Busca

08:52 · 21.08.2017 / atualizado às 09:12 · 21.08.2017 por
O iPhone 6 Gold tem suporte no Brasil

Quando vamos a outro país, notadamente nos EUA, sempre há esta dúvida se vale a pena comprar um eletrônico por lá por conta da garantia. Pelo preço, certeza que quase sempre vale. Mas pela garantia é outra conversa.

Consultamos as assessorias de 4 marcas internacionais que atuam fora e aqui no Brasil. Tanto a Lenovo quanto a Motorola, controladas pelo mesmo grupo, afirmam que só dão suporte técnico por meio de seu Serviço de Atendimento e Vendas ao Consumidor apenas a produtos da marca produzidos e adquiridos no Brasil, ou seja, não dá para comprar lá fora e tentar suporte aqui. Portanto nada de tentar comprar o Moto Z2 Play nos EUA caso queira ter garantia no Brasil.

>>>Onde comprar iPhone com segurança no exterior

>>>Comprar computador no exterior vale a pena? Confira quem dá garantia mundial

A Samsung Brasil também não fornece garantia para smartphones comprados em outros países. Nada de achar que aquele Galaxy S8 comprado em Londres e com problema vai ter suporte em solo nacional.

Apple
Então está tudo perdido? Não há garantia internacional para nenhum smartphone? Não é bem assim. No caso da Apple há suporte para seus smartphones no Brasil. Há algum tempo ela só dava suporte de 1 ano para os aparelhos que havia sido licenciados por aqui pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Porém, como aconteceram alguns processos na Justiça a gigante acabou aceitando e agora é possível resolver problemas diretamente com o suporte da Apple.

Apesar disso, quando liguei para o suporte da Apple, no final do ano passado, para saber da troca do meu aparelho, eles pediram sim o código dele atrás para saber se ele havia sido homologado pela Anatel. Então, para evitar dores de cabeça, consulte que modelos são aprovados pela Agência aqui antes. No caso dos mais recentes aparelhos da Apple (iPhone 7 e 7 Plus) os homologados da Anatel são: A1778 (iPhone 7) e A1784 (iPhone 7 Plus).

Chineses
Os aparelhos chinesas, apelidados de “xinglings” por aqui e que não tem nem representantes no Brasil podem ser comprados via internet. Porém, eles não têm suporte algum. Há casos, até, de vendedores que aceitaram ressarcir os clientes pelo aparelho com defeito ou trocaram o defeituoso por um novo, mas isso não é regra. Até porque, a viagem é longa para chegar ao Brasil e ainda tem uma possível taxação pela Receita Federal. Além disso, o produto ainda pode chegar quebrado. O preço destes aparelhos e configurações, geralmente, são bem melhores que muitos aparelhos locais e isso é sempre um atrativo. Mas, é sempre bom pesar os prós e os contras.

Anatel contra xinglings
A Anatel já avisou que irá suspender, a partir de setembro, os celulares considerados irregulares. A medida visa impedir que dispositivos sem certificação da Agência sejam ativados e usados no Brasil. Somente os novos, comprados a partir de 1º de setembro, serão bloqueados. Os antigos seguem em funcionamento. Isso deve afetar diretamente os chineses ou “xinglings”. Veja matéria completa aqui.

00:32 · 21.08.2017 / atualizado às 10:38 · 16.08.2017 por

 

Novos planos para o uso do iCloud. Melhorou, mas segue inferior ao Google Drive

Só quem já perdeu alguma coisa sabe o quanto é doloroso. E eu não falo apenas daquele fone de ouvido preferido que se encaixa perfeitamente na sua orelha. Perder aquela pasta inteira de fotos do casamento ou, pior ainda, perder simplesmente tudo que existe no seu computador é uma mágoa que perdura por anos. Quem nasceu no final da década de 80 e começo de 90, ainda deve lembrar dos famigerados disquetes, onde as pessoas copiavam seus arquivos para transporte ou mesmo para guardar. Foi pensando nessa necessidade de fazer cópias de segurança que a norte-americana Iomega apresentou, em 1994, o Zip Drive, o aclamado sistema de backups que fez sucesso na década de 90 e começo dos anos 2000.

