Busca

Tag: #dessalinização


11:26 · 21.03.2017 / atualizado às 11:35 · 21.03.2017 por

Grandes especialistas nos temas reúso e dessalinização se reunirão, nesta quinta-feira (23), em Fortaleza, no 1º Simpósio Nacional sobre Dessalinização e Reúso: Viabilizando Alternativas à Escassez Hídrica. O evento é promovido pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes) na capital cearense, em parceria com a Abes Seção CE e a Câmara Temática Dessalinização e Reúso da Abes.

O encontro é uma das etapas preparatórias para o Congresso Abes Fenasan 2017, o maior encontro de Saneamento Ambiental das Américas, que será promovido em São Paulo, de 2 a 6 de outubro. O objetivo do Simpósio, que ocorrerá no Novotel Fortaleza, é debater e incentivar o uso da dessalinização e do reúso, tanto em custo quanto em aplicações, para que sejam opções viáveis na busca de soluções frente às situações de crise hídrica.

Segundo Álvaro José Menezes da Costa, diretor nacional da Abes, o simpósio visa a aprofundar a discussão do tema “e exibir exemplos práticos de reúso no Brasil, casos de reúso no exterior e também de dessalinização, que possam, de fato, ser aplicados na realidade nordestina o mais rápido possível”. Segundo Álvaro Menezes, a seca já atinge até as capitais nordestinas. “O risco de colapso é iminente”, alerta.

“O I Simpósio de Dessalinização e Reúso da Abes vem no momento oportuno e para romper paradigmas”, ressalta o coordenador da Câmara Temática Dessalinização e Reúso, Renato Giani Ramos. Ele ressalta as sérias crises hídricas enfrentadas por diferentes regiões do Brasil. “No meio de uma gravíssima falta de água na maioria das cidades do Nordeste, Fortaleza foi escolhida para debater em nível nacional alternativas para o fornecimento de água”.

O evento, explica, trará uma visão técnica, gerencial e econômica e reunirá experientes profissionais de diversas áreas e países para debater, de maneira ampla e assertiva, como viabilizar as soluções de dessalinização e reúso para a realidade brasileira. “O que um dia foi considerado uma alternativa cara, cada vez mais torna-se viável e necessária para poder ampliar a gama de alternativas de produção de água, de tal maneira que se garanta o abastecimento contínuo e com excelente padrão de qualidade, tanto para a indústria como para a população”, explica o coordenador. “É o chamado ‘cardápio de opções´”, completa.
Abes
Com 51 anos de atuação pelo saneamento e meio ambiente no Brasil, a Abes reúne em seu corpo associativo cerca de dez mil profissionais do setor e tem como missão ser propulsora de atividades técnico-científicas, político-institucionais e de gestão que contribuam para o desenvolvimento do saneamento ambiental, visando à melhoria da saúde, do meio ambiente e da qualidade de vida das pessoas.

Programação:

Mesa Redonda – Crise Hídrica no Nordeste: Passado, Presente e Futuro
Coordenador da Mesa: Renato Giani Ramos – coordenador da Câmara Temática de Dessalinização e Reúso / Empresa Dow Water& Process Solutions
Palestrantes
Helder dos Santos Cortez – diretor da Unidade de Negócio do Interior da Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece)
Gianni Lima – assessor da Presidência da Companhia de Gestão de Recursos Hídricos (Cogerh)
Jesualdo Farias – titular da Secretaria das Cidades (Scidades)
Ronaldo Stefanutti – professor da Universidade Federal do Ceará (UFC)
Artur José Vieira Bruno – titular da Secretaria do Meio Ambiente (Sema)
Fuad Moura Braga – gerente de Programas Internacionais na Assessoria de Projetos Especiais – Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb)/Diretor da Abes-DF

Painel 1 – Financiamentos e Planos Regionais e Nacionais para a Dessalinização e Reutilização da Água
Coordenação e Mediação: Álvaro José Menezes da Costa – GO Associados
Palestra 1: Dessalinização e Reutilização da Água em Planos Nacionais e Regionais – Helene Kubler – CH2M HILL
Palestra 2: Financiamento Público e Privado às alternativas em dessalinização e reúso para a crise hídrica – Wladimir Ribeiro – Manesco e Associados
Palestra 3: Como estruturar um modelo de negócio para produção de água de reúso – um caso na prática – Fernando Gomes – Aquapolo

