Autor: Daniel Praciano


07:08 · 14.07.2020 / atualizado às 07:57 · 14.07.2020 por
10:01 · 10.07.2020 / atualizado às 10:07 · 10.07.2020 por

E os aplicativos Spotify, Nubank, TikTok, Waze e Pinterest já estão abrindo normalmente no iPhone. O problema, possivelmente no SDK do Facebook, o sistema de login popularmente utilizado por desenvolvedores nos apps para celulares, pode ter sido o vilão.

Para o Business Insider uma porta-voz do Facebook declarou que o problema foi mesmo no Facebook SDK para o iOS e que a solução estava sendo feita naquele momento da entrevista. Foi bem rápido, mas deixou muita gente preocupada, especialmente os usuários do Nubank. Está normalizado agora. Até a próxima queda!

09:05 · 10.07.2020 / atualizado às 09:42 · 10.07.2020 por

Segundo relatos de usuários no Twitter e no Downdetector, site especializado em verificar falhas em sites e aplicativos, donos de iPhones não estão conseguindo acessar os aplicativos Spotify, Waze, Nubank, TikTok e Pinterest. Eu testei os apps desta lista e alguns amigos também e eles fecham instantaneamente quando você clica neles para abrir. “O meu e de minha abre e fecha do nada. Começou hoje”, afirma a jornalista Lia Girão.

Tentamos contato com as assessorias de imprensa da Apple e dos aplicativos e estamos buscando respostas.

Até agora, o que sabemos é que tudo começou a partir das 3h para usuários Nubank, depois das 7h para quem tem Waze e Pinterest e após às 8h para quem tem Spotify. Tudo isso hoje, sexta-feira, 10.

Segundo o The Verge, embora a causa exata das interrupções ainda não esteja confirmada, as primeiras suspeitas sugerem que o problema é causado pelo SDK do Facebook, que muitos aplicativos usam para gerenciar logins de usuários. Os usuários não precisam usar o Facebook para fazer login em um aplicativo para que isso afete seu software. Não há relatórios semelhantes dos mesmos aplicativos travando em dispositivos Android ou na Web.

Ainda de acordo com o site norte-americano, o Facebook disse em sua plataforma de desenvolvedor esta manhã que estava “ciente e investigando um aumento de erros no SDK do iOS, o que está causando o travamento de alguns aplicativos”. Em um tópico no GitHub publicado por volta das 7h, vários desenvolvedores relataram problemas com seus aplicativos. Entramos em contato com a assessoria brasileira do Facebook e estamos no aguardo de respostas.

Comentários de usuários de iPhone e do Nubank na página do serviço Downdetector

Ao testar outros aplicativos de bancos e de streaming de música não houve qualquer problema.

18:54 · 08.07.2020 / atualizado às 19:07 · 08.07.2020 por

A Samsung lançou, neste início de noite um novo smartphone: o M31. O intermediário chega por R$ 1.999 (à vista sai por R$ 1.799,10 com 10% de desconto). Ele traz 4 câmeras traseiras e uma frontal para selfies como destaques. Virá nas cores rosa, preto e azul e poderá ser comprado tanto no site da Samsung quanto em parceiros varejistas.

Configuração

O M31 tem tela de 6,4 polegadas FHD+ Super Amoled com resolução de 1080 x 2340 pixels e densidade de tela de 411 ppi Super Amoled com 16 milhões de cores. Ele tem uma tela quase sem bordas o que pode ajudar na hora de assistir a filmes e jogar.

O M31 vem com 4 câmeras principais. A primeira tem 64 MP de resolução e é uma wide. Depois o usuário terá uma câmera ultra wide com 120 graus de 8MP. A terceira lente é de profundidade, para tirar foto com aquele efeito de desfocar o fundo e tem 5MP. Por fim, há a câmera de macro, com 5MP, que vai buscar os detalhes mais interessantes nas imagens. Na frente câmera frontal há uma lente de 35 MP ideal para selfies.

O celular virá com processador quad-core 2.3 GHz Cortex-A73 + 1.7 GHz com chipset Samsung Exynos 9611 e GPU Mali-G72 MP3, 128 GB de armazenamento (expansível até 1TB) e 6GB de RAM.

Ele será Dual SIM e permitirá gravar vídeos em 4k (2160p) e 30fps nas câmeras traseiras. Na frontal faz vídeos Full HD, 30 fps.

Bateria pra durar

A bateria de 6.000 mAh com fast charging de 15W do M31 promete durar o dia inteiro sem deixar você na mão. Porém, só com testes mais precisos é possível ter certeza.

