Busca

O porquê de um Dia Mundial de Limpeza da Praias

12:21 · 15.09.2018 / atualizado às 12:37 · 15.09.2018 por
Em cinco anos no Ceará, mais de 200 campanhas foram realizadas, com 7.850 voluntários, em mais de 12 municípios com mais de 178 toneladas de lixo marinho recolhidas de áreas naturais (rios, manguezais e praias)

Milhões de voluntários, em 150 países, se unem hoje, com energia, boa vontade e preocupação com o meio ambiente para limpar seus países da poluição causada por resíduos e os cearenses também estão convocados para fazer parte desse grande movimento. No País, o Instituto Limpa Brasil é o responsável por organizar e coordenar as ações. 

Mas qual a necessidade de uma data específica para isso? A resposta é mobilização e Educação Ambiental. É difícil acreditar que alguém aprecie o lazer numa praia repleta de resíduos. Mas, daí à atitude de não sujar ou de participar de uma ação voluntária de limpeza, o passo é bem mais largo. 

Mobilização no Ceará e no mundo 

Associação Brasileira do Lixo Marinho (ABLM) no Ceará e os amigos, voluntários, coletivos e instituições ligadas ao Projeto Limpando o Mundo Ceará movimentam, hoje, seis municípios, 22 localidades (praias, rios, manguezais e estuários) e cerca de 300 pessoas da rede de parceiros em uma grande ação de proteção da vida marinha e dos oceanos, no Dia Mundial de Limpeza de Praias, neste 15 de Setembro, terminando com outras ações no fim do mês. 

O Dia Mundial de Limpeza de Praias ocorre todos os anos no terceiro sábado do mês de setembro. Ao redor do Planeta, organizações governamentais e não-governamentais, junto com a sociedade civil organizada, se propõem a ações de Limpezas de Praias remoção do lixo marinho nos ambientes litorâneos e serranos com ações de Educação Ambiental para a população, focando na divulgação das consequências da poluição marinha nos ecossistemas e na vida humana e no destino correto dos resíduos sólidos. 

Movimento internacional que promove a campanha de limpeza de rios e praias em todo o mundo, no mês de setembro, recebe nomes como “Clean Up the World” ou “International Costal Clean Up”, pelas organizações que iniciaram o movimento de despoluição, na Austrália e América do Norte, nos anos 80. É a maior ação global para limpeza da Terra. 

Promovido por diversas instituições que atuam com conservação marinha e políticas públicas, a ação chegou ao Brasil nos anos 90 com o título: Dia Mundial da Limpeza em Rios e Praias (DMLRP). Trata-se de um dos programas internacionais de meio ambiente mais inspiradores e efetivos que existe e é apoiado pela Organização das Nações Unidas (ONU), por meio do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma). 

Voluntários em todas as partes do mundo vão às praias, rios, praças, parques, trilhas coletar resíduos sólidos deixados diretamente pelos usuários desses locais ou por descargas originadas por outras fontes. 

A ação vem possibilitando, no longo prazo, mudanças de atitudes e comportamentos em nível local e global. A ideia é simples. Voluntários atuam na limpeza das suas comunidades, transformando esses ambientes em locais mais agradável e saudáveis para viver. As limpezas são coordenadas por grupos comunitários, coletivos, ambientalistas, colégios, escolas, bandeirantes, departamentos de governos, empresas e indivíduos dedicados ao meio ambiente. 

No Estado do Ceará, o Parque Ecológico da Barra do Ceará, é o epicentro de uma mobilização das lideranças da Barra do Ceará e em outras 12 localidades com grupos organizados em seis municípios (Paracuru, Caucaia, Fortaleza, Aracati, Beberibe e Icapuí), com mais de 300 voluntários envolvidos na ação que começa neste fim de semana e se estende até o fim do mês. 

I Encontro Ambiental Musical das Praias, Rios e Oceanos 

Artistas e músicos se uniram à causa. O compositor da Barra do Ceará, Bernardo Neto, irá abre a manhã com suas canções inspiradas no Rio Ceará, seguido do Cantor Zeric Místico, Banda Opostus, fechando com a banda Soul de Calçada. 

O Projeto no Ceará 

O Limpando o Mundo Ceará é coordenado por Juaci Araújo, membro da ABLM e educador ambiental, com início em abril de 2013, sempre buscando apoio e patrocínio para suas atividades de campanhas de Educação Ambiental e monitoramento com ações de limpeza de áreas naturais. Ao todo, são 20 anos dedicados à realização de campanhas de Educação Ambiental no combate do lixo marinho e realizando limpeza de áreas naturais. 

O projeto conta com encontros, exposições de fotos, capacitações, oficinas e rodas de diálogos com todos os setores, ajudando na sensibilização e levando informações sobre a biodiversidade marinha, conservação e a importância do reaproveitamento e da reciclagem nas cidades, gerando uma rede de pessoas multiplicadoras e atentas à Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). Outro ponto forte é a utilização de várias linguagens das artes promovendo um movimento de artistas em torno da causa. 

