Busca

Tag: Reciclagem


20:40 · 30.11.2016 / atualizado às 20:40 · 30.11.2016 por

Reciclagem economiza energia equivalente a 20% do Horário de Verão e traz redução importante dos gases de efeito estufa

Reciclagem economiza energia equivalente a 20% do Horário de Verão e traz redução importante dos gases de efeito estufa

 

O Brasil reciclou 292,5 mil toneladas de latas de alumínio para bebidas, quase a totalidade das embalagens colocadas à venda em 2015. O novo índice de reciclagem – 97,9% – foi anunciado no fim de outubro pela Associação Brasileira do Alumínio (Abal) e pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade (Abralatas) e representa uma economia de energia equivalente a 20% do obtido com o Horário de Verão em todo o País.

Para o presidente executivo da Abralatas, Renault Castro, a manutenção do índice em níveis próximos a 100% é a confirmação do sucesso do modelo de reciclagem adotado pela embalagem e que se tornou uma referência para a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). “O segredo é a existência de demanda pelo material e de uma rede de coleta viabilizada pelo valor da lata, mas que também permite o aumento da reciclagem de outros materiais”, disse Renault.

Somente na coleta da latinha foram injetados cerca de R$ 730 milhões na economia brasileira, informou o coordenador do Comitê de Mercado de Reciclagem da Abal, Mario Fernandez. “Se fosse uma empresa, a ‘Coleta SA’ estaria entre as 730 maiores do País. O valor equivale a quase um milhão de salários mínimos por ano, confirmando a importância da reciclagem para a geração de emprego e renda aos catadores de materiais recicláveis”.

Mario Fernandez lembra que a reciclagem de latas de alumínio consome apenas 5% da energia utilizada na produção da embalagem a partir do alumínio primário, extraído da bauxita. “Ou seja, a economia de energia proporcionada pela reciclagem da lata atenderia a demanda anual residencial de um Estado como o de Goiás”, afirmou.

Outro benefício ambiental do reaproveitamento da embalagem foi ressaltado pelo presidente executivo da Abralatas. “O processo de reciclagem da lata reduz em 95% as emissões de gases de efeito estufa, uma informação relevante diante de um consumidor cada vez mais consciente e de um mercado que se preocupa com o impacto ambiental de sua produção”, afirmou Renault.

O sistema de reciclagem da latinha de alumínio foi inspiração para o modelo de logística reversa do Acordo Setorial de Embalagens em Geral, previsto pela PNRS.

A Abal foi fundada em 1970 e representa 100% dos produtores de alumínio primário e indústrias transformadoras, que contabilizam 80% do consumo doméstico do metal. Interlocutora do setor, atua por meio de Comitês Técnicos e de Mercado no desenvolvimento da indústria e no incremento de sua competitividade; na representação do setor junto ao governo; na difusão de aplicações e novas tecnologias ligadas ao alumínio, além de suporte informativo a associados e opinião pública.

Fundada em 2003, a Abralatas representa os fabricantes de latas de alumínio para bebidas e seus fornecedores, empresas de reciclagem e outras empresas e associações interessadas na promoção e no uso dessa embalagem.

Seus objetivos principais são promover a competitividade da lata de alumínio para bebidas no Brasil; representar os interesses comuns dos associados nos âmbitos nacional e internacional; estabelecer intercâmbio de ideias, informações e experiências para o aperfeiçoamento dos métodos de industrialização, comercialização e administração em geral da cadeia produtiva da embalagem manter serviço permanente de informações sobre todos os assuntos ligados à lata de alumínio para bebidas; e promover estudos a respeito do impacto ambiental da indústria de latas de alumínio para bebidas.

Mais informações:
www.abal.org.br
www.abralatas.org.br

13:06 · 14.06.2014 / atualizado às 13:24 · 14.06.2014 por
Estação móvel de reciclagem do Pão de Açúcar e da Unilever ajudará a torcida brasileira a ter uma atitude sustentável #praserfeliz
Estação móvel de reciclagem do Pão de Açúcar e da Unilever ajudará a torcida brasileira a ter uma atitude sustentável #praserfeliz

O Grupo Pão de Açúcar lançou, em parceria com a Unilever, o “reciclar #praserfeliz” durante os dias de jogos da Copa do Mundo. Um veículo preparado para receber materiais recicláveis, com comunicação especial, percorrerá pontos com alta concentração de pessoas em três cidades: São Paulo, Rio de Janeiro e Fortaleza.

Promotores convidarão as pessoas a destinar corretamente seus resíduos, evitando o descarte incorreto e o acúmulo nas ruas. Os que participarem da iniciativa ganham uma maquiagem festiva para torcer ainda mais pela seleção.

As ações acontecem durante todo o período do mundial. Foram escolhidos lugares com alta concentração de bares e restaurantes, em que as pessoas se reunirão para assistir aos jogos juntas e torcer.

A estação estará nesses locais entre 11h e 20h. Todos os recicláveis arrecadados serão doados para cooperativas de reciclagem que são parceiras do programa Estação de Reciclagem Pão de Açúcar Unilever, presente nos estacionamentos de 127 lojas em todo o Brasil. Existente desde 2001 o programa já arrecadou mais de 75 mil toneladas de materiais recicláveis.