Mais

O M31 vem equipado com o Android 10 e terá leitor de impressão digital e reconhecimento facial como formas de trazer mais segurança para o desbloqueio do aparelho. Como extra também terá rádio FM.

13:16 · 08.07.2020 / atualizado às 13:22 · 08.07.2020 por

A Claro resolveu não esperar o encantado leilão do 5G que deve ficar para o primeiro semestre de 2021 (isso se não for adiado outra vez) e lançou, apenas em 9 bairros da capital do Rio de Janeiro e 14 pontos na capital de São Paulo (12 bairros e as áreas das avenidas Berrini e Paulista), o serviço 5G vai utilizar o compartilhamento dinâmico de espectro ou DSS, na sigla em inglês. Somente na próxima semana os locais terão o início efetivo do 5G DSS. Lembrando que é preciso ter um smartphone que aceite a tecnologia, como os Motorola Edge+ e Edge, para funcionar.

Os pontos que poderão ter o uso do 5G em São Paulo capital são: Cerqueira César, áreas das avenidas Paulista e Berrini, Paraíso, Ibirapuera, Moema, Brooklin, Vila Olímpia, Pinheiros, Itaim Bibi, Vila Madalena, Santo Amaro e Jardins, bem como a comunidade de Paraisópolis com hotspot para projetos educacionais e de saúde.

No Rio (capital), os bairros são: Barra da Tijuca, Jardim Oceânico, Joá, Lagoa, São Conrado, Leblon, Ipanema, Copacabana e Leme.

Preço

Neste começo não haverá valores extras para pagar pelo 5G DDS. Segundo a Claro, a recomendação é que quem quiser experimentar o serviço, além de um smartphone compatível com a nova tecnologia, contrate um plano a partir de 50GB. Este, aqui no Ceará, custa R$ 295,89 /mês.

O começo

Em São Paulo, a cobertura 5G DSS da Claro estará disponível inicialmente na região da Avenida Paulista e Jardins. Nas semanas seguintes, vai gradativamente estender-se pelos bairros Campo Belo, Vila Madalena, Pinheiros, Itaim, Moema, Brooklin, Vila Olímpia, Cerqueira César, Paraíso, Ibirapuera, além da região da Av. Berrini e também de Santo Amaro, onde fica a sede da Claro em São Paulo. Sem esquecer da comunidade de Paraisópolis com hotspot para projetos educacionais e de saúde.

No Rio de Janeiro, os primeiros pontos de cobertura estarão em Ipanema, Leblon e na Lagoa. Na seqüência devem se expandir por toda a orla, do Leme até a Barra da Tijuca, passando por Jardim Oceânico, Joá, São Conrado e Copacabana.

Os critérios de escolha para as primeiras regiões a receberem a cobertura 5G DSS da Claro levaram em conta fatores como demanda atual de tráfego e crescimento ao longo do último ano, infraestrutura de rádios já modernizada para oferta do 4.5G, além da penetração de smartphones de última geração e densidade populacional.

DSS

Através da tecnologia DSS (Dynamic Spectrum Sharing, ou, na tradução, Compartilhamento Dinâmico de Espectro), a rede da Claro passará a distribuir recursos dinamicamente entre os smartphones atuais, que operam nas gerações anteriores, e os novos, que começarão a ser vendidos em breve e que sejam compatíveis com a nova rede 5G DSS.

Com isso, clientes que adquirirem smartphones aptos já poderão ter as primeiras experiências com a tecnologia 5G, com conexões 12 vezes mais velozes que o 4G convencional.
A nova rede 5G DSS da Claro utiliza a tecnologia de Compartilhamento Dinâmico de Espectro da Ericsson para oferecer a quinta geração nas faixas de frequências disponíveis hoje, sendo que o Motorola Edge, em pré-venda a partir de hoje, conta com a tecnologia 5G baseada na plataforma móvel Qualcomm Snapdragon 765 e também compatível com o recurso DSS.

Mesmo assim, a Claro informa que aguarda o leilão para ampliar a oferta de 5G não só nos atuais pontos, mas também no restante do Brasil

Adiamento do leilão

De acordo com o ministro das Comunicações, Fábio Faria, o adiamento do leilão do 5G para o primeiro semestre de 2021, desta vez, se deve por conta da pandemia do novo coronavírus. A doença adiou importantes testes das frequências da nova tecnologia.

Ainda não está claro se o problema com a faixa de 3,5 GHz e os serviços de TV parabólica poderá ser solucionado. O Ministério das Comunicações aguarda mais estudos e isso também pesou para adiar o leilão.

