Categoria: Apple


10:56 · 14.06.2019 / atualizado às 10:56 · 14.06.2019 por

Pesquisa realizada entre o site de notícias Mobile Time e a empresa de soluções em pesquisa Opinion Box sobre o uso de aplicativos no Brasil mostrou que, nos últimos dois anos, aumentou de 46% para 58% a proporção de internautas brasileiros que já realizaram compras in-app, ou seja, dentro dos aplicativos. Apps como Uber, 99 e iFood estão ganhando espaço na homescreen dos smartphones nacionais, garante o levantamento.

Os dados foram levantados com um público já experiente em internet. 62% dos entrevistados garantem ter mais de 3 anos como usuário, enquanto 27% estão entre 1 e 3 anos de uso. Menos de 1 ano apenas 11% dos pesquisados afirmou ter.

Baixar e comprar apps

Quando falamos no simples gesto de baixar um app, 96% dos entrevistados afirmou que já fizeram isso contra apenas 4% que nunca fez isso. Quando perguntado se compraram algum app para o smartphone, 19% responderam esse ano que sim. A mesma questão foi feita em 2017 e 2018 e os índices foram 13% e 16%, respectivamente. Isso mostra um amadurecimento do público que vem tendo mais interesse em aplicativos mais completos e investindo algum dinheiro neles.

Já quando falamos de plataforma de sistema operacional, os smartphones Android são a esmagadora maioria com 91% dos pesquisados. Os donos de iPhone, ou seja, sistema iOS, foram apenas 7% dos entrevistados. 2% dos demais usam outros sistemas.

Adeus ligações e SMS?

A pesquisa mostra um dado que deve levar alguma preocupação para operadoras de telefonia móvel: brasileiros estão deixando fora da tela principal do aparelho os apps de chamada telefônica e SMS. Segundo o levantamento, em novembro de 2017, 6% dos pesquisados diziam não ter o app de chamada telefônica na homescreen dos celulares. Já em abril deste ano este número saltou para 13%. Com relação ao app de SMS, este número saltou de 15% em novembro de 2017 para 25% em abril deste ano.

E o que estaria causando isso? Segundo a pesquisa, isso é um reflexo do “uso cada vez mais intenso de smartphones e de aplicativos over the top (OTT) de comunicação para a realização de chamadas e troca de mensagens”. Ainda segundo o levantamento, essa nova postura do nosso consumidor “está fazendo com que os brasileiros deixem de consumir minutos de voz e SMS de suas operadoras móveis, trocando-os pela Internet móvel. Isso pode ser constatado de diversas formas, inclusive pelos própria estratégia comercial das operadoras, que focam cada vez mais em planos de dados com franquias crescentes, enquanto voz e SMS viraram commodities”.

Apps de serviço em alta

De acordo com o levantamento da Mobile Time/Opinion Box, aplicativos de comércio móvel, especialmente de serviços online-to-offline (O2O), como aqueles de corrida de automóveis e de delivery de comida, estão ganhando cada vez mais espaço na tela inicial do smartphone brasileiro, o que indica o seu uso cada vez mais recorrente. “99 e iFood subiram alguns degraus no radar de popularidade de apps e agora figuram em 13º e 16º lugares, respectivamente, entre os 20 mais populares. Merece destaque também o fato de o Uber ter passado da quinta para a quarta posição no ranking, superando o Facebook Messenger pela primeira vez”, avaliam os pesquisadores.

Ainda segundo o levantamento, outro segmento que vem se destacando é o de fintechs. Nubank segue crescendo e o Banco Inter apareceu pela primeira vez no radar. Entre os bancos tradicionais o único que aumentou sua participação na homescreen foi a Caixa, pela segunda edição consecutiva da pesquisa. Porém, quando o internauta é perguntado sobre que app seria o único instalado no seu smartphone é o do Banco do Brasil que figura entre os 8 mais queridos exatamente em 8º lugar.

