Busca

Tag: El Niño


08:37 · 23.07.2018 / atualizado às 08:37 · 23.07.2018 por

Letras Ambientais

Especial para o blog Gestão Ambiental 

 

A seca já ocorre em praticamente todo o Ceará. É o que mostra o atual mapa da cobertura vegetal do Estado, obtido por meio de monitoramento por satélite, realizado pelo Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (Lapis), da Universidade Federal de Alagoas (Ufal).

Pela imagem de satélite abaixo, é possível observar que na maioria dos municípios do Ceará, as áreas em vermelho indicam a ocorrência de seca grave; enquanto, em amarelo, sinalizam para a condição de seca moderada. Apenas em alguns municípios do norte e do noroeste do Estado, a vegetação está verde, ou seja, as condições climáticas continuam favoráveis e a seca ainda não atingiu a vegetação. O mapa mostra a rápida mudança ocorrida na vegetação do Ceará para a condição de seca. 

Mapa da vegetação do Ceará mostra avanço da seca na maioria dos municípios Imagem: Lapis

No período de fevereiro a maio deste ano, o Estado registrou um expressivo volume de chuvas. A Caatinga alcançou um alto nível de recuperação, de modo que, em maio, o Ceará foi considerado o Estado que ficou mais verde no Semiárido brasileiro, como mostrado no mapa abaixo:   

 

Mapa da vegetação do Ceará mostrou Caatinga completamente recuperada em maio de 2018, após as chuvas Imagem: Lapis

O atual avanço da seca ocorre porque o período da estação chuvosa no Semiárido brasileiro foi encerrado no último mês de maio. A tendência de falta de chuvas, perda na umidade dos solos e ressecamento da vegetação da Caatinga avança em toda a região, como mostra a imagem a seguir. 

Avanço da seca no Semiárido brasileiro Imagem: Lapis

O mapa acima mostra que a seca já atinge quase todos os municípios do Semiárido brasileiro, com exceção das áreas de Zona da Mata, na Costa Leste do Nordeste, onde a vegetação está verde e ocorre, no período de abril e julho, a estação chuvosa. 

Gestão das secas nos municípios 

Uma pesquisa divulgada no dia 5 de julho, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), sobre o Perfil dos Municípios Brasileiros (Munic), mostrou que, no período de 2013 a 2016, em praticamente metade dos 5.570 municípios do País (48,6%) ocorreu algum evento de seca, totalizando 2.706 municípios a registrarem esses eventos climáticos.  

O estudo mostra que a maioria dos municípios afetados pela seca no Brasil (59,4%) não conta com um instrumento orientado à prevenção de desastres naturais e apenas 14,7% tem um plano específico de contingência e/ou de prevenção à seca.  

A região Nordeste, conhecida pelas secas frequentes, intensas e com profundos impactos socioeconômicos, apresentou a maior proporção de municípios afetados por esta tipologia de desastre natural (82,6%).  

No período de 2013 a 2016, o Ceará foi o Estado do Nordeste a registrar maiores proporções de municípios atingidos pela seca (97,8%), seguido pelo Piauí (93,8%), Paraíba (91,9%) e Rio Grande do Norte (91,0%).  

Ainda de acordo com o estudo, nos anos de seca, 89,3% dos municípios brasileiros informaram terem sofrido perda ou redução da produção agrícola, enquanto 81,3% declararam terem tido prejuízos financeiros.  

Segundo um Relatório do Centro de Estudos e Pesquisas em Engenharia e Defesa Civil (Ceped), no período de 1995-2014, o total de danos materiais e prejuízos (públicos e privados) causados por desastres naturais derivados de eventos climáticos no Brasil foram estimados em R$ 100 bilhões. Deste total, cerca de 75% estão diretamente vinculados às estiagens e secas a afetarem frequentemente o Nordeste e as demais regiões do Brasil.  

No Nordeste, o valor total de danos e prejuízos públicos e privados, derivados de eventos climáticos, foi cerca de R$ 47 bilhões, no período 1995-2014. O valor inclui o total de prejuízos privados na agricultura, pecuária, indústria e serviços.  O Estado do Ceará ocupa o segundo lugar (22%) como um dos mais impactados e submetidos a maiores prejuízos na região, ficando atrás somente da Bahia (28,8%). 