O “reciclar #praserfeliz” é parte do movimento pela felicidade lançado pelo Pão de Açúcar, que indica e oferece atitudes simples para que as pessoas busquem aquilo que as fazem felizes. No caso do “reciclar #praserfeliz” por meio da reciclagem, a pessoa assume o protagonismo em uma ação de qualidade de vida.

Assim como todas as inciativas da marca deste ano, esta também virá identificada com o tema “atitude #praserfeliz”. Compartilhando a ação e a hashtag, espera-se que outras pessoas se sintam contagiadas a fazerem o mesmo, reforçando o movimento.

A sustentabilidade é um dos pilares estratégicos do Pão de Açúcar, que busca ser reconhecido pelo consumidor como o varejista mais sustentável. A gestão de resíduos dos clientes é um dos temas prioritários e pioneiros da marca, reforçando seu compromisso de consumo consciente.

Estações de Reciclagem Pão de Açúcar Unilever

Em 2001, o Pão de Açúcar e a Unilever chamavam a atenção da população ao iniciar uma ação que seria essencial para a sociedade alguns anos depois: a reciclagem. O pioneirismo veio com o Programa Estação de Reciclagem Pão de Açúcar Unilever, que em 13 anos já arrecadou mais de 75 mil toneladas de materiais recicláveis (papel, vidro, plástico e metal) e se consolida como o primeiro programa de parceria entre varejo e indústria no cenário nacional de reciclagem.

Os materiais recicláveis são doados para 36 cooperativas de reciclagem parceiras do Programa. Além do caráter social da ação, com a geração de renda e a inclusão social beneficiando mais de 6,9 mil pessoas direta e indiretamente por ano, as estações de reciclagem contribuem também com oincentivo ao descarte consciente.

O projeto está em constante evolução. Em 2007, a rede incluiu nas Estações pontos de arrecadação de óleo de cozinha, onde já foram coletados mais de 1,2 milhão de litros do produto usado, e grande parte é encaminhada para a produção de biocombustível.

Fonte: Grupo Pão de Açúcar

15:13 · 11.04.2014 / atualizado às 15:40 · 11.04.2014 por
O Piloto receberá aparelhos em qualquer estado de conservação, independentemente de modelo, marca ou fabricante Foto: Kid Júnior / Agência Diário
O Piloto receberá aparelhos em qualquer estado de conservação, independentemente de modelo, marca ou fabricante Foto: Kid Júnior / Agência Diário

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) impõe o prazo de agosto de 2014 para a eliminação de lixões e aterros controlados, definição dos acordos setoriais e implantação dos sistemas de logística reversa para diversas cadeias de indústrias, importadores e distribuidores, entre outras medidas.

Os resíduos eletroeletrônicos, quando descartados no meio ambiente, ou manipulados de maneira incorreta são altamente contaminantes. Se descartados corretamente, porém, podem gerar matérias-primas, como plásticos, vidros, metais e outros.

Atendendo à legislação referente aos resíduos eletroeletrônicos, um grupo técnico da Associação Brasileira das Entidades Representativas e Empresas de Serviço Autorizado em Eletroeletrônicos (Abrasa), Instituto Nacional de Resíduos (Inre), Green Mind, WG & Associados, Gestão Estratégica de Resíduos Eletroeletrônicos (Geree) e Ecoletas, vêm buscando criar um sistema de gestão, visando a Logística Reversa na PNRS em seu descarte ecologicamente correto dos resíduos especiais.

Isso atende à etapa posterior ao uso dos equipamentos eletroeletrônicos, chamada de pós-consumo, com intuito de promover o seu recolhimento em Fortaleza. Para o teste inicial deste sistema, está sendo realizado um piloto que terá como resultado a avaliação dos processos que compõem este sistema de gestão para a logística reversa e destinação ambientalmente correta dos resíduos.

Serão recebidos, até 24 de maio, equipamentos como notebooks, computadores, telefones celulares, HDs, placas eletrônicas, estabilizadores, nobreaks, módulos, telefones, impressoras, televisores LCD, monitores LCD, aparelhos de som, DVD/VHS, câmeras, filmadoras, vídeo games, aspiradores de pó, iiquidificadores, ventiladores, lixadeiras/esmerilheiras, balanças digitais, furadeira/parafusadeiras, ferros de passar roupa e secador de cabelo; assim como seus resíduos e componentes.

Integra a proposta do piloto disseminar uma discussão sobre o tema na região de abrangência do ponto de recolhimento. Os consumidores poderão participar desta experiência e contribuir com a logística reversa dos resíduos eletroeletrônicos na cidade de Fortaleza.

A campanha receberá aparelhos em qualquer estado de conservação, independentemente de modelo, marca ou fabricante. Para isso, antes do início da divulgação, foi realizado o credenciamento e treinamento operacional de cada ponto de coleta. Haverá uma pessoa para auxiliar o recebimento no balcão, que efetuará o manuseio do equipamento retornado, a sua estocagem, geração de relatórios de entregas e outros documentos e apoio ao reciclador no momento da retirada dos equipamentos.

No momento da entrega do(s) aparelho(s), o consumidor deverá preencher e assinar o termo de doação do equipamento direto para o reciclador. Esta é uma etapa muito importante do processo, pois garante a posse e transfere a responsabilidade sobre o resíduo do consumidor para o reciclador.