Campeões

A pesquisa também mostra que WhatsApp, Facebook e Facebook Messenger seguem entre os cinco aplicativos mais populares na homescreen nacional, mas perdendo participação gradativamente. O WhatsApp é o primeiro ainda, Facebook é o segundo, Facebook Messenger é o quinto. O terceiro é o Instagram e o quarto o Uber. “Há quatro anos, em novembro de 2015, o WhatsApp estava presente na tela principal de 85% dos smartphones brasileiros. Desde então esse percentual vem caindo e agora está em 59%, o que ainda lhe garante o primeiro lugar com larga vantagem. No mesmo intervalo de tempo, o Facebook caiu de 69% para 47%. E o Facebook Messenger, de 31% para 15%. Dentre os apps tradicionais de comunicação e redes sociais, o Instagram é uma exceção. É verdade que ele perdeu participação entre 2015 e 2017, mas a partir dali vem reconquistando seu espaço a cada edição da pesquisa, estando agora na tela inicial de 37% dos smartphones nacionais”, dizem os pesquisadores.

Filmes no celular

Um dado interessante revelado pela pesquisa mostra que 38% dos entrevistados assina um serviço de streaming de filmes e séries no celular. Significa quase 4 em cada 10 aceitando pagar para assistir a filmes e séries no smartphone. “Não há diferenças significativas por gênero, classe social ou região do Brasil no público de assinantes de serviços de streaming de filmes e séries. Porém, na comparação por faixa etária percebe-se que o hábito é mais comum entre os jovens. No grupo de 16 a 29 anos, 46% assinam esse tipo de serviço. Entre aqueles de 30 a 49 anos, a proporção cai para 34%. E na faixa de 50 anos ou mais, a proporção é de 26%”, defendem em relatório os pesquisadores.

De acordo com o levantamento, o Netflix é disparado o mais popular, sendo citado como o serviço principal de streaming de filmes e séries por 92% daqueles que declararam pagar pelo acesso a esse tipo de conteúdo no celular. “Amazon Prime, Globo Play e Telecine foram citados cada um por apenas 1% da base. Por isso, foram agrupados junto com os demais em ‘outros'”, informa relatório.

Música

Não é só filmes que fazem a cabeça do brasileiro. 2 (20%) em cada 10 pagam por serviço de streaming de música. É praticamente metade dos que pagam para streaming de filmes. “A diferença pode ser explicada por dois fatores. O primeiro é que os principais serviços de música oferecem versões gratuitas em troca da reprodução de publicidade em áudio, enquanto o Netflix, líder do segmento de streaming de filmes e séries, não dá essa opção. Outra possível explicação é que muitas pessoas têm o serviço de música como parte integrante dos seus planos de telefonia e talvez não o percebam como um serviço pago, mas como um ‘brinde’ da operadora”, garante pesquisa.

De acordo com o levantamento, a proporção de assinantes é maior nas classes A e B (30%) do que nas classes C, D e E (17%), o que reforça a tese de que provavelmente uma parcela significativa prefira a versão gratuita de serviços de streaming de música. “Também há diferença significativa na comparação por faixa etária: o hábito de pagar por streaming de música é mais comum entre os jovens. No grupo entre 16 e 29 anos, a proporção é de 27%. O percentual cai para 17% na faixa entre 30 e 49 anos, e diminui para 10% entre aqueles com 50 anos ou mais”, diz pesquisa.

No levantamento, Spotify e Deezer lideram a preferência dos consumidores brasileiros em streaming de música pago com, respectivamente, 61% e 27%. YouTube Music tem 3% e Google Play Music 2%. Outros marcou 7%, onde está, entre eles, o Apple Music.

Games

Por falar em entretenimento, há um novo rei entre os games: Free Fire. Com 12%, ele desbancou Candy Crush Saga (10%). Em terceiro lugar ficou Clash Royale com 2% junto com Farm Heroes e PUGB. Não foram incluídos os games que não atingiram 2% ao menos. Segundo a pesquisa, 54% dos entrevistados costuma jogar games no smartphone contra 46% que não.

Segurança desprezada?