Painel 2 – Operação, Manutenção e Uso de Plantas de Dessalinização ou Reúso
Coordenação e Mediação: Alexander Fortin – CH2M Hill
Palestra 1: Viabilizando o Uso de Plantas Móveis e Pequenos Sistemas de Baixo Custo para o Fornecimento de Água Potável – Pablo Tojo – GRUNDFOS Holding A/S
Palestra 2: Operação e Manutenção de Plantas de Dessalinização – Fabian Fenóglio – SUEZ
Palestra 3: Dessalinização como Alternativa à Escassez Hídrica – Sérgio Hilsdorf – Veolia Water Technologies

Painel 3: Aplicações e Práticas de Dessalinização e Reúso
Coordenação e Mediação: Fernando Gomes – AQUAPOLO
Palestra 1: Práticas de Reuso de Água – Adrianus C. Van Haandel – Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil e Ambiental – UFCG
Palestra 2: Experiências de Dessalinização – José Roberto Ramos – RWL Water
Palestra 3: Aplicações e Práticas de Dessalinização e Reúso – Soluções por WABAG – Atul Injatkar – VA TECH WABAG LTD.

Mais informações:
1º Simpósio Nacional sobre Dessalinização e Reúso: Viabilizando Alternativas à Escassez Hídrica
Data: dia 23 de março de 2017 – das 8h45 às 17h15
Local: Novotel Fortaleza
Site para mais informações e inscrições
Site do Congresso ABES Fenasan 2017

17:05 · 11.11.2014 / atualizado às 17:05 · 11.11.2014 por

 

Equipe do Programa Água Doce, do Ministério do Meio Ambiente (MMA), chega ao Ceará hoje (11) para acompanhar a oficina de capacitação das três empresas licitadas na metodologia do programa para as obras no Estado.

O convênio, de R$ 36,3 milhões, prevê a implantação de 222 sistemas de dessalinização em 48 municípios. Mais de 10 mil famílias serão beneficiadas com água potável de forma continuada.

Na primeira fase do programa 666 comunidades rurais difusas do semiárido cearense foram diagnosticadas. “São diagnósticos importantes, pois são verdadeiros raios-X da região e podem auxiliar na implantação ou acompanhamento de diversas políticas públicas”, explicou a consultora do Água Doce do MMA, Solange Amarílis.

A oficina segue até sexta-feira (14) quando será feita uma vista de campo na comunidade de Bolas de Cima, município de Ocara, Ceará. Com cerca de 360 habitantes, a principal fonte de renda da comunidade é agricultura de subsistência com o plantio de culturas de milho e feijão e no período de cerqueiro, caju e castanha.

Os moradores também contam com o auxílio do governo federal com os benefícios Bolsa Família, Bolsa Estiagem e Seguro Safra. Os participantes da oficina terão a oportunidade de observar a demonstração da metodologia do Programa Água Doce na comunidade.

O programa prioriza as regiões em situações mais críticas. Lugares com os menores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH), altos percentuais de mortalidade infantil, baixos índices pluviométricos e com dificuldades de acesso aos recursos hídricos serão os primeiros a serem contemplados. Assim como o Índice de Condição de Acesso à Água do Semiarido (ICAA), desenvolvido a partir do cruzamento dos mesmos indicadores.

Água Doce

Coordenado pelo MMA, o programa é uma ação do governo federal com o objetivo de estabelecer uma política pública permanente de acesso à água de boa qualidade para o consumo humano.

Lançado em 2004, passou a integrar o plano Brasil sem Miséria há dois anos e consiste na implantação e recuperação de aparelhos de dessalinização em áreas rurais de baixa renda do semiárido. Abrange os nove Estados do Nordeste e Minas Gerais e já beneficiou, até agora, mais de 100 mil pessoas.

Fonte: MMA