Manobra Radical

Busca


Ilha do Guajiru: a Cancún cearense

Publicado em 18/11/2013 - 22:38 por | 1 Comentário

Categorias: Guia de Viagem, Kitesurf

  • Enviar para o Kindle
Ilha-do-Guajiru-Foto-2-Natinho-Rodrigues

Set Teixeira e Erick Anderson-Ilha-do-Guajiru-Foto-2-Natinho-Rodrigues

Na reportagem especial deste domingo daremos continuidade ao projeto de mapeamento dos paraísos litorâneos da Costa Oeste do estado. Dessa vez nosso destino será uma praia que além de ser chamada de ilha também é conhecida como Cancún cearense e nos últimos anos tem atraído visitantes do mundo inteiro à procura de seu clima bucólico de vila de pescadores e da adrenalina dos seus ventos para a prática do kitesurf. Então vamos direto e sem escalas para a Ilha do Guajiru, mais um paraíso tropical que ajudou a consolidar o Ceará na rota internacional do kitesurf e dos esportes radicais.

Ilha-do-Guajiru-Foto-Natinho-Rodrigues

Set Teixeira-Ilha-do-Guajiru-Foto-Natinho-Rodrigues

Pegando a estrada

Essa aventura iniciou a 150km da Capital cearense, na Praia do Guajiru. O plano era ir pra Jericoacoara dividindo a dura viagem de 300km ao meio. Como a Praia do Guajiru é o ponto equidistante entre Fortaleza e Jeri, ficaríamos dois dias por lá e depois partiríamos em direção ao nosso destino final. A equipe era composta por mim, George Noronha, o surfista profissional e neófito no kitesurf, Adilton Mariano, Bruno Nogueira e os fenômenos da nova geração do kitesurf modalidade freestyle, Set Teixeira e Erick Anderson.

Após dias incríveis de manobras radicais na Lagoa do Jegue, na Lagoinha e na Praia do Guajiru, decidimos seguir nossos planos e partir para Jeri. Foi quando Bruno perguntou se eu já conhecia a Ilha do Guajiru. Falei que já tinha ouvido falar, mas no fim das contas eu sempre confundia e imaginava que era um só lugar. Foi quando descobri que a Ilha do Guajiru era na verdade uma pequena península formada por uma lagoa salgada que muda com a maré, o que de certa forma parecia trazer um charme especial para o lugar.

Ilha-do-Guajiru-Foto-3-Natinho-Rodrigues.

Erick Anderson-Ilha-do-Guajiru-Foto-3-Natinho-Rodrigues.

Com a mudança nos planos decidimos seguir pela estrada até o município de Itarema e de lá ir para Guajiru, mas dessa vez, a ilha. Ainda no caminho a equipe deu uma parada na estrada para avaliar as condições do vento, ao lado de uma lagoa. Quando descemos do carro vimos que o vento estava muito, mas muito forte! Ainda estávamos a quilômetros da praia e o vento bufava como um tufão. Mesmo assim a dupla de garotos não se intimidou com as condições extremas e tocamos para a praia.

Antes mesmo de chegar, já dava pra perceber que a escolha do nome do lugar fora muito feliz. Depois que passamos da área mais urbana começamos a perceber que a natureza no caminho nos envolvia, como um oásis no calor escaldante do Ceará.

Mas, nada se comparou à primeira visualização da Ilha do Guajiru. A estrada acabou na areia da praia e bastou o carro parar para que a turma saltasse correndo e começasse a armar o circo: desenrola fios, estica, puxa, infla as pipas, ajeita o trapézio… e finalmente, os meninos decolam, no sentido mais literal da palavra.  O vento estava ainda mais forte. Até mesmo o simples ato de ficar em pé na beira da praia estava difícil.

Bastou a turma cair na água para mudar a rotina da pacata praia, ou melhor, da Ilha. Bruno e Adilton ficaram mais comedidos, já que o vento estava over. Mas Set e Erick não desperdiçaram a chance de radicalizar em suas manobras mais agressivas e aproveitaram o visual de fundo para garantir as incríveis imagens que ilustram essa reportagem.