Mas as tecnologias evoluíram. Hoje, a maneira mais fácil (e rápida) de guardar informações e proteger os seus documentos é na nuvem. Mas ainda tem muita gente que não sabe exatamente o que é a nuvem, ou melhor ainda, em qual “céu” ela fica.

Na informática, o conceito de nuvem é simplesmente tudo que está na Internet, ou seja, tudo que você pode acessar, mas não está fisicamente dentro do seu computador. Os seus e-mails e os sites que você acessa estão na nuvem, por exemplo. Dos grandes dos serviços de armazenamento, foi o Box, em 2005, que lançou o primeiro serviço de hospedagem de dados online. Vendo que o modelo de negócio era interessante e poderia, no futuro, dar bons lucros, os estudantes do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, Drew Houston e Arash Ferdowsi, lançaram, em junho de 2007, o DropBox, hoje um gigante do armazenamento virtual.

Com a promessa de 2GB de hospedagem online e diversas opções para aumentar gratuitamente o espaço na nuvem, o serviço da empresa dos estudantes se tornou sucesso entre os internautas. A publicitária Thalyta Magalhães não conhecia o serviço, mas hoje não vive sem. “Eu recebi o convite de um amigo e passei a usar depois que vi como era prático”. Ela conta que para editar as fotos em programas profissionais, antes tinha que conectar sempre o celular no computador para passar os arquivos. “Agora o celular manda as fotos pro DropBox e quando eu ligo o computador elas já estão lá. É muito prático porque é tudo automático, eu não preciso fazer nada”, explica.

Percebendo que a nuvem seria a próxima revolução no mundo da informática, a Microsoft lançou, apenas dois meses depois do DropBox, o SkyDrive, hoje conhecido como OneDrive, outro dos grandes serviços de nuvem pessoal. Apesar de oferecer o serviço gratuitamente em suas contas, a nuvem da empresa de Bill Gates tem ganhado seguidores com seus pacotes de 1TB por preços supercompetitivos, aproximadamente R$ 60 por ano, para ter direito ao espaço de armazenamento e, de quebra, ainda levar uma licença original dos principais aplicativos do Office mais recente disponível.

O hobby da assistente social Luciene Cavalcante ocupa muito espaço em seu computador. A ex-funcionária pública gosta de tirar fotos e cada clique na câmera profissional produz um arquivo de aproximadamente 10mb. “Eu geralmente tiro 50 fotos em um ensaio, só aí já são 500mb, não tem espaço que dê jeito”. Ela conta ainda que o medo de perder os arquivos era constante. “Eu até comprei um HD externo mas eu nem sei usar direito”. Ela esclarece que a versão gratuita da plataforma da Microsoft tem atendido bem suas necessidades. “Nesses 30GB eu guardo as coisas principais, aquilo que eu tenho mais medo de perder sabe?”.

O professor Rodrigo Dantas também não conhecia “as nuvens”. Ele revela que já tinha o serviço e nem sabia. “Eu tinha comprado uma licença do Office pro meu irmão e nem sabia que a versão que eu paguei dava direito à mais quatro usuários e muito menos que cada um tinha direito à 1TB de espaço”. O enfermeiro recorda que um amigo foi fazer manutenção em seu computador e descobriu por acaso. “Ele me perguntou se eu tinha uma licença do Office e eu falei que tinha a do meu irmão. Quando eu entreguei a caixa pra ele veio a surpresa”. Ele lembra que ficou tão contente que ‘presenteou’ o amigo com uma das outras três licenças disponíveis.

A ‘surpresa’ da nuvem veio em um bom momento. Rodrigo explica que já teve problemas com o HD de uma máquina relativamente nova, de apenas três anos. “Na época eu perdi simplesmente tudo”. Hoje, o profissional da saúde explica que não tem mais esse problema. “Eu uso pra salvar tudo que tem no meu computador, se der algum problema, tá tudo na nuvem”. Como também é professor, ele explica que a facilidade de fazer coisas em seu computador e ter todo o conteúdo disponibilizado em seu tablet é muito prático. “Antes eu tinha que salvar, enviar por e-mail pra mim mesmo para poder abrir e seu fizesse alguma alteração, tinha que enviar de novo”. Ele esclarece que os R$ 60 que pagou pela licença compartilhada de um ano da versão Home vale cada centavo. “Quando acabar vou comprar de novo!”, promete.

