Busca

Categoria: SWU


09:28 · 12.11.2011 / atualizado às 09:29 · 12.11.2011 por

São Paulo. A segunda edição do SWU Music & Arts Festival e do Fórum Global de Sustentabilidade, que acontece na cidade de Paulínia (SP), nos dias 12, 13 e 14 de novembro, trará para o público ações que unirão entretenimento e conscientização sobre sustentabilidade. Saiba o que será feito durante o festival:

Resíduos

Na primeira edição, o SWU (Starts With You, traduzindo, Começa Com Você) levou à arena uma estação de reciclagem para demonstrar como os resíduos são tratados. Neste ano, o trabalho será feito diretamente na usina onde eles serão separados e prensados. Dessa forma o processamento ficará mais ágil, exigindo um menor uso de geradores durante o evento.

A meta do festival é alcançar 100% da reciclagem dos resíduos sólidos. As empresas Santo Serviço e Corpus serão responsáveis pela limpeza e coleta de todo o lixo gerado durante o evento e a cooperativa local Cooperlínia Ambiental do Brasil, pela separação e direcionamento desse material à usina de reciclagem. Todo o resíduo orgânico gerado pelo SWU será destinado para a compostagem. No ano passado, 560 quilos de material orgânico foram submetidos à técnica de oxigenação, transformando o que era lixo em adubo.

Energia

Em relação ao evento do ano passado, o consumo total de energia será maior, mas, para reduzir os impactos no meio ambiente, parte dessa energia será limpa (hidrelétricas), proveniente da uma parceria do SWU com a CPFL, que, durante os dias do evento, realizará manobras em seus circuitos de distribuição, de modo que o abastecimento ocorra por uma rede elétrica exclusiva, reduzindo o uso de geradores.

A CPFL também irá disponibilizar quatro carros elétricos para uso e demonstração das suas vantagens para o meio ambiente.

Durante o evento, serão utilizados ainda geradores à base de biodiesel.

Água

Segundo a organização, o SWU mantém neste ano sua meta de conscientização sobre o desperdício de água limitando o tempo de banho dos campistas a 7 minutos. O festival também acaba de lançar um aplicativo gratuito para iPhone que estimula o usuário a reduzir o tempo de banho em casa – caso ele ultrapasse o tempo estipulado, uma música irritante começa a tocar no aparelho.

Cenário

Para a cenografia do festival, foram utilizados, quando possível, materiais de baixo impacto ambiental, como madeira certificada e/ou reciclada, papel reciclado, tinta à base de água e lâmpadas LED.

Fornecedores

O trabalho de conscientização em prol da sustentabilidade também é feito junto aos fornecedores do evento, através do Manual do Fornecedor. Nele, são detalhados os procedimentos de legislação do trabalho, de respeito e boas práticas no ambiente corporativo, além de dicas para fomentar o uso consciente dos materiais.

Em parceria com a ONG Recicleiros, será construída uma estação de geração de energia solar, onde as pessoas poderão recarregar os celulares. Serão três containeres com uma exposição fotográfica no interior de 12 artistas plásticos que trabalharam na estilização de latões de lixo.

2º Fórum Global de Sustentabilidade SWU

O Fórum Global de Sustentabilidade SWU, que em sua segunda edição conta com o apoio oficial do Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU), reunirá 29 palestrantes nacionais e internacionais para três dias de debates em torno da sustentabilidade. Entre os palestrantes, personalidades como os músicos Neil Young e Bob Geldof, a atriz Daryl Hannah, a Nobel da Paz Rigoberta Menchú e a ex-ministra Marina Silva, entre outros.

O fórum acontece no Theatro Municipal de Paulínia, na mesma área do festival SWU. O objetivo do encontro é promover o debate e inspirar pessoas para a prática da sustentabilidade através do exemplo e da experiência de indivíduos, empresas e organizações que já contribuem para um modo de vida mais sustentável.