10:46 · 08.07.2020 / atualizado às 14:42 · 08.07.2020 por

A Dell anunciou nesta quarta, 8, em live realizada com diretores e imprensa o novo notebook Dell XPS 13. O equipamento chega com promessa de redução de até 30% no preço e melhora na configuração. Quem comprar na pré-venda, entre 14 e 21 de julho, levará ainda 3 brindes: monitor Dell de 24 polegadas, adaptador móvel Dell USB-C e 1 ano de Premium Support Plus. O preço final do laptop inicia varia entre os modelos de R$ 8.999 até R$ 11.499.

Diego Puera, VP para consumidor final e pequenas empresas da Dell, afirmou que o novo XPS 13 será fabricado no Brasil, o que foi possível reduzir o preço mesmo com o dólar acima de R$ 5 e entregando uma máquina com configuração mais robusta. A fabricação no Brasil será em Hortolândia, em São Paulo.

A nova geração do XPS 13 estará disponível em três configurações:

  • XPS 13 com processador Intel Core i5 e tela Full HD Non touch; 512GB SSD e 8GB de memória, por R$ 8.999,00
  • XPS 13 com processador Intel Core i7 e tela Full HD Non touch; 1TB SSD e 16GB de memória, por R$ 10.499,00
  • XPS 13 com processador Intel Core i7 e tela 4K Ultra HD Touch; 1TB SSD e 16GB de memória, por R$ 11.499,00

Durante a pré-venda, os usuários que adquirirem uma das três configurações do produto também levarão de brinde os itens abaixo:

  • Monitor 24” SE2419HR, com tela Full HD (1080p) 1920 x 1080 (VGA: 60 Hz, HDMI: 75 Hz)
  • Adaptador móvel USB-C 6 em 1 da Dell | DA300
  • 1 Ano de Premium Support Plus

A promessa é que a bateria dos notebooks durem até 18 horas com 4 células de 52Wh integrado. Eles virão com teclado borda a borda, ocupando todo o espaço com teclas 9% maior e touch pad com aumento de 17%, leitor de impressão digital incorporado no teclado uma tecla sem nome (podia ter algum símbolo). Terá tela InfinityEdge de 4 lados com aumento de 6,8% 91,5% relação tela-corpo 7,8% maior e com corning Gorilla Glass 6 na tela. A tela terá 13,4 polegadas e será 1,6mm mais fina.

A memória RAM será dual channel 3733 MHz. Já o SSD de 512GB e 1TB será NVMe PCI class 40. Os processadores serão Intel Ci5 e Ci7 10ª geração com ventilador duplo, entre outras características. Iris Plus Graphics é a solução gráfica do notebook, sem placas como NVIDIA para dar maior poder ao computador e isso é uma falha grande, visto o preço do equipamento.

06:44 · 08.07.2020 / atualizado às 06:47 · 08.07.2020 por

Antigamente, quando falávamos em backup, era sempre necessário ter algum tipo de mídia física. Armazenar o conteúdo dos arquivos que queríamos salvar necessitava de disquetes, CDs, DVDs e pendrives. Felizmente, soluções em nuvem foram criadas e salvar nossos arquivos ou até mesmo compartilhá-los virou uma missão bem mais tranquila. Quando o assunto é computação em nuvem ou cloud computing, tanto empresas quanto pessoas comuns têm mais ganhos do que perdas. Para as empresas, redução de custo de armazenamento físico dos dados é uma das vantagens. Outra é que funcionários podem trocar informações com a nuvem e trabalhar de qualquer lugar, até de casa. O sonho do home office é uma realidade nos tempos atuais cada vez mais forte. “A tecnologia com videoconferência é um grande facilitador para que o profissional do futuro possa trabalhar de onde quiser. A troca de arquivos em nuvem, sem perder qualidade ou agilidade, também mudou o panorama nesse sentido,” explica Gil Van Delft, presidente do PageGroup no Brasil.

>>>Universidade de Fortaleza tem curso na área de Computação em Nuvem

Camila Zoé Frias, gerente de Comunicação do Google para a América Latina, afirma que a tecnologia da nuvem está presente no dia a dia de muitas pessoas, com diversos serviços utilizando dessa solução, seja para armazenamento on-line de arquivos, troca de mensagens, uso de chats digitais, entre diversos outros exemplos. “Com o trabalho e o estudo remoto se tornando mais necessários por conta da pandemia, estamos vendo uma aceleração na busca pela nuvem, além de observar o aumento no número de empresas que estão migrando suas diferentes cargas de trabalho para o modo remoto, com o objetivo de contar com seus benefícios como maior segurança, auxílio de ferramentas e práticas que garantam, maior velocidade e facilidade na execução de tarefas e mais segurança”, esclarece Frias.

