Categoria: Aplicativos


09:44 · 11.10.2019 / atualizado às 14:09 · 11.10.2019 por

Duas campanhas fraudulentas começaram a circular no WhatsApp às vésperas da comemoração do Dia das Crianças no Brasil. Uma delas abusa do nome de uma conhecida loja de brinquedos, a Ri Happy, enquanto outra promete livros de histórias da Turma da Mônica. Ambas campanhas visam coletar dados pessoais dos usuários e gerar tráfego para sites que estão em controle de criminosos.

O primeiro golpe se aproveita do nome da loja de brinquedos, prometendo um brinquedo de brinde, caso a URL seja acessada. Reforçamos que a loja é uma vítima dos criminosos e não participa deste esquema. Em menos de 24 horas da ativação da campanha, quase 85 mil pessoas já clicaram no link malicioso.

Caso a vítima clique no link, será direcionada para um site que informa que a empresa varejista reservou 100 mil brinquedos para esta ação e pede para que sejam respondidas três perguntas. Ao respondê-las, o criminoso pede para a vítima compartilhar a mensagem de phishing com dez contatos ou cinco grupos de WhatsApp.

Já a segunda campanha, identificada pelo analista de segurança da Kaspersky no Brasil, usa o nome da Turma da Mônica para disseminar o golpe. Mais uma vez, a marca é uma vítima. O Maurício de Souza e sua empresa não têm nenhuma relação com os criminosos e são vítimas. Essa não é a primeira vez que isso acontece: no começo do mês uma campanha similar usada para roubar dados de cartão de crédito também circulou no aplicativo de mensagens.

Nessa mensagem de phishing, para ganhar o suposto combo de historinhas da marca, a vítima tem que informar seus dados pessoais: e-mail, número de telefone e nome completo.

No primeiro caso, o objetivo da campanha maliciosa é criar tráfego para sites que mostram propaganda. No último, a dano é indireto, já que o site apenas coleta as informações pessoais da vítima. De qualquer maneira, o criminoso irá monetizar os dados ao vendê-los para campanhas de spam ou sendo pago para que ele mesmo realize o disparo da campanha de spam.

“Sempre falamos que enquanto o crime compensar, haverá ataques como este e o primeiro golpe reforça nosso alerta! Em menos de um dia, quase 60 mil pessoas clicaram no link que oferece um brinquedo de graça. E pode parecer inofensivo compartilhar seus dados com criminosos, mas essa informação vale muito para eles. Para evitar ser vítima, é sempre importante checar os sites oficiais das empresas se a oferta é verdadeira. Na dúvida, ligue para o centro de atendimento ao cliente”, destaca Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky no Brasil.

Além disso, é sempre recomendado usar um programa de segurança no smartphone, tablet ou computador, principalmente se este for compartilhado com os filhos.

Reforçamos que tanto a loja de brinquedos como a editora das revistas em quadrinhos são vítimas inocentes e tiveram os nomes e marcas usadas por criminosos inescrupulosos.

Empresas

Conversamos com as assessorias de imprensa das duas empresas vítimas dos criminosos. Via e-mail, o Grupo Ri Happy informa que está sendo vítima da ação de infratores que estão divulgando posts com promoções falsas nas redes sociais e no whatsapp.

“Eles utilizam o nome e a marca Ri Happy de forma ilegal. Reforçamos aos nossos clientes que não temos relação com essas pessoas ou empresas e que as medidas judiciais cabíveis estão sendo tomadas para coibir e solucionar o caso. Pedimos para todos os clientes que sempre verifiquem as promoções vigentes da marca nas próprias lojas físicas ou nos canais oficiais da Ri Happy (facebook, instagram e site). Qualquer dúvida, consultem também o SAC da empresa através do telefone 11-3004-2779 para esclarecimentos”, encerra a nota.

Também consultamos a assessoria de imprensa do grupo Maurício de Souza e estamos aguardando retorno.

07:27 · 03.10.2019 / atualizado às 14:03 · 27.09.2019 por

A transformação digital vem aprimorando diferentes serviços. No setor dos transportes, a digitalização traz uma série de benefícios, tornando as viagens mais rápidas e eficazes. Na cidade de São Paulo, por exemplo, já é possível realizar o pagamento das tarifas de ônibus usando cartões de débito, crédito de qualquer equipamento eletrônico que possua tecnologia de pagamento por aproximação.