São dois painéis de debates por dia, um de manhã (das 10h às 13hs) e outro à tarde (das 14h às 17h). A mediação será feita mais uma vez pela jornalista e apresentadora Renata Simões. O público poderá participar mandando perguntas por escrito e através das redes sociais. O fórum é aberto exclusivamente a quem tem ingressos para o festival e as inscrições já estão encerradas.

Pacto Global da ONU

Essa é a primeira vez que a organização apoia um evento como o Fórum Global de Sustentabilidade do SWU, que acontece dentro de um festival de música, voltado para o público jovem. O Pacto Global é a maior iniciativa mundial de responsabilidade corporativa, com mais de 6.000 empresas participantes, em mais de 130 países. O programa foi criado para incentivar e reconhecer as boas práticas empresariais nas áreas de meio ambiente, direitos humanos e combate à corrupção.

PROGRAMAÇÃO

Dia 12 / manhã – Painel 1

Desafios, impactos e interesses de um planejamento energético

– Investimento responsável: avanços no comprometimento com questões ambientais, sociais e de governança

– Desenvolvimento de energia limpa como forma de redução de emissões de gases de efeito estufa

– Os desafios do planejamento energético brasileiro

Palestrantes

Neil Young (músico e defensor do uso de energias renováveis)

Matthias Stausberg (porta-voz do Pacto Global da ONU)

David Cahen (chefe do Departamento de Energia Alternativa do Instituto Weizmann de Ciências de Israel)

José Eli da Veiga (professor e pesquisador, especialista em desenvolvimento sustentável)

Dia 12 / tarde – Painel 2

Inclusão e bem estar social para além de fronteiras culturais e econômicas

– Direitos humanos e diversidade cultural: como solucionar os conflitos?

– Educação e conhecimento como bases do bem estar social

– Multiplicidade cultural: como alcançar a inclusão de todos?

Palestrantes

Rigoberta Menchú (líder indígena guatemalteca e Nobel da Paz)

Laís Bodansky (cineasta)

Gilberto Dimenstein (jornalista)

Oskar Metsavaht (estilista)

Dia 13 / manhã – Painel 3

Oportunidades e limites do modelo de desenvolvimento sustentável

– Mudanças climáticas: soluções para um desafio global

– Os novos valores de um mundo em crise

-Tecnologia e inovação na busca por um novo padrão de desenvolvimento

Palestrantes

Marina Silva (ex-ministra do Meio Ambiente)

Mário Mantovani (diretor da SOS Mata Atlântica)

Vera Camará (psicóloga)

Karla Parra (representante brasileira do Pacto Global da ONU)

Darian Heyman (representante da empresa de certificação de design sustentável Cradle to Cradle)

Jason Salfi (fundador da Comet Skateboards)

Carla Mayumi (pesquisadora)

Dia 13 / tarde – Painel 4

Desenvolvendo novas responsabilidades: iniciativas transformadoras

– A importância de ferramentas coletivas em atitudes de paz

– Responsabilidade compartilhada pelo meio ambiente e cidadania

– Internacionalização: até que ponto o meu bem estar impacta a qualidade de vida do outro?

Palestrantes

Daryl Hannah (atriz e ativista ambiental)

Manoel Cunha (presidente do Conselho Nacional dos Seringueiros)

Virgílio Viana (diretor da Fundação Amazonas Sustentável)

M. K. Asante (escritor e cineasta americano)

The Voice Project (ONG que atua na Africa)

Cristian Del Campo (porta-voz da ONG chilena Um Teto para Meu País)

Dia 14 / manhã – Painel 5

Água – Segurança hídrica: conflitos, gestão e compromissos

– Pegada da água como nova ferramenta de gestão de recursos hídricos

– Busca pela sobrevivência: água potável em escassez global

– Guerra fria do século XXI: recusros naturais na mira de conflitos mundiais

Palestrantes

David De Rothschild (ambientalista)

Céline Cousteau (ambientalista e documentarista)

Fabio Feldman (ambientalista)

Jon Rose (fundador da ONG Waves4Water)

Milena Boniolo (Prêmio Jovem Cientista)

