Busca

Categoria: Tecnologias Sociais


20:45 · 25.07.2017 / atualizado às 20:50 · 25.07.2017 por
173 iniciativas receberão certificado e irão compor o Banco de Tecnologias Sociais da Fundação BB, como o Sistema Integrado do Algodão Consorciado em bases agroecológicas, da Associação de Desenvolvimento Educacional e Cultural de Tauá Foto: Eduardo Queiroz / Agência Diário

Saiu o resultado da primeira fase de classificação para o Prêmio de Tecnologia Social da Fundação Banco do Brasil. Das 735 iniciativas inscritas, 173 foram consideradas aptas a receber a certificação no ano de 2017.

Esta é a nona edição da premiação, que tem o objetivo de levantar projetos sustentáveis que possam ser reaplicados em diversas comunidades.

A triagem foi realizada por uma comissão composta pela equipe técnica da Fundação BB, que obedeceu aos critérios do regulamento para chegar às propostas selecionadas. Dentre os requisitos solicitados estavam:

  • Tempo de atividade
  • Evidências de transformação social
  • Sistematização da tecnologia, a ponto de tornar possível sua reaplicação em outras comunidades
  • Respeito aos valores de protagonismo social
  • Respeito cultural
  • Cuidado ambiental
  • Solidariedade econômica

As propostas inscritas foram classificadas em seis categorias nacionais, das quais foram validadas:

  • 15 em Agroecologia
  • 27 em Água e/ou Meio Ambiente
  • 11 em Cidades Sustentáveis e/ou Inovação Digital
  • 40 em Economia Solidária
  • 52 em Educação
  • 16 em Saúde e Bem Estar

Na categoria internacional foram classificadas 12 propostas.

Com a certificação, as tecnologias passam a compor o Banco de Tecnologia Social (BTS) da Fundação BB, que agora conta com 995 iniciativas aptas para reaplicação.

O BTS é uma base de dados online, que reúne metodologias reconhecidas por promoverem a resolução de problemas comuns às diversas comunidades brasileiras.

Neste banco, todas as tecnologias sociais podem ser consultadas por tema, entidade executora, público-alvo, região, UF, dentre outros parâmetros de pesquisa.

Para consultar o banco basta acessar o endereço eletrônico: tecnologiasocial.fbb.org.br. Também é possível consultar este banco de dados por meio do aplicativo de celular “Banco de Tecnologias Sociais”, disponível para aparelhos Android e IOS.

Para o presidente da Fundação Banco do Brasil, Asclepius Soares, a certificação de um projeto com o selo “Certificada Fundação BB” garante mais visibilidade para a iniciativa, além de fortalecer o conceito para sua reaplicação em outras localidades do País.

“Nosso objetivo é melhorar a vida das pessoas por meio do reconhecimento e da reaplicação de tecnologias sociais que já deram certo em diversas localidades. Aproximamos a sabedoria popular ao conhecimento técnico para proporcionar o desenvolvimento social em escala”, explicou.

A próxima etapa do Prêmio está prevista para o dia 1º de agosto, com a divulgação dos projetos finalistas. Já as propostas vencedoras serão anunciadas na cerimônia de premiação, em novembro.

Neste ano, a Fundação BB irá premiar com R$ 50 mil cada uma das seis iniciativas vencedoras nas categorias nacionais, além da entrega de um troféu e a produção de um vídeo retratando as iniciativas das 21 instituições finalistas nacionais e das três finalistas internacionais.

Esta edição tem a cooperação da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) no Brasil e o apoio do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), do Banco Mundial, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

Categoria Internacional

Pela primeira vez, a Fundação BB abriu inscrições para iniciativas dos países da América Latina e do Caribe. Elas concorrem na premiação internacional. Deste grupo, 12 receberão a certificação. As tecnologias sociais desta categoria também irão compor o BTS após tradução dos projetos para o Português.