Para mais informações, leia o artigo “Quanto custam as secas ao Brasil”: www.letrasambientais.com.br/posts/quanto-custam-as-secas-ao-brasil 

Capacidade institucional 

As ações mais comuns adotadas pelos municípios atingidos pela seca no Brasil, para evitar ou minimizar os danos causados pelo evento climático, são de caráter emergencial: a construção de poços (59,5%) e a distribuição regular de água, por meio de carros-pipa (58,1%).  

A pesquisa chama atenção para a falta de capacidade institucional dos municípios brasileiros para lidarem com o constante risco de ocorrência de secas. O panorama é crítico para os estados do Semiárido, incluindo o Ceará, com forte potencial para a ocorrência de seca, que pode tomar proporção de desastre natural, em um cenário socioeconômico e ambiental vulnerável.  

Os prejuízos decorrentes das secas podem ser minimizados, desde que se disponham de informações seguras, e em tempo hábil, para que seja feito um planejamento adequado, evitando que esses fenômenos climáticos tomem proporção de desastres naturais e aumentem a vulnerabilidade da população, dos governos e dos setores econômicos. 

Com relação às previsões climáticas para o próximo ano, no Semiárido brasileiro, os especialistas ainda não definiram quanto à ocorrência de El Niño ou La Niña, principais sistemas meteorológicos a influenciarem as condições climáticas na região. O Oceano Pacífico continua em condição de neutralidade e, somente em setembro deste ano, será feita uma previsão para a região. 

Mais informações: 

Lapis – www.lapismet.com.br

Letras Ambientais – www.letrasambientais.com.br

17:52 · 21.03.2016 / atualizado às 18:16 · 21.03.2016 por
O Açude Quixeramobim é um dos 34 completamente secos dos 153 reservatórios monitorados pela Companhia de gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) Foto: Agência Diário
O Açude Quixeramobim é um dos 34 completamente secos dos 153 reservatórios monitorados pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) no Estado do Ceará Foto: Agência Diário

Genebra 21 de março de 2016. O ano de 2015 entrou para a história graças à quebra de recordes de temperatura, ondas de calor intenso, chuvas irregulares, secas devastadoras e à atividade incomum de ciclones tropicais, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial (OMM). E essa tendência de quebrar recordes continua em 2016.

A Declaração da OMM sobre o Estado do Clima no mundo em 2015 dá detalhes sobre as temperaturas recordes em terra e na superfície do mar, sobre o avanço do aquecimento dos oceanos e da elevação do nível do mar, sobre a diminuição na extensão do gelo do mar e sobre eventos climáticos extremos em todo o mundo. Esse estudo está sendo lançado antes do Dia Mundial da Meteorologia, comemorado em 23 de março, e tem como tema “Mais quente, mais seco, mais úmido. Encare o futuro”.

O futuro está acontecendo agora”, sintetizou o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas. “A taxa alarmante de mudanças que estamos testemunhando agora em nosso clima como resultado das emissões de gases de efeito de estufa não tem precedentes nos registros modernos”, explicou.

Em 2015 a temperatura média global da superfície quebrou todos os recordes anteriores por uma ampla margem, em cerca de 0,76° C acima da média registrada entre 1961 e 1990 por causa de um poderoso El Niño e por conta do aquecimento global causado pelo homem. Com 93% do excesso de calor armazenado nos oceanos, o aquecimento do oceano na faixa até 2.000 metros também atingiu um novo recorde.

Mas janeiro e fevereiro de 2016 definiram novos recordes mensais de temperatura, com calor especialmente pronunciado nas altas latitudes do hemisfério norte. A extensão do gelo marinho no Ártico atingiu um pico de baixa nos registros de satélite nesses dois meses de acordo com a Nasa e com a NOAA – National Oceanic and Atmospheric Administration dos Estados Unidos. As concentrações de gases de efeito de estufa ultrapassaram o simbólico e significativo limite de 400 partes por milhão limite.

“As temperaturas surpreendentemente altas registradas até agora em 2016 foram um alerta para toda a comunidade científica do clima”, declarou David Carlson, diretor do Programa de Investigação Mundial do Clima, que é co-patrocinado pela OMM.

“Nosso planeta está enviando uma mensagem poderosa aos líderes mundiais para assinar e implementar o Acordo de Paris sobre mudanças climáticas e reduzir a emissão dos gases de efeito estufa a partir de agora, antes de ultrapassarmos o ponto a partir do qual não há volta”, alertou Taalas.