Dia 14 / tarde – Painel 6

Mobilização em tempos de crise

– A importância da atuação participativa no cenário mundial

– Nova era de negócios: o empreendedorismo mobilizador

– Desenvolver novas estratégias para promover interesses mútuos

Palestrantes

Bob Geldof (músico e idealizador dos concertos humanitários Live Aid e Live 8)

SolarAid (ONG britânica)

Julia Craik (criadora do estúdio sustentável de música Premises Studios)

Marcelo Furtado (diretor do Greenpeace Brasil)

Ações em parceria com ONGs

Horário de Funcionamento das tendas: das 12h à 0h

SOS Mata Atlântica – Túnel dos sentidos – Tenda onde o público será convidado a vivenciar o clima, relevos, texturas, odores e sons da Mata Atlântica.

Projeto Guri – Mixer Guri – O Projeto Guri, que ensina música clássica para jovens de comunidades carentes, trará para o festival a experiência de criar e mixar músicas. As pessoas poderão criar sua própria música a partir de sons disponíveis no programa, partindo de uma música base.

Um Teto Para Meu Pais – Casa Emergencial com Graffiti – Durante os três dias de festival, os voluntários da ONG Um Teto para Meu Pais construirão uma casa de madeira emergencial. O grafiteiro Mundano fará um Live Painting nas paredes externas da construção, com frases e ilustrações.

Matilha Cultural – Mini Matilha Cultural – O estande apresenta painéis indicativos sobre produção e destinação de alimentos e insumos nacionais divididos por regiões; filmes da mostra sobre sustentabilidade, meio ambiente e social, além de mobiliário sustentável.

Fundação Amazonas Sustentável – Rádio FAS e Oficina com Artesãs locais – Conhecida por sua atuação nas comunidades ribeirinhas da região da Amazônia, a Fundação Amazonas Sustentável preparou um espaço voltado à exposição e venda de produtos locais como castanha do Pará, pulseiras, brincos e artesanato em geral. O espaço terá ainda a Rádio FAS, por meio da qual o público poderá participar de uma “radio-novela” com personagens locais, com música e muita diversão.

Greenpeace – Exposição Greenpeace – o estande do Greenpeace terá duas principais atrações:

1- Exposição fotográfica com abordagem do público: dez pessoas se revezarão para abordar o público e apresentar o trabalho da ONG através de exposição de fotos.

2- Oficina de equipamentos solares: aqui estarão à mostra alguns utensílios domésticos (fogão, forno, aquecedor, desidratador) que utilizam apenas energia solar no seu funcionamento. O objetivo é mostrar ao público que a energia solar pode ser usada no dia a dia, sem complicação. Haverá também pequenos workshops de hora em hora para demonstração, além de três bicicletas que geram energia para carregar baterias de celular.

Casa do Zezinho – Exposição Casa do Zezinho – A exposição trará para o público do festival um pouco do que é realizado na Casa do Zezinho, na região do Capão Redondo (SP). Nesta tenda estarão expostos painéis com imagens e desenhos produzidos por jovens e crianças atendidos pela organização. Ali também estarão à venda sacolas, bolsas e outros produtos confeccionados pelo Grupo de Mães e Amigos da Casa do Zezinho.

Cooperacs – Exposição Planeta Sucata – Um planeta de 2,30 metros de altura, confeccionado com materiais reciclados e sucata, estará exposto na entrada do Teatro Municipal de Paulínia, dando as boas vindas ao II Fórum Global de Sustentabilidade.

350.org: vídeos sobre o Moving Planet realizado no dia 24 de setembro, em prol do Plano de Mobilidade.

WWF: vinhetas sobre a campanha realizada pela ONG sobre as emissões de gases e efeito estufa, entre outras.

Greenpeace: vinhetas sobre desmatamento e mensagens de conscientização.

Viva Vitão: vinhetas sobre consciência no trânsito. Além disso, voluntários da ONG circularão pelo evento distribuindo adesivos e camisetas.

Instituto Nina Rosa: filmes sobre o respeito por todos os seres vivos.

ONGs Parceiras com vídeos nos telões e no Cinema ao Ar Livre:

Horários: durante os intervalos dos shows nos telões e na programação do Cinema ao Ar Livre, das 20h às 3h.