Consulte as tecnologias certificadas. Mais informações sobre essas soluções podem ser encontradas no Banco de Tecnologias Sociais > Pesquisa Tecnologias > Ano do Prêmio > 2017

Confira o regulamento do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social: www.fbb.org.br/premio

Fonte: Fundação BB

13:57 · 29.03.2017 / atualizado às 14:12 · 29.03.2017 por
Entidades sem fins lucrativos de todo o Brasil, da América Latina e Caribe podem inscrever iniciativas até 31 de maio Foto: Maristela Crispim

Iniciativas capazes de gerar soluções para desafios sociais podem se inscrever na 9ª edição do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2017, até 31 de maio. A participação é aberta a instituições sem fins lucrativos, como fundações, organizações da sociedade civil, instituições de ensino e pesquisa, legalmente constituídas no Brasil, de direito público ou privado, e que tenham sua iniciativa desenvolvida no País.

Nesta edição, o Prêmio terá seis categorias nacionais:

– Água e Meio Ambiente
– Agroecologia
– Economia Solidária
– Educação
– Saúde e Bem-Estar
– Cidades Sustentáveis e Inovação Digital

O primeiro lugar de cada uma das categorias será premiado com R$ 50 mil e as 18 instituições finalistas vão receber troféu e vídeo retratando sua iniciativa. Além disso, as tecnologias sociais que promovem o protagonismo e o empoderamento feminino vão receber um bônus de 5% na pontuação total obtida.

A novidade deste ano é a categoria internacional “Água e Meio Ambiente, Agroecologia ou Cidades Sustentáveis”, destinada a iniciativas realizadas em um ou mais países da América Latina e do Caribe, e que possam ser reaplicadas no Brasil. Serão três finalistas. A vencedora será conhecida na premiação, em novembro. Todas as categorias são relacionadas aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Realizado a cada dois anos, o Prêmio é considerado um dos principais do terceiro setor no País. Neste ano, o concurso tem a cooperação da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) no Brasil e o apoio do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), do Banco Mundial, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

Representantes das experiências finalistas participarão também do Fórum Internacional de Tecnologia Social, a ser realizado em Brasília (DF), em novembro deste ano, que contará com a presença de especialistas no tema. Entidades de tecnologias certificadas, integrantes do Banco de Tecnologias Sociais (BTS), também serão convidadas. O objetivo do encontro é debater o conceito de tecnologia social como instrumento do desenvolvimento sustentável.

Para serem certificadas, as iniciativas precisam ser reconhecidas como soluções capazes de causar impacto positivo e efetivo na vida das pessoas, já implementadas em âmbito local, regional ou nacional e passíveis de serem reaplicadas.

As metodologias certificadas passam a integrar o BTS da Fundação BB, que tem 850 iniciativas. O banco é uma base de dados online que reúne metodologias reconhecidas por promoverem a resolução de problemas comuns às diversas comunidades brasileiras.

No acervo, as experiências desenvolvidas por instituições de todo o País podem ser consultadas por tema, entidade executora, público-alvo, região, dentre outros parâmetros de pesquisa. O conteúdo está disponível também nas versões em inglês, francês e espanhol e pode ser consultado no celular, pelos sistemas operacionais iOS e Android.

Os resultados de cada etapa do Prêmio serão divulgados no site da Fundação Banco do Brasil e no BTS.

A leitura do regulamento e o procedimento de inscrição podem ser feitos no site do Prêmio

10:00 · 03.01.2017 / atualizado às 10:11 · 03.01.2017 por
As Tecnologias Sociais aliam conhecimento popular e acadêmico, com participação da comunidade usuária no desenvolvimento e implementação Foto: Fabiane de Paula / Agência Diário
As Tecnologias Sociais aliam conhecimento popular e acadêmico, com participação da comunidade usuária no desenvolvimento e implementação Foto: Fabiane de Paula / Agência Diário

O Banco de Tecnologias Sociais (BTS) da Fundação Banco do Brasil (FBB) reúne 850 experiências, capazes de gerar efetiva transformação social e de resolver os mais diversos problemas sociais nas áreas de alimentação, educação, energia, habitação, meio ambiente, recursos hídricos, renda e saúde. Estas Tecnologias Sociais (TS)  foram certificadas em oito edições do Prêmio Fundação Banco do Brasil e estão prontas para serem reaplicadas.

