Busca

Categoria: Android


13:52 · 14.11.2017 / atualizado às 14:22 · 14.11.2017 por
Executivos do Google e Visa anunciam a novidade em São Paulo

A partir desta terça, 14, os brasileiros poderão usar os seus smartphones para fazer pagamentos de produtos e serviços de maneira simples, segura e rápida com o Android Pay. O Google anunciou a chegada do serviço ao país durante evento realizado em São Paulo na manhã desta terça-feira.

>>>Pagamentos por aproximação se popularizam cada vez mais no Brasil

O Brasil é o 17º país a receber o Android Pay, que já está disponível em países como Estados Unidos, Espanha, Rússia e Japão. O serviço foi lançado inicialmente nos Estados Unidos, em setembro de 2015.

“Com mais de 2 bilhões de usuários ativos, o Android é o sistema operacional mais popular do mundo e busca sempre oferecer recursos inovadores para seus clientes. Com o Android Pay, os brasileiros agora poderão usar seus smartphones para fazer pagamentos de forma prática, rápida e segura”, diz Alessandro Germano, diretor de parcerias estratégicas do Google Brasil.

Google promete máxima segurança no Android Pay

Para instalar o Android Pay, primeiro é preciso verificar se o smartphone possui sistema operacional Android KitKat (4.4) ou versões posteriores. Depois, é só baixar o aplicativo do Android Pay gratuitamente na loja do Google Play. Uma vez instalado o app, basta adicionar os dados dos cartões de crédito ou débito dos bancos e operadoras de cartões de crédito parceiros no Android Pay. Neste primeiro momento, o serviço está disponível para os donos de cartões Banco do Brasil (crédito e débito), Caixa (débito), Neon (débito), Porto Seguro (crédito) e Brasil Pré-Pagos (débito) com a bandeira Visa. O Google espera adicionar novos parceiros em breve.

Na hora de pagar por uma compra com Android Pay, basta encostar o smartphone com tecnologia NFC em um ponto de venda que suporte essa tecnologia. Dentre as empresas que aceitam o serviço no Brasil, estão Carrefour, Casa do Pão de Queijo, Drogasil, Rei do Mate, Café do Ponto, Hering e Ipiranga. O caixa irá selecionar o tipo de pagamento (débito ou crédito) e inserir o valor da compra no terminal. Ao terminar, o cliente deve desbloquear e segurar seu smartphone próximo à máquina. Então, aguardar a mensagem de compra autorizada.

Segundo a assessoria de imprensa do Google no Brasil, a segurança está no centro do Android Pay. “Com a tokenização padrão da indústria, o Android Pay não envia aos comerciantes o número real do seu cartão no ato da compra. O Android Pay também permite que o usuário acompanhe os pagamentos e bloqueie o seu dispositivo caso ele seja perdido ou roubado”, finaliza comunicado para a imprensa.

13:10 · 08.11.2017 / atualizado às 13:10 · 08.11.2017 por
Android Pay deve ser anunciado nesta sexta-feira, 10, em São Paulo, para o consumidor brasileiro

O serviço de pagamento do Google, o Android Pay, pode ser anunciado nesta sexta-feira, 10, como começando a funcionar no Brasil. O imprensa nacional foi convidada para se fazer presente no escritório do Google em São Paulo, onde o anúncio deve ser feito.

O serviço de pagamento móvel do Google chega para concorrer com o Samsung Pay. Até agora, no Brasil, a Apple (Apple Pay) não chegou com o serviço de pagamento móvel dela, apesar de ter sido o primeiro a ser anunciado mundialmente.

Assim como os concorrentes, o Google Pay armazena no aplicativo os dados dos cartões de crédito e débito do usuário e cria carteiras eletrônicas. Para usar, basta aproximar o celular da máquina de cartões. Teoricamente, através da tecnologia NFC, tudo irá funcionar. Se a compra for via internet será necessário apenas colocar as credenciais do perfil Android Pay e dizer de onde sairá o dinheiro.

07:00 · 01.11.2017 / atualizado às 06:59 · 01.11.2017 por
Instalação de mais antenas de celular seria uma boa saída para melhorar a qualidade do sinal 3G e 4G

Estudo da OpenSignal, empresa que, através do aplicativo homônimo (para iOS e Android) consegue analisar a internet móvel de quase 600 mil usuários ao redor do mundo – dos quais 40.717 só no Brasil -, traz o relatório de qualidade da internet móvel no mundo entre 1º de julho a 1º de outubro deste ano. E os números mostram evolução da internet móvel 4G no Brasil em dois cenários: velocidade e disponbilidade.

>>>Estudo da OpenSignal indica que 4G teve melhoria de qualidade no Brasil

De acordo com o levantamento feito pela empresa, o Brasil saltou de um 72º lugar, entre 77 países, para 67ª colocação quando o critério analisado é viabilidade/disponibilidade de sinal 4G no País. Esta colocação deixa o Brasil atrás ainda de países como Camboja, Irã e Costa Rica, por exemplo. Porém, já é uma ligeira evolução.

Melhor ainda é o cenário quando analisamos a velocidade 4G no Brasil. Apesar de nossas reclamações que, muitas vezes têm razão de ser, o país saltou de 49º colocado para 42º entre 77 países analisados, um pouco acima da metade do ranking. A posição nos deixa melhor colocados que países como EUA e Alemanha – gigantes e mais ricos.

É bem verdade que ainda temos muito, muito mesmo a melhorar, especialmente em viabilidade de sinal. Porém, é notória a evolução. Quanto mais políticas que possam ampliar a facilidade de instalação de antenas pelos municípios, mais vamos ter viabilidade de sinal. Outro gargalo é o valor cobrado pela internet móvel no Brasil. É bem verdade que esse custo já foi bem reduzido e temos planos que estão começando a se mostrarem interessantes, mas é preciso seguir evoluindo.

Saber que estamos com velocidade média 4G superior a gigantes como EUA e Alemanha é para empolgar, mas não para achar que já ganhou. É preciso expandir a malha de cobertura, permitir que possamos usar este sinal 4G o tempo todo e que os planos fiquem mais acessíveis.

08:34 · 16.10.2017 / atualizado às 08:48 · 16.10.2017 por

O Horário de Verão está em vigor desde o primeiro minuto de domingo, 15, para moradores das regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste, além do Distrito Federal. Mas se você não está nestas áreas é fácil desabilitar o recurso automático tanto para smartphones Android quanto iOS. Vamos lá?

Android

Como desconfigurar a função Horário de Verão no Android

No seu smartphone Android basta ir em configurações, depois buscar em Sistema a opção Data e Hora. Em seguida, desmarque as opções “Data e hora automáticas” e “Fuso horário automático”. Pronto.

iOS

Como desconfigurar função Horário de Verão no iOS

No sistema iOS é tão simples quanto. Vá em Ajustes. Depois na guia Geral escolha a opção Data e Hora. Clique lá e escolha a sua cidade como Fuso Horário. Problema resolvido.

Horário de Verão Mac OS X

E nos computadores? Bem, no ambiente Mac OS X, da Apple, basta ir em Preferências do Sistema, depois clicar na opção Data e Hora, ir em Fuso Horário e deixar desmarcada a caixa da opção “Definir fuso horário automaticamente utilizando a localização atual. Abaixo, defina a sua cidade e pronto, adeus mudança automática.

No Windows vai depender de sua versão, mas, basicamente, deverá procurar, em configurações, a opção Data e Hora e desmarcar a opção de ajuste automático para o Horário de Verão.

14:46 · 04.10.2017 / atualizado às 14:59 · 04.10.2017 por
Xerife Hopper na primeira fase do game Stranger Things coletando uma chave

São mais de 10 horas de gameplay garantido para você, fã de “Stranger Things” (série da Netflix), aproveitar. É diversão a toda a prova. Você começa como o xerife Hopper, mas vai ter experiências com diversos personagens. Os quebra-cabeças estão por toda a parte do jogo e vão deixá-lo viciado no game como aconteceu com a série, inclusive.

Bem no estilo retrô dos games da década de 80, onde também é ambientada a série, o game de “Stranger Things” tem Trilha sonora e gráficos em 8 bits que te levam a um passado nostálgico.

Além disso, ele é gratuito. Desenvolvido pela BonusXP, Stranger Things te leva a explorar toda a cidade de Hawkins onde é ambientada a série. O jogo está disponível para iOS e Android.

O game foi feito para matar sua vontade de reviver as aventuras daquele quarteto de garotos enquanto a segunda temporada não começa a partir de 27/10 na Netflix.

09:50 · 06.09.2017 / atualizado às 09:53 · 06.09.2017 por
Segundo a Forbes, este seria o novo Google Pixel 2 XL

Ao contrário dos rumores iniciais, que diziam que os novos Google Pixel 2 e Google Pixel 2 XL teriam os novíssimos processadores Qualcomm Snapradragon 836, segundo o The Verge apurou, o tal processador ainda nem existe. O processador pode até estar sendo criado – e deve estar para 2018 -, mas não chegará a tempo para o lançamento dos novos smartphones em 5 de outubro próximo, ao que apurou o The Verge.

Logo, os smartphones de segunda geração do Google viriam com os mesmos processadores dos atuais topos de linha Android, ou seja, o Qualcomm Snapdragon 835.

E isso não deve ser algo ruim, visto que o desempenho de aparelhos como o Samsung Galaxy S8 e Samsung Note 8 estão indo bem, ao menos até agora.

Quando do lançamento dos Google Pixel e Google Pixel XL, eles vieram com o processador Snapdragon 821 contra o Snapdragon 820 dos concorrentes. Agora, tudo indica, não terão esta vantagem.

06:49 · 05.09.2017 / atualizado às 06:52 · 05.09.2017 por
Este é o primeiro passo para o golpe. Não clique nos links

A PSafe, empresa desenvolvedora do aplicativo DFNDR, identificou um novo golpe que está circulando pelo WhatsApp. Trata-se de um link que faz uma falsa promessa de pacote de dados móveis de diversas empresas de telefonia e foi acessado mais de 20 mil vezes até o momento.

Ao abrir o link recebido pelo app de mensagens, o usuário faz um breve cadastro com seu nome, número de celular e operadora e é induzido a compartilhar o falso benefício com 10 amigos. Ao realizar os compartilhamentos, o site malicioso faz dois direcionamentos: um sugere que o usuário inclua seu número de telefone novamente, só que desta vez o cadastro é para um serviço de SMS pago – que efetua cobranças indevidas; o outro direcionamento é para baixar um app falso, que pode infectar o smartphone e deixá-lo vulnerável a outros tipos de crime ou prejuízo financeiro.

Para que os usuários de Android não se tornem vítimas deste tipo de cibercriminosos, o gerente de Segurança da PSafe, Emilio Simoni, reforça a necessidade de ter um antivírus certificado com a função ‘antiphishing‘ instalado no smartphone, que avisará o usuário se o link clicado é confiável ou não, permitindo, assim, uma navegação mais segura. Além disso, “é importante que o usuário tenha um comportamento preventivo na internet, desconfiando de links recebidos via redes sociais e chats, mesmo de conhecidos”, completa o especialista.

Acredito que a melhor dica é não acreditar em tudo que te mandam pela internet, seja no WhatsApp, Facebook, Facebook Messenger, entre outros. Não dá para ser tão ingênuo. E mesmo que o material tenha sido enviado por seu melhor amigo, verifique antes de clicar, pois ele pode ter sido vítima de um ataque virtual. Neste caso, mesmo sem saber, seu amigo pode estar te enviando um link malicioso. Fique esperto!

09:39 · 29.08.2017 / atualizado às 10:00 · 29.08.2017 por
Usuários do Samsung Galaxy S8 são alguns, do sistema operacional Android, que podem sofrer com estes problemas

Não importa com qual plataforma social, de música ou armazenamento em nuvem você esteja mais acostumado, todas têm uma coisa em comum que é a capacidade de aniquilar o seu smartphone Android. A Avast, empresa global de produtos de segurança digital, publicou seu Relatório Trimestral Avast de Tendências e Desempenho dos Aplicativos Android do primeiro trimestre de 2017 para ajudá-lo a navegar nos turbulentos mares digitais, para poder descobrir quais aplicativos estão drenando seu celular.

Baseado numa pesquisa detalhada, o relatório identifica os 20 aplicativos considerados os mais ‘sugadores’, pela combinação do seu impacto na duração da bateria, capacidade de armazenamento e uso do plano de dados. Com as informações de mais de 3 milhões de usuários do Android, o relatório mapeia os piores infratores e os novos que entraram nas listas, incluindo um trio de recém-chegados do Google, que são o seu Play Music, o Talkback e o app Docs. Os experientes Facebook, Instagram e Amazon ilustram os gráficos mais uma vez por gastarem armazenamento.

 

Lista 1 – Apps que mais sugam bateria de usuários

Spotify e Snapchat deixaram a lista dos 10 mais sugadores depois de duas medidas. Já o Google Docs entrou e já chegou ficando no 2º lugar.

Lista 2 – Apps que mais drenam bateria na inicialização do smartphone Android

Lista 3 – Apps não proprietários que mais drenam sua bateria na inicialização do smartphone Android

Deixando de lado os aplicativos pré-instalados já citados acima, Facebook, WhatsApp e WeChat são também os maiores drenos nessa categoria. No caso do Facebook e seu aplicativo de mensagens, você ainda pode desinstalar e usar a versão apenas web para ajudar a economizar recursos.

Lista 4 – Apps usados por usuários que mais drenam a bateria dos smartphones Android

O editor de vídeo integrado da Samsung se tornou o segundo aplicativo que mais drena a bateria. Ele exige processamento intenso (CPU) e recursos de vídeo (GPU) do seu telefone para editar e adicionar efeitos aos seus vídeos. Nenhuma surpresa aqui: Spotify, Netflix e Snapchat continuam a ser drenos pesados e eles usam mais recursos que seu navegador ou aplicativo de e-mail.

Lista 5 – Apps de armazenamento que mais drenam a bateria de smartphones Android

O Spotify voltou à lista de maiores consumidores de armazenamento que são executados ativamente pelos usuários. Você pode limpar as músicas ou listas de reprodução que não ouve mais para ajudar a gerenciar isso. Aplicativos encontrados no relatório do ano passado, como o aplicativo Jehovah’s Witnesses, JW Library e o leitor de gibis Comico, não estão mais na lista. A novidade da lista é o Photo Grid, um editor de imagens com efeitos, que pode ser usado para adicionar efeitos a seus selfies ou fotos.

Lista 6 – Apps que mais consomem tráfego de dados e que são executados na inicialização

Alguns aplicativos consomem seu volume de dados móveis mesmo se não estiverem sendo utilizados ativamente. A mais recente lista dos “Top 10” mostra o Facebook e Instagram, seguido pelo Yahoo! JAPAN como os três maiores usuários de dados, e o Weather Channel também aparece novamente. Considere desativar esses aplicativos ou remover sua atividade em segundo plano para ajudar a gerenciar o uso do seu plano de dados quando você não estiver conectado à Wi-Fi.

Lista 7 – Apps maiores consumidores de tráfego de dados executados pelos usuários

Netflix ainda está no topo da lista de aplicativos que nossos usuários executaram ativamente nesse trimestre, seguido pelo Spotify e Snapchat. Amazon App for Android tablets também usa muito tráfego, por isso, usar a Wi-Fi em vez do plano de dados é aconselhado.

Lista 7 – Apps de jogos que mais consomem a bateria

Jogos 2D simples, como Candy Crush Saga ou Soda Saga, continuam nas primeiras classificações nessa lista como os jogos que mais consomem recursos no Android. Essa lista não mudou muito desde que a série de relatórios sobre aplicativos da Avast foi lançada, há quase 3 anos. Duas exceções notáveis são o Piano Tiles 2 e Hill Climb Racing, que esgotaram a bateria de do dispositivo de teste da Avast, um Samsung Galaxy, em menos de 3horas30minutos, apesar dos gráficos muito simples.

Curiosidades

Uma série de novos aplicativos entraram nos gráficos pela primeira vez neste trimestre, incluindo:

Google Talkback: Na liderança entre os recém-chegados em aplicativos que são executados no start-up, o Talkback é ativado por vários aplicativos de terceiros, o que significa que ele pode permanecer ligado até mesmo depois de você reiniciar seu dispositivo

Google Play Music: Os bloqueadores de anúncios parecem ser uma causa da drenagem de desempenho desse aplicativo de música

SHAREit: Projetado para compartilhar arquivos através de Wi-Fi de um dispositivo para outro, este popular aplicativo Lenovo depende do Wi-Fi, tornando-o o quarto que mais consome o desempenho quando executado pelos usuários

Google Docs: Este simples aplicativo de editor de texto é o segundo em drenagem de desempenho executado por usuários em dispositivos Android, drenando-os ainda mais quando conectado diretamente ao Google Drive via 3G e Wi-Fi

Samsung Media Hub: Embora descontinuado em 2014, o ranking deste aplicativo é basicamente devido aos dispositivos Samsung mais antigos o possuírem pré-instalado. Os usuários devem removê-lo e substituí-lo com a mais nova versão disponível para eles

Piano Tiles 2: Testes executados em um Samsung Galaxy S6 revelaram que o aplicativo conseguiu drenar a bateria inteira em menos de 3 horas e meia de uso consistente

Menções notáveis vão para os próprios aplicativos do Google. Um total de oito aplicativos são destaque nas 10 principais listas de aplicativos de inicialização e executados pelo usuário. A Samsung também tem um papel destacado, com sete de seus aplicativos aparecendo nas tabelas. O fato de que as ofertas do Google e da Samsung são muitas vezes pré-instaladas na maioria dos dispositivos Android pode desempenhar um papel nisso. Quando se trata de mensagens instantâneas, o ChatON, o Google Hangouts e o LINE: Free Call & Messaging são o trio problemático que encontra a fama nas listas dos Top 10.

O título de “Mais Aperfeiçoado” deste trimestre é compartilhado entre a ferramenta de mensagens Snapchat, o gigante das redes sociais Facebook e o gigante de transmissão de música Spotify. Tendo anteriormente ocupado três das quatro principais posições dos aplicativos de drenagem de desempenho executados por usuários e de inicialização, essas empresas fizeram um esforço coordenado neste trimestre para melhorar. A Musical.ly também merece uma menção por escapar das listas dos pesos-pesados em armazenamento, já que não aparece em nenhuma delas.

“As estatísticas do setor mostram que as vendas de smartphones cresceram 9,1% no primeiro trimestre deste ano e os dispositivos Android continuam a dominar a participação no mercado. Os smartphones acessíveis, no entanto, podem comprometer recursos como armazenamento do dispositivo, para que a experiência do usuário seja cada vez mais importante, e então fica crítico o modo como os aplicativos afetam o desempenho do telefone”, disse Gagan Singh, SVP e GM Mobile Business da Avast. “Para muitos de nós, os smartphones são o principal dispositivo em nossas vidas diárias. Saber quais dos nossos aplicativos favoritos são os que mais prejudicam a vida útil da bateria, o uso de dados e o armazenamento é importante para que possamos gerenciar qualquer coisa que usemos regularmente em nossos telefones”.

Metodologia
O Relatório Avast de Tendências e Desempenho dos Aplicativos Android foi baseado numa amostra de dados agregados e anonimizados de mais de 3 milhões de usuários do Android em todo o mundo. Os dados de aplicativos incluídos neste relatório cobrem um período de janeiro de 2017 até março de 2017 e só inclui aplicativos do Google Play para os quais a Avast observou um tamanho de amostra mínimo de 50.000 ocorrências de uso.

08:52 · 21.08.2017 / atualizado às 07:00 · 28.08.2017 por
O iPhone 6 Gold tem suporte no Brasil

Quando vamos a outro país, notadamente os EUA, sempre há esta dúvida se vale a pena comprar um eletrônico por lá por conta da garantia. Pelo preço, certeza que quase sempre vale. Mas pela garantia é outra conversa.