A legislação determina a responsabilidade compartilhada, onde todos os participantes da produção, venda e consumidores são responsáveis por aquele resíduo. Ao entregar o seu resíduo eletroeletrônico, o consumidor compreende a importância do consumo consciente e o descarte ambientalmente correto.

Será disponibilizado também ao ponto de coleta formulário de intercorrência, aonde poderão ser anotados os problemas, questões e situações percebidas para envio à gestora e inclusão no relatório final.

Haverá um serviço de apoio ao piloto através de telefone e e-mail a serem divulgados para prestar apoio em geral, responder dúvidas e questionamentos e receber comentários e críticas, bem como relatórios de intercorrências.

Serão disponibilizadas, também, informações sobre o piloto no site www.inre.org.br, pelo email retorne@inre.eco.br, nos pontos de coleta e meios de comunicação locais.

Ao fim da operação, será emitido um certificado de destinação ambientalmente adequada que será enviado por email ao consumidor, comprovando a sua participação na logística reversa de equipamentos eletroeletrônicos.

A Abrasa representa atualmente 10.429 empresas (MEs e EPPs) prestadoras de assistência técnica autorizada em pós-vendas e comércio de componentes eletroeletrônicos em todos os Estados do Brasil e Distrito Federal com capilaridade nacional.

O Inre é uma entidade gestora de logística reversa e tratamento pós-consumo de resíduos eletroeletrônicos (REEE), apolítica, sem conflitos e sem fins lucrativos que visa contribuir para a implantação da PNRS, como agente ativo na condução, implementação e respeito à lei, mantendo diálogo matricial e buscando o menor preço para a cadeia produtiva, consumidor e sociedade. O Sistema Inre de Logística Reversa para Equipamentos Eletroeletrônicos abrange todo o território nacional de forma modular.

A Ecoletas faz o Gerenciamento e a destinação final de Resíduos Eletrônicos para empresas e instituições que buscam soluções legais e ambientalmente corretas, solucionando o problema do e-lixo de forma completa e inovadora. A empresa foi a primeira no Estado do Ceará com licenciamento ambiental para descarte de lixo eletrônico. Conta com profissionais experientes e qualificados para oferecer o melhor atendimento.

Os postos de entrega não receberão, durante o Piloto, os seguintes tipos de equipamentos: monitor e TV CRT, tonner, cartucho, pilha, baterias, lâmpadas, micro-ondas, fogões, máquina de lavar, geladeiras, freezeres, condicionadores de ar.

Pontos de coleta participantes do piloto

Centro técnico eletrônico – R. Pinto Madeira, 1264 – Aldeota – (85) 3231.9615

TC Telecom Samsung – Av. Antônio Sales, 2830 – Dionísio Torres – (85) 3261.2815

Videocomp Eletrônica – Av. Oliveira Paiva, 1113 – Cidade dos Funcionários – (85) 3279.2606

Eletrônica Multimarcas – Av. Bezerra de Meneses, 1977 – (85) 3287.2233

Ecoletas Ambiental – Av. Deputado Paulino Racha, 1881 – Castelão – (85) 3295.2179

Sindiverde – Av. Barão de Studart, 1980 3º andar – Aldeota

21:15 · 19.11.2013 / atualizado às 21:15 · 19.11.2013 por

Estação Móvel KOMBI-RECICLAGEM

O Pão de Açúcar acaba de lançar  o projeto “Pare & Separe”, em que um veículo preparado para receber materiais recicláveis, com comunicação especial e promotores percorre 17 pontos turísticos de cada uma das capitais, servindo como um ponto de entrega voluntário para descarte de papel, plástico, metal e vidro.

Qualquer pessoa pode levar seus materiais para a estação móvel de reciclagem. Aqueles que fizerem check in por meio do Facebook ganharão um voucher que pode ser trocado por uma sacola reutilizável de ráfia em qualquer loja Pão de Açúcar.

Todos os recicláveis arrecadados serão doados para cooperativas de reciclagem parceiras do programa Estação de Reciclagem Pão de Açúcar Unilever, presente nos estacionamentos de 126 lojas em todo o Brasil. Existente desde 2001 o programa já arrecadou mais de 71 mil toneladas promovendo a inclusão social e a geração de renda das comunidades parceiras, além de benefícios ambientais.

No Rio de Janeiro, a estação móvel passará por locais como Copacabana, Leblon, Ipanema, Jardim Botânico, Recreio, Arpoador, Parque da Cidade e Barra da Tijuca. Em São Paulo, as pessoas podem separar para entregar seus materiais de reciclagem em lugares como: Parque Villa Lobos, Parque Ibirapuera, Largo da Batata, MASP, Estação da Luz, Mercadão e Praça Benedito Calixto. Para conferir a relação completa de locais e suas respectivas datas, visite a  fan page oficial do Pão de Açúcar no Facebook.

Programa Estações de Reciclagem Pão de Açúcar Unilever

Desde 2001, o Pão de Açúcar e a Unilever mantém uma parceria que permite ao consumidor dar a correta destinação a embalagens, frascos e materiais diversos, como papel, vidro, plástico, metal e óleo de cozinha. As estações fixas são construídas com material reciclado e funcionam como Postos de Entrega Voluntária (PEVs). Dessa forma, apoiam a cadeia com benefícios socioeconômicos e ambientais, conforme preconiza a nova Política Nacional de Resíduos Sólidos.