Para facilitar a implementação, oito propostas vencedoras, finalistas e certificadas foram manualizadas, com as noções e diretrizes relativas à implementação das técnicas. Elas foram sistematizadas com o intuito de orientar os seus reaplicadores, tendo por base outras experiências bem sucedidas. A proposta consiste em disponibilizar a técnica a interessados nessas metodologias para a solução de problemas .

As Tecnologias Sociais aliam conhecimento popular e acadêmico, com participação da comunidade usuária no desenvolvimento e implementação, gerando resultados comprovados na resolução de seus problemas.  No contexto de atuação da Fundação BB, as TS focam eminentemente a solução de problemas das comunidades menos favorecidas da população brasileira.

A manualização contou com a colaboração das entidades responsáveis pela certificação de cada Tecnologia Social, explicando, em detalhes, como envolver a comunidade, implementar a técnica e promover eventuais adequações às especificidades locais.

Os manuais podem ser acessados nos links abaixo
Agrofloresta baseada na estrutura, dinâmica e biodiversidade florestal
Metodologia do PIC (Projeto de Inclusão Comunitária)
PRV como Base Tecnológica para Produção de Leite Agroecológica
Água Limpa – Desafio para o desenvolvimento consciente e sustentável
Ensino Médio com Intermediação Tecnológica: Inovação na Educação Básica da Bahia
Fossa Ecológica-TEvap
Horta Comunitária – Inclusão Social e Produtiva

Fonte:

Fundação Banco do Brasil

13:11 · 25.03.2015 / atualizado às 13:16 · 25.03.2015 por

 

tecnologiasociallogo

Até 31 de maio estão abertas as inscrições para o 8ª Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social, que nesta edição tem a Petrobras, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) como parceiros.

O Prêmio tem o objetivo de certificar, premiar e difundir tecnologias sociais já aplicadas e ainda em atividade, em âmbito local, regional ou nacional, que se constituam em efetivas soluções para questões relativas à água, alimentação, educação, energia, geração de renda, habitação, meio ambiente e saúde.

Podem se inscrever as instituições sem fins lucrativos legalmente constituídas no País, de direito público ou privado, como cooperativas, organizações não governamentais (ONGs), prefeituras, associações, fundações, institutos de pesquisa, universidades, de acordo com o regulamento e o manual, que podem ser acessados pelo site www.fbb.org.br/tecnologiasocial.

Nesta edição, serão aceitas inscrições para seis categorias. A novidade será a premiação para Tecnologias Sociais para o Meio Urbano. As outras cinco categorias serão: Comunidades Tradicionais, Agricultores Familiares e Assentados da Reforma Agrária; Juventude; Mulheres; Gestores Públicos; e Universidades e Instituições de Ensino e Pesquisa.

Esta 8ª edição do Prêmio FBB de Tecnologia Social distribuirá R$ 600 mil no total, sendo R$ 50 mil para as iniciativas vencedoras em cada uma das seis categorias e mais R$ 25 mil para cada uma das outras duas finalistas de cada categoria.

Os projetos inscritos passam por um processo de triagem que inclui as fases de certificação, seleção das finalistas, julgamento das vencedoras e premiação, observados os critérios e parâmetros estabelecidos no Regulamento do Prêmio. Em sete edições realizadas, de 2001 a 2013, foram concedidos mais de R$ 3 milhões ao aprimoramento das tecnologias sociais vencedoras, por meio de projetos apresentados à Fundação Banco do Brasil.

Banco de Tecnologias Sociais

Todas as iniciativas certificadas vão compor o Banco de Tecnologias Sociais (BTS) da Fundação BB. O BTS é uma base de dados online que reúne metodologias reconhecidas por promoverem a resolução de problemas comuns às diversas comunidades brasileiras e atualmente conta com 696 tecnologias sociais cadastradas.

No BTS, as Tecnologias Sociais desenvolvidas por instituições de todo o País podem ser consultadas por tema, entidade executora, público-alvo, região, UF ou demais parâmetros de pesquisa.

As informações sobre as tecnologias sociais abrangem o problema solucionado, a solução adotada, a forma de envolvimento da comunidade, os municípios atendidos, os recursos necessários para implementação de uma Tecnologia Social, entre outros detalhamentos.