Ela também reforça que a alta adoção da suíte de aplicativos de colaboração do Google Cloud, o G Suíte, mostra que este movimento de uso de recursos na nuvem não para de crescer. “No início do ano, a ferramenta atingiu os 6 milhões de usuários globais, entre os pacotes empresariais e educacionais. O Google Meet, ferramenta de videoconferências do G Suite, atualmente soma mais de 3 milhões de novos usuários diariamente, hospedando o equivalente a 3 bilhões de minutos de videoconferências. Em abril, a ferramenta ultrapassou os 100 milhões de participantes de reuniões todos os dias”, afirma a gestora.

Sérgio Barreira Uchôa, gerente de Desenvolvimento da Hostweb, empresa do Grupo Secrelnet, completa o que explica a gestora do Google Cloud dizendo que não há como pensar o mundo atual sem falarmos em computação em nuvem. Para ele, o consumidor não tem nem opção. Ele já usa a nuvem mesmo sem perceber. “Mesmo que não queiram já usam serviço na nuvem. Uma série de comodidades hoje em dia já fazem uso da nuvem. Fazer backup do celular, usar mensagem instantânea, recomendação de mapa, roteirização, trajetos, tudo isso só funciona por conta da nuvem. As pessoas podem optar é por comprar um serviço na nuvem. A maioria delas só usa serviço gratuito, mas o pago está se difundindo. Streaming de música como Spotify e Deezer estão em nuvem. O valor pago não é tão caro e já começam a se popularizar. Tem gente que nem sabe como vivia antes do Netflix”, afirma.

João Nunes, diretor de nuvem da Microsoft Brasil, concorda com que fala Uchôa. Para a Microsoft, a nuvem é um dos grandes motores tecnológicos da transformação digital, trazendo mais eficiência, produtividade e um ambiente de trabalho mais moderno para as empresas. “O poder e a importância da adoção da nuvem, vai muito além do backup de dados. A adoção dessa tecnologia proporciona mais rapidez e agilidade para o negócio, através de uma extensa gama de serviços e funcionalidades, incluindo recursos de Inteligência Artificial”, disse Nunes.

Para as empresas, Uchôa acredita que não é uma questão de se vai, mas quando vai, como vai e por que vai usar a nuvem? “A questão é muito certa. Vou dar uma situação comum no nosso trabalho. Um cliente chega para nós e diz que vai aumentar o projeto dele e nesta hora o cliente tem a opção de ou aumentar uma estrutura em casa ou terceirizar tudo com data center na nuvem e se focar no negócio dele. Nós conseguimos vários clientes na área de varejo, mercantil, por essa questão. Aqui em Fortaleza os mercadinhos estão crescendo muito e esse pessoal tem cada vez menos tempo para se concentrar em trocar HD ou máquinas. Vários deles são clientes nossos por isso. Eles passam a se concentrar no negócio deles e deixam essa parte técnica conosco. Eles vão focar em produto, atender melhor o cliente etc.”, garantiu Uchôa.

Frias afirma que, de acordo com a consultoria IDC, o formato de nuvem que mais cresce é o multi-cloud. “Mais da metade das empresas da América Latina devem integrar o gerenciamento da nuvem nesse tipo de estrutura até 2020. Essa opção permite que as empresas combinem opções de serviços mais competitivos ou adequados ao seu objetivo, fornecidos por diferentes provedores de nuvem. Para facilitar essa adoção, o Google Cloud oferece a solução Anthos, que permite o gerenciamento de um estrutura multi-cloud eficiente, onde é possível modernizar aplicativos e, ao mesmo tempo, implantar novas funcionalidades, além de reduzir a sobrecarga operacional e melhorar a produtividade dos desenvolvedores”, explica.

Quando migrar

Segundo Diego Santos, gestor de Tecnologia e Inovação da Locaweb, o estágio de migração é considerado quando a empresa tem ao menos base de governança, técnica e operacional para consumo por uso, para migrar com eficiência os ambientes. “Nesta fase, para uma migração eficiente, é fundamental considerar o desenho de projeto que minimize o risco de falhas e maximize o ROI (Return Of Investiment ou em português Retorno de Investimento). Muitos projetos ambiciosos de TI falham porque eles são baseados em estratégias e planos inadequados. É crítico classificar, sequenciar e ter um plano e método que sejam aderentes às cargas de trabalho, ambientes e até cultura da empresa”, afirmou Santos.

De acordo com Santos, a empresa precisa avaliar se existe um roteiro de migração que contemple um plano com recursos e detalhes sobre as atividades da ação. “O roteiro é usado para definir a ordem e dependências de suas iniciativas para atingir as metas estabelecidas, fundamentado em uma arquitetura que suporte os requisitos do negócio e a conformidade com políticas de governança”, completa.