Menos usuários estão usando antivírus segundo a pesquisa. Apenas 36% disseram que têm a proteção contra 64% que não tem. Anteriormente, em 2017, eram 48% que tinham alguma proteção. “A queda pode ser explicada pela crescente adição dessa funcionalidade como parte integrante de celulares de fabricantes variados, como a Samsung. Além disso, o Google oferece há algum tempo o Google Play Protect, um sistema que verifica os apps instalados pela sua loja oficial no dispositivo do usuário”, explicam os analistas.

Quem lidera a preferência do brasileiro que resolve se proteger é a Avast com 32%. CM Security tem 9% do mercado seguido de DFNDR e AVG com 8%, cada. Em quinto aparece a McAfee com 4%. Os demais não conseguiram atingir o número de 4%.

A pesquisa Mobile Time/Opinion Box foi realizada junto a 1.763 brasileiros que acessam a internet e possuem smartphone, respeitando as proporções de gênero, idade, faixa de renda e distribuição geográfica desse grupo. As entrevistas foram feitas ao longo de abril de 2019. A margem de erro é de 2.2 pontos percentuais. O grau de confiança é de 95%.

15:09 · 10.06.2019 / atualizado às 13:30 · 12.06.2019 por

Tanto para quem usa o Telegram no iPhone quanto em smartphones Android é possível proteger seu aplicativo para evitar ter dados roubados. Vamos as dicas:

>>Teve o celular roubado? Saiba como tirar seu WhatsApp dele

>>Saiba como funciona o golpe que clona o WhatsApp

 

Para Android

1 – Abra o Telegram e clique no ícone de 3 barras no canto superior esquerdo

2 – Clique em Configurações

3 – Toque em Privacidade e Segurança

4 – Acesse Senha de Bloqueio

5 – Ative a opção Senha de Bloqueio

6 – Agora crie sua senha de 4 dígitos

7 – Confirme o código e volte para a janela de mensagens e toque no ícone de cadeado para travar o app com senha

Para iPhone

1 – Abra o Telegram

2 – Clique em Configurações

3 – Toque em Privacidade e Segurança

4 – Acesse Senha de Bloqueio

5 – Toque em Ativar Senha

6 – Agora crie sua senha de 4 dígitos

7 – Caso você tenha o recurso de Touch ID ative o desbloqueio através da sua digital

Camada extra

Além disso, há ainda uma outra opção para dar ainda mais segurança: a verificação em duas etapas. Veja como ativá-la:

Para Android

1 – Abra o Telegram e clique no ícone de 3 barras no canto superior esquerdo

2 – Clique em Configurações

3 – Toque em Privacidade e Segurança

4 – Acesse Verificação em Duas Etapas

5 – Insira uma senha

6 – Crie uma dica de senha

7 – Agora crie um e-mail de recuperação

Para iPhone

1 – Abra o Telegram

2 – Clique em Configurações

3 – Toque em Privacidade e Segurança

4 – Acesse Verificação em Duas Etapas

5 – Crie uma senha

6 – Crie uma dica de senha

7 – Agora crie um e-mail de recuperação

07:42 · 05.06.2019 / atualizado às 08:00 · 05.06.2019 por

Uma das principais novidades do iOS 13 apresentada durante a WWDC 2019 pela Apple foi o “Modo Escuro“. Além de economia de bateria, este recurso protege seus olhos quanto ao excesso de luz emanada do seu iPhone. Pois bem, você sabia que já pode usar um recurso muito similar a esse agora? Vamos explicar para você.

Antes, é bom que saiba que este recurso não tem toda a qualidade que terá o futuro “Modo Escuro” oficial, mas já é algo que pode te ajudar com mais bateria e relaxar seus olhos. Agora sim, veja como chegar a ele:

1 – Clique em Ajustes

2 – Procure o termo Geral  e clique nele

3 – Clique em Acessibilidade

4 – Toque no nome Adaptações de Tela

5 – Clique em Inverter Cores

6 – Clique em Inversão Inteligente

Você verá que dentro dos produtos da Apple há uma organização bacana neste “Modo Escuro” protótipo, digamos assim. Porém, ao visitar o WhatsApp as coisas mudam um pouco e vai ficar um tanto desagradável as fontes. Na tela principal do smartphone você verá uma tela nitidamente mais escura pela inversão das cores. Pode ser ruim, mas vai ser bom para economizar bateria e para não forçar a sua vista, especialmente de noite. Então? Topa testar? Depois nos diga o que achou!