São disponibilizadas, também, os contatos dos responsáveis pela Tecnologia Social, possibilitando que instituições interessadas em reaplicar ou conhecer detalhes sobre o processo possam entrar em contato direto com as instituições que desenvolveram as tecnologias sociais.

Fonte: Fundação BB

 

09:04 · 16.10.2013 / atualizado às 09:24 · 16.10.2013 por
Serão reaplicadas 12 mil cisternas calçadão e enxurrada Foto: Waleska Santiago / Agência Diário
Serão reaplicadas 12 mil cisternas calçadão e enxurrada Foto: Waleska Santiago / Agência Diário

A Fundação Banco do Brasil, em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) lançou, nesta segunda-feira (14), edital para credenciamento de entidades para a reaplicação da tecnologia social “Água de Produção para captação, armazenamento e manejo hídrico”, visando à ampliação do acesso à água e da atividade produtiva em propriedades rurais no Semiárido brasileiro.

As ações vão beneficiar municípios do Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia e Minas Gerais, com a reaplicação de 6 mil cisternas calçadão e 6 mil cisternas enxurrada.

Além disso, a ação será estendidas à estratégia de armazenamento de alimentos e sementes crioulas (variedades locais), de estoque de forragem para os animais, com aproveitamento de pastagens e plantas nativas em silos e fenos, e, ainda, de ampliação de infraestruturas produtivas e de melhoria nos processos de beneficiamento e comercialização.

As cisternas calçadão e enxurrada são destinadas à produção de alimentos, à criação de animais e à irrigação para o cultivo de frutas e hortaliças. Elas têm capacidade de armazenar até 52 mil litros de água.

A ideia é potencializar atividades produtivas já existentes em propriedades rurais, amenizando os efeitos da seca, fenômeno natural constante no Semiárido. E, ainda, garantir a segurança alimentar e a manutenção da saúde das famílias dessas regiões

A parceria da Fundação BB e do BNDES Fundo Social foi formalizada por meio de Contrato de Concessão de Colaboração Financeira Não-Reembolsável, para a reaplicação de 12 mil unidades da tecnologia social de Água de Produção e para captação, armazenamento e manejo hídrico.

O edital está disponível aqui e as propostas devem ser apresentadas em envelope lacrado, na sede da Fundação BB. Dúvidas podem ser sanadas por meio de envio de e-mail para a Comissão de Credenciamento, no endereço eletrônico credenciamento@fbb.org.br

Fonte: Fundação BB

13:31 · 05.09.2013 / atualizado às 13:42 · 05.09.2013 por

img_logopremioNOVO_gd

A Fundação Banco do Brasil divulgou, nesta terça-feira (3), a relação das finalistas da 7ª edição do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social. Neste ano, das 1.011 inscrições recebidas, 192 foram reconhecidas e certificadas como tecnologia social. Dessas, 30 compõem o grupo de finalistas do Prêmio 2013.

Tecnologias sociais são produtos, técnicas ou metodologias reaplicáveis, desenvolvidas na interação com a comunidade e que representam efetivas soluções de transformação social.

As finalistas concorrem, agora, a prêmios nos valores de R$ 80 mil, R$ 50 mil e R$ 30 mil, para o primeiro, segundo e terceiro colocados, respectivamente. Elas apresentam soluções importantes, de baixo custo e fácil reaplicabilidade, que ajudam a melhorar a vida em sociedade.

Além do valor em dinheiro, as finalistas receberão, ainda, um kit com material de divulgação das tecnologias sociais, com folders, catálogo e um vídeo promocional com cerca de quatro minutos.

Os projetos selecionados para concorrer à grande final foram classificados por categoria. São elas: Comunidades Tradicionais, Agricultores Familiares e Assentados da Reforma Agrária; Juventude; Mulheres; Gestores Públicos; e Instituições de Ensino, Pesquisa e Universidades. Ao todo, serão destinados R$ 800 mil para expansão e aperfeiçoamento das tecnologias sociais vencedoras.