Em onze anos, foram coletados mais de 64 mil toneladas de materiais para reciclagem. Somente em 2012, foram mais de 12 mil toneladas, 14% a mais do que no ano anterior. Após o descarte dos materiais, o volume total foi doado a 37 cooperativas parceiras, o que gera postos de trabalho diretos e indiretos e beneficia mais de 1,7 mil famílias por mês.

Pão de Açúcar

Supermercado de vizinhança, que prima pela variedade e qualidade em produtos e serviços. Com 165 lojas distribuídas em nove estados brasileiros, o Pão de Açúcar caracteriza-se pela ampla oferta de soluções e pioneirismos lançados ao longo da história do varejo brasileiro.

Unilever

Presente no Brasil há 84 anos, a Unilever é uma das maiores empresas de bens de consumo do mundo. Fabricante de produtos de higiene pessoal e limpeza, alimentos e sorvetes, a companhia tem operações em 190 países. Está presente em 100% dos lares brasileiros, e, ao longo de um ano, seus produtos atingem, mensalmente, 46 milhões de domicílios.

Segundo a empresa, todos os dias 2 bilhões de pessoas usam ao menos um produto da Unilever em algum lugar do mundo. São mais de oito décadas resumidas em marcas como Omo, Comfort, Fofo, Seda, Lux, Kibon, Hellmann’s, Arisco, Knorr, Becel, Maizena, AdeS, Dove, Axe, Close Up e Rexona, entre outras. Por ano, a Unilever lança cerca de 75 novos produtos e é líder de mercado em 10 das 13 categorias em que atua.

Fonte: Pão de Açúcar

14:08 · 01.08.2013 / atualizado às 14:08 · 01.08.2013 por
A casca do coco verde contribui para o esgotamento precoce dos aterros sanitários, mas pode ser aproveitada de diversas maneiras
A casca do coco verde contribui para o esgotamento precoce dos aterros sanitários, mas pode ser aproveitada de diversas maneiras

As cascas do coco verde correspondem a 80% do peso bruto do fruto. No entanto, ao contrário das cascas de coco seco, que são utilizadas tradicionalmente para a produção de pó e fibra, o resíduo do coco verde é descartado. Disposto em aterros e lixões, contribui para a aceleração do esgotamento da capacidade de acumulação por causa do grande volume.

O processo de obtenção do pó e da fibra da casca de coco verde é feito mecanicamente com a utilização de um conjunto de equipamento desenvolvidos em parceria da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Agroindústria Tropical com a metalúrgica Fortalmag. Em Fortaleza, esse tipo de aproveitamento e outros estarão em discussão entre os dias 26 e 28 de agosto, na Feira Nacional do Coco (Fenacoco), no Marina Park Hotel.

Ações sustentáveis de reaproveitamento da casca do coco verde; mercado e perspectivas da cultura do coco no cenário nacional e internacional; e irrigação com energias renováveis são alguns dos temas que serão abordados. Feira tratará, ainda, de legislação, formas de cultivo, setor alimentício (humano e animal), automobilístico, fabricação de papel, paisagismo e construção civil.

Esta edição da Fenacoco traz atambém novidades, como concurso gastronômico, feira de artesanato e desfile de moda, todos utilizando como matéria-prima o coco.

Durante a Feira, pesquisadores de instituições como a Embrapa, Universidade de São Paulo (USP), Universidade Católica do Pernambuco (Unicap) e Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) se reunirão com produtores, empresários, ambientalistas e gestores dos setores público e privado nas discussões dos temas e nas proposições de novas ideias para o setor.

A Fenacoco é realizada pelo Instituto Ecoco, com apoio do governo federal, Banco do Nordeste (BNB), Embrapa, Departamento Nacional de Obras contra as Secas (Dnocs), Secretaria de Infraestrutura (Seinfra) e Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece).

Usos diversos

Segundo a Embrapa Agroindústria Tropical, a fibra pode ser usada na confecção de diversos produtos de utilidade para a agricultura, indústria e construção civil, em substituição a outras fibras naturais e sintéticas.

Tecida em forma de manta é um excelente material para ser usado em superfícies sujeitas à erosão provocada pela ação de chuvas ou ventos, como em taludes nas margens de rodovias e ferrovias, em áreas de reflorestamento, em parques urbanos e em qualquer área de declive acentuado ou de ressecamento rápido.

Compósitos reforçados com fibras naturais podem ser uma alternativa viável em relação àqueles que usam fibras sintéticas como as fibras de vidro. As fibras naturais podem conferir propriedades interessantes em materiais poliméricos, como boa rigidez dielétrica, melhor resistência ao impacto e características de isolamento térmico e acústico.

Na indústria de embalagens existem projetos para a utilização da fibra de coco como carga para o PET, podendo gerar materiais plásticos com propriedades adequadas para aplicações práticas e resultando em contribuição para a resolução de problemas ambientais, ou seja, reduzindo o tempo de decomposição do plástico.

A indústria da borracha é receptora também de grande número de projetos envolvendo produtos ecológicos diversos, desde a utilização da fibra do coco maduro e verde na confecção de solados de calçados, até encostos e bancos de carros.

Utilizada há várias décadas como um produto isolante em diversas situações, a fibra de coco tem hoje uma diversidade de aplicações, pelas características que apresenta. Devido às suas excepcionais performances acústicas, a fibra de coco verde e maduro contribui para uma redução substancial dos níveis sonoros, quer de impacto, quer aéreos, sendo a solução ideal para muitos dos problemas na área acústica, superando largamente os resultados obtidos com a utilização de outros materiais.