05:32 · 05.06.2019 / atualizado às 14:59 · 04.06.2019 por

Durante a WWDC, finalmente, após vários lançamentos, a Apple decidiu criar um sistema operacional próprio para os iPads. O iPadOS promete trazer melhor navegação e maior personalização das telas.

Com o iPadOS você poderá segurar e arrastar aplicativos tanto próprios quanto de parceiros. Além disso, o tablet conseguirá ser segunda tela para MacBooks e navegação do Safari em modo desktop, tornando-o ainda mais importante no ecossistema de produtos da Apple, conectar iPads a câmeras (facilitando a vida de fotógrafos) também é outra oferta deste novo sistema operacional voltado para o tablet da “Maçã”.

Com o iPadOS os tablets da Apple terão multitarefa aprimorado e poderão servir como tela secundária para MacBooks

Mas o principal é a possibilidade de uso de pendrives, finalmente. Sim, já tínhamos pendrives especiais que podiam ser plugados em iPhones e iPads para copiar suas fotos. Porém, isso era feito via um aplicativo que fazia o meio de campo. Agora, a leitura dos arquivos existentes no pendrive será diretamente pelo sistema operacional nativo do iPad. Especificamente para o iPad Pro que tem uma entrada USB-C os pendrives precisarão ter este conector ou via adaptadores.  Logicamente, teremos muitos no mercado, especialmente na loja da Apple.

iPad finalmente aceitando pendrive

A cada evento a Apple mostra querer evoluir os iPads para um novo tipo de laptop. Portabilidade e desempenho poderão ser a chave para o sucesso. Aliado a um preço convidativo, claro.

A analisar agora a questão se teremos preços mais convidativos futuramente. Afinal, com esta questão da portabilidade, processador mais potente, abertura para pendrive, ele seria bem mais atraente para os consumidores se o preço não fosse tão assustador. Junta-se a isso a iminente necessidade de se incluir um pacote com teclado físico – poderia ser até aquele que é uma capa junto – já incluso no preço para atrair ainda mais os consumidores. Veremos.

Confira a lista de tablets da Apple que poderão rodar o iPadOS:
iPad Air 2
iPad Air 3
iPad mini 4
iPad mini 5
iPad (5ª geração)
iPad (6ª geração)
iPad Pro (10,5 polegadas)
iPad Pro (11 polegadas)
iPad Pro (12,9 polegadas)
iPad Pro (9,7 polegadas)

12:56 · 04.06.2019 / atualizado às 17:54 · 04.06.2019 por

O evento para desenvolvedores WWDC da Apple trouxe o anúncio do novo iOS. A 13ª versão do sistema operacional, que chega em setembro oficialmente (betas já podem ser baixados), oferecerá uma gama de melhorias para os usuários. Selecionamos as 5 que achamos mais interessantes.

1 – Privacidade

O iOS 13 traz uma preocupação grande com a segurança do usuário. Entre os recursos destacamos o “Sign in with Apple” que servirá para você entrar em sites que pedem e-mails sem você fornecer o seu para eles. Você usará seu Face ID para esta missão e evitará que copiem seus dados mundo afora. Um e-mail fictício será criado e você poderá descansar sem medo de spams futuros ou newsletters indesejadas. Outra ação é evitar que apps te espionem em segundo plano. Além disso, haverá melhorias para conexão Bluetooth e Wi-Fi.