De acordo com a Here Technologies, empresa global em mapas e serviços de localização, um ponto-chave para a modernização desse ramo passa por um acessório bastante comum em nossa rotina: os smartphones.

Atualmente, os smartphones podem facilitar a vida do usuário em diversos aspectos. Recarregar o bilhete de transporte, por exemplo, já é uma operação possível para ser feita diretamente pelo celular, com aplicativos que ajudam a evitar a formação de longas filas nas estações. Outro ponto importante é a criação de aplicativos que traçam a melhor rota para o usuário, coletando informações em tempo real, tornando sua viagem mais conveniente.

Ao redor do mundo, os smartphones já estão mudando a experiência do cidadão com o transporte público. Cidades como Londres, Chicago, Sydney e Tóquio já utilizam o sistema de pagamento por aproximação, onde o usuário consegue, através do seu celular, realizar o pagamento diretamente nas catracas, gerando menos filas e mais agilidade nas viagens.

Por fim, o pagamento das tarifas também pode ser ajustado com este novo método de pagamento. Com este sistema inteligente, é possível medir exatamente quanto custou o trajeto do usuário, contabilizando transferências gratuitas quantos diferentes meios de transporte foi utilizado durante a viagem.

06:58 · 28.09.2019 / atualizado às 07:01 · 27.09.2019 por

O Uber Eats foi o primeiro aplicativo de intermediação digital entre restaurantes e usuários no Brasil e na América Latina a se unir ao movimento de consumo sustentável, garante a Uber. O aplicativo lançou, em fevereiro, um recurso que permite aos usuários dispensarem o recebimento de talheres descartáveis, guardanapos e canudos nos pedidos realizados em restaurantes que toparam participar do projeto piloto. A partir de outubro, a iniciativa será estendida para todos os empreendimentos cadastrados na plataforma, em todo o mundo.

O anúncio foi feito na última quinta-feira (26), durante evento da empresa nos Estados Unidos, que também apresentou ao público outras inovações e novos produtos que a Uber estará adicionando à sua plataforma global no futuro. Em paralelo, o Uber Eats anunciou também que vai implementar uma funcionalidade para que as pessoas com alergias ou restrições alimentares possam fazer pedidos de uma forma mais simples pelo Uber Eats.

O recurso chegou primeiro ao Brasil e ao Chile e, após a experiência bem sucedida, com 93,7% dos restaurantes participantes no país extremamente satisfeitos, o recurso será lançado nos outros locais onde o app está. No Brasil, mais de 700 estabelecimentos escolheram participar do projeto e aceitar o desafio, em fevereiro. A opção permite que os restaurantes reduzam seu impacto no meio ambiente, bem como os custos operacionais relacionados à compra de itens descartáveis para entregas.

“Muitos usuários estão pedindo comida para casa ou escritório, onde já existem utensílios. Os utensílios de uso único são um risco ambiental que podemos ajudar a amenizar em escala. Estamos comprometidos em aproveitar esta oportunidade para diminuir esse desperdício excessivo e reduzir 50% dos pedidos de utensílios plásticos em toda a região. Grandes mudanças vêm de inúmeras ações pequenas como essa. Mas, por fim, esse desafio exige o envolvimento de várias partes interessadas na sociedade, incluindo cidadãos, governos, organizações comunitárias, empresas e fabricantes ”, declara Eduardo Donnelly, gerente geral regional do Uber Eats na América Latina.

Mais de 200 mil canudinhos e conjuntos de talheres plásticos deixaram de ser utilizados pelos usuários do Uber Eats no Brasil nos dois primeiros meses do teste, enquanto 76,7% dos restaurantes participantes conseguiram reduzir os custos relacionados à compra de utensílios plásticos para entrega. Só a rede KFC, declarou uma economia de R$ 30 mil por mês com talheres.

De acordo com o relatório “What a Waste” de 2018, do Banco Mundial, o mundo gera 2,01 bilhões de toneladas de resíduos anualmente, enquanto 231 milhões de toneladas são produzidas na América Latina e no Caribe. Plástico, papel, papelão, metal e vidro representam 38% dos resíduos em nossa região.

“Nós acreditamos que, nos próximos anos, o ecossistema de entrega de comida vai se tornar mais e mais eficiente, tornando-se capaz de atender pessoas com diferentes necessidades em todos os momentos. O delivery de comida tem tudo para ser usado uma, duas, três vezes em um mesmo dia, como acontece com a Uber. Reduzir a quantidade de plásticos envolvidos no processo é mais do que a coisa certa a se fazer: é uma necessidade”, acrescentou Donnelly.

Estatísticas relevantes

De acordo com o relatório “What a Waste”, de 2018, do Banco Mundial:

  • O mundo gera 2,01 bilhões de toneladas de resíduos anualmente.
  • 231 milhões de toneladas são produzidas na América Latina e no Caribe.
  • Plástico, papel, papelão, metal e vidro representam 38% dos resíduos na nossa região.
07:50 · 27.09.2019 / atualizado às 06:54 · 27.09.2019 por

A Uber também anunciou ontem, 26, durante evento em São Francisco, na Califórnia/EUA, a chegada no Brasil de um novo recurso que busca incentivar práticas que aumentam a segurança dos ciclistas nas ruas. O objetivo é orientar quem está realizando uma viagem de Uber a verificar a presença de ciclistas antes de abrir a porta do carro no momento do embarque. Além disso, se estiver em uma viagem que termine perto ou ao longo de uma ciclovia ou ciclofaixa, o aplicativo enviará uma notificação no final do percurso, orientando que o usuário redobre a atenção ao sair do carro.

O projeto, que inicialmente está sendo implementado nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, já está em teste e vai ser aprimorado de acordo com a opinião de motoristas parceiros, usuários e ciclistas. Sem previsão de chegada aqui em Fortaleza.

O novo recurso utiliza dados públicos de mapeamento para identificar onde existem ciclovias, ciclofaixas e ruas com tráfego compartilhado entre carros e bicicletas, e foi desenvolvido em parceria com especialistas em segurança viária e ciclomobilidade.

Além dos alertas para os usuários, os motoristas parceiros também vão receber comunicados com informações sobre as regras de trânsito que proíbem parar ou estacionar em vias exclusivas para bicicletas. A ideia é incentivá-los a procurar locais seguros para estacionar ao realizar o embarque e desembarque de passageiros.

“Segurança é uma prioridade para a Uber. As cidades estão aderindo a novos meios de transporte, aumentando as possibilidades e os desafios no trânsito. Estamos investindo cada vez mais em soluções tecnológicas para reduzir os riscos na mobilidade urbana como um todo”, afirmou Claudia Woods, diretora geral da Uber no Brasil.

06:41 · 27.09.2019 / atualizado às 06:41 · 27.09.2019 por

A Uber apresentou nesta quinta-feira (26), em um evento global, em São Francisco, na Califórnia/EUA, sua visão estratégica para a próxima geração do aplicativo, que pretende oferecer aos usuários uma nova maneira de descobrir, acessar e experimentar o crescente número de serviços disponíveis na plataforma da empresa.

A nova interface do app vai integrar os produtos existentes e exibir ao usuário, já na tela inicial, solicitações de viagem e pedidos de Uber Eats lado a lado com outras opções, para que ele possa escolher o que quiser.

A nova versão do aplicativo será lançada em cidades de nove países onde a Uber está presente, inclusive no Brasil. O novo app chegará para os usuários brasileiros ao longo das próximas semanas.

“A Uber começou com viagens de carro, mas crescemos e passamos a oferecer desde entrega de refeições a bicicletas e patinetes elétricos e até integramos o transporte público ao aplicativo. Agora queremos tornar a Uber o sistema operacional do seu dia a dia: seja a forma como queira se deslocar, seja o serviço que você precisar, queremos que o app da Uber seja o que você vai abrir”, afirmou o CEO da Uber, Dara Khosrowshahi.

Transporte público

Outra novidade apresentada no evento foi a expansão da integração com transporte público no aplicativo da Uber para mais países. O recurso já está disponível há alguns meses em cidades como Londres, Sydney e Chicago. Nesta quinta-feira, começou em Paris, Cidade do México e São Francisco, e chegará nos próximos meses em mais sete cidades, incluindo São Paulo. Não há previsão que chegue aqui em Fortaleza.

O serviço exibe informações sobre linhas de ônibus, metrô ou trens direto no aplicativo da Uber, permitindo que o usuário compare as opções disponíveis e planeje viagens completas ou parciais utilizando transporte público, com instruções passo a passo e itinerários em tempo real fornecidos por empresas especializadas.