Números nos últimos 5 anos 

Mais de 200 campanhas realizadas, 7.850 voluntários envolvidos, uma rede de amigos e parceiros nas ações, mais de 12 municípios com atividades promovidas, um prêmio da Trip Transformadores, participação em mais de 50 eventos como convidado, participação em todas as oito edições do Sesc Povos do Mar e Herança Nativa, integrante da organização e realização na I e II Semana do Mar em Fortaleza, participação em três Edições do Viva a Mata da Fundação SOS Mata Atlântica (SP), cinco exposições fotográficas, atuação junto às duas edições do Projeto Manati e de cinco edições do Festival das Gaivotas / Associação de Pesquisa e Preservação de Ecossistemas Aquáticos  (Aquasis). São mais de 178 toneladas de lixo marinho recolhidas de áreas naturais (rios, manguezais e praias). 

Destino correto 

Nesta manhã de 15 de setembro, os 12 grupos de voluntários estão sendo orientados e estão em atividades de remoção do lixo marinho.  Os resíduos sólidos removidos serão destinados a centro de recicladores do entorno, parceiros do projeto e com um grande papel na sociedade nos processos de reciclagem e coleta seletiva, tendo apoio das prefeituras locais. 

A ideia é dar um correto destino dos materiais para centros de triagem de resíduos sólidos nas regiões, onde o material que possa ser reciclado ou reaproveitado seja reinserido no sistema produtivo. Muito do material encontrado nas áreas impactadas não são reaproveitadas para a reciclagem tornando-se um problema maior para a sociedade e a vida dos ambientes aquáticos e terrestres. 

Informar e sensibilizar a população para a Lei Nº 12. 305/2010, que determina a extinção de lixões a céu aberto e a criação de coleta seletiva e reciclagem nas cidades e aterros sanitários é uma das metas principais do trabalho de educação ambiental do projeto e da ABLM. 

Com as leis municipais no Rio de Janeiro e Caucaia (CE), as pessoas podem ser multadas por jogar lixo na rua. Separação dos resíduos sólidos, coleta seletiva e reciclagem – que ainda não ocorrem de forma plena – precisam avançar, levando junto os recicladores, que ainda sofrem por falta de investimento e políticas públicas eficientes para desenvolver o setor. 

Histórico do Movimento 

O Dia Mundial de Limpeza de Praias e Rios ocorre no terceiro sábado de setembro, desde 1989. Os primeiros esforços para realização dessa iniciativa aconteceram na Austrália e nos Estados Unidos, por meio da organização Ocean Conservancy. No Ceará, desde 1994 a Aquasis levantou esta bandeira e trabalho. 

Em 2013, os surfistas Petrônio Tavares, Calunga, Paulo Saad (Dado), Juaci Araújo e Alberto Campos, preocupados com este problema, se uniram e reforçaram uma nova linha de trabalho para atuar na sociedade fazendo a união de três parceiros: Instituto Povos do Mar (Ipom), Aquasis e Greenish – que se tornou patrocinador oficial do Projeto Limpando o Mundo no Ceará, até 2014. 

O fundador da iniciativa de conservação dos ambientes aquáticos foi o ambientalista Ian Kiernan, que durante uma volta ao mundo em um iate ficou horrorizado com a quantidade de lixo sufocando os oceanos do mundo. Com o apoio de uma comissão de amigos, ele organizou um evento da comunidade, o Clean Up Sydney Harbour, com aproximadamente 40 mil voluntários que se reuniram para ajudar a limpar os oceanos.  

Desde de 1994, essas campanhas em cooperação com vários parceiros já mobilizaram mais de 20 mil voluntários no litoral do Ceará e mais de mil toneladas de lixo foram removidas de áreas de praias, manguezais e estuários, um benefício que evitou que esses resíduos sólidos se espalhassem no oceano e continuassem a causar danos aos ecossistemas costeiros. 

Pontos turísticos de Fortaleza 

Parte da programação especial do Dia Mundial de Limpeza de Praias, uma ação especial é realizada, a partir das 15h deste sábado, na Praia de Iracema, um dos mais principais cartões postais de Fortaleza, incluindo outros pontos da Capital, como o Polo de Lazer da Aerolândia, a Praia do Náutico e também a Barra do Ceará. 

Esses eventos, em particular, contam com o apoio da C. RolimHotel SonataIndaiáUniversidade de Fortaleza (Unifor)Instituto IracemaSecretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma)GreenpeaceRotaractEscoteiros do Brasil e da Cooperativa de Materiais recicláveis (Socrelpe). 

Ação na Praia de Iracema 

15h – Concentração próximo ao Hotel Sonata – Avenida Beira-Mar, 848 

15h30 – Formação dos grupos e distribuição dos Kits 

15h45 – Mutirão de limpeza 

16h30 – Retorno dos grupos e triagem dos materiais coletados. 