2 – Modo Escuro

Modo Escuro promete economizar bateria e proteger seus olhos

Sim, ele é um dos principais destaques do novo iOS. Além de ajudar na economia da bateria do seu iPhone, especialmente nos aparelhos com tela OLED, ele fará bem a sua saúde ocular. Configurado automaticamente ou de forma manual, a novidade oferece também um descanso para seu olho, evitando ressecamento e facilitando a leitura em ambientes de pouca luz.

3 – Apple Maps

Após 7 anos de decepção, a promessa é que o Apple Maps, finalmente, seja um concorrente digno para o Google Maps e para o Waze. Além de mudanças de design que trarão botões no rodapé para você chegar a seus lugares favoritos e organizar suas rotas, você poderá compartilhar seu destino em tempo real com amigos e parentes. O novo Maps terá imagens em 3D dos locais como o Street View do Google. Mas não comemora: somente os EUA verão estas novas funções em 2019. O Google agradece!

4 – Teclado

Anos atrás do Google, a Apple, enfim, traz a digitação onde você desliza sobre as teclas e escreve o seu texto. Ele virá com o QuickPath. Usuários do iPhone poderão dizer que já possuíam tal função via Gboard, mas agora será nativo.

Teclado mais inteligente no iOS 13

5 – Desempenho

O novo iOS, garante a Apple, irá abrir os aplicativos duas vezes mais rápido que as versões anteriores. Além disso, a empresa promete apps mais enxutos (até 50%) para carregarem mais rapidamente e consumirem menos banda. O Face ID também irá desbloquear seu aparelho em até 70% mais rápido. Quem viver, verá!

Os escolhidos

Saiba a lista de smartphones que vão receber o iOS 13:
iPhone SE
iPhone 6S
iPhone 6S Plus
iPhone 7
iPhone 7 Plus
iPhone 8
iPhone 8 Plus
iPhone X
iPhone XR
iPhone XS
iPhone XS Max

14:50 · 29.05.2019 / atualizado às 14:50 · 29.05.2019 por

A partir desta quarta-feira (29), usuários Twitter têm a possibilidade de convidar até três pessoas para participarem simultaneamente de suas transmissões ao vivo. O recurso, lançado para o aplicativo do Periscope no início do ano, permite que os convidados escolhidos participem por áudio e saiam da conversa a qualquer momento.

A ideia é promover debates mais ricos em torno de um tema, em que espectadores transformam a transmissão em uma espécie de “mesa-redonda”. Isso torna as conversas ainda mais fluidas e abre novas possibilidades de interação entre as pessoas.

A funcionalidade está disponível para os sistemas iOS e Android.

13:24 · 29.05.2019 / atualizado às 14:32 · 29.05.2019 por

Por AFP

A Apple apresentou nesta terça-feira seu novo modelo de iPod em quatro anos, destacando músicas e games, dando continuidade à priorização de oferecer conteúdo digital.

O iPod touch de última geração, basicamente um iPhone sem a função de fazer ligações, estava mais disponível em mais de 12 países na loja digital da Apple, a partir de US$ 199. No Brasil ele tem início por R$ 1.699 (com 32GB), R$ 2.499 (128GB) e R$ 3.299 (256GB).

Novos iPod touch

“Estamos fazendo o aparelho iOS mais acessível ainda bem, como o desempenho duas vezes mais rápido que antes, FaceTime de grupo e realidade aumentada”, anunciou o vice-presidente da Apple de marketing de produto, Greg Joswiak.

“O design super-fino e leve do iPod touch sempre tornou ele ideal para aproveitar videogames, música e várias outras coisas, onde quer que você vá”.

14:42 · 28.05.2019 / atualizado às 14:42 · 28.05.2019 por

A Receita Federal de São Paulo está com leilão de produtos apreendidos, entre eles, estão iPhones 5S a partir de R$ 500. O certame é válido para todos os brasileiros. Porém, a retirada do produto precisa ser na capital paulista. O pregão acontece no próximo dia 30, a partir das 11 horas.

A maioria dos produtos é voltada para pessoas jurídicas, mas alguns produtos, como os iPhones, podem ser disputados por pessoas físicas. Há outros iPhones mais novos na disputa. O iPhone 7 e o 7 Plus estão lá a partir de R$ 1.300. Também há Chromecasts, câmeras, drones DJI e switchs para redes.

Os produtos não têm garantia e é bom reforçar que não haverá envio para residência da pessoa. Os mesmos deverão realizar retirar em uma das unidades da Receita Federal em São Paulo onde os produtos estão armazenados.

Certificação digital

Para participar do leilão da Receita Federal é preciso fazer um cadastro no site do órgão e ter uma certificação digital para dar os lances.

07:44 · 24.05.2019 / atualizado às 07:47 · 24.05.2019 por

O Phone Arena, através de uma parceria entre o canal de YouTube EverythingApplePro e o vazador conhecido Max Weinbach, revelou que o futuro iPhone XI virá com o melhor conjunto de câmeras do mercado. Superior a qualquer produto do Google, Samsung, Huawei ou Xiaomi. Duvida?

Como dito por 10 entre 10 vazadores de informações da Apple, o layout das lentes terá um entalhe quadrado com as 3 lentes lá. Além das já presentes nos iPhones XS e XS Max, o iPhone XI virá com um sensor grande-angular de 12MP. Esta nova lente trará um ângulo de visão de 120° que, ao contrário das outras duas, não terá estabilização óptica. O flash, que completa o entalhe traseiro, terá mais potência e isso irá ajudar a iluminar mais área, o que poderá nos dar fotos bem melhores com pouca luz, ao contrário do que temos hoje.

Mas o que vai realmente fazer a diferença e tornar a nova câmera um sucesso maior que a concorrência será o aperfeiçoamento do processador de sinalização de imagem (ISP ou Image Signaling Processor). Além disso, uma atualização do efeito Smart HDR está em curso para deixar o recurso ainda melhor do que a concorrência.

E você? Acredita que a câmera dos novos iPhones XI será realmente superior a tudo que vimos este ano? Façam suas apostas!

07:30 · 15.05.2019 / atualizado às 07:30 · 15.05.2019 por

A popularização dos tablets e smartphones evoluiu de tal modo que, atualmente, estes são uma das principais fontes de compras do consumidor do varejo digital. Segundo dados da Compre&Confie, empresa referência em inteligência de mercado e segurança digital para compras na web criada pela ClearSale, em 2018 foram 62,9 milhões de pedidos via mobile no Brasil, sendo 83,4% em dispositivos Android e 16,5% em aparelhos com sistema iOS.

Ao todo, 9,9 milhões de pessoas compraram através de dispositivos móveis no período, com tíquete médio de R$376,70. Na divisão por gênero, as mulheres foram mais ativas do que os homens: a participação delas no volume de pedidos atingiu a marca de 59,2%, ante 40,2% deles.

Os jovens entre 26 e 35 anos foram o principal público consumidor, com 36% dos pedidos realizados. Em seguida, os adultos que têm entre 36 e 50 anos, com 34,9%.

Na comparação por regiões do país, o Sudeste lidera a porcentagem de pedidos com 72,6% e a região sul vem atrás, com 11% do total. Essas duas regiões concentram 84,1% dos pedidos, reflexo da maior presença de e-commerces e da familiaridade do consumidor com compras on-line em ambos os locais.

Produtos consumidos

A principal categoria em pedidos realizados é a de telefonia, com 16,4% do total. Entretenimento e moda aparecem em seguida, com 13,8% e 13,2%, respectivamente.

Em relação ao faturamento, o setor de telefonia também é a principal categoria de vendas, com 34,7% do total de vendas. Entretenimento é a segunda categoria, com 14,1%. Em terceiro lugar, figura o segmento de eletrodomésticos e ventilação, com com 10,8% do total.

Pesquisar

Faça uma busca em nosso blog:

Na Rede

Tendências, novidades e novos produtos para quem é apaixonado por tecnologia. Comportamento digital e redes sociais também em pauta. Por Daniel Praciano.

VC REPÓRTER

Flagrou algo? Envie para nós

(85) 98887-5065

Tags