Ademais, a crise energética mundial das últimas duas décadas tem motivado o desenvolvimento de pesquisas sobre o fibro-cimento ou ou fibro-concreto devido ao fato de a fabricação de cimento exigir menor demanda de energia comparada com a necessária à fabricação do aço ou dos plásticos.

Assim, no Brasil, a utilização da fibra de coco verde na construção civil pode criar possibilidades no avanço da questão habitacional, através da redução do uso e do custo de materiais, envolvendo a definição de matrizes que inter-relacionam aspectos políticos e socioeconômicos.

Além dos usos já citados a fibra da casca de coco verde pode ser utilizada na confecção de vasos, placas e bastões para o cultivo de diversas espécies vegetais. Além de substituírem os produtos tradicionais a base de barro, cimento e plástico, também substituem os subprodutos extraídos do samambaiaçu, espécie vegetal da mata atlântica ameaçada de extinção.

Desta forma a comercialização de vasos, placas e bastões de fibra da casca de coco verde, busca a inserção no nicho de mercado ocupado hoje pelo xaxim que é um produto de exploração cada vez mais restrita pela legislação brasileira.

A confecção de artesanatos variados também representa uma importante forma de aproveitamento da fibra da casca de coco verde, haja vista que o Brasil tem sido cada vez mais um importante destino para os turistas de outros países, grandes consumidores deste tipo de produto.

Os principais Estados potenciais consumidores deste tipo de produto são: São Paulo, Minas Gerais, Bahia e Espírito Santo.

Assim como a fibra o pó da casca de coco verde também pode ser utilizado na confecção de artesanato, compondo uma massa moldável que pode originar uma grande gama de produtos.

A parte fibrosa do coco maduro, ao ser beneficiada, produz fibras e uma considerável quantidade de pó. Esse material (pó de coco) é amplamente utilizado em diferentes partes do mundo como substrato para plantas.

O substrato obtido a partir dos frutos maduros do coco tem se mostrado como um dos melhores meios de cultivo para a produção de vegetais, principalmente em função de sua estrutura física vantajosa, que proporciona alta porosidade e alto potencial de retenção de umidade, conferindo a esse substrato características adequadas ao cultivo agrícola.

O pó de coco é um meio de cultivo 100% natural utilizado para germinação de sementes, propagação de plantas em viveiros e no cultivo de flores e hortaliças. Como o preço da turfa está cada vez mais elevado e as extratoras de turfas foram fechadas, o pó da casca de coco verde surge como uma alternativa que evita a aplicação de substratos que produzem impactos ambientais negativos (turfas, areia, entre outros).

Assim como a fibra o pó da casca de coco verde também pode ser utilizado na confecção de artesanato, compondo uma massa moldável que pode originar uma grande gama de produtos.

As características de absorção de líquidos do pó também possibilita seu uso em derramamentos de óleo e como cama para animais de estimação e laboratório.

Por fim, comprimido o pó se transforma em um briquete que substitui a madeira em fornos de pizzarias, padarias, siderúrgicas e outros.

Mais informações: www.fenacoco.com.br

Fonte: Fenacoco / Embrapa Agroindústria Tropical

10:25 · 27.06.2013 / atualizado às 10:25 · 27.06.2013 por
Censo realizado pela Abipet mostra que, mesmo sem sistema de coleta seletiva, o Brasil deu destinação correta a 331 mil toneladas de produto em 2012 FOTO: ALEX PIMENTEL / AGÊNCIA DIÁRIO
O censo realizado pela Abipet mostra que, mesmo sem sistema de coleta seletiva, o Brasil deu destinação correta a 331 mil toneladas de produto em 2012 FOTO: ALEX PIMENTEL / AGÊNCIA DIÁRIO

A reciclagem de embalagens de PET (Politereftalato de etileno) no Brasil deu um salto em 2012 e cresceu 12,6% em volume, ao passar das 294 mil toneladas que tiveram destinação adequada em 2011, para 331 mil toneladas no ano passado.

Com esse resultado, o País atingiu um índice de reciclagem de 59%, mantendo excelente posicionamento como um dos maiores recicladores de PET do mundo – superando os Estados Unidos e até mesmo a média registrada na Europa.

Os números do 9.º Censo da Reciclagem do PET no Brasil foram divulgados ontem (26 de junho), pela Associação Brasileira da Indústria do PET (Abipet), durante o PETtalk 2013 – Conferência Internacional da Indústria do PET, realizado em São Paulo.

“Os números demonstram que existe uma demanda muito forte pelo PET reciclado, criada por um trabalho do próprio setor, que investe continuamente em inovação e novas aplicações para o material reciclado. Esse trabalho criou um ciclo virtuoso. Todo PET coletado tem destinação adequada garantida por uma indústria forte, diversificada e ávida por essa matéria-prima”, afirmou Auri Marçon, presidente da Abipet.

O setor têxtil continua sendo o principal consumidor do PET reciclado, com 38,2% de participação, seguido das resinas insaturadas e alquídicas, com 23,9%. Outras embalagens (alimentos e não-alimentos) consomem 18,3% do volume reciclado. Laminados e chapas (6,4%), fitas de arquear (5,5%) e tubos (1,5%) são os outros principais mercados. Os 6,1% restantes ainda abastecem uma lista ampla de pequenas aplicações.