Inovação

Dona de um ecossistema bem completo, a Apple não poderia ficar sem o seu serviço armazenamento virtual. Junto do iPhone 4s e do iOS 5, a gigante de Cupertino disponibilizou, em outubro de 2011, o iCloud para todos os usuários que tinham uma conta da “Maçã”. O diferencial da nuvem da empresa de Steve Jobs seria os backups automáticos dos aparelhos feitos durante a madrugada e a integração simbiótica que o sistema ofereceria aos usuários em todos os seus aparelhos. A aposentada Maria Lima adora a forma como o aplicativo Fotos trabalha. “Eu tiro uma foto no celular e quando eu chego em casa já está no tablet. Se eu tirar com o tablet, em poucos segundos está no celular, é muito fácil”. Ela explica que gosta de ver as fotos na tela maior antes de postá-las em suas redes sociais. “Tem que ver se a foto tá boa antes de postar né?”, brinca.

E a empresa da Maçã ainda inovou mais uma vez. Em 2013, quando lançou o iOS 7 e o OS X Maverics, a companhia ressuscitou o antigo Keychain do MobileMe, que havia sido deixado de lado com a chegada do iCloud, em 2011. Com um novo nome, a novidade das “Chaves do iCloud” era que as senhas digitadas nos dispositivos móveis também eram guardadas no serviço online. Quando ativado, todas as senhas de redes sem fio ou digitadas em sites nos dispositivos da maçã eram sincronizados  automaticamente. O administrador Francisco Leite usa o serviço direto. Como viaja muito, o gerente de contas se conecta em pelo menos 10 redes em fio diferentes por mês. “O Keychain facilitou muito o meu dia-a-dia. Sempre que vou à um hotel novo, eu digito a senha apenas no celular. Quando chego no quarto, o tablet e o computador já estão conectados e com os meus e-mails mais recentes, é ótimo”.

Outra novidade da Maçã, o Continuidade, permite que o usuário comece a trabalhar no seu computador, continue no tablet e finalize no smartphone. “Antes eu andava com um HD externo pra todo canto, era extremamente inconveniente e sem contar perigoso”, conta Francisco. Como trabalha com dados sigilosos, ele explica que tinha medo de perder as informações que transportava ou até mesmo de ser roubado. “Agora eu começo o trabalho no escritório e vou pra casa tranquilo sabendo que meus dados estão seguros e que eu vou poder trabalhar exatamente de onde eu parei”. A integração com outros usuários também aumentou o rendimento da equipe do gerente. “Os analistas não enviam mais relatórios por e-mail, eles compartilham comigo, eu faço anotações ou alterações e eles podem até visualizar enquanto eu escrevo, até mesmo pelo celular. Posso dizer que mudou a maneira como eu trabalho”, finaliza.

Preços

Para não ficar pra trás, em 2012, o Google disponibilizou, para sua extensa base de usuários, o Google Drive. O diferencial da dona do Gmail são os seus espaços de armazenamento, que chegam aos absurdos 30 Terabytes. Para ter acesso à esses “hectares” de espaço virtual, entretanto, o usuário precisa desembolsar mensalmente R$ 1.049,99.

Mas a criadora do Android, assim como suas concorrentes, também tem uma opção gratuita. Ao fazer uma conta do Gmail, você ganha 15GB para dividir entre o correio eletrônico e o Drive. A vantagem da nuvem da subsidiária da Alphabet, é que o Google Fotos, parte do sistema que trata as imagens, oferece espaço ilimitado para as fotos tiradas com o smartphone. Em comparação ao que a Microsoft oferece, o Google cobra R$ 350 por ano para dar direito ao mesmo 1TB que os usuários do Office 365 Home têm por aproximadamente R$ 60. Já o Dropbox é o mais limitado em sua conta grátis, oferece apenas 2GB.