“Hoje, a Terra já está 1° C mais quente do que no início do século XX. Ou seja, estamos na metade do limite crítico de 2° C. E os planos nacionais sobre alterações climáticas adotados até agora podem não ser suficientes para evitar um aumento de temperatura da ordem de 3° C. Mas podemos evitar os piores cenários com medidas urgentes e de longo alcance para reduzir as emissões de dióxido de carbono”, lembrou Taalas.

Além de mitigação, é essencial reforçar a adaptação às alterações climáticas por meio de investimentos em sistemas de alertas de desastres, bem como ferramentas de gestão de secas, cheias e de questões de saúde relacionadas ao calor, salientou Taalas.

Principais conclusões da Declaração sobre o Estado das Clima em 2015

Temperaturas da superfície do mar e do calor do oceano

Grandes áreas dos oceanos aqueceram-se significativamente. Em particular, as zonas tropicais do centro e o leste do Pacífico ficaram muito mais quentes do que a média por causa do El Niño. O conteúdo de calor global do oceano foi recorde tanto nos 700 metros superiores como no nível de 2.000 metros. O aumento da temperatura do oceano responde por cerca de 40% da elevação do nível global do mar observada nos últimos 60 anos e espera-se que tenha uma contribuição semelhante sobre o futuro aumento do nível do mar. O nível do mar, medido por satélites e marégrafos tradicionais, foi o maior já registrado.

Gelo do Mar Ártico

A extensão máxima diária de gelo do mar Ártico aconteceu em 25 de fevereiro de 2015 e foi a mais baixa já registrada (este recorde foi batido em 2016). A extensão mínima de gelo marinho do Ártico, registrada em 11 de setembro, foi a quarta menor.

Calor

Muitos países passaram por ondas de calor intensas. As mais devastadoras em termos de impacto humano foram na Índia e no Paquistão. A Ásia, como continente, teve seu ano mais quente já registrado, assim como a América do Sul. A Europa Ocidental e Central registrou uma onda de calor excepcionalmente longa, com a temperatura se aproximando ou cruzando os 40° C em vários lugares.

Vários novos recordes de temperatura foram quebrados (Alemanha: 40,3° C; Espanha 42,6° C; Reino Unido 36,7° C). O nordeste dos EUA e a parte ocidental do Canadá tiveram uma temporada recorde de incêndios, com mais de 2 milhões de hectares queimados durante o verão apenas no Alasca.

Tempestades

As precipitações globais em 2015 estiveram próximas da média de longo prazo. Mas dentro deste nível médio global houve diversos casos de chuvas extremas nos quais o total que caiu em 24 horas ultrapassou a média mensal normal. Por exemplo, na África, Malawi sofreu sua pior inundação em janeiro. Níveis excepcionais de chuva foram também provocados por uma das monções no Oeste Africano. A costa ocidental da Líbia recebeu mais de 90 milímetros de chuva em 24 horas, em setembro, em comparação com a média mensal de 8 mm.

A cidade marroquina de Marrakech recebeu 35,9 mm de chuva em uma hora em agosto, mais de 13 vezes a mensal normal. O poderoso El Niño fez com que 2015 fosse mais úmido em muitas partes subtropicais da América do Sul (incluindo Peru, norte do Chile, Bolívia, Paraguai, sul do Brasil e norte da Argentina) e em partes do sul dos Estados Unidos e norte do México.

Seca

Uma grave seca afetou o sul da África, fazendo com que 2014/2015 fosse a temporada mais seca desde 1932/1933, com grandes repercussões para a produção agrícola e a segurança alimentar. Na Indonésia, o El Niño levou a grandes incêndios provocados pela seca, afetando a qualidade do ar inclusive em países vizinhos.

A parte norte da América do Sul sofreu uma seca grave, incluindo o Nordeste do Brasil, Colômbia e Venezuela, afetando setores da agricultura, água e energia. Partes do Caribe e da América Central também foram severamente afetados.

Ciclones tropicais

Globalmente o número de tempestades tropicais, ciclones e tufões não esteve muito longe da média, mas alguns eventos incomuns foram registrados. O ciclone tropical Pam atingiu a costa de Vanuatu como um ciclone de categoria 5 em 13 de março de 2015, causando devastação generalizada.