PET3

O desafio da coleta seletiva

O presidente da Abipet, no entanto, chamou a atenção para a necessidade de suprir essa demanda aquecida, sob pena de impacto no preço do produto coletado e consequente comprometimento da sustentabilidade do negócio.

“O Brasil precisa investir em coleta seletiva, para que a indústria não seja prejudicada. Em muitos períodos do ano, as empresas recicladoras continuam com ociosidade que chega a 30% de sua produção, porque não encontram embalagem pós-consumo para reciclar”, alertou Marçon.

A solução, apontou o executivo, é estimular as prefeituras a implantar, o mais rápido possível, a coleta seletiva e a separação das embalagens recicláveis, de forma a aumentar a recuperação do material descartado pela sociedade.

“Isso, na verdade, é o que prega a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que exige responsabilidade compartilhada entre a sociedade civil, o setor privado e também do poder público. A indústria do PET investiu fortemente em reciclagem e hoje esses recicladores passam por um momento difícil, por não terem coleta suficiente para abastecer suas fábricas”, concluiu o presidente da Abipet.

Fonte: Abipet

11:29 · 18.05.2013 / atualizado às 11:29 · 18.05.2013 por

MEN-AS09-gazette-recycle-tree

Por Maristela Crispim

O Dia Mundial da Reciclagem foi comemorado ontem, 17 de maio, enquanto o nosso País, vive um momento ímpar no que diz respeito aos resíduos sólidos, com a proximidade do fim do prazo mais radical da Política Nacional de resíduos Sólidos (PNRS), sancionada em agosto de 2010, após mais de 20 anos de tramitação no Congresso. Ela estabeleceu agosto de 2014 como prazo para a extinção dos lixões em nosso território.

Mas, reunidos há duas semanas em Brasília, nossos atuais prefeitos querem mais tempo e pediram isso ao Congresso. Eles alegam que seus antecessores não cumpriram os outros prazos. Na semana que passou, entrevistei o diretor-executivo do Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre), André Vilhena, que foi categórico: “Eles não vão ter mais tempo. Isso é um desrespeito com os que cumpriram”, disse.

O fato é que a legislação chegou mais que em boa hora. No período pré-industrial, os resíduos não geravam grande preocupação por dois principais motivos: volume e composição. No fim de 2011, ultrapassamos a marca de 7 bilhões de habitantes e a descartabilidade cresceu tanto quanto o nosso consumismo.

De acordo a última Pesquisa Nacional de Saneamento Básico, do Instituto Brasileiro de Estatística (IBGE), cada brasileiro produz, em média, 1,1Kg de lixo em média por dia. No País, são coletadas diariamente 188,8 toneladas de resíduos sólidos. Desse total, em 50,8% dos municípios, os resíduos ainda têm destino inadequado, pois vão para os 2.906 lixões do País. Em 27,7% das cidades o lixo vai para os aterros sanitários e em 22,5% delas, para os aterros controlados.

É importante frisar que a PNRS responsabiliza todas as partes – produtor, comerciante, consumidor, e governo – pela destinação final dos resíduos e que é realmente necessário que todos cumpram o seu dever para sairmos do lugar.

Infelizmente, evitar o desperdício, reutilizar e reciclar ainda não fazem parte do dia a dia da maioria dos brasileiros. Mas isso precisa mudar urgentemente. Há quem diga que vai funcionar se afetar o bolso, como ocorreu com a obrigatoriedade com cinto de segurança. Mas eu quero acreditar que algo de diferente possa acontecer.

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) destaca que o número de programas de coleta seletiva passou de 451, em 2000; para 994, em 2008. Mas esse contingente está concentrado nas regiões Sul e Sudeste, onde, respectivamente, 46% e 32,4% dos municípios informaram à pesquisa do IBGE que possuem coleta seletiva em todos os distritos.

É importante dizer que, além do fechamento dos lixões até agosto de 2014, a lei determina que só poderão ser encaminhados aos aterros sanitários aqueles resíduos que não podem ser reciclados, os rejeitos.

Se aplicadas, as novas responsabilidades definidas pela PNRS vão reduzir gastos públicos municipais e ampliar a capacidade de investimentos das prefeituras em sistemas de reaproveitamento de resíduos de forma consorciada, assim como o compartilhamento de aterros sanitários entre municípios de uma mesma região.

Reciclagem

A palavra reciclagem ganhou destaque a partir do fim da década de 1980, quando foi constatado que as fontes de petróleo e de outras matérias-primas não renováveis estavam se esgotando rapidamente, e que já faltava espaço para a disposição de resíduos na natureza.

As maiores vantagens da reciclagem são a minimização da utilização de fontes naturais, muitas vezes não renováveis; e a minimização da quantidade de resíduos que necessita de tratamento final, como aterramento, ou incineração.

Refinando conceitos, a reciclagem serve apenas para os materiais que podem voltar ao estado original e serem transformados novamente em um produto igual em todas as suas características. O reaproveitamento ou reutilização consiste em transformar um determinado material já beneficiado em outro.