Apesar de ter o melhor custo benefício nas versões pagas, a conta grátis da Microsoft já foi melhor. Na época do SkyDrive, a empresa de Bill Gates chegou a oferecer 25GB para quem se cadastrasse no serviço. Pouco tempo depois, reduziu o espaço para 15GB, mas oferecendo um bônus de 15GB para quem usasse o envio automático de fotos para a nuvem da empresa, totalizando 30GB. Em outubro de 2014, o OneDrive chegou a oferecer espaço ilimitado para quem assinasse o Office 365. A promoção, entretanto, foi cancelada pela empresa apenas um ano e um mês depois, alegando que as pessoas estavam abusando do termo “ilimitado”. Quem faz uma conta da Microsoft hoje recebe “apenas” 5GB, o mesmo que a versão sem custos da Apple que, a partir do iOS 11, permitirá o compartilhamento do espaço comprado, algo ainda não disponível nas outras empresas.

Pouco conhecido, e talvez por isso pouco utilizado, o MEGA oferece hoje a melhor opção gratuita: 50GB de espaço. Sua versão paga porém, não é muito atrativa, já que cobra €$ 99, hoje cerca de R$ 380, para os mesmos 1TB que a Microsoft cobra cerca de R$ 60 na assinatura família. Apesar de oferecer 10GB de graça, o pioneiro Box tem o pior valor pago, cerca de R$ 500 por míseros 100GB.

 

13:52 · 18.08.2017 / atualizado às 13:54 · 18.08.2017 por
Arte conceito do futuro Xiaomi Mi Mix 2

O futuro smartphone da Xiaomi, Mi Mix 2, chega ao mercado mundial no próximo dia 12 de setembro. O modelo mais básico custará US$ 599,99. Já a versão mais cara terá preço de US$ 749,99. Terá as cores prata, preto e branco.

O aparelho virá com tela de 6 polegadas, bateria de 3.400 mAh, câmera traseira de 12 MP (Sony IMX386) e frontal de 8 MP. Os modelos virão com 6GB de RAM e 128GB de armazenamento interno e 8GB de RAM e 256GB de armazenamento interno. Terá USB-C.

Veja abaixo vídeo da arte conceito do Xiaomi Mi Mix 2 que pode indicar que ele tem um leitor de retina:

07:36 · 18.08.2017 / atualizado às 08:06 · 18.08.2017 por
Mouse Atheris da Razer

A Razer anuncia o Razer Atheris, o mais avançado mouse sem fio para notebook com a promessa do maior tempo de duração de bateria do mercado e melhor desempenho em jogos sem atrasos de comunicação (lags). Segundo a Razer, o equipamento foi projetado para quem precisa de mobilidade, seja para trabalhar, jogar ou competir. O Razer Atheris promete até 350 horas de autonomia em uso contínuo com apenas um par de pilhas AA, o suficiente para enfrentar as mais longas reuniões de negócios e as mais intensas maratonas de games. Ele terá preço sugerido no Brasil de R$ 399 com disponibilidade no Brasil para começar a vender em Outubro deste ano.

O Razer Atheris conta com a tecnologia proprietária wireless da Razer “Adaptative Frequency Technology” (AFT), que, segundo a Razer, oferece a melhor transmissão de dados do mercado para uma conexão estável e confiável. A AFT funciona via porta USB com um dongle compacto e também por conexão Bluetooth LE.

O novo mouse da Razer tem design ambidestro e é equipado com um sensor ótico de 7200 DPI, que promete torná-lo extremamente preciso até mesmo em uso com múltiplos monitores de alta resolução, dando uma vantagem sem igual tanto para profissionais de criação quanto para gamers.

“Criamos o Razer Atheris para ser o mouse mais avançado em termos de produtividade e mobilidade, permitindo aos usuários que joguem ou trabalhem com máximo desempenho em qualquer situação, seja numa sala de reuniões, em uma arena gamer ou qualquer outro lugar”, disse Min-Liang Tan, cofundador e CEO da Razer. “O Razer Atheris supera os mouses concorrentes com confiabilidade inigualável”.