Por fim, o gerente da Locaweb afirma que além da migração é fundamental pensar no pós também. Para chegar a esse estágio, uma empresa que já tenha passado pela migração entra no desafio de amadurecimento como loop contínuo, não um destino final. “Uma vez na nuvem é crítico no sucesso de uso desta tecnologia a manutenção com otimização de processos que viabilizarão a redução de custos e melhoria contínua de serviços, ponto em que se permite perceber o verdadeiro valor da transformação e uso da tecnologia cloud”, encerra.

Pessoa física

Para você que não tem uma empresa há algumas ótimas soluções de nuvem para salvar seus arquivos da faculdade, do colégio ou mesmo da empresa. Para você que tem notebook, desktop e celular, ter acesso a algum tipo de nuvem é vital. Hoje em dia, há ótimas máquinas com pouco armazenamento (128GB ou 256GB) e celulares com 128GB que podem parecer muito, em primeiro momento, mas depois de tantas fotos e vídeos começam a ficar pequenos. “O ambiente em nuvem permite uma série de benefícios tanto para as empresas, quanto para pessoas físicas. Uma delas é a flexibilidade de acesso aos arquivos de qualquer lugar e em diversos dispositivos; e outra é a segurança. Atualmente, com a nuvem, nem mesmo o backup de arquivos é necessário. Um exemplo disso, é o Google Fotos que é uma ferramenta em nuvem que já salva automaticamente as fotos que os usuários tiram com a câmera de seus smartphones”, afirma porta-voz do Google.

Além do Google, a Microsoft está no mercado com ótimas soluções de nuvem com preços que começam em 9 para 100GB, além da versão de 5GB gratuita. Há também soluções conjuntas com o Office 365, um pacote que também inclui programas consagrados da empresa como Word e Excel. Estas soluções podem ser importantes para pessoas que não pensam ou não podem largar a dupla de soluções citadas acima. O Excel é notório um dos principais programas de planilha eletrônica do mundo para pessoas comuns. Então, é complicado abandoná-lo em troca de outro produto.

Outra solução, essa usada por usuários da Apple, é a iCloud. Além da solução grátis de 5GB, a Apple oferta 50 GB por R$ 3,50, 200 GB por R$ 10,90 e 2 TB por R$ 34,90. O que a Apple oferta é interessante para quem já é cliente dela com iPhones, iPads e MacBooks. Porém, muitos consumidores que têm estes produtos preferem outras nuvens, principalmente a do Google.

Ainda há soluções como Dropbox que tem custo mensal de US$ 9,99 quando pago anualmente e você tem direito a 2TB no plano Plus. No plano Profissional você paga US$ 16,58 por mês na assinatura anual e tem direito a 3TB.

Segurança

Estamos na era da tecnologia, mas cada dia mais também na era das invasões e ataques cibernéticos. Como garantir a inviolabilidade dos dados na nuvem? Segundo Frias, o Google Cloud, por exemplo, investe em soluções para garantir tanto a proteção interna, quanto a das empresas que estão em sua nuvem, seja com hospedagem de infraestrutura de TI, no desenvolvimento de aplicações e análise de dados, ou no uso das ferramentas do Google Cloud Platform (GCP). “A segurança é nossa prioridade e para isso, trabalhamos frequentemente para lançar aprimoramentos de dispositivos de segurança, como os controles de serviço da VPC, criados para garantir a privacidade de dados, ou ainda o Programa de Proteção Avançada, para contas do Google de usuários com maior risco de evidência, como líderes empresariais e jornalistas. Também tomamos medidas como a Central de Alertas do G Suite, onde fornecemos orientações básicas aos colaboradores para que tenham consciência sobre ameaças digitais. Disponibilizamos ainda um relatório de transparência, onde compartilhamos dados que mostram como políticas e as ações afetam a privacidade, a segurança e o acesso à informação on-line”, garantiu.

A gerente de Comunicação do Google para a América Latina reforça que o G Suite possui por padrão controles avançados de phishing e malware, uma norma fundamental de todos os produtos e serviços do Google Cloud. “Esses modelos de combate a golpes buscam e analisam sinais de segurança em anexos, links e imagens externas, com o objetivo de bloquear ameaças. Conforme novos ataques são descobertos, são acrescentados à infraestrutura do Navegação Segura, assim, qualquer pessoa que use essa interface do Google Cloud estará protegida. Para se ter uma ideia, somente em abril, o Gmail chegou a contabilizar 18 milhões de mensagens diárias com malware ou phishing no mundo todo”, encerra.

Vale a pena?