A próxima fase é a de julgamento, quando as 30 tecnologias sociais finalistas serão analisadas segundo critérios de inovação, interação com a comunidade, poder de transformação social e potencial de reaplicabilidade.

Haverá pontuações para cada critério e a tecnologia com maior pontuação média, em cada categoria, será declarada vencedora. O resultado final será divulgado em 19 de novembro, durante cerimônia em Brasília.

Prêmio

O Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social acontece a cada dois anos e as inscrições são abertas a instituições legalmente constituídas no Brasil, de direito público ou privado, sem finalidades lucrativas.

Desde 2001, por meio do Prêmio, a Fundação BB identificou, premiou e certificou como tecnologia social diversas iniciativas que hoje compõem o Banco de Tecnologias Social, uma base de dados online com mais de 500 tecnologias sociais disponíveis para consulta.

A edição deste ano recebeu 1.011 inscrições de iniciativas sociais. Em 2013, o tema educação recebeu o maior número (457), seguido de renda (219), meio ambiente (137) e saúde (75).

Entre as 192 certificadas, o Sudeste foi a região que teve o maior número de projetos reconhecidos (74), seguida do Nordeste (38) e do Sul (30). O Norte teve 27 tecnologias sociais certificadas e o Centro-oeste, 23.

O Prêmio é realizado em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a Petrobras, a KPMG Auditores Independentes, além da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Veja aqui a lista das 30 finalistas.

Fonte: Fundação Banco do Brasil

11:09 · 22.07.2013 / atualizado às 11:09 · 22.07.2013 por
As cisternas estão entre as primeiras Tecnologias Sociais premiadas pela Fundação Banco do Brasil Foto: Fabiana de Paula / Agência Diário
As cisternas estão entre as primeiras Tecnologias Sociais premiadas pela Fundação Banco do Brasil Foto: Fabiane de Paula / Agência Diário

O Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social recebeu, nesta 7ª edição, 1.011 inscrições de iniciativas sociais de todas as regiões do País. O número é 93,3% maior do que o registrado na primeira edição, realizada em 2001. Naquele ano, foram inscritos 523 projetos.

Em 12 anos, por meio do Prêmio, a Fundação identificou, premiou e certificou como Tecnologia Social diversas iniciativas que hoje compõem o Banco de Tecnologias Sociais (BTS), uma base de dados online disponível para acesso.

O tema educação recebeu o maior número de inscrições (457) em 2013, seguido de renda (219), meio ambiente (137), saúde (75), alimentação (64), recursos hídricos (35), habitação (14), e energia (10). A região Sudeste apresentou o maior número de iniciativas sociais inscritas (409).

“Mesmo passados todos esses anos da sua criação, o Prêmio continua um sucesso, e isso deve-se a alguns fatores como: seriedade na definição das Tecnologias Sociais (TS) certificadas, na seleção das finalistas e na premiação das vencedoras”, explica Jefferson Oliveira, gerente de Divisão de Tecnologia Social da Fundação BB.

Segundo ele, antes do Prêmio, as pessoas desenvolviam ricas experiências e não percebiam que estavam trabalhando ou desenvolvendo uma Tecnologia Social. Hoje, ao conhecer melhor o conceito, passaram a identificar esta correlação.

“Isto é muito comum em experiências criadas pela própria comunidade. A partir da necessidade de resolver algum problema as pessoas são motivadas e provocadas para buscar uma solução, que pode ser alguma metodologia que facilite a sua vida ou algum produto que ajude em determinada tarefa”, afirma.

Ao cumprir esses papéis, explica o gerente, o Prêmio e o Banco de Tecnologias Sociais tornaram-se referência entre as instituições parceiras e reaplicadoras, além do governo.

Certificação

Para ser certificado como Tecnologia Social, o projeto inscrito deve corresponder aos critérios de reaplicabilidade, efetividade da transformação social, interação com a comunidade, ter sido implementado há pelo menos um ano e contemplar, no mínimo, uma das seguintes dimensões: protagonismo social, respeito cultural, cuidado ambiental e solidariedade econômica.

O certificado é concedido pela Fundação Banco do Brasil, em conjunto com a Petrobras e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES).

