Busca

Tag: C&A


15:43 · 25.08.2017 / atualizado às 15:57 · 25.08.2017 por
A coleção da C&A com a Certificação Cradle to Cradle™ estará disponível em 29 lojas físicas e na loja on-line a partir de 1º de setembro, com versões feminina e masculina, em seis cores cada uma Foto: Maristela Crispim

A C&A, empresa de moda que vem oferecendo produtos e experiências que vão além do vestir, lançou, nessa quarta-feira, a sua primeira coleção circular de camisetas com certificação de nível Gold da Cradle to Cradle™.

Na ocasião, foi realizada uma mesa-redonda para debater questões como produção sustentável, os desafios da economia circular e o futuro da indústria da moda. Participaram dessa conversa o presidente da C&A, Paulo Correa; a líder da Ellen MacArthur Foundation no Brasil, Luísa Santiago; e a atriz e apresentadora Fernanda Paes Leme, com mediação da jornalista Lilian Pacce.

Participaram de mesa-redonda, no lançamento, a atriz e apresentadora Fernanda Paes Leme; o presidente da C&A, Paulo Correa; e a líder da Ellen MacArthur Foundation no Brasil, Luísa Santiago; com mediação da jornalista Lilian Pacce Foto: Maristela Crispim

Inédita na indústria da moda, a coleção é um marco para a C&A e mostrou que é possível mobilizar todos os players do mercado para desenvolver peças de forma social e ambientalmente responsáveis.

“Estamos trazendo uma história que entendemos ser um marco para o varejo de moda nacional, com o lançamento das primeiras camisetas desenhadas para serem recicladas em escala mundial. Temos a responsabilidade de liderar esse processo, já que temos o compromisso de oferecer uma moda com impacto positivo”, disse o presidente da C&A, Paulo Correa.

Paulo destacou, além da importância do pioneirismo de produzir, em escala, uma camiseta com esse conceito, que pode ser reutilizada de diversas formas no fim da sua vida útil ou simplesmente ser compostada, que a moda é uma forma de expressão pessoal que não deve ser imposta.

Dessa forma, ele ressaltou o papel de liderança num processo de transformação, que vem da dimensão filosófica da empresa familiar desde 1840: “Usar a moda para o bem é uma responsabilidade”.

Para ser mais sustentável, o futuro da moda deve ser colaborativo e construído em parceria com toda a indústria. Essa constatação é de Luísa Santiago, que também reforçou que a C&A está trazendo ao mundo coisas concretas, inspirando e de fato mostrando que é possível fazer uma economia circular regenerativa e restaurativa por princípio, que una a ideia de lucro e ganhos econômicos à de uma economia que tenha práticas positivas ao ambiente e à sociedade.

Ações como essa, especialmente quando realizadas dentro do universo da moda, têm o poder de inspirar as pessoas, pois, quando elas se tornam mais conscientes, entendem que podem contribuir para o futuro da sociedade e do meio ambiente. Do ponto de vista do consumidor, há ainda a questão da relação emocional com a peça, já que cada uma tem uma história. Mas, para Fernanda Paes Leme, o que ficam são as memórias e as peças podem ganhar novas vidas e novos significados para outras pessoas.

No evento, foram realizados workshops de customização de peças jeans, em parceria com a Malha; e de ressignificação de objetos de decoração, pelos designers do Ateliê Pistache Ganache Foto: Maristela Crispim

A preocupação da rede com a sustentabilidade também permeou a realização do evento, que contou com workshops de customização de peças de jeans, em parceria com a Malha, e de ressignificação de objetos de decoração, realizado pelos designers do Ateliê Pistache Ganache. Além disso, foram adotadas práticas para reduzir os impactos ambientais do evento: toda a emissão de carbono foi neutralizada e toda a cenografia foi pensada para que fosse evitada uma geração excessiva de resíduos.

Coleção Cradle to Cradle™

Segundo Paulo Coreia, a linha de camisetas foi produzida usando apenas materiais seguros e de forma social e ambientalmente responsável. O algodão, com certificação orgânica, por exemplo, é produzido na Índia. Além disso, houve reúso de água e foi utilizada energia renovável no processo produtivo.

O Programa de Certificação de Produtos Cradle to Cradle™ é uma forma de avaliar se os produtos e materiais são seguros para a saúde humana e para o meio ambiente. Concedida pelo Cradle to Cradle Institute, essa certificação é dividida nos níveis Basic, Bronze, Silver, Gold e Platinum.

Um dos grandes diferenciais dessa peça é que ela foi produzida, de forma que não gere excesso de resíduos e, ao fim de sua vida útil, por meio da compostagem, torne-se até mesmo nutrição para o solo.

A coleção da C&A com a Certificação Cradle to Cradle™ estará disponível em 29 lojas físicas e na loja on-line a partir de 1º de setembro, com versões feminina e masculina, em seis cores cada uma, sendo a feminina vendida a R$ 19,99 e a masculina a R$ 29,99.