Um exemplo claro da diferença entre os dois conceitos, é o reaproveitamento do papel. O papel chamado de reciclado não é nada parecido com aquele que foi beneficiado pela primeira vez. Este novo papel tem cor diferente, textura diferente e gramatura diferente. Isto acontece devido a não possibilidade de retornar o material utilizado ao seu estado original e sim transformá-lo em uma massa que ao fim do processo resulta em um novo material de características diferentes.

Já uma lata de alumínio pode ser derretida de volta ao estado em que estava antes de ser beneficiada e ser transformada em lata, podendo novamente voltar a ser uma lata com as mesmas características.

Em alguns casos, não é possível reciclar indefinidamente o material. Isso acontece, por exemplo, com o papel, que tem algumas de suas propriedades físicas minimizadas a cada processo de reciclagem, devido ao inevitável encurtamento das fibras de celulose.

Em outros casos, felizmente, isso não acontece. A reciclagem do alumínio, por exemplo, não acarreta em nenhuma perda de suas propriedades físicas, e esse pode, assim, ser reciclado continuamente.

Resultados

Os resultados da reciclagem são expressivos tanto no campo ambiental, quanto nos campos econômico e social. No meio ambiente a reciclagem pode reduzir a acumulação progressiva de resíduos a produção de novos materiais, como por exemplo o papel, que exigiria o corte de mais árvores; as emissões de gases como metano e gás carbônico; as agressões ao solo, ar e água; entre outros tantos fatores negativos.

No aspecto econômico, contribui para o uso mais racional dos recursos naturais e a reposição daqueles recursos que são passíveis de reaproveitamento. No âmbito social, não só proporciona melhor qualidade de vida para as pessoas, por meio das melhorias ambientais, como também tem gerado muitos postos de trabalho e rendimento para pessoas que vivem nas camadas mais pobres.

No Brasil existem os carroceiros ou catadores de papel, que vivem da venda de sucatas, papéis, alumínio e outros materiais recicláveis deixados no lixo. Eles também trabalham na coleta ou na classificação de materiais para a reciclagem. Para muitas das pessoas que trabalham na reciclagem (em especial os que têm menos educação formal), a reciclagem é uma das únicas alternativas de ganhar o seu sustento.

Coleta seletiva

Coleta seletiva é o recolhimento dos materiais que são possíveis de serem reciclados, previamente separados na fonte geradora. A separação na fonte evita a contaminação dos materiais reaproveitáveis, aumenta o valor agregado destes e diminui os custos de reciclagem.

Para iniciar um processo de coleta seletiva é preciso avaliar, quantitativamente e qualitativamente, o perfil dos resíduos sólidos gerados em determinado município ou localidade, a fim de estruturar melhor o processo de coleta.

O lixo orgânico (deteriorável), também conhecido como lixo molhado, composto pelos restos de alimentos, deve ser separado do lixo chamado seco, podendo ter como destino os aterros sanitários ou entrarem num sistema de compostagem ou de biogás.

Classificação

Porta a Porta – Veículos coletores percorrem as residências em dias e horários específicos que não coincidam com a coleta normal de lixo. Os moradores colocam os recicláveis nas calçadas, acondicionados em contêineres distintos.

Posto de Entrega Voluntária (PEV) – Utiliza contêineres ou pequenos depósitos, colocados em pontos físicos no município, onde o cidadão, espontaneamente, deposita os recicláveis.

Posto de Troca – Troca do material a ser reciclado por algum bem ou benefício.

Programa Interno de Coleta Seletiva (PIC) – Realizado em instituições públicas e privadas, em parceria com associações de catadores ou empresas.

12:35 · 31.01.2013 / atualizado às 12:35 · 31.01.2013 por
Se depender do governo, os lixões têm data para acabar em 2014 Foto: Alex Pimentel

Brasília. O Brasil joga no lixo, a cada ano, cerca de R$ 10 bilhões por falta de reciclagem e destinação adequada de resíduos sólidos, e de uma política de logística reversa que gerencie o retorno de embalagens e outros materiais descartados de volta à indústria.

É esta realidade que o Ministério do Meio Ambiente (MMA) pretende transformar com a implantação, em todo o País, da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), tema de oficina realizada no início da tarde de ontem (30 de janeiro), último dia do II Encontro Nacional de Prefeitos e Prefeitas, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília.

Dentro da PNRS, a meta do governo federal é eliminar os lixões de todos os municípios brasileiros até o fim de 2014, explicou o secretário de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano (SRHU) do MMA, Pedro Wilson Guimarães.

Os governos estaduais e municipais deverão providenciar a substituição dos lixões por aterros sanitários, pois, a partir de 2014, a liberação de recursos da União estará condicionada à existência de planos estaduais e municipais de gestão de resíduos sólidos e de saneamento básico.

De acordo com anúncio feito pela presidenta Dilma Rousseff, na segunda-feira, durante a abertura do encontro, os prefeitos terão, em 2013, R$ 35,5 bilhões para investir em obras de saneamento, pavimentação e mobilidade urbana selecionadas no final de 2012.

Desperdício

“Os lixões são um problema sério que precisa ser enfrentado por todos os gestores”, disse o analista de Infraestrutura da SRHU, Eduardo Rocha Dias Santos. Ele afirmou que os prejuízos são enormes para o meio ambiente, com queda na qualidade de vida, no bem-estar e na saúde pública, além de gerar desperdícios econômicos e impactos sociais significativos. A proposta é não gerar resíduos sólidos, mas reduzir, reutilizar e reciclar, tratando e dando destinação adequada.