O Patricia atingiu o México em 20 de outubro como o furacão mais forte já registrado tanto no Atlântico ou como nas bacias do nordeste do Pacífico, atingindo velocidades máximas de de 346 km / h. Um ciclone tropical extremamente raro, o Chapala, atingiu o Iêmen no início de novembro, levando a inundações substanciais. Ele foi imediatamente seguido por Cyclone Megh, que atingiu a mesma área.

Dia Meteorológico Mundial

O Dia Meteorológico Mundial comemora a entrada em vigor da Convenção que institui a Organização Meteorológica Mundial, em 23 de março de 1950. Ele visa mostrar a contribuição essencial dos Serviços Meteorológicos e Hidrológicos Nacionais para a segurança e o bem-estar da sociedade.

O tema “Mais quente, mais seco, mais úmido. Encare o futuro” destaca os desafios das mudanças climáticas e o caminho para sociedades resistentes ao clima.

O aumento de dias quentes, noites quentes e ondas de calor irá afetar a saúde pública. Estes riscos podem ser reduzidos por alertas sobre problemas de saúde causados pelo calor para decisores, serviços de saúde e o público em geral.

As secas precisam ser abordadas de forma mais ativa através de uma gestão integrada que inclua orientações sobre políticas eficazes e estratégias de gestão de terras e ações de melhores práticas para lidar com a seca.

Em caso de precipitações fortes e inundações, as previsões baseadas em impacto permitem que os gestores de emergência possam ser preparados com antecedência. A gestão integrada da inundação é uma abordagem holística de longo prazo para minimizar os riscos de inundação.

Construir comunidades resilientes ao clima e ao tempo é uma parte vital da estratégia global para alcançar o desenvolvimento sustentável.

A comunidade da OMM continuará a apoiar os países na busca pelo desenvolvimento sustentável e no combate às alterações climáticas por meio da disponibilização da melhor ciência possível e de serviços operacionais para tempo, clima, hidrologia, oceanos e do ambiente.

A Organização Meteorológica Mundial é a voz oficial do Sistema das Nações Unidas de Tempo, Clima e Água: www.wmo.int

Fonte: OMM

08:00 · 27.01.2016 / atualizado às 21:45 · 26.01.2016 por
YouTube Preview Image

 

 

O mapa codificado por cores mostra uma progressão das anomalias de temperatura da superfície global de 1880 a 2015. As temperaturas superiores às normais são mostradas em vermelho e as inferiores são mostradas em azul. O quadro final representa as temperaturas globais médias de cinco anos, de 2010 a 2015, com escala em graus Celsius
Crédito: NASA / Goddard Space Flight Center Scientific Visualization Studio

2015 foi ano mais quente do planeta Terra desde a que a moderna manutenção de registros começou, em 1880, de acordo com análises independentes pela Administração Nacional Aeronáutica e Espacial (Nasa) e pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA), dos Estados Unidos. A temperatura global média em 2015 quebrou a marca anterior, de 2014, por 0,13 graus Celsius.

As temperaturas de 2015 continuaram uma tendência de aquecimento de longo prazo, de acordo com as análises feitas por cientistas do Instituto da Nasa Goddard de Estudos Espaciais (Giss), em Nova York (Gistemp).

Cientistas da NOAA concordam com a constatação de que 2015 foi o ano mais quente já registrado com base em análises separadas. Porque os locais das estações de tempo e medições mudam ao longo do tempo e há alguma incerteza nos valores individuais no índice Gistemp. Tendo isto em conta, a análise Nasa estima que 2015 foi o ano mais quente com 94% de certeza.

“A mudança climática é o desafio de nossa geração e trabalho vital da Nasa sobre esta importante questão que afeta cada pessoa na Terra”, disse o administrador da Nasa, Charles Bolden. “O anúncio de hoje não só ressalta como crítico programa de observação da Terra da Nasa é um ponto de dados-chave que devem fazer os decisores políticos se levantar e tomar conhecimento. Agora é a hora de agir sobre o clima”, afirmou na divulgação do estudo.

A temperatura média da superfície do Planeta subiu cerca de 1ºC desde o fim do século XIX, uma mudança em grande parte impulsionada pelo aumento do dióxido de carbono (CO2) e outras emissões geradas pela atividade humana na atmosfera.

A maior parte do aquecimento ocorreu nos últimos 35 anos, com 15 dos 16 anos mais quentes registrados a partir de 2001. No ano passado, pela primeira vez, as temperaturas médias globais chegaram a 1ºC ou mais acima da média 1880-1899.