Buriti Filmes – Cinema ao Ar Livre

A Buriti Filmes, da cineasta Laís Bodansky, realiza uma mostra ao ar livre de filmes sobre sustentabilidade (curtas, longas e animações), com projeção em tela inflável. A curadoria é uma parceria entre o SWU e a instituição italiana Ecovision. Serão oito horas de exibição, nos três dias do evento, entre 20h e 3h, atrás do Theatro Municipal de Paulínia.

O Ecovision é um festival internacional de cinema focado na temática socioambiental, que nasceu na Itália em 2005. Ao longo das suas cinco edições na Itália, o festival reuniu um acervo de mais de cinco mil obras, provenientes de cerca de 80 países. Em um processo de internacionalização, o festival será realizado no Brasil pela primeira vez em junho de 2012. A sede do evento será em Inhotim (Minas Gerais), Instituto de Arte Contemporânea e Jardim Botânico reconhecido internacionalmente. O evento faz parte da programação oficial do Movimento Itália-Brasil, iniciado em outubro de 2011 e que vai até junho de 2012.

Dada a convergência de temática entre o Ecovision Festival e o SWU Music & Arts Festival foi montada uma mostra cinematográfica com algumas das melhoras obras já apresentadas no Ecovision, entre curtas, longas, documentários e animação que transmitem mensagens universais e que dispensam tradução. A mostra de três dias, entre 12 e 14 de dezembro no SWU, será a apresentação formal do Ecovision no Brasil.

O diretor-artístico do Ecovision, o documentarista italiano Daniele Ottobre selecionou 54 obras representativas de diversas cinematografias que têm em comum o compromisso com o debate da sustentabilidade e seus temas sociais correlatos. “Muitos desses filmes trazem uma linguagem universal. Portanto, dispensam diálogos para serem compreendidos”, explica Ottobre. Um dos destaques são os filmes de animação, que tratam com humor e inteligência de questões importantes. Um bom exemplo é o desenho animado irlandês “Agricultural Report”, uma divertida crítica ao furor causado nos meios de comunicação com o mal da vaca louca.

Na seleção da mostra EcoVision para o SWU Music & Festival estão também filmes e documentários premiados em vários festivais de prestígio internacional e ainda indicados ao Oscar (“Lavatory-Lovessory”, do russo Konstantin Bronzit, e “Même Les Pigeons Vont Au Paradis”, do francês Samuel Tourneux). O público brasileiro poderá ver ainda o vencedor do grande prêmio EcoVision 2009, “Colours at The End of The World”, de Ale Corte. Trata-se de uma coprodução Argentina, Inglaterra e Itália, que mostra a luta de um casal de índios Mapuches contra a gigante Benetton para se manter em sua terra ancestral na patagônia argentina.

São filmes que foram selecionados ao longo dos últimos seis anos, graças à colaboração de prestigiosos críticos e ex-diretores do Festival de Cinema de Veneza, que fizeram e fazem parte do júri do EcoVision.

O diretor-artístico Daniele Ottobre é um cineasta italiano com experiência em diversos estúdios europeus, entre eles Ardmore (Irlanda). Em 1990 funda a DOC, sua produtora independente (Daniele Ottobre Comunicazione). Produz documentários e spots para a televisão italiana com foco na temática social e ambiental. Obteve reconhecimento e prêmios em 123 festivais ao longo de sua carreira. Entre suas obras mais premiadas estão “Discharge: Percepções de uma Índia Pós-Atômica” (2000) e “Breeze” (2002), Prêmio Kodak no Festival de Gênova, presidido por Lina Wertmuller. Este último também em exebição na Mostra EcoVision no SWU 2011.