Os estados que irão receber as peças C2C, serão 13 mais o Distrito Federal, sendo eles: São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco, Paraná, Minas Gerais, Ceará, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Goiás, Santa Catarina, Alagoas e Paraíba. A do Ceará é a do Shopping Iguatemi Fortaleza.

Sobre a empresa

A C&A é uma empresa de moda que tem estado focada em propor produtos e experiências que vão além do vestir, conectando as pessoas a si mesmas e ao mundo à sua volta. Fundada em 1841 pelos irmãos Clemens e August, na Holanda, a marca abriu sua primeira loja no Brasil em 1976, em São Paulo. Hoje, a empresa está presente em todas as regiões e tem cobertura nacional, por meio de sua loja virtual.

*A Certificação Cradle to Cradle™ é uma marca licenciada pelo Cradle to Cradle Product Innovation Institute.

Mais informações: http://sustentabilidade.cea.com.br.

10:58 · 05.06.2017 / atualizado às 10:58 · 05.06.2017 por

 

Hoje é o Dia Mundial do Meio Ambiente. Para lembrar a data, o Diário do Nordeste publica o caderno especial de Gestão Ambiental sobre Moda Sustentável. Ainda no clima de Semana do Meio Ambiente, promove, amanhã, o III Seminário Economia Verde – Moda Sustentável: como agregar valor ao seu negócio, amanhã (6), às 19h, na Praça Central do Shopping Parangaba (piso L1), com o especialista em Sustentabilidade Jair Kievel. O evento se insere no Fórum Fortaleza Sustentável, cinco dias de palestras, oficinas e apresentações culturais alusivas à temática sustentabilidade, promovido pelo Shopping Parangaba, em parceria com o Instituto Íris.

Sustentabilidade é um termo a cada dia mais presente no mundo. Muitas mudanças ocorreram desde que a expressão Desenvolvimento Sustentável foi cunhada, há décadas. Passamos por várias conferências ambientais e climáticas até que alguns setores começaram a incorporar a preocupação com o ambiente que nos abriga e fornece matéria-prima. Não é diferente como mercado da moda.

No início da humanidade, o ato de vestir era uma forma de se proteger, principalmente do frio. Com o tempo, passou a significar uma forma de se distinguir na sociedade e mesmo de se expressar. Vestir de forma mais sustentável requer, primeiramente, reflexão, que deve começar diante do guarda-roupas. Se há algo que não se veste há mais de seis meses, é hora de pensar se realmente é necessário manter. Reunião de trocas entre amigos ou mesmo grupos virtuais são meios de se desfazer daquelas peças que não combinam mais com o estilo ou de renovar o guarda-roupas constantemente sem grandes gastos.

Outro momento importante de ponderação está na hora da compra. Primeiro questionamento: é necessário? Depois vem uma reflexão mais complexa. Hoje, algumas grandes redes varejistas, como a multinacional holandesa C&A, estão buscando investir em cadeias sustentáveis, incluindo o estímulo à produção de algodão orgânico.

Há também iniciativas individuais, muitas vezes idealistas, como a VIDA BR, que produz camisetas com tecidos feitos de fios PET reciclados com estampas cujas cores ressaltam quando expostas à luz solar e que ainda pode servir como crédito na compra de uma nova ao atingir o fim da sua vida útil.

Esse é o momento de refletir mais a fundo sobre a cadeia de fornecedores de cada peça. Os preços podem ainda não ser os mais acessíveis, pelas dificuldades de produção em escala e os investimentos para redução dos impactos da produção sobre o equilíbrio ambiental, mas certamente essas ações fazem a diferença ao mobilizarem os consumidores para a importância de repensar o consumo.

22:11 · 05.06.2016 / atualizado às 22:37 · 05.06.2016 por

gestao_Página_01
O Planeta já dá sinais de que se nós – indivíduos, empresas, governos – não mudarmos nossas atitudes, seguiremos para o nosso declínio.
Nesta edição 2016 especial de Gestão Ambiental do Dia Mundial do Meio ambiente, falamos francamente com o secretário-executivo do Observatório do Clima, Carlos Rittl.
Tratamos também do tema mitigação, mostrando a palma forrageira como uma opção viável de manter o rebanho, já que o Estado do Ceará amarga o quinto ano seguido de seca.
Também focamos experiências bem-sucedidas de Gestão Ambiental de empresas como a Esmaltec e a C. Rolim Engenharia.
Destacamos a guinada sustentável da gigante C&A, que uniu-se à National Geographic para promover o cultivo do algodão orgânico, considerando inclusive a produção do agricultores familiares do Ceará.
Por fim, tratamos de um novo investimento que já vem fazendo a diferença na gestão dos Resíduos Sólidos no Ceará, por meio da Cidade Limpa Ambiental.

Confira todas as páginas em álbum na Fan Page do Blog Gestão Ambiental no Facebook.
Aproveitem a leitura!