Fenômenos como o El Niño ou La Niña, respectivamente de aquecimento ou resfriamento do Oceano Pacífico tropical, podem contribuir para variações de curto prazo na temperatura média global. O aquecimento do El Niño esteve em vigor durante a maior parte de 2015.

“2015 foi notável, mesmo no contexto contínuo de El Niño”, disse Gavin Schmidt, diretor do Giss. “As temperaturas do ano passado tiveram um incremento do El Niño, mas é um efeito cumulativo da tendência de longo prazo que resultou no registro de aquecimento que estamos vendo”, acrescentou.

A dinâmica de tempo muitas vezes afeta as temperaturas regionais, de modo que nem todas as regiões na Terra experimentaram as temperaturas médias recordes no ano passado.

As análises da Nasa incorporam medições de temperatura de superfície de 6.300 estações meteorológicas, observações navais e baseadas em bóia de temperaturas da superfície do mar, e as medições de temperatura de estações de pesquisa da Antártida.

Estas medições brutas são analisadas utilizando um algoritmo que considera o espaçamento variado de estações de temperatura em todo o mundo e os efeitos de aquecimento urbano, que poderiam distorcer as conclusões. O resultado desses cálculos é uma estimativa da diferença de temperatura média global a partir de um período de referência de 1951-1980.

O Instituto da Nasa Goddard de Estudos Espaciais (Giss) é uma subdivisão do Centro de Vôo Espacial Goddard da agência, em Greenbelt, em Maryland. O laboratório é afiliado ao Instituto Terra, da Universidade de Columbia e à Escola de Engenharia e Ciências Aplicadas de Nova York.

O conjunto de dados de 2015 sobre a temperatura da superfície total e a metodologia completa utilizada para fazer o cálculo de temperatura estão disponíveis em:
http://data.giss.nasa.gov/gistemp/

Para mais informações sobre as atividades das ciências da Terra da Nasa, visite:
http://www.nasa.gov/earth

Fonte: Nasa

18:12 · 16.09.2015 / atualizado às 18:12 · 16.09.2015 por
Vicente Andreu destacou que, mesmo com uma excelente gestão de recursos hídricos, o Estado a situação pode ficar crítica em 2016 foto: Rubens Fraulini
Vicente Andreu destacou que, mesmo com uma excelente gestão de recursos hídricos, a situação pode ficar crítica no Ceará em 2016 foto: Rubens Fraulini

Por Maristela Crispim

Foz do Iguaçu. Em entrevista exclusiva, concedida durante o  Encontro de Experiências Pioneiras e Inovadoras de Iniciativas Sociais na Gestão da Água, que termina até amanhã, em Foz do Iguaçu, no Paraná, o presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Vicente Andreu Guillo, destacou que as ações de gestão de águas do Estado do Ceará servem de exemplo para os demais.

Ele afirmou que, mesmo não sendo um especialista na área de Meteorologia, nas diversas reuniões das quais tem participado, sempre escuta que uma das regiões do Planeta onde o comportamento climático é mais bem definido é o Semiárido brasileiro, onde se tem um conhecimento que não existe em outros lugares. Ele disse que a região tem um sinal muito vinculado a dois fatores. O estabelecimento do El Niño, que é o aquecimento das águas do Pacífico e o Dipolo no Atlântico, ou seja, temperaturas mais altas no Norte do Atlântico.

Cenário preocupante

“O predominante, segundo os climatologistas, é que El Niño forte significa chuva no Sul e seca no Semiárido. Os institutos brasileiros ainda estão apontando um El Niño de moderado a fraco com perspectiva de intensificação. Já os institutos dos Estados Unidos e da Inglaterra apontaram uma possibilidade que seja intensificado, um dos quatro maiores identificados na história, e que possa ir até setembro. Se essa previsão se consolidar, teremos um cenário extremamente preocupante, uma vez que nós já estamos no quarto ano de seca”, ressaltou.

“O caso do Ceará é emblemático. É o Estado brasileiro que mais avançou na gestão dos recursos hídricos, sem dúvida nenhuma, seja pela construção de reservatórios, seja pela Cogerh (Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos), ele é um Estado que avançou muito. Mas, quando nós olhamos a situação de vários reservatórios do Estado, nós percebemos que, mesmo com todo esse avanço do ponto de vista da gestão, a natureza acaba tendo um impacto muito grande. Então o cenário para 2016 ainda é infelizmente muito preocupante”, afirmou.