Sim, vale muito. O backup mídia física ainda pode e deve ser usado sempre que possível e se não for aumentar demais o custo. Porém, a segurança de se ter os arquivos na nuvem é uma vantagem a ser considerada. É muito válido tanto para empresas quanto para você que está concluindo o seu curso na faculdade e quer um lugar seguro para guardar os documentos para a monografia que te levará a formatura. Analise os custos do processo de migração de seus dados para a nuvem e, principalmente, da manutenção antes de contratar. Também é bom avaliar a criação de senhas fortes e esquemas de dupla autenticação sempre que possível para evitar invasões.

06:41 · 08.07.2020 / atualizado às 20:33 · 08.07.2020 por

Em funcionamento na Universidade de Fortaleza, o curso de Computação em Nuvem ofertou, na primeira turma em setembro de 2019, 40 vagas. Ano que vem, a Universidade abrirá novamente espaço para outra seleção. O curso é direcionado para profissionais que atuam ou desejam trabalhar no segmento de gestão, suporte e infraestrutura da tecnologia da informação e comunicações. A ideia é oferecer mão de obra qualificada para um setor que só cresce.

>>>Nuvem é solução segura para armazenamento tanto para pessoas quanto para empresas

“Nos últimos anos, grande parte das repositórios de dados e aplicações migraram para a nuvem. Segundo a Forbes, o mercado da Computação em Nuvem, inicialmente estimado em US$ 67 bilhões em 2015, deve crescer para até US$ 162 bilhões este ano. O curso de Computação em Nuvem da Universidade de Fortaleza tem em seu propósito formar profissionais capacitados para uma atuação destacada nesse ambiente. As empresas que contratam serviços provisionados em nuvem podem se dedicar às suas atividades estratégicas e finalísticas, ficando a cargo dos profissionais egressos desse curso a gestão e operação destes ambientes. O curso está pautado na configuração de uma infraestrutura que possa suportar a migração e a operação de serviços de internet e gestão de negócio”, afirma a professora Liádina Lima, coordenadora do curso.

A vantagem da Computação em Nuvem para as empresas, segundo Lima, é pode ser focada na redução da pressão sobre os recursos internos de TI, na centralização das medidas de segurança e na simplificação das funções gerenciais.

“A diversidade de estruturas de computação em nuvem tem sofrido um robusto incremento, oferecendo inúmeras alternativas para aplicações e repositórios de dados que ficarão baseada na nuvem, objetivando que as empresas se tornem mais competitivas, tenham maior agilidade e facilidade na busca pela eficiência e eficácia”, disse ela.

Ainda de acordo com Liádima Lima, a computação em nuvem configura-se como uma das tecnologias mais disruptivas e vantajosas para os negócios, gerando uma demanda por profissionais dotados dos saberes, competências e habilidades necessários para atuar nesse novo paradigma da tecnologia da Informação. Pesquisas indicam que as habilidades em computação na nuvem estarão entre aquelas mais procuradas nos próximos anos.

“No atual cenário brasileiro, as pequenas empresas precisam responder rapidamente às mudanças de mercado para conseguir manter a saúde dos seus negócios. Existem diversos modelos diferentes de nuvem, cada um com suas particularidades e propostas diferentes para cada necessidade”, encerra Lima reforçando a importância da formação e da criação do curso pela Universidade para o mercado local e nacional.

16:57 · 03.07.2020 / atualizado às 16:57 · 03.07.2020 por

O CEO da Angola Cables Antonio Nunes, CEO da Angola Cables, multinacional do setor das TICs que opera cabos submarinos de fibra óptica e datacenters no Brasil, participou do Futurecom Digital Summit – encontro on-line de executivos do setor de Telecom que trouxe uma prévia da 22ª edição do Futurecom, maior evento de tecnologia e transformação digital da América Latina, que acontecerá entre 27 e 29 de outubro no São Paulo Expo.

Dentre os temas abordados pelos executivos, o destaque foi para as mudanças que a pandemia do Covid-19 provocaram no padrão de uso de internet: aceleração da transformação digital, principais aspectos da alteração do perfil do consumidor no uso da internet e tecnologias que estão sendo aplicadas para aperfeiçoar a experiência digital. Nunes revelou que apesar da pandemia, as empresas de Telecom como a Angola Cables, já vinham se preparando para uma demanda maior de consumo de dados por parte dos consumidores. “Então, a Covid-19 não nos pegou de surpresa. O processo de investimento em Telecom sempre foi necessário, embora observemos um impressionante crescimento na demanda neste período de quarentena. Nas redes da Angola Cables no Brasil, por exemplo, o consumo de dados em backbone, backhaul e cabos submarinos aumentou 6 vezes. Na África, o consumo dobrou e no mundo ela triplicou”, disse o executivo.