Filmes

Cartela CTB – Buriti

Abertura: Mostra Ecovision (50 filmes – 180 minutos aproximadamente)

Cartela CTB – Buriti

A Conversation in Pictures – Greenpeace (6 minutos)

Cartela CTB – Buriti

The Rainbow Warrior of the Waiheke Island (87 minutos)

Cartela CTB – Buriti

Moving Planet – 350.org

Cartela CTB – Buriti

A Time Comes – Greenpeace (19 minutos)

Cartela CTB – Buriti

Vegana – Instituto Nina Rosa (55 minutos)

Cartela CTB – Buriti

Viva Vitão – Viva Vitão ( 2 minutos)

Cartela CTB – Buriti

Chernobyl 25 anos depois – Greenpeace (6 minutos)

Cartela CTB – Buriti

Light Bulbs – Greenpeace

Cartela CTB – Buriti

Mind Bomb – Greenpeace (55 minutos)

Cartela CTB – Buriti

Anais – Greenpeace (2 minutos)

Cartela CTB – Buriti

The Bottom Line – Greenpeace (8 minutos)

Cartela CTB – Buriti

Ações realizadas pelo Movimento SWU em 2011

Uma das principais iniciativas do movimento SWU em 2011 foi a Gincana Impacto Zero, que está premiando uma universidade brasileira com R$ 500.000,00 para a implementação de um projeto de sustentabilidade.

A competição foi criada para engajar o público universitário nas questões da sustentabilidade de forma prática e comunitária, tendo sido lançada em maio pelo Fantástico. Na fase final a Gincana se transformou em um reality show (exibido pelo Multishow), em que duplas de universitários disputaram provas de sustentabililidade em diversas cidades.

A dupla vencedora, da Universidade Federal de Alfenas (MG), além de levar um cheque de meio milhão de reais para a sua faculdade, ganha também um curso de empreendedorismo na Babson College, em Massachusetts (EUA).

O movimento realizou também oficinas de sustentabilidade (SWU Kids) para crianças em parques públicos e livrarias, atendendo a mais de 2 mil pessoas.

Foram realizadas ainda palestras e rodas de debates em faculdades (ESPM, Metodista e Mackenzie), com pocket-shows e minifóruns, além de ações em parceria com as ONGs Waves for Water (distribuição de filtros em comunidade carente de Osasco), Um Teto para Meu País (construção de casas emergenciais em Carapicuíba), Moving Planet, Cine Tela Brasil e o movimento Dia Mundial Sem Carro.

SWU na internet e nas redes sociais

Website: www.swu.com.br

Twitter: www.twitter.com/swubrasil

Facebook: www.facebook.com/SWUBrasil

Orkut: www.orkut.com.br/Community?cmm=102758132

Flickr: www.flickr.com/photos/swubrasil

Youtube: www.youtube.com/swubrasil

07:00 · 28.08.2011 / atualizado às 18:34 · 27.08.2011 por

Depois de confirmar a participação de grandes nomes da cena musical, como o cantor e compositor canadense Neil Young e o músico e ativista Bob Geldof, o 2º Fórum Global de Sustentabilidade SWU, que acontece entre os dias 12 e 14 de novembro, na cidade paulista de Paulínia, anuncia a vinda de Rigoberta Menchúe Severn Cullis-Suzuki.

Rigoberta ganhou o Prêmio Nobel da Paz por sua campanha em defesa dos povos indígenas e atual candidata à presidência da Guatemala, e a canadense, ativista ambiental. Severn esteve no Brasil durante o Rio-92, há quase 20 anos, quando fez um discurso inflamado em defesa da sustentabilidade que ganhou repercussão mundial e lhe deu a fama de “a garota que calou o mundo por 60 minutos”.

Rigoberta e Severn virão ao Brasil para compartilhar com o público as suas ideias e experiências em defesa dos direitos humanos e da sustentabilidade.

Depois de uma estreia bem-sucedida em 2010, com a participação de 29 palestrantes nacionais e internacionais, público in loco de 3.900 pessoas e audiência de mais de 500.000 views pelo portal SWU, o Fórum Global de Sustentabilidade SWU realiza este ano a sua segunda edição durante o SWU Music and Arts Festival.

Serão três dias de debates e discussões em torno de ideias, experiências e propostas para a sustentabilidade, contemplando os seus três pilares (social, ambiental e econômico). O Fórum acontece no teatro municipal de Paulínia, dentro da área onde será montado o festival SWU.