Características do produto
• Autonomia de bateria para uso contínuo de até 350 horas com um único par de pilhas AA (no modo Bluetooth)
• Sensor óptico de 7.200 DPI
• Conectividade dupla
Via Bluetooth (BLE)
Via frequências wireless de 2,4 GHz por tecnologia de frequência adaptativa (AFT)
• Formato ergonômico e ambidestro
• Design compacto (o dongle pode ser guardado no próprio mouse, sem a necessidade de estojo de transporte)
• Cinco botões Hyperesponse independentes e programáveis
• Tamanho aproximado: 9,97 cm (comprimento) X 6,28 cm (largura) X 3,41 cm (altura)
• Peso aproximado 66g (sem pilhas)

13:25 · 17.08.2017 / atualizado às 13:40 · 17.08.2017 por

A Amazon.com.br anuncia a terceira edição da Book Friday, a Black Friday para quem ama ler. Das 12h do dia 17 de agosto às 23h59 do dia 18 de agosto, clientes poderão aproveitar descontos de até 80% em mais de 35 mil livros, tanto impressos como digitais; R$ 80 de desconto nos e-readers Kindle e Kindle Paperwhite; e frete grátis para todo o Brasil em todos os pedidos feitos durante o período da promoção.

Clientes terão R$ 80 de desconto na compra do Kindle (de R$ 299 por R$ 219) e do Kindle Paperwhite (de R$ 479 por R$ 399), ambos nas cores preto ou branca. Os e-readers podem ser adquiridos no site brasileiro da Amazon em até 12x sem juros no cartão de crédito. Clientes que comprarem dispositivos Kindle durante a Book Friday terão a oportunidade de assinar Kindle Unlimited por R$ 1,99 pelos primeiros três meses, o que significa um desconto de 90% sobre o valor regular da assinatura (preço normal de R$ 19,90 ao mês).

Alguns livros impressos com descontos de até 80%:
Caixa Harry Potter – Edição Premium Exclusiva Amazon, por J. K. Rolling – de R$ 249,50 por R$ 139,90
A Guerra dos Tronos – Edição Ilustrada Exclusiva, por George R. R. Martin – de R$ 129 por R$ 54,90
Demolidor – O Homem Sem Medo, por Frank Miller – de R$ 62 por R$ 36,90
Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas, por Dale Carnegie – de R$ 55 por R$ 27,90
Guia Politicamente Incorreto dos Anos 80 Pelo Rock, por Lobão – de R$ 59,90 por R$ 29,90
O Conto da Aia, por Margaret Atwood – de R$ 44,50 por R$ 24,90
As Crônicas de Nárnia. Brochura, por C. S. Lewis – de R$ 99,90 por R$ 19,90
Livros digitais com descontos de até 80%, incluindo títulos como:
Laranja Mecânica, por Anthony Burgess – de R$ 27,90 por R$ 13,95
Cidade dos etéreos (O lar da srta. Peregrine para crianças peculiares Livro 2), por Ransom Riggs – de R$ 34,90 por R$ 13,96
A História do Mundo Para Quem Tem Pressa, por Emma Marriot – de R$ 29,90 por R$ 14,95
Depois de você, por Jojo Moyes – de R$ 24,90 por R$ 14,95
A Culpa É das Estrelas, por John Green – de R$ 24,90 por R$ 9,96
Grey (Cinquenta tons de cinza), por E. L. James – de R$ 29,90 por R$ 5,98
Caixa de Pássaros, por Josh Malerman – de R$ 22,90 por R$ 9,16

EBooks selecionados com desconto de 90% a cada seis horas – válido a partir das 12h da quinta-feira (17) até 23h59 da sexta-feira (18). Além disso, pela primeira vez, a Book Friday contará com ofertas de terceiros, como sebos e outras livrarias que vendem na Amazon.com.br. Muitos também oferecerão frete grátis para todo o Brasil. Entre os destaques oferecidos por vendedores do Marketplace estão:
– Mais de 150 títulos raros da editora Cosac Naify
– Livros com descontos de até 80% de vendedores selecionados.