Em Denver, nos Estados Unidos, a integração deu mais um passo e os usuários já podem comprar a passagem direto no app da Uber, sem ter que enfrentar filas ou ter dinheiro trocado antes de entrar no ônibus.

O anúncio do recurso em São Paulo reforça a estratégia da Uber de adicionar mais serviços à sua plataforma, incluindo novas opções de mobilidade. As informações de transporte público no app vão aparecer para os usuários na cidade aos poucos, ao longo das próximas semanas.

“Em muitos casos, o transporte público pode ser a opção mais rápida e barata para se locomover. Por isso, continuaremos trabalhando com as cidades para facilitar ainda mais essas viagens. Seja fornecendo informações no app, permitindo a compra de passagens ou firmando novas parcerias, estamos entusiasmados em trabalhar para fortalecer o transporte público e ajudar a reduzir a dependência das pessoas de possuir um carro particular”, afirmou no evento David Reich, diretor global de Uber Transit.

09:32 · 24.09.2019 / atualizado às 09:33 · 24.09.2019 por

Por AFP

Facebook, Twitter, Google e outros gigantes da tecnologia criaram uma estrutura independente consagrada a reforçar sua luta contra os conteúdos extremistas na Internet, anunciaram nesta segunda-feira.

Essa iniciativa é resultado do trabalho de um consórcio criado em 2017 por Facebook, Microsoft, Twitter e Google (via YouTube). Amazon, assim como as plataformas LinkedIn (propriedade da Microsoft) e WhatsApp (Facebook) se uniram à nova organização.

Esta terá como objetivo “frustrar as tentativas cada vez mais sofisticadas de terroristas e extremistas violentos de utilizar as plataformas digitais”.

Há vários meses, o Facebook multiplicou iniciativas para combater o “ódio e o conteúdo extremista na internet”.

Na terça-feira passada, o grupo dirigido por Mark Zuckerberg anunciou que teria recrutado policiais de ambos os lados do Atlântico para educar suas ferramentas de inteligência artificial a fim de deter as retransmissões de vídeo de ataques extremistas ao vivo em sua plataforma.

A rede social foi muito criticada por demorar 17 minutos para interromper o vídeo ao vivo de um supremacista branco que atacava uma mesquita em 15 de março em Christchurch, na Nova Zelândia, onde matou 51 muçulmanos.

06:09 · 20.09.2019 / atualizado às 14:01 · 17.09.2019 por

O Lens Studio acaba de ganhar novos recursos, incluindo seis templates, 14 Landmarkers (pontos turísticos ao redor do mundo) e outras ferramentas que aumentam as possibilidades de um número ainda maior de criadores, de ilustradores 2D a desenvolvedores de artes sofisticadas para os usuários do Snapchat.

Os seis novos templates chegam para complementar os mais de 40 já existentes. São eles:

· Face In Video: transforme as selfies em um vídeo;

· Portrait Particles: inclua efeitos personalizados de ambientação atrás da cabeça do usuário. Perfeito para sua próxima festa!

· Countdown: crie lentes que permitem incluir contagem regressiva em datas específicas, além acessórios de celebração como óculos e chapéus em 3D;

· Skeletal: capture imagens em 2D de cabeças, pescoços, ombros, cotovelos e mãos e inclua efeitos nas articulações.

· Hair colour: modifique a cor dos cabelos com novos tons e estilos, da raiz às pontas.

· Makeup: use e abuse da Realidade Aumentada para adicionar batom, sombra, blush e outras makes indispensáveis à sua selfie.

Suporte para criadores

Para os criadores de lentes que baixam o Lens Studio pela primeira vez, a Snap oferece um novo guia interativo que ensina o passo a passo do processo para que até quem nunca usou a ferramenta antes possa criar sem dificuldade. O app para desktops também ganhou uma tela de entrada que destaca os novos templates e recursos, além de exibir as lentes favoritas da comunidade. Novas perguntas e respostas e resoluções de problemas foram adicionadas à Knowledge Base, a biblioteca de informações de suporte. E os Lens Studio Templates também foram disponibilizados no GitHub – os criadores podem adicionar os seus, assim, todo mundo pode fazer uma busca por “lens-studio”, descobrir e se inspirar com as criações da comunidade Snap.