Neste ano, serão escolhidas 30 Tecnologias Sociais finalistas e, destas, 15 serão as vencedoras, na classificação de 1º, 2º e 3º lugar, em cada categoria. A premiação para os três primeiros lugares é novidade nesta edição do Prêmio.

“Nossa intenção, com o aumento da premiação, é contribuir para o aprimoramento de um maior número de Tecnologias Sociais, permitindo que elas tenham uma maior facilidade de serem reaplicadas”, explica Jefferson. Ao todo, serão destinados R$ 800 mil para investimento nas Tecnologias Sociais vencedoras.

O Prêmio

A premiação é concedida a cada dois anos e as inscrições são abertas a instituições legalmente constituídas no Brasil, de direito público ou privado, sem finalidades lucrativas. As tecnologias sociais certificadas pela Fundação Banco do Brasil passam a integrar o Banco de Tecnologias Sociais (BTS).

Tecnologias Sociais são produtos, técnicas ou metodologias reaplicáveis, desenvolvidas na interação com a comunidade e que representem efetivas soluções de transformação social.

Fonte: Fundação Banco do Brasil

21:36 · 04.07.2013 / atualizado às 08:34 · 05.07.2013 por
As tecnologias sociais têm mostrado a sua força na convivência do sertanejo com as adversidades climáticas no Semiárido Foto: Waleska Santiago
As tecnologias sociais, como as cisternas, têm mostrado a sua força na convivência do sertanejo com as adversidades climáticas no Semiárido Foto: Waleska Santiago / Agência Diário

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai investir R$ 210 milhões na construção de 20 mil cisternas para captação, armazenamento e manejo de água. As cisternas serão destinadas à produção de alimentos no Semiárido brasileiro. A região passa pela pior seca dos últimos 50 anos, o que levou à decretação de estado de emergência em 1.046 de seus 1.133 municípios.

A ação faz parte do Plano Safra Semiárido, lançado ontem (4) pelo Governo Federal, no Centro de Convenções da Bahia, em Salvador (BA). Participaram da cerimônia a presidente da República Dilma Rousseff; o titular do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Pepe Vargas; o diretor de Desenvolvimento Social da Fundação BB, Éder Melo; e o diretor da área social do BNDES, Guilherme Lacerda.

O objetivo do Plano Safra Semiárido é garantir a segurança produtiva, impulsionando sistemas de produção adaptados à realidade do clima da região, que engloba os Estados do Nordeste e o Norte de Minas Gerais. Essa é a primeira vez que o governo elabora um plano específico para o Semiárido, marcado pela forte presença da agricultura familiar – que está em 95% dos 1,6 milhão de estabelecimentos agropecuários dos municípios.

A primeira parte desse apoio, contratada ontem, será realizada em parceria com a Fundação Banco do Brasil (FBB) e totaliza R$ 126 milhões, para a implantação de 12 mil cisternas de uso agropecuário na região. Os recursos para essa parceria são do BNDES Fundo Social.

Segundo a FBB, serão atendidas as famílias que já possuem a tecnologia social Cisterna de Placas, implantadas pela Fundação em parceria com a Articulação do Semiárido Brasileiro (ASA), desde 2003.

O apoio do BNDES está inserido em acordo de cooperação com Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e Petrobras para a implantação de 64 mil cisternas produtivas até meados do próximo ano, nos oito Estados brasileiros que compõem o Semiárido (exceto Maranhão).

O projeto beneficiará famílias de baixa renda (até meio salário mínimo per capita) da região do Semiárido, inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico). As famílias serão selecionadas entre as que já têm acesso à água para consumo próprio (“primeira água”). A “segunda água” será destinada à criação de animais e à irrigação para o cultivo de frutas e hortaliças.

Entre as tecnologias a serem utilizadas destacam-se as cisternas de placas de cimento, com capacidade para armazenar até 52 mil litros, as barragens subterrâneas de lona plástica, que retêm a água que escorre por baixo da terra, e os “barreiros trincheiras”, com paredes e fundos de pedra para impedir a infiltração, capazes de estocar até 132 mil litros.