Ilha-do-Guajiru-Foto-4-Natinho-Rodrigues.

Erick Anderson-Ilha-do-Guajiru-Foto-4-Natinho-Rodrigues.

“Acho a Ilha do Guajiru um dos lugares mais bonitos que já vi. Velejar aqui é fantástico! Só entende quem já teve a oportunidade de ver esse visual com os próprios olhos. Costumo vir aqui para fazer fotos, mas eu sempre digo aos amigos que as fotografias dão apenas uma noção de toda a beleza desse lugar”, declarou Set.

Na minha opinião ele não exagerou. A beleza do lugar realmente é de chamar a atenção. Não é à toa que muitos estrangeiros ao se depararem com um quadro desses deixem tudo para trás: família, amigos, emprego e venham se instalar por aqui, como foi o caso do italiano, dono da única pousada de frente pro mar. E se olhando da praia a vista geral já era de encher os olhos, fico imaginando visto de quase dez metros de altura, nos saltos vertiginosos que a dupla mandava como se estivessem brincando com arraias gigantes. Infelizmente, acho que nunca vou conseguir ter a mesma vista dessa dupla, pois, o nível que esses legítimos representantes da nova geração do kitesurf freestyle cearense atingiu, definitivamente não é para qualquer mortal.

Ilha-do-Guajiru-Foto-5-Natinho-Rodrigues.

Erick Anderson-Ilha-do-Guajiru-Foto-5-Natinho-Rodrigues.

Ficamos contemplando aquele visual paradisíaco por quase quatro horas, fazendo o que costumo chamar de “gastar o visual”, apreciando todas as belezas que nos cercavam: os barcos e jangadas na lagoa salgada, as árvores e as casinhas na estreita faixa de areia que nos separava do mar, o balé dos coqueiros que muitas vezes pareciam que iriam sair voando arrancados pela força do vento, o mar avançando calmamente à medida que o tempo passava e a água verde esmeralda, tão transparente que dava pra ver peixes e até alguns cavalos marinhos na areia branquinha do fundo. Naquele instante entendi porque a Ilha do Guajiru tem o apelido de Cancún cearense.

Jogada Jogada

Ilha-do-Guajiru-Foto6-Natinho-Rodrigues.

Ilha-do-Guajiru-Foto6-Natinho-Rodrigues.

Ilha-do-Guajiru-Foto 7-Natinho-Rodrigues.

Ilha-do-Guajiru-Foto 7-Natinho-Rodrigues.

 

A diversão estava boa, mas ainda tínhamos um bom pedaço de estrada para percorrer. Decidimos então desarmar o circo e seguir o mais rápido possível para Jeri.

Partimos por volta das 16h e chegamos à Praia do Preá quase cinco da tarde. O Preá é a última praia antes de se chegar em Jeri e o plano inicial da equipe era todos chegarem velejando. Mas, o cair da noite ameaçava o projeto e toda a correria para sair da Ilha do Guajiru e pegar a estrada estava prestes a se tornar em vão. Contudo, todos decidiram assumir o risco e enfrentar os 17km que separam as duas praias em um downwind alucinado, comigo os seguindo de carro pela beira da praia. E para não fugir à regra os atirados Set Teixeira e Erick Anderson desgarraram na frente e já nos primeiros quilômetros deixaram Bruno e Adilton para trás. Eu ia os seguindo muito perto da água, praticamente a cinco metros dos dois. Era inacreditável a velocidade que a dupla imprimia a seus kites. Em determinados momentos o velocímetro do carro passava de 60 km/h. Eu não podia acreditar no que via. Dois garotos “voando” na mesma velocidade que eu, contudo, enquanto eu era impulsionado por 170 cavalos eles contavam apenas com suas pranchas, pipas e uma lâmina de água que em muitos momentos deveria não ter mais que cinco centímetros, apenas o suficiente para que eles planassem sobre as águas, literalmente na beira do mar.