Lens Studio

“A Snap sempre acreditou no poder da Realidade Aumentada – mas, por mais que esta tecnologia tenha evoluído, por muito tempo ela permaneceu inacessível para os criadores. Dessa necessidade nasceu o Lens Studio. É por meio da ferramenta e, mais especificamente, da biblioteca de modelos, que a Snap faz com que a criação de lentes esteja acessível para todos os interessados. O propósito é oferecer aos Snapchatters as experiências mais diversas e relevantes em lentes e expandir o processo criativo das pessoas, seja qual for seu nível de habilidade. Maquiadores, designers, ilustradores, animadores, estudantes e até marcas podem tirar vantagem de seus recursos”, garante comunicado da Snap.

A empresa acredita que o sucesso da Realidade Aumentada depende de uma comunidade de criadores vibrante e diversificada. Por isso, eles prometem seguir investindo sempre em buscar maneiras de dar mais visibilidade ao trabalho dos profissionais por meio de sua plataforma.

A comunidade Lens Studio é apoiada por meio de uma série de programas, incluindo o Official Lens Creator, realização de workshops, oportunidades de parcerias e muitos outros. Para garantir a visibilidade dessas criações, as lentes podem ser encontradas no Lens Explorer do Snap, por meio do menu em carrossel, e no Lens Creator Profiles, um recurso que, além de permitir aos Snapchatters descobrir novos criadores, ainda permite a esses criadores obter informações sobre a audiência, de estatísticas dos Stories e alcance das lentes até dados demográficos de usos e preferências.

Mais de 500 mil lentes foram criadas pela comunidade Lens Studio, e essas lentes já foram usadas mais de 15 bilhões de vezes pelos Snapchatters (fonte: Snap Q2 2019 Earnings Slides).

06:28 · 13.09.2019 / atualizado às 08:28 · 12.09.2019 por

As grandes cidades têm um desafio de mobilidade em comum: o alto índice de congestionamentos durante todo o dia, especialmente em horário de pico. Para ajudar as metrópoles, o Waze reformulou o recurso de navegação para táxis, oferecendo rotas com faixas de ônibus e horário de chegada atualizado considerando as normas e permissões da categoria.

Além dos benefícios tradicionais do Waze, como atualizar o mapa com os incidentes no caminho, o aplicativo agora oferece aos taxistas uma rota mais assertiva que contempla os corredores de ônibus onde táxis são permitidos, em horários e com velocidades pré-definidos e de acordo com a lei local.

O tempo de chegada (ETA) também será atualizado considerando essas alterações, já que o acesso às faixas e corredores exclusivos de ônibus (liberado para táxis com ou sem passageiro) tende a mudar o tempo de viagem, caso haja corredores ou faixas no trajeto.

Essa atualização é resultado de um constante foco da comunidade de editores de mapa voluntários do app em ajudar ainda mais os motoristas – sejam eles profissionais ou amadores. “Apesar de conhecerem a cidade como ninguém, os taxistas precisam do Waze para saber como está o trânsito em tempo real. Por isso, percebemos que há essa demanda na comunidade”, explica Alexandre de Menezes, editor de mapa que participou ativamente da otimização.

Para ativar o moto táxi, siga o tutorial do aplicativo:

1° passo

No menu de Configurações, vá até a parte de “Navegação”.

2° passo

Clique em “Tipo de Veículo” e selecione “Táxi”.

Para fazer o download gratuito do aplicativo Waze clique aqui

iOS

Android

08:57 · 08.09.2019 / atualizado às 14:03 · 03.09.2019 por

No último final de semana, Jack Dorsey, CEO do Twitter, teve sua conta invadida na rede social por um grupo de cibercriminosos. O golpe foi executado por um ataque de SIM swap, possibilitado por meio de uma vulnerabilidade no sistema de autenticação da rede social da vítima. Os hackers, conhecidos como Chuckling Squad, aproveitaram o acesso indevido para espalhar mensagens ofensivas usando um serviço comprado pelo próprio aplicativo em 2010 — o Cloudhopper, que permite que tuítes sejam postados apenas enviando mensagens de texto para um número específico.

Esse tipo de incidente destaca que todos estão propensos a sofrerem ciberataques — afinal, 21% dos brasileiros tiveram uma de suas contas online hackeadas, de acordo com um estudo realizado pela Kaspersky e a Corpa.