17h30 – Encerramento das atividades. 

Engajamento oficial 

A Seuma integra a ação voluntária de limpeza nestes sábado e domingo (15 e 16), na orla da Praia de Iracema e Meireles. Neste sábado (15) pela manhã, voluntários percorrem 1,9 km da orla do Meireles, do espigão do Náutico até o Mercado dos Peixes Pescador Oscar Verçosa. Às 15h, se unem à ação em frente do Hotel Sonata, para percorrer toda a orla da Praia de Iracema até a comunidade do Poço da Draga. 

Já neste domingo (16), o mutirão de limpeza inicia às 15h30, no espigão da Rui Barbosa, finalizando no espigão do Náutico, no Meireles. Além da limpeza, haverá ação de Educação Ambiental e roda de conversa sobre cidadania. 

A ação conta com troca de material reciclável por mudas de plantas nativas ou frutíferas. Neste sábado (15), o ponto de apoio para a troca estará na frente do Hotel Sonata, a partir das 15h. No domingo (16), será no espigão da Rui Barbosa, às 15h30. 

No Brasil 

Esta ação global liderada por cidadãos une as comunidades locais que estão lutando com os desafios de resíduos mal geridos e descartados da pior maneira possível, despejados em lixões, vão parar em praias, rios, florestas, ruas e terrenos. 

No país, Instituto Limpa Brasil é o responsável por organizar e coordenar as ações (www.limpabrasil.org). A organização conta com o apoio da Neoenergia, por meio de suas subsidiárias Coelba (Bahia) e Celpe (Pernambuco). 

Dezenas de cidades brasileiras como Salvador, Recife, São Paulo, Fortaleza, Maceió e Belo Horizonte, entre outras, participam com seus voluntários dessa grande ação de cidadania global.  

Maratona mundial 

A maratona de limpeza começou em Fiji, no sul do Pacífico, passando por todo o Planeta até chegar ao Havaí, nos Estados Unidos. Envolve dezenas de milhões de pessoas residentes, desde pequenas aldeias rurais até as maiores megacidades do mundo. Em alguns países a participação é de até 5% da população. 

Para dar oportunidade às pessoas de fazer perguntas e discutir abertamente o evento, está no ar uma sessão de perguntas e respostas intitulada: “Frequently  asked  questions  about  World  Cleanup  Day”, em  Português “Perguntas frequentes sobre o Dia Mundial da Limpeza”, hospedada no canal do Twitte@letsdoitworld.  Use a hashtag #FAQ_WCD para acompanhar a conversa ou apresente perguntas adicionais a serem discutidas. 

A ação está sendo impulsionada pela iniciativa global Let’s  do  it!   Que iniciou ações de limpeza em 113 países ao longo da última década, com a participação de mais de 20 milhões voluntários no total. 

O movimento começou na Estônia, pequeno país do norte da Europa, em 2008, quando 50 mil pessoas se reuniram para limpar todo o país em apenas cinco horas. Por isso, a sede do World Cleanup Day 2018 é Tallinn, capital da Estônia. Dali são feitas as atualizações sobre o desenvolvimento das ações de limpeza em todo o mundo nas 30 horas em que elas são realizadas em cada canto do Planeta. 

A equipe do Dia Mundial da Limpeza fica à disposição para mostrar o que está acontecendo em todos os 150 países, distribuindo atualizações regulares sobre as últimas estatísticas, publicando notícias de limpeza de países e feeds de mídia social, bem como um programa de TV online ao vivo, produzido em linha direta na sede. 

A transmissão incluirá conexões de vídeo ao vivo dos locais das ações e entrevistas com seus organizadores. A transmissão ao vivo será possível em múltiplas plataformas como YoutubeFacebook e por meio do site worldcleanupday.org. 

Limpa Brasil-Let’s do it! 

O Instituto Limpa Brasil é realizador nacional das iniciativas  World Cleanup Day, Eu Sou Catador e Limpa Brasil Let’s do it! e tem como proposta do Instituto Limpa Brasil – Let’s do it! criar uma nova cultura com relação ao descarte correto do lixo, além de incentivar a sociedade a limpar e manter as cidades limpas. 

Por esse motivo, um dos pontos mais importantes do evento é o envolvimento das escolas municipais, com a realização de palestras e seminários, dinâmicas de grupo e gincanas, capacitação de professores e a estruturação dos pontos de coleta de materiais recicláveis durante a semana de mobilização. Esse movimento gera um engajamento da comunidade local e incentiva a transformação de alunos, pais, parentes e profissionais envolvidos em agentes de mobilização, que alertam sobre os malefícios do descarte incorreto do lixo. 

Mais informações:  

Confira a lista com os endereços e horários das ações em: www.limpabrasil.org

Comentários 0

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *