Gestão Ambiental

Busca


Criada Bolsa de Valores Ambientais

Publicado em 23/08/2014 - 9:53 por | Comentar

Categorias: Sem categoria
  • Enviar para o Kindle
 
 
Iniciativa permite verificar flutuação dos preços dos materiais recicláveis negociados no país, dando transparência para compradores (indústria) e vendedores (cooperativa de catadores)
 
Começou a funcionar nesta sexta-feira (22/08) o Índice BVRio de Materiais Recicláveis. O Índices indica o preço médio de venda de mais de 15 materiais diferentes (nas categorias de papel, plástico, vidro e metal) nas diversas regiões do país, dando transparência mercado de materiais recicláveis.
Em 2013 a BVRio desenvolveu o mercado de Créditos de Logística Reversa (CLRs). Este mecanismo representa a atividade de coleta e triagem realizada pelas Cooperativas de Catadores. Os créditos são emitidos e vendidos pelos atores que efetivamente coletam resíduos, e comprados pelos atores que necessitam fazer a logística reversa para cumprir com suas obrigações estabelecidas na Política Nacional de Resíduos Sólidos. O processo de criação dos créditos envolve o registro de toda a atividade de coleta, triagem e venda do material em um Sistema de Gestão eletrônico (http://www.bvtrade.org).  Os CLRs são emitidos por tipo de material triado e vendido, com nota fiscal. 
 
Através das informações coletadas no Mercado de CLRs foi possível desenvolver índices de preços médios de venda de materiais recicláveis no Brasil. Todos podem acessar os índices na plataforma de negociação BVTrade, e verificar, por exemplo, o preço médio de venda do kilo de latinhas de alumínio na região sudeste.
 
As informações estatísticas contidas no índice não expõem as cooperativas, sendo apresentado apenas o preço médio do material reciclável, e sua variação ao longo do tempo. Desta forma fica mais fácil que cooperativas de materiais recicláveis, e empresas que precisam comprar estes materiais, entendam os preços praticados em sua região.
 
Para Maurício Moura Costa, presidente da BVTrade, os índices são mais um benefício resultante do sistema de Créditos de Logística Reversa. “Além de fomentar a logística reversa e aumentar a renda das cooperativas de catadores, o sistema de Créditos gera uma informação extremamente rica sobre o mercado de materiais recicláveis. Esperamos com essa iniciativa agregar transparência e eficiência a esse mercado, em benefício das cooperativas de catadores e outros agentes envolvidos.”, menciona Maurício.
 
Para ver os índices do mercado de materiais recicláveis, acesse: http://www.bvtrade.org 
 
 
Sobre a BVRio:
A Bolsa de Valores Ambientais BVRio é uma instituição formada para promover o uso de mecanismos de mercado e facilitar o cumprimento de leis ambientais brasileiras. Através da sua plataforma BVTrade, a BVRio apoia o desenvolvimento de mercados ambientais em todo o Brasil. A BVRio foi vencedora do Katerva Awards 2013, categoria Economia. www.bvrio.org  e www.bvtrade.org

Canal BVRio no no Youtube:  www.youtube.com/canalbvrio

 

Tags:

Eusébio inaugura microgerador eólico

Publicado em 21/08/2014 - 8:05 por | Comentar

Categorias: Sem categoria
  • Enviar para o Kindle

A Prefeitura de Eusébio, através da Autarquia Municipal de Meio Ambiente e Controle Urbano (AMMA) inaugura, nesta quinta-feira (21/08), o Microgerador Eólico, o primeiro implantado em um órgão público no Ceará, que aproveita a força dos ventos para a geração de energia elétrica. O equipamento tem capacidade para gerar 5.500 kWh de energia e vai suprir todo o consumo do órgão municipal. Com esse sistema, a AMMA-Eusébio será o primeiro órgão público do Estado do Ceará a gerar sua própria energia.

Segundo o presidente da AMMA, Celso Rodrigues, o que o excedente que for produzido será usado como crédito junto a Coelce para o abatimento da conta de energia ou poderá ser cedido para outro beneficiário. “Esse projeto condiz com a nossa missão, pois além de órgão fiscalizador e de controle, temos uma forte atuação na preservação do meio ambiente. Com esse projeto, que gera energia renovável e não poluente, teremos também uma redução significativa da emissão de CO² na atmosfera.

O Microgerador da AMMa funcionará como um projeto piloto, a partir do desempenho do material e a economia alcançada o projeto poderá ser estendido para os demais órgãos da Prefeitura de Eusébio.

 

Serviço:

Inauguração do Microgerador de Energia Eólica

Data: 21/08/2014 (quinta-feira)

Horário: 08h30min

Local: Avenida Cícero Sá, 130, Centro – Eusébio (Prédio em frente a Câmara Municipal de Eusébio)

Tags:

Curso de adequação ambiental na cafeicultura

Publicado em 21/08/2014 - 7:58 por | Comentar

Categorias: Sem categoria
  • Enviar para o Kindle
 

Com início previsto para 15 de setembro, atividade orienta produtores sobre plano de restauração

A Università del Caffè Brazil (UDC) abriu inscrições para mais um curso à distância em 2014. “Adequação ambiental na cafeicultura” terá 10 horas de duração, divididas em 6 aulas, a partir de 15 de setembro. O objetivo do curso é apresentar aos alunos os conceitos de ecologia florestal, de biodiversidade e serviços ambientais, o que mudou com o Novo Código Florestal, as técnicas de recuperação florestal, bem como o passo a passo para o diagnóstico e plano para a adequação ambiental.

Ele se destina a cafeicultores, gestores de fazendas, engenheiros agrônomos e técnicos agrícolas da área cafeeira. Os inscritos terão dois meses para assistir e completar os exercícios das seguintes aulas:

- Biodiversidade;

- Serviços ambientais;

- Legislação ambiental: O Novo Código Florestal;

- Conceitos ecológicos sobre florestas;

- Técnicas de recuperação florestal;

- Passo a passo para adequação ambiental.

O curso será ministrado pela professora Lina Maria Inglez de Sousa e não há número limite de vagas oferecidas. Há descontos, na taxa de inscrição, para cafeicultores fornecedores da illycaffè e grupos acima de 10 pessoas. O valor integral é R$ 200. Para inscrições e mais informações, acesse http://universidadedocafe.com/. Outros contatos: dilmass@fia.com.br e 11 3818-4005.

Os demais cursos previstos para este ano são:

>  Tratamento de águas residuárias (10 horas), início em outubro;

>  Manejo integrado de pragas (10 horas), início em novembro.  

A UDC resulta de uma parceria da illycaffè com o Centro de Conhecimentos em Agronegócios (Pensa), programa de pesquisa da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (USP) e da Fundação Instituto de Administração.

comercializados em 140 países e estão disponíveis em mais de 100 mil dos melhores restaurantes e cafeterias. Com o objetivo de difundir a cultura do café, a illycaffè fundou a Università del caffè, um centro de treinamento de excelência que oferece treinamento teórico e prático em todos os aspectos do café para cafeicultores, equipe de lojas de café e amantes da bebida. A illycaffè emprega cerca de 1.050 pessoas em todo o mundo e tem um faturamento consolidado de € 374 milhões (resultados de 2013).

 

  

Tags: ,

Diário do Nordeste na final do Fecomercio

Publicado em 20/08/2014 - 17:39 por | Comentar

Categorias: Sem categoria
  • Enviar para o Kindle

 

Vencedores do 4º Prêmio Fecomercio de Sustentabilidade serão anunciados em coquetel de premiação

 

Cerimônia acontecerá na sede da Entidade, nesta quinta-feira (21/08), a partir das 19h; no total, onze ganhadores serão contemplados entre os 46 finalistas. O Diário do Nordeste concorre com dois trabalhos na subcategoria impresso

 

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) revelará os projetos vencedores da quarta edição do Prêmio Fecomercio de Sustentabilidade, realizado em parceria com a Fundação Dom Cabral. 

 

A cerimônia da entrega do prêmio será realizada em um coquetel na sede da Entidade, amanhã (21), às 19h. O evento contará com a presença do presidente da Federação, Abram Szajman, o presidente do Conselho de Sustentabilidade da Casa e coordenador da iniciativa, José Goldemberg, o secretário do Meio Ambiente, Rubens Rizek, e o ex-secretário de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico de São Paulo eex-deputado federal – relator do 1º Projeto de Lei da Política Nacional de Resíduos Sólidos - Emerson Kapaz. Participarão, ainda, a jornalista Rosana Jatobá, que irá anunciar o prêmio aos vencedores e o professor e pesquisador do Núcleo de Sustentabilidade da Fundação Dom Cabral, Cláudio Boechat.

 

No total, foram selecionados 46 finalistas nas categorias Empresa (Micro; Pequena/Média; Grande; Indústria e Entidade); Órgão Público; Academia (Professor e Estudante); e Reportagem Jornalística (Impressa; Rádio/TV e Online), entre 276 inscritos. Mesmo com um período menor de inscrições – já que a partir desta edição o prêmio tornou-se anual -, o volume de participantes cresceu e a iniciativa consolidou-se nacionalmente, com abrangência em 21 Estados brasileiros, em relação aos 19 do ano anterior, e 91 municípios, ante 56 na última edição.

 

“Percebemos ao longo das edições uma melhora significativa na qualidade dos projetos, o que demonstra um engajamento cada vez maior das pessoas, em várias frentes, na busca por soluções ambientais por meio de práticas efetivamente sustentáveis”, diz José Goldemberg. 

 

O principal critério avaliado foi a inovação, tema central da proposta. Também fizeram parte da avaliação os 16 Princípios do Varejo Responsável, estabelecidos pelo Centro de Desenvolvimento da Sustentabilidade no Varejo da Fundação Dom Cabral.

 

Durante o encerramento será distribuída uma revista, produzida pela Federação, com todos os cases finalistas e depoimentos dos responsáveis pelos melhores projetos.

 

Sobre a FecomercioSP

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) é a principal entidade sindical paulista dos setores de comércio e serviços. Responsável por administrar, no Estado, o Serviço Social do Comércio (Sesc) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), representa um segmento da economia que mobiliza mais de 1,8 milhão de atividades empresariais de todos os portes e congrega 154 sindicatos patronais que respondem por 11% do PIB paulista – cerca de 4% do PIB brasileiro -, gerando em torno de cinco milhões de empregos.

 

Sobre o Conselho de Sustentabilidade

Presidido pelo professor José Goldemberg, doutor em Ciências Físicas pela Universidade de São Paulo (USP), o Conselho de Sustentabilidade da FecomercioSP foi criado para difundir e valorizar ações e projetos em prol da melhoria da qualidade de vida no País. Para isso, tem como principais objetivos incentivar a inserção do conceito de sustentabilidade na gestão empresarial e promover parcerias entre governo, setor privado e cidadãos em busca de soluções sustentáveis, bem como promover ações para o consumo consciente e responsável.

 

Serviço

Evento: 4º Prêmio Fecomercio de Sustentabilidade

Data: 21/8/2014

Horário: 19h

Local: FecomercioSP / Teatro Raul Cortez – Rua Doutor Plínio Barreto, nº 285, 2º andar – Bairro Bela Vista

 

Conheça os trabalhos finalistas:

 

Categoria Empresa

 

 Subcategoria Microempresa

 

- Arturo Justicia, com o projeto Programa de Responsabilidade Socioambiental da Associação Comercial de Ilhabela, da organização Azimute Consultoria e Treinamentos Ltda.;

- Elis Guimarães Martini, com o case da Zappa Moda Infantil;

- Gabriel Estevam Domingos, com o projeto Ecotinta, da GED Inovação, Engenharia e Tecnologia Ltda. – ME;

- Thiago Pietrobon, com o case São Vicente Sustentável, do grupo Ecosuporte Assessoria Ambiental Ltda.

 

Subcategoria Pequena e Média Empresa

 

- Alda Aparecida Galdino Amaral Ribeiro, com o case da Campanha Contra a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, modelo de atuação do Grupo Mil Cereais Bramil Ltda.;

- Cristiana Legey, com o trabalho Caxias Shopping Sustentável, da Expoente 1000 Empreendimentos e Participações;

- Serapião Bispo, com o projeto Camará Shopping – Um Exemplo de Empreendimento Sustentável em Todas as Suas Etapas, do Camará Shopping Center S/A;

- Soraia Vitiello, com o projeto Casa Ecourbana, da Gaia Projetos Sustentáveis Ltda.

 

Subcategoria Grande Empresa

 

- Christiane Valesca Alves Durante, com o projeto Ações de Inovação Ambiental, da Jones Lang LaSalle S/A;

- Rafaela Franco Biamante, com o Projeto Kiteiras, da Danone Ltda.;

- Tatiana Pagotto Yoshida Rondobel, com o programa Inspirando Mudanças no Setor Madeireiro, da Rondobel Indústria e Comércio de Madeiras Ltda.;

- Tayná Haudiquet, com o projeto Desenvolvimento Comunitário Através de Mecanismos Sustentáveis, da Jardins Mangueiral Empreendimentos Imobiliários.

 

Subcategoria Indústria                            

 

- Andrea Rozon, com o projeto Print School – Escola Gráfica, da Plural Indústria Gráfica;

- Michele Fernanda Faria, com o programa Joinville Sustentável, da General Motors do Brasil;

- Thiago Augusto Terada, com o trabalho Tecnologia – Sinônimo de Sustentabilidade para as Usinas Sucroalcooleiras do Brasil, da Beraca Sabará Químicos e Ingredientes S/A.

 

Subcategoria Entidade

 

- Márcio Bensuaschi, com o Projeto Eniac Resíduo Eletrônico, do Instituto Brasileiro de Turismólogos (IBT);

- Maurício Correa Araújo, com o projeto Consultorias Integradas para o Turismo Sustentável para Fernando de Noronha – PE, do Sebrae-PE;

- Suênia Maria Cordeiro de Sousa, com o projeto Centro Sebrae de Sustentabilidade, do Sebrae-MT.    

 

Categoria Órgão Público

 

- Adriana de Oliveira, com o projeto Unindo Forças para o Desenvolvimento, do Consórcio Intermunicipal da Fronteira (CIF);

- Antônio Carlos Fávaro, com o programa Lixo que Vale, da Prefeitura de Umuarama – PR;

- Juliano Souto Menezes, com o trabalho Itabirito é Limpeza. Eu Participo, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Itabirito – MG;

- Thiago Souza Peixoto, com o projeto Minha Primeira Empresa, da Secretaria de Estado de Indústria e Comércio de Goiás;

- Werther Vieira, com o case Troca Solidária, da Prefeitura Municipal de Caxias do Sul – RS.      

 

Categoria Academia

 

Subcategoria Professor

 

- Ana Carla Mila Primak, com o trabalho Preparação de um Compósito à Base de Resíduos de Construção Civil e o Politereftalato de Etileno (PET);

- Felipe Berndt Moreira, com o Projeto de Desenvolvimento de Produto Utilizando Resíduos de Painéis de Fibras de Média Densidade;

- Nildo da Silva Dias, com o programa Potencial de Uso Agrícola da Água de Reúso após Tratamento por Osmose Reversa.

 

 Subcategoria Estudante

 

- Cibele Maria Antunes Vilela, com o projeto Fabricação de Briquetes Aromatizados e Ecopisos a partir dos Resíduos da Castanha-do-Pará;

- Luan Alves Lima, com o trabalho Identificação e Pontencialização dos Recursos Hídricos no Assentamento Paulo Freire – Mossoró (RN);

- Renato Tadeu Rodrigues, com o trabalho Ecologística – O Caminho para um Varejo Sustentável;

- Rogério de Souza Vieira, com o projeto Casa Mais Verde;

- Sandra Soares Teixeira, com o programa Gestão Sustentável dos Resíduos Sólidos Urbanos na Rede Municipal de Ensino.

 

Categoria Reportagem Jornalística

 

 Subcategoria Impresso

 

  • Deise de Oliveira, com o Especial Inovações Imobiliárias, do jornal Folha de S.Paulo;

  • Júlio Lamas, com a reportagem Mobilidade Urbana: Como Desatar Este Nó?, da revista National Geographic Brasil;

     

  • Maristela Machado Crispim, Emerson Rodrigues e Fernando Maia com a matéria Nós do Lixo, do jornal Diário do Nordeste (CE);

 

  • Melquíades Junior, com a reportagem Viúvas do Veneno, do jornal Diário do Nordeste (CE);

 

- Patricia Comunello, com a matéria Logística Reversa para Lixo Eletrônico Aguarda Definição de Regras no País, do Jornal do Comércio;

- Sucena Shkrada Resk, com a matéria Este Cenário em Breve Precisa Acabar, da revista Horizonte Geográfico (Editora Horizonte).

 

Subcategoria Rádio/TV

 

- André Trigueiro Mendes, com a série Alemanha 1 (A Força do Sol e do Vento) e Alemanha 2 (Pistas Livres para as Bicicletas), da GloboNews/Jornal da Globo;

- André Trigueiro Mendes, com a reportagem Empreendedores Sociais, da GloboNews/Jornal da Globo;

- Carlos Alberto Antunes Soares, com a reportagem Compostagem Adubo, da TV TEM, afiliada Rede Globo;

- Márcia Bongiovanni, com a matéria Criança Consumo, da TV Cultura;

- Natália de Godoy Aquino, com a reportagem Lixo, do Problema à Solução, da rádio BandNews FM Brasília.

 

 Subcategoria Online

 

 - Cleide de Paula, com a série Sustentabilidade na Cadeia Moveleira, do Radar Móbile;

- Felipe Daroit, com a matéria A Mudança de Comportamento que Traz Novas Perspectivas para a Mobilidade e a Sustentabilidades nas Grandes Cidades, da Rádio Gaúcha;

- Guilherme Jancowski de Avila Justino, com a matéria Alternativas para o Transporte Público no Brasil, do Portal Terra;

- Renata Rayane Moura da Silva Rodrigues, com a matéria Costurando o Desenvolvimento, do jornal Tribuna do Norte – Portal TN Online.

 

Tags:

Consumo consciente de energia

Publicado em 20/08/2014 - 17:21 por | Comentar

Categorias: Sem categoria
  • Enviar para o Kindle

 

A AES Eletropaulo e o Instituto Akatu lançam nesta quarta-feira (20/08) o primeiro vídeo da série Consumo Consciente de Energia (#SejaMaisConsciente). Com linguagem simples e acessível, a série oito animações revela os impactos individuais, sociais, econômicos e ao meio ambiente das escolhas de consumo relacionadas à energia.

A animação “Caminhos da energia”, que inaugura a série, explica o processo de geração, transmissão e distribuição de energia e está disponível em http://youtu.be/A5VmHl9JAGw.  Quinzenalmente será lançado um novo vídeo da série, que poderá ser acessado nas redes sociais da AES Eletropaulo e do Instituto Akatu e compartilhado com a hashtag #SejaMaisConsciente. Os próximos vídeos trarão informações sobre os benefícios do uso da lâmpada LED, o consumo de energia na iluminação e a utilização do chuveiro elétrico.

O objetivo da parceria é fornecer informações de maneira lúdica e didática para que os cidadãos possam entender a relevância do uso consciente de energia e, também, conhecer os impactos de suas escolhas de consumo. Os vídeos permitem que as pessoas compreendam que a mudança de comportamento individual é fundamental para o processo de construção de uma sociedade mais sustentável.

O vídeo “Caminhos da energia” também será apresentado durante a 4ª edição da Virada Sustentável, em São Paulo, acompanhando a programação audiovisual do evento. As exibições serão realizadas na Praça Victor Civita, no dia 29/08, às 20h; no dia 30/08, às 18h30; e no Largo da Batata, no dia 31/08, às 19h30. A série de animações também poderá ser utilizada sem fins comerciais em projetos educacionais com público jovem e adulto, para trabalhar diversas questões de sustentabilidade.

“Estamos comprometidos com a educação das gerações atuais e futuras sobre a importância do Consumo Consciente de Energia. Se queremos uma sociedade desenvolvida e mais sustentável para todos, é nosso papel contribuir de forma permanente para que isso aconteça. Um dos caminhos é por meio da informação, engajamento e iniciativas que contribuam para mudança de hábito de cada um” informa Paulo Camillo, Vice-Presidente de Relações Institucionais, Comunicação e Sustentabilidade da AES Brasil.

“Conteúdos audiovisuais como da série de animações Consumo Consciente de Energia (#SejaMaisConsciente) garantem que informações sejam disseminadas de forma lúdica e clara aos consumidores sobre os impactos de suas escolhas de consumo, e por isso têm alto potencial de promover mudanças de comportamento. O problema do consumo excessivo de energia – e o impacto negativo que essa prática tem sobre o meio ambiente e a economia – pode se transformar em uma oportunidade para tratar das práticas necessárias para se construir estilos mais sustentáveis de vida”, afirma Helio Mattar, diretor-presidente do Instituto Akatu.

Consumidores querem economia de energia

Para a prática do consumo consciente, o uso de energia é importante tanto do ponto de vista do consumo residencial quanto para as escolhas do consumidor. O que mais os brasileiros admiram nas empresas é se elas estão comprometidas com a redução de consumo de energia. A escolha foi a campeã nas menções (90%) da Pesquisa Akatu – Rumo à Sociedade do Bem-Estar, que questionou 800 pessoas de 12 grandes cidades de todas as regiões do País sobre “O que elas preferem ou admiram na atuação das empresas e o que as fariam mudar de comportamento com relação a um produto”.

 

Ficha técnica

Vídeo: Caminhos da energia

Cliente: Instituto Akatu e AES Eletropaulo

Produção: Yantra Imagens

Direção e Produção Executiva: Ricardo Lisboa 

Animação: Sérgio Esteves

Locução: Helena Rojo

Edição: Thiago Silva

Trilha sonora e produção de áudio: Hidrofonia Áudio

Roteiro: Adolfo Borges

Destaque da Produção: Animação feita em papel, realizada pelo artista Sérgio Esteves, responsável por criações para TV Cultura, como Vila Sésamo e TV Rá Tim Bum.

 

Tags:

Inscrições abertas para o Edital de Apoio a Propostas de Gestão do Conhecimento em Zonas Semiáridas do Nordeste

Publicado em 05/08/2014 - 9:41 por | 1 Comentário

  • Enviar para o Kindle

 

A iniciativa é do Programa Semear e poderão ser apoiados estudos temáticos, sistematizações de experiências e boas práticas, além de visitas de intercâmbio Foto: Cid Barbosa / Agência Diário

A iniciativa é do Programa Semear e poderão ser apoiados estudos temáticos, sistematizações de experiências e boas práticas, além de visitas de intercâmbio Foto: Cid Barbosa / Agência Diário

Começaram ontem (04/08) as inscrições para o Edital de Apoio a Propostas de Gestão do Conhecimento em Zonas Semiáridas do Nordeste do Brasil – a primeira chamada vai até 29 de setembro. Promovido pelo Programa Semear, o edital visa facilitar o acesso da população rural a um conjunto de conhecimentos e inovações que contribuam para melhorar suas condições de vida, coexistir com as condições semiáridas e tirar maior proveito das possibilidades de desenvolvimento do Semiárido nordestino brasileiro.

“Investimos na gestão do conhecimento como estratégia para o desenvolvimento rural. O Edital é mais um instrumento para identificar, registrar e disseminar práticas e saberes contextualizados para a convivência com o Semiárido, gerados por diferentes atores sociais”, explica Ângela Brasileiro, coordenadora do Programa.

Serão apoiadas propostas de Estudos Temáticos, Sistematizações de Experiências, Inovações e Boas Práticas, além de Visitas de Intercâmbio que contemplem, pelo menos, uma das seguintes áreas temáticas: Inovações produtivas e tecnológicas; Recursos naturais e adaptação às mudanças climáticas; e Negócios Rurais.

As propostas selecionadas deverão ser implementadas em até seis meses e em municípios que compõem as zonas semiáridas dos Estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe, conforme indicado em anexo do Edital.

Podem participar Pessoas Jurídicas sem fins lucrativos, como associações, cooperativas, organizações da sociedade civil de interesse público (OSCIPs), organizações não governamentais (ONGs), dentre outros. Apenas na categoria Estudos Temáticos, poderão participar também Pessoas Físicas, como pesquisadores, professores, técnicos, especialistas, agricultores, dentre outros.

O Programa Semear é implementado em parceria pelo Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (Fida) e o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), com apoio da Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID)

.

Áreas Temáticas para apresentação de propostas

Inovações produtivas e tecnológicas: identificação e promoção de inovações produtivas e/ou tecnológicas apropriadas para a convivência com o Semiárido, respeitando a cultura e as características bioclimáticas da região.

Recursos naturais e adaptação às mudanças climáticas: experiências de manejo de recursos naturais, energias alternativas, de recuperação de áreas degradadas e outras formas de adaptação às mudanças climáticas.

Negócios rurais: identificação e disseminação de experiências exitosas de negócios rurais, agrícolas e não agrícolas, que contribuam para a melhoria das condições socioeconômicas da população rural do Semiárido Nordestino.

Como se inscrever

A íntegra do Edital e o passo a passo das inscrições estão no Portal Semear: www.portalsemear.org.br

Informações também em:

www.facebook.com/programasemear1

www.youtube.com/user/programasemear

www.twitter.com/programasemear1

Fonte: Programa Semear

 

Tags: , , , , , , , , , , , ,

O prazo acabou. E agora?

Publicado em 02/08/2014 - 15:20 por | Comentar

  • Enviar para o Kindle

 

Lixão de Iguatu, no Centro-Sul do Ceará, em agosto de 2013 Foto: Maristela Crisipim

Lixão de Iguatu, no Centro-Sul do Ceará, em agosto de 2013 Foto: Maristela Crisipim

Por Maristela Crispim

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) levou mais de 20 anos para ser aprovada no Congresso Nacional e sancionada pelo presidente. Hoje, exatamente quatro anos após a sanção do então presidente Lula, quando nenhum resíduos reciclável deveria ser descartado e todos os rejeitos deveriam seguir para aterros sanitários, o Estado do Ceará permanece exatamente com o mesmo número de aterros sanitários de 16 anos atrás: Caucaia, Aquiraz, Maracanaú e Sobral.

Pela Lei, o lixo terá que ser encaminhado para um aterro sanitário, forrado com manta impermeável, para evitar a contaminação do solo. O chorume deve ser tratado e o gás metano terá que ser queimado. Quem não cumprir a legislação estará submetido às punições previstas na Lei de Crimes Ambientais, que prevê multa de R$ 5 mil a R$ 50 milhões.

A PNRS, instituída pela Lei Nº 12.305/10, contém instrumentos importantes para permitir o avanço necessário ao País no enfrentamento dos principais problemas ambientais, sociais e econômicos decorrentes do manejo inadequado dos resíduos sólidos. Estabelece, ainda, outros instrumentos que ajudarão o Brasil a atingir uma das metas do Plano Nacional sobre Mudança do Clima, que é de alcançar o índice de reciclagem de resíduos de 20% em 2015.

Mesmo aquilo que a lei já prevê há décadas, como a segregação, transporte diferenciado e incineração de Resíduos Sólidos de Saúde (RSS), ainda não foi solucionado. Ao percorrer alguns dos principais lixões do Estado, há um ano atrás, nossa equipe encontrou até frascos de sangue, sem contar com seringas, agulhas, luvas e remédios vencidos.

Resíduos Sólidos de Saúde no Lixão de Crateús, Região dos Inhamuns (Ceará), em agosto de 2013 Foto: Maristela Crispim

Resíduos Sólidos de Saúde no Lixão de Crateús, Região dos Inhamuns (Ceará), em agosto de 2013 Foto: Maristela Crispim

Na mesma linha vão outros resíduos especiais. Alguns, como baterias e pneus, já possuem sistema de coleta relativamente estabelecido. Já pilhas, baterias e lâmpadas fluorescentes, eletroeletrônicos e mesmo medicamentos, por exemplo, engatinham com algumas iniciativas privadas pontuais.

Isso sem contar com a situação degradante na qual vivem e trabalham milhares de catadores. Fora dos padrões de escolaridade e faixa etária que o mercado de trabalho exige, eles buscam, na seleção de materiais recicláveis, renda constante sem precisarem cumprir horários ou dar satisfação a patrões.

Segundo o Ministério do Meio Ambiente (MMA), até agora, apenas 2.202 cidades, de um total de 5.570, cumpriram a meta. A Confederação Nacional dos Municípios (CNM), revelou que metade das cidades brasileiras de até 300 mil habitantes não terá condições de obedecer à legislação, e mais de mil das 2,4 mil consultadas não conseguiram sequer elaborar o Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS), fundamental na obtenção de verbas federais para a extinção dos lixões. O prazo final de entrega do documento era agosto de 2012. Segundo o MMA, somente três Estados possuem PGRS: Ceará, Maranhão e Rio de Janeiro.

Consulta, feita na semana passada pela CNM, envolveu 2.485 cidades das 5.490 com até 300 mil habitantes e mostrou que 768 ainda depositam os resíduos sólidos em lixões, a maioria nas regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste. O levantamento indica que 16 capitais não têm aterro sanitário, incluindo Belo Horizonte, Brasília, Recife, Manaus e Porto Alegre. A CNM defendeu que o prazo seja ampliado, com uma carência de oito anos.

A Fundação Nacional de Saúde (Funasa), que tem a missão de fiscalizar a aplicação da lei em cidades com até 50 mil habitantes, apoia o adiamento da implantação da legislação nestes casos, mas considera quatro anos prazo suficiente.

Reciclagem

Segundo o Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre), é crescente o número de cidades que se movimentam para criar o PNRS e implantar uma política de coleta seletiva. A pesquisa Ciclosoft de 2012, estudo realizado pelo Cempre cujo objetivo é mostrar um panorama da coleta seletiva nos municípios brasileiros, 14% dos municípios oferecem o serviço de coleta seletiva. Desse total, 86% estão nas regiões Sul e Sudeste.

Em 2012, o Cempre apresentou ao MMA  proposta do acordo setorial para logística reversa das embalagens pós-consumo. O documento prevê, em sua primeira fase, a elevação da taxa de recuperação dos resíduos sólidos recicláveis em 20%, gerando uma redução de 22% do total das embalagens que são encaminhados aos aterros sanitários ou lixões.

Metal separado e prensado na Associação de Agentes Recicladores de Nova Olinda (Aarno) Foto: Maristela Crispim

Metal separado e prensado na Associação de Agentes Recicladores de Nova Olinda (Aarno), na Região do Cariri, Sul do Ceará, em agosto de 2013 Foto: Maristela Crispim

Prazo

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, informou, na tarde de quinta-feira (31/07), que o governo não irá baixar qualquer medida para estender esse prazo, como estão solicitando entidades ligadas às prefeituras. A ministra afirmou que o governo defende um debate no Congresso Nacional sobre o assunto.

A ministra afirmou que sair punindo os municípios nesse momento não é a solução. O governo procurou o Ministério Público Federal (MPF) e pediu que se busque soluções com as prefeituras, como termos de conduta.

No dia 22, haverá um encontro em Porto Alegre (RS), entre governo, procuradores e prefeitos para discutir como vai se dar esse pacto. Ela disse que não encontrou má vontade dos gestores que não conseguiram criar alternativas para destinar seus resíduos e que é preciso entender dificuldades regionais e de capacitação para tornar essa política uma realidade.

Verbas

Para auxiliar os municípios, o governo liberou recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), PAC2, Caixa Econômica Federal (CEF), Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e Funasa.

O MMA informou que, nos últimos quatro anos, foram disponibilizados R$ 1,2 bilhão para que Estados e municípios realizassem o planejamento das ações e iniciassem medidas para se adequarem à nova legislação de resíduos sólidos. No entanto, segundo Izabella Teixeira, cerca de 50% foi efetivamente aplicado, devido ao que ela chamou de “dificuldades operacionais”.

Observatório

Visando monitorar a implementação da PNRS, foi criado na quinta-feira (31/07), por 25 entidades da sociedade civil, o Observatório da Política Nacional de Resíduos Sólidos, para acompanhar a implementação da política, e também aprofundar os dados sobre geração, gestão e destinação de resíduos sólidos no Brasil.

Membros:

Associação brasileira dos Membros do Ministério Público do Meio Ambiente (Abrampa)

Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe)

Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública (ABLP)

Bolsa Verde do Rio de Janeiro (BVRio)

Centro de Estudos em Sustentabilidade (GVces) da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas (FGV-EAESP)

Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável (Cieds)

Cicla Brasil

Conservação Internacional

Fundação Avina

SOS Mata Atlântica

Fundo Verde da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Giral

Instituto Akatu

Instituto Ethos

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)

Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos (IPP)

Instituto de Tecnologia de Pernambuco (Itep)

Instituto Venturi

Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (Nima PUC-Rio)

Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental da Universidade de São Paulo (Procam/USP)

S.O.Sustentabilidade

Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos)

Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

WWF-Brasil

Mais informações sobre o Observatório da PNRS: www.observatoriopnrs.org

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

WWF-Brasil lança a primeira edição do Festival de Curtas Ecológicos (Fest Curteco)

Publicado em 26/07/2014 - 10:38 por | Comentar

  • Enviar para o Kindle

curteco_post

O WWF-Brasil acredita que pequenas atitudes sustentáveis ajudam a diminuir os impactos e a pressão do consumo sobre os recursos naturais do Planeta. Para conscientizar a população brasileira e estimular esse comportamento no dia-a-dia, lançou, pela Internet, o 1º Festival de Curtas Ecológicos do WWF (Fest Curteco). Interessados estão convidados a gravar um vídeo com duração de 15 segundos a 1 minuto onde mostrem o que fazem para colaborar com o meio ambiente.

Os cinco primeiros colocados serão premiados, levando em conta originalidade, criatividade e pertinência. O primeiro colocado ganha uma viagem para o exuberante Parque Nacional do Iguaçu, com acompanhante. O segundo e terceiro colocados ganharão um fim de semana no Paraíso Eco Lodge, em Ribeirão Grande (SP), também com acompanhante.

Por meio desse concurso cultural, o WWF-Brasil quer que as pessoas compartilhem ações adotadas para reduzir a Pegada Ecológica e, dessa forma, ampliar o número de pessoas engajadas na causa ambiental. O objetivo é comunicar como nossos hábitos de vida cotidianos impactam diretamente na conservação do meio ambiente.

“Ao lançar a primeira edição do Fest Curteco, estamos buscando sensibilizar a população, por meio do exemplo positivo. Cada cidadão pode fazer a sua parte pelo Planeta e, juntos, temos o potencial para transformar a sociedade em prol de um futuro mais sustentável e em harmonia com a natureza”, afirma a superintendente de Comunicação, Marketing e Engajamento do WWF-Brasil, Renata A. Soares.

Para participar, basta que o candidato preencha o cadastro com os seus dados no site www.curteco.com.br, responda a cinco perguntas básicas sobre o comportamento socioambiental, faça o cálculo da sua Pegada Ecológica e mande o link do seu vídeo.

A seleção dos melhores trabalhos será feita por uma equipe técnica ligada à área ambiental e os vídeos selecionados serão submetidos a uma comissão julgadora composta por personalidades que adotam atitudes sustentáveis na sua rotina: Marina Person (apresentadora de TV), Renata Falzoni (jornalista e cicloativista) e Mara Mourão (cineasta). O trio vai avaliar todos os vídeos enviados até o dia 10 de agosto e os cinco ganhadores serão anunciados no dia 18 de agosto, pela Internet.

Mais detalhes sobre os prêmios, regulamento e outras informações estão no site www.curteco.com.br, onde podem ser feitas as inscrições e o envio do link dos vídeos.

O que é a Pegada Ecológica?