Consultamos as assessorias de 4 marcas internacionais que atuam fora e aqui no Brasil. Tanto a Lenovo quanto a Motorola, controladas pelo mesmo grupo, que afirmam que só dão suporte técnico por meio de seu Serviço de Atendimento e Vendas ao Consumidor apenas a produtos da marca produzidos e adquiridos no Brasil, ou seja, não dá para comprar lá fora e tentar suporte aqui. Portanto nada de tentar comprar o Moto Z2 Play nos EUA caso queira ter garantia no Brasil.

>>>Onde comprar iPhone com segurança no exterior

>>>Comprar computador no exterior vale a pena? Confira quem dá garantia mundial

A Samsung Brasil também não fornece garantia para smartphones comprados em outros países. Nada de achar que aquele Galaxy S8 comprado em Londres e com problema vai ter suporte em solo nacional.

Apple
Então está tudo perdido? Não há garantia internacional para nenhum smartphone? Não é bem assim. No caso da Apple, há suporte para seus smartphones no Brasil. Há algum tempo ela só dava suporte de 1 ano para os aparelhos que tinham sido licenciados por aqui pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Porém, como aconteceram alguns processos na Justiça, a gigante acabou aceitando e agora é possível resolver problemas diretamente com o suporte da Apple.

Apesar disso, quando liguei para o suporte da Apple, no final do ano passado, para saber da troca do meu aparelho, eles pediram sim o código dele atrás para saber se ele havia sido homologado pela Anatel. Então, para evitar dores de cabeça, consulte que modelos são aprovados pela Agência aqui antes. No caso dos mais recentes aparelhos da Apple (iPhone 7 e 7 Plus), os homologados da Anatel são: A1778 (iPhone 7) e A1784 (iPhone 7 Plus).

Atualização – Segundo e-mail enviado pela assessoria de imprensa da Apple “todos os aparelhos são contemplemos, conforme o link enviado anteriormente”. O e-mail trazia o seguinte link.

Chineses
Os aparelhos chineses, apelidados de “xinglings” por aqui e que não têm nem representantes no Brasil, podem ser comprados via internet. Porém, eles não têm suporte algum. Há casos até de vendedores que aceitaram ressarcir os clientes pelo aparelho com defeito ou trocaram o defeituoso por um novo, mas isso não é regra. Até porque a viagem é longa para chegar ao Brasil e ainda tem uma possível taxação pela Receita Federal. Além disso, o produto pode chegar quebrado. O preço destes aparelhos e configurações, geralmente, são bem melhores que muitos aparelhos locais e isso é um atrativo. Mas, é sempre bom pesar os prós e os contras.

Asus

Segundo a assessoria de imprensa da Asus no Brasil, só há garantia produtos da Asus comprados em território nacional.

Anatel contra xinglings
A Anatel já avisou que irá suspender, a partir de setembro, os celulares considerados irregulares. A medida visa impedir que dispositivos sem certificação da Agência sejam ativados e usados no Brasil. Somente os novos, comprados a partir de 1º de setembro, serão bloqueados. Os antigos seguem em funcionamento. Isso deve afetar diretamente os chineses ou “xinglings”. Veja matéria completa aqui.

12:32 · 15.08.2017 / atualizado às 12:32 · 15.08.2017 por

A Qualcomm acaba de anunciar a primeira tecnologia de sensores de câmera desenvolvida para o ecossistema Android.

A tecnologia, uma expansão do Qualcomm Spectra Module Program, é capaz de melhorar autenticação biométrica e sensores de profundidade e foi anunciada para atender uma crescente demanda por fotos e vídeos de qualidade para dispositivos como head-mounted displays de realidade virtual.

O programa foi construído com base na tecnologia Qualcomm Spectra ISP, completamente desenvolvida pela Qualcomm para abrir caminhos para a inovação em qualidade de imagem e visão computadorizada em plataformas Snapdragon.

É anúncio interessante para tentar dar ainda mais força ao mercado de soluções de realidade virtual.