O objetivo do encontro é fomentar debates em torno da sustentabilidade através do exemplo e da experiência de pessoas, empresas e organizações que já contribuem para um modo de vida mais sustentável – social, ambiental e economicamente –, mostrando que por meio de novas escolhas e práticas todos podemos, sim, fazer diferença.

Rigoberta Menchú

A líder indígena guatemalteca Rigoberta Menchú foi Prêmio Nobel da Paz em 1992 por sua campanha em defesa dos direitos humanos, principalmente dos povos indígenas. Ela é também Embaixadora da Boa-Vontade da Unesco e vencedora do Prêmio Príncipe das Astúrias de Cooperação Internacional.

Atualmente Rigoberta é candidata à presidência da Guatemala e, segundo as últimas pesquisas, está com 2,5% das intenções de votos. As eleições acontecem em setembro. Rigoberta luta para conseguir se tornar a primeira mulher a ocupar a presidência de seu país – e a terceira de origem indígena no mundo (depois do mexicano Benito Juárez e do boliviano Evo Morales).

Ativista social por influência familiar, sempre reivindicou os direitos negados aos povos indígenas, denunciando a discriminação, racismo e exploração por eles sofridos. As principais bandeiras defendidas por Rigoberta são a paz, a desmilitarização e a justiça social em seu país, assim como o respeito pela natureza e a igualdade de direitos entre homens e mulheres.

Severn Cullis-Suzuki

Severn Suzuki esteve no Brasil em 1992, quando tinha apenas 12 anos de idade, para participar da 2ª Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Humano, que ficou conhecida como Rio 92.

Veio com um grupo de amigos e em nome da ECO (Environmental Children´s Organization), fez um discurso enfático em defesa da sustentabilidade para uma platéia que reuniu mais de uma centena de delegados e chefes de Estado. O vídeo desse discurso – (http://www.youtube.com/watch?v=uZsDliXzyAY) – ganhou repercussão internacional e ela ficou conhecida como “a garota que calou o mundo”.

Quase vinte anos depois, Suzuki volta ao Brasil, agora como palestrante do Fórum Global de Sustentabilidade do SWU. Ela também já confirmou a presença no evento Rio+20, no Rio de Janeiro, em 2012.

Desde criança, Suzuki atua como defensora dos direitos humanos e do meio ambiente. Ela acredita que, juntamente com os meios de comunicação, a ciência é importante instrumento para educação sobre as mudanças globais. Severn tem bacharelado em Ciência da Ecologia e Biologia Evolucionária, pela Universidade de Yale, mestrado em Etnoecologia, pela Universidade de Victoria, British Columbia.

Severn já trabalhou como palestrante, ativista ambiental, apresentadora de televisão e autora. Agora, ela faz parte da David Suzuki Foundation, uma ONG canadense que publica estudos científicos, reportagens, livros e notícias sobre os temas de pesca sustentável, mudanças climáticas e energias limpas.

Suzuki também é membro da Haida Gwaiii Higher Education Society, organização que oferece estudo universitário aos moradores da ilha Haida Gwaii, e da fundação Spark for the Girls Action, também localizada no Canadá, que oferece desafios reais para que mais de 60.000 jovens desenvolvam algum projeto para um mundo melhor.

Em 2012, além de vir para a Rio+20, também faz parte do grupo de 20 líderes do WE CANanada, do Earth Summit, que discursam a favor do desenvolvimento sustentável no mundo.

Além de Rigoberta Menchú e Severn Cullis-Suzuki, o 2º Fórum Global de Sustentabilidade terá a participação dos músicos Bob Geldof e Neil Young; o surfista e fundador da Waves For Water, John Rose; o diretor geral da Fundação Amazonas Sustentável, Virgílio Viana; o diretor de mobilização da Fundação SOS Mata Atlântica, Mario Mantovani; a ativista e diretora do estúdio de música Premises Studios, Julia Craik; o estudioso de mudanças climáticas Sérgio Besserman; a filha do músico Peter Gabriel e uma das criadoras do Voice Project, Anna Gabriel; a estilista americana Donna Karan; e William McDonough e Michael Braugart, da empresa de design sustentável Cradle to Cradle.