Os participantes também discorreram sobre o ambiente regulatório e tributário do País, que precisa ser aperfeiçoado para que o investimento do setor privado melhore cada vez mais e de forma capilarizada, o acesso da população mais pobre à internet; e também como as empresas estão se adaptando para atender às suas bases de clientes.

Os debatedores também discorreram sobre o 5G no Brasil e a necessidade de as empresas estarem realmente preparadas, para que não ocorra atrasos na entrega da tecnologia quando ela começar a ser implementada, uma vez que terá impacto significativo para o crescimento do PIB do Pais nos próximos 20 ou 30 anos.

“As operadoras de Telecom que vão operar com a tecnologia precisam ser sustentáveis a longo prazo. Sem isso, a implementação do 5G poderá sofrer diversos adiamentos”, alertou o CEO da Angola Cables.

10:37 · 03.07.2020 / atualizado às 10:46 · 03.07.2020 por

A família Motorola Edge ao Brasil. Smartphone flagship, o Motorola Edge+ oferece uma tela que se curva em 90 graus nas laterais, um sensor de câmera de 108 MP para capturar imagens nítidas e em alta resolução, áudio estéreo, uma bateria com promessa de duração de até dois dias e um processador que promete rodar games e apps sem problema, além de ser o primeiro aparelho compatível com a tecnologia 5G no Brasil, garante a Motorola. Para celebrar a chegada da nova família ao Brasil, a Motorola fará uma pré-venda, que vai até o dia 13 de julho, com uma oferta especial para os clientes que adquirirem o lançamento neste período. O Motorola Edge+ chega ao mercado na cor thunder grey a partir de R$ 7.999. Já o Motorola Edge estará disponível nas cores solar black e midnight red, com preço sugerido de R$ 5.499. Se você achou caro, saiba que não está sozinho.

Aliás, de uns 5 anos para cá, a Motorola parece que começou a imitar a Samsung não só no preço, mas na quantidade de aparelhos. São tantos que é um pouco difícil saber dizer com 100% de certeza quem é linha básica e intermediária ou até premium. Agora a Super Premium você vai descobrir pelo preço. Qualidade a Motorola sempre teve. Porém, juntamente com essa quantidade enorme de modelos apareceu outro problema.

O maior problema que acho que os aparelhos da marca estão apresentando é a perda de qualidade e desempenho após dois anos de uso. Segundo matérias que já fizemos, muitos clientes da Motorola reclamam inclusive de atualizações. A empresa nega que os updates causaram danos ou lentidão aos celulares.

Lançamentos

Polêmicas de lado, voltemos aos dois lançamentos, o Motorola Edge+ e o Motorola Edge. Vamos começar classificando o primeiro, mostrando suas qualidades apresentadas pela assessoria, visto que só recebemos o comunicado oficial via e-mail.

De acordo com a assessoria de imprensa da Motorola, a plataforma móvel Snapdragon 865 da Qualcomm proporciona o desempenho mais rápido do mercado, 25% mais rápido que gerações anteriores, e uma resposta quase instantânea para navegação, vídeos ou jogos. “Além do processador, usamos memória RAM de 12 GB – combinado com a experiência de Android Puro – para entregar ainda mais performance e velocidade, com resposta instantânea para navegação, vídeos ou jogos”, afirma nota da empresa. É bem verdade que este processador é poderoso e aliado com tanta memória RAM, o sistema operacional Android e a arquitetura criada pela Motorola para o aparelho, realmente acho difícil o rendimento dele não ser muito bom. Ao menos nos primeiros 12 meses.

A tela HDR10+ do Motorola Edge+ tem 6,7 polegadas e proporção de 21:9. A tela, que se curva em um ângulo de quase 90 graus nas duas laterais do aparelho, promete maximizar a área de visualização, e também mostra um bilhão de matizes de cor. Com uma taxa de atualização de tela de 90 Hz, a transição das imagens no display deverá ser extremamente rápida e suave, permitindo uma visualização aperfeiçoada do conteúdo.

A tela do Motorola Edge+ é funcional. Basta arrastar para cima ou para baixo na borda para ver notificações ou alternar entre aplicativos. As bordas da tela também são úteis quando o usuário não está segurando o smartphone, acendendo para mostrar o status de carga da bateria, chamadas, alarmes e notificações. No novo Moto GameTime, jogadores podem virar o aparelho de lado e utilizar dois botões customizáveis adicionais na borda superior da tela, que permitem o controle com quatro dedos como se fosse um joystick .