Santos salientou que apenas a Lei Nº 12.305/2010, que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos, não é suficiente para implantar o que se deseja. “Mas já é um começo”, admitiu.

A lei define o compartilhamento de responsabilidades entre as três esferas de governo, o planejamento de ações de gestão e a implantação de infraestrutura adequada, priorizando-se a educação ambiental e a cobrança pela prestação desse serviço público com o objetivo de dar sustentação financeira à PNRS.

Fonte: MMA

12:43 · 10.10.2012 / atualizado às 12:43 · 10.10.2012 por
No Brasil, a logístia reversa de eletroeletrônicos ainda dá os primeiros passos Foto: Adriana Pimentel / Agência Diário

 

O Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI), unidade de pesquisa vinculada ao Ministério de Ciência e Tecnologia (MCTI), promoverá, no dia 15 de outubro, no hotel Vila Galé Cumbuco, litoral oeste do Ceará, o Seminário Internacional sobre Gestão de Resíduos Eletroeletrônicos no Nordeste (SI-GREEN).

A meta do evento, realizado pela primeira vez na América Latina, é discutir aspectos gerais e específicos sobre o tema e debater a adequação da indústria brasileira às normas internacionais no que se refere à cadeia da produção dos materiais até o correto descarte, conhecida como cadeia reversa.

O tema reciclagem já está bem disseminado na sociedade brasileira quando se fala do descarte de produtos orgânicos ou de embalagens de papel, papelão ou materiais como aço e alumínio. No entanto, quando se aborda o descarte correto de resíduos eletroeletrônicos ainda há muitas incertezas.

Estão na programação do SI-GREEN palestras de especialistas nacionais e estrangeiros sobre as tecnologias para a sustentabilidade industrial, assim como autoridades governamentais, que irão trocar informações sobre possibilidades de fomento para produtos ambientalmente corretos.

No dia 15 de outubro, o evento será voltado para pesquisadores, professores universitários, profissionais e empreendedores da cadeia produtiva de reciclagem, universitários e interessados no tema.

Já entre os dias 16 e 20 de outubro, serão realizadas reuniões internas e fechadas, como a reunião anual do Comitê Técnico da IEC, responsável por elaborar as normas ambientais internacionais para os produtos eletroeletrônicos (IEC-TC 111). Nesse encontro, que ocorre pela primeira vez na América Latina, cerca de uma centena de especialistas em tecnologias para a sustentabilidade, de mais de 40 países, discutirão as normas ambientais que regulamentam o mercado internacional do setor de eletroeletrônicos.

O SI-GREEN conta com o patrocínio da Essencis e apoio institucional da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), da Associação Brasileira de Empresas de Tratamento de Resíduos (Abetre), do Comitê Brasileiro de Eletricidade, Eletrônica, Iluminação e Telecomunicações (Cobei) e do Instituto de Tecnologia da Informação e Comunicação (ITIC). A organização é da BN Travel Agência de Viagens.

As inscrições para a próxima segunda-feira (15) ainda estão abertas e podem ser feitas pelo site www.observatoriodeinovacao.com.br/si-green ou pelo telefone (85) 3242-6737.

11:07 · 16.03.2012 / atualizado às 11:44 · 16.03.2012 por
As embalagens podem ser transformadas em caixas de papelão, canetas, vassouras, telhas e placas para construção civil, entre outros materiais Foto: Divulgação

 

Criado pela Tetra Pak, com suporte do Google Maps, o buscador Rota da Reciclagem tem a missão de ajudar os consumidores a encontrarem pontos de coleta seletiva para destinarem as embalagens longa vida pós-consumo e outros resíduos para a reciclagem, já conta com mais de 3.400 iniciativas cadastradas e, na véspera do quarto aniversário, atingiu a marca de 500 mil acessos.

Para realizar a busca, basta digitar o endereço de localização para a ferramenta apontar os pontos mais próximos.

De acordo com Fernando von Zuben, diretor de Meio Ambiente da Tetra Pak, no início deste ano o buscador também foi lançado como aplicativo para iPhone e iPad e pode ser baixado gratuitamente pela Apple Store.

“O nosso objetivo é conscientizar a população, tornar as informações da cadeia da reciclagem disponíveis e, desta forma, aumentar o volume de embalagens recicladas no país”, completa Fernando.

Reciclagem

As embalagens da Tetra Pak são 100% recicláveis e o Brasil é um dos grandes recicladores mundiais, além de pioneiro em algumas das tecnologias de reciclagem deste tipo de envase.

Elas podem ser transformadas em caixas de papelão, canetas, vassouras, telhas e placas para construção civil, entre outros materiais. Atualmente, mais de 32 empresas brasileiras reciclam a embalagem da Tetra Pak, gerando empregos e renda em uma cadeia de reciclagem que cresce ano a ano no País.

A Tetra Pak é líder mundial em soluções para processamento e envase de alimentos, atendendo às necessidades de centenas de milhões de pessoas em mais de 170 países ao redor do mundo.

Com aproximadamente 22 mil funcionários, baseados em mais de 85 países, a empresa adotou o slogan “protege o que é bom”, para dar ênfase à sua filosofia de tornar o alimento seguro e disponível, em qualquer lugar.

Mais informações sobre a Tetra Pak estão disponíveis no site http://www.tetrapak.com.br..

Fonte: Tetra Pack