Sobre o SWU

O SWU (Starts With You – Começa Com Você) é um movimento que convida a repensar atitudes, trazendo o debate sobre sustentabilidade para a esfera individual de ação – demonstrando como as nossas escolhas diárias podem contribuir para um mundo mais sustentável.

Idealizado pelo Grupo Totalcom, de Eduardo Fischer, o movimento teve início em junho 2010 com uma plataforma de ações de comunicação e engajamento que teve como seu primeiro grande marco de celebração o SWU Music and Arts Festival.

Mais informações:  http://www.swu.com.br/pt/

20:45 · 05.07.2011 / atualizado às 20:45 · 05.07.2011 por

O Festival SWU – Começa Com Você e o Fórum Global de Sustentabilidade serão realizados este ano na cidade de Paulínia (SP). A Prefeitura local se comprometeu a criar o primeiro Distrito Sustentável do País, uma experiência piloto para práticas de sustentabilidade e urbanismo.

O distrito contará com captação de energia solar; sistema de refrigeração com tecnologia baseada em água (para reduzir o uso do ar condicionado); sistema a vácuo para coleta de lixo nas áreas de lazer e cultura; e ampliação de áreas verdes e criação de “trilhas” para bicicletas.

Somadas a essas ações estão processos de construção e operação de edifícios certificados nível platinum do Greenn Building Council, redução do consumo de água com uso de água cinza; uso extensivo de ciclovias e Rapid Bus Transit (BRT), conectado ao sistema de transporte já existente.

Sustentabilidade

Outra iniciativa foi a Gincana Impacto Zero, que premiará uma universidade brasileira com R$ 500 mil para a implementação de um projeto de sustentabilidade. A partir de 2 de agosto, a competição voltada para o público universitário será exibida pelo canal Multishow.

Ao longo dos próximos meses, o SWU também realizará ações dentro de faculdades em eventos itinerantes com palestras, debates sobre sustentabilidade e exposições de fotografias.

O público infantil também é foco de ações. O livro paradidático “5Rs Por Um Mundo Melhor”, de autoria da publicitária Rony Fisher e da antropóloga Simone Vale será entregue a crianças que visitarem os parques Ibirapuera e Vila Lobos durante as férias de julho.

O movimento ainda realizará parcerias com ONGs como SOS Mata Atlântica e Waves of Water. Com a primeira, o SWU promoverá um sorteio que levará 60 pessoas para uma visita guiada ao viveiro da SOS em Itu (SP). Com a segunda, a SWU fará o reabastecimento de garrafas d’água, com o uso de um filtro que transforma a água imprópria em potável, para chamar atenção das pessoas quanto ao problema da água.

Atrações

Para este ano estão previstas cerca de 70 apresentações nacionais e internacionais, que serão anunciadas até o início do festival. Os primeiros nomes confirmados para o evento são o instrumentista britânico Peter Gabriel, a banda de trash metal Megadeth, The Black Eyed Peas com a nova turnê “The Beginning”, o rapper Snoop Dogg e o cantor de reggae Damian Marley.

Já o Fórum Global de Sustentabilidade terá como um dos principais convidados o cantor e compositor canadense Neil Young, uma das principais vozes pacifistas da década de 1960. Engajado, ele transformou seu Lincoln Continental 1959 em um carro que só utiliza energia alternativa, como biocombustível e bateria elétrica. O carro ganhou o nome de “LincVolt”.

Outros palestrantes presentes no fórum serão Jon Rose (fundador da Waves of Water); The Voice Project (Anna Gabriel); Virgílio Viana (diretor da Amazônia Sustentável); William McDonough e Michael Braugart (Cradle to Cradle); Mario Mantovani (SOS Mata Atlântica).

Venda de ingressos

Os ingressos para o SWU estarão à venda a partir de 11 de julho, pela Ingresso Rápido (internet e call center) e em 67 pontos de venda em todo o País, além das Lojas FNAC de São Paulo, Campinas, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Brasília e Curitiba.