Ilha-do-Guajiru-Foto 8-Natinho-Rodrigues.

Ilha-do-Guajiru-Foto 8-Natinho-Rodrigues.

Faltando apenas alguns quilômetros para chegarmos a Jeri e poucos minutos para o sol se despedir do dia chegava a hora de tomar a decisão mais radical de toda a viagem. Não daria mais para seguir de carro pela praia o que significava que se alguém tivesse algum problema correria o risco de ficar perdido no mar e na escuridão esperando por socorro em uma parte da praia onde carros não teriam acesso.

Contudo, ninguém quis desistir e sem perder tempo combinamos que dali a mais ou menos vinte minutos nos encontraríamos no pé da famosa Duna do Pôr do Sol de Jeri. Os quatro se lançaram à própria sorte enquanto eu via as suas pipas desaparecerem em meio às dunas.

Assim que cheguei em Jeri ainda tive tempo de ver o por do sol antes que os meninos desarmassem todo o equipamento. Foi quando nos demos conta que o Adilton não chegava. Já estava ficando escuro e temíamos que ele tivesse tido algum tipo de problema e ainda estivesse no mar. Felizmente, logo que ele entrou em Jeri já tratou de sair da água e antes que déssemos início a qualquer plano desesperado de socorro o encontramos. Terminava ali uma aventura incrível entre as principais praias do Litoral Oeste do Ceará.

Ilha-do-Guajiru-Foto 9-Natinho-Rodrigues.

Ilha-do-Guajiru-Foto 9-Natinho-Rodrigues.

Durante essa missão exploratória conhecemos muitas pessoas de bem e lugares de sonho. Praias desertas, comunidades hospitaleiras, lagosta, peixe, fresco, camarão, sonoras gargalhadas, muita adrenalina, diversão e a certeza de que ainda existem muitos paraísos pouco explorados entre o céu e os quase 600 km do litoral cearense. O único problema depois de uma viagem como essa é que não dá pra saber qual será o próximo destino, porque ainda existe tanto o que se mostrar e conhecer que uma vida parece pouco para desfrutar tudo o que a natureza desse paraíso na Terra chamado Ceará tem a oferecer.

SAIBA MAIS

O Ceará possui 573 km de litoral e ainda é possível ver, em determinados trechos, quilômetros a fio de praias desertas de areia branca;

A Ilha do Guajiru na verdade não é uma ilha. Está mais para uma península já que existe uma comunicação por terra entre ela e o continente, digamos assim;

Em nem toda a extensão do litoral cearense é permitido o trânsito de veículos. Locais como Cumbuco, Flexeiras e muitos outros proíbem o trafego inclusive com fiscalizações na areia e aplicação de multas. Por isso, se informe antes de sair desbravando as praias;

Outra dica importante para aqueles que pretendem se aventurar de 4×4 nas praias cearenses é ficar atento às variações da maré. O ideal é viajar quando a maré está bem seca por volta do meio dia. Assim você viaja pela manhã com a maré secando e a tarde com ela enchendo e não arrisque. Quando achar que a segurança está comprometida volte para a estrada, que por sinal é muito bem sinalizada;

E a última dica é, nunca viajar pela beira da praia sozinho e procurar sempre alguém mais experiente para pegar algumas dicas e macetes de como andar com segurança em off-road.

Vento over: acima dos limites aceitáveis de segurança. Muito forte.

Ilha-do-Guajiru-Foto 10-Natinho-Rodrigues.

Ilha-do-Guajiru-Foto 10-Natinho-Rodrigues.

Tags: , ,

Comentários

Aline Lima

em 19 de novembro de 2013

Belas imagens!!!


Autores

Editora Verdes Mares Ltda.

Praça da Imprensa, S/N. Bairro: Dionísio Torres

Fone: (85) 3266.9999

teste