O acesso à água para produção é parte integrante do esforço de inclusão produtiva do Plano Brasil Sem Miséria e compõe o Água para Todos. Além do acesso à água, o programa inclui ainda ações para a capacitação técnica dos agricultores familiares, troca de experiências e acompanhamento da execução dos projetos.

Em ação coordenada com diversos órgãos de governo, o plano prevê também a garantia de comercialização da produção agropecuária do Semiárido, por meio, principalmente, do Programa Nacional de Alimentação Escolar e Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

A iniciativa pretende, também, difundir estratégias de armazenamento de alimentos e sementes crioulas, de estoque de forragem para os animais, com aproveitamento de pastagens e plantas nativas, de ampliação de infraestruturas produtivas, de melhoria nos processos de beneficiamento e comercialização, dentre outras, potencializando atividades já existentes em propriedades rurais, amenizando os efeitos econômicos decorrentes da seca, fenômeno natural constante no Semiárido.

A FBB e o BNDES mantêm Acordos de Cooperação Técnica e Financeira para aplicação de recursos em tecnologias sociais nas áreas de geração de trabalho e renda, educação e desenvolvimento sustentável.

Fonte: Fundação Banco do Brasil e BNDES

13:26 · 21.03.2013 / atualizado às 13:26 · 21.03.2013 por
As tecnologias sociais têm mostrado a sua força na convivência do sertanejo com as adversidades climáticas no Semiárido Foto: Waleska Santiago

Estão abertas, a partir desta quinta-feira, 21 de março, por meio do site www.fbb.org.br/tecnologiasocial, as inscrições para a 7ª edição do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social. Criado pela Fundação BB em 2001, o Prêmio certifica como “Tecnologia Social” metodologias bem sucedidas, desenvolvidas na interação com a comunidade, que resultam em transformações efetivas na vida das pessoas.

Podem se inscrever instituições sem fins lucrativos, de direito público ou privado, que promovam e estimulem essas práticas. Serão premiadas iniciativas em cinco diferentes categorias: Comunidades Tradicionais, Agricultores Familiares e Assentados da Reforma Agrária; Juventude; Mulheres; Gestores Públicos; e Instituições de Ensino, Pesquisa e Universidades.

Os projetos vencedores receberão R$ 80 mil. Neste ano, a novidade é a premiação, também para o segundo e terceiro colocados, em cada categoria (R$ 50 mil e R$ 30 mil, respectivamente). No total, serão destinados R$ 800 mil para aperfeiçoamento ou reaplicação da tecnologia social premiada. As tecnologias finalistas receberão, ainda, um ultrabook, além de troféu. Em seis edições, a Fundação BB já investiu R$ 2,4 milhões em premiações.

Entre as práticas vencedoras na última edição do Prêmio, realizada em 2011, estão o Banco Comunitário Muiraquitã, que promove uma espécie de consórcio e possibilita a troca de produtos e serviços entre a comunidade; o Banco de Sementes Comunitários, que dinamiza o processo produtivo de agricultores por meio de estoque coletivo; além da instalação de Cisternas nas Escolas em municípios baianos; e o Projeto Fazendo Minha História: Biblioteca Infanto Juvenil, que incentiva a leitura ao instalar bibliotecas em instituições tutelares.

O manual de inscrição e o regulamento com mais informações sobre o Prêmio estão disponíveis no site www.fbb.org.br/tecnologiasocial

Banco de Tecnologias Sociais

As Tecnologias Sociais certificadas pela Fundação Banco do Brasil, por meio do Prêmio, passam a integrar o Banco de Tecnologias Sociais (BTS), uma base de dados online disponível no site www.fbb.org.br/tecnologiasocial e que contém informações sobre as tecnologias e instituições que as desenvolveram. O BTS é o principal instrumento utilizado pela Fundação BB para disseminar, promover e fomentar a reaplicação de tecnologias sociais. Ao todo, a plataforma online reúne, hoje, 504 dessas tecnologias, todas elas certificadas em edições anteriores do Prêmio.

