentos, inundações, secas

Se você é estudante do Ensino Superior ou graduado, verifique as linhas de pesquisa para sua categoria no www.jovemcientista.cnpq.br

YouTube Preview Image