Pensando nisso, a Kaspersky listou três dicas para garantir que sua conta do Twitter esteja protegida:

1. Use autenticação de dois fatores

Por meio dessa ferramenta, é possível adicionar uma camada a mais de segurança em contas online, já que em vez de apenas digitar a senha, também é necessário confirmar a identidade por meio de um código enviado para o celular do titular da conta – garantindo que apenas ele tenha acesso; dê preferência aos sistemas que geram códigos via aplicativo (como o Google Authenticator), evitando o recebimento via SMS. Para contas com um grande volume de ataques é ainda sugerido o uso de um número virtual, pois estes não estão vulneráveis a ataques de SIM swap.

2. Senhas fortes

Para criar uma senha segura, use combinações extensas e distintas, com números, letras e símbolos. Não utilize a mesma senha em várias redes sociais e tenha uma solução de segurança para proteger seus códigos de acesso.

3. Não clique em links duvidosos ou enviados por estranhos

Ao usar o Twitter e outras redes sociais, esteja sempre alerta para links suspeitos, especialmente recebidos por DMs. Se você não sabe o que é, não clique, mesmo que tenha sido enviado por algum amigo ou conhecido. Caso tenha clicado em um link suspeito ou sua conta tenha sido invadida por qualquer outro motivo, altere sua senha o mais rápido possível. Basta digitar as opções de configuração e clicar em “Senha”, aparecerá uma opção para redefini-la.

Para se ter uma ideia, somente no primeiro trimestre de 2019, a tecnologia antiphishing da Kaspersky evitou 111.832.308 tentativas de direcionar os usuários para sites fraudulentos. Isso representa um aumento de 24% em comparação com o número do primeiro trimestre de 2018, que foi de 90.245.060 tentativas.

12:43 · 04.09.2019 / atualizado às 12:52 · 04.09.2019 por

O brasileiro é reconhecido internacionalmente como um indivíduo hiperativo em redes sociais e aplicativos de mensageria. O País está entre os mercados com maior quantidade de usuários e com maior engajamento entre os principais serviços do gênero no Ocidente. Trata-se de um fenômeno de hiperssocialização virtual que impacta a sociedade de inúmeras maneiras, para o bem e para o mal, seja na produtividade, na política ou nas relações pessoais. Por isso é tão interessante a pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box – Mensageria no Brasil. Que mostrou que o WhatsApp segue rei entre os apps de mensagem, mas que os demais estão crescendo.

Esta pesquisa independente, produzida por uma parceria entre o site de notícias Mobile Time e a empresa de soluções de pesquisas Opinion Box, traz, nesta edição, resultados obtidos através de entrevistas com 2.102 brasileiros com mais de 16 anos de idade, que acessam a Internet e possuem celular, respeitando as proporções de gênero, idade, renda mensal e distribuição geográfica desse grupo. As entrevistas foram feitas on-line entre 17 e 25 de julho de 2019. Esta pesquisa tem validade estatística, com margem de erro de 2,1 pontos percentuais e grau de confiança de 95%.

Dados

Nos últimos anos, esta pesquisa revelou o tamanho da popularidade do WhatsApp no Brasil, o recente crescimento do Instagram, a gradual queda do Facebook Messenger e uma certa estagnação do Telegram. Nesta edição, porém, houve reviravoltas. Todos os aplicativos monitorados aumentaram sua presença na base brasileira de smartphones na comparação com seis meses atrás, com destaque para Facebook Messenger, Instagram e Telegram.

Até fevereiro passado, a popularidade do Facebook Messenger vinha caindo gradativamente. O relatório daquele mês indicava que o app de mensageria estava presente em 69% dos smartphones de internautas brasileiros, seu mais baixo patamar na série histórica desta pesquisa.

Mas o app voltou a crescer e apenas seis meses depois ganhou 10 pontos percentuais: agora está instalado em 79% dos smartphones de internautas do País. No mesmo intervalo de tempo, a proporção de usuários do Messenger que abrem o app todo dia ou quase todo dia subiu de 62% para 66%. Também foi notado um crescimento na variedade de conteúdos enviados por esse canal, com destaque para a troca de mensagens efêmeras, também conhecidas como “stories”: subiu de 17% para 23% a proporção de usuários ativos mensais (MAUs, na sigla em inglês) do Messenger que produzem ou veem tais mensagens efêmeras. O Facebook tem estimulado bastante o uso desse recurso, especialmente no celular, o que pode ser um dos fatores que ajudaram o Messenger a reverter sua tendência de queda no Brasil.

