Busca

Tag: Impactos Ambientais


13:02 · 05.09.2018 / atualizado às 13:03 · 05.09.2018 por
Especialistas nesta área são inseridos em empreendimentos e modelos de negócio inovadores como ferramenta lucrativa Foto: Maristela Crispim

Pensar no desenvolvimento econômico sem esquecer os aspectos ambientais do setor produtivo, minimizando os impactos ambientais e os custos oriundos da produção com uma gestão eficiente. Esse é o principal objetivo do MBA em Gestão Ambiental na Cadeia Produtiva, com vagas em oferta pela Universidade de Fortaleza (Unifor).

Podem se inscrever profissionais graduados nas áreas de Engenharia, Arquitetura, Administração, Contabilidade, Biologia, Geologia, Geografia, Química, Agronomia, Direito e outros envolvidos com a área da Gestão Socioambiental ou que estejam interessados na área de meio ambiente.

Ao final do curso, o aluno será capaz de compreender as principais diretrizes legais e socioambientais no contexto produtivo, permitindo entender e aplicar os diversos tipos de ferramentas, equipamentos, procedimentos, processos, limites operacionais e tecnologias atuais.

Vale ressaltar que o curso oferece uma infraestrutura diferenciada, com salas de aula que foram estruturadas no formato de arena e com mesas redondas, dentro do mesmo padrão das universidades de Harvard e Stanford, de modo a proporcionar a melhor experiência de aprendizado.

Segundo Suellen Galvão, coordenadora do MBA em Gestão Ambiental na Cadeia Produtiva da Unifor, o curso está estruturado de modo a atender as demandas futuras e atuais do setor produtivo. “Cada vez mais em ascensão, o setor produtivo no Ceará comunga de modelos de gestão mais modernos que buscam aliar inovação ao Desenvolvimento Socioambiental das corporações por meio de práticas e tecnologias sustentáveis”, afirma.

“A perenidade das empresas passa por aspectos como responsabilidade socioambiental, compliance, inovação dos processos, práticas colaborativas e mudança de paradigmas. E a mudança de paradigma sobre Gestão Ambiental no setor produtivo é um fator chave para sua Sustentabilidade. O empresário precisa aprender sobre as inúmeras possibilidades de gerir melhor seus processos por meio da Gestão Ambiental e não vê-la mais somente como custo”, relata Suellen.

“Por oferecer uma forte base conceitual e atuação prática, o curso vem suprir a demanda de empresas que desejam aplicar Gestão Ambiental, mas não sabem por onde começar e/ou consideram um setor desnecessário ou caro a ser implantado. E é essa a importância desse profissional: contribuir para o Desenvolvimento Sustentável do setor produtivo”, complementa a coordenadora.

Políticas Ambientais

Já a coordenadora de Políticas Ambientais da Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente de Fortaleza (Seuma), Edilene Oliveira, enfatiza que as organizações, cada vez mais, precisam da implementação de Sistemas de Gestão Ambiental (SGA) que promovem processos e práticas de sustentabilidade, observando a legislação e normas técnicas específicas.

“Essas ações colaboram com o meio ambiente e ajudam na racionalização de recursos naturais e financeiros, no fortalecimento da marca, quer seja pública ou privada, além dessas práticas envolverem os colaboradores para sensibilização ambiental, dentro e fora dos espaços de trabalho”.

“Os profissionais da Gestão Ambiental são responsáveis por ações de recuperação da biodiversidade e programas que revertam a degradação do meio ambiente. Na esfera pública, são responsáveis por elaborar e implementar políticas que promovam o gerenciamento das questões ambientais nas áreas de planejamento, certificação, sustentabilidade e educação ambiental”, enumera Edilene.

Mais informações:
Inscrições: até 30 de setembro, podendo ser prorrogadas
Período do Curso: setembro/2018 a junho/2020
Para entrar no site, clique aqui: MBA em Gestão Ambiental na Cadeia Produtiva

09:22 · 25.10.2012 / atualizado às 09:22 · 25.10.2012 por

O Seminário Energia Eólica, Injustiças e Conflitos Ambientais na Zona Costeira será realizado hoje e amanhã (25 e 26 de outubro), no Centro de Formação Frei Humberto, em Fortaleza. O evento – uma realização do Instituto Terramar, do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Ceará (UFC) e da Rede Brasileira de Justiça Ambiental – faz parte de um processo de articulação e debate da sociedade civil organizada sobre a questão energética no modelo de desenvolvimento predominante no Brasil. O segundo dia é restrito à participação de militantes comunitários, organizações realizadoras e parceiras.

Segundo os realizadores do evento, estará em debate a forma como a energia eólica “tornou-se referencia de energia limpa, mas no Brasil, mantém o padrão privatista e degradador da biodiversidade com impactos irreversíveis sobre as populações que habitam essas localidades”.

Nos últimos quatro anos, lembram os representantes do movimento, os territórios tradicionais da Zona Costeira do Nordeste, especialmente dos Estados do Ceará, Rio Grande do Norte e Bahia, vêm sendo ocupados de forma acelerada por parques de energia eólica.

“As instalações dessas infraestruturas provocaram grandes interferências nos ecossistemas de dunas e manguezais, além dos modos de vida locais”, destacam. Diante dessa realidade, muitas comunidades estarão presentes no Seminário para denunciar os impactos e conflitos sociais e ambientais provocados por essa atividade.

O objetivo do Seminário é promover o encontro de diferentes sujeitos da sociedade civil para discutir essas questões e os desafios que elas impõem à sociedade. Nesse sentido, a programação inclui o debate sobre os impactos do desenvolvimento na Zona Costeira a partir dos pontos de vistas das comunidades que enfrentam conflitos ambientais; e uma discussão sobre energia eólica no Nordeste que embasa os incentivos à produção industrial de energia. Dentre os convidados estarão: representantes de comunidades, organizações sociais e pesquisadores nacionalmente conhecidos.

Outro destaque será o lançamento do livro “Ambientalização dos Bancos e Financeirização da Natureza”, editado pela Rede Brasil Sobre Instituições Financeiras Multilaterais. A publicação discute a política ambiental do Banco Nacional para o Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Na ocasião estará presente Fabrina Furtado, assessora da Relatoria de Direito ao Meio Ambiente, da Plataforma Brasileira de Direitos Humanos, Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais (DHESCA), que assina um dos artigos do livro. A atividade acontece no auditório da Faculdade de Educação da UFC (FACED-UFC), às 19 horas.

Serviço:

Seminário Energia Eólica, Injustiças e Conflitos Ambientais na Zona Costeira

Dias: 25/10 (aberto ao público) e 26/10 restrito a convidados

Local: Centro Frei Humberto, Rua Paulo Firmeza, 445, São João do Tauape, Fortaleza-CE

Horário: 9 às 16 horas

Lançamento do livro Ambientalização dos Bancos e Financeirização da Natureza

Dias: 25/10

Local: Auditório da Faculdade de Educação da UFC (FACED-UFC), Rua Waldery Uchôa, 01, Benfica, Fortaleza-CE

Horário: 19 horas