Transposição de águas

Andreu destacou, ainda, que, no caso específico do Semiárido brasileiro, a estratégia mais fundamental agora é a conclusão das obras de transposição de águas do Rio São Francisco. “É fundamental, na nossa opinião, que as obras sejam concluídas no menor tempo possível. Hoje está prevista a conclusão dos dois trechos do canal leste e norte até dezembro de 2016. É preciso não só manter esse cronograma, sem possibilidade de atraso, como, se possível, antecipá-lo. No caso do Ceará, a integração dessas águas, oferece uma segurança hídrica, em particular para a região de Fortaleza, mas não apenas”, concluiu.

13:14 · 22.01.2014 / atualizado às 13:19 · 22.01.2014 por
Com a perspectiva de a seca se prolongar por mais um ano, é preciso mais que fé e determinação para que o sertanejo continue em sua terra Foto: Agência Diário / José Leomar
Com a perspectiva de a seca se prolongar por mais um ano, é preciso mais que fé e determinação para que o sertanejo continue em sua terra Foto: Agência Diário / José Leomar

O Fórum Econômico Mundial (FEM) publicou, no fim da semana passada, a nona edição do relatório Riscos Globais 2014 (Global Risks 2014), que aponta quais são os riscos mais prováveis que o mundo enfrentará nos próximos meses. Entre os problemas mais destacados figuram as mudanças climáticas e os extremos meteorológicos.

Um estudo divulgado pela Nasa, ontem, aponta que o ano de 2013 foi o sétimo mais quente desde que a temperatura começou a ser medida sistematicamente, em 1880. Segundo a agência norte-americana, em 2013 foi mantida a tendência de longo prazo de um aquecimento global das temperaturas. Os anos mais quentes registrados são 2010 e 2005. Dos 10 anos mais quentes da história, nove ocorreram desde 2000, sendo 1998 a exceção.

O trabalho, realizado no Instituto Goddard de Estudos Espaciais da agência espacial americana, mostra que a temperatura média global do ano passado foi de 14,6ºC, 0,6ºC acima da média do século XX. Além disso, há 38 anos, em nenhum deles a temperatura média se situou abaixo dessa média de 14,6ºC.

El Niño

Um outro estudo, conduzido por uma equipe internacional de pesquisadores, ligados a instituições como a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos Estados Unidos (NOAA), a Organização para a Pesquisa Industrial e Científica da Comunidade da Austrália (CSIRO) e o Centro de Excelência para Ciência do Sistema Climático (CoECSS), publicado nesta semana no periódico Nature Climate Change, afirma que o aquecimento das temperaturas médias do Planeta acarretará em uma maior ocorrência do El Niño (aquecimento anormal nas águas do Oceano Pacífico) em sua forma mais intensa, resultando em mais eventos climáticos extremos em diversas partes do globo. Segundo Agus Santoso, do CoECSS, atualmente temos um forte El Niño a cada 20 anos e o trabalho mostra que teremos um a cada 10 anos.

Em conferência da ONU-Água, realizada nesta semana, em Zaragoza (Espanha), representantes das agências das Nações Unidas, governos, empresas, organizações não governamentais e especialistas da indústria de todo o mundo discutiram a importância da água e da energia em preparação para o Dia Mundial da Água de 2014 (22 de março).

Em meio às discussões: “a demanda por água pode exceder em 44% os recursos anuais disponíveis até 2050, enquanto a demanda de energia pode experimentar um aumento de 50% até o mesmo ano”. Isso porque a necessidade de água para gerar energia primária está crescendo conforme o crescimento econômico, as mudanças demográficas e as mudanças de estilos de vida.

Estiagem

Ontem, após dois dias de discussões, os pesquisadores da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) divulgaram que há probabilidade de a estiagem que aflige a região há dois anos se prolongar em 2014. A previsão climática para os próximos três meses no Ceará aponta 40% de probabilidade de que as chuvas fiquem abaixo da média até abril, 35% de chance de termos chuva em torno da média e 25% de probabilidade de precipitações acima da média.

Neste momento, é preciso fé, determinação e apoio que permitam ao sertanejo continuar em suas terras até que venham dias melhores. No que depender do que diz a comunidade científica, o horizonte não é nada animador.

Com informações do Instituto Carbono Brasil e da Funceme