12:50 · 17.08.2017 / atualizado às 12:50 · 17.08.2017 por

Os preços do comércio eletrônico recuaram 5,52% em julho, na comparação com o mesmo período de 2016, a maior queda desde março de 2013, de acordo com a medição do Índice FIPE Buscapé. Em relação a junho de 2017, os preços registraram queda de 0,42%.

Das dez categorias monitoradas pelo índice FIPE Buscapé, seis apresentaram redução. São elas: telefonia (-17,43%), fotografia (-5,58%), eletrônicos (-4,54%), informática (-4,20%), moda e acessórios, (-4,13%), esporte e lazer (-0,50%). Brinquedos e games (5%), seguido por cosméticos e perfumaria (1,03%), casa e decoração (0,72%) e eletrodomésticos (0,12%) foram os grupos que apresentaram expansão nos preços.

“Julho registrou o oitavo mês consecutivo de deflação e o sexto mês de desaceleração dos preços do e-commerce. Depois de uma escalada de preços entre 2015 e 2016, o Índice FIPE Buscapé voltou a apresentar o comportamento esperado, que é o de queda constante nos preços”, disse Sandoval Martins, CEO do Buscapé.

Por conta de sua composição e características, a cesta de produtos do e-commerce tende a ser deflacionária em condições ideais de mercado. A comparação é feita sempre dos mesmos produtos, que propendem à desvalorização com a disseminação da tecnologia, lançamento de um produto superior na mesma categoria ou troca de coleção e mostruário.

Preços gerais
A inflação dos preços gerais, medida pelo IPCA, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) foi de 3,71% nos últimos 12 meses terminados em junho, a menor taxa desde fevereiro de 1999, o que mostra que os preços do comércio eletrônico tiveram variação de -8,3% em relação aos preços gerais da economia.

Segue abaixo a série histórica do Índice FIPE Buscapé:

FIPE Buscapé

Sobre o índice FIPE Buscapé
O Índice de Preços FIPE Buscapé acompanha os preços de produtos oferecidos no comércio eletrônico brasileiro desde 2011. São considerados cerca de 41 mil produtos únicos, que representam aproximadamente 80% das compras por meio deste canal. O índice é calculado com base em mais de 3 milhões de preços mensais, extraídos da plataforma do Buscapé, e em pesos derivados de pesquisa anual com cerca de 3,6 milhões de e-consumidores, realizada pela Ebit, empresa referência em informações sobre o e-commerce do país. Os dados também estão disponíveis no site da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE).

O Buscapé
Empresa de comparação de preços no Brasil, o Buscapé recebe mensalmente mais de 60 milhões de visitas e compara preços de mais de 25 milhões de produtos vendidos por 8,5 mil lojas.

09:49 · 17.08.2017 / atualizado às 08:30 · 18.08.2017 por
Game tem o personagem Izzy Nobre como um dos principais

O jogo brasileiro 99 Vidas, um beat´em up, ou seja um jogo de briga de rua com foco em combate corpo a corpo contra vários inimigos que atacam em bando, estará em breve, ainda em 2017, no Nintendo Switch.

Este jogo é uma parceria entre o podcast 99 Vidas e o estúdio brasileiro QuByte Interactive e só foi concebido graças a um financiamento coletivo via Catarse.

99 Vidas já está disponível na PlayStation Store para PlayStation 3 e 4 e PS Vita, além de PC Windows, Mac ou Linux via Steam ou Nuuvem – serviços para compra de games online.

Você poderá jogar com até 11 personagens, entre eles figuras conhecidas do próprio podcast como Izzy Nobre e Jurandir Filho (Juras). Há modos História, Versus e Sobrevivência. Inclusive, vendo o vídeo de um youtuber jogando com Izzy o texto tinha muito do nosso “cearensês”.

Confira abaixo o vídeo promocional anunciando que o game estará no Nintendo Switch

14:05 · 16.08.2017 / atualizado às 14:12 · 16.08.2017 por
Pense Bem era quase “meu primeiro computador” na década de 80

Segundo o site da TecToy, o Pense Bem é mais um produto que a empresa vai trazer de volta do passado para reforçar a nostaliga destes 30 anos de fundação da empresa.

“O Pense Bem foi um brinquedo que marcou uma geração e foi um dos maiores sucessos da indústria no final da década de 80”, diz página da TecToy.

O Pense Bem era vendido como uma espécie de minicomputador. Lembrando que naquela época este tipo de equipamento começava a ganhar interesse e chegar até as casas das pessoas – notadamente nos EUA.

O novo TecToy terá 10 jogos como: Desafios Matemáticos com as quatro operações básicas e Desafios Musicais. Também virá com um teclado musical com a função de pausa e mais 9 notas musicais e virá com um livro de atividades programadas. Serão 150 questões de temas variados.

Preço
Aí é que mora o problema. Para ter este Pense Bem em casa você terá que pagar R$ 269 na pré-venda do site da TecToy ou R$ 299 também por lá. Se fizessem o produto por até R$ 100 não iria sobrar uma unidade na fábrica para contar a história.

07:33 · 16.08.2017 / atualizado às 07:33 · 16.08.2017 por

O Facebook traz mais maneiras de capturar e compartilhar momentos com a câmera do Facebook em dispositivos iOS e Android. Confira:

– Live: Agora é possível entrar ao vivo a partir da câmera do Facebook. Quando estiver ao vivo, o seu vídeo aparecerá em Sua História para o público que escolher. Você pode entrar ao vivo apenas pelo Stories ou optar por também criar um post em sua linha do tempo. As centenas de efeitos criativos da câmera do Facebook também estão disponíveis agora para o Facebook Live.

– GIF: As pessoas poderão em breve dar vida às imagens, criando vídeos em loop de 2 segundos com a câmera do Facebook. Você pode compartilhar o conteúdo no Feed de Notícias, em Sua História ou enviar pelo Direct.

– Texto: Adicionado também uma opção para tornar as atualizações de texto mais visuais, a partir de mensagens em tela cheia que incluem um fundo colorido. Elas podem ser compartilhadas no Feed de Notícias, em Sua História ou diretamente pelo Direct.

06:31 · 16.08.2017 / atualizado às 10:38 · 15.08.2017 por
Samsung S8+ Gold

A Samsung apresenta a nova versão do Galaxy S8 e S8+, agora na cor dourada. A partir desta semana, o produto pode ser encontrado nas lojas oficiais da Samsung (online e físicas) e nas principais redes varejistas. Os Galaxy S8 e Galaxy S8+ têm preços sugeridos de R$ 3.999,00 e R$ 4.399,00, respectivamente.

A opção chega para complementar a paleta de cores únicas já oferecida para esta linha, com opções nas cores preto, prata e ametista. “Buscamos oferecer mais uma alternativa para que os usuários possam se expressar também por meio do visual exclusivo do produto”, afirma Renato Citrini, Gerente Sênior de Produtos da divisão de dispositivos móveis da Samsung Brasil.

A linha Galaxy S8 e S8+ com telas de 5,8 polegadas e 6,2 polegadas1, respectivamente, trazem, entre os principais destaques o Display Infinito que ocupa quase toda a frente dos dispositivos, eliminando as bordas e permitindo imersão total com imagens.

Os modelos oferecem ainda um sistema de segurança, com desbloqueio por reconhecimento de íris ou impressão digital para que os usuários possam selecionar um método de autenticação que melhor atende às suas necessidades. Outro destaque são as câmeras ainda mais precisas. A frontal possui 8MP e autofoco, característica inovadora no mercado. Já a traseira, de 12MP, conta com tecnologia Dual Pixel e abertura de f1.7, garantindo fotos brilhantes e nítidas, mesmo em baixa luminosidade.

Os dispositivos ainda contam com a carteira digital Samsung Pay, a assistente virtual Bixby, certificação IP684, que assegura resistência à água e poeira e são acompanhados de fábrica com fones de ouvido da AKG, para garantir experiência de áudio ainda mais envolvente.

Além disso, os S8 e S8+ possuem 64 GB de armazenamento interno, expansíveis com mais 256 GB via cartão microSD, mais segurança para seus documentos, fotos, vídeos e aplicativos por meio da Pasta Segura e a oportunidade de usar dois cartões SIM, para pessoas que precisam utilizar, simultaneamente, um número pessoal e um corporativo, por exemplo.