É uma metodologia que avalia a demanda humana por recursos naturais renováveis com a capacidade regenerativa do Planeta. É uma forma de traduzir a extensão de território que uma pessoa, cidade, país, região ou até a população do mundo todo utiliza, em média, para suprir suas demandas de consumo: produtos, bens e serviços.

A ferramenta foi criada por pesquisadores da Global Footprint Network (GFN). O WWF-Brasil trabalha com a Pegada Ecológica para mobilizar e incentivar as pessoas a repensarem hábitos de consumo e a adotar práticas mais sustentáveis.

WWF-Brasil

É uma organização não governamental dedicada à conservação da meio ambiente com a missão de harmonizar a atividade humana com a conservação da biodiversidade e promover o uso racional dos recursos naturais em benefício dos cidadãos de hoje e das futuras gerações. Criada em 1996, a instituição desenvolve projetos em todo o País e integra a Rede WWF, a maior rede independente de conservação da natureza do mundo, com atuação em mais de 100 países e o apoio de cerca de 5 milhões de pessoas, incluindo associados e voluntários.

Fonte: WWF-Brasil

Tags: , , , , , , , , , , , , ,

Google dará US$ 1 milhão para quem otimizar a sua transmissão de energia

Publicado em 25/07/2014 - 10:16 por | Comentar

  • Enviar para o Kindle

O Google abriu, nesta terça-feira (22), um concurso que premiará com US$ 1 milhão quem criar uma forma de reduzir um tipo de aparelho usado na transmissão de energia elétrica. Chamado de “Little Box Challenge”, o desafio é feito em parceria com o Instituto dos Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos (IEEE).

O dinheiro será pago à pessoa ou ao grupo que desenvolver um método de reduzir o tamanho de inversores e torná-los mais baratos. “Nós queremos encolher seu tamanho para o de um pequeno laptop, aproximadamente um décimo de seu tamanho atual”, informa, no blog da companhia, Eric Raymond, do time Google Gren, voltado às ações sustentáveis dentro da empresa.

Um inversor é, nas palavras de Raymond, “um dispositivo do tamanho de um cooler de pique-nique usado para converter a energia solar, de veículos elétricos e do vento (corrente direta) em algo que você possa usar em casa (corrente alternada)”.

Os novos inversores podem ser uma forma de o Google melhorar a transmissão de sua própria geração de energia, já que a empresa mantém um projeto de energia eólica. “Um inversor menor poderia ajudar a criar pequenas redes de transmissão de baixo custo em remotas partes do mundo. Ou permitir manter as luzes durante um blecaute via bateria de carros elétricos”, escreve Raymond.

A propostas podem ser enviadas até 30 de setembro (veja aqui). Os 18 finalistas notificados deverão levar seus protótipos de inversores a uma fábrica nos Estados Unidos em outubro de 2015. O resultado do concurso será anunciado em janeiro de 2016.

Fonte: G1

Tags: , , , , , , ,

ONU premia melhores práticas de gestão hídrica e sensibilização sobre água

Publicado em 22/07/2014 - 13:15 por | Comentar

Categorias: Água, Gestão das Águas
  • Enviar para o Kindle
O prêmio foi concebido para reconhecer projetos, iniciativas e programas que promovam melhores práticas na gestão, participação, comunicação, sensibilização e educação relacionados à água Foto: Cid Barbosa / Agência Diário

O prêmio foi concebido para reconhecer projetos, iniciativas e programas que promovam melhores práticas na gestão, participação, comunicação, sensibilização e educação relacionados à água Foto: Cid Barbosa / Agência Diário

Como parte da comemoração do fim da década “Água, fonte de vida” (2005-2015), as Nações Unidas lançaram a quinta edição do prêmio organizado por sua agência ONU-Água, para promover melhores práticas na gestão desse recurso natural e no âmbito da participação, comunicação, sensibilização e educação.

O prêmio foi concebido para reconhecer projetos, iniciativas e programas e não o trabalho individual. Aqueles que queiram concorrer sozinhos devem encontrar o aval e apresentar-se com o apoio de uma organização. O prazo de inscrição termina no dia 15 de setembro de 2014.

Com o tema “Água e Desenvolvimento Sustentável”, esta quinta edição do prêmio oferece ainda uma oportunidade para refletir sobre os compromissos internacionais nesse campo e sobre os esforços realizados para alcançar a meta dos Objetivos de Desenvolvimento de reduzir pela metade a proporção de pessoas sem acesso à água potável e ao saneamento para 2015, bem como deter a exploração insustentável dos recursos hídricos.

O prêmio será entregue no dia 22 de março, durante uma cerimônia, em Nova York, por ocasião do Dia Mundial da Água. Essa é uma iniciativa organizada e coordenada pelo Escritório das Nações Unidas de Apoio à Década Internacional para a Ação “Água – Fonte de Vida” 2005-2015, que implementa o Programa ONU-Água para a Promoção e Comunicação e o Programa Mundial de Avaliação dos Recursos Hídricos (WWAP).

Para mais informação, clique aqui.

Fonte: ONU Brasil

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,

Page 4 of 72« First...23456...102030...Last »

Facebook

Editora Verdes Mares Ltda.

Praça da Imprensa, S/N. Bairro: Dionísio Torres

Fone: (85) 3266.9999