O Prêmio

Realizado a cada dois anos pela Fundação Banco do Brasil, o Prêmio tem como objetivo identificar tecnologias sociais inovadoras, que promovam o envolvimento da comunidade, transformação social efetiva e possibilidade de serem reaplicadas, implementadas em âmbito local, regional ou nacional e que sejam efetivas na solução de questões relativas à alimentação, educação, energia, habitação, meio ambiente, recursos hídricos, renda e saúde. O Prêmio é realizado em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a Petróleo Brasileiro S.A. (Petrobras), a KPMG Auditores Independentes, além da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Fonte: Fundação Banco do Brasil

07:29 · 26.12.2012 / atualizado às 08:37 · 26.12.2012 por
Iniciativa apoiada pelo MDS reconhece experiências exitosas voltadas à convivência sustentável com o Semiárido Foto: Honório Barbosa

 

Termina em 10 de janeiro de 2013 o prazo para que pessoas jurídicas de direito público ou privado, com atuação no Semiárido, enviem projetos para participar do Prêmio Mandacaru – Projetos e Práticas Inovadoras em Acesso à Água e Convivência com o Semiárido. O prêmio é organizado pelo Instituto Ambiental Brasil Sustentável (Iabs) e pela Agência Espanhola de Cooperação (Aecid) e tem o apoio do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS).

A iniciativa faz parte das ações do Programa Cisternas, coordenado pelo MDS, e tem por finalidade promover a produção de conhecimento e o desenvolvimento de ações inovadoras e exitosas que favoreçam a convivência solidária e sustentável com o Semiárido. O prêmio é dirigido a associações de agricultores e agricultoras familiares, instituições de pesquisa, organizações da sociedade civil e prefeituras.

Prêmios

Será concedida premiação para os cinco finalistas de cada categoria, da seguinte forma:

A premiação para a categoria Experimentação no Campo consistirá na concessão de apoio financeiro para os projetos dos dez primeiros colocados, além de diploma honorífico para os três primeiros colocados, sendo:

– Primeiro colocado: diploma honorífico e prêmio no valor de R$ 50.000,00

– Segundo colocado: diploma honorífico e prêmio no valor de 45.000,00

– Terceiro colocado: diploma honorífico e prêmio no valor de 35.000,00

– Quarto colocado: prêmio no valor de R$ 30.000,00

– Quinto colocado: prêmio de 25.000,00

– Sexto ao décimo colocado: prêmio no valor de 5.000,00

A premiação para a categoria Replicação de Práticas Inovadoras consistirá na concessão de diploma honorífico e de apoio financeiro, aos projetos dos três primeiros colocados, nos valores brutos máximos de R$ 100.000,00 (cem mil reais) para cada um dos premiados.

A premiação para a categoria Pesquisa Aplicada consistirá na concessão de diploma honorífico e de apoio financeiro para os três projetos de pesquisa selecionados, correspondente aos valores apresentados para o desenvolvimento dos respectivos projetos, respeitado o limite de R$ 150.000,00 (cento e cinquenta mil reais) para cada um dos premiados.

A premiação da categoria Gestão Inovadora consistirá na concessão de diploma honorífico para os cinco primeiros colocados.

Para os trabalhos premiados que já estiverem em andamento, os prêmios recebidos deverão ser investidos, obrigatoriamente, nessa experimentação e aqueles já concluídos deverão aplicar necessariamente os recursos na replicação dos mesmos.

A premiação será realizada com recursos do Fundo Espanhol de Cooperação para Água e Saneamento (FCAS/Aecid), no âmbito do Programa Cisternas BRA-007-B, firmado entre Instituto Ambiental Brasil Sustentável e Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (Aecid).

Todos os projetos/práticas aprovados receberão certificado de participação e poderão a critério do Comitê Gestor do Programa Cooperação Cisternas, ser publicados e divulgados.

As inscrições são gratuitas e devem ser enviadas pelos Correios, com Aviso de Recebimento (AR), para o endereço:

A/C Comissão Organizadora do Prêmio Mandacaru

SHIS QI 05 conjunto 17 casa 20 – Lago Sul

CEP: 71615-170 – Brasília/DF

Para ler o regulamento do Prêmio Mandacaru, clique aqui.

Fonte: Ascom/MDS