A proporção de MAUs do app que trocam imagens, por sua vez, subiu de 47% para 52%, e aqueles que enviam ou recebem mensagens de áudio passou de 28% para 32%. Com maior engajamento e diversidade de conteúdos, consequentemente, aumenta a fidelidade do brasileiro ao aplicativo.

O Instagram também registrou um crescimento expressivo em seis meses, passando de 65% para 72% a proporção de internautas brasileiros com smartphone que possuem o app instalado. O percentual de sua base que abre o app todo dia ou quase to dia, porém, permaneceu inalterada em seis meses: 84%. Note-se que esse percentual é mais alto que o do Facebook Messenger. Ou seja, embora a base instalada do Instagram seja um pouco menor, o app tem uma proporção maior de usuários ativos diários.

O Telegram, por sua vez, aumentou em seis pontos percentuais a sua penetração no Brasil em seis meses, subindo de 13% para 19% a proporção de internautas brasileiros com smartphone que possuem o app instalado. A mídia gerada pelo escândalo do hackeamento de celulares de autoridades, em vez de afastar os brasileiros do Telegram, aparentemente causou um impacto positivo para o app de mensageria. Foi a primeira vez que ele cresceu acima da margem de erro na série histórica da pesquisa. Além disso, aumentou a proporção de MAUs do Telegram usando todos os tipos de conteúdo que podem ser trocados pelo app. O destaque está no envio de mensagens de áudio, que ganhou 11 pontos percentuais: passou de 42% para 53% os MAUs do Telegram que declaram se comunicar com mensagens de áudio pelo app.

O aumento da popularidade do Facebook Messenger, do Instagram e do Telegram não aconteceu às custas do WhatsApp. Este continua sendo o canal de mensageria mais popular do País, presente em 98% dos smartphones e com 98% dos seus usuários declarando que o abrem todo dia ou quase todo dia. Na verdade, o WhatsApp em seis meses até aumentou em um ponto percentual a sua penetração, variação que está dentro da margem de erro.

Portanto, o que se percebe com os dados coletados desta vez é que o brasileiro mantém-se fiel ao WhatsApp, mas ampliou a diversidade dos canais que utiliza para mensageria móvel, aprofundando ainda mais o seu comportamento de hiperssocialização virtual.

Pagamento com WhatsApp

O recente anúncio do Facebook de criação de uma criptomoeda, a Libra, e de uma carteira digital, a Calibra, reacendeu as expectativas de que o WhatsApp inclua uma funcionalidade de pagamentos no futuro, como já acontece na Índia. O recurso tem grande atratividade entre os brasileiros: 56% dos MAUs do WhatsApp declaram que gostariam de realizar pagamentos e transferências de dinheiro através do WhatsApp. A proporção é ainda maior
entre homens (62%) do que entre mulheres (50%).

O interesse em transformar o WhatsApp em uma carteira digital tem mais aderência entre os mais jovens. 59% dos MAUs com 16 a 29 anos de idade gostariam desse recurso. O percentual cai para 56% no grupo de 30 a 49 anos e para 50%, entre aqueles com 50 anos ou mais.

Quando perguntados qual seria a fonte do dinheiro para pagamentos via WhatsApp, 47% dos MAUs interessados nesse recurso dizem que gostariam de ter uma conta bancária virtual criada dentro do próprio app de mensageria. A proporção é maior entre os usuários das classes C, D e E (50%) do que entre aqueles das classes A e B (41%), provavelmente porque muitos dos primeiros hoje são desbancarizados. Outros 30% dos MAUs interessados em usar o WhatsApp para pagamentos prefeririam associá-lo à sua conta bancária atual e 23%, a um cartão de crédito.

Pesquisar

Faça uma busca em nosso blog:

Na Rede

Tendências, novidades e novos produtos para quem é apaixonado por tecnologia. Comportamento digital e redes sociais também em pauta. Por Daniel Praciano.

VC REPÓRTER

Flagrou algo? Envie para nós

(85) 98887-5065

Tags