O sistema de câmera do Motorola Edge+ oferece o que há de mais próximo a fotos e vídeos de qualidade profissional, ao menos é o que vende a empresa. Isso só poderá ser confirmado com testes. O sensor dele tem 108 MP na câmera principal e, fisicamente, tem quase três vezes o tamanho dos sensores usados em smartphones premium anteriores. Com tecnologia Quad Pixel, esse sensor tem 4x mais sensibilidade à luz para capturar fotos mais claras e nítidas, ao menos teoricamente.

O sistema de câmera tripla oferece uma lente para cada foto. Segundo o comunicado da empresa, será possível aproximar 3 vezes mais com o zoom óptico de alta resolução na lente teleobjetiva de 8 MP, enquadrar mais da cena com a lente ultra grande angular de 16 MP e chegar mais perto dos mínimos detalhes de um objeto com o modo Macro.

Criadores de conteúdo poderão aproveitar os recursos de vídeo do Motorola Edge+, com a estabilização de vídeos, que promete compensar tremidos de movimento, alterações de foco e horizontes em desnível, além de combinar OIS e EIS para melhorar a qualidade de vídeo em baixa luminosidade. E os vídeos com opção de qualidade 6K de resolução.

O novo recurso de foto de vídeo permite tirar uma foto de alta resolução de 20 MP quando estiver filmando.O sistema de câmera tem recursos de software intuitivos como modo retrato vídeo, que proporciona um lindo efeito borrado a seus vídeos para concentrar o foco no seu sujeito. Adicionalmente, o duplo OIS nas câmeras principal e telefoto compensa tremidos e estabiliza as lentes, garantindo clareza e detalhes.

O Motorola Edge+ tem alto falantes estéreo com sintonia de precisão que promete conferir um desempenho sonoro de qualidade profissional e um som mais grave e cheio. A tecnologia de sintonia de áudio vem da Waves, ganhadora de Prêmio Grammy.

A Motorola está prometendo uma super bateria para até dois dias de uso. Isso é algo muito polêmico. Ainda não tive na mão um dispositivo que realmente durasse dois dias com uso constante de jogos, vídeos e fotos de forma intensa, como em um dia normal de produção. Segundo a empresa, colocou uma bateria de 5000 mAh, carregamento TurboPower e compatibilidade com tecnologia de carga sem fio, que também permite compartilhar a energia com outros dispositivos.  Tudo bem que alguns celulares testados por mim da Motorola tinha bateria que durava mais de um dia como o Moto Maxx, mas dois nenhum até hoje.

Motorola Edge completa a família

A outra versão da familia Edge também é compatível com a tecnologia 5G e vem com interessantes especificações técnicas. É o Motorola Edge que vem com telas curvas nas bordas com proporção 21:9 e a mesma experiência premiada de áudio do Motorola Edge+: tecnologia de sintonia da Waves.

O aparelho possui processador Snapdragon 765, primeiro compatível com tecnologia 5G do Brasil, garante a Motorola, além de 6 GB de memória e 128 GB de armazenamento, bateria de 4.500 mAh. Com um sistema de câmera tripla de última geração, o Motorola Edge possui sensor principal de 64 MP, um sensor híbrido, ultra-wide e macro, de 16 MP, e o sensor teleobjetivo de 8 MP.

Tanto o Motorola Edge quanto o Motorola Edge+ operam na tecnologia 5G Sub6 e funcionarão futuramente na banda que deverá ser habilitada no Brasil. Nos dois smartphones, estamos introduzindo também o My UX, que permite aos usuários customizarem sua experiência, tornando-a ainda mais intuitiva e pessoal. Tudo em um único lugar, no app Moto! My UX inclui todas as  experiências Moto que os clientes conhecem e adoram, de acender a lanterna agitando o braço ao ativar a câmera girando o punho. Além das novas interações da borda da tela, o My UX permite aos usuários levarem suas músicas, vídeos e jogos ao próximo patamar com configurações customizadas e controles avançados. Os usuários podem até criar seus próprios temas, escolhendo fontes, cores únicas, formas de ícones, e animações de sensor de impressão digital, deixando seu aparelho verdadeiramente único. O My UX de fato deixa o usuário em controle de sua experiência móvel.

Disponibilidade e preços

A pré-venda do Motorola Edge+ e o Motorola Edge começa vai até dia 13 de julho. O Motorola Edge+ chega ao mercado na cor thunder grey a partir de R$ 7.999. Já o Motorola Edge estará disponível nas cores solar black e midnight red, com preço sugerido de R$ 5.499.

Pesquisar

Faça uma busca em nosso blog:

Na Rede

Tendências, novidades e novos produtos para quem é apaixonado por tecnologia. Comportamento digital e redes sociais também em pauta. Por Daniel Praciano.

VC REPÓRTER

Flagrou algo? Envie para nós

